sexta-feira, julho 23, 2021

Saab RBS 70NG

Amorim destaca evolução nos investimentos destinados às Forças Armadas

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Audiência MD

Brasília, 27/03/2014 – O ministro da Defesa, Celso Amorim, participou de audiência pública nesta quinta-feira (27) na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) do Senado Federal. Ao traçar panorama sobre os assuntos da pasta, Amorim defendeu a cooperação como forma mais eficiente de dissuasão contra ameaças externas. “É a primeira razão pela qual devemos ter Forças Armadas bem equipadas e adestradas”, ressaltou.

O ministro destacou que o orçamento da Defesa tem se comportado, em relação a custeios e investimentos, de forma positiva nos últimos anos. Em 2003, o total era de R$ 3,7 bilhões. Hoje, o valor é de aproximadamente R$ 18,5 bilhões. Se for considerado apenas os investimentos, a cifra aumentou, no mesmo período, de R$ 900 milhões para quase R$ 9 bilhões.
Entretanto, Amorim lembrou que, em comparação com os outros países dos BRICS (Rússia, Índia, China e África do Sul), o Brasil tem o menor orçamento de defesa em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). A média do grupo é de 2,3% do PIB, enquanto os investimentos brasileiros giram em torno de 1,5%. Segundo o ministro, a intenção é chegar a 2% do PIB em 10 anos. “O panorama não é sombrio e nem luminoso”, avaliou.
O ministro da Defesa disse que o fortalecimento das Forças Armadas deve ser uma questão prioritária da sociedade brasileira, sobretudo por conta da defesa da riqueza dos nossos recursos naturais. “O Brasil não pode delegar a sua defesa a ninguém. Nós temos que ser capazes de demonstrar para quem quiser nos agredir que nós somos capazes de reagir”, asseverou.

Projetos

Celso AmorimDe acordo com o ministro, os recursos para as principais iniciativas da Defesa têm avançado em projetos como o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub), a cargo da Marinha; o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron), do Exército; e o projeto FX-2 (caças Gripen NG), da Aeronáutica.
Sobre a continuidade dos investimentos, Amorim citou o orçamento do Sisfron, que em 2013 foi de R$ 242 milhões e que, para este ano, tem R$ 213 milhões garantidos. “É menos do que estimávamos, mas o importante é garantir o nível de execução.”
Sobre a aquisição dos caças suecos Gripen NG, o ministro informou viagem à Suécia no início de abril para acompanhar a evolução das negociações e estabelecer os acordos necessários para a transferência de tecnologia.
Sob a ótica da cooperação, Amorim ressaltou os projetos desenvolvidos no âmbito do Conselho de Defesa Sul-Americano (CDS), como o veículo aéreo não tripulado (VANT) regional, o avião treinador básico, e também o desenvolvimento do novo avião cargueiro KC-390 em parceria com a Argentina.

Ele também mencionou o Curso Avançado de Defesa Sul-Americano (CAD-Sul), na Escola Superior de Guerra (ESG), e tratativas para a criação de uma Escola Sul-Americana de Defesa.

Cooperação

Em sua exposição, Celso Amorim destacou os acordos de cooperação com países africanos. Em recente visita à África do Sul, ele visitou as instalações da estatal Denel, onde está sendo desenvolvido o projeto militar bilateral do míssil ar-ar de quinta geração A-Darter.
O ministro também visitou Moçambique, quando prospectada a expectativa de cooperação na área de treinamento e o interesse do Brasil em doar três aviões tucanos com esta finalidade.
Ao responder questionamentos dos senadores sobre defesa cibernética e espionagem, Celso Amorim disse que dentro do Exército há estudos para transformar o atual Centro de Defesa Cibernética (CDCiber) em um Comando de Defesa Cibernética – além da criação de uma escola para formação de mão de obra para a área. Segundo o ministro, a escola poderia atender toda a administração federal.

Copa FIFA 2014

Conforme o pronunciamento do ministro, as Forças Armadas atuarão no apoio aos órgãos estaduais de segurança pública durante a realização da Copa do Mundo FIFA 2014. Ele disse que os detalhes ainda estão sendo discutidos, inclusive acerca do possível emprego das operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), entre o Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA) e órgãos de segurança estaduais.

Haiti

Celso Amorim vê a necessidade de se deixar um legado consistente no país após o fim da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah). Ele mencionou projetos estruturantes como a construção de uma usina hidrelétrica, com os custos repartidos entre a comunidade internacional. Outra possibilidade é o apoio da engenharia militar em obras, como recuperação de estradas, pontes e outras edificações.

FONTE: Assessoria de Comunicação Social (Ascom) do Ministério da Defesa / FOTOS: Jorge Cardoso

- Advertisement -

2 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nautilus
Nautilus
7 anos atrás

O Ministro está desatualizado. O tal treinador básico do UNASUR já está fazendo água na Argentina. O melhor seria valorizar uma indústria nacional e adquirir o avião da Novaer Craft, o T-XC, como substituto dos T-25 Universal da FAB para treinamento básico.

Mauricio R.
Mauricio R.
7 anos atrás

A FAB não tem obrigação alguma, de levar pela mãozinha mais uma empresa nacional, somente pq se supõe que o seu produto lhe tenha serventia.
Antes de mais nada, tal produto deve obrigatoriamente ser avaliado, se atende as necessidades técnico-financeiras da força, em relação aos demais produtos similares do mercado.
Nacionais ou não.

Últimas Notícias

3ª Brigada de Infantaria Motorizada realiza treinamento por meio de jogos de guerra

Brasília (DF) – A 3ª Brigada de Infantaria Motorizada (3ª Bda Inf Mtz) realizou, no período de 5 a...
- Advertisement -
- Advertisement -