Home Exército Brasileiro KMW fecha novo contrato de R$ 200 milhões com o Exército

KMW fecha novo contrato de R$ 200 milhões com o Exército

10658
87
Leopard 1A5

Empresa fará a manutenção e a modernização dos blindados por 10 anos

O Diário de Santa Maria noticiou que a empresa Krauss-Maffei Wegmann (KMW) assinou um contrato com o Exército Brasileiro para manutenção e modernização dos carros de combate Leopard, dos blindados antiaéreos Gepard 1 A2 e de seus simuladores pelos próximos 10 anos.

Esse contrato prevê gasto de até 60 milhões de euros (R$ 220 milhões) até maio de 2027, por parte do Exército. A KMW instalou sua filial brasileira em Santa Maria (RS), em 2011.

Atualmente a KMW tem 40 funcionários em Santa Maria, a sede da empresa para atender toda a América do Sul. A empresa abriu seleção para mais quatro empregos: duas para técnico de manutenção de simuladores e duas para mecânico (uma para Leopard e outra para o Gepard).

Os interessados em concorrer devem cadastrar seus currículos no site www.futurasm.com.br, onde há os requisitos para disputar as vagas. Nos próximos meses, a KMW fará novas contratações, mas o número de novas vagas ainda será definido.

Gepard 1A2

Diário Oficial 17 Maio 2017
COMANDO LOGÍSTICO

EXTRATO DE CONTRATO
Termo de Contrato Nº 024/2017-COLOG/DMAT

CONTRATANTE: A União, por intermédio do Comando Logístico – Órgão do Ministério da Defesa – Exército Brasileiro – CONTRATADA: KRAUSS-MAFFEI WEGMANN GmbH & Co.KG – OBJETO: Serviço de manutenção de forma continuada com aplicação de material, modificações ou modernizações, retoques de pintura, calibração de ferramentas especiais, reparação de componentes e assistência técnica e logística e aquisição de materiais para veículos militares modelos VBC DAAe Gepard 1 A2, VBCCC Leopard 1 A5 BR, VB Es Leopard 1BR e os respectivos simuladores da família Leopard e Gepard.
VALOR:  60.000.000,00 (Sessenta milhões de euros).
VIGÊNCIA: 16 de maio de 2017 até 15 de maio de 2027.
DATA DA ASSINATURA: 16/05/2017
SIGNATÁRIOS: MÁRCIO VIEIRA DASILVA – Cel Ordenador de Despesas do Comando Logístico, e,
THOMAS RENKEN e JOCHEN KURTH, representantes da empresa.

87
Deixe um comentário

avatar
87 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
24 Comment authors
JuarezAgneloLeonardo AndradeRafael_PPFábio Mayer Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Emmanuel
Visitante
Emmanuel

Acredito que virá algo maior no futuro.
Talvez um contrato para desenvolver e produzir um tanque na casa das 40-45 ton em substituição aos Leopard e M60.
Seria muito bom para ambas as partes.
Abraço.

Colombelli
Membro
Colombelli

Olha que a Iveco é mais provável. Italianos precisam de um substituto para o Ariete logo logo

Tomcat3.7
Visitante
Tomcat3.7

Já é o início do caminho para um MBT nacional de responsa no futuro.

Tomcat3.7
Visitante
Tomcat3.7

Colombelli, vindo um MBT novo no futuro pode ser até Chinês.rs

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Convenhamos, nem a versão 8×8 do Guarani saiu do papel, tampouco há indícios de sair nos próximos anos.
Para mim é uma viagem sonhar com um MBT nacional nos próximos dez anos ou quinze anos. E acho que o Brasil só deveria cogitar isso se for em parceria com algum país sério (Alemanha, Itália, Suécia, etc) que tenha expertise, ajude a custear o desenvolvimento e compre também muitas unidades.

Renato
Visitante
Renato

Então a KMW se instalou em solos tupiniquins sem ter sequer um contrato de manutenção por aqui?

Colombelli
Membro
Colombelli

Renato, tinha, um de 25 milhões que está sendo renovado. Correto Rafael. Tomcat, chinês não. Estes deixa pros argentinos

Agnelo Moreira
Visitante
Agnelo Moreira

Prezados, boa noite. O EB sabe da vida útil do Leo 1 e M-113. A intenção é trocar por uma família futuramente. Não adianta comprar o CC, se a VBTP (e o q se quer é uma VBC-Inf sobre lagarta) ou a Eng Bld não acompanha. CIBld, D MAt, CDou e outros estão estudando isso. Uma pesquisa recente em 12 exércitos demonstrou q preferem um CC sobre lagarta a um sobre roda, mesmo com os encargos logísticos q isso implica. Portanto, aliado ao problema de recurso, pode ser q os RCC das Bda Inf Mec venham a ter um CC… Read more »

Agnelo Moreira
Visitante
Agnelo Moreira

DOAMEPI ( Doutrina, Organização – e/ou processos -, adestramento, material, educação, pessoal e infraestrutura)

Bardini
Visitante
Bardini

Bom… Vai ser Leopard 1A5BR até 2027+. Ai que entra também a modernização dos M113BR. Por mim, nada contra, embora ainda sinta uma certa dor de cotovelo pelo Marder não ter vindo no pacote. . Mas é evidente o quanto a Força evoluiu em questões de doutrina e manutenção devido o Leopard… . Acho que só vamos escutar falar em MBT nacional depois de 2023, por conta dos planejamentos internos do EB (Força Terrestre 2022 – FT 2022). . Mas vai ser complicado ter um MBT nacional. Teremos que fazer algo que não ultrapasse em muito os U$ 4 milhões… Read more »

sub-urbano
Visitante
sub-urbano

MBT brazuca? Deus me livre!!!!!

Iam gastar 5 bilhões só em propina e o resultado sairia uma porcaria, estilo Guarani – obsoleto, mirrado, desdentado e anão!!!!

Compra novo da China! Coloca um recheio israelense que tá de bom tamanho…

sub-urbano
Visitante
sub-urbano

E outra coisa, torram uma grana com um projeto assim e compram só 200 no final. Daqui uns anos o petróleo sobe o preço e a Venezuela compra uns 300 ARMATA e a coisa complica pro nosso lado.

Bardini
Visitante
Bardini

O projeto do Guarani é muito bom no objetivo dele: Mecanizar a Infantaria.
.
É um blindado barato (menos de U$ 1,5 milhão a unidade), robusto e funcional, que abriga o Grupo de Combate de Fuzileiros Mecanizados muito bem. Só falta o Guarani 8×8, armado com o canhão de alta pressão para dar apoio de fogo a Infantaria.

Bravox
Visitante
Bravox

Duvida, qual a blindagem do guarani? (segura um tiro de rpg-7 ?)

sergio ribamar ferreira
Visitante
sergio ribamar ferreira

Gostei da notícia. Já fiquei animado. Concordo com o Sr. Bardini

FELIPE MORAIS
Visitante
FELIPE MORAIS

Bom dia senhores. Colombelli, Bardini e demais, se souberem e puderem responder… – Qual a estimativa de “vida útil” do leo 1a5? Leia-se como vida útil o tempo em que o carro ainda possa estar condizente com eventuais TO’s que o Brasil possa enfrentar. – Não há espaço para mais leos 1 modernizados que estejam dando sopa em estoques da Alemanha, Bélgica etc? O mesmo para o Guepard. – Qual a proporção de preço entre um leo 1 modernizado, como citado acima, e um outro carro também de segunda mão mais moderno (T90, Leo 02 etc); – Quanto ao MBT… Read more »

Lukas Delmondes
Visitante
Lukas Delmondes

Eu tbm acho que o T-90 seria otimo para ser um substituto ou fazer um mix dele com Leo, mas tem aquele suposto problema da logistica russa.
O T-90 é barato, robusto, leve e com bom poder de fogo e com armadura reativa fica ainda melhor.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Não existe, nem existirá na próxima década. T90 de segunda mão. Se quiserem optar por ele, terá que ser novo. Aliás, Leo1 também não sei se há disponível para venda. O que tem bastante é Leo2, mas ele grande e caro. Tendo a Iveco e a KMW instaladas no Brasil, não vejo sentido em negociar uma nova planta de um novo fabricante. Em qualquer caso, comprar um MBT russo é pedir para ter problemas logísticos e de adaptação aos sistemas russos. Para mim, é uma péssima ideia. . Existem duas opções naturais: 1 -se a ideia for de um MBT… Read more »

Agnelo Moreira
Visitante
Agnelo Moreira

Bom dia No caso da vida útil, não é só a capacidade no TO, mas as peças disponíveis. Não sei ao certo ainda, qual o modelo poderá ser adotado, pq até isso ocorrer, novos CC e VBC-Inf estarão disponíveis. O Guarani 8×8 pode ser bom, mas, como disse, outros exércitos atualizaram suas doutrinas preferindo CC sobre lagartas para atuar junto da Inf. Não sei, nesse caso, como ficará a VBR q substituirá o Cascavel. Está em estudo. A dependência de vias para as Vtr sobre rodas, principalmente em tempo ruim, o q é muito comum no Brasil, tem posto dúvida… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

Acho que a opção pela VBR-MR continua válida. . Acredito que esta é a opção mais acertada para ter uma Infantaria Mecanizada com grande apoio de fogo e mobilidade aliada a certa comunalidade. Se todas as variantes do Guarani fossem implementadas, assim como O VBR-MR, teríamos algo de certa forma semelhante a um “Stryker BCT”. . Acho que é o caminho, e para se chegar a um “Heavy BCT” não seria necessário muito outros projetos. A combinação de ambos ainda me parece ser interessante. . Por mim, as prioridades seriam: – O VBR-MR 8×8, com canhão de alta pressão 105mm.… Read more »

Colombelli
Membro
Colombelli

Agnelo, será que haverá RCC nas Brigadas Mecanizadas? O EB não tem nem a dotação dos RCB completa. Uma dotação mínima de 36 carros por RRC e 05 brigadas teríamos 180, mais uns 108 pros RCB, o EB teria de adquirir um lote maior do que foi o do Leo 1a5. Duvido que isso venha ocorrer. Felipe. A vida útil pode ser estendida indefinidamente o que ocorre é o custo que aumenta. Na AL os países que fazem fronteira conosco e que poderiam usar CC não tem perspectiva de aquisições que justificassem substituir o A5. Leos 1a5 hoje teríamos possibilidade… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Deixa eu ver se eu entendi:

Vocês querem que se desenvolva aqui uma VBC SR 8×8 para compra quantos???

200 e olhe lá, um VBCI para comprar uns 350, 400??

Um CC para se adquirir uns 250, 300 talvez

UM CC aqui sem escala vai custar o preço de 10 Leopard 2A7.

Tem coisas prontas que se pode adaptar a nossa realidade, montar parques de manutenção pra se fazer toda a manutenção deles aqui e fomentar empregos e escala de produção de componentes de alto desgaste que poderão ser produzidos pela ind nacional.
Vocês não aprenderam nada com o que aconteceu no passado recente?????

G abraço

Agnelo Moreira
Visitante
Agnelo Moreira

Colombelli Creio q os RCB estão completos. 02 Esqd CC em cada com 13 CC cada, mais Cmt e S3. Dá 28. x 4 de cada uma das 4 Bda C Mec. 112 carros. Os RCC das Bda Bld são quaternários. 4 Esqd CC a 13 carros mais Cmt e S3. 54 carros x 4 RCC ( 2 por Bda Bld) dá 216. Essas são as contas atuais. Os RCC, por exemplo eram ternários, então tinham menos carros. As Bda Inf Mec tem previsto um RCC quaternário cada. Por enquanto, as Inf Mec previstas seriam (sede): a de Cascavel (15ª),… Read more »

Cássio
Visitante
Cássio

Agnelo creio que vc se enganou, exceto o 20 RCB, os demais possuem apenas 01 Esqd CC !

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Você está enganado sobre os 3 RCBs do Sul. Já faz alguns anos quem devido a baixa disponibilidade dos Leo1BE, foram reduzidos para 1 esquadrão cada.

Fabiano Martins
Visitante
Fabiano Martins

Vejo interessante a modernização, tomara que de tudo certo.

Colombelli
Membro
Colombelli

Agnelo, o único RCB com dotação completa de CC é o 20 (Campo Grande), como disse o Cássio, que tem 28 M-60. Os demais, os três localizados no RS, (São Luis Gonzaga, São Gabriel e Alegrete) estão todos com epenas um esquadrão de 13 carros cada um e estão equipados com os Leo 1A1. Não há o segundo esquadrão mobiliado. Então temos de repor três esquadrões urgente e ainda teria as brigadas mecanizadas. Acho impossível que as brigadas venham a ter CC de lagarta e mesmo de rodas será dificil. Tem 168 pelotões de cavalaria que precisam de dois carros… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Colombelli, hoje o EB tem um grande problema tanto nos Leo 1A5 quanto nos Gepard, que é a descontinuidade de fornecimento de peças para os motores que estão fora de linha já faz algum tempo, o que vai começar a atingir diretamente a diagonal de manutenção destas viaturas. Eu espero que neste contrato esteja prevista um um up grade de motor, que não é uma coisa tão cara. Quanto as viatura para mobiliar os demais esquadrões dos RCB, acho muito difícil dada a atual situação que se encontra o país. Não vejo com bons olhos manter dois CCs com linhas… Read more »

Colombelli
Membro
Colombelli

Juarez, se for so a parte mecânica ai é galho fraco. Problema será a eletrônica. A alternativa de tentar tudo na padronização do Leo 1A5 a coisa complica por conta de não termos mais oferta fácil. Hoje a rigor já temos dois CC e não está dando tanto problema. Eu seria por por o M-60 A3 TTS pros RCB, pois se chuta uma moita aparece peça. Quanto as missões e composição, os BIB e os RCC em regra atuam em FT, coisa que o RCB tem internamente já. Taticamente as missões são semelhantes, é no campo estratégico que se poe… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

“Já o IFV me parece, não faz muita falta por conta da nossa doutrina. Não vejo grande vantagem ter um veiculo intermediário.” . Não sou entendido do assunto, mas contar com um veículo com o mesmo nível de blindagem do Leopard e armado com um Canhão de 30x173mm e o MSS, atuando no lugar dos M113 faria um mundo de diferença ao Exército. . Os Bradleys fizeram um estrago considerável com um canhão de 25mm e o TOW no Golfo. Se você for levar em conta um ambiente convencional, só existem vantagens em adotar um IFV. Ainda mais aqui no… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Já o IFV me parece, não faz muita falta por conta da nossa doutrina. Não vejo grande vantagem ter um veiculo intermediário.

Colombelli, o que tem diferente na nossa doutrina para a EA, para oExército Chileno que usam o Marder como IFV???

G abraço

Juarez
Visitante
Juarez

Colombelli, o motor não é barato, é um de 800 CV, deve ser importado MTU e adaptado a transmissão do veículo, mas há que ser fazer algo, pois a KMW
A eletrônica ainda vai, se precisar chama os “Jacó” da Elbit, que pagando eles tudo resolvem.

G abraço

Agnelo Moreira
Visitante
Agnelo Moreira

Boa Noite Cassio,Colombelli e Juarez É por ai q o Colombelli falou. No nível OM, o RCB atua como uma FT CC/Inf, q é o q acontece quando o RCC e BIB atuam, formando FT. Se mantém separados em RCC e BIB nas Bda Bld para flexibilizar a constituição das FT em mais forte em Inf ou CC dependendo do Exame de Situação. Em um nível tático mais elevado, os BIB e RCC estão na Bda Bld, q é a mais forte do EB, constituindo, geralmente, a força principal e decisiva em uma ação. As Bda C Mec, q tem… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Bardini 28 de maio de 2017 at 21:36 “Já o IFV me parece, não faz muita falta por conta da nossa doutrina. Não vejo grande vantagem ter um veiculo intermediário.” . Não sou entendido do assunto, mas contar com um veículo com o mesmo nível de blindagem do Leopard e armado com um Canhão de 30x173mm e o MSS, atuando no lugar dos M113 faria um mundo de diferença ao Exército. . Os Bradleys fizeram um estrago considerável com um canhão de 25mm e o TOW no Golfo. Se você for levar em conta um ambiente convencional, só existem vantagens… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

Juarez 27 de maio de 2017 at 17:39 . Não acho que seja por ai. O motor certamente seria um já existente, provavelmente MTU. Transmissão vai pelo mesmo caminho. Canhão seria com toda certeza um existente. Sistema de combate poderia ser proveniente de um israelense já existente. Sobra carcaça e outros fru-frus que não se pode utilizar de outros veículos existentes. . Muita coisa ainda poderia ser feita para ter comunalidade com um IFV, que é uma necessidade que vai existir para substituir os M113… Afinal, um futuro e hipotético CC brasileiro não seria um super pesado. . Um CC… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Bardini, enquanto não mudarem a forma de pensar , de fazer e de planejar, não tem jeito, vai ser assim mesmo, não tem saída nos próximos 5 ou 7 anos. Acho que talvez uma saída fosse uma redução de meios privilegiando modernidade, mas duvido que o EB venha a fazer isto.

G abraço

Ádson
Visitante
Ádson

Ocorre-me uma ideia. Uma mudança de conceito poderia fazer um projeto nacional viável. Um projeto modular com varias utilizações. Explico: lembram-se do antigo UNO. O carrinho lançou o conceito de modularidade entre as montadoras. Sobre a mesma base fizeram um rete,UNO, um três volumes, PREMIO, uma perua, ELBA, uma pick-up, FIORINO, e um furgão, FIORINO FURGÃO. Pois bem, pensem em um CC como uma caixa com motor transversal dianteiro. A blindagem maior ou menor conforme a necessidade da montagem final. A parte superior, teto, também seria modular. Daí se teria a base para um MBT, um obuseiro, um transporte de… Read more »

Ádson
Visitante
Ádson

Há, esqueci o Merkara tem o motor a frente.

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Colombelli,

Nestes 168 “pelotões”(acho que você quis dizer “esquadrões”) de Cavalaria você incluiu os esquadrões dos RCBs?

Plinio Junior
Visitante

Para quebrar um galho e compor unidades onde faltam MBT , concordo com o Colombelli, a aquisição de M-60A-3s seria ótima, existem uma grande quantidade deles a disposição, farto mercado de peças e preços dentro do minguado orçamento…..daria ao EB fôlego de aguardar melhores situações no futuro….

Tomcat3.7
Visitante
Tomcat3.7

Colombelli ; li em outro site já a algum tempo que se estudava a modernização de todos os 91 CC conforme foi feito pela Bae System para o exército da Indonésia. A matéria é de Setembro do ano passado e lá fala que o EB já havia encaminhado correspondência à Secretaria de Defesa dos Estados Unidos solicitando os suprimentos necessários.

Chokoeater
Visitante
Chokoeater

Veículo de Recuperação Blindada de Nova Geração, de Cingapura:
.
http://www.snafu-solomon.com/2017/05/more-pics-of-singapore-next-generation.html

Colombelli
Membro
Colombelli

Tomcat, isso é somente especulação, infelizmente. Eu sou totalmente favoravel ao M60-A3 TTs, modernizado ou não. Não fica tão longe do T-72 da Venezuela e deixa os TAM no cavaco. Juarez e Bardini. na nossa doutrina o blindado ou atuará numa FT com CC ou sozinho em ataque a posições sumariamente defendidas. Se atua com o CC o fato de ter uma blindagem intermediária (Marder contra 40mm, M2 talvez 20 mm) e canhão não faz muita diferença, pois estes fatores são supridos pelo CC que anda a frente. Blindado na FT é so pra levar a infantaria de apoio mesmo.… Read more »

Colombelli
Membro
Colombelli

A proposito, eu estava me referindo aos pelotões de C Mec porque eles é que receberão os Guarani e falava no sentido de que so eles já demandarão ao menos 168 blindados 8×8 com canhão. Os esquadrões RCB é M-113 e Leo 1A1 ou M60. E poderia ser completado o que falta com mais A5 ( Turquia ou Grécia), M 60 TTS, ou até 4 esquadrões de 13 BMP-3 ( um pra cada), o que daria capacidade anfíbia ao apoio de fogo.

Bardini
Visitante
Bardini

Tá, os Leopards, em um ambiente convencional iriam a frete e atrás viriam os M113? . Mas isso não implica naquela velha máxima de que deixar um MBT sem apoio da infantaria é dar sopa pro azar? Pq na minha concepção essa sempre foi a grande função do IFV, dar suporte ao MBT, ambos atuando lado a lado e um cobrindo a deficiência do outro. . Só quero entender melhor a questão, pois o pouco que sei do assunto não é baseado no nosso Exército, já que é complicado garimpar informação dele. . E cá entre nós… O que bota… Read more »

Colombelli
Membro
Colombelli

Muto boa sua questão Bardini. Na verdade salvo quem ja participou de uma uma FT, o conhecimento usual de como ela funciona acaba não refletindo a realidade, pois a dinâmica de um ataque é bem diferente daquilo que normalmente vemos no cinema ou outras formas de encenação. A infantaria parte de uma linha de partida junto com os CC ( LP), esta linha de partida corresponde à ultima linha coberta e abrigada antes do inimigo. A seguir ela entra na terra de ninguem, que para o inimigo corresponde do seu ADA ( area de defesa avançada). Neste momento a FT… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Colombelli, a questão dos spares daquele velho MTU é mais complicado do que sugeres, explico:

O motor está descontinuado e tem itens principalmente injeção de combustível de alto desgaste que não se consegue mais,quem tem no estoque antigo sabe disto e cobra o que nãoo vale, e ai começa o sofrimento. passamos por isto na FAB com o Bufalo, ou então parte para a gambiarra, aí meu amigo, nunca mais a coisa se “apruma”.

G abraço

Juarez
Visitante
Juarez

Colombelli, sobre o uso de IFV, Chile e Argentina não exércitos “com dinheiro”, mas ambos usam a doutrina do IFV, com o Marder, e os Chilenos ainda tem aquela versão Belga do M113 travestido de IFV.

G abraço

Colombelli
Membro
Colombelli

Juarez, mas motores tem similares mercado. Pode ser caro mas troca ou se faz a peça aqui. Já o eletrônico…. sai mais caro que comprar um CC de segunda mão completo e não temos nacional. No caso do Leo A5 o hoje capitão da reserva que foi um dos membros da comissão de seleção na Alemanha me disse que o principal fator de escolha foi o imageador térmico e fatores mecânicos oram secundarizados, tal era o preço da citada peça. Tive oportunidade de ver motores do Leopard. alguns intactos e outras ja só o bloco, em Panambi, bem como os… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Colombeli,a velha bomba rotativa Bosh dele nem com reza braba se consegue componentes no mercado, é um pepino federal. Se, por exemplo quebrar um anel de compressão, tamo fu, a vts vai para por um loooooooongo tempo pois não tem no mercado. Ok, manda fazer sob encomenda vai custar o preço de uma camisa com kits inteira, compreendeu, u seja, o EB precisa repotenciar com urgência estes motores, o que não é dificil, a MTU tem motores modernos na linha, mas tem começar pensar urgente.

G abraço