Home Clipping Exército deve substituir munições para missões na selva a partir de 2016

Exército deve substituir munições para missões na selva a partir de 2016

12391
102

foto_3_EMjtDAv

Munição mais leve e mais barata será usada pelos Batalhões de Infantaria. Testes ocorreram no dia 17, no 1º BIS, em Manaus

Jamile Alves
Do G1 AM

O Exército Brasileiro testou, pela primeira vez no país, uma nova munição para ser usada em 2016, nesta quinta-feira (17), em Manaus. Menor, mais leve e mais barata, a nova munição perfurante calibre 5.56 deve substituir as anteriormente usadas pelos Batalhões de Infantaria de Selva na Amazônia. A alternativa pretende otimizar o trabalho dos combatentes na floresta.

Segundo o Comandante Militar da Amazônia, General Guilherme Theophilo, a proposta da troca é falicitar as missões na selva. Com a nova munição, o armamento chega a pesar 1,5 Kg a menos.
“O calibre 5.56 é mais leve para se transportar na selva que a 7.62. Nossas patrulhas são de longa duração no meio da selva, somam de 8 a 10 dias e, quanto mais a gente aliviar aquele peso que o combatente já leva, melhor. A mochila que ele leva já pesa 30kg e a gente vai aliviar [o peso transportado] na munição”, disse o comandante.

Durante a tarde, a nova munição passou pelo primeiro teste em solo brasileiro, no 1º Batalhão de Infantaria de Selva (BIS). Ela já chegou a ser utilizada em campo pela 2ª e 16ª Brigada de Infantaria de Selva, na Operação São Joaquim, que ocorreu na fronteira do Brasil com a Colômbia no início de dezembro.

foto_1_eCCUsca

Mesmo em tamanho menor que a de calibre 7.62 – utilizada atualmente pelo exército -, a nova munição mostrou melhor desempenho nos testes. “A dúvida seria se essa munição teria o mesmo efeito que a 7.62, que é maior, mais pesada e mais cara. Então foi desenvolvida uma nova munição 5.56 com o mesmo poder de penetração. Vimos que ela [5.56] se comportou muito bem, empatou na maioria dos testes e ganhou em dois”, contou.

As duas munições foram testadas nos mesmo alvos. A 5.56 chegou a perfurar um alvo situado atrás de um muro de concreto, além de penetrar uma placa metálica de 11 mm. “Ela se comporta da mesma forma que a 7.62, mas com a vantagem de ser mais leve e menor, de modo que a gente possa dentro de um carregador levar 30 tiros invés de 20”, completou.

FONTE: G1

102
Deixe um comentário

avatar
102 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
34 Comment authors
CarvalhoSafeTrollbustercarlos alberto soaresTrollbuster Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

Infantes, sou todo ouvidos …..
Sei não ….

Zmun
Visitante
Zmun

Munição nova, é? Depois de décadas e de muito dinheiro gasto, a Imbel conseguiu entregar um fuzil 5,56mm meramente decente. Como que num passe de mágica, a lenda de que somente munição 7,62mm seria efetiva na selva cai por terra. Parabéns! Corrupção, incompetência, preguiça, mentira, todos os elementos da gestão pública foram atingidos pelo cabide de empregos que chamam de Imbel.

Guacamole
Visitante
Guacamole

Não foi exatamente por usarem 5.56 que os EUA perderam no Vietnam? Por desviar nas folhagens e não irem muito longe?

Space Jockey
Visitante

Materia muito confusa…que eu saiba não é novidade a muniçao 5.56 pros 1% de unidades operacionais que o EB possui. Pelo que consegui entender é um novo projétil no cartucho de 45mm. Se é o SS-109 ou o M-193 ou ainda um outro cartucho não ficou claro…

edcarlos
Visitante
edcarlos

O menor peso e a maior quantidade de munição são fatores positivos, não acredito que o calibre 7,62mm tenha alguma vantagem sobre o 5,56mm em combate na selva Amazônia. O campo de visão é muito restrito na selva, é impossível um projétil percorrer uma grande distancia sem que atinja algo em uma selva densa. Utilizar um calibre mais pesado ou mais leve não vai fazer diferença.

SELVA!

Nunes-Neto
Visitante
Nunes-Neto

Será, já vi vários videos com a 7,62 atravessando uma árvore e muros coisa que a 5,56mm, não fez !

Fábio CDC
Visitante
Fábio CDC

Realmente, o calibre 7,62 x 51 NATO parece ter melhor desempenho no ambiente de selva justamente por não se desviar facilmente de sua rota. Para mim é um grande retrocesso substituir o calibre 7,62 pelo fraco 5,56 x 45 que nos EUA, por exemplo, é utilizado para “varmint hunting”, ou seja, caça de pequenos animais. Aliás, embora eu não tenha o link para servir como referência, já ouvi que soldados americanos em combate no Afeganistão precisaram efetuar vários disparos contra combatentes talebans para tirá-los de combate devido ao baixo stopping power dessas munições. Imagino que o esforço teria sido menor… Read more »

Luciano
Visitante
Luciano

As duas munições tem seu emprego necessário, com efetividade comprovada se bem aplicadas. O 5,56 usado hoje não é mais a dos anos 60, tendo várias características melhoradas. O CFN há tempos usa esse calibre e, se nao me engano o PARA-SAR com seus SG 550.

Luciano
Visitante
Luciano

Na segunda foto, a Mtr é uma FN M249 SAW?

Mario Lira Junior
Visitante

Até onde sei (e isto quer dizer que é de ouvir falar), Tio Sam ainda continua padronizado essencialmente no 5,56… eles voltaram a incorporar o 7,62, mas como uso restrito. Suspeito que alguma razão eles devem ter, não é?

Zmun
Visitante
Zmun

Os americanos passaram a usar 7,62, de forma restrita, no Afeganistão onde existem grandes áreas sem obstáculos e os combates estavam acontecendo em distâncias maiores que o previsto, por isso precisaram de uma munição de maior energia (peso). O problema do maior peso na hora de o combatente carregar a munição é minimizado com o apoio de veículos que se deslocam facilmente em terreno aberto. Ou seja, é justamente o contrário de uma selva, onde os espaços são menores e os combates mais próximos. Precisam de disparo a longa distância é a última coisa que o combatente quer no meio… Read more »

Bosco
Visitante

Na realidade vão trocar os fuzis e não a munição. A troca do fuzil é que deve possibilitar uma redução do peso.
Quanto a esse história de munição 5,56 mm desviar em folha de árvore, creio ser mais um boato da internet. Aliás, salvo engano esse assunto já foi desmistificado aqui no Forte. Sem falar que 99,99 dos disparos em um conflito não acertam absolutamente nada e não serão algumas folhas que irão fazer diferença.
E quanto aos EUA ter perdido o Vietnã porque usou o M-16 só pode ser piada do Guacamole. rsrssss

Bosco
Visitante

O calibre padrão dos EUA e de toda a OTAN é o 5,56 mm. O 7,62 mm é restrito a alguns fuzis de precisão (há vários calibres) e às metralhadoras médias M-240 e algumas outras poucas armas. Nem os fuzis dos “designated marksman” dos Marines e do USA são em calibre 7,62 mm, sendo todos em 5,56 mm.
Ele não deve ser assim tão ruim não.

Zmun
Visitante
Zmun

Mestre Bosco, eu ficaria muito feliz se a lenda de que o 5,56 não funcionaria na selva fosse apenas boato de internet, mas infelizmente não é. Os próprios instrutores do EB (de forma inocente ou não) alimentam isso. Talvez porque precisam fazer com que os recrutas sintam confiança em suas armas e não tenham outra opção (quero acreditar nisso) ou por puro desconhecimento, mesmo.

Bosco
Visitante

Correção: “são todos” é exagero da minha parte mas os fuzis que foram desenvolvidos especificamente como fuzil para um “designated marksman”, salvo engano, são todos no calibre 5,56 mm. Os que são em calibre 7,62 mm é porque eram fuzis de combate que foram adaptados à função.

leandro moreira
Visitante

Os Americanos perderam no vietnam por uma serie de fatores, como, estrategias erradas, aliados mal preparados, o vietcongue tinha apoio popular, uma serie de regras como nao poder atravessar a fronteira pro norte e a opiniao publica contra a guerra, mais de 50 mil americanos morreram la, referente a populacao vietnemita, vietcongue e soldados regulares eu nao sei exatamente, mais foi um numero muito superior, agora relacionar esta derrota ao calibre da municao e palhacada.kkkkkk

leandro moreira
Visitante

Varias OMs em curitiba ja receberam o novo fuzil Imbel 5,56 o que pode ser confirmado no ultimo desfile de 7 de setembro.

Jodreski
Visitante
Jodreski

Bosco acertou na veia, a troca no caso é dos Fuzis, FN FAL pelo IMBEL IA2, o segundo é um fuzil de assalto leve 5,56 mm enquanto o primeiro é um fuzil de assalto leve de calibre 7,62 mm. Na minha opinião: a troca do fuzil está completamente atrasada, usar o FAL como armamento padrão do EB em 2015 é uma piada. Alguns defensores do FAL dirão que ele é um ótimo fuzil e aquele papinho que nós já conhecemos, porém eu gostaria de fazer uma pergunta aos mesmos: se ele é tão bom pq as principais potências bélicas do… Read more »

Space Jockey
Visitante

“Pente” e “agulha” “bala” : um leigo foi travado pelo radar, mas concordo com a troca do FUZIL tbm, selva é selva, ngm consegue enxergar o alvo a mais de 50 metros.

Marcelo-SP
Visitante
Marcelo-SP

Esta discussão sobre o desfecho da Guerra do Vietnan e o calibre dos fuzis é apenas lenda. Uma coisa é dissociada da outra. O calibre 7,62 não mudaria o destino, principalmente porque a derrota americana foi basicamente política. Em todas as batalhas em que os americanos se envolveram de forma maciça em solo, eles acabaram, tanto no aspecto de baixas como de controle de território, prevalecendo. Com o calibre 5,56 ou não. Mesmo na tão falada Ofensiva do Tet, ao final, o contra-ataque americano foi “vitorioso”. A derrota foi a descoberta do povo em casa, nos EUA, que aquilo era… Read more »

DaGuerra
Visitante
DaGuerra

Não adianta atirar no que não se vê. Na Selva ou Cidade os campos de tiro são reduzidos. 5,56 mm mais leve e mais barato. Os veículos de apoio (Heli, Lanchas, caminhões) podem carregar mais munição. Em patrulhas a pé de longos percursos a tropa é menos sugada com o novo calibre do Fuzil que também é mais leve e compacto. Essa história de 5,56mm não funcionar na selva era mais um “paliativo psicológico” pelo uso até recente do velho FAL.

Paiva's
Visitante
Paiva's

Bom dia, as duas munições tem seus prós e contras. 5.56 = Tem um peso mais leve, o que possibilita que o combatente leve pelo menos o dobro de munição da dotação de 7.62, carregando o mesmo peso (dotação de um Fz Sl 200 7.62 = 400 5.56 = 10 kg). No COS, foi apresentado um estudo onde era possível levar até o triplo da quantidade prevista por combatente de 7.62. O pró desse fator é simplesmente a questão logística, em situação de combate, o militar inevitavelmente fica isolado se estiver operando dentro da selva e nessa ocasião quanto mais… Read more »

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares
Luciano
Visitante
Luciano

Na segunda foto, a Mtr é uma FN M249 SAW?Ao padronizarem o s223, ela substituirá a MAG no EB?

Cláudio
Visitante
Cláudio

Óbvio que e menos letal 5,56 ,a vantagem e ficar livre do tiranossauro fal ,apesar da boa companhia e muito pesado…no fundo queria um fuzil leve com 7,62 tradicional…segura bem o toco !!!!!!

Space Jockey
Visitante

Luciano, a FN MINIMI ou metralhadoras em 5.56mm são metralhadoras leves, operadas por um unico soldado, enquanto a FN MAG ou as de cal 7.62mm são metralhhadoras médias, entao não vai haver substituiçao.Isso é padrao mundial.

Zmun
Visitante
Zmun

Marcela descreveu muito bem o panorama vietnamita.

Caio Germano
Visitante
Caio Germano

2+2 é 4 e não 5. Usar da desculpa de que será 1,5 kg a menos para o soldado carregar é no mínimo uma brincadeira sem graça. Pergunte a qualquer soldado se isso faz diferença. Quanto ao custo de produção ser menor… da pra engolir. Agora, dizer que nos testes ele empatou com 762 em varios testes e por duas vezes foi melhor, é um chute no saco certeiro. Perfurou uma chapa de aço de 11 mm beleza, mas atravessar um muro de concreto, por favor vai, pode ser um murinho de tijolo baiano sem reboco e olhe lá. Agora,… Read more »

Igor Barbosa
Visitante
Igor Barbosa

a FN minimi vai substituir o FAP.
há relatos de soldados no Vietnã transportarem 1500 munições 5,56 nato, há ainda o fato de terem usado metralhadores m60 em 7,62 nato, ou seja usaram tanto 5,56 quanto 7,62, mas ainda não conseguiam ver o inimigo.
talvez essa notícia acelere a adoção do IA2 (que por acaso não deveria ter um nome como Mxxx, igual M964 FAL?), pois lembro de ler à uma entrevista do Gen Vilas Boas falando que a cadência de adoção deste estava em mil por ano e precisavam de 226 mil, fora a crônica falta de munição.

Igor Barbosa
Visitante
Igor Barbosa

não se deve esquecer que o IA2 tem um cano de 13.8″ com passo de 1:10, que deve necessitar de uma munição mais específica.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Até que enfim, como sempre disse que deveria ser. Dá pra levar 150% a mais de munição no mínimo. Vamos parar com esta bobagem de desviar em folhas e galhos. Ora, ou tu está vendo o alvo, tem visada limpa e ai não tem nada pra desviar, ou então não está vendo, e se não está vendo não atira em um ponto preciso mas em uma área, e se atira em uma área pequenos desvios, ainda que possam “em tese” ser possíveis são irrelevantes. Campo de tiro em selva é curto e patrulhas longas. Cada cartucho 7,62 pesa 25g. vai… Read more »

Delfim
Visitante
Delfim

Aqui no RJ é uma coisa, tem 5,56 e 7,62 (tanto x51 quanto o x39).
Fuzis ? Tem FAL, M-16, AR-15, G3, AK-47, Ruger, e BOPE e CORE usam Armalite AR-10, HK-PSG-1 e M700. Do Estado ou consignadas de apreensão.
E carabinas .30 M1
E as subs, tem MP5, MPK, MT-12, tem a Taurus .40 e tem… REISING !!! (não, não são sobra de Guadalcanal, e são deliciosas de disparar, mas sem chance na atualidade).
Arma curta, tem .38spl, .380, 9mmP, .40, .45.
E vcs reclamam que o EB é uma bagunça… .

Zmun
Visitante
Zmun

Quem conhece o IA2 5,56 mm pode me corrigir, mas eu tenho a impressão que trata-se apenas de uma versão do MD97 onde foram resolvidos os problemas com o carregador e acrescentado peças em polímero. Assim como o IA 7,62 mm é um FAL com polímero. Bem diferente da propaganda alardeada de que tratam-se de duas versões de uma espécie de SCAR brasileiro. De qualquer forma, é uma melhora em relação ao equipamento anterior.

tulio
Visitante
tulio

Alguém lembra da guerra do Cenepa? Os peruanos usaram o galil e em conversa com um veterano da infantaria da marinha peruana, ele me disse que não via problema na munição, o exército colombiano também usa galil no mesmo 556 e também nunca vi um infante da marinha de lá reclamar. Fui fuzileiro durante quase dez anos, usei m4 durante todo esse tempo e posso dizer, por experiência própria que a 50 metros, distância essa em que se daria o combate de infantaria na selva amazônica, o efeito de um disparo desse calibre é devastador, basta pesquisar um pouco sobre… Read more »

Jodreski
Visitante
Jodreski

Delfim, você sabe qual o destino das munições apreendidas pelas patrulhas? Pois essa falta de padronização deve gerar uma bagunça na logística.

Space Jockey: me desculpe se não tenho o mesmo vocabulário que o seu, melhor do que uma crítica é uma boa aula, fico no aguardo então!

Luciano
Visitante
Luciano

Obrigado, Space Jockey, tinha me esquecido que são funções diferentes, com unidades diferentes. Seria mais no sentido que o Igor falou, substituindo o FAP, mas com muito mais volume de fogo.

Delfim
Visitante
Delfim

Jodreski
Legalmente, armas e munições apreendidas devem ser destruídas; mas Graças a Deus, alguns Juízes entendem que tais ficam melhor equipando as Polícias que sendo destruídas em eventos públicos para fins político-eleitoreiros.
Então algumas armas e munições ficam em consignação legal junto às Polícias, até sua destruição final.

Space Jockey
Visitante

Quero deixar aqui admitido pra não restar qualquer dúvida: não gosto do IA2, além de muuuito feio (critério irrelevante) ele parece não ter uma boa ergonomia, tem cantos vivos e o cano aparenta muito curto…além de ser um arremedo do FAL, uma enjambração. Igor, vc sabe qto é o passo de uma volta em mm ? Legal entao saber que com mil (1000) unidades entregues ao ano ja podemos saber quanto tempo levará para a completa adoção : 226 anos !! Brasil um país de tolos ! Ei Colombelli, mas quem usa armamento em viaturas tem que ser mais curto… Read more »

André
Visitante

Na matéria fala “nova munição perfurante”.
Acredito que tal ponto esteja incorreto, pois o custo da munição perfurante é maior que a FMJ.

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

Esse é um assunto que está sempre presente no FORTE.
Fico com as opiniões do Amigo Colombelli.

Lyw
Visitante

Não vou entrar novamente em uma discussão que já leva anos neste e noutros sítios e fóruns, então vou abster a apenas alguns pequenos comentários.

Primeiro o MD-97 e o IA2 5,56 têm muito pouco em comum. O IA2 é um fuzil novo.
Segundo, quem já atirou com o fuzil, e não falo apenas de depoimentos de militares do exército brasileiro, mas até de colegas profissionais editores de revistas especializadas (incluindo a Forças de Defesa), o fuzil tem uma ergonomia elogiável.

Victor Barc
Visitante

Com essa troca de calibre quer dizer que temos a substituição do FAL pelo IA2?E a MAG poderá ser trocada pela M249 tbm?

Space Jockey
Visitante

Vitor, a FN MAG é uma metralhadora média, e a FN MINIMI é uma metr. leve.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Space, eu fui da infantaria blindada. Com era da equipe de tiro e ficava muito tempo em contato com o FAL acabei pegando um “costume” e o tamanho não me incomodava mais nem dentro do blindado, mas tens razão quanto ao fato de que para um ambiente confinado e pequeno como o do M-113 e Guarani uma arma um tanto menor é desejável, assim como o é para os artilheiros, pois no EB ainda se tem o cafona costume de exigir que os serventes fiquem com a arma a tiracolo. Vira um trambolho. Porém, no que concerne ao calibre, o… Read more »

Delfim
Visitante
Delfim

Não acredito em uma superioridade de um outro calibre contra alvos humanos, pois já trabalhei em IML e vi que em um ou outro calibre, os danos são severos.
E como já coloquei em outros papos, considero fuzis armas poderosas demais pra uso policial generalizado, sua adoção é uma resposta a uma situação em que os traficantes adquiriram fuzis pra se defender de facções rivais, e quando perceberam tinham armamento suficiente pra enfrentar policiais, até então com revólveres, espingardas e submetralhadoras.

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

Delfim, boas Colega. Sempre leio suas menções, com muita atenção quando se trata de Charlie e Mike. Morei no RJ por cinco vezes e bons períodos, tenho um Filho que mora no Recreio, portanto observo há muito o jeito desengonçado que portam armamento “mais pesado”. Raros os que o fazem de forma correta. Bandoleira ? Prefiro nem comentar, assista vídeos das abordagens em SP e as do RJ. Quantos tiros/prática e instrução adequada praças ou alunos da ACADEPOL tem antes de ir “ao baile” ? Com fuzis certamente ! Mas vamos ao que interessa, li sua postagem sobre o armamento… Read more »

Space Jockey
Visitante

Bom, de Stoping power eu não sei direito, mas quanto a energia do projétil…hehe. de cabeça eu me recordo de uns 3200 Joules de energia do 7.62, com velocidade inicial de 859 m/s e alcance util de 600m, 800 com mira telescópica. O 5.56 tem mais ou menos 1700 J e a velocidade encosta nos 1000 m/s se com um cano de 24 pol.Pode ser interessante comparar se pegar só no esqueleto do caboclo, mas se um soldado está abrigado o 556 fica fraco. Duvido que o alcance util do IA2 seja 600m, ainda mais com aquele caninho de pistola…… Read more »

Zmun
Visitante
Zmun

Outra coisa que o EB precisa mudar é a sua camuflagem. É muito escura para os pampas. Agora que os argentinos estão adotando a multicam, combatente brasileiro se tornaria um pato cego.

Gerson
Visitante
Gerson

Caros amigos, tem um video de testes do Imbel IA2 no youtube com as duas munições, percebe-se claramente a superioridade do calibre 7.62 este sim fura tudo que tiver na frente dele. O 5.56 devia ser empregado pela PM. Claro que existe 5.56 especiais com material perfurante, o que não que dizer que sejam mais baratas já que fabricamos nossas 7.62.

Victor Barc
Visitante

Obrigado pelas respostas eu realmente sou bem leigo no assunto.Eu levei em conta a “troca” das metralhadores os Marines, a infantaria deles levam como metralhadora de apoio a M249 restringindo a MAG a ficar em veículos (apesar de ter visto em poucos vídeos de infantaria usando a MAG).