Home Foto O míssil tático de cruzeiro MTC-300

O míssil tático de cruzeiro MTC-300

1637
20

MTC-300

Nas imagens, o míssil MTC-300 (Míssil Tático de Cruzeiro), antes designado, AV-MT e depois AV-TM.

MTC 300

MTC-300 foto 2

FONTE: EB, via Estratégia Global

SAIBA MAIS:

20
Deixe um comentário

avatar
20 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
11 Comment authors
LywMarceloJokerAugustoVader Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Parece que tá saindo.
Eu ainda acho estranho a combinação dessa aerodinâmica com a motorização, que só tem paralelo no Exocet Block 3, mas que é antinavio e otimizado para voar rente ao mar.
Mas sem dúvida é uma excelente iniciativa e tomara que seja exitosa.

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Na verdade, cometi uma equívoco.
Essa configuração aerodinâmica aliada á motorização por turbojato é comum em vários mísseis, mas todos antinavios e otimizados para voarem rente à superfície do mar.

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Bosco, mas aquela saída com toda a fumaça do nosso travesti exocet é de motor foguete não é???

Grande abraço

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Um exemplo interessante é o Harpoon. O míssil tem exatamente essa configuração, mas quando foi feito uma versão otimizada para ataque terrestre, ele foi mudado para uma outra configuração aerodinâmica.
https://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads/2010/02/SLAM-ER.jpeg
Agora, ficarei muito espantado se não usarem a tecnologia da cabeça de busca do MANSUP combinada com o célula e a motorização do MTC-300 para um míssil antinavio.

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Juarez,
É, mas é o booster alijável. Depois passa a funcionar o turbojato para a fase de cruzeiro.

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

Óóóóó!!!

wwolf22
Visitante
Member
wwolf22

como andam as pesquisas para mísseis com os motores scramjet aqui no Brasil ?? seria possível no trezentao ??
mudando um pouco de assunto, aqueles foguetes experimentais que o Brasil lança na Suecia(acho que eh o VSB 30), o que faltam nele para transforma-lo num míssil ??? cabeça de “inteligente”??

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Grande Bosco,

Não sei se a minha pergunta é óbvia ou absurda, mas farei-a mesmo assim:

Será que o MTC-300 irá ter uma fase inicial, impelido pelo booster e com movimento balístico e, após, uma segunda fase, impelido pelo turbojato, em que ele voaria rente ao solo, de forma que estaria explicado esse design?

Grato.

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Rafa, Eu acho que não há porque reinventarem a roda. O booster é de tamanho compatível com um simples motor foguete de lançamento. Claro que pode ficar ligado por mais ou menos tempo, o que propiciaria algum ganho de alcance, mas nada que sugira uma nova forma de abordagem da trajetória. Ele é igual a todos os outros mísseis cruise propulsados por turbina lançados da superfície, onde se faz necessário o concurso de um motor foguete para ser lançado, já que a turbina não teria força para fazê-lo por si só. Havendo uma versão lançada do ar, o booster não… Read more »

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Valeu, Bosco.

Também espero que não estejam tentando reiventar a roda. Geralmente isso sai caro, ainda mais aqui. E, então, o que eu imaginei não é óbvio, é absurdo mesmo rsrs.

E prefiro que seja apenas isso que você concluiu: o design é adequado a uma velocidade maior do que aquela comum a seus pares.

No mais, seria interessante se o EB divulgasse exatamente o que testou. Foi só o booster? Ele também voou com o turbojato? Etc.

Abraço.

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

“como andam as pesquisas para mísseis com os motores scramjet aqui no Brasil ??”

Temos o 14-X, mas é um míssil ainda experimental, totalmente diferente desse MTC.

“…o que faltam nele para transforma-lo num míssil ???”

Transforma-lo em que tipo de míssil??? IRBM???

Se for:

plataforma inercial própria, mto melhorada.

abrrogar o MTCR, que limita o alcance deste tipo de míssil a 300 Km.

ou ajudar na campanha americana pela revisão deste limite.

Blind Man's Bluff
Visitante
Blind Man's Bluff

Onde está escrito que esse não é um míssil anti-navio?
Não é pq é designado míssil de cruzeiro que isto signifique que ele é anti-terrestre. Ainda mais ele é um míssil de cruzeiro tático, e não estratégico, como o Tomahawk e os Scalps.

De qualquer maneira, se este for o caso, teremos enfim as tão esperadas baterias terrestres anti-navio.

Vader
Membro
Trusted Member

Para ser um míssil antinavio creio que ele precise de outra cabeça de busca, mais precisa e que conte com banco de dados, talvez datalink, radar, sem falar em sistemas de contramedidas, etc.

Creio que ainda estamos muito longe disso.

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Blind, Nunca foi divulgado nada a respeito dele ter capacidade antinavio. Até agora o único projeto nacional antinavio é o MANSUP, que é meio que um Exocet MM-40 nacionalizado. Esse, pelo que se sabe, não tem orientação terminal que o habilite a atingir um alvo tático em movimento, nem terrestre e muito menos naval. O termo “tático” empregado é meio que enganador. Sem dúvida ele pode ter capacidade tática, sendo usado contra alvos envolvidos no combate ou prestes a entrar nele, mas que, sendo móveis, estejam estáticos. Isso exige uma coordenação precisa entre o lançador e tropas avançadas ou meios… Read more »

Augusto
Visitante
Member
Augusto

Até entrar em cruzeiro, ele faz uso do booster alijável de propelente sólido. Depois, entra em ação uma turbina da Polaris.

Joker
Membro

Até o fim do ano devo presenciar o lançamento de um protótipo desse míssil.

Marcelo
Visitante
Marcelo

O design não é inusitado. A primeira versão do SLAM mantinha a célula do Harpoon.

Lyw
Visitante
Member
Lyw

Bosco (…) E até onde se sabe não há um link de dados com o míssil, sendo ele de operação autônoma (…)

Nos requisitos operacionais básicos do agora MTC-300, temos o seguinte a este respeito:

RTA 26) Permitir, após o disparo, a reprogramação de sua missão, em voo, modificando as coordenadas geográficas, inicialmente inseridas, da trajetória desejada e do alvo designado para outras pré-programadas e dentro de condições adequadas de enlace de comunicação entre míssil e viatura, tais como: altura da antena, altura de voo, características do relevo e condições meteorológicas.
REF.: ROA 17 e 29 (PESO DEZ)

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Lyw,
Beleza!
Se tiver datalink melhor ainda já que será mais efetivo do ponto de vista tático.