domingo, fevereiro 28, 2021

Saab RBS 70NG

General diz que a Venezuela ‘caminha para a catástrofe’

Destaques

EUA e aliados constroem cadeia de suprimentos de tecnologia ‘livre da China’

Biden assinará ordem presidencial para reforçar as indústrias de chips, baterias e terras raras WASHINGTON/TAIPEI – O presidente dos EUA,...

Uma Força Terrestre à altura dos desafios atuais

General de Exército José Luiz Dias Freitas A dinâmica das relações internacionais e das interações sociais, neste primeiro quartil do...

Tropa paraquedista retorna ao Brasil após exercício nos EUA

Rio de Janeiro (RJ) – No dia 22 de fevereiro, foi realizada no Campo do 26º Batalhão de Infantaria...

130320-D-TT977-044

ClippingO general John Kelly, Chefe do Comando Sul dos Estados Unidos, afirmou que a Venezuela corre o risco de “entrar numa espiral de violência” e cair numa “catástrofe democrática”.

“A situação na Venezuela está a desmoronar-se diante dos nossos olhos e, salvo ocorra um milagre, que faça com que a oposição ou o governo abrandem as suas posições, vai caminhar para uma catástrofe econômica e democrática”, afirmou o general John Kelly, Chefe do Comando Sul dos Estados Unidos – que engloba toda a América do Sul, América Central e Caribe – sobre a deterioração da crise na Venezuela.

Segundo o jornal espanhol “El País”, a instabilidade na Venezuela tem levado Kelly a comparecer inúmeras vezes no Comitê dos Assuntos Armados do Senado norte-americano, onde o general manifestou ontem a sua preocupação com a “degradação” do regime democrático na Venezuela e a confiança em que sejam os próprios venezuelanos a “resolver” a situação antes que esta se “descontrole e se precipite numa espiral de violência”.

O general afirmou que não efetuou nenhum contato com as forças armadas venezuelanas adiantando que, por enquanto, os seus comandantes parecem leais ao presidente Nicolás Maduro. No entanto, sugeriu que “provavelmente haverá divergências entre os militares sobre o rumo a ser seguido durante a crise”. Kelly chamou a atenção para o fato de, até agora, Maduro ter apelado à polícia e não ao exército para lidar com os protestos dos cidadãos o que, segundo o general, “diz muito sobre a visão que o governo venezuelano tem sobre o papel dos militares”.

A situação na Venezuela preocupa o Capitólio e a prova disso é que na quarta-feira, o secretário de Estado John Kerry, foi questionado sobre a política da Administração em relação à crise nesse país. O chefe da diplomacia norte-americana reconheceu que os EUA poderão avançar com sanções mas, por agora, prefere que os outros países da região promovam o diálogo entre os opositores. O Senado está pronto para aplicar rapidamente medidas punitivas ao governo de Nicolás Maduro, vontade que deixou bem clara numa resolução solicitando a Barack Obama que autorize a proibição de vistos e o congelamento de contas bancárias a venezuelanos que tenham participado, direta ou indiretamente, em violações dos direitos humanos na Venezuela.

FONTE: Diário de Notícias

 

- Advertisement -

5 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
5 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos
Marcos
6 anos atrás

USAmericano estão preocupados, já a cumpanherada sem caráter e sem vergonha não tá nem ai, desde que o professor Girafalis se mantenha no poder!!!

aldoghisolfi
aldoghisolfi
6 anos atrás

O que me impressiona, nem é tanto o presidente venezuelano conversar e receber mensagens de um passarinho, mas, SIM!, a nossa presidente apoiar as patacuadas e a violência na Venezuela.

rsbacchi
rsbacchi
6 anos atrás

Lembrem-se que eles estão fazendo tudo pelo povo.

Vader
6 anos atrás

Venefavela rumo ao Haiti. Só falta os ton-ton macuts…

Ou na verdade talvez não falte mais…

aldoghisolfi
aldoghisolfi
6 anos atrás

Vader, “vira a boca p’rá trás”, pois de repente a cumpañera manda os nossos soldadinhos ‘pacificarem’ a área… rumo ao CS da ONU! A UNASUL está aí…

- Advertisement -

Guerras Modernas

Armênia, Azerbaijão e Rússia fecham um acordo para acabar com o conflito de Nagorno-Karabakh

YEREVAN/BAKU (ARMENIA/AZERBAIJÃO) — Armênia, Azerbaijão e Rússia disseram que assinaram um acordo para encerrar o conflito militar na região...
- Advertisement -
- Advertisement -