sexta-feira, dezembro 3, 2021

Saab RBS 70NG

Peru e Ucrania concluem o ambicioso projeto de conversão do T-55 em T-55M8A2 Tifón-2A

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

T-55M8A2 Tifón-2A

A empresa ucraniana Kharkiv Morozov Machine Building Design Bureau – mais conhecida como KMDB – e a Diseños Casanave Corporation, do Peru, deram por concluído, no início deste ano, o programa que durou aproximadamente cinco anos e visa oferecer uma solução prática e definitiva para o reaproveitamento dos carros de combate (tanques principales de combate, na nomenclatura militar peruana) T-55, fabricados na União Soviética e adquiridos pelo governo de Lima.

A força terrestre peruana dispunha de aproximadamente 280 desses blindados em operação, mas, segundo informação do site espanhol Defensa.com, só uns 200 serão contemplados com uma possível modernização.

De acordo com Sergio Casanave Quelopana, gerente geral de Desenhos da empresa peruana que se associou aos ucranianos, a ideia geral foi montar uma viatura de, no máximo, 47 toneladas (o T-55 chegou ao Peru com o peso de seu projeto original: 39 toneladas), com blindagem especial, alta potência de fogo e um grupo propulsor capaz de conferir ao veículo elevado nível de operação. O resultado foi o modelo básico T-55M8A2 Tifón, que ainda pode ser upgradeado para o Tifón-2A.

tifon_1l

 

Concorrência – Dentro do Exército peruano, o assunto continua pendente.

Apesar dos bons resultados da cooperação entre a KMDB e a Casanave Corporation, os generais do Peru lidam com outras duas opções: comprar uma partida de tanques russos T-90S, ou entregar seus tanques T-55 não aos ucranianos, e sim ao Serviço Federal para a Cooperação Técnica e Militar do governo de Vladimir Putin.

Em um interessante e bem detalhado artigo intitulado El T-55M8A2-Tifón, uma opción de modernización para el tanque principal del Ejército de Peru (“O T-55M8A2-Tifón, uma opção de modernização para o tanque principal do Exército do Peru”), Casanave Quelopana revela as principais características do Tifón-2A.

Eis aqui um resumo de suas informações:

Sistema de tiro principal – computador balístico de última geração, sistema de controle de fogo estabilizado nos dois eixos integrado a um sistema de guiagem computadorizado, que controla os ângulos de queda e de guinada, permitindo realizar o tiro em movimento durante deslocamentos em velocidades superiores a 50 km/h, com eficiência (índice de acerto no alvo) no patamar de 85% e a distâncias de até 2.500 m, empregando munição APFSDS.

O canhão KBM-1M de 125 mm selecionado para o blindado, com vida útil de mil disparos, foi dotado de mira térmica Buran Catherine-E, que permite a visualização do alvo em distâncias de até 12 km – ou seja, o dobro do alcance de qualquer sistema do gênero em uso na América Latina.

Municiado com projetis APFSDS, o canhão pode alcançar alvos a 3.500 m de distância, mas abastecido com projetis tipo HEAT esse alcance sobe para 4.000 m, e com projetis tipo HE-FRAG, aumenta ainda mais: para até 12.000 m.

O KBM-1M é carregado automaticamente e pode ser acionado, indistintamente, desde o posto do artilheiro ou desde o assento do comandante do carro, à cadência máxima de oito tiros por minuto.

O canhão também pode disparar o novo míssil antitanque Kombat-2, com cabeça de combate HEAT-TANDEM, que possui alcance de 5.000 m e capacidade de penetrar blindagens uperiores a 1.000 mm.

Motorização – o grupo propulsor do Tifón-2A conta com um motor KMDB 5TDFMA, de dois tempos, turbo-alimentado, de cinco cilindros horizontais tipo boxer, e potência elevada para 1.050 HP.

Detalhe interessante: o 5TDFMA é flex; opera com querosene, gasolina (de alta octanagem), diesel, combustível de aviação ou uma mistura de todos esses elementos combustíveis – segundo o articulista, “sem alterar suas performances operacionais”.

De acordo com Casanave Quelopana, o funcionamento da propulsão do Tifón-2A foi cercado de uma série de sistemas complementares que otimizam seu aproveitamento: sistema de administração do campo de batalha com GPS, alimentação de dados via datalink, sistema de identificação Amigo-Inimigo (IFF) e APU (fonte auxiliar de energia) capaz de manter o tanque operando mesmo no caso de o motor entrar em colapso.

Mas essa possibilidade é vista por ucranianos e peruanos como um tanto remota.

Segundo eles, o motor 5TDFMA deve se manter em funcionamento mesmo que Tifón-2A precise vadear um curso d’água com profundidade de até 1,8m.

Blindagem – O Tifón-2A dispõe de dois tipos de blindagem: um passivo na parte frontal da torre, denominado Defleckt M-1, constituído por placas de material composto reforçado por camada cerâmica; e uma blindagem reativa batizada de Nozh, feita de caixas distribuídas pelo chassis e pelo resto da torre que contém explosivos dotados de espoletas de impacto, que podem resistir ao impacto de projetis de até 30mm sem serem ativadas.

O sistema Nozh aumenta em quase três vezes a resistência do tanque a munições do tipo APFSDS, e em 4,8 vezes a resistência do veículo contra projetis tipo HEAT e HEAT-TANDEM.

Um equipamento de alerta Linkey-SPZ, formado por quatro sensores fixados ao redor da torre, detecta a iluminação do Tifón por emissões laser, e, como medida de reação, dispara dez lançadores de 81 mm de granadas de fumaça.

Armamento secundário – Constituído por duas metralhadoras: uma KT-12.7 de 450 cartuchos e alcance de 2.000 m, fixada junto à escotilha do chefe da viatura, que é operada de dentro do tanque; e uma KT-7.62, coaxial, de 3.000 cartuchos com alcance de 1.500 m.

- Advertisement -

37 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
37 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Claudio Moreno
Claudio Moreno
6 anos atrás

Boa tarde Senhores! Em tempos de vacas magras até que me parece um bom negócio, olhando a suposta capacidade alegada na ficha técnica após a modernização. Penso e vejo como vantagem que eu desejaria para mim se estivesse no cmd de um deles é o alcançe de detecção com isso em teoria poderia traçar uma melhor estratégia para neutralizar os Leo 2A4 que tem um melhor alcance seus canhões de 120mm. A motorização me parece muito débil por são 1050Hp contra mais de 1400 do Leo 2A4. No tema dispare e fuja … os peruanos vão ficar com as calças… Read more »

Melky Cavalcante
Melky Cavalcante
6 anos atrás

Acredito que o Peru tomou a decisão correta para a realidade do cenário Sul-Americana.

Roberto Lopes
Roberto Lopes
6 anos atrás

Boa noite, Melky.
Só para ressaltar: o Ministério da Defesa peruano ainda não decidiu nada.
Ele tem a opção do kit ucraniano-peruano, a opção de conhecer uma proposta de modernização dos russos, e a opção de comprar o tanque T-90S aos russos.
Vamos acompanhar os próximos capítulos dessa novela.
Creio que o setor operacional (oficialidade) preferia um material novo; o problema são os recursos…

rsbacchi
rsbacchi(@rsbacchi)
6 anos atrás

Existe uma ideia dos preços envolvidos?

Roberto Lopes
Roberto Lopes
6 anos atrás

Bom dia, Engenheiro.
Fontes americanas na internet falam em 7 milhões de dólares para o T-90S.
Acabo de passar um e-mail para a gerência da empresa peruana em Lima (gerencia@discasanave.com), pedindo o custo unitário de um Tifón.
Vejamos o que eles me respondem.

rsbacchi
rsbacchi(@rsbacchi)
6 anos atrás

Obrigado por sua atenção.

Colombelli
Colombelli
6 anos atrás

Penso que constitui uma medonha burrice do Peru se gastar entre cinco e sete milhões por unidade. Tanques são armas ofensivas. Se o Peru pensa em uma estratégia defensiva contra o Chile, com o valor de um carro dá pra comprar em torno de 35 misseis top de linha, capazes de parar qualquer CC do planeta. Aliás, isso em parte o Peru já fez com o Kornet. O preço dos CC de primeira linha os está tornando artigo raro mesmo entre paises melhor aquinhoados. Veja-se o caso da Alemanha, com pouco mais de 200 CC e tentando por mais 100… Read more »

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
6 anos atrás

Colombeli… Vc usou a lógica 8 ou 80 nos seus dois assuntos abordados…

Primeiro…
No dia em que misseis anti-tanque avançarem sobre o terreno inimigo, dar combate aos inumeros alvos que um CC pode engajar, da mesma forma que um CC faz, entre outras qualidades\características implicitas em CC, esses substituem os CC. Um é complementar ao outro. Os dois não se substituem.

Segundo…
A Russia não substituirá todos os seus CC por armatas. Esse, sendo mais pesado e sofisticado, complementará os T-90, mais leves e “baratos”.

Roberto Lopes
Roberto Lopes
6 anos atrás

Ao Engenheiro Bacchi: Eis a resposta da empresa peruana sobre os valores envolvidos no kit de modernização do T-55: Estimado Roberto: Ante todo, disculpas en la demora en la respuesta a tu correo electrónico, es que estoy con una agenda muy cargada, y ayer he estado en una comisión para el reglamento de la nueva ley de armas en Perú, la cual acabó a la 11:00 pm. Respecto a la consulta, eso depende del equipamiento, es decir, básico que no tiene visor termal, solo pasivos, sin el Administrador del Campo de batalla y sin el APU, motor de 850 HP,… Read more »

Claudio Moreno
Claudio Moreno
6 anos atrás

Boa tarde aos Senhores!

Olá Sr. Lopes, a diferença é grande de um Tifón 2 completo para um T-90S…

Vejamos o que os peruanos farão pensando a longo prazo…

CM

rsbacchi
rsbacchi(@rsbacchi)
6 anos atrás

Preço interessante!

Obrigado.

Roberto Lopes
Roberto Lopes
6 anos atrás

Por nada, Engenheiro. O sr. Casanave mostrou ser uma pessoa atenciosa e gentil.
Ao forista Claudio Moreno:
Também achei a diferença de preços muito expressiva.
Creio que o mandatório, nesse caso, vai ser o estado do chassis dos carros T-55. Se eles estiverem bem conservados (o que numa região de baixa umidade não é difícil), talvez os generais peruanos selecionem um lote para receber o kit Tifón.

Colombelli
Colombelli
6 anos atrás

Alfredo, perdão, mas tu que não leu com atenção o que eu disse. Ninguém esta advogando a superioridade de um meio sobre o outro ou dizendo que misseis tornaram obsoletos ou inúteis os CC. Veja bem o que eu falei: tanques são armas ofensivas; se o Peru não tem pretensões ofensivas deve priorizar os misseis, com o que para os Leopard chilenos, e comprar um CC médio. Ou seja, o que eu disse é antes afirmação da complementariedade dos meios do que negação disso. Isso foi o que eu falei: hoje não vale a pena investir em CC caros que… Read more »

rsbacchi
rsbacchi(@rsbacchi)
6 anos atrás

Colombelli – comentários dignos de serem estudados.

Abraços

Claudio Moreno
Claudio Moreno
6 anos atrás

Colombeli,

Boa reflexão!

CM

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
6 anos atrás

Colombelli… não li não… e reitero o meu comentário. Não se esqueça q uma das formas mais eficazes de parar o avanço de um inimigo é realizando um contra-ataque em uma área mais fraca e forçar os atacantes a temerem um flanqueamento… Sobre o Armata… Li algumas vezes já, que custa (atualmente) 8 milhoes de dolares. Será q quando em plena produção ele não ficará mais barato ? E mesmo assim não custa os 2 T90 q vc citou… Sobre a doutrina russa de quantidade… Acha mesmo que 2300 tanques (500 por ano) é pouco ? Não se esqueca dos… Read more »

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
6 anos atrás

Quando digo que “não li não”, quero dizer que não li com pouca atenção… rsrs

eduardo.pereira1
eduardo.pereira1
6 anos atrás

Colombelli, vc concorda então,dentro de nosso teatro de operações, que ao Brasil(EB) já seria de bom tamanho a aquisição de mais Leopard’s 1A5 ? Ou quem sabe a aquisição de algum modelo novo ,porém dentro dos parâmetros que vc descreveu , mediano ,porém acessível à compra de grande quantidade??

Sds, excelente comentário.

Uitinã
Uitinã
6 anos atrás

Uma baita modernização, agora cabe ao comando peruano se decidir, se opta por modernizar o T-55 ou opta comprar umas 2 centenas que seja do T-90s, o peru vem se modernizando mesmo que sem o alarde que os chilenos fazem. O chile e só um dos inimigos potenciais peruanos o outro e o equador que tem uma quantidade de amx-30 e se não me engano uma quantidade de leo 1 comprados do chile. Só outra tem muito teórico de internet que acha que o Leo 1a5 e uma maravilha e não é, e um tanque médio com um motor fraco,… Read more »

Colombelli
Colombelli
6 anos atrás

Prezado Alfredo Nem cogitei levar a mal nada, pelo contrário. Só tenho a agradecer tuas ponderações que enriquecem o debate. Quanto ao tema em si, hoje uma manobra de Kesselschalacht não é necessariamente a melhor forma de parar um ataque blindado. Reitero que uma companhia com três pelotões de mísseis modernos (09 lançadores) para facilmente uma ataque nível regimento de carros. Dispara de forma discreta de posições que podem estar até 3 ou quatro quilômetros de distância. Se pretendes parar uma força convencional sem carros, com um Kessel ou um flanqueamento, até com o M-41 consegue isso. Já participei de… Read more »

eduardo.pereira1
eduardo.pereira1
6 anos atrás

Mais um excelente e rico comentário Colombelli, obrigado pela resposta.

Sds.

Matheus Augusto
Matheus Augusto
6 anos atrás

Uma prova de como os CCs estão se tornando cada vez menos importantes, principalmente para os exércitos ocidentais é o exemplo do próprio US army que atualmente tem apenas cerca de 1500 carros M1A2 em uso, sendo que todo o resto da frota, cerca de 6000 CCs, estão estocados. Isso mostra como é caro manter uma frota numerosa de tanques médios/pesados, coisa que se nem os EUA e as potências euroupéias estão dando conta, nós aqui ao sul do equador, simplesmente não temos condições, uma frota pequena e bem mantida de tanques médios e uma infantaria bem armada com armas… Read more »

Roberto Lopes
Roberto Lopes
6 anos atrás

Colombelli, boa noite. Fala Roberto Lopes.
Não deixe de ler o artigo:
“CC M60 A3 TTS, da 4ª BDA C MEC, comparado aos CCs do TO do CMO”
de autoria do Capitão do Exército brasileiro Tiago Eduardo Siqueira Veras.
O artigo foi primeiro publicado em uma revista eletrônica do Exército brasileiro, em 2014, e republicado, em janeiro deste ano, pelo site Defesanet.

Não perca esse artigo, Colombelli, o mais instrutivo que já vi circular na web sobre os nossos meios blindados, em muito tempo.

rsbacchi
rsbacchi(@rsbacchi)
6 anos atrás

Matheus, acho que você leu a mensagem errada!!!

O numero de carros de combate diminuiu, mas o tamanho dos exércitos diminuiu também.

A infantaria diminuiu, a artilharia diminuiu, tudo diminuiu.

Os exercitos europeus (e mesmo o estadunidense) são uma sombra do que foram na Guerra Fria.

Colombelli
Colombelli
6 anos atrás

Prezado Roberto. Ja havia lido este artigo inclusive a partir de um link postado aqui mesmo por um dos colegas. realmente muito bom e técnico. O que se extrai do texto é que o M60 A3 é equivalente ou pouco superior ao Leopard 1A5. Creio que a adoção do segundo se deve mais a problemas de logística do que pelo carro em si. Mesmo sendo mais lento e tendo silhueta mais alta o M60 ainda é um carro de respeito, em qualquer parte e especialmente aqui na AL. Penso que o EB deveria constituir uma reserva blindada com valor minimo… Read more »

Roberto Lopes
Roberto Lopes
6 anos atrás

Bom dia a todos, Nossa força de carros de combate não está enquadrada em nenhum dos atuais planos do Escritório de Projetos Estratégicos do Exército, Colombelli. Sua importância para os planejadores da força terrestre me parece, hoje, claramente secundária. A solução natural, ainda mais com a fábrica alemã recentemente montada no RS, me parece ser a adoção do Leopard 2. Mas eu me pergunto o que farão com o M-60, que me parece importante (poderoso) demais para ser repassado ao Exército paraguaio. Acho que a importação do M-60, feita no governo FHC, foi um negócio bastante discutível. Trouxemos um veículos… Read more »

rsbacchi
rsbacchi(@rsbacchi)
6 anos atrás

Este interessantíssimo dialogo entre os senhores Colombelli e Lopes, não mencionou o fato de que o alto comando do EB não queria o M60, que tinha sido oferecido pelo governo dos Estados Unidos. Pelo que entendi o EB preferia o Leopard 1 pelas suas características. Foi o então presidente Fernando Henrique Cardoso (de tão nefanda memória) que obrigou o EB a aceitar a oferta estadunidense, no seu afã de conseguir se tornar simpático ao governo daquele pais para obter sua aprovação para o Brasil ter um lugar permanente no Conselho de Segurança da ONU. Isto é o que foi dito… Read more »

Roberto Lopes
Roberto Lopes
6 anos atrás

“Nefanda memória”… Essa é boa Engenheiro. Sob pena de ser estraçalhado pelos antipetistas, ouso dizer o seguinte: O advento dos governos petistas — especialmente a partir de 2007 — fez muito mais pelas FFAA brasileiras que o PSDB. Muito, muito mais. Hoje temos cerca de 40 programas militares prioritários que qualquer entusiasta em assuntos militares conhece de memória. Circunstancialmente estamos enfrentando uma quadra de escassez orçamentária terrível, mas isso, a meu ver, não apaga o espírito de iniciativa com que o segundo governo Lula e o primeiro mandato da sra. Roussef impulsionaram os projetos militares. Aliás, no conjunto das compras… Read more »

rsbacchi
rsbacchi(@rsbacchi)
6 anos atrás

Não vou comentar, para evitar que este interessante debate, vire um discussão politica.

Colombelli
Colombelli
6 anos atrás

Com economia estabilizada via Real e impostos escorchantes é fácil fazer. Mas a realidade agora é que poucos destes projetos passarão de meras exortações publicitárias. Perder-se-ão no tempo, salvo aquele bilionário da empresa amiga do cidadão. Bacchi aquela época foram 92 M 60 e 128 Leopard. Não creio que existisse Leopards a disposição em numero suficiente para a renovação da frota que se operou. Outrossim, parece-me que o M60 era superior ao Leopard 1A1. Há um artigo de um sargento de cavalaria cujo link foi aqui publicado em outro post comparando o M-60 A3 com o Leopard 1A5. A coisa… Read more »

Colombelli
Colombelli
6 anos atrás

E so para lembrar, quem ja acompanhou tanques em operação sabe que o quesito velocidade tem relativa importância. Até certo ponto ela é fundamental, a partir de certa velocidade é inútil, pois o carro não vai varar campo de batalha a toda velocidade atirando. Não se esqueça, ainda, que fora a situação de combate blindado blindado, cujo custo benefício não compensa, pois se pode fazer quase o mesmo com misseis, o carro opera acompanhado de infantaria, a pé, inclusive, e sua velocidade não pode ser elevada. Assim e velocidade superior do Leopard, velocidade teórica e não necessariamente real em operação,… Read more »

Roberto Lopes
Roberto Lopes
6 anos atrás

Bom dia a todos.

Nesta data comunico o meu desligamento do blog ForTe – Forças Terrestres e da Revista Forças de Defesa, para abraçar outro desafio profissional.
Agradeço a confiança e o reconhecimento ao meu trabalho, e espero revê-los em breve, para que possamos retomar uma convivência que, para mim, sempre foi bastante inspiradora.

Felicidades!

Roberto.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
6 anos atrás

Bom dia, Roberto Lopes!

Boa sorte no seu próximo desafio profissional!

Infelizmente, é uma perda para a Trilogia.

Abraço!

rsbacchi
rsbacchi(@rsbacchi)
6 anos atrás

Colombelli escreveu em 22 de junho de 2015 as 7:26 # uma serie de comentários com os quais concordo integralmente.

Parabéns, é um prazer ler algo tão simples e objetivo.

eduardo.pereira1
eduardo.pereira1
6 anos atrás

Poxa Roberto Lopes, será uma perda e tanto pra nós que compartilhamos os sites da trilogia, mas ,que Deus lhe abençoe na nova empreitada.
Sds.

Jorge KNOLL
Jorge KNOLL
6 anos atrás

Não esqueçam que os venezuelanos tem o veículos para combate anfíbio (IFV) 8×8 sob rodas de fabricação chinesa estão sendo recebidos pela Infantaria Naval Bolivariana, e demais blindados anfíbios como o veiculo blindado de assalto anfíbio VN-18 (ZBD-05) armados com canhão 30mm, veiculo carro de combate ZTD05com próprios para entrar floresta a dentro e região alagadiça. Enquanto nós, apenas o Guarani e M-113.

carlos alberto soares
carlos alberto soares
6 anos atrás

Caro Jorge KNOLL, caso o Amigo Colombelli leia seu comentário, prefiro que ele comente sobre os carros Chinos, vai te surpreender talvez !

Últimas Notícias

Alltec apresenta suas inovações tecnológicas na 6ª Mostra BID Brasil

Alltec desenvolveu uma blindagem adicional do Guarani, veículo para transporte de tropas, do Exército Brasileiro A Alltec, empresa de Pesquisa...
- Advertisement -
- Advertisement -