Home Artilharia Alcance: Denel T5-52 atira granadas a quase 55 km de distância

Alcance: Denel T5-52 atira granadas a quase 55 km de distância

5308
30

TATA-3

A sul-africana Denel Land Systems teve a oportunidade de testar, mês passado, o seu sistema de artilharia de longo alcance T5-52, que consiste em uma peça de 155 mm montada sobre um caminhão.

Os deslocamentos da viatura e os disparos foram realizados em um evento fechado para convidados, que teve lugar no Campo de Testes de Overberg, no litoral sul da África do Sul, perto da cidade de Arniston.

Dotado de munição especial, de impulso assistido, o sistema T5-52 provou ter alcance confiável de 54,8 km, ao nível do mar. A cadência de fogo no primeiro minuto alcançou seis projetis, e o ritmo sustentado (por tripulação da fábrica) foi de dois disparos por minuto.

Apenas como dado de comparação: o obuseiro autopropulsado de origem americana M-109 A5, adotado pelos exércitos do Brasil e do Chile, possui alcance  23,5 km com munição desassistida, e de 30 km com projetis de impulso especial.

O canhão sul-africano pode ser elevado de 3° até um ângulo superior a 72º (o dado exato é confidencial). Os predicados da arma já despertaram o interesse dos generais indianos (e certo alarma no Paquistão…).

AA Tata Power gun

30
Deixe um comentário

avatar
30 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
7 Comment authors
Claudio MorenoRenato.BRafael OliveiraBosco JrPedro Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Lyw
Visitante
Member
Lyw

Simplesmente impressionante, não tem nada igual no mundo!

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Os sul-africanos já colocaram um projétil de 105 mm disparado por um G7 a 75 km de distância. Não me pergunte como??? rsrsrs Basicamente há três modos de aumentar o alcance de um projétil para um determinado comprimento de cano: 1-usando um projétil assistido por foguete (RAP); 2-usando um projétil base-bleed; 3-usando um projétil subcalibrado Ex: Vulcano. Se for só às custas do comprimento do cano e do aumento da carga de projeção, há um desgaste exagerado do cano e da câmara, daí se lança mão de métodos relativos à balística externa, como os que citei. O inconveniente de se… Read more »

Lyw
Visitante
Member
Lyw

E quando penso que a base de nossa artilharia é um sistema da Segunda Guerra Mundial, M114, tenho um triste choque de realidade do quanto estamos ultrapassados.

Lyw
Visitante
Member
Lyw

Os sulafricanos parecem estar na dianteira da tecnologia de sistemas de artilharia no ocidente, até sistemas mais antigos dos mesmos ainda são referência neste ramo: http://www.forte.jor.br/2012/03/19/g6-ainda-em-acao/ Andei fuçando a internet em busca do peso total do sistema Denel T5-52, e o que consegui encontrar foi a referência de 28t, neste caso a mobilidade em termos de transporte aéreo fica comprometida para usuários de C-130 e KC-390. Entretanto eu considero que esta visão de mobilidade aerotransportada de sistemas auto-rebocados está equivocada. A função de um sistema de artilharia montada em um caminhão objetiva a melhoria da “mobilidade terrestre” do sistema. Para… Read more »

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Os canhões sul-africanos são excelentes, mas para terem o desempenho que têm eles têm que ser bem pesados. O G7 de 105 mm tem o dobro do peso do L118 e peso semelhante ao M-777, de 155 mm. Eu acho que pelo menos para a aquisição de novos obuseiros auto-propulsados de 155 mm o Brasil tinha que tirar o escorpião do bolso e investir em equipamento novo, em estado da arte. Pra mim o melhor é o M-777, disparado. Estaríamos bem equipados se tivéssemos 73 M-109A3/A5, 80 M777, 54 L118 e 1500 morteiros de 120 mm. Essas armas não têm… Read more »

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Sim, Liw, eles aproveitaram muito bem a tecnologia fornecida pelo famoso Gerald Bull antes do mesmo ser assassinado.

Quem quiser ler mais sobre este fascinante mago da artilharia deve ler:

G,V, Bull / C.H. Murphy “Paris Kanonen – the Paris Guns (Wilhelmgeschütze) and Project HARP” Verlag E.S. Mittler & Sohn GmbH,1988

William Lowther “Arms and the Man – Dr. Gerald Bull, Iraq and the Supergun” Macmillan 1991

James Adams “Bull’s eye – The assassination and life of Supergun inventor Geral Bull” Times Books 1992

Foi também feito um filme (não me lembro do nome) com a história dos anos finais de Bull.

Pedro
Visitante
Pedro

Olá senhores! Mestres Bosco e Bacchi a carga explosiva desse projetil de alcance extremo e a mesma? Não seria um projetil degradado para obter esse alcance? Os amigos sabem responder? Hoje já penso de forma mais flexível e concordo em parte com o Lyw quanto a ser aerotransportável, rodar na malha rodoviária e todo terreno, cada um no seu “quadrado” (rebocado, sobre rodas e lagarta) que discordo em ser a mesma peça, pois acho que o rebocado tem ser o mais leve possível não só para ser transportado por aviões, mas por helicópteros médios (manobra) abrindo mão do alcance maior… Read more »

Claudio Moreno
Visitante
Member
Claudio Moreno

Bom dia Senhores! Salve Bosco, Bacchi! Bacchi excelentes leituras as indicadas, interessante como a artilharia facina alguns…Saddan e seu monstro inútil é um exemplo clássico. Bosco eu pessoalmente gostaria que o EB fosse dotado de alguma coisa no intermediário do M-109-A5 (A3) e o T5-52. Pois como bem dito por você, alcance demasiado afeta em muito a precisão do disparo. Para longas distâncias ( o chamado bater alvo) estamos muitíssimo bem servidos com o ASTROS II e futuramento o III. A parceria entre a AVIBRAS e a francesa Nexter me deixaria muito satisfeito se realmente surtisse frutos na forma do… Read more »

Claudio Moreno
Visitante
Member
Claudio Moreno

Senhores em tempo,

Alguns anos eu lí este artigo português…extremamente atual!

http://www.exercito.pt/sites/EPA/Publicacoes/Documents/DivulgacaoTecnica%28Jan-Fev08%29-BocasFogoMotorizadas.pdf

Façam suas avaliações. Boa leitura a todos.

CM

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Claudio,
Se entendi bem sua sugestão do Caesar seria no lugar da minha sugestão do M-777?
Se for, também vejo como uma boa alternativa aos atuais M114. Mesmo porque, se não tivermos helicópteros de grande porte tipo o Chinook, não adiantaria muito termos obuseiros leves.
Um problema menor seria que só um Caesar pode ser transportado via C-130 ou KC-390, e no caso de um M-777, até 2 poderiam ser levados (no caso do C-130).
O Caesar é tão bom quanto o M777 para o EB, ou até mesmo um mix dos dois.
Um abraço.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Pedro, A quantidade de propelente do foguete no caso de um RAP (projétil assistido por foguete) não é grande, mas degrada um pouco a quantidade de explosivo, e incrementa o alcance em uns 40 a 50%. Já o conceito Base-Bleed degrada menos ainda, e incrementa o alcance em uns 20 a 25%. O que deve reduzir muito o poder de destruição de um projétil é o subcalibrado, como o usado no Vulcano (76, 127 e 155 mm). Não sobra muito espaço para o explosivo, mas pelo visto, pelo menos dobra o alcance. Vale salientar que há projéteis guiados especiais, que… Read more »

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Há um quarto método de incrementar o alcance de um projétil lançado por obuseiro que é combinando o RAP (assistido por foguete) com o BB (base bleed).

Há algum tempo eu li em algum lugar que o sistema RAP induz uma maior imprecisão tendo em vista que é difícil controlar as variáveis da ignição do foguete e às relativas à queima do propelente, por isso o RAP estava em franco desuso em proveito do sistema Base Bleed.

Rafael Oliveira
Visitante
Member
Rafael Oliveira

Bosco, sua predileção pelo M777 se deve apenas por causa do uso de munição inteligente ou há outras vantagens dele sobre os demais (Caesar, Atmos, etc)?

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Rafa,
É só por ser leve e facilmente transportável por helicóptero, e mais fácil via C-130/KC-390, e no caso, substituir o M-114, que também é auto-rebocado.
O Caesar, Atmos, etc, são de outra classe, já que são auto-propulsados, e já operarmos o M-109 (em que pese este ser sobre lagartas).
Agora, não vejo problema se o EB quiser substituir seus velhos M-114 auto-rebocados por obuseiros autopropulsados sobre rodas, sabendo que um M-777 pesa 3,5 t e o mais leve desses AP sobre rodas ser pelo menos 5 vezes mais pesado.
Aí no caso só teríamos os obuseiros de 105 mm auto-propulsados.

Lyw
Visitante
Member
Lyw

Bacchi, excelentes indicações de leitura, sobre o Bull realmente os sulafricanos foram muito competentes em absorver ao máximo seus conhecimentos/criações e continuar a reproduzi-los e melhorá-los.

Rafael, vou me meter na conversa, acho que, além de poder lançar munição assistida, o M777 é leve e compacto, podendo ser transportado em maiores quantidades por aeronaves cargueiras que qualquer sistema auto-rebocado sobre rodas. Além disto, o M777 é o único obuseiro pesado 155mm que pode ser transportado por um helicóptero médio como o BlackHawk.

https://2.bp.blogspot.com/-A8Lx8AatYH0/TWYMGdOA-dI/AAAAAAAAM1U/jEwMoSb_qhE/s1600/M777%2BBlackhawk-700939.jpg

Rafael Oliveira
Visitante
Member
Rafael Oliveira

Entendi, Bosco e Lyw e até me parece bastante lógico, do ponto de vista logístico, usar só os auto-rebocados, valendo-se de caminhões ou blindados existentes no local em vez de transportar um autopropulsado.

Mas, se pensarmos assim, qual seria a vantagem dos autopropulsados em relação aos auto-rebocados?

Há um ganho de mobilidade considerável que justifique a opção pelos autopropulsados por diferentes Forças Armadas (Israel, França, etc) a ponto da Suécia ter desenvolvido o Archer?

Ou eles estão torrando dinheiro de forma errada?

Abraços!

Renato.B
Visitante
Renato.B

Imagino que a vantagem do autopropulsado é ser mais rápido para mudar de posição e evitar o fogo de contrabateria.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Rafa, Se imaginarmos que um exército não pode abrir mão do fogo indireto, chegamos a conclusão que ele tem que ter obuseiros (vamos esquecer por enquanto os foguetes e morteiros. rsss) O obuseiro mais básico é o auto-rebocado de carregamento manual. E o calibre mais flexível e efetivo é o de 155 mm. Dito isso fica implícito que um exército tem que ter pelo menos obuseiros auto-rebocados de 155 mm. No mínimo! Se além desse mínimo ele quiser agregar características à sua arma de artilharia, ele tem a opção dos autopropulsados. Quais são essas características que podem ser agregadas: maior… Read more »

Rafael Oliveira
Visitante
Member
Rafael Oliveira

Agora estou satisfeito com a resposta, Bosco.

Após essa explanação, fica mais claro que o EB deveria, primeiramente, obter o M777 para só então pensar em obter o Caesar, Archer, Atmos, etc.

Muito obrigado!

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Quanto a mudar de posição para escapar do fogo de contrabateria, o AP é melhor que o AR e dentre os AP, os sobre lagartas são melhores que os sobre rodas.
Os AP sobre rodas precisam recolher seus suportes hidráulicos, enquanto os AP sobre lagartas não fazem uso desses suportes e podem sair rapidamente de posição.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Rafa, Só pra deixar claro, como não temos a pratica de transportar obuseiros de 155 mm via helicóptero, não perderemos nada se adotarmo um AP sobre rodas no lugar dos M-114. Eu particularmente acho que deveríamos optar pelo M-777 para substituir os M-114, mas sei que o EB andou aventando a aquisição do CAESAR há alguns anos. Se essa hipótese se concretizar (coisa que acho difícil) mesmo assim acho que algumas poucas unidades do M-777 deveriam ser adquiridas, porque vai que compramos alguns Chinooks (ou Mi-26). Mas na verdade acho que vamos ficar ainda um bom tempo com os M-114… Read more »

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Interessante esse canhão autorrebocado ter um extrator de fumaça. Acho que é o único.

Rafael Oliveira
Visitante
Member
Rafael Oliveira

Mas, Bosco, nada impede que passemos a fazer o transporte de obuseiros com os helicópteros.

O Lyw postou foto de um M777 sendo transportado por um Blackhawk. Ou seja, o EB pode transportá-lo com os seus ou com o Caracal.

Fora a parte que deve ser mais barato comprar um M777 do que um Caesar.

De qualquer forma, novas aquisições demorarão a ocorrer.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Rafa,
Os BH podem “levantar” o M777 mas não acho que isso seja usado na prática. Talvez numa emergência ou na extração da peça.
O interessante é que canhão possa ser levado com toda a sua equipagem e com munição, sem corromper o desempenho do helicóptero.
Se isso for feito com o BH ele fica no limite do desempenho.
É mais ou menos o que acontecia com o Chinook e o M198.
Levantar o M198 o Chinook dava conta, agora, levar além do canhão uma rodada de munição e mais 11 ou 12 cabras, aí ele pedia pinico. rsrssss

Lyw
Visitante
Member
Lyw

Rafael, o BH pode transportar o M777, mas só ele, a munição vai noutro helicóptero, ou o prejuízo no desempenho da aeronave poderia ser comprometedor para a missão.

Por esta razão raramente o US Army e os Marines os transportam nos BHs. Mas se necessário, o fazem, e isto torna o M777 um obuseiro único em sua classe, algo que deve ser levado em consideração. Na minha opinião os EC-725 poderiam fazer esse trabalho com um pouco mais de fôlego.

Bosco, bem lembrado, os Chinook sofriam com o M198, mas era o jeito.

Rafael Oliveira
Visitante
Member
Rafael Oliveira

Pô Bosco, faz duas viagens (uma para peça, outra para munição e soldados) ou usa dois helicópteros. Você também quer tudo e pra já rsrsrs.

Claudio Moreno
Visitante
Member
Claudio Moreno

Grande Bosco! Boa tarde aos demais Senhores!

De fato Bosco, minha linha de pensamento é justamente o mix M777 e um número maior de Caesar em virtude de seu auto-deslocamento.

Uma outra alternativa seria manter o Caesar e adquirir-se mais três ou quatro lotes de M-109A5 porque há TO’s que um largata faz a diferença.

CM

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Claudio,
Sem duvida esse mix triplo seria o ideal.
Pelo menos se fosse adquirido um pequeno lote do M-777 seria bem interessante. Ainda mais se viermos a adquirir um heli pesado.
Mas mesmo que o M-777 não venha, só de substituir os antiquados M-114 pelo Caesar já seria algo fenomenal.
Se tudo der zebra, pelo menos que venham os M-198, que pelo menos já incrementa o alcance em uns 50%.
Um abraço.

Lyw
Visitante
Member
Lyw

Os M198, se viessem, estariam no nível de desempenho cinético dos M109A3. Seria um upgrade, mas dos bem tímidos, já que em termos de mundo seria equipamento velho e já ultrapassado. Além disto, em termos de custos, poderia ser mais viável converter os M114 para o padrão M114/39, que tem um desempenho aproximado ao M198. Sobre o Caesar, adquiri-lo seria muito bom para o EB, coisa pra comemorar, mas sinceramente, não o vejo nem de longe como a melhor opção… Um sistema moderno que não pode disparar munição assistida, já nasce limitado e, embora dificilmente utilizariamos munição assistida (ao menos… Read more »

Claudio Moreno
Visitante
Member
Claudio Moreno

Boa tarde Bosco e demais Senhores!

Quem sabe “Jota”, com a reaproximação do Brasil com os EUA não conseguimos mais uns dois lotes do M-109A5 casando com a compra de um pequeno lote de M777 e o Brasil ainda não acaba aceitando os CH-47D oferecidos.

Que o EB tem interesse real na substituição do M114 e amplicação de sua artilharia de tubo, isso eu posso garantir.

CM