Home Análise Entendendo o objetivo dos EUA na Síria

Entendendo o objetivo dos EUA na Síria

5911
49
Soldados da SDF – Syrian Democratic Forces na Síria

A política recém-descrita de Washington para a Síria é improvável de poder mudar o campo de batalha, proteger seus aliados ou alterar as políticas dos estados regionais, diz o pesquisador da Síria e o professor Samer Abboud

Samer Abboud

Aquele no establishment da política externa dos EUA que havia clamado por clareza e visão para o papel americano na Síria finalmente teve seu desejo cumprido na semana passada, quando a Secretário de Estado, Rex Tillerson, descreveu a política dos EUA na Síria.

O discurso de Tillerson foi efetivamente uma declaração de intenção de ocupar a Síria, um compromisso militar aberto de forma aparente para eliminar os chamados remanescentes do Estado islâmico, conter o expansionismo iraniano na região e garantir a mudança de regime, o último dos quais os EUA nunca pareciam muito interessados.

Um Compromisso Militar
Esses três objetivos não são novos e há muito proporcionaram a justificativa pública para o envolvimento dos EUA na Síria. No entanto, o que é novo é o reconhecimento de um compromisso militar sério de permanecer na Síria, que é, para todos os efeitos, incondicional e permanente.

Os Estados Unidos atravessaram com sucesso o caminho para a Síria e estabeleceram uma presença militar permanente em um campo de batalha em mudança e, muitas vezes, vazio.

O compromisso com uma ocupação da Síria pode ter sido feito por conveniência, inaptidão, falta de imaginação alternativas, o apetite da máquina de guerra doméstica ou todos acima, mas o que é certo é que sair da situação síria será dificilmente mais fácil do que entrar.

Tendo ressuscitado o bicho-papão “crescimento xiita” ao se referir à influência iraniana sobre o “arco do norte” da Síria, Tillerson situa-se diretamente na política dos EUA dentro de um quadro regional preexistente no qual uma coalizão de países árabes, liderada pela Arábia Saudita e Israel, encontrou um inimigo comum iraniano.

A ocupação dos Estados Unidos da Síria é a ponta de lança desta coalizão e, embora possa haver divergências entre as partes sobre as especificidades de políticas ou alianças no terreno, haverá continuidade causada pela ameaça comum iraniana.

Os EUA assumiram assim o manto como a principal força dessa aliança.

Realidades do campo de batalha
A verdadeira questão é a medida em que a nova declaração de política e a própria ocupação serão eficazes no terreno. A luta militar e política entre a Turquia, a Rússia, o regime sírio e vários grupos curdos sírios nas regiões da Federação Democrática do Norte da Síria (DFNS) é um indicador óbvio da incapacidade de Washington de moldar as realidades do campo de batalha.

A invasão turca de Afrin, combinada com outras manobras militares na Síria, parece minar os esforços dos Estados Unidos para fortalecer elementos dos grupos curdos sírios. No entanto, os EUA ficaram parados quando a invasão turca começou.

Não obstante uma oposição barulhenta à invasão, os EUA foram completamente incapazes de redirecionar a política turca na Síria.

Na verdade, os líderes turcos, entre eles o presidente Recep Tayyib Erdogan, criticaram publicamente a política dos EUA e usaram a operação de Afrin para separar os laços militares entre os EUA e as forças curdas sírias.

E, embora existam diferenças entre a Turquia e outros atores regionais, o processo Astana forneceu um quadro significativo para a mediação de conflitos entre a Turquia, o Irã e a Rússia, para prosseguir suas políticas na Síria.

Socorrer a força militar síria-curda – e, portanto, a capacidade política – é o principal dos objetivos compartilhados dos poderes tripartidos. Assim, quando as incursões militares turcas começaram, eles apoiaram efetivamente o consenso tripartite em torno da limitação das aspirações sírias-curdas.

Sobre a questão síria-curda e tantas outras questões políticas, há consenso entre os poderes tripartidos, enquanto os EUA permanecem sozinhos em sua visão para o país.

Ocupação Indefinida?
Se for o caso dos EUA serem incapazes de conduzir uma cunha séria entre os poderes tripartidos através do apoio de elementos sírios-curdos, então uma questão urgente é: como esses poderes responderão à ocupação indefinida dos Estados Unidos na Síria?

Uma opção militar é seriamente improvável e o compromisso político manifestado dos EUA com o processo de Genebra liderado pelas Nações Unidas é totalmente incompatível com os compromissos políticos dos poderes tripartidos e do regime sírio de negociar um acordo de paz além dos auspícios da ONU.

É improvável, nesta fase do conflito, que qualquer das partes tenha o compromisso com outro processo político.

O que parece surgir então, na Síria, é um novo impasse militar, e não um em que o campo de batalha controla os balanços entre vários grupos armados, mas aquele em que as potências regionais negociam seus respectivos enclaves geográficos e linhas vermelhas.

A confrontação entre os principais poderes militares na Síria é seriamente improvável, então a questão é como a presença militar russa, turca e americana pode coexistir.

A política dos EUA baseia-se simplesmente na presença e na suposição equivocada de que a postura militar pode atingir os objetivos. Mas esta é uma pressuposição muito perigosa na Síria, que não é o Afeganistão nem o Iraque, onde os americanos gozaram de supremacia militar e controle efetivo sobre vários elementos políticos em ambos os países.

A Síria é bem o contrário, na verdade.

O regime em exercício não é dependente do apoio dos EUA, e uma transição política – um objetivo fundamental dos EUA – é improvável que traga elementos políticos favoráveis ​​aos interesses dos EUA. Enquanto isso, os Estados Unidos demonstraram nos últimos dias que é totalmente incapaz de proteger os grupos armados que apoia de um ataque em grande escala do exército turco.

Se a ocupação dos EUA não pode mudar o campo de batalha, proteger seus aliados ou alterar as políticas dos estados regionais, então, quais objetivos podem atingir?

A resposta a esta pergunta ainda não existe, e o discurso de Tillerson deixou claro que um nível de ambigüidade estratégica pode ser um fim em si mesmo. De qualquer forma, os EUA fizeram um compromisso militar com a Síria, que é, de fato, uma ocupação.

No entanto, é uma ocupação limitada, contida e, para fins militares e políticos, paralisada.

FONTE: Syria Deeply

49
Deixe um comentário

avatar
49 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
35 Comment authors
ElaineRodrigo TavaresM.SilvaJoreneIvanmc Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

O objetivo é petróleo.

karl Bonfim
Visitante
karl Bonfim

É o petróleo e o gás…

Marcos
Visitante
Marcos

Delfim Sobreira 10 de Fevereiro de 2018 at 15:26
O objetivo é petróleo.

Petróleo de quem para quem?

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

Ora, tem petróleo na Síria. Sabiam não ?

Marcos
Visitante
Marcos

A Noruega também tem. Tem mais, aliás!

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

Mas a Noruega é “parça”.

Adriano R.A.
Visitante
Adriano R.A.

Minha impressão é que essa ambiguidade e paralisia dos EUA são fruto da miríade de interesses dentro e fora do governo americano, ao contrário da Rússia, que me parece ser rápida e certeira.

Bruno wecelau
Visitante

O objetivo é : depois do fracasso na primavera árabe e Daesh em derrubar o regime Sírio e Iraniano ,se contrapor a influência Russa e Iraniana na região, mas os americanos estão praticamente sozinhos, o único aliado que podem contar de verdade ali e Israel, seus amigos Curdos estão sendo bombardeados pela Turquia e eles não podem fazer nada ,pois e melhor ser aliado da Turquia do que de Curdos…a permanência deles da Síria não vai mudar nada ,nem no Afeganistão que eles tem o apoio do governo, não resolveram nada ,imaginem na Síria aonde só tem inimigos ..e por… Read more »

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Enquanto esse confronto maldito infelizmente não chega ao fim (que é o que eu entendi da matéria)…daria para a gente fazer uma “vaquinha” e enviar o Galante para a Síria, seria o reporter de guerra “in loco” kkkkkk
Brincadeira a parte, essa Síria virou uma confusão incrível, um rolo imenso: tem petróleo, território, bases, costumes, povos, religião, posição política, venda de armas, poder, dinheiro, commodities etc…uma salada de frutas! Assad devia sair, Rússia não devia estar ali, EUA devia estar cuidando do Iraque, Israel e Arábia Saudita deviam estar quietos, Turquia devia estar resolvendo problemas internos…

Bruno wecelau
Visitante

EUA pode ser tornar o maior produtor de petróleo este ano ,podem superar a Arabia Saudita.. Não e petróleo o interesse deles lá.

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Bruno wecelau 10 de Fevereiro de 2018 at 15:46
Acho melhor a Rússia cuidar dos estádios nessa Copa do Mundo…senão vai ficar mais feio que o 7×1

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

Bruno wecelau
Não se trata de ter petróleo, mas controlá-lo. Se permitir todos os recursos possíveis e negá-los a possíveis inimigos.

Hélio
Visitante
Hélio

Bruno wecelau 10 de Fevereiro de 2018 at 15:52
A produção não quer dizer absolutamente nada, o que importa é ter uma auto suficiência confortável.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Que leitura truncada e ruim de ler, falou, falou e não disse nada. 1° ponto- a Turquia é tão preocupada com a expansão iraniana quanto os EUA e os monarcas Árabes. 2° ponto- os EUA não deixaram os curdos na mão, inclusive não tiraram suas tropas e antes de ontem atacaram tropas da Siria que atacaram uma estação petrolífera importante. 3- O OM não é tao importante mais como nas décadas passadas, o EUA já e lider na produção de petroleo e não tem medo mais d sofrer um embargo, vide a troca da embaixada dos EUA em Israel de… Read more »

Johan
Visitante
Johan

“Energia é poder” essa foi a definição em um documentário exibido tempos atrás sobre o petróleo. Se fosse uma Uganda ou Serra Leoa ninguém daria a mínima para o que acontece ou deixa de acontecer. Acho que só a presença da Rússia naquele país já é motivo da intervenção dos EUA como foi no Afeganistão.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Augusto L 10 de Fevereiro de 2018 at 16:22

Acompanho o relator

Bruno wecelau
Visitante

1° ponto- a Turquia é tão preocupada com a expansão iraniana quanto os EUA e os monarcas Árabes. Augusto L aonde VC viu ou leu isso ? Mais o mais engraçado e que Turquia ,Irã e Rússia se reuniram em Astana varias vezes para garantir a segurança nas zonas desescalada para pasificar a Síria.. E outra se os EUA não deixaram os Curdos na mão por que deixa um aliado seu da OTAN os bombardear ????? Mais uma se o Oriente médio não e mais importante para os EUA ,por que eles tem milhares de soldados lá , bases para… Read more »

Advisor
Visitante
Advisor

Só uma dúvida, os embates na Síria não foram indiretamente iniciados por possíveis questões relacionadas a oleodutos entre Europa e Arábia? E com suas repercussões sobre a Rússia?

Pois tenho a impressão que a Síria/OM é apenas um tabuleiro de xadrez em que a OTAN e Aliados Russos jogam.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Bruno, a Turquia ter reuniões com o Irã nao significa que eles querem os mesmo lá, segundo eu não vi nada que o Tillerson fala em tirar o Assad, a reportagem em si nem da um trecho ou link para tal afirmativa, terceiro sim o OM não é tão importante quanto antes não quer dizer que não seja importante, antes de responder o comentario de uma pessoa tente pelo menos pesquisar antes ou entender o que a mesma disse.

Mabeco
Visitante
Mabeco

Os EUA não possuem estratégia para a Síria. O que fazem é aproveitar objetivos de oportunidade. Quando a situação em Idib estiver resolvida, o foco muda para margem leste do Eufrates. Aí, sim, veremos quem tem café no bule. Acho temerário apostar fichas na coalisão liderada pelos EUA. Vale dizer que os curdos querem um país pra chamar de seu, mas eles também são sírios, em última instância. Existem boatos de que o exército sírio não impôs qualquer restrição ao trânsito de curdos entre Manjib e Afrin. Até chegou a oferecer assistência médica pra eles. Ou seja, primeiro vão empurrar… Read more »

Gonçalo Jr.
Visitante
Gonçalo Jr.

A Síria é o 31º país no ranking de produção de petróleo. Até o Brasil está na frente da Síria em reservas petrolíferas no 16º lugar. A Venezuela é quem tem as maiores reservas petrolíferas do mundo. Estima-se que a Síria esteja em 30ºl lugar em termos de reservas petrolíferas.

O problema na Síria é geopolítico-estratégico e nada mais que isso.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Você acha mesmo que os russos irão atacar com seus S-400 os aviões dos EUA e aumentar perigosamente a escalada do conflito? Eu acho que não viu!?

Tomcat3.7
Visitante
Tomcat3.7

Aquilo ,OM,é um vespeiro. Muitos interesses envolvidos por parte dos jogadores por ali. Venda de armas, teste de novas armas, controle de reservas minerais, disputa entre etnias,disputa por posição política, enfim, muita coisa rolando ao mesmo tempo, o futuro ali é bem inserto.

Antonio
Visitante
Antonio

https://www.youtube.com/watch?v=e2nktUhTMNU

Acessem esse link e vejam como era a síria antes dessa guerra.
Primavera arábe para quem ?
Simplismente destruiram um país.

Pangloss
Visitante
Pangloss

A Síria não é, em si, o objetivo dos EUA. Aquilo é uma guerra por procuração. O inimigo americano prioritário, ali, é o Irã. O secundário (muito atrás do Irã) é a Rússia.
Se fosse apenas pela Síria, Assad poderia dormir sossegado, pois não ameaçava Israel nem os EUA.

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Alexandre Galante 10 de Fevereiro de 2018 at 16:48
kkkkk brincadeira!
Mas a experiência de um jornalismo na Síria seria algo ímpar! Seria interessante um jornalista naquele meio, um sujeito neutro circulando entre os diversoos grupos, o problema seria saber se eles aceitam kkkk
Abraço!

Satyricon
Visitante
Satyricon

O agente desestabilizador ali é a TURQUIA, que não tem nada o que fazer ali. A Rússia está defendendo seu fantoche, Assad. Os americanos, grandes oportunistas, querem uma zona autónoma curda (dividir para conquistar). Estaria tudo caminhando en algum apaziguamento político russo/americano, não fosse a intervenção turca. Erdogan criou um golpe interno, abateu jato russo, foi flagrado comprando petróleo do Daesh, enfim, uma trapalhada após a outra. Agora afaga a Rússia com S400 e fala grosso com os EUA. É uma reedição de 1982. Criou um factoide externo para desviar a atenção interna. Mas os EUA e principalmente a UE… Read more »

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

O inimigo americano prioritário, ali, é o Irã. O inimigo Israelense…

http://www.informationclearinghouse.info/article1438.htm

CignusRJ
Visitante
CignusRJ

Para os EUA realmente resolverem a questão Síria primeiro terão que resolver a questão Erdogan.
O regime esta cada vez mais ditatorial e a Turquia se afastando cada dia mais do ocidente.
A chave é a Turquia.

E a questão Síria não é o petróleo propriamente dito mas questão geopolítica. Rússia não quer nenhum oleoduto e nem gasoduto indo pra Europa. Se isso acontecer ela perde seu monopólio e vantagem que detêm sobre os europeus.

Alessandro
Visitante
Alessandro

o verdadeiro objetivo escondido por trás dessa guerra é jogar muçulmanos e judeus uns contra os outros, e quem estimula isso é a nova ordem mundial, que quer ver um mundo sem religião! não tem nada haver esse papo furado de petróleo, isso é oq eles querem que pensamos, esses conflitos que vem acontecendo ao longo das décadas no OM, é para estimular sempre a rivalidade entre Israel e árabes para destruir essas duas religiões, pois o cristianismo já está sendo destruído de dentro para fora nos países ocidentais. o sonho da nova ordem mundial é ver um mundo livre… Read more »

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

Alessandro. De acordo!!!

São os Illuminati.

Fred
Visitante
Fred

É rapaz, quando tava lendo uns comentários aqui, a viagem de alguns tá tão densa, que começou a tocar a música do Arquivo X na minha cabeça…

André
Visitante
André

Petróleo na Síria, Illuminati, EUA vs Rússia…por favor, me avisem as drogas que vcs usam. Estou louco para experimentar. O maior inimigo do mulçumano não é o judeu muito menos o cristão. O maior inimigo é outro mulçumano. A rivalidade sunita vs xiita é o maior problema da região. Sunitas liderados pela Arábia saudita aliados ao ocidente e a Israel vs xiitas liderados pelo Irã e aliados à Rússia. Quem fala que um lado é certo e o outro errado ou está usando drogas pesados ou acredita em papai Noel. Todos os atores externos defendem os próprios interesses, sejam americanos,… Read more »

Lobo do Cerrado
Visitante
Lobo do Cerrado

A indústria da guerra não pode parar, afinal.
País com opinião diferente é tratado como inimigo e como tal, deve sofrer as consequências.
Não estou em nenhum time, mas não consigo ver a diferença entre a ditadura da Síria e da Arábia Saudita.

Lúcio Antunes
Visitante
Lúcio Antunes

Prováveis cenários para o próximo ano. A) Síria dividida em três partes. Uma parte com a própria Síria, outra parte com a Turquia e outra parte com os Estados Unidos. B) instalação de bases permanentes turcas e norte americanas nestas regiões. C) Após divisão territorial, Rússia aumenta significativamente sua influência na parte Síria. Instalação de vários Sistemas S-300 por toda a nova fronteira. D) Irã entra oficialmente na na Síria com bases e militares e contingente considerável. E) em forma de retaliação, Irã e Hezbollah direcionam todo seu contingente para as fronteiras com Israel e Jordânia

Mabeco
Visitante
Mabeco

HMS, de fato, a Rússia já deu mostras que não busca a escalada do conflito. Muito pelo contrário. Vale lembrar que a copa do mundo está chegando. E, tudo que os russos não querem é fomentar atritos que possam prejudicá-la. Recentemente ela chamou todas as partes envolvidas no conflito sírio à mesa de negociação, convite recusado pela oposição e pelos curdos. No tocante ao S400, o relevante é que não precisa disparar, basta iluminar. Apenas isso já seria suficiente, na minha opinião, para mudar o perfil de voo da coalizão, obrigando-a a voar mais baixo, expondo-se aos MANPADS e outros… Read more »

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

Tanto não tem petróleo na Síria que o EIIL o levava em comboio para a Turquia.

Jacinto Fernandes
Visitante
Jacinto Fernandes

Delfim Sobreira 11 de Fevereiro de 2018 at 12:29

A reserva da Síria é de 2.5 bilhões de barris – o que para a região é nada. Até o Iemem que é o país mais pobre do Oriente Médio tem mais óleo do que a Sìria.

Pangloss
Visitante
Pangloss

Delfim Sobreira 11 de Fevereiro de 2018 at 12:29
Tanto não tem petróleo na Síria que o EIIL o levava em comboio para a Turquia.
—————————————————————————————-
Delfim, o petróleo que o EI contrabandeava para aTurquia vinha do Iraque – este sim, grande produtor.

José Lemos filho
Visitante

Esta perseguição aos países produtoras de petróleo, uma
hora vai ter que acabar.A máscara americana e israelense vão cair já – está caindo.

Antônio
Visitante
Antônio

Ivan BC.
Acatada sua sugestão. RS.
Galante na Síria.
Mas independente da brincadeira, qualquer um que goste de jornalismo e/ou defesa poderia, indo para a Síria, e caso não venha a morrer, se tornar um herói.
Um jornalista de guerra.
Há muitos mundo afora mas a cobertura atual é muito ruim.
É tudo confuso.

Oráculo
Visitante
Oráculo

Na verdade os USA não sabem mais o que fazer na Síria. Foi uma grande “pataquada” do Obama se meter naquele vespeiro. Aliás a política externa de Obama foi um fracasso completo. A Guerra da Síria e a situação da Líbia estão ai para provar o quanto esse presidente foi um desastre para o planeta. O problema é que agora que entraram, não podem sair. Tem aliados lá. Curdos e Sírios. Eles não vão deixar os caras na mão. Caso contrário nunca mais arrumam aliado nenhum pra fazer o “serviço sujo” pra eles. Acho bem provável mesmo que a Síria… Read more »

Guizmo
Visitante
Guizmo

Nossa, Síria tem petróleo?? Essa é nova pra mim. O texto é claro: Isis, Irã e Rússia. Esses são os motivadores. O resto é tara por teorias de conspiração

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Ivan BC 10 de Fevereiro de 2018 at 15:49.
.
Mui amigo. Kkk Que baita gentileza com o Galante.

Jorene
Visitante
Jorene

Que petróleo que nada ! A produção de petróleo da Síria é pequena. A questão é geopolítica: a Síria faz parte do arco de aliados da Rússia e é arquiinimiga de Israel. Também serve de ponte e apoio ao Irã, ao Hezboláh e aos iraquianos xiítas. Assad é inimigo feroz dos americanos.

M.Silva
Visitante
M.Silva

Os EUA põem e os islâmicos dispõem. Brincadeira de gato com rato.

O objetivo é claro: trocar Assad por alguém que cumpra a agenda EUA-Israel. Tentaram o mesmo no Egito e na Líbia, mas…

Um futuro confronto Israel x extremistas islâmicos apoiados pelos EUA e Arábia Saudita é o plano. Israel vencerá e tomará aquilo que quer (acesso a água, terras e até petróleo). Guerra de cartas marcadas.

Enquanto isso, o resto da América vai escorregando para a órbita comunista.

Rodrigo Tavares
Visitante
Rodrigo Tavares

Objetivo é geopolítico e disputa quem vende mais armas na região, até um secundarista sabe disso…

Resto é conversa fiada de boteco

Elaine
Visitante
Elaine

O objetivo dos Estados Unidos na Síria é claro: apoiar qualquer grupo que lute contra o Assad. Esses grupos podem ser terroristas radicais como o ISIS ou terroristas moderados como – como quem? existe terrorista moderado? – não importa. O importante é levar a guerra à Siria e estabelecer o caos. Mas para conseguir manter as aparências, os EUA “fingem” que combatem o ISIS. Afinal, eles têm que se fingir de “bonzinhos”.