Home Entrevista O ‘Rocket Man’ de Israel fala sobre a Coreia do Norte e...

O ‘Rocket Man’ de Israel fala sobre a Coreia do Norte e o Irã

5640
28
O Iron Dome em ação sobre Gaza, interceptando um foguete direcionado a Israel. Jack Guez/AFP/Getty Images

Yitzhak Ben-Israel pensa que os ‘cyberwarriors’ de Kim Jong-un são de terceira categoria, a defesa de mísseis dos EUA é boa e o acordo do Irã é um guardião

Por Zev Chafets

O sucesso, diz-se, tem muitos pais, e esse é certamente o caso das conquistas surpreendentes de Israel nas áreas de defesa antimíssil e segurança cibernética.

Mas se alguém tem o direito de reivindicar a paternidade, é Isaac Ben-Israel. Como um grande general, ele comando a unidade das IDF responsável pela P&D militar e como Diretor de P&D de Defesa no Ministério da Defesa israelense, supervisionou a criação dos sistemas anti-mísseis de ponta de Israel. Como civil, tornou-se o arquiteto do ecossistema cibercético único de Israel. Hoje, aos 68 anos idade, dirige o Departamento de Estudos de Segurança na Universidade de Tel Aviv, preside a Agência Espacial de Israel e seu Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento e, em seu tempo livre, escreve livros influentes sobre estratégia militar de alta tecnologia e administra sua própria empresa de consultoria, RAY-TOP (Technology Opportunities) Ltd. Ele é um homem ocupado.

Na semana passada, quando conheci Ben-Israel em seu escritório na Universidade de Tel Aviv, levei um gravador comigo. Esta não é a minha prática habitual, mas admito estar nervoso. Não é todo o dia que um ex-sargento das Forças de Defesa israelenses entrevista um grande general, especialmente quando esse major geral é uma combinação de Robert Oppenheimer e Batman, e o ex-sargento quase não passou pela geometria do ensino médio. Não queria perder nada.

Ben-Israel concordou prontamente em ser gravado. Coloco o gravador na mesa entre nós e aperto o botão On. Para minha consternação, uma luz vermelha começou a piscar. “Eu não acho que isso deveria acontecer”, eu disse.

“Eu também não sei”, disse ele. “Eu nunca aprendi a usar uma dessas coisas. Posso pedir a um dos meus assistentes para dar uma olhada. “Nós dois rimos, eu mexi com o gravador até o piscar parar e comecei a fazer perguntas.

O New York Times informou recentemente que a Coreia do Norte quer se tornar um cyberpower. Isso é tão perigoso quanto parece?

Na verdade não. Se é verdade que a Coreia do Norte treinou 6.000 especialistas em informática em 10 anos, isso é impressionante. Mas isso os deixa muito longe de entrar no nível superior dos cyberpowers.

Quem está naquela classe?

As Cyberweapons podem ser ofensivas ou defensivas. Se eu tivesse que classificar os países em ambas as categorias, eu diria que os EUA e a Rússia estão em primeiro, seguidos por Israel, Grã-Bretanha e China, nessa ordem. Há um segundo nível, composto por países como a França, a Alemanha e outras democracias modernas. Coreia do Norte e Irã, por sinal, estão estritamente no terceiro nível.

Por que o número de pessoal treinado é importante? Por que um país como a Coreia do Norte simplesmente não pode contratar hackers estrangeiros?

O Lone Hacker é uma mitologia. Você precisa de redes para montar operações sérias. Primeiro, você precisa coletar informações sobre o alvo. Isso leva tempo e esforço, e é um processo contínuo. Você deve monitorar e atualizar constantemente o que você conhece e o que o outro lado está fazendo. Se o seu objetivo é inserir um vírus Trojan, como o Stuxnet, ele deve ser feito de forma gradual e sigilosa. De acordo com analistas estrangeiros, levou dois anos e centenas de operários altamente qualificados.

Então, não existe ameaça séria dos ciberterroristas?

Pode acontecer, mas geralmente as organizações terroristas não têm a mão-de-obra ou a paciência para a ciberguerra. Para obter o efeito que desejam (principalmente na mídia), é mais fácil e mais rentável para eles pilotarem um avião e jogarem em um prédio ou colocar uma bomba na estação ferroviária.

Como Israel se defende de desafios mais sérios?

Construindo um ecossistema. Foi o que fizemos.

O que isso significa?

Em 2010, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu me solicitou para criar um plano de cinco anos de ciberdefesa nacional. O problema é que um único ano é uma geração no cyber. Você não pode prever cinco gerações à frente.

O que você pode fazer é treinar um número suficiente de especialistas talentosos capazes de lidar com as mudanças que inevitavelmente se desenvolvem ao longo do tempo. Você também precisa organizar uma infraestrutura flexível e integrada que possa evoluir com novas tecnologias e novas ameaças.

O primeiro-ministro concordou com a minha abordagem. Consultando as principais pessoas em vários campos relacionados, entreguei 13 recomendações para a criação de um ecossistema. A seu favor, Netanyahu aceitou o plano e implementou-o. Sem sua liderança, não teria acontecido.

Quais foram as coisas que você propôs?

Muitos envolvem investimentos em educação. Por exemplo, em 2010, não havia uma única universidade no mundo onde você pudesse obter um diploma de bacharel em segurança cibernética. Hoje, quase todas as universidades israelenses oferecem uma. Os alunos do ensino médio podem agora ser importantes em segurança cibernética e entrar no exército com um alto nível de conhecimento. Nós até começamos a educar as crianças da escola primária nas regras básicas da via cibernética. Como resultado, acredito que Israel é o número um do mundo, per capita, ao cultivar esse tipo de talento.

Quais são outros aspectos do plano?

O setor empresarial também faz parte do nosso ecossistema. Israel é um país pequeno com um pequeno mercado doméstico. Vivemos através da exportação. O Cyber ​​é um produto importante, mas logo percebemos que às vezes pode ser usado como arma.

A venda de armas no exterior exige uma licença do governo, com toda a burocracia que isso implique. Quando exportamos grandes sistemas, é para países ou mega-corporações, e as condições de uso são negociadas contratualmente. É um processo longo e sabemos exatamente quais são os termos.

Mas as start-ups de alta tecnologia são diferentes. Elas são amplamente financiados por investidores privados, muitos do exterior, que esperam um retorno sobre seus investimentos. Nosso desafio foi encontrar uma maneira de permitir que essas start-ups floresçam sem permitir que tecnologia perigosa caísse nas mãos erradas. E nós encontramos.

Como?

Nós decidimos permitir a exportação de cibertecnologia defensiva sem a necessidade de uma licença governamental. A tecnologia ofensiva requer uma.

Não é uma linha difícil de definir?

É sim. Na verdade, ninguém realmente sabe como defini-la. Então deixamos para os próprios exportadores determinar se seu produto exige uma licença. Esta permissão vem com um aviso: se nós pegarmos você tentando vender produtos cibernéticos ofensivos no exterior, haverá severas penalidades legais.

Em outras palavras, você quer ambigüidade e o ônus da prova no exportador?

Sim. Não tenho a certeza de que isso funcionaria em outros países, mas para nós funciona. Até agora, não houve um único problema. Enquanto isso, a participação de Israel no mercado global de produtos e serviços cibernéticos atingiu 10%, um aumento de cinco vezes nos últimos cinco anos. E eu li um artigo na Bloomberg há cerca de seis meses, estimando nossa participação na P&D global de ciber em cerca de 20%. Então, evidentemente, estamos fazendo algo certo.

Iron Dome

Vamos falar sobre outra área de sua experiência, defesa antimíssil. O sistema americano de defesa de mísseis de longo alcance é bom o suficiente para proteger os Estados Unidos dos mísseis balísticos norte-coreanos?

Isso é difícil de avaliar sem a experiência da vida real nas condições do campo de batalha. É aí que as armas são depuradas e melhoradas. Os sistemas anti-balísticos dos EUA foram testados em áreas de testes de mísseis, mas não em situações de combate. Mas parece que os EUA fizeram um monte de trabalho sério e testes contra mísseis reais.

Qual é o seu nível de confiança de que eles vão fazer o trabalho?

É um palpite da minha parte, mas eu diria 9 em uma escala de 10.

A Coreia do Norte também possui uma grande quantidade de mísseis de curto alcance destinados a Seul, a capital da Coreia do Sul. Israel tem experiência com foguetes do Líbano e Gaza. Seria aplicável?

Primeiro, é preciso lembrar que a Coreia do Norte tem armas nucleares. Se os EUA cruzarem uma linha vermelha, o ditador louco em Pyongyang poderia usá-las. O Hezbollah e Hamas não têm armas nucleares, exatamente por isso Israel não quer que o Irã as tenha.

No que diz respeito à artilharia convencional de curta distância, resolvemos esse problema tecnológico com o Iron Dome (Domo de Ferro). Na Guerra do Líbano de Israel em 2006, o Hezbollah disparou 4.200 mísseis contra Israel. Eles mataram cerca de 80 pessoas. Nós não tínhamos então o Iron Dome. Nove anos depois, o Hamas em Gaza disparou 4.500, mesmo tipo de foguetes, e não houve uma única vítima. Esse é o significado de “testado em batalha”.

Isso funcionará contra a Coreia do Norte?

É uma questão de escala. Os foguetes da Coreia do Norte não são diferentes dos do Hamas e do Hezbollah. Mas a Coreia do Norte tem muitos outros. Se eles lançassem uma enorme barragem simultânea, você precisaria de um número suficiente de baterias de Iron Dome.

Há relatos de mídia que Israel vendeu, e está vendendo, baterias de Iron Dome para a Coreia do Sul e Japão. Verdade?

Eu li isso nos jornais, o mesmo que você.

Existem outros países que desenvolveram seu própria Iron Dome?

Israel é o único.

Vamos ao Irã. Você disse uma vez que o acordo com o Irã é bom para Israel. O primeiro-ministro Netanyahu discorda. Assim como o presidente Donald Trump, que recusou re-certificar o acordo iraniano e enviou o assunto ao Congresso. Isso mudou seu pensamento?

Atualmente, existe um acordo internacional que impede o Irã de ter a bomba. As pessoas podem dizer, como você pode acreditar no Irã? A resposta é, não acredite, cheque! Você pode fazê-lo da maneira antiga, através da espionagem, e também há provisões no negócio que permitem um monitoramento constante, que irá diminuir ao longo de vinte anos.

Esse é o ponto que Trump e Netanyahu fazem — que eventualmente o Irã será livre para desenvolver armas nucleares.

Deus sabe o que acontecerá em 20 anos. Vamos falar de agora. Antes do acordo, o Irã estava a dois meses de ter material físsil suficiente para completar seu projeto. Possui urânio enriquecido, não apenas a 3,5%, mas também a 19,7%. Isso foi adquirido apesar do regime de sanções internacionais. Se o acordo colapsar, é provável que mais sanções impeçam o Irã de retomar seu projeto? Especialmente se a Europa, a Rússia e a China se recusam a acompanhar as sanções americanas?

Então Netanyahu, e Trump, estão errados na abordagem “nix it or fixing it?”?

São duas pessoas que têm sua própria opinião. Em ambos os casos, não são compartilhadas por seus conselheiros profissionais e comunidades de inteligência.

Você aconselharia o Congresso a manter o acordo intacto?

Eu sou um israelense. Eu não dou conselho para o Congresso americano.

O Irã é agressivo. Isso representa um desafio militar convencional a Israel?

O Irã é um inimigo agressivo, mas sua ameaça convencional (militar e terrorista) é pequena, dado o poder de Israel.

O Irã quer que a Rússia lhe forneça um avançado sistema antiaéreo S-400. Isso mudaria seu cálculo?

Não vai fazer uma grande diferença. Temos a tecnologia para lidar com isso.

Pergunta final: como presidente, Donald Trump tem autoridade exclusiva para autorizar o uso de armas nucleares. Isso lhe preocupa?

O presidente tem autoridade, mas ele não pode simplesmente pressionar um botão. Para lançar seus mísseis nucleares, ele precisa da cooperação dos outros. Em qualquer caso, não estou preocupado. O presidente Trump é imprevisível, inesperado, mas não acho que ele esteja louco.

Como o protocolo de Israel para o lançamento de armas nucleares é diferente do modelo americano?

Muito obrigado por ter vindo.

FONTE: bloomberg.com

28
Deixe um comentário

avatar
28 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
21 Comment authors
RICARDO BIGLIAZZIROBINSON CASALDody SchimitdJeffEmmanuel Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
EParro
Membro
EParro

“Nós até começamos a educar as crianças da escola primária nas regras básicas da via cibernética. Como resultado, acredito que Israel é o número um do mundo, per capita, ao cultivar esse tipo de talento.”

Pois é!

Quando o sujeito fala sobre aquilo que conhece, é sensacional! Tudo muito simples, direto, claro e também muito “genérico”.

SmokingSnake 🐍
Visitante
SmokingSnake 🐍

“O Irã quer que a Rússia lhe forneça um avançado sistema antiaéreo S-400. Isso mudaria seu cálculo?

Não vai fazer uma grande diferença. Temos a tecnologia para lidar com isso.”

As Sputnetes vão ficar doidas

Rafael_PP
Visitante
Rafael_PP

“Muitos envolvem investimentos em educação. Por exemplo, em 2010, não havia uma única universidade no mundo onde você pudesse obter um diploma de bacharel em segurança cibernética. Hoje, quase todas as universidades israelenses oferecem uma.” . Achei interessantíssimo este trecho. Esta nova ‘classe’ de militares não será formada com dois anos conscrição ou nas clássicas academias militares. Será necessário ter uma base, desde a educação básica. Outro país, tão pequeno quanto Israel, mas com uma menor tenacidade militar, também vislumbrou esta situação e tem se preparado, chama-se Estônia. A título de curiosidade, as crianças estonianas têm aulas de introdução à… Read more »

carcara_br
Visitante
carcara_br

Vamos ver depois do conflito sírio se haverá alguma mudança em relação a letalidade dos ataques com foguetes. É bem provável que a tecnologia tenha melhorado….

Não atacaram até agora tem o s-400, concordo totalmente com o comentário: “Não vai fazer uma grande diferença.”

César A. Ferreira
Visitante

O Haaretz critica a propalada eficiência do sistema “Iron Dome”. Para o diário o míssil Tamir é um vetor discutível. Ademais, outras fontes comentam que Israel não foi alvo nem de mil misseis, quanto mais 4.200… Todavia, no mundo das alegações os números são mágicos. Precisam sê-los.

_RR_
Visitante
_RR_

Bacana a entrevista. No que tange a operações militares em si, o risco de cyber ataques é minimizado pelo uso de uma rede fechada, com uso correto de criptografia. E penetrar isso não é tarefa fácil… Existe a necessidade de haver minimamente uma forma de acesso a rede, além de hardware e software compatíveis. Não é tão simples, portanto. Não é só pegar um laptop no porão de casa, ligar na internet, e achar que vai invadir um sistema, ter o controle e fazer forças militares aliadas atacarem umas as outras… Existe todo um trabalho que envolverá coleta de informações… Read more »

sub-urbano
Visitante
sub-urbano

Concordo com o entrevistado. O acordo nuclear foi bom pra Israel.

O futuro de Israel não é nada promissor. Superpotência com feriados judaicos em Nova York só tem uma. E os americanos não vão estar aí para sempre.

Rodrigo Martins Ferreira
Visitante
Rodrigo Martins Ferreira

Como é legal ver os esquerdistas e russetes espernearem com a turma de Jerusalém.

Israel é um país pragmático sem frufru, sem frescura e sem “queimar etapas”.

Lá ninguém fica de mimimi chorando, analisam a situação e criam uma solução.

Programar não é magia, precisa de aptidão para isto…

Poderia ser mais uma matéria nas escolas brasileiras.

Queria ver professorzinho psolista suando a camisa para dar aula de C++ ahahahahahahahahah

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

As críticas do Haaretz ao Iron Dome se deram quando o sistema ainda estava em fase de avaliação ou no início de sua vida operacional e, portanto estava sujeito a problemas. Quando da operação protective edge assistimos o sistema mostrar efetividade para a função que foi projetado

Ainda assim assistimos ao triste espetáculo de certos parvos no crepúsculo de suas patéticas vidas querendo brigar com os fatos.

Gilson Moura
Visitante
Gilson Moura

César A. Ferreira 21 de outubro de 2017 at 16:12 Já vi matérias até mesmo na Sputnik afirmando que de 4 mísseis jogados para cima de Israel, 3 foram interceptados, o outro conseguiu atingir um local aberto na qual deixou feridos, mas sem mortos. Ou seja, a eficiência do Iron Dome pode estar entre 75% a 90% e esse sistema é o mais testado em batalha atualmente, bem diferente dos sistemas de defesas da Rússia e EUA. https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/201702087625881-misseis-egito-israel/ Sobre a quantidade de mísseis que possa ser um número fraudado, eu discordo. O autor disse que não se trata de um… Read more »

sergio ribamar ferreira
Visitante
sergio ribamar ferreira

Sr. Rodrigo me daria por satisfeito se nossas crianças tivessem a leitura e a escrita básicas, aprenderem as quatro operações, o ensino de história e de geografia através dos mapas e uso ao campo com bússola, estudos iniciais sobre física, química e biologia, educação física e uma verdadeira aula de língua estrangeira, sem contar é claro sobre educação artística. Volta da admissão, volta das provas para ingresso no ensino médio e não a papagaiada atual de querer apenas formar cidadão. Cidadão a criança já é basta aos pais ensinarem o respeito às leis e os limites. aulas de computação são… Read more »

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Sérgio Ribamar Ferreira, depois de 13 anos de “pátria-educadora” e uma “mulher sapiens” que se notabilizou por saudar a mandioca e estocar vento, o melhor que você faz é perder a fé na educação “destepaiz”

sergio ribamar ferreira
Visitante
sergio ribamar ferreira

SR. HMS TIRELESS. não posso perder a fé na Educação. Por mais que tenhamos obstáculos, no meu caso perder a fé no meu trabalho é decretar de vez a morte. Sempre estou estudando e buscando outros caminhos ,mas há pessoas que precisam ainda de conhecimento e isto é o que eu posso oferecer, sem demagogias. deixa a “mulher pré-histórica “nendertalenses ignobis” para lá; “deixe os mortos enterrarem seus mortos” Estamos vivos e isto é muito importante. Grande abraço. PS: chega dá arrepios quando se comenta na besta-fera e sua súcia.

Hawk
Visitante
Hawk

Como sou formado em informática achei essa matéria literalmente muito boa.

Rodrigo Martins Ferreira
Visitante
Rodrigo Martins Ferreira

Eu não conheço o sistema educacional israelense e as necessidades do mercado de Israel. Pode ser que esta parte mais específica de programação seja ministrada visando uma profissionalização como uma disciplina optativa ou um currículo complementar. Ensinar a programar por programar não faz muito sentido e eu sou profissional de TI a 23 anos. A ferramenta de programação é a cereja do bolo, mas tem muitas coisas a serem ministradas antes de começar o desenvolvimento propriamente dito. Iam padronizar uma linguagem ? Existem muitas com sintaxes e fins muito diferentes. Pensando exatamente em causa própria seria ótimo receber um estagiário… Read more »

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

Israel só tem isso por uma razão, precisa. Tem os vizinhos que tem, e resolveu tê-los, pois escolheram fazer seu país lá, então tem que lidar com isso. Se os árabes recebessem os judeus bem, estes estariam felizes plantando e pastoreando nos kibutzim.
Já nós somos estabelecidos aqui há quase 200 anos, quase 150 sem conflitos com nossos vizinhos.
Melhor que lidar com problemas é não tê-los. Garanto que os israelis tem mais motivos para nos invejar que o contrário.

EParro
Membro
EParro

Rodrigo Martins Ferreira 22 de outubro de 2017 at 6:15

Parece-me que o texto menciona cibernética e não tão somente programação! Cibernética é bem mais do que programação de computadores.

Saudações

Soldat
Visitante
Soldat

“Não vai fazer uma grande diferença. Temos a tecnologia para lidar com isso.” Vai fazer muita diferença se for uma guarnição Russa operando…..com certeza..rsrs… Sei que os famboys Amis do blog vão ficar de mimimi….. Sou fá dos armamento Russos mas acredito que infelizmente somente os Russo conseguem usar seus armamento eficazmente. Sei também para que o mundo aceite de vez os armamento Russos eles teriam que usar em combate por exemplo abater os Caças Israelenses na líbia e na Síria com seus S-400 e calarem a boca de vez dos famboys Amis. Mas isso nunca ira acontecer pois os… Read more »

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

EDITORES: “Em 2010, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu me acusou …..” Tradução (??!!) _________________________________________ “Quais foram as coisas que você propôs? Muitos envolvem investimentos em educação. Por exemplo, em 2010, não havia uma única universidade no mundo onde você pudesse obter um diploma de bacharel em segurança cibernética. Hoje, quase todas as universidades israelenses oferecem uma. Os alunos do ensino médio podem agora ser importantes em segurança cibernética e entrar no exército com um alto nível de conhecimento. Nós até começamos a educar as crianças da escola primária nas regras básicas da via cibernética. Como resultado, acredito que Israel é o… Read more »

Emmanuel
Visitante
Emmanuel

Soldat 22 de outubro de 2017 at 15:13 Meu caro, procure sobre a história da guerra aérea na coréia. Vai ver que muitos pilotos “coreanos” eram, na verdade, russos e alemães (por incrível que pareça). E os russos por estarem pilotando seus próprios caças não tiveram sorte melhor contra os americanos. Poderia ser Putin manejando esse sistema, não iria mudar o resultado final das coisas, que seria a derrubada do míssil russo. Não é uma questão de quem maneja mas de tecnologia, e lamento pra você amigo, mas Israel está um passo a frente de muita gente e isso inclui… Read more »

Proelio Procusi
Visitante
Proelio Procusi

Soldat 22 de outubro de 2017 at 15:13

O mais próximo disso que você descreveu ocorreu durante a Guerra de Atrito entre Israel e Egito. Pilotos soviéticos (obviamento pilotando caças soviéticos) foram emboscados e abatidos por pilotos israelenses em caças americanos e franceses.

http://www.zahal.org/groups/ambush

Rodrigo Martins Ferreira
Visitante
Rodrigo Martins Ferreira

EParro 22 de outubro de 2017 at 13:00

Tem hardware tb, mas esta parte é mais “mística”. Se é difícil ensinar a programar, imagina a projetar uma placa e seus componentes, cujos microprocessadores igualmente precisam de software.

Assembler, definitivamente não é de Deus…

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Emmanuel 23 de outubro de 2017 at 8:21 Eu não sei se haviam pilotos alemães (presumo que alemães orientais) pilotando Migs na Coréia mas de fato haviam pilotos russos e, durante o conflito, o prato da balança se alternou entre as forças comunistas e as forças da ONU lideradas pelos EUA. Os números até hoje são muito divergentes posto que o score inicial apresentado pelos EUA (10X1) na verdade mostrou-se exagerado. Por seu turno os números apresentados pelos russos, e republicados quase na íntegra pelo historiador Diego Zampini em matéria na revista ASAS, também se mostram incorretos. Aceita-se como número… Read more »

Emmanuel
Visitante
Emmanuel

HMS TIRELESS 23 de outubro de 2017 at 12:58
Os pilotos eram sim da Alemanha Oriental, inclusive alguns ex-combatentes da II guerra.
Se fosse pra chutar um número diria que seria 1,5×1 a favor da ONU.
.
Abraço

Jeff
Visitante
Jeff

Muito boa essa matéria, parabéns.

Dody Schimitd
Visitante
Dody Schimitd

Aquele míssil da ilustração, foi abatido ou se explodiu no DOMO, kkkkk… Brincadeiras a parte, a tecnologia está bem avançada porque interceptar um míssil a milhares de km/hr é um avanço e tanto. Vemos a tecnologia avançar em grande escala, mas para o ser humano viver em paz com saúde, tranquilidade, mesmo que numa casinha humilde de conforto mínimo, com seu emprego garantido, etc…(porque se a pessoa não consegue emprego, o governo deveria encaixar ela em algum lugar ou frente de trabalho deficitário de trabalhadores) nesse aspecto estamos retrocedendo aos tempos das cavernas, com qualidade de vida cada vez mais… Read more »

ROBINSON CASAL
Visitante

Porque a Coreia do Norte executou um de seus mais importantes generais ?

https://www.youtube.com/watch?v=YRv998l8uJU?sub_confirmation=1

RICARDO BIGLIAZZI
Visitante
RICARDO BIGLIAZZI

Engraçada a entrevista. Chega a impressionar a segurança demonstrada pelo cidadão.

Como é bom ter alguns “cocos bem grandes” para arremessar na cabeça de seus inimigos.

Defesa baseada na tecnologia, aplicação tática das forças e de um esforço nacional comum. Israel “dorme com os seus inimigos ao seu redor”.