Home Sem categoria Nexter e Avibras anunciam acordo de cooperação em artilharia

Nexter e Avibras anunciam acordo de cooperação em artilharia

799
50

CAESAR_(camion_équipé_d'un_système_d'artillerie)_1

Villepinte, Eurosatory, 18 de junho de 2014 – O Grupo Nexter e o grupo Avibras anunciaram na Exposição Eurosatory a assinatura de um acordo de cooperação que visa o desenvolvimento de um Sistema de Artilharia CAESAR 155 para o Exército Brasileiro, com base na mesma mobilidade, logística e de comando e Controle do Sistema ASTROS brasileiro.

É uma oportunidade para a Nexter consolidar sua posição no mercado sul-americano, e para a Avibras para apresentar ao Brasil um novo produto dentro do segmento de Artilharia.

A assinatura foi testemunhada pelo embaixador do Brasil na França, o secretário de Produtos de Defesa do Ministério da Defesa do Brasil, e representantes do Alto comando do Exército Brasileiro.

 

50
Deixe um comentário

avatar
50 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
IvanjoseboscojrMauricio R.Jean-Marc Jardinoaldoghisolfi Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Aqui vale o “onde há fumaça há fogo”. Alguem sabe de alguma tratativa concreta nos corredores do EB sobre avaliação de compra de obuseiros?

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Tchê Colombelli! Basta observar nos “cantinhos” de diversos blogs de defesa Brasileiros, a “propagandinha” da Nexter, ou seja onde há patrocinio ha expectativa forte de venda.

Grande abraço

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Os obuseiros AP sobre rodas e sem cabine têm a vantagem de poderem ser transportados pelo C-130, e claro, tem também uma mobilidade tática bem maior que os AR, com exceção de não poderem ser transportados por helicóptero pesado (ou no caso do M777, até por helicóptero médio).
Será que podemos compor nossa artilharia de tubo de 155 mm só com AP (M109 e Caesar), ou há necessidade de termos também obuseiros AR?

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Bosco, apesar de eu não ser do “ramo”, penso que os dois são necessários, mas o AR teria que ser algom como o M777 que pode içado por um heli médio.

Grande abraço

Oganza
Visitante
Member
Oganza

modo>nostalgia_francesa>ON

Se vier, tem que vir com esse chassis, seria uma homenagem ao Citroen “Deux Chevaux”, vai perder a graça se colocarmos o chassis do ASTROS… 🙂

para quem não conhece, segue um Citroen “Deux Chevaux”

https://autos.culturamix.com/blog/wp-content/uploads/2013/01/citroen-2cv-1.jpg

modo>nostalgia_francesa>OFF

Ps.: se pronuncia – duê xívôuu… e tem que fazer biquinho kkkkkk

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Juarez,
Mas é provável que se vier o CAESAR os únicos obuseiros AR serão os de 105 mm.
Ficaria meio exagerado termos os M109, os Caesar e ainda obuseiros AR de 155 mm. Isso na hipótese dos M114 serem substituídos pelo Caesar.
Até que ficaria bem equilibrado se tivéssemos os autopropulsados M109 e Caesar de 155 mm, e os L118, no calibre 105 mm, autorrebocados.
O Caesar poderia ser transportado via C-130 e KC-390, os L118 seriam transportados via Black Hawk.
Um abraço.

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Dentro da minha ignorância em artilharia, um 155 mm AR passível de ser aerotransportado por helicóptero daria uma flexibilidade que um CAESAR transportado por asa fixa nunca teria.

Mas a minha pergunta é: Qual a composição de uma unidade de artilharia de 105 ou 155 mm padrão para ser aerotransportada por helicópteros e qual a quantidade de projéteis que podem ser levadas? Ou em quantas “pernas” com Blackhawk ou Super Pumas seriam necessárias? Vixe acabei complicando a pergunta.

Sds.

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Bosco., eu até entendi a tua linha de raciocinio, mas o colombelli citou em outro tópico o custo deste troço, R$ sete milhões de dólares a unidade, acho que não vai ser uma quantidade grande, pois segundo ele, precisaríamos de 60 para subtituir os jurássicos M 114, esta´ramos falando de algo como 400 milhões de dólares, e como nós bem sabemos, meso coma grife “made in Brasil by tots” ele cabe custando mais….
Tavlez acontece uma substituição parcial de M 114 por ele, ma não acredito que seja mais do que um grpo, 18 peças.

Grande abraço

aldoghisolfi
Visitante
Member
aldoghisolfi

Oganza disse: “entro da minha ignorância em artilharia, um 155 mm AR passível de ser aerotransportado por helicóptero daria uma flexibilidade que um CAESAR transportado por asa fixa nunca teria”.

Bingo! Diante disso, porque essa mudança toda?

Jean-Marc Jardino
Visitante
Jean-Marc Jardino
Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

Modelo de obuseiro montado em caminhão tem de monte no mercado, o CAESAR é somente +1.
Tem até um israelense, que já usa esse mesmo caminhão TATRA, somente que é 8 X 8
Então o EB que trate de fazer uma concorrência blindada contra os xiítas do MD que paparicam a BID, em especial a “Encostada” aka Avibrás e pronto.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Juarez, ja tinha notado esta presença midiática do Caesar, a questão é: será que tem algo rodando nos corredores do MD ou do EB? Propondo uma resposta à indagação acerca da possibilidade de termos um obuseiro autopropulsado sobre rodas substituindo o AR, lhes digo que no nosso caso seria possivel perfeitamente, pois as artilharias 155 no nosso caso são so divisionárias, em vista das quais é requerido um nível de mobilidade que dispensa transporte por helicoptero. Isso não está na nossa doutrina. As brigadas de selva, paraquedista e leve que teriam este requisito como importante e consta da doutrina, operam… Read more »

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Tchê Colombelli, eu entendi a questão, mas tem um porém:

Segundo o tu comentastes em outro tópico o valor aproximado de um Ceaser é de 7.5 milhões ded dólares, fazendo a nossa famosa “cuenta de panaderia” estamos falando em (vezes 60 peças) dá uns 450 milhões de dólares, mas vamos ser bonzinhos, digamos que o israelense custe uns cinco milhões, já dá uns trezentos milhões de dólares.
Só acredito vendo.

Grande abraço

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

De fato, por isso que acho que deveriam ser adquiridas uma bateria por grupo ( 20 unidades ao todo) e o resto ser substituido por obuseiros AR usados que sairão na faixa talvez de uns quinhentos mil dolares cada. Neste sistema, com pouco mais de 100 milhões ( menos do que está indo para renovar os 40 M-109) teriamos artilharia 155 renovada. Os M-114 seriam remanejados para 05 grupos que hoje operam o M-101. Depois, mai duas levas de 36 L-118 ( mais cem milhões) e pelo menos o M-101 estaria fora de serviço. Ficaria 05 grupos com M-114 para… Read more »

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

A propósito, é importante lembrar que a grande vantagem do obuseiro autopropulsado é o tempo de entrada e saida de posição e no, caso de armas de 52 calibres, o alcance. Ocorre que entrar em posição rapidamente não é algo nodal, pois raramente ocorre de surgir uma missão de tiro em que a bateria ou grupo esteja desmobilizado e tenha de entrar em posição rapidamente. Isto porque na tanto na defensiva como na ofensiva, o deslocamento do grupo se dá por lanços, ou seja, cada bateria é mudada enquanto as outras estão em posição. Sempre há cobertura. No sistema tradicional,… Read more »

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Colombelli, não querendo abusar da tua boa vontade em exolicar o funcionamento do equipamento e pegando uma frase tua anterior:

Dá para dizer então que um obuseiro AP sai de posição mais rápido que o um rebocado?

Grande abraço

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Perfeito Colombelli,

acho que entendi, então o ideal mesmo em se tratando do 155 mm, é ter os dois, AR e AP, em uma proporção de uns 10 : 1 respectivamente?

Quanto a nós fabricarmos as munições de 155 mm, eu acho fantástico e até acho uma grande oportunidade de juntar a Mectron ou qualquer outra para entrarmos em projeto de munição 155 guiada por GPS…

Se nossas empresas conseguirem realizar esse sistema, que é simples mas tem que SER EXTREMAMENTE resistente as forças Gs envolvidas, seria um ganho fantástico. Estamos falando do quê? Uns 500, 1000 Gs?

Sds.

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Juarez,

eu acho que é pq a AR tem que ser montada quando chega e desmontada quando sai, sem falar nos projéteis que teem que ser “arrumados” na posição que será movimentado pela guarnição… e quando eles forem sair, tem que fazer tudo ao inverso: desmontar, guardar projéteis, acomodar o povo nos caminhões…

Já as AP, levam os projéteis como se fossem uma torre de tanke, a movimentação em azimute e elevação é hidraúlica ou elétrica e guarnição “só” entraria em ação para remuniciar a “torre”…

Acho que deve ser por ai, mas é achometro… 🙂

Sds.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Mesmo nos 15 km um projétil de 155 mm tem CEP bem maior que 50 metros, daí ser preciso mais de um canhão disparando junto pra saturar uma determinada área. Ou no caso de alguns canhões AP, usar o método de “impactos múltiplos simultâneos”, onde um mesmo canhão consegue lançar várias cargas que caem simultaneamente num mesmo alvo, pela variação do ângulo do tubo e da carga de projeção. O Colombelli disse que a 40 km o CEP chega a 250 m, mas ele foi até generoso. Nessa distância deve chegar próximo dos 400 metros. Daí ser praticamente inviável bater… Read more »

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Juarez, no caso dos AR, quando se chega na posição, se o obuseiro não tem sistema com GPS, a primeira coisa a fazer é por o goniômetro bussola em posição. O operador lança o azimute do alvo e zera o retículo. A partir da aponta ele para o aparelho de pontaria de cada uma das peças que estarão em linha e ja solta do veiculo reboque, e vai cantando a deriva em miliésimos. O atirador da peça, vai registrando isso no seu aparelho de pontaria e apontando ele para o goniômetro, isso é feito movendo a pela toda, que vai… Read more »

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Tchê, destes uma verdadeira aula sobre o assunto, aprendi muti neste post teu e estou salvando no meu computador o texto.
colombelli, como nós gaúchos copstumamos dizer:

Texto de patrão.

Grande abraço

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Colombelli,

verdade, nos deste um o b-a-ba sobre artilharia.

Bom, vc mencionou o fogo anti artilharia, seria interessante para nós desenvolvermos um sistema como Arthur Saab, ou mesmo adquirir algum sistema com as mesmas características?

Grande abraço.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Apesar de termos avançados em relação às armas guiadas, desenvolver projéteis de artilharia guiados ainda não deve fazer parte das possibilidades de curto e médio prazo de nossa tecnologia. Um projétil de 155 mm, guando disparado por um obuseiro, sofre uma força acima de 10.000 gs. Quanto à artilharia de exércitos avançados, ao que parece, está ocorrendo o mesmo que ocorre com as forças aéreas em relação às bombas burras vs bombas guiadas. Veremos cada vez mais a utilização de projéteis de artilharia guiados em detrimento de projéteis burros. O projétil Excalibur obteve um sucesso inquestionável, mas é caro. O… Read more »

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Apesar de termos avançados em relação às armas guiadas, desenvolver projéteis de artilharia guiados ainda não deve fazer parte das possibilidades de curto e médio prazo de nossa tecnologia. Um projétil de 155 mm, guando disparado por um obuseiro, sofre uma força acima de 10.000 gs. Quanto à artilharia de exércitos avançados, ao que parece, está ocorrendo o mesmo que ocorre com as forças aéreas em relação às bombas burras vs bombas guiadas. Veremos cada vez mais a utilização de projéteis de artilharia guiados em detrimento de projéteis burros. O projétil Excalibur obteve um sucesso inquestionável, mas é caro. O… Read more »

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Bosco,

10.000 Gs… 😮

“só” errei em UM ZERO – 1000% ou em 10x o valor…

Eu errei foi feio… 😀

Sds.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Oganza,
Não havia visto seu comentário sobre o assunto.
Foi coincidência pura.
Eu peguei o gancho no comentário do Colombelli: “O desenvolvimento de granadas guiadas por aqui será muito dificil”, e por coincidência o meu comentário foi no mesmo sentido do seu.
Pra não deixarmos dúvidas, vou dar uma pesquisada pra ver quem chegou mais perto. Pode ser que minha memória me falte e tenha exagerado.
Aguarde!
Um abraço.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Oganza,
Eu acho que são mesmo os tais 10.000 Gs.
http://www.thefreelibrary.com/Barrel-launched+Weapons.-a070367415
Um abraço.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Oganza, sem dúvida que seria muito interessante termos radares de busca terrestre para permitir fogo de contra-bateria efetivo. Ja que estamos desenvolvendo o SABER 60, não custaria tentar um radar terrestre com esta finalidade. A princípio o Giraffe dos fuzileiros navais tem esta capacidade. Os argentinos estão ( ou estavam) desenvolvendo um. E é ai que entra a grande questão. Países da AL estão se capacitando para localizar artilharia e suas peças tem mais alcance que a maioria das nossas. Estariamos a mercê da contra-bateria. A propósito do fogo de contra-bateria, na escola nos contaram uma história durante uma instrução… Read more »

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Como estamos falando de radares de contra-bateria e projéteis guiados de artilharia, não custa avançarmos um pouco mais no tema tecnologia e lembrar que hoje há um interesse imenso no que diz respeito às armas com capacidade C-RAM (contra foguetes, morteiros e projéteis de artilharia). Ou seja, além da possibilidade de ser efetuado fogo de contra-bateria ainda há a possibilidade dos projéteis inimigos serem interceptados antes de atingirem seus alvos. Atualmente, os sistemas C-RAM estão mais voltados para operações assimétricas, onde espera-se que o volume de fogo seja pequeno, mas isso está mudando e logo-logo haverá sistemas capazes de neutralizar… Read more »

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Bosco, o Pantsir e o TOR tem uma exelente mobilidade, já o Iron Dome não, mas compensa com alcanse…

O que seria mais interessante, no caso de ter que escolher apenas um?

Me parece que o sistema de detecção do Iron Dome é mais eficiente nesse tipo tarefa, ou não?

Ps.: não conheço o LD2000, Centurion e Mantis

Sds.

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Colombelli,

As perguntas que fiz para o Bosco são para vc tb, desculpa.

Eu realmente não sei nada sobre artilharia e parece ser fascinante.

Sds.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Oganza, Sem prejuízo da resposta do Colombelli, eu diria que o Iron Dome, baseado no míssil Tamir, tendo alcance nominal de 17 km seria o mais indicado para a proteção de cidades, já os sistemas como o Mantis (baseado no canhão 35/1000) e o Centurion (baseado no Phalanx), são mais apropriados para serem usados taticamente, protegendo alvos militares (bases, sítios de mísseis SA, SS, lançadores de foguetes de saturação, artilharia, etc) , já que têm alcance curto (4000 metros no caso do Mantis e 1500 metros no caso do Centurion). No caso dos sistemas russos e chinês, eles têm grande… Read more »

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

“O que seria mais interessante, no caso de ter que escolher apenas um?”. Oganza, Eu diria que pelo menos dois sistemas deveriam ser escolhidos. rsrssss Um, eminentemente tático. No caso, o Centurion é o mais barato de manter, tendo em vista a munição de 20 mm. O segundo, se houvesse necessidade de proteger cidades, aí, o mais indicado ao meu ver seria o Iron Dome, que consegue neutralizar a ameaça antes que seus fragmentos possam cair na cidade e provocar danos contra civis desprotegidos. O Iron Dome é caro, e superdimensionado para a proteção de alvos táticos, mas tem desempenho… Read more »

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Vlw bosco,

não tem jeito, em defesa tem que ter o pássaro na mão e dar contar dos 2 que estão voando. rsrsrs

Sds.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Oganza, eu sou partidário de um conceito de engenharia: “redundância”, que no caso se baseia em sistemas diferentes com vetores diferentes. Um com arma de tubo e um com missil cumpriria este requisito. Ainda, por conta do custo, usar estes sistemas contra projéteis de artilharia não vale a pena. Porém, acho que para as ameaças possiveis que temos, estes sistemas defensivos são caros demais e o custo benefício não compensa contra estas ameaças. Primeiro temos muito chão para te rum mínimo em potencial ofensivo. Mesmo em termos defensivos, nem radares de busca e peças em condições de fogo de contrabateria… Read more »

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Sem dúvida nós não precisamos de sistemas defensivos tipo C-RAM já que ainda não temos os ofensivos como gostaríamos, mas o assunto deve ser explorado sob pena de além de não termos, corremos o risco de sequer sabermos se existe. E não estamos tão longe assim de precisarmos não, tendo em vista que hoje em dia esse tipo de sistema C-RAM é voltado, como disse, para operações de baixa intensidade, típica de guerra de guerrilhas ou de contra-terrorismo, do tipo de operações que estão ocorrendo lá na África (Congo), comandadas por um general brasileiro. Havendo repetidas ações de ataque com… Read more »

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Colombelli e Bosco,

muito obrigado, acho muito bom realmente entender as possibilidades e contra-possibilidades desse assunto em especial.

Meu raciocínio vai de encontro a um fato de que o Brasil NUNCA participou de uma Missão de Paz em uma zona realmente quente desde Suez e nunca teve que enviar uma força maior que 25.000 homens desde a FEB.

Mas o cenário mundial está diferente e logo-logo uma situação em que o Brasil precise de sistemas diferenciados, MESMO QUE SEU EMPREGO SEJA PONTUAL, será colocada diante de nós.

Grande Abraço.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Bosco, tenho sérias dúvidas que ele tenha eficácia contra projéteis pequenos como um morteiro 60.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Colombelli, Num certo sentido é mais fácil interceptar um projétil de morteiro (mesmo que de 60 mm) que um avião ou helicóptero, tendo em vista que o projétil balístico tem trajetória previsível e não dispõe de nenhum tipo de contra-medida. Claro, a baixíssima assinatura radar é um problema, mas nas distâncias mais curtas não duvido que seja possível. O prestigioso site “ausairpower” o coloca como tendo essa capacidade. Sem falar que o Pantsir é notadamente hábil na capacidade C-PGM, que é só uma vertente diferente do C-RAM. Claro, o alcance nominal de 20 km do Pantsir não se aplica nesses… Read more »

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Colombelli e Oganza,
Me desculpem!
Uma releitura desse artigo e realmente não há referência da capacidade C-RAM do Pantsir e do TOR. O artigo trata apenas da convergência que há entre os dois conceitos.
Me deixei enganar pela memória e só fui conferir depois do questionamento do Colombelli e depois que escrevi o comentário das 19:41.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr
Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Ah! Talvez queiram saber como eu sei que o RCS de um projétil de morteiro está entre 0,01 m² e 0,001 m²?
Bem, pois eu vou ter que revelar que eu sou um alienígena da galáxia de Andrômeda e na minha fortaleza submarina situada na Fossa das Marianas eu aferi o RCS de todos os projéteis…
Ta bom!
É mentira!
Eu olhei na Wikipédia. rrsrssss

Typical RCS are:

Mortar bomb 0.01 m
Artillery shell 0.001 m
Light rocket (e.g. 122 mm) 0.009 m
Heavy rocket (e.g. 227 mm) 0.018 m

http://en.wikipedia.org/wiki/Counter-battery_radar

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Bosco,

uma detecção IR como redundância deve ajudar tb não? Acho que tais projéteis devem manter alguma radiação IR até o apogeu e recuperar um pouco novamente na queda.

Ps.: Estou lendo o artigo agora… vlw.

Sds.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Oganza,
Sem dúvida!
Embora o radar seja importante para a detecção e o alerta precoce, a aquisição do alvo pode ser feita por meio de imagem térmica.
Um abraço.

Ivan
Membro
Member
Ivan

Condições de tempo ruins podem comprometer detecção IR.

Como “redundância” pode ser útil, mas não como sensor principal.

Sds.,
Ivan.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Foi noticiado pela péssima “Voz da Rússia” que uma nova versão do Pantsir terá capacidade contra “alvos balísticos”. Pra quem sabe o nível de precisão e confiabilidade da Voz da Rússia, aliado à péssima tradução do russo para o português, e pra quem entende o mínimo sobre sistemas de armas, a conclusão que se chega, lendo nas entrelinhas, é que essa nova versão do Pantsir, a ser lançada por volta de 2017, terá capacidade C-RAM, e que os tais “alvos balísticos” são projéteis de artilharia, morteiros e foguetes sup-sup de curto alcance. Claro, ninguém em sã consciência pode imaginar que… Read more »

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Na verdade, os EUA e Israel enfrentem situações bem peculiares que tornam sistemas defensivos como estes válidos em termos de custo/benefício. Israel tem populações em áreas de atrito e os jihadistas usam foguetes, inclusive improvisados e alguns até de certo porte, lançando-os de posições dentro ou muito próximas destes núcleos populacionais. Os EUA, tem várias instalações fixas em muitas partes do mundo como potenciais algos e apssiveis de serem atingidas por armas disparadas de perto, notadamente as da ISAF no Afeganistão. Dai que seja para ele e seus aliados válido o desenvolvimento deste tipo de sistema. Quanto ao uso da… Read more »

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Então Tchê Colombelli, um ataque com morteiros sem alerta “temprano” cotinua sendo um pepino para os estrategistas militares, com foguetes “caramuru turbo” como os dos malucos dos Hezbolah, se você tiver um Iron Dome em prontidão H 24 dá para atenuar o estrago ,mas não vai pegar todos, principalmente se for um ataque de saturação.

Grande abraço

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

O morteiro leve de 60 mm tem alcance máximo de 2,5 km. Não representam um grande perigo tendo em vista a proximidade que os morteiros devem chegar para poderem atuar, quase dentro de perímetro de vigilância de uma base militar ou dentro de raio de ação de uma ponto 50 de um Astros (só pra citar um exemplo). A coisa já começa a complicar a partir do morteiro médio (81 mm) com alcance de mais de 5 km . O Iron Dome talvez não seja eficaz contra morteiros de 60 mm tendo em vista que foi projetado para interceptar foguetes… Read more »

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Positivo Juarez. A melhor defesa e manter os sujeitos fora do alcance de disparo. Com um pequeno morteiro dá pra fazer 20 disparos em um minuto e meio e “deitar o cabelo”. Pensa cinco ou seis atirando ao mesmo tempo do quintal de casas a 1500 metros. Bosco, não tive tempo de dar uma pesquisada para confirmar, mas acho que ja tem morteiros de 60mm com 4 km de alcance, inclusive o usado pela nossa infantaria, o Hotkiss brandt teria esta capacidade. Fui instrutor de morteiro 60 e é uma arma formidável. Leve,com ótimo poder de fogo e mortífera em… Read more »