sexta-feira, dezembro 3, 2021

Saab RBS 70NG

O papel da Ciência & Tecnologia na segurança cibernética

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

globe-cyberwar

Virgílio Almeida

ClippingNEWSEm seu discurso na abertura da Assembleia-Geral da ONU, a presidente Dilma Rousseff deixou claro que o Brasil vai redobrar os esforços para adotar legislação e desenvolver tecnologia e mecanismos para proteger a privacidade dos cidadãos brasileiros contra o monitoramento ilegal de suas comunicações e informações na internet. A proteção do ciberespaço contra ataques cibernéticos e espionagem é hoje uma prioridade estratégica dos países desenvolvidos e em desenvolvimento. E um dos modernos desafios do século 21. Ao longo dos últimos 20 anos o uso global da internet cresceu mais de mil vezes. Sua adoção generalizada toma a rede cada vez mais importante em todos os aspectos do dia a dia dos cidadãos e constitui um componente essencial da economia de todos os países.

Por outro lado, a dependência cada vez mais acentuada da rede mostra que a segurança cibernética é chave para a estabilidade, a prosperidade e a competitividade do Brasil e para a segurança da sociedade brasileira. À medida que as infraestruturas críticas do País, como energia elétrica e comunicações, se tornam dependentes de redes públicas e privadas, o potencial de impacto generalizado resultante da interrupção ou falha da internet também aumentou. A construção de mecanismos de segurança e defesa cibernética tem sido uma prioridade do governo brasileiro, por meio de ações concretas, como, por exemplo, a implantação do Centro de Defesa Cibernética do Exército, em 2010.

A rápida evolução tecnológica torna complexa a natureza da segurança cibernética. No sentido mais amplo, a segurança cibernética diz respeito à proteção contra interferência ou ataques às atividades, às informações e aos serviços nos dispositivos digitais e redes. Há no espaço cibernético assimetrias que dificultam a questão. Em geral, o custo de ataques cibernéticos, via vírus e robots, é baixo, enquanto a proteção das redes do País tem um alto custo de operação. Além disso, novas formas de ataques, baseados em software, surgem a cada dia, o que toma vulnerável a proteção com base apenas em ataques já ocorridos no passado. Está claro que a segurança cibernética não é “commodity”, não está à venda no mercado internacional, pelos países que já avançaram no setor. Portanto, é preciso pensar para a frente, inovar na forma de enfrentar as vulnerabilidades do ciberespaço brasileiro. E nesse ponto entra a importância do conhecimento científico e tecnológico. A fonte natural de inovação é o avanço científico e tecnológico, que cria novos conhecimentos e ferramentas necessários para explorar desafios ainda não equacionados, como foi feito com a exploração de petróleo em águas profundas e com avanços tecnológicos da agricultura brasileira. O Brasil precisa da ciência e tecnologia (C&T) para construir proteções eficazes para o ciberespaço brasileiro.

A proteção cibernética não depende apenas de avanços tecnológicos, mas baseia-se também em dimensões regulatórias, econômicas e educativas, que são fundamentais para a construção de um Brasil digital. O Marco Civil da Internet, a Lei de Proteção de Dados Pessoais e a atuação do Comitê Gestor da Internet (CGI) são os pilares fundamentais do arcabouço legal do ciberespaço. Por exemplo, por meio de ações técnicas articuladas pelo CGI e adotadas pelas empresas de internet e telecomunicações, o Brasil reduziu dramaticamente a geração de spam. O País, que já esteve entre os cinco maiores geradores de spam, não se encontra mais na lista dos 15 países que mais o geram.

O desenvolvimento de capacitação tecnológica para defesa cibernética passa diretamente pelas ações de apoio a pesquisa e desenvolvimento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, que tem trabalhado em conjunto com outros ministérios, em especial o da Defesa. O Programa TI Maior – Programa Estratégico de Software e Serviços de Tecnologia da Informação, lançado em 2012, já havia elegido a área de defesa cibernética como prioritária. No primeiro semestre de 2013 a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) fez um edital de subvenção econômica de R$ 60 milhões para empresas de software nas áreas do Programa TI Maior e a defesa cibernética foi a área que recebeu o maior número de propostas.

As tecnologias para cibersegurança fazem parte das chamadas tecnologias duais, que podem ser usadas tanto para fins militares e governamentais quanto para aplicações civis. E isso é de interesse estratégico para o Brasil, pois os ciberataques não se restringem às instalações de governo. Segundo pesquisas de mercado, o Brasil perde quase R$ 16 bilhões por ano com ataques de cibercriminosos, que cada vez mais buscam atacar os smartphones, tablets e redes sociais. No mundo, o prejuízo causado pelos crimes cibernéticos chega a US$ 110 bilhões por ano.

O Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação planeja uma série de outras iniciativas para fortalecer a estratégia brasileira de defesa e segurança cibernética, visando a criar tecnologias de proteção do ciberespaço brasileiro. Investimentos da ordem de R$ 140 milhões vão apoiar ações que visam ao aumento da autonomia tecnológica para o setor, desenvolvimento de tecnologias avançadas para proteção do ciberespaço, atualização da capacidade de supercomputação do Brasil e formação de técnicos e pesquisadores nas áreas relacionadas à defesa e segurança cibernética. Recursos serão colocados para fomentar a pesquisa científica nas universidades em problemas relacionados à segurança cibernética. Além disso, novos editais serão lançados para apoiar startups na área se segurança cibernética e para financiar o desenvolvimento de produtos e tecnologias para segurança das redes e dos dispositivos digitais.

FONTE: O Estado de S. Paulo – 13/11/2013

 

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Últimas Notícias

Alltec apresenta suas inovações tecnológicas na 6ª Mostra BID Brasil

Alltec desenvolveu uma blindagem adicional do Guarani, veículo para transporte de tropas, do Exército Brasileiro A Alltec, empresa de Pesquisa...
- Advertisement -
- Advertisement -