Home Armas de Fogo Operação Vulcão é encerrada com cerca de 100 mil armas destruídas em...

Operação Vulcão é encerrada com cerca de 100 mil armas destruídas em todo o País

1540
16

Brasília (DF) – Encerrou-se, em 21 de dezembro, a primeira fase da Operação Vulcão,deflagrada pelo Exército Brasileiro, após a assinatura do “Acordo de Cooperação Técnica” firmado com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), no dia 21 de novembro deste ano. A Operação, desencadeada em todo o território nacional, tem como objetivo, entre outros, intensificar o recebimento das armas de fogo, provenientes dos Tribunais de Justiça, que tenham sido consideradas desnecessárias pelos juízes para a continuidade processual, destinando-as para o Exército Brasileiro, responsável pela destruição.

A Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados (DFPC) coordenou as ações que foram descentralizadas nas 12 Regiões Militares do Brasil. Em apenas um mês de operação, foram retiradas cerca de 100 mil armas dos diversos fóruns existentes no País para fins de destruição ou doação. Segundo o Diretor de Fiscalização de Produtos Controlados, General de Brigada Ivan Ferreira Neiva Filho, “a sinergia profissional estabelecida entre o Exército, o CNJ e os demais órgãos envolvidos proporcionou a celeridade do recolhimento das armas de fogo, incrementando a segurança dos diversos locais, onde considerável quantidade de armamento se encontrava armazenada”.

Além das destruições propriamente ditas, diversas atividades estão sendo desenvolvidas para o fortalecimento dos laços institucionais entre CNJ, Ministério da Justiça, Agências Governamentais, órgãos de segurança pública e Exército. Reuniões de planejamento e coordenação e o estabelecimento de ações para o alinhamento de procedimentos técnicos e administrativos, tais como a capacitação dos integrantes do Sistema Fiscalização de Produtos Controlados (SisFPC) do Exército, dos agentes dos Tribunais de Justiça e de outros órgãos envolvidos nos processos de registro, controle, transporte e recebimento para fins de destruição ou doação de armas.

Antes da assinatura do Acordo, até outubro deste ano, o Exército já havia destruído cerca de 170 mil armas no País, tendo alcançado, já naquele mês, a média registrada em anos anteriores.

No que tange à doação, do montante de armas recebidas, cerca de 100 serão propostas ao Ministério da Justiça para que tenham esse fim. O quantitativo é relativamente baixo, quando comparado com o de armas para destruição. Cabe ressaltar que o Decreto nº 8.938, de 21 de dezembro de 2016, que autorizou a doação de armas aos órgãos de segurança pública e às Forças Armadas, é recente e determina que apenas armas longas e metralhadoras apreendidas podem ser doadas, o que diminui, significativamente, o universo das armas hábeis à doação.

Outros fatores que impedem a doação das armas de fogo apreendidas estão relacionados às precárias condições de conservação, que comprometem a segurança na utilização dessas armas, e à logística desfavorável, em consequência das características técnicas da arma, que não fazem parte da dotação das instituições, o que ocasionaria transtorno para a aquisição de munições e peças de reposição.

Por fim, conclui-se que a Operação Vulcão é o caminho correto estabelecido para que o Exército Brasileiro e o Conselho Nacional de Justiça possam contribuir significativamente para a redução da violência no País, proporcionando o incremento da sensação de segurança à sociedade brasileira.

FONTE: Exército Brasileiro

16
Deixe um comentário

avatar
16 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
14 Comment authors
M. SilvaAlexandre MoraesOráculoTukhAVMichel Lineker Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Talisson
Visitante
Talisson

“logística desfavorável, em consequência das características técnicas da arma, que não fazem parte da dotação das instituições, o que ocasionaria transtorno para a aquisição de munições e peças de reposição”

Do que exatamente estão falando? Se excluirmos, por exemplo, a plataforma AK, pelo calibre exótico, a possibilidade de doação cai em 30%. Em Goias um fuzil .50 foi doado à policia. Qual armamento individual seria tão exótico a ponto de ser rejeitado para uso operacional?
Excluindo, por óbvio, peças como INA, Thompson, STG44, até pelo valor histórico.

Hawk
Visitante
Hawk

Na boa tem as primeiras armas da fileira parecem caseiras como garruchas, revolveres de 5 tiros, armas de pressão e parece ter também airsoft! Posso estar enganado afinal não sou Expert nisso, mas que parece, parece.
Alguém que sabe melhor (de verdade que já trabalhou com isso e não através de conhecimento Battlefield ou Wikipedia) poderia nos explicar?

Hélio
Visitante
Hélio

Na foto a maioria são armas caseiras e antigas, com valor histórico e colecionáveis, olha só o quão relevante isso é para a segurança pública e para a preservação da história nacional.

Hélio
Visitante
Hélio

Hawk 27 de dezembro de 2017 at 12:29
É isso mesmo, inclusive, essa “glock” em primeiro plano é de madeira.

Jeronimo Torres
Visitante
Jeronimo Torres

É impressão minha ou tem uma pistola do Master System no meio rsrs?

Jeronimo Torres
Visitante
Jeronimo Torres

@Hawk
Muitas armas apreendidas no Brasil, são caseiras.

Alias, quando se fala em submetralhadoras, a maioria apreendida é de fabricação artesanal.
Um link para você ver algumas fotos: http://www.thefirearmblog.com/blog/2014/01/22/common-illicitly-homemade-submachine-guns-brazil/

Walfrido Strobel
Visitante

Eu ja atirei com sub-metralhadora 7.65(.32 auto) de produção caseira que um Delegado da PC trouxe ao estande da BASV e a arma funcionava direito, não falhou em mais de 100 tiros.

Bruno
Visitante
Bruno

Os caras destroem até arma de pressão, sem comentários.

Nilo Rodarte
Visitante
Nilo Rodarte

Sempre que eu vejo essas destruições de armas para a imprensa eu fico com a impressão de como isso é pra inglês ver. Não são armas que trariam problemas para a segurança pública, ao contrário. Aqui na minha região, é comum a PM apreender essas cartucheiras de um tiro de moradores de zona rural. É o caminho mais fácil para cumprir as metas de apreensão de armas, mas sempre que chegam com o cidadão conduzido na Delegacia por “posse ilegal de arma de fogo” eu sempre fico chateado. É um cidadão de bem, no meio de uma roça que teve… Read more »

Alessandro
Visitante
Alessandro

Oq adianta destruir 100 mil armas hoje se entra o dobro no restante do ano por essas fronteiras totalmente abertas, e vai parar nas mãos de traficantes e assassinos da pior espécie ?

É igual enxugar gelo !!

Luiz Claudio Reis de Oliveira
Visitante

só não ví arma de traficante e bandidos nessa foto ..obrigado LULA /militares …vcs desarmanram os pais de família ..mas não desarmaram os traficantes , ladrões e latrocidas do Brasil ..ás vezes é por isso que morrem 61.000 pessoas aqui em Banânia …… acho melhor essa turma voltar a matar mosquitos …..

Michel Lineker
Visitante
Michel Lineker

Destruiram 100 mil armas, quero ver impedir as 60 mil mortes.

TukhAV
Visitante
TukhAV

Walfrido, já está melhor que as armas da Imbel então…

Oráculo
Visitante
Oráculo

A quantidade de tranqueira sendo destruída é uma grandeza…

Fuzis e metralhadoras de boa qualidade apreendidos nem vão pra essa conta.
Pistolas, espingardas e até revolveres em bom estado também não.
Os caras só conferem se a arma não tem B.O.
Se for limpa, “já era”. Ficam na unidade que recebeu.
Tá cheio de Policiais, civis e militares, com Colts, SW, Glock…

Vocês acham mesmo que a PM do RJ, SP. etc vai deixar a justiça destruir AKs, HKs, M4s…
Aqui é Brasil amigos…

Alexandre Moraes
Visitante
Alexandre Moraes

Dessas 100 mil armas, algo em torno de 85 mil são armas brancas. Das que sobram a grande maioria é de fabricação caseira ou velharias de pouco valor. O filé, meus amigos, é aproveitado ou desviado. Vocês acham que um SVD Dragunov em bom estado, por exemplo, vai ser destruído só porque a IMBEL não fabrica o calibre 7,62 x 54?

M. Silva
Visitante
M. Silva

Operação Quebra-Garrucha (e pistola a ar ou mola, imitações, armas enferrujadas de baixo poder de fogo, etc). Se este país tivesse coragem, imporia algum embargo ou pressão sobre Paraguai ou Bolívia para diminuir o contrabando de armas na fronteira. Ou acabam com esse contrabando ou acabam com os bandidos (alguém ou algo nesse ciclo tem que ser impedido). Se fôssemos os EUA, já teria chovido napalm nas plantações de maconha e coca da região, ou alguns governos já teriam caído (se eles não se distraíssem com escaramuças no Oriente Médio para fazer o jogo estratégico de Israel). Enquanto isso, vamos… Read more »