Home Divulgação Forças Armadas da Namíbia compram viaturas Agrale Marruá

Forças Armadas da Namíbia compram viaturas Agrale Marruá

1256
3

Agrale Marruá

A Agrale fechou acordo para o fornecimento de 141 unidades da viatura Marruá para a Namibia Defense Force (NDF). As primeiras 60 unidades chegarão a Walvis Bay (principal porto na Namíbia) ainda neste mês e serão dos modelos AM 11 VTNE (Viaturas de Transporte não Especializado), AM 11 VTL REC (Viatura de Reconhecimento Leve), AM 21 VTNE e AM 23 VTNE ¾ Ton.

Segundo Flávio Crosa, diretor de vendas da Agrale, a linha Agrale Marruá foi especialmente projetada para atender às necessidades de Forças Armadas. “Os veículos podem ter diversas configurações e diferentes equipamentos e ser utilizados em diferentes tipos de serviços e terrenos. O Marruá foi escolhido por suas características de robustez, durabilidade e capacidades técnicas. No ano passado já havíamos enviados algumas unidades para teste e demonstração. Nossos veículos são homologados pelas Forças Armadas Brasileiras e também utilizados pelos exércitos da Argentina e do Equador, entre outros países”, afirma o executivo.
Além dos veículos, a Agrale também fornecerá um pacote tecnológico que inclui treinamento para mecânicos, entrega técnica e ainda peças para manutenção e reposição. “Preparamos uma estrutura completa para concretizar esse negócio. Ofereceremos treinamento, serviço de pós-vendas e acompanhamento no dia a dia para melhor utilização dos veículos e sua manutenção”, explica Crosa.

Os utilitários 4×4 Agrale Marruá são ideais para utilização em qualquer tipo de terreno e foram desenvolvidos para transporte de tropas ou carga de 500 kg a 2.000 kg. Possuem amplo curso de suspensão, com ângulos de ataque de até 64° e de saída a partir de 30°, inclinação lateral de 30% e rampa máxima de 60%, que garantem melhor desempenho em terrenos acidentados. Fabricados de acordo com rigorosas especificações, destacam-se por sua versatilidade, robustez e capacidades técnicas.
As viaturas Agrale Marruá são equipadas com motor diesel MWM Sprint de 140 cv de potência. São ideais para o deslocamento dos soldados no dia a dia de patrulhamento em vias de difícil acesso, inclusive para romper barricadas e desobstruir as ruas.

Nos últimos anos, a Agrale tem se firmado como fornecedora de veículos militares na América Latina. Os modelos foram adquiridos pelo Exército do Equador, Força de Paz do Brasil em missão da ONU no Haiti, pelo Exército da Argentina e pelas Forças Armadas do Brasil.

DIVULGAÇÃO: Agrale / Foto: Júlio Soares

3
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
edcarlos prudenteOganza Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Oganza
Visitante
Member
Oganza

Parabéns a Agrale e a MWM.

Já gostava desse motorzinho desde o tempo da D-20, só akele antigo e incistente problema de entrada de ar, que enchia o saco e fazia eu e meu Pai tirar no par ou impa quem ia ficar bombeando o motor manualmente a 50 km da estrada de chão mais próxima… minha adolecência na amazônia foi maravilhosa. 🙂

“a Agrale também fornecerá um pacote tecnológico” – Forçaram um pouquinho a bara nesse papo de “pacote tecnológico”, isso é um jipe.

Grande Abraço.

edcarlos prudente
Visitante
edcarlos prudente

Oganza a D-20 teve algum modelo com motor MWM, a Silverado eu sei que teve de seis cilindros!
Boa noticia, a industria brasileira ainda consegue vender no exterior. E justamente nos mercados da África, Ásia e America do Sul que temos alguma possibilidade de vendas.
Quanto a transferência de tecnologia, deve ser a tecnologia de borracharia pra trocar pneu!

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Edcarlos, até onde eu sei não teve não. Essa adaptação do MWM era comum nos anos 90 lá no Pará, pois os Perkins e Maxion não aguentavam o “regaço”, como se dizia e os chassis das F-1000 só funcionavam direito com peso, então todo mundo que tinha F-1000 trocava a carroceria original mais leve por uma de madeira mais pesada. Já as D-20 possuiam um chassi “perfeito” e uma suspensão muito robusta, então comprava-se uma e trocava-se o motor… Tinha todo um mercado de oficinas e retíficas que se formou para isso… Não vou nem falar o que se fazia… Read more »