Home Blindados Exército russo apresenta em maio o Kurganets 25, novo blindado (anfíbio) da...

Exército russo apresenta em maio o Kurganets 25, novo blindado (anfíbio) da infantaria

1544
26

Exército russo Kurganets 25

A festa alusiva ao 70º aniversário da derrota nazista na Europa, na segunda semana de maio próximo, terá, na Praça Vermelha, em Moscou, uma estrela de aço e lagartas: o IFV (Infantry Fighting Vehicles) Kurganets 25, novo blindado anfíbio da Infantaria que promete remeter ao passado toda a longa história de préstimos da família de blindados BMP.

Desenvolvido e fabricado pela Companhia de Defesa da Indústria de Construção de Máquinas Kurgan – Kurganmashzavod –, o carro surpreende pelo desenho das saias protetoras das lagartas integradas ao chassis do veículo.

As autoridades militares moscovitas autorizaram a divulgação da foto de uma formação de Kurganets (parcialmente descaracterizados) rodando, a 23 de março passado, sobre o piso cimentado do campo de provas militares de Alabino, nos arredores da capital russa, durante o treinamento para o desfile que vai comemorar a vitória dos Aliados sobre a Alemanha Hitlerista.

Modular – Quem primeiro descreveu os atributos da viatura foi Igor Permjakov, diretor executivo adjunto da Kurganmashzavod, durante uma entrevista, a 20 de fevereiro passado, concedida no Departamento da Indústria de Transporte da região de Kurgan.

Segundo Permjakov, trata-se de uma viatura com blindagem modular, que pode ser atualizada de forma a enfrentar ameaças específicas.

Seu armamento básico é um canhão Shipunov 2A42, de 30 mm, capaz de abrir fogo em cadências que variam de 200 a 800 disparos por minuto, gerando uma cortina de projetis apta a alcançar alvos de uma forma consideravelmente precisa a distâncias de até 4.000 m.

O blindado também transporta quatro lançadores de mísseis antitanques guiados Kornet-EM – com alcance de até 8.000 m –, mas a novidade tecnológica desse sistema de armas é uma espécie de equipamento “robotizado” de controle de fogo, capaz de localizar, identificar, analisar e selecionar automaticamente os seus targets.

A baia eletrônica no interior do Kurganets 25 dispõe de câmara termográfica, telêmetro laser para apoiar o trabalho do tripulante operador das armas, e sistema de navegação inercial acoplado a GPS.

Totalmente anfíbio, seus dois escapamentos de água na parte traseira do chassis o impulsionam a uma velocidade que é até 10 km/h superior à dos outros blindados anfíbios conhecidos até aqui.

Renovação – Em janeiro de 2014, o Ministério da Defesa russo anunciou um plano de renovar 70% da frota do Exército russo com novos carros de combate e veículos blindados que devem estar plenamente operacionais até o ano de 2020.

Segundo o major Kiril Kiselev, porta-voz official do ministério, isso significa dizer que as formações blindadas russas vão incorporar o revolucionário tanque de batalha T-14 Armata – de perfil extraordinariamente baixo (para o padrão dos carros de combate russos) e peso no patamar das 50 toneladas –, e o IFV Kurganets 25.

26
Deixe um comentário

avatar
26 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
9 Comment authors
rsbacchijoseboscojrGrooAdam FoersterKojak Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
joao.filho
Visitante
joao.filho
Lyw
Visitante
Member
Lyw

Os paquistaneses parecem bem impressionados com o tal Kurganets-25:

http://defence.pk/threads/prospective-infantry-fighting-vehicle-based-on-the-unified-platform-kurganets-25.365257/

Observando as imagens, me parece que os russos romperam com um padrão de veículos blindados fabricados no país durante a guerra fria e que é a base dos blindados utilizados hoje em dia pelo seu exército. Os novos veículos foram pensados para garantir maior proteção à tripulação, têm motorização dianteira e porta de saída traseira com rampa, dentre outras características, são muito diferentes dos modelos atualmente utilizados e produzidos pela indústria russa.

Quanto ao Armata, é tudo uma incógnita…

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Pelo que entendi você afirma que os VBTPs soviéticos/russos sobre lagartas, até hoje tinham motorização dianteira e não tinham entrada/saída da tropa pela traseira do veiculo.

Isto não é totalmente verdade.

O MT-LB tem motor no meio do veiculo.

Os BMD-1/2/3 e 4 tem motor na traseira do veiculo.

Os BMP-1 e 2 tem motor na frente do veiculo.

Os BMP-3 e 3M tem motor na traseira do veiculo.

Seja qual for a posição do motor EM TODOS estes carros a entrada/saída do pessoal de faz pela traseira do veiculo.

Obrigado

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

por favor corrijam:

de: “… Pelo que entendi você afirma que os VBTPs soviéticos/russos sobre lagartas, até hoje tinham motorização dianteira …”.

para: “… Pelo que entendi você afirma que os VBTPs soviéticos/russos sobre lagartas, até hoje tinham motorização traseira …”.

Mais uma vez, obrigado

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo
Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Os russos parece que exageram no alcance desse Kornet-EM. A 10.000 metros é impossível um alvo do tamanho de veículos de combate ser discriminado usando dispositivos tão reduzidos quanto os geralmente associados a esses mísseis. Ou os russos fazem milagres no campo da microeletrônica/ótica, ou o alcance real, útil, desses mísseis é bem menor que isso. Pode até ser que o míssil atinja essa distância, mas na prática isso se torna inviável se não se puder ver, discriminar, identificar, o alvo. Sem falar que um míssil contra alvos no solo, “de linha de visada”, com alcance de 10 km é… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

“E o bichão é grande…”

O veículo a direita na foto, é o BMD-4M.

Vídeo do Armata, a frente está disfarçada e a “torre” está mto p/ a traseira, 7 rodas o Leo II exibe a decadas.
Um comentarista viu sistemas ativos de proteção.
Vai saber.

(http://snafu-solomon.blogspot.com.br/2015/03/heavy-bmp-t-15-armata-vidthe-russians.html)

Lyw
Visitante
Member
Lyw

rsbacchi 26 de março de 2015 at 14:02

Na verdade eu falei que não tinham entrada/saída da tropa pela traseira do veiculo “do tipo rampa”. E posso estar enganado, mas os veículos citados têm saída traseira com “porta de abertura lateral”.

Meu comentário foi em relação a junção destas características:

Maior e melhor blindagem frontal e lateral (bem parecido com os novos blindados ocidentais), motorização dianteira e porta de saída traseira “com rampa”. Com destaque para a primeira e última das três.

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

OK.

Em todo caso para evitar que no futuro fossem cometidos enganos, procurei deixar bem claro a posição dos motores, e o fato da IMPORTANCIA que os soviéticos/russos davam/dão a entrada e saída pela traseira.

Obrigado

Lyw
Visitante
Member
Lyw

Por nada Bacchi, obrigado você, que sempre nos enriquece com detalhes riquíssimos sobre o assunto!

Adam Foerster
Visitante

“… a novidade tecnológica desse sistema de armas é uma espécie de equipamento “robotizado” de controle de fogo, capaz de localizar, identificar, analisar e selecionar automaticamente os seus targets.”

Como assim? Quer dizer que as imagens dos sensores óticos ficam senso continuamente analizadas procurando por algum soldado com um RPG numa janela?

Duvido muito.

Aposto que na prática seja capaz apenas de identificar blindados a partir de um banco de dados em condições ideais.

Alguém sabe algo sobre algum sistema ocidental semelhante?

Groo
Visitante
Groo

O Kornet-EM tem guiagem laser do tipo beam rider.

Se o dispositivo de controle de fogo to blindado conseguir “ver” o alvo e manter um feixe laser até o alvo, não vejo problemas em o míssil conseguir “cavalgar o laser” até o alvo.

Acho que aí tanto faz se o míssil tem alcance de 3Km ou 10Km.

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Groo, A minha dúvida é mais em relação ao tamanho do sistema de aquisição de alvos, que parece incompatível com o grande alcance, e em relação ao “porte” do míssil em si, que me parece muito pequeno para um voo tenso de 10 km. Não diria o mesmo se o míssil tivesse um sistema de orientação que permitisse uma trajetória parabólica, mas em relação a sistemas que obriga uma trajetória tensa, como o CLOS ou o “laser beam rider”… Manter um míssil desse porte voando “tenso” por 10 km não é fácil não. Só como exemplo, o míssil ocidental de… Read more »

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Groo,
Sei que você sabe, mas olha o tamanho do ITAS do TOW:
https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/6/68/Hires_090509-A-4842R-001a.jpg/1024px-Hires_090509-A-4842R-001a.jpg
Ele só detecta veículos de combate em torno de 7 a 8 km, e só os identifica a 6 km.

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Antes, o alcance do Kornet era tido como 5,5 km, o que era completamente razoável, já de algum tempo se vem falando nesse ER, com alcance de até 10 km.

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Bosco,

O míssil anti carro russo de maior alcance que eu conheço é o Khrizantema 9M123 da Kolomna KBP.

Tem alcance de 6.000 metros e guiagem em dois modos: radar milimétrico ou laser beam.

Diâmetro é 150 mm e comprimento é 2,057 metros.

Este míssil mobília o Sistena Missilistico Anti Carro Auto Propulsado BMP-3(Mod), aka: Tank Destroyer

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Bacchi, Pois é! O Khrizantema tem 46 kg e seu alcance é bem dentro dos parâmetros conhecidos. Como é obrigado a também ter uma trajetória tensa, ele tem alcance menor que os similares ocidentais que adotam trajetória parabólica, mas mesmo que fosse divulgado um alcance maior que 6 km não seria nada “espantoso”. Já o Kornet-EM com 28 kg (provavelmente menos), e com 10 km de alcance, causa um certo espanto, ainda mais sendo ele subsônico e com uma pesada ogiva de quase 10 kg. O que faz sobrar cerca de 18 kg para a célula, sistemas eletromecânicos, bateria, fluidos,… Read more »

Groo
Visitante
Groo

Bosco você está quase me convencendo mas o KORNET-EM pesa 33Kg contra 29Kg da versão E e uma ogiva “equivalente” a 7 Kg de TNT (deve pesar menos). Estes quatro kilos a mais podem ser um motor de sustentação maior. O sistema de guiagem do míssil pode ser bem pequeno como nos dardos do míssil britânico Starstreak. O ADATS voa a mach 3 e tem uma ogiva de 12Kg e voar “ladeira a cima” exige mais do um míssil do que um voo horizontal. O MAPATS, Igwe ou o TOW parecem possuir um desenho mais antigo. O sistema de miras… Read more »

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Groo,
33 contando com o tubo.
O sistema beam rider laser não é muito preciso a grandes distâncias. Contra aeronaves sempre se pode usar a velha espoleta de proximidade, mas contra alvos blindados se faz necessário um impacto direto. Mas como você citou o sistema de mira permite um aumento significativo e que provavelmente possa mesmo enquadrar um alvo distante 10 km
Mas de qualquer forma foram só algumas considerações pra estimular o debate. Se o fabricante diz que consegue é porque deve mesmo conseguir, embora, serão raras as vezes que esse tipo de disparo será efetuado contra alvos em terra tão distantes.

Groo
Visitante
Groo

A versão “E” pesa 29Kg também contanto com o tubo e a precisão depende da largura do feixe do laser. Concordo plenamente que serão raras as vezes que esse tipo de disparo será efetuado contra alvos tão distantes. Eu particularmente nem acho este míssil grande coisa. Ele exige que o alvo permaneça em uma linha de visada com o posto de tiro por mais de 30 segundos em um alcance máximo. Fumaça pode ser usada para bloquear o laser. Uma tabela de desempenho do Milan mostrava que o tempo de voo do míssil era bem maior do que simplesmente dividir… Read more »

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Groo, O tempo de rastreio de um alvo a 10 km usando um míssil subsônico deve ultrapassar 50 segundos. Uma coisa interessante sobre os mísseis antitanques russos, é que os pesados (mais de 45 kg) têm menor diâmetro que os médios, e isso se deve a que esses mísseis são guiados por sistema de visada (CLOS, LBR), que obriga uma trajetória tensa. Daí esses mísseis pesados supersônicos terem diâmetro menor ou igual (130 a 150 mm) para obterem um menor coeficiente de arrasto, como os mísseis antiaéreos, de modo a vencer distâncias maiores numa trajetória tensa. Isso faz com que… Read more »

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Groo, A precisão a longa distância não depende só do comportamento do feixe laser, mas sim da capacidade de discriminar o alvo pelo sistema de mira. Contra alvos muito distantes o MBT alvo se torna tão pequeno no visor que qualquer mínima alteração angular na projeção do feixe laser, principalmente contra um alvo em movimento, faria o míssil errar na fase final da trajetória. Contra alvos aéreos esse problema é minimizado tendo em vista o míssil ser dotado de uma ogiva de alta fragmentação (pré-fragmentada) e uma espoleta de proximidade, mas contra MBTs, exigi-se um impacto direto, o que vai… Read more »

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

O CKEM era um programa ambicioso (parece que foi cancelado ou colocado na “geladeira”) que visava um míssil pesando em torno de 45 kg e que teria velocidade e poder de destruição comparável aos projéteis de canhão de 120 mm, que pesam em torno de 21 kg (para o APFSDS). Como um canhão de 120 mm pesa em torno de 3,5 t (e como não há o recuo associado ao uso do canhão), o peso do míssil CKEM, mesmo sendo mais que o dobro do peso do cartucho de 120 mm, poderia (e poderá, no futuro) colocar em cheque a… Read more »

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Bosco,

Meus sinceros parabéns!!!

Excelentes posts!!!

É muito raro nos sítios de defesa no Brasil ler um material tão interessante como o que você postou!!!

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Bacchi,
Fico muito honrado com seu comentário.
Obrigado!!