Home Conflitos em andamento 41 palestinos mortos e cerca de 500 feridos no dia da abertura...

41 palestinos mortos e cerca de 500 feridos no dia da abertura da embaixada americana em Jerusalém

3491
212
Dezenas de palestinos morreram vítimas de tiros israelenses nos protestos registrados na fronteira entre Gaza e Israel desde o dia 30 de março Foto: REUTERS/Ibraheem Abu Mustafa
Dezenas de palestinos morreram vítimas de tiros israelenses nos protestos registrados na fronteira entre Gaza e Israel desde o dia 30 de março Foto: REUTERS/Ibraheem Abu Mustafa

GAZA – Pelo menos 41 palestinos morreram e cerca de 500 ficaram feridos em confrontos com soldados israelenses na Faixa de Gaza, segundo autoridades palestinas, onde milhares de pessoas protestam contra a transferência da embaixada americana de Tel-Aviv para Jerusalém, que foi inaugurada nesta segunda-feira, 14.

Um dos mortos era um adolescente de 14 anos, informaram as mesmas fontes. Milhares de pessoas protestam desde o início da manhã na fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel. Os soldados israelenses abriram fogo quando os manifestantes se aproximaram da cerca que divide o território.

Desde domingo, o Exército israelense lançou panfletos em Gaza para advertir os palestinos que participam das manifestações que, ao fazê-lo, se expõem ao perigo. Ele também afirmou que não permitirá que os manifestantes se aproximem da cerca de segurança ou ataquem os soldados.

As Forças Armadas israelenses acusaram o movimento Hamas, que controla Gaza, de instigar os palestinos a tentar violar a fronteira de Israel. Como resposta, a aviação de Israel bombardeou posições do Hamas perto da região de Jabalia. Nenhum soldado ficou ferido, segundo um comunicado do Exército.

A nota diz ainda que os israelenses “frustraram um ataque terrorista” ao disparar contra três palestinos que “tentaram colocar um artefato explosivo junto a uma cerca de segurança na área de Rafa”, e confirmou a morte dos supostos agressores.

Mais de 90 palestinos morreram vítimas de tiros israelenses nos protestos registrados na fronteira entre Gaza e Israel desde o dia 30 de março. Esta é a fase mais mortífera do conflito desde a guerra de 2014 no enclave.

FONTE: Estadão/ Agências Internacionais

212 COMMENTS

  1. Sei que alguns não acreditam em profecias e é um direito de cada um, mas quem conhece bem sobre elas, sabe o que está acontecendo e ainda vai acontecer com Israel.

    • Eu não evidencio muito essas coisas… mas tbm procuro não polemizar e nem duvidar, pq questões religiosas são muito pessoais…

      Eu acredito procuro primeiramente atribuir às coisas a relação de “causa-consequencia”

    • Eu não acredito. Até pq várias delas através dos tempos sempre são usadas para validar acontecimentos históricos e, como sabemos, a história se repete de tempos em tempos. Respeito quem pensa o contrário e muito bom vc também respeitar o contraditório e sendo educado em relação a isso.

      Já vi vídeos de religiosos atestando as vitórias de Israel nos conflitos de 1967 (Guerra dos Seis Dias) e de 1973 – (Guerra do Yom Kippur ), como milagres de Deus porque o povo de Israel é o povo de Deus.

      Me perdoem mas não acredito. Israel venceu ambas as guerras pela competência, inteligência e preparo militar. Nada mais que isso.

      É o que penso.

      Saudações.

  2. Mais uma promessa cumprida pelo Mr. President.

    Go Trump!

    Nas palavras de Bibi Netanyahu:

    “Thank you President Trump, for having the courage to keep your promises!”

    Obrigado Presidente Trump, por ter a coragem de manter suas promessas!

  3. FONTE: Estadão/ Agências Internacionais

    Engraçado que essas fontes não colocam na capa:

    IDF interrompe ataque terrorista, mortos chegam a 41.

    Sempre os nomes das matérias tem aquele viés esquerdopata, como se o poste mija-se no cachorro.

    E por esse motivo muitos não acreditam mais em mídias normais.

    • Você , Rui Chapéu , só não escreve mais besteira aqui por falta de espaço. Vai lá nos EUA e tira uma foto agarrado no saco do Trump.

      E se você defende tanto eles, se muda de vez e para de ficar aqui enxendo o saco com suas falácias .

      • Nossa… que nervosismo…

        dormiu de calça jeans? eaiuhgeaoeoaheioaio

        To defendendo ninguém não. Apenas dando o crédito a pessoa que realmente merece.

        Afinal, George Bush, Bill Clinton e Obama, TODOS prometeram levar a embaixada dos EUA pra Jerusalém.

        Nenhum cumpriu.

        Ai chega o Trump e em menos de 2 anos de mandato fala e faz.

        #PAS

        • Essa de querer uniformizar as opiniões e que todos pensam coletivamente é coisa de esquerdista!Quem diz o que deve pensar é o partidão.
          Livre pensar,nem pensar!

  4. Qualquer pessoa que tenha estudado a história sabe que aquelas terras pertencem aos judeus.

    O termo “Palestina” foi cunhado quando o Império Romano invadiu e conquistou aquelas terras.

    Ocorre que muitos anos antes dos romanos chegarem ali, tudo aquilo pertencia aos judeus.

    Houve então a Diáspora e os árabes começaram a povoar as terras que originalmente eram dos judeus.

    Anos se passaram, houveram outras invasões e mais recentemente os Otomanos (atuais Turcos) se estabeleceram naquela região. Veio então a primeira grande guerra e os ingleses, aliados com os árabes , expulsaram os turcos e a Inglaterra passou a governar aquele território.

    Ao fim da segunda grande guerra, houve uma partilha e foi criado o Estado da Jordânia (sob tutela dos ingleses) e em 1948 o Estado de Israel foi estabelecido. Neste evento também foi oferecido aos árabes que habitavam aquela região a criação de um Estado próprio, mas os mesmos não aceitaram.

    Os livros de história árabes começam a partir do povoamento da região após a Diáspora, ignorando propositalmente tudo e todos que habitavam a região. Por esta razão, ignoram solenemente a presença histórica dos judeus naquelas terras.

    Não vou entrar aqui em aspectos religiosos bíblicos, onde qualquer pessoa que já tenha lido a Bíblia sabe que Deus determinou que não só aquelas terras , mas boa parte do que hoje é a Síria, Jordânia , Iraque e Irã , deveriam pertencer aos judeus.

    Isto tudo posto, os ditos palestinos, que na verdade são árabes porque não existe etnia palestina , estão reinvindicando um direito que não lhes pertence.

    Aquela terra pertence ao povo judeu, historicamente e biblicamente falando, e eles tem todo o direito de defende-la , com todos os meios ao seu alcance.

    A pergunta que faço é a seguinte :

    Se os Estados àrabes estão tão indignados pelo fato dos “palestinos” não terem um território para chamarem de seu, por que não cedem um pouco do seu território para seus “irmãos” ?

    A resposta é muito simples : Porque essa massa de gente dita “palestina” serve de massa de manobra para suas reinvidicações políticas.

    Ademais, uma grande quantidade de “Palestinos” hoje possui sua única fonte de renda porque Israel permite que eles trabalhem em Israel. Se fosem depender de suas lideranças , que recebem milhões de dólares de ajuda internacional apenas para se locupletarem, estariam morrendo de fome.

    Viajo para aquela região há mais de 20 anos, já estive em Ramalah muitas vezes e o que vi e vejo são os líderes da Autoridade Palestina cada vez mais ricos e seu povo renegado a miséria, tudo bancado pela ajuda internacional, inclusive do Brasil.

    Aliás, o Brasil já mandou tanto dinheiro para a Autoridade Palestina que em Ramalah existe uma rua chamada “Avenida Brasil”.

      • Valter , os “palestinos” são na sua maioria Jordanianos (que por sua vez são árabes) que ficaram deslocados após a Guerra dos Seis Dias.

          • Delfim, já te disse antes e repito : Vá estudar este assunto antes de ficar escrevendo lorota e passando vergonha. Vai por mim. Estuda.

          • Delfim…..

            A pessoa só pode ser israelense se tiver nascido em Israel.

            Acho que você se referiu aos judeus, que podem ser israelenses ou não (em sua maioria).

          • Te equivocas MK48, uma pessoa pode ser israelense sem ter nascido nesse pais, por isso existem as duplas e triplas cidadanias.

            Eu mesmo sou cidadão de outro pais, tendo nascido no Brasil.

          • Gil 15 de Maio de 2018 at 7:56

            Gil, Discordo de você.

            Por exemplo :

            Você é brasileiro e vamos supor que você tenha a cidadania alemã.

            Isto não torna você um alemão.

            Você tem a cidadania de um outro país, mas continua sendo brasileiro.

            Não concorda ?

        • Tanto o Líbano quanto a Jordania são descendentes de um povo chamados fenícios. O mesmo povo que deu origem a Cartago. Muita gente acredita que os Fenincios era apenas navegadores. Eles eram comerciantes, especializado em comercio marítimo, mas não apenas neste. Eles fundaram varias cidades estados na costa do O.M, norte da africa, Africa e Arábia. Algumas destas cidades criaram rotas comerciais terretres e aos poucos foram em rumo ao interior dos territórios onde estavam localizados.

          Assírios e Hititas perambularam por aquelas bandas também. Tanto a Síria, Líbano e Jordânia são descendentes de vários povos. Mas não são árabes.

          • A etnia árabe é do tipo etno-linguística, fala árabe e se identifica como um? logo é árabe, não tem relação genética, por isso você tem desde os árabes negros do Sudão aos mais claros do Levante e berberes. Estudos genéticos apontam exatamente o que tu falou, eles são descendentes diretos desses povos antigos, os líbios por exemplo tem 97% da sua genética de origem berber (falando das regiões do DNA que são não reparáveis pelo sistema de reparo e portanto usamos para traçar a similaridade entre as populações, não que seja 97% de todo o DNA). Mas os árabes em sua expansão fizeram a melhor colonização da história, fez todo mundo se identificar como árabe(imagine índios se identificando como portugas), então a regra é simples, independente da origem, se fala algum dialeto árabe e se identifica como tal, é árabe, e isso, os palestinos o fazem.

          • O Libano foi a terra natal dos fenícios. Já a Jordânia é arabe sim, do reino Haxemita, e os palestinos são árabes originários de inúmeras regiões por vários deslocamentos e assentamentos promovidos pelo Império Romano, pelos exércitos árabes da baixa Idade Média e pelos Otomanos. Os judeus, antigamente hebreus, venceram os cananeus e povoaram Israel e Judá. Foram expulsos(não todos) pelos romanos. Os judeus conseguiram retomar a terra que já era deles desde dois mil anos antes de Cristo. Os palestinos são massa de manobra de países extremistas. Nem Egito, nem Jordânia, nem Arábia Saudita brigam mais por eles. ….muita confusão de quem está postando aí.

          • Jorene,

            Ótimo comentário, porque só embasa mais ainda o que tenho escrito aqui nesta matéria, apesar de todas as opiniões contrárias que venho recebendo nos meus posts.

            A propósito, atítulo de informação : O nome oficial da Jordânia é Reino Haxemita da Jordânia.

            Abs.

    • Excelente comentário amigo Mk-48! Um torpedo literalmente…..

      E digo mais: a culpa pelas mortes (já são 52) é do Hamas e não de Israel.

    • Representante de Israel na ONU:

      – “Antes de começar o meu discurso, quero contar-lhes algo inédito sobre Moisés.
      … (todos ficaram muito curiosos)
      …Quando Moisés golpeou a rocha com seu cajado e dela saiu água, pensou imediatamente”:
      “Que boa oportunidade para tomar um banho!”.
      Tirou a roupa, deixou-a junto da pedra e entrou n´água. Quando acabou de banhar-se e quis vestir-se, sua roupa tinha sumido!

      Os palestinos haviam-na roubado!!!”

      Um representante da Palestina de pronto levantou-se furioso e bradou:
      – “Que mentira boba e descabida! …Nem havia palestinos naquela época!!!”

      O representante de Israel então sorriu e afirmou:

      – “Muito bem… Então, agora que ficou bem claro quem chegou primeiro a este território e quem foram os invasores, posso enfim começar o meu discurso…”

    • Caro Mk48. A presença humana da região é muito mais antiga. Tem um artigo intutilado “A SURVEY OF PREHISTORIC SITES IN THE AZRAQ BASIN, EASTERN JORDAN” que menciona sítios arqueológicos humanos pré-históricos tão antigos quanto 24.400 anos na região. Portanto, não dá para dizer que a região tenha sido ocupada primeiro por um ou outro grupo. A região foi um corredor de imigração de seres humanos por sucessivas levas de grupos humanos que saíram da Áfriica. Não dá para discutir a questão sobre quem chegou primeiro.

      • O que sim podemos afirmar é que a biblia cita infinidades de vezes a Jerusalem como terra de Judeos e o Coram ate onde eu sei não cita a Jerusalem como uma cidade palestina.

        Não sabemos quem chegou primeiro nessa região, mais sabemos que os judeus estavam ai antes dos palestinos.

        • O primeiro povo (historicamente falando) que habitou a região foram os cananeus. Foram derrotados ou assimilados pelas tribos de Israel. Depois vieram os filisteus (povos do mar), que foram totalmente aniquilados pelos hebreus. Depois assírios e babilônios massacraram grande parte do povo hebreu. Depois os persas os libertaram (Ciro). Depois os macedônios dominaram. Depois os romanos, que os expulsaram. Depois houve o alocamento de vário povos árabes pelos romanos. Mais árabes vieram com os exércitos árabes da conquista mulçumana. Depois houve o dominio otomano. Depois os ingleses. Nesta época(dos anos 20 até os anos 40 do século XX), os judeus começaram a voltar para sua terra natal. Em 1948 foi declarado pela ONU o estado de Israel. O primeiro voto na ONU foi o brasileiro. Em 1948 houve a Guerra da Independência), em 1958 a Guerra do Sinai, em 1967 a Guerra dos Seis Dias, em 1973 a Guerra do Yom Kippur. Depois a invasão do Líbano, o bombardeio por Scuds iraquianos e a guerra contra o Hizzbollá. TODAS VENCIDAS POR ISRAEL.

          • Na dita faixa de gaza mora atualmente os descendentes dos filisteus povo que veio de Caftor,atualmente chamada de Chipre.
            Certamente ao longo dos séculos houve miscigenação dos filisteus com outros povos.
            Se Israel fosse obediente a sua área física iria do grande mar(mar mediterrâneo)até o rio Eufrates.

      • Prezado Camargoer, para lhe responder tenho primeiro que dizer que concordo com o comentário do Gil 15 de Maio de 2018 at 8:34 no teu post.

        No meu comentário inicial, onde faço um brevíssimo resumo da dinâmica dos povos naquela região, não foi minha intenção fazer um resumo histórico completo.

        No entanto, em se tratando de judeus e palestinos, não há dúvidas que os judeus já habitavam aquelas terras muito antes sequer da invenção da palavra “Palestina”.

        Isto está provado através de sucessivos achados arqueológicos, através de moedas antigas e outros artefatos com símbolos judeus, bem como também na Bíblia.

        Abs.

    • Se eles (os indios) tiverem o mesmo hardpower de Israel, não restaria outra kkkk.

      Por sorte aqui todos somos brasileiros, indios, brancos e negros.
      Resumindo: sem crise e sem ideologia barata para justificar a causa palestina

    • Mas qual nação deles, Fábio ? Porque são mais de trezentas hoje e na idade pré-hispânica deviam ser mais de mil tribos, uma enfrentando e comendo(literalmente) a outra. E qual é a língua falada por eles ? São centenas e centenas de três troncos principais. É mais ou menos dizer que os indianos(da Índia) são o mesmo povo que os italianos, pois todos são indo-arianos e tem o sânscrito como língua mãe. rsrsrs.

  5. Sempre defenderei que se Theodor Hertzl estudasse Geopolítica não pediria a Judéia de volta, pediria um pedaço da Europa. Afinal o antissemitismo é um fenômeno tipicamente europeu. Inquisição, Holocausto e pogroms aconteceram onde ?
    E árabes não podem ser antissemitas pois também são semitas, e em estado mais puro, pois não tiveram diáspora.
    .
    De resto só messingélico pra achar que 40 mortos em protestos não-violentos são os próprios culpados.
    Nem judeus acreditam nisso.

    • Protestos não -violentos ? Onde você viu ou ouviu isso ?

      Leva sua familia para viver na divisa de Israel com a faixa de Gaza e depois me diz como eles protestam.

      • Eu não levaria minha família pra lá pois sou batizado cristão. Simples assim.
        Não temos nada a ver com o que acontece lá e deveríamos agradecer por isso.

        • Se você é cristão, ótimo, porque se você não sabe , Jesus era Judeu. Portanto você e todos os cristãos tem tudo a ver com o que acontece naquela região.

          • Se cristãos tivessem algo a ver não entregariam “Terra Santa” em 1948 para estabelecimento de Eretz.
            Quanto a ser judeu… Karl Marx também era. Alguém acredita em Marx puramente por ser filho de mãe judia ?

        • Sinto muito pela sua ignorância no assunto, mas isso é um problema seu. Procure estudar e entender os acontecimentos à época da criação do Estado Judeu.

          • Faz o seguinte Mk48, pega uma das viagens de 20 a os qvc faz pra lá e fica…assim suas falácias ficam por lá mesmo.

          • Marcos Paulo, não há falácias nos meus textos. Se você encontrou alguma, por gentileza me diga qual é e escreva o que você acha que é a verdade então.

      • Pelo que se vê nas emissoras de tv (dos próprios judeus) os palestinos atacam com terríveis pedras teleguiadas. Sou neutro no conflito, mas que há enorme diferença militar é inegável. É como o Brasil de hoje contra os holandeses de Maurício de Nassau.

        • Veja bem, apesar da pedra ter sido a primeira arma conhecida pelo homem e muita coisa ter mudado desde então. Você deve concordar que, hoje em dia, assim como nos primórdios, não é nada saudável levar uma pedrada na cabeça.

        • Ah entendi. Então, para você, os soldados israelenses deveriam colocar seus fuzis de lado e devolver as pedradas dos palestinos?

          Ou simplesmente deveriam abandonar seus postos para assegurar o direito de manifestação dos palestinos, dê no que der?

          Por favor né cara, seja razoável.

        • Quando não quer dois não brigam,mas os ditos palestinos querem!Que vc sugere que a IDF mande flores?
          Tenho certeza se fosse o contrario,a situação inversa,vc concordaria!

  6. Deus determinou que não só aquelas terras , mas boa parte do que hoje é a Síria, Jordânia , Iraque e Irã , deveriam pertencer aos judeus.

    Me desculpem mas não achei na bíblia aonde Deus disse que “boa parte do Iraque e Irã ,deveriam pertencer aos Judeus”..
    Olha que já estudo as escrituras por 24 anos…

    • Bruno, eu só quis abreviar, mas o correto é o que você escreveu. Se você levar em conta as 12 tribos de Israel, verá a dimensão do que é de Israel por direito. Repetindo -> Só quis ser breve.

  7. Que argumento mais idiota. Primeiro, quem condenou Jesus foram os judeus, os judeus negam Jesus, a nova aliança termina com a antiga. Os judeus esperavam o messias, ele veio, o judaísmo acabou com a vinda de Jesus. Não atoa o novo judaísmo é tratado como sinagoga de satanás na bíblia. Se você quer usar a teologia para defender que cristãos apoiem incondicionalmente Israel você ao menos tem que ler a bíblia e estudar a historia do cristianismo. Se os cristãos tem alguma coisa a ver com aquela terra é porque o sepulcro vazio está lá, e por isso aquela terra pertence aos cristão, esse é o entendimento oficial da igreja.

    • Quer falar de Bíblia, ok. Qual delas você leu ? A Católica, a protestante , a católica-ortodoxa ?

      Pelo que você escreve deve ter lido a Bíblia católica, que obviamente apresenta os conceitos da Igreja Romana.

      Amplie sua leitura e ai você vai mudar o seu entendimento e descobrir que muitas das suas afirmações estão erradas.

      Outra coisa : De onde você tirou essa falácia que Israel persegue Cristãos ? Você já foi a Israel ? Conhece Jerusalém ? Se já foi, sabe que a cidade velha de Jerusalém é dividida em quatro partes, e uma destas partes é Cristã.

      O Vaticano e a Igreja Ortodoxa Russa mantêm representações permanentes por lá.

      Existem Cristãos e Árabes-Cristãos (sim, voce não sabia mas eles existem) que vivem em perfeita harmonia com os demais habitantes, com liberdade total de culto. Ademais, Israel recebe todos os anos milhões de cristãos que vão visitar os locais sagrados. Aí você me vem com essa afirmação ridicula que Israel persegue os Cristãos ?

      Dou a você o mesmo conselho que dei ao Delfim -> Não comente o que não sabe. Estude antes de escrever.

      • Filhão, quem tem que estudar é você. A bíblia é uma só, a única diferença está as fontes das traduções, que na igreja romana é judaica, na igreja ortodoxa é grega, já a ~bíblia protestante~ é a mesma bíblia católica com a extirpação de livros. Então eu te pergunto, de onde você tirou tal besteira? Mostre suas fontes. A questão aqui é que você não tem a menor noção do que está dizendo e deve ser desses protestantes que se acham judeus mas que não tem base alguma para sustentar suas doutrinas. Você paga o trizimo também? Paga 1000 reais em “água benta”? E daí que Jerusalém é dividida em 4 partes? Em que isso corrobora com seu argumento? Diga então o que aconteceu com as populações tradicionais cristãs que viveram lá, sob domínio do Império árabe e que hoje estão desaparecendo? Belém tinha grande maioria de sua população cristã, e agora? Aliás, Israel por acaso respeita essa divisão? Não estão lá ocupando com assentamentos ilegais? E daí que a igreja romana e ortodoxa mantém representações em Jerusalém? O QUE ISSO TEM A VER COM O ASSUNTO? Como você acha que isso legitima a posição de Israel? Ou você queria que esses saíssem de lá? Oras, estão lá a mais tempos que esses judeus modernos. Lá é a terra santa, é santa por ser lá de cristo viveu. Afinal, você ao menos sabe qual é a posição da igreja católica sobre Israel para tentar dizer que esses os apoiam? E da igreja ordotoxa? Além que, se você não sabe, a primeira igreja fundada foi na Síria, os árabes eram cristãos antes de serem muçulmanos, por que cargas d’água você acha que alguém pensaria que não existe cristão árabe?
        Sobre a perseguição contra cristãos, você só pode ser cínico para tentar nega-la. O fato de Israel receber turistas não quer dizer que aceitam cristãos em seus territórios, visitar é uma coisa, viver é outra. Meca recebe todo tipo de facção islâmica, mesmo sendo inimigas umas das outras. Israel entre outras coisas DEPORTAM cristãos missionários. Cristãos são agredidos, tem suas casas, comércios e igrejas vandalizados, sofrem todo tipo de discriminação, são isolados e boicotados, tanto que Israel é considerado UM PAÍS HOSTIL AOS CRISTÃOS é você vem dizer que Israel é pró cristão? É sério, ONDE ONDE VOCÊ TIROU ESSA VISÃO? Você ao menos já viu um judeu na vida? O judaísmo não tem interesse algum no cristianismo, judeus sempre perseguiram cristãos e ainda os perseguem. Pergunte a qualquer judeu o que ele acha do cristianismo.

        • Você bebe antes de escrever essas coisas ?

          Porque parece que sim.

          A minha religião não lhe interessa, como também não lhe interessa ver a verdade do que se passa em Israel.

          Você faz uma faz uma afirmação , pergunta e responde.

          Não há como discutir com uma pessoa assim, que comenta desde jogo de bola de gude até um detalhe técnico de uma arma específica. Só pode dar no que dá.

          • Você não discute porque não tem argumentos, tentou dar uma de sabichão pra cima dos outros e mostrou que não sabe do qur está falando. Oras, a sua religião não interessa mas a minha sim? E a verdade não interessa a você, vamos lá, onde estão suas fontes? De onde você tira essa lorota toda? Quem na o quer ver a verdade é você que foi adestrado para se curvar aos judeus quando esses simplesmente não querem a sua simpatia. Se você diz que estou errado e que sou mentiroso, prove com fatos, não com discurso vazio de ~aí, Jesus era judeu então os cristãos tem que venerar os judeus~. Faça-me o favor, você se satisfaz em deturpar o cristianismo e deturpa também o judaísmo. Você é que deveria estudar antes de usar bravatas apostando na ignorância alheia.

        • Pelo visto já está na segunda garrafa.

          Não aposto em nenhuma ignorância alheia. Meu comentário foi corroborado por outros foristas. Todos nós estamos errados ?

          Minha fonte é a Bíblia e a História, que são coisas que você provou desconhecer totalmente pelo que fala.

          Você é tipo do cara que quer impor a sua opinião e o pior, sem nada para dar suporte além dos seus pensamentos.

          Continua tomando tua pinga ai.

          • É claro que estão errados, esses comentaristas do g1 que de uma hora para a outra descobriram esse blog são autoridade de que? Oras, outros ~foristas~ se oporam ao que você disse, por causa disso você deixou de falar besteira? Se a sua fonte é a bíblia, porque vem aqui dizer que a bíblia não é fonte para o assunto? Você mesmo disse que eu devo ~expandir meus horizontes~ e disse o absurdo de que existem diversas bíblias. E se é baseado na história, por que não mostra que história é essa? O que a história mostra é que os maiores perseguidores dos cristãos foram os judeus. Eu me baseio em fatos, você se baseia em discurso barato.

            Se eu desconheço os fatos, por que só eu apresento fatos? Vamos lá, onde estão seus fatos? Se eu estou mentindo, qual é a dificuldade em me desmascarar?

            Você veio aqui com uma pertença autoridade intelectual falar besteira sobre a religião alheia, você provou que não tem caapcidade de sustentar o que diz e eu quero impor minha opinião? Quem está tentando impor opinião aqui é você, e faz isso com mentiras. A trilogia costumava ser um lugar de debate, mas agora virou isso, uma espiral de imposições de opinião.

          • Hélio 14 de Maio de 2018 at 17:31
            “O que a história mostra é que os maiores perseguidores dos cristãos foram os judeus.”

            caramba! De onde vc tirou essa informação ? Eu sou cristão, católico e não foi isso que estudei, essa é nova pra mim… judeus os maiores perseguidores de cristãos ? Geralmente esse tipo de informação vem de fontes de filosofia voltada ao marxismo, Cuidado!

        • Judeu não gosta de cristão, o despreza. É fato. E evangélico adora judeu, sem saber o que eles pensam dos evangélicos. Mas um dia, católicos, ortodoxos, evangélicos, protestantes e judeus serão uma só religião. Mas vai demorar um pouquinho.

          • Jorene,

            Vou fazer aqui uma discordância no seu comentário.

            O Judeu não despreza o cristão. Por que ? Porque é simplesmente uma diferença de crença . O Judeu, especialmente os ortodoxos, não reconhecem a Jesus Cristo como seu salvador. Para eles, Jesus foi apenas mais um Profeta, como Isaias, Jeremias e tantos outros Profetas do Velho Testamento. Não há desprezo. O que há é que Judeus e Cristãos possuem pontos de vista e crença distintos.

            Ademais, existem os judeus messiânicos, que são aqueles judeus que já entenderam e que aceitam Jesus como seu salvador, assim como os cristãos.

            Abs.

  8. Não condenando Israel mas, como eles protestam? Em que situação é aceitável ter 41 mortos? Em algum outro lugar do mundo se mata 41 pessoas em um protesto? Eles são diferentes daqueles protestos de extrema esquerda na Europa, EUA e daqui?

    Pelistinos são problemáticos? Claro que são. Israel é santo? Claro que não é. Existem terroristas comandando esses protestos? Sim. Israel persegue os cristãos? Claro que sim, isso é fato notório. Mas esse fato não seria justificável em nenhum outro lugar do mundo, não interessa as circunstâncias. É só se lembrar do exemplo mais ao norte. Os mesmos que defendem Israel nesse tipo de situação são os que dizem que o governo sírio não pode combater os terroristas por esses serem ~parte do seu próprio povo~.

        • Calma Hélio, muita calma.
          Eu respondi o Delfim especificamente quanto ao valor da gasolina no RJ.
          O valor do barril de petróleo pode varia de forma igual no mundo inteiro, mas não necessariamente se reflete no valor das bombas. E isso por uma enormidade de razões.

          De qualquer forma, o absurdo cobrado no RJ e no restante do Brasil, deve-se a inúmeras razões além do preço do barril de petróleo e independente de paz ou guerra no Oriente médio, duvido que melhorasse algo.

  9. Se tem vaga na IDF para defender Israel, tem mais vaga ainda do outro lado para ser bucha de canhão e garanto que o RH do outro lado aceita bem mais fácil qualquer candidatura.

  10. Só lembrando que Israel é o unico pais que mulheres tem direitos.
    (fora o fato que é a unica democracia naquela area do globo)

    • Nossa, como você é feminista. A noção de direito é cultural. O aborto é direito da mulher? A noção é um tanto relativa, não acha? A sharia já conferia muitos direitos às mulheres antes deles serem adotados no ocidente, como é o caso do direito a herança. Se a mulher não gosta de viver como manda a cultura islâmica, ela pode muito bem sair de lá e viver o hedonismo ocidental pós moderno. Se elas achassem ruim não escolheriam imigrar para o ocidente e continuar usando burka.

      • Claro, Hélio, é muito fácil escapar de seus algozes e, se pega, ser severamente punida por desertar das maravilhas instituídas por uma “noção de direito cultural”. Por qual motivos as mulheres que querem escapar das garras da sharia simplesmente não o fazem, já que é tão simples? Não consigo imaginar o motivo…

  11. Complicada a situação palestina.
    Imaginemos que os apaches ou tamoios fossem recolocados em suas terras originais com base em um suposto “direito de quem ocupava originalmente”?
    A história consagra 3 principais maneiras de se ter um terra: Por herança Imperial, real, ducal, etc, ducal ou entre Estados monárquicos, por compra (Acre, Flórida, etc) ou por conquista (após a óbvia derrota militar do perdedor), como o foi na aquisição do Acre, da Flórida.
    Mas fiquemos apenas, pois pertinente ao caso em tela, a questão dos Palestina/Israel, a posse da terra pela conguista militar (que é legítima, como é caso da aquisição da Ilha de Sacalina pelos russos, há pouco tempo (1945), mas não é caso das Falklands pelos argentinos, pelo simples motivo destes não terem vencido sua guerra de conquista rs.
    Há milênios, os hebreus conquistaram aos seus habitantes originais a terras da atual Palestina/Israel. Preencheram a condição de posse (conquista militar). Meus pêsames históricos aos habitantes originais rs.
    Mas tarde, segundo a Bíblia, abandonaram essa terra depois de uma seca, etc.
    A terra desocupado foi ocupada.
    Os hebreus voltaram.
    A a conquistaram militarmente de novo.
    Ocupação novamente válida.
    Mas eis que mais tarde foram eles os derrotados.
    E foram derrotados porque eram militarmente menos aptos que os vencedores. A superioridade numérica dos conquistadores não é desculpa, pois vencer a guerra também exige saber fazer alianças para se defender de inimigos mais numerosos, etc. Os hebreus de então não tiveram nem um capacidade, nem outra, e foram derrotados.
    Fizeram rebeliões contra seus dominadores? Sim. Mas sem sucesso.
    Tentaram alianças com outros povos visando contrabalançar a superioridade numérica de seus conquistadores? Provável. Mas o fato de continuarem derrotados, prova que se tentaram, não conseguiram fazer alianças vitoriosas.
    Seus conquistadores foram derrotados, mas os hebreus continuavam passando de mão em mão dos sucessivos conquistadores da região.
    Finalmente, sob os romanos, fizeram nova rebelião. Novamente derrotados. Mas desse vez com um diferencial: Os romanos, fizeram uma diáspora radical, praticamente esvaziando a região de habitantes hebreus.
    Bem, adentrou o século XX nessa situação. Os agora chamados judeus espalhados pelo mundo. Mas houve uma mudança no Oriente Médio, local de suas terras de outrora: Os habitantes à época, árabes, conquistadores de outrora, conquistado pelos turcos, aproveitaram-se da Primeira Guerra Mundial (tem-se, além de saber fazer alianças, saber a hora certa de rebelar-se, algo que os judeus não souberam fazer desde a primeira vez que foram derrotados após retornar do Egito), e aliando-se ao ingleses (Ok, foram parcialmente traídos por estes, etc.,mas isso não é mais importante para o escopo do presente comentário) derrotaram os turcos.
    Libertar-se dos ingleses e franceses era uma questão de tempo, e estava aos poucos sempre implementado.
    Mas haveria um pedra no caminho, da construção da região árabe (há de se perguntar, a Europa vive a se orgulhar da “civilização européia”, da “comunidade européia”, etc, mas e se alguém ou uma instituição tentasse fazer um país asiático ou africano no meio da Europa? Humm): Lá na Europa, mais precisamente na Alemanha, houve uma ação alemã que mudaria a história e inauguraria o imbróglio árabe-israelense.
    Permitam-me os cavalheiros, uma breve analogia antes de prosseguir:
    Imagine-se se um patrão, cuja a empregada doméstica residisse no emprego, a humilhasse, torturasse, aviltasse, etc.
    Descobertos os atos criminosos do referido patrão, e levado a julgamento, em uma decisão hipotética, o juiz decidisse que, considerando que o referido patrão valera-se da condição vulnerável de sua emprega (não ter onde morar) como condição principal para que dela tivesse abusado, impor ao patrão torturador, como pena por seu crime, e visando minimizar as chances de que a referida empregada fosse no futuro, novamente abusada por outro patrão do qual ela viesse a depender para moradia, que o agressor cedesse uma parte de sua propriedade para que a empregada tivesse finalmente uma residência independente. Parece-me uma boa solução, não obstante inusitada, etc.
    Com certeza não seria uma boa solução se o mesmo juiz mandasse outro cidadão qualquer que não o agressor, a ceder uma parte de sua propriedade para a agredida. Seria um absurdo que beiraria ao ridículo. Provavelmente levaria o proprietário a protestar veementemente, alegando, por óbvio, ao juiz “Ora, ele agride a ela por esta não ter residência, etc, e o meritíssimo juiz vem tirar uma parte de minha propriedade, que não tenho nada a ver com a situação?”. Não duvido que o cidadão em questão, se fosse derrotado em seus recursos, etc, se tornaria um crítico de tal judiciário “louco” e arbitrário. Provavelmente se tornaria um ativista contra tais arbitrariedades. E não duvido que mesmo, tomado pelo mais absoluto amargor (até por ter que conviver com o agressor rindo da cara dele e lhe dizendo: “Ha, ha, ha. Eu me aproveito da minha empregada por ela não ter onde morar e você é que tem que ceder sua propriedade!” Não duvido que o aviltado, sem poder enfrentar de frente o poder do Estado de seu país, se tornasse um terrorista…
    Pois é cavalheiros.
    Foi exatamente o que a ONU fez com os árabes em geral, e com os palestinos em particular: A Alemanha (digo isso porque o Partido Nazista, ao contrário dos bolcheviques e maoístas, por exemplo, não tomou o poder, e sim foi eleito pelos alemães…) torturou, matou, etc, os judeus, em grande parte sim, se não decisivamente por isso, por eles não terem sua própria terra. Não seria injusto, que a ONU determinasse, como punição a Alemanha por tanta atrocidade contra civis indefesos, que cedesse uma parte de seu território para a formação de uma Estado judeu independente. Ou mais ainda. Que os países que se aliaram a Alemanha nazista, como Itália, etc, cedessem uma parte de seu território para formar um Estado judeu. Ou ainda, considerando que a Alemanha fica na Europa, que todos ou parte dos países europeus, tendo em vista que o holocausto ocorreu na Europa, cedessem terras para a formação de um Estado judeu.
    Mas não foi isso que aconteceu.
    A ONU chegou para os palestinos e estabeleceu com os mesmos o seguinte “diálogo”:
    “Palestinos, a Alemanha, lá na Europa, aviltou os judeus por estes não terem um país seu. Decidimos que, para que nunca mais os judeus sofram o que sofreram por não terem sua casa própria, que daremos a eles metade das suas terras. Doravante, vcs deveram se espremer no equivalente a metade de suas terras, pois nos daremos a outra metade aos judeus.”
    Bem, os palestinos e árabes não gostaram de ter que pagar pelo que um nação européia havia feito aos judeus.
    E tal qual fariam os europeus se a ONU tentasse incrustar os hutus massacrados pelos tutsis no meio da Europa para proteger aqueles, ou se a ONU tentasse incrustar chineses perseguidos pelo Exército japonês na segunda guerra, em seu continente, os árabes se rebelaram. Não conseguiram expulsar os judeus (em parte pelo apoio maciço dos EUA aos judeus, contrapartida que não houve por parte da URSS pelo simples fato de que esta ainda estava finalizando sua primeira bomba atômica, 1949, e então ainda pisava em ovos quando se tratava de confrontar os EUA), mas conseguiram reaver grande parte de suas terras. Mas então veio a tragédia (miséria pouca é bobagem quando se trata de por os árabes para espiar os crimes do alemães europeus…): Em nova guerra, com a URSS já com a bomba, mas muito atrás dos EUA em termos de arsenal, pois começara a compor o seu tardiamente) os judeus tomam a mera metade que fora deixada como prêmio de consolação aos palestinos…
    Bem, isso foi demais até para a ONU rs.
    Votou-se uma resolução condenando a anexação israelense, mas…os EUA vetaram.
    Após ver que a URSS estava a cada vez mais crescer seu arsenal nuclear e assim ser mais incisiva por seus aliados, Israel violou o tratado de não proliferação nuclear e desenvolveu seu arsenal nuclear. Sanções da ONU? Vetadas pelos EUA. Quando o Egito nacionalizou o canal de Suez, Inglaterra e França invadiram o Egito, juntamente com Israel, então, inquestionavelmente, um agressor gratuito (pois se os dois primeiros tinham interesses econômicos defensáveis por terem financiado o canal, qual seria a desculpa de Israel a não ser o fato de agredir por agredir? Sem sanções, pois vetadas pelos EUA. Apenas para comparar, o Irã nunca atacou nenhum país (foi atacado pelo Iraque em 1980) mas é tratado pelos EUA e Israel como o maior agressor, mesmo sem nunca ter agredido ninguém. Israel atacou em 1956 e 1967 sem sequer prévia declaração de guerra. Mas sanções da ONU? Até foram votadas, mas vetadas pelos EUA. Para Israel, alguns podem efetivamente agredir sem sofrer sanções, agora outros, parece que só de “pensar” (parece que os EUA e Israel leem pensamentos…) já é motivo mais que suficiente para ataques preventivos, etc. Para finalizar: Já saindo dos árabes mais não dos muçulmanos: Porque o Irã pode sofrer sanções por tentar ter a bomba atômica, mas Israel pode tê-la, recusar inspeção estrangeira de seus arsenais, etc? Porque Israel que já agrediu n vezes é mais confiável do que o Irã que nunca agrediu nenhum país estrangeiro?

    • Cunha, bom teu resumo.
      Apenas uma observação: Israel só aceitaria uma terra na Palestina. Poderiam dar meia Europa pra eles que não serviria. É a tal da terra prometida.
      Abraços

    • Cunha,

      Você escreveu “Após ver que a URSS estava a cada vez mais crescer seu arsenal nuclear e assim ser mais incisiva por seus aliados, Israel violou o tratado de não proliferação nuclear e desenvolveu seu arsenal nuclear” .

      Me desculpe mas isso não é possível de ter acontecido, porque Israel não é nem nunca foi signatário do tratado de não proliferação de armas nucleares.

      Mais adiante você escreveu “Israel atacou em 1956 e 1967 sem sequer prévia declaração de guerra”

      Tanto em 1956, 1967 (que você não citou) havia uma clara concentração de forças árabes próximas a fronteira com Israel. Basta você consultar os livros sobre o assunto ou assistir aos documentários que foram feitos.

      Ocorre que um país com a dimensão territorial de Israel não pode se dar ao luxo de esperar ser atacado.

      Ademais a concentração de forças árabes nas fronteiras era um sinal inequívoco que eles iriam atacar.

      Aí eu te pergunto : Você acha que diante desses fatos Israel iria mandar uma mensagem ou coisa do tipo para os árabes avisando que iria atacar ?

      Quem agiu na covardia foram os árabes em 1973, que atacaram Israel no dia do Yom Kippur, numa tentativa desesperada de pegar os israelenses desprevenidos. E de fato pegaram, mas depois do susto inicial, Israel de agrupou e organizou suas forças e mais uma vez repeliu os árabes.

    • Cunha,

      Você escreveu “Não seria injusto, que a ONU determinasse, como punição a Alemanha por tanta atrocidade contra civis indefesos, que cedesse uma parte de seu território para a formação de uma Estado judeu independente. Ou mais ainda. Que os países que se aliaram a Alemanha nazista, como Itália, etc, cedessem uma parte de seu território para formar um Estado judeu. Ou ainda, considerando que a Alemanha fica na Europa, que todos ou parte dos países europeus, tendo em vista que o holocausto ocorreu na Europa, cedessem terras para a formação de um Estado judeu.”

      De onde você tirou esse absurdo ?

    • Só agora li,não todo o enorme e tendencioso texto.
      Não creio que seja ingenuidade de sua parte e sim partidarismo pelo Irã,ao afirmar que esse país nunca atacou ninguém.Não é preciso remontar à época do império persa,para constatar a falsidade da afirmação.Tal pais faz uso de proxy em suas ações e investidas em todo o oriente médio,eles tem gasto bilhões em armar e treinar várias milicias que atuam na região.Os terroristas do hizbollah e hamas e outros são utilizados em suas prossecuções estratégicas naquela região.
      Israel por ser um pequeno país e dispor de limitada população,área e recursos não pode se dar ao luxo de permitir que seus inimigos tenham a iniciativa e/ou se fortaleçam de modo que possam causar-lhe um prejuízo maior ou mesmo uma derrota.Faz parte da estrategia não jogar para baixo do tapete os problemas.
      O pior cego é aquele que se recusa a ver!
      A paixão cega a razão!

  12. Foram avisados, conhecem como a banda toca, e ainda assim vão participar…. quem procura acha, lá e aqui.

    Eu parto do pressuposto que onde tiver um fuzil eu estarei indo pro lado contrário. Ainda mais se eu não tiver um também.

  13. Na realidade Palestinos e Hebreus são povos irmãos, descendem de Sem. Na realidade, são farinha do mesmo prato.
    Se os nazi tivessem ganho a guerra, não é porque vc é palestino que não iria para o forno, iria no mesmo modo que os judeus, pois é SEMITA.
    Aquilo ali é pura politicagem. Mesma m… (comentário editado) que ocorre no Brasil.

  14. “A riqueza dos sábios é a sua coroa, mas a insensatez dos tolos produz apenas insensatez.”
    Provérbios 14:24
    Mk48 14 de Maio de 2018 at 12:00
    Irretocável, concordo com suas palavras.

    Antônio Marcelo 14 de Maio de 2018 at 11:44
    Está tudo seguindo o curso conforme as escrituras e como mencionastes, o porvir será terrível.

  15. Ao término da 2ª GM o alemães étnicos formam expulsos dos Balcãs, da Bohemia, da Prússia, sem indenização e sofrendo perseguição e linchamento pelo caminho. Não se vê essas pessoas exigindo retorno, compensação ou outra coisa parecida, pois reconstruiram suas vidas e tocaram em frente.

    Os “palestinos” da Cisjordânia são jordanianos, e os de Gaza são egípcios. São as mesmas pessoas que lambem as botas dos russos aqui nos comentários que acham correto devolver as terras de Israel para os Árabes, mas não sugerem que Kaliningrado volte a ser Königsberg.

  16. Cavalheiros
    Apenas uma questão bélica. Não estou tendendo pra lado nenhum.
    A notícia fala que o Hamas instigou os palestinos a protestarem.
    Minha dúvida é: se é pra quebrar o pau, por que não participaram Hamas, Isis, Boko Haram? Estes sim possuem soldados e armamentos para poderem enfrentar as tropas israelenses. Estes sim são corajosos, destemidos, determinados……
    Ou será que eles só têm coragem para fazer atentados junto a mulheres, crianças (que são usados como escudos humanos) e velhos?
    Somente uma dúvida. Mas que fica me intrigando.

    • nao so nao existe presença do ISIS na faixa de gaza, como eles jamais ajudariam o Hamas, que apesar de ser um grupo islamico, nao eh salafista/whabbaista.
      quando ao borok haram, nao ajudariam pelo mesmo motivo acima, alem disso eles operam na nigeria, como fariam para ir ate a faixa de gaza?

      • Prezado marcelovinci
        Eu estava sendo irônico.
        O que eu quero dizer é que estes que matam os infiéis por Alá, não movem um dedo pelos palestinos.
        Abraços

  17. Saibam que na cultura judaica religião, cultura, nação, etc. são tudo faces de uma mesma identidade, como povo. Está tudo dentro de mesma “caixa”.
    Embora nesse caso, eu sou sincero : só se é 100% judeu em Eretz. Faz parte da “caixa” judaica.
    Na nossa vidinha Ocidental cristã laicista, minha crença, origem, cultura, ocupam “caixinhas” independentes e são problema individual meu e não interessam ao Estado.
    Isto é fruto de séculos de guerras, extermínios e explorações que marcaram nossa História. Inclusive contra judeus.
    E este atual Ocidente multicultural, multiétnico e multireligioso é tão “ruim”, que 60% dos judeus do mundo vivem aqui em vez de encarar um aliah.
    É nisso que minha “ignorância” se baseia.

  18. Tem vários terroristas infiltrados nessas manifestações, mas a maioria ali representa um perigo minimo. Será que não existe munição de borracha em Israel? Claro que tem, mas o que eles querem mesmo é dizimar os Palestinos com o passar do tempo, para eles, quanto menos melhor!! É o mesmo desejo que os nazistas tinham contra os judeus. Basta ver os vídeos de soldados israelenses abatendo pessoas que apenas caminham PRÓXIMO das zonas limite, sem oferecer o menor risco. A maior parte dessas mortes poderia ser evitada pelos israelenses, só que eles querem ver é sangue!

    Porém, existe o outro lado da moeda. Os palestinos também estão errados. Não por arriscarem suas vidas protestando, mas por fazerem isso contra as pessoas erradas. Não é contra os israelenses, mas sim contra as próprias autoridades palestinas, contra os “senhores” da Palestina, pois são eles que não querem o término desses conflitos, já que estão ganhando muito em cima de toda a situação.

    Isso me lembra muito algo que acontece aqui mesmo no Brasil, através do MTST/MST (entre outros), onde a ignorante massa de manobra deveria estar protestando e invadindo as terras dos próprios lideres de ditos movimentos, pois são eles que querem perpetuar os problemas dos sem terra/teto.

  19. Cuidado Delfim e Hélio, vocês podem ser taxados de antissemitas. Sorte que não estamos na Alemanha, senão vocês estariam presos agora por apologia ao antissemitismo.

  20. “Minhas condolências aos mortos em protestos em Gaza”, andou dizendo o Erdogan. O mesmo sujeito que de vez em quando faz limpeza étnica contra os curdos, aplaina suas cidades com artilharia e queima suas florestas com napalm.

    De todo modo, quem estava anunciando os números eram as autoridades de saúde do Hamas. Não pode ser descartado a hipótese que os números sejam inflados para serem usados como arma politica contra o país e o Trump.

    E Israel esteve jogando panfletos para contra-atacar a propaganda do Hamas que os instigava a protestar e danificar a cerca de segurança para entrar em território israelense, mas foi ineficaz.

  21. Infelizmente essa situação tende a se agravar, com medidas radicais de Turmp e Nethaniahu, do outro lado tem Palestinos, Iranianos, Sírios, ainda bem que o Egito não tomou nenhuma atitude, diplomática ou militar, senão o barril de pólvora estaria para explodir, vamos ver até quando.
    Uma solução na minha modesta opinião seria Jerusalém ser a sede da ONU e não em Nova Iorque como é hoje em dia, assim uma Jerusalém internacional sob os auspícios da ONU, distencionaria parte do problema. Os Radicais de ambas as partes terão que ceder senão teremos um conflito eterno.

    • Discordo em parte.
      Zurich ou Berna é que deveriam ser a sede da ONU e de outras organizacoes internacionais de mesmo nivel ja q a Suíça sempre foi um país neutro.
      Jerusalem poderia dividida por um triuvirato formado por uma jurisdicao israelense-palestino-vaticana onde cada um deles zelasse pela convivencia harmonica entre os tres paises e as tres religioes.

      MAS… isso é sonho!
      Sem chance de acontecer na vida real.

  22. Se todos aqui fossem palestinos, estariam fazendo a mesma coisa. E se fossem israelenses, estariam fazendo o que os israelenses estão fazendo.
    Mas aí chegou o gênio e resolveu por gasolina na fogueira para ver no que ia dar.
    Queria ver Trump instalando uma Embaixada em Lhasa é reconhecido o Tibete com um Estado independente.

  23. O fato é um só, onde prevalece a imposição cega não triunfa nenhuma verdade. Árabes, judeus e cristãos são todos de um único tronco ancestral. Não estou falando de pátria e sim de etnia pura e simples. O ancestral comum foi abraão. Depois tudo se misturou pela própria condição humana. São todos irmãos. Onde há imposição não há justiça, onde argumentos objetivos são analisados sem o conteúdo subjetivo, não há análise de conteúdo, apenas de continente. O ódio só nos traz infortúnios e não soluções. RESUMO: CAOS. CONCLUSÃO: NINGUÉM TEM RAZÃO E TODOS TEM RAZÕES.

  24. Srs
    Para contribuir ao entendimento histórico:

    Os judeus de hoje, nominalmente são descendentes do povo do reino de Judá que foi formado por duas das tribos dos hebreus. Isto depois da divisão do reino hebreu onde 2 tribos seguiram com o herdeiro de Salomão formando o Reino de Judá e as outras 10 formaram o Reino de Israel.
    Israel caiu sobre poder dos assírios e sua população foi morta ou espalhada pelo império assirio desaparecendo da história.
    Judá caiu sob poder da Babilônia que escravizou seu povo, mas este foi libertado por Ciro e voltou e reconstruiu Judá. Nos próximos séculos, eles mantiveram-se relativamente independentes e sem maiores conflitos até a revolta contra os romanos, quando ocorreu a diáspora e o Reino de Judá desapareceu.
    Cabe observar que, mesmo antes da revolta dos judeus, eles já estavam disseminados por todo o império romano e, portanto, os atuais judeus, provavelmente, devem ser descendentes não apenas daqueles que foram condenados a diáspora, como daqueles que já estavam espalhados pelo mundo.

    Outros pontos a lembrar:
    O atual Israel começou a se formar com a migração de judeus, particularmente, oriundos da Europa Central e do Leste para terras compradas na região, na época, sob domínio otomano, pelo movimento sionista.
    Na I GM, os britânicos acenaram para os judeus com a possibilidade da criação de estado judeu e, ao mesmo tempo, prometeram aos árabes que, contando com sua ajuda na luta cos os turcos, cederiam a eles as terras tomadas aos otomanos. Após a guerra, os britânicos não honraram devidamente nenhum dos compromissos assumidos, até porque foi criada a Liga das Nações que embolou tudo ao estabelecer um protetorado inglès sobre o Iraque e a Jordânia/Palestina e francês sobre o Líbano e a Síria.
    O conflito entre os judeus e os, hoje, palestinos, começou com a ação do Mufti de Jerusalém que ambicionava estabelecer um grande estado muçulmano centrado em Damasco e depois, quando os franceses assumiram o controle da Siria, um estado muçulmano com capital em Jerusalém. Focado neste objetivo, ele se empenhou em expulsar os britânicos da região e eliminar a imigração de judeus que acontecia desde o fim do século XIX.
    Em 1948, após a decisão da ONU em criar Israel e um Estado Palestino, uma coalizão de países muçulmanos atacou o território ocupado pelos judeus e deflagrou a guerra com Israel. Esta guerra, formalmente ainda não terminou no que se refere a parte dos países muçulmanos envolvidos na época, pois apenas o Egito e a Jordânia fecharam acordos com os israelenses.
    O conflito de 48 terminou com os israelenses ganhando mais terras do que perdendo (parte dos acessos a Jerusalém ocupada pelos judeus) e conseguindo interligar os territórios que ocupavam. E esta expansão levou a fuga de palestinos que foram formar acampamentos de refugiados em Gaza, na época território egípcio, e na Jordânia, que posteriormente, os expulsou, no famoso Setembro Negro.
    Um aspecto pouco citado é que a atual população, hoje dita palestina, se submetida a exames de DNA, provavelmente, apresentará origens bem mais amplas do que uma simples origem árabe, pois a região, ao longo da história, foi dominada por N impérios, e mesmo na época da diáspora dos judeus, parte da população local já era formada por diversos povos. Portanto, classificar os palestinos como árabes não corresponde bem a verdade étnica e nem mesmo é completamente correto classificá-los como muçulmanos, pois no meio há cristãos (ortodoxos, maronitas, coptas, etc.) e seguidores de outras religiões.
    Sds

  25. Olha…pra mim, o mundo seria bem melhor sem o oriente médio!
    Me desculpem! Mas cheguei a esta conclusão já faz alguns anos.

  26. Protestos? Tipo os 3 mil foguetes que são lançados contra Israel todos os anos? Ou algo tipo ataque com facas contra civis israelenses? Ou talvez os tunéis para matar israelenses?

  27. qual a diferença doq aconteceu hoje do que acontece na venezuela quando forças do estado atiram em manifestantes desarmados ???

  28. Mk48, boa noite.
    Se me permite, 2 coisas.
    1) Os judeus já iam para aquela região, em maior número, desde o fim dos anos 1800.
    Suas vilas foram MUITO atacadas. Além disso, depois houve a luta pela independência do Império Britânico. Eles foram o embrião das Forças de Defesa de Israel.
    2) Os palestinos não brigaram por um estado seu, antes da criação de Israel. Isso só ocorreu depois… dando a impressão de um movimento político e não de uma nação, q é o q Israel é, quer queiram ou não…
    Sds

    • Agnelo, Boa noite.

      Certíssimo o seu comentário.

      Lá em cima eu tentei fazer um resumo, mas o assunto é complexo e extenso.

      Obrigado.

  29. O que aconteceu hoje é um crime grave contra humanidade. O tal poderoso exército de Israel se especializou em fuzilar civis desarmados que estão apenas protestando.
    O engraçado é que os Israelenses adoram criticar outros governos de cometer genocídios, na verdade eles são especialistas em executar civis desarmados. Só falta dizer agora que fizeram essas matanças toda seguindo ordem de Deus. Dizem que são os escolhidos por Deus, mas praticam crimes graves que Deus condenas.

    Quando são criticados, usam antissemitismo como chantagem emocional…
    .

    • Onde você viu esses fatos? Nada que aconteceu vai na direção das suas palavras. Israel vai atirar em “civis” em pleno aniversário de independência… Nossa que atitude genial. Óbvio que não deve ter ocorrido tal fato…especialmente diante de uma mídia que “vitimiza” Gaza que é um celeiro de terroristas que usam crianças como escudo (fotos na internet provam).
      Gaza é bucha de canhão de grupos que desejam matar judeus (ponto final). O teu “” genocídio “” ficou apenas nas suas palavras sem fatos.

    • Quanta bobagem……

      Meu caro, o Hamas incentivou a turba a protestar na cerca que divide Gaza de Israel sendo que o exercito israelense havia avisado previamente que quem tentasse invadir o território do Estado Judeu seria recebido a tiros. E você ainda coloca a culpa nos israelenses?

    • XFF
      Desculpe , mais foi difícil não responder essa.
      “exército de Israel se especializou em fuzilar civis desarmados que estão apenas protestando.”
      DE onde você copiou essa da all jazira?? Você realmente acha que tem algum jovem de 18-21 anos que vive la que faz tiro ao alvo?
      Eu seria mais ” milhares tentando me acertar com pedras molotov e bombas , o que faço ?”
      Se põe na situação dos soldados escalados para defender a fronteira e me fale o que voce faria? Não esquece que o “manifestantes” gritam a 50 m de onde você esta “morte aos judeus!!”
      Logico você seguiria a máxima de nossa ex presidente. Vamos dialogar com eles!

  30. 41 retardad0s são mortos (com todo o respeito aos deficientes mentais que são mais inteligentes) , e 500 idi0tas são feridos, e por qual motivo ? Pq os EUA mudou sua embaixada para Jerusalém, ae os palestinos mais oprimidos que serviram de bucha de canhão, descontentes, não aceitaram o reconhecimento do tal feito, pq não reconhecem Israel como Estado!

    Tem tanta coisa “útil” por qual esses garotos poderiam morrer, como por exemplo: por liberdade, por defender um filho, os pais, um irmão, para defender sua própria vida, mas não, sabendo que Israel tem uma forma dura há muito tempo de reagir à essas agressões, contra seus soldados (não vou entrar no mérito se é certo ou errado) os bucha de canhão vão lá dar a sua vida, por causa de uma porcaria de uma embaixada, enquanto quem deu a ordem para esses garotos, está tomando seu áraque rodeado de mulheres, no bem bom, podres de rico com o c# cheio de dinheiro que recebem, ou já receberam de países como o Brasil, que enviava remessas para o “Estado Palestino” (leia-se Hamas), e já programando a próxima leva de garotos idi0tizados, para morrer por outras coisas inúteis.

    Me lembrou até o caso do prédio que desabou em SP, mas isso ae é outro assunto. Como tem idi0tas nesse mundão de Deus rsrs…principalmente nesse oriente médio, vai gostar de morrer assim por causas perdidas, ou coisas inúteis assim lá Palestina.

  31. Gozado…

    O Hamaz, incentiva a invasão…

    As IDF tentam de início bloquear com gás lacrimogêneo…

    A turba insiste..

    E os culpados são os israelenses

    • Era exatamente no que eu estava pensando. Acho plenamente possível ser a favor da existência de Israel e achar que eles exageraram na dose.

      • A história toda me lembrou um texto do Amos Oz de anos atrás. Ele é um israelense que lutou por seu país e pacifista pragmático (quer evitar a guerra mas reconhece que ela pode ser inevitável). Ele advertia que o ocupação israelense seria muito ruim para o para seu povo justamente por colocá-los no papel de opressores e que o melhor seria a solução dois dois estados.

      • Eu compreendo você Renato e também defendo a solução de dois estados. O problema é que do lado palestino não pensam assim, querem pura e simplesmente a destruição de Israel. O próprio Mahmoud Abbas é um duas caras que na presença dos líderes mundiais se compromete com a solução de dois Estado mas quando discursa para a turba prega o fim de Israel.

        • Netanyahu soterrou a opção de dois estados já faz tempo. Os assentamentos tornaram impossível a existência de outro território.

          Concordo com o Amos Oz que o papel de força de ocupação e/ou carcereiro está fazendo muito mal ao povo israelense, do ponto de vista moral. Talvez eu esteja sendo injusto, mas acho honesto ter um padrão mais exigente com a única democracia e o povo mais civilizado da região. Pelo menos uma resposta mais proporcional.

  32. Israel deu um recado aos palestinos e ao mundo. Jerusalém é a capital de Israel e isso é inegociável e irreversível. Podem protestar, atirar pedras, foguetes e tudo mais, Israel não vai recuar. Infelizmente.

  33. Não vou entrar no mérito da questão, se Israel está correto ou não na atitude que tomou e nas 41 mortes de palestinos realizadas pelo estado Judeu! É questão que somente diz respeito aos contendores. Mas, e se isto ocorresse no Brasil, digamos com internos de um presídio ou manifestação contra o governo em que alguns supostamente iriam colocar bombas ou estivessem armados, ou que partissem para cima das autoridades de forma ameaçadora, com foices, facões,ganchinhos e machado (tanto faz se são de esquerda ou de direita) Como seria a crítica dos noticiários e dos movimentos de defesa dos direitos humanos, tão ativos no Brasil e as mesmas ongs, com origem estrangeira. E quão alto iria a gritaria e esperneio internacional? Principalmente de europeus e americanos e em especial da vênus platinada? Sou a favor sempre da ordem e esta para ser mantida há um preço a se pagar. st4

  34. Interessante ver a reportagem na Band, o repórter enviado deles lá no meio do tumulto e os disparos comendo solto enquanto ele falava colocando sempre os soldados israelitas como os vilões covardes. O cara sai daqui pra ir lá no OM falar do que desconhece e desinformar é brincadeira viu.

    • Tomcat,

      Infelizmente a mídia brasileira é mestre em fazer isso.

      A situação no OM é extremamente complexa e a mídia fazendo este desserviço só contribui para que pessoas sem discernimento formem erroneamente as suas opiniões.

      Abs.

  35. Meu comentário não saiu, então vou tentar deixar apenas uma perguntinha, e não irei tecer comentários contra ou a favor, isto é questão de estado de Israel e dos palestinos, mas, se um protesto deste porte tivesse ocorrido aqui no Brasil, como reagiria a imprensa, as ongs de direitos humanos e o órgão da ONU de defesa dos direitos humanos? Pode ser protesto político (seja de esquerda ou direita) ou protesto e levante dentro de um presídio! st4

  36. “Manifestante pacífico” não joga pedra em soldados parados na fronteira. Israel tem o direito e o dever de se defender. É uma FRONTEIRA! Qualquer soldado, em qualquer país do mundo, faria exatamente o mesmo, ou pior.
    .
    O resto é mimimi esquerdopata. O povo palestino um dia irá entender que JAMAIS vencerá Israel pela força. Neste dia seus líderes bandidos e os canalhas árabes que os subvencionam e insuflam estarão com os dias contados…
    .
    Aceita que dói menos (2)…

  37. Não sou de esquerda, sou neto de convertido, assisti palestra do falecido sobrevivente de Auschwitz Alexander Larks, tenho livro autografado dele, e acho tal conduta de um povo perseguido (por europeus, lembremos) com gente desarmada o fim da picada.
    Larks nunca se achou “povo escolhido”, ele sabia o fardo que isto significava. Algo que todos deveriam saber, principalmente os messingélicos.
    Lá na frente Israel se verá frente ao julgamento da História. Um Estado que nasceu como uma promessa e se tornará um pesadelo.
    .
    Realmente pedras são mais perigosas que fuzis…
    Se os palestinos fizessem como os poloneses, que derrubaram o comunismo gritando “Gestapo!” quando dispersos ficava melhor ?

  38. Meu pensamento sobre a relação de judeus com cristãos: independente do que se faça, de perseguição ou não, de lado a lado, nós cristãos e eu católico devemos respeitá-los mesmo entendendo que eles erraram no julgamento de Jesus. São eles o povo escolhido. E nós somos a Nova Aliança. O legado deles não pode ser menosprezado e o nosso foi espalhar a boa nova no mundo inteiro. Por isso creio que mais cedo ou mais tarde nos entenderemos plenamente.

  39. Guerras civis começaram por menos em muitos países do oriente médio, estranho é defender uma reação destas e julgar moralmente ditadores como Bashar al-Assad, Muamar Kadafi e Sadan.
    Inaceitável….

    • Por isso que digo é necessário haver um contrapeso ao poderio militar de israel a na região, é inconcebível que uma “democracia” ache normal matar 51 pessoas por causa de protestos…
      O engraçado que este mesmo pessoal vem com um discurso moralista pra condenar o bolivarianismo venezuelano, fora o governo “fascista” russo e sua influência na ucrânia.
      Repito: Inacreditável…

      • Exatamente
        Ora, as IDF que são conhecidas por serem uma das mais bem treinadas forças do mundo, não conseguem controlar/lidar com manifestantes (mesmo violentos) sem sair atirando indiscriminadamente em civis?
        Inaceitável!
        Israel tem todo o direito de se defender, mas uma ação desproporcional e violenta dessa se espera de um Assad vida e não de um país como Israel

    • Carcará, esse pessoal que defende essas atitudes de israel nunca foram o bastião da moral e ética. Esses são os mesmos que defendem tortura de bandido aqui no Brasil, mas condenam os árabes por fazerem o mesmo, e ainda usando a máxima de que os árabes “não respeitam os direitos humanos”, o que eles mesmos consideram “coisa de comunista”.

  40. De fato, os manifestantes estavam errados em atirar pedras ou ameaçar com facões ou outra arma branca qualquer, mas em pleno 2018 uma força de segurança atirar com munição letal contra uma manifestação não é nada justificável. Existem trocentas armas anti-distúrbios como gases de pimenta, projéteis de borracha, jatos de água e armas sônicas para dispersar os manifestantes. Creio que houve abuso por ambos os lados, mas o abuso de autoridade do estado de Israel não pode ser justificável.

  41. Tem gente que pensa que tratava de um simples protesto.

    O objetivo dêles era invadir Israel.

    Já see tem quem conhecimento de os manifestantes receberam dinheiro para fazer agitação.

  42. arcara_br 15 de Maio de 2018 at 12:47 >>>
    Exatamente arcara_br. Esse pessoal defensores de crimes contra humanidade que Israel pratica adoram falar mal da Venezuela, Rússia, Síria e China. Quando Israel faz o pior ficam tentando arrumar desculpa esfarrapadas para defender genocídio de 59 pessoas mortas a sangue frio por Israel.
    Repito, não tenho nada contra Judeu ou Israelense, mas sou contra crimes que seus governos e militares cometem. O Deus todo poderoso acertará a conta com esses criminosos um dia.

    • Sua comparação é absolutamente descabida e, principalmente, desonesta! Venezuela, Rússia, Síria e China são ditaduras que negam direitos e garantias fundamentais mínimas aos seus cidadãos e também os oprimem, sequestram e matam contra os desmandos perpetrados pelos dirigentes desses países. Bem diferente do que se observa agora visto que os soldados israelenses estão apenas defendendo as fronteiras do seu país ante aos atos hostis promovidos pelo Hamas, organização terrorista que deseja o fim de Israel.

    • Os palestinos so crminosos. Mandam mulheres e crianças para que sejam abatidos e culpam Israel.

      É a pior espécie de ser humano sobre a terra.

      Se Israel fosse como a Russia ou China, os palestinos já teriam sido exterminator há muito tempo atrás.

      Israel tem muita paciência com essa turma.

        • A min não. Mas a judeus e libaneses, os quais eu conheci.

          Quantas familias palestinas mandaram seus filhos e filhas, vestidos com coletes bomba, a se imolarem, a troca de dinheiro?

          Eles no querem viver lado a lado com os judeus. Enter que se fodam.

      • sei que é falacia fazer isso, mas se você substituir palestinos por judeus escorreria uma lágrima do rosto de hitler, ele ficaria orgulhoso o nazismo acabou como forma de governo, mas o ódio humana é um poço sem fundo…

  43. Qual “contrapeso”ao “poderio militar” de Israel você deseja? a teocracia fascista iraniana que enforca homossexuais e onde o testemunho de uma mulher em juízo vale menos que o de um homem? ou seria a Turquia do sultão Erdogan?

    • Nessa altura do campeonato os dois. Foi vergonhoso o ocorrido e muito provavelmente garantiu a próxima leva de terrorista e odiadores do estado de israel, não existe estratégia nem inteligência nas atitudes tomadas pela IDF e as consequências são previsíveis, mais radicalização e apoio a qualquer ditador, teocrata que levante sua voz contra uma agressão desproporcional e injusta. Adivinhe que vai atrair a simpatia daquele barbudo que está no deserto sírio lutando a 7 anos?

  44. Reitero minha opinião. Israel reagiu com força total para deixar claro que não vai abandonar Jerusalém como sua capital. Os USA apoiam incondicionalmente. Para mim a repressão violenta é um ato pensado. As forças de defesa israelenses, experientes como são, não agiriam por impulso.

    • Então israel não pode reclamar de atos violentos do outro lado, já que não há unanimidade que aquela área pertença exclusivamente a israel… da mesma forma que tem pessoas que pensam dessa em israel tem quem pensa igual do lado palestino

      • Israel não reclama, apenas utiliza os atos violentos que recebe como justificativa. O outro lado faz a mesma coisa. Olho por olho, dente por dente – no OM é assim a milhares de anos.

        • Luiz, agora você acertou na mosca.
          Enquanto Cristo ensinou aos cristãos a perdoarem. Quando receberem uma bofetada numa face, oferecer a outra, judeus e muçulmanos se guiam pela Pena de Talião, o famoso olho por olho, dente por dente.
          Cada lado aceita a paz, desde que seja ele a desferir a última bofetada.
          Eu me vingo, porque você matou meu irmão.
          Eu matei teu irmão porque ele matou meu primo.
          Ele matou teu primo porque teu irmão matou meu cunhado.
          Teu cunhado foi morto porque ele matou meu avô.
          E como você disse, isso já é assim há milhares de anos.
          E continuará assim por mais milhares, se o mundo ainda continuar existindo.

  45. Israel exagera, bala de borracha, crime mimimimimimi quem quiser servir de cobaia no meu teste, se prontifique vou jogar uma pedra em vcs a dezenas de metros de distância, não pode correr, não pode reclamar, e tem que ficar lá parado igual um soldado malvadão da IDF,,,,, o Hamas usou milhões para escavar túneis para dentro de Isarel enquanto ainda tem áreas de Gaza destruídas pelas bombas, em vez de eles aceitarem logo seus vizinhos Judeus ficam fazendo circo, em vez de copiarem Macau, Taiwan, Hong Kong, Cingapura gastam seu dinheiro atacando os vizinhos,,,,, já foi visto eles tentando destruir a cerca, apedrejando soldados, colocando bombas perto da cerca (foram mortos na hora) ainda tem gente que acredita em protestos pacíficos, como o povo é pobre acredito que alguns devem estar ganhando uns trocados para estar lá, essa quantidade de mortos está é boa. nada de mais, e viraram mártires, estão no céu agora.

    • Ah claro, como se pedrada furasse capacete de um soldado da IDF. O cara quer comparar pedrada em soldado com colete, capacete, máscaras, tornozeleiras e outras vestimentas de proteção, com tiro de munição letal de fuzil contra o corpo desprotegido de uma pessoa.

    • Em gaza até a entrada de cimento e madeira é proibida, tente construir seu paraíso liberal por lá, garanto que vai mudar um poco seus conceitos sobre “mimimimimi”

        • eu não quero criar um paraíso liberal lá, eles que tem que criar, só vejo gente morrendo por idiotice, eles são mais preocupados em matar um Israelense do que melhorar a qualidade de vida deles próprios. sobre bombardear Isarel, eles não estão matando adoidado sua própria população, essa população nem é cidadã israelense. sobre concreto e madeira, interessante que eles conseguem foguetes, fuzis, munição, mas cimento e madeira pra reconstruir casas não kkkkkkkkkkkkk e os predios dos funcionários do Hamas e foram feitos com o que? deve ser por meio de tecnologia alienígena, assim como os túneis que levaram toneladas de cimento.

  46. Quando os ingleses reprimiam a colônia judia pré-1948 porquê os membros do Haganá e Irgun se escondiam por entre os colonos, de quem era a culpa da repressão ?
    .
    Turquia pediu para o embaixador israeli “passear” até ser chamado de volta. E ainda incitou outros países islâmicos a reconsiderar suas relações com Israel.

  47. Eu tenho um livro chamado “Guia de Armas de Guerra – Força de Area de Israel”. Quando os Britânicos deixaram Israel, todos os países vizinhos atacaram de uma vez o Estado, quase foi pulverizado mas Israel sobreviveu. Na Guerra dos Seis dias novamente tentaram fazer de novo e levaram uma surra do “paizinho”. Parece que os Países Árabes usam Palestina como “bucha de canhão” e todo mundo sabe o que eles não querem os Judeus por lá.
    Toda vez que eles tentam chegar num acordo os países árabes aparecem para “melar” o mesmo e assim vai ser por muito tempo, mas vai chegar um dia que outra vez esses mesmos países vão se reunir e atacar de novo Israel e a questão é: se ele for destruído a ONU vai considerar Genocídio ou Justiça? Se ele bater em todo mundo de novo, a ONU vai dizer que ele foi covarde a atacar as nações mais fracas que ele?

  48. Pois é, Carcará!
    Se é verdade ou não, mas parece que a manifestação partiu por parte dos palestinos mesmos e não do Hezbollah. Esses apareceram por lá tentando pegar carona na onda dos protestos.
    E para quem achava que Trump tinha colocado o baixinho no seu lugar, enganou-se.

  49. Não esqueçam um detalhe: os conflitos do OM estão, no fundo, relacionados com a disponibilidade de água. Os rios e fontes da Palestina/Israel não atendem plenamente as necessidades dos habitantes e há recrudescimento na luta pelo controle desse meio de subssistencia. As variações climáticas, com o aumeno das temperaturas médias, só fará ficar poir este cenário. As cabeceiras do Rio Jordão já não tem a cobertura florestal de outrora. O monte Sião, fonte de agua do degelo, não apresenta a habitual coroa branca dos gêlos, antes eternos. Uma solução para esse problema seria a dessalinização do mar, com modernas técnicas que possibilitam converter dois metros cubicos de agua salgada em dois de agua doce, com apenas dois kWh de consumo energético. Seriam gastos muitos bilhoes de dolares, porém, muito menos do que se gastam em armameentos para assegurar as fontes atuais. Obs – o mesmo acontece na Africa, onde o Saara cresce milhares de hectares, por ano.

    israel estão nas mãos de Israel.

  50. carcara_br 15 de Maio de 2018 at 21:42 >>>

    Se fosse Síria que tivesse fuzilado 59 civis a queima roupa já estariam preparando bombardeio e sanções. Organização dos direitos humanos na ONU estaria berrando por todos os lados. Essa organização dos Direitos humanos se calaram agora. Só se manifestam quando quando é contra inimigo dos EUA.

  51. É só ler os comentários acima pra entender que o que ocorre lá é a mesma coisa.
    – Foi você!
    – Não fui. Você que atirou a primeira pedra.
    – Quem atirou a primeira pedra foi Jesus.
    – Você é o culpado. Eu estava aqui desde os tempos dos romanos. Vocês chegaram depois.
    – Nós somos da religião judaico cristã!
    – Não existe religião judaico cristã, o que existe é muçulmano-judaico-cristão-orotodoxo, que vem desde Abraão, que ninguém sabe ao certo se existiu.
    Blá, blá, blá…

  52. As criticas internacionais contra Israel são exageradas por desconsiderar o contexto. Não se deve comparar manifestações típicas de países ocidentais com as ocorridas em Israel onde o Hamas usou os protestos como cobertura para tentar destruir uma barreira militar com o intuito de espalhar caos e morte em solo israelense.

    Uma resposta passiva por parte de Israel apenas mudaria a nacionalidade dos mortos. De um jeito ou de outro haveria mortes, e os israelenses tinham condições de evitar que fossem eles na lista de mortos.

    De todo modo, o Hamas conseguiu seu intento secundário que deveria ser de fazer parte da opinião pública mundial se virar contra Israel. Como não podem vencer por meios militares, terão que prosseguir com uma guerra psicológica.

  53. Título falso que tenta dar a entender que Trump matou 40 palestinos. O que esperar de órgãos de desinformação como o Estadão?

  54. Enquanto isso o gordinho bochechudo da CN deu um perdido e pulou fora das negociações. A Turquia mal recebeu o F-35 expulsou o embaixador israeli.
    Tenho a impressão que estão fazendo o Trump de bobo.
    Aí ele vai precisar dos aliados, como o UK, mas ele os desdenha, então se vira. Israel que ele messingelicamente apóia nunca envia seus soldados para fora em apoio aos EUA ou da ONU, pois possui uma Força de Defesa não-expedicionária.
    Trump quer resolver os seus problemas do seu próprio jeito, então é com ele mesmo.

  55. Segundo um oficial do Hamas dos 62 mortos 50 eram militantes do referido grupo terrorista. Ou seja, a retórica de que eram “manifestantes pacíficos chacinados pelo malvado exército sionista” caiu por terra……

  56. Em paralelo a toda essa confusão em Israel, a Intel pretende gastar alguns bilhões de dólares ao expandir suas instalações no país, como a Fab 28 em Kiryat Gat.

    Alguns países criticam Israel simplesmente para consumo público, mas manterão os laços diplomáticos e econômicos enquanto a poeira volta a baixar.

    • Essa data (14/05) é conforme o calendário gregoriano. Em Israel eles celebram de acordo com o calendário judaico, segundo o qual foi em 19/04

  57. Ainda bem que certas opiniões na representam o extrato da nossa sociedade. Graças a Deus.
    Para certos comentaristas tem que fazer uma depuração humana natar todos que não concordam com o grande lider do norte.

  58. Transcrevo aqui texto do Reinaldo Azevedo publicado em seu blog. Concordo com quase tudo o que ele escreveu.

    São, enquanto escrevo, 58 os palestinos mortos na fronteira da Faixa de Gaza com Israel nesta segunda. As autoridades palestinas falam em 2.700 feridos. Não é inverossímil porque os soldados israelenses receberam ordem para atirar contra quem rompesse a linha de defesa. É a cara dos terroristas do Hamas mandar os pobres desgraçados servir de bucha de canhão para que se confira depois verossimilhança à narrativa do martírio. Estariam em estado grave outras 116 pessoas. Na raiz do desastre há dois eventos: nesta segunda, os palestinos relembram a chamada “Nakba” — ou Dia da Catástrofe —, que corresponde à data oficial de fundação do Estado de Israel. A segunda motivação do protesto é a solenidade que marcou a transferência para Jerusalém da embaixada dos EUA, o que corresponde a reconhecer a cidade como a capital do país.

    Estima-se que, entre 1947 e 1948, cerca de 700 mil palestinos deixaram a região onde se instalou o Estado de Israel. Embora tenha havido casos de violência praticada por milícias judaicas contra moradores árabes, a maior parte das chamadas “expulsões” decorreu da compra de terras que pertenciam a sírios e jordanianos que não moravam no local, deixando as propriedades sob o cuidado de colonos nativos, que tiveram de abandonar suas casas.

    A verdade é que não havia uma “identidade palestina”. Curiosamente, ela começa a ser forjada pelo estabelecimento do Estado de Israel. Até porque a “Palestina” não designava um povo, uma etnia ou uma identidade cultural, mas uma região. Ou por outra: o “povo palestino” é uma criação política para resistir à criação do Estado de Israel. Lembro isso em nome da precisão. Não estou aqui a declarar que “os palestinos não existem”, como querem alguns. Se não existiam como identidade nacional, passaram a existir no momento em que a partilha da ONU determinou a criação dos dois Estados. Do ponto de vista estritamente legal, do direito internacional, o Estado de Israel passou a ser uma realidade junto com o Estado palestino. O primeiro existe, o segundo não.

    A verdadeira “catástrofe” foi outra. À medida que os países árabes resolveram se opor à criação do Estado de Israel, os chamados “palestinos” foram forjando a sua identidade no “anti-israelismo”. Os países árabes que resultaram da fragmentação do Império Turco-Otomano usaram, também eles, aqueles coitados como bucha de canhão contra o estado judeu.

    Os imigrados da então chamada Palestina jamais conquistaram a cidadania nesses países. E, com alguma frequência, foram tratados na base da bala. O maior massacre de que foram vítimas foi praticado pelo governo da Jordânia, que expulsou do seu território os grupos armados palestinos entre setembro de 1970 a julho de 1971. O país tinha abrigado essas organizações depois da derrota dos árabes na Guerra dos Seis Dias. Como o tempo, as milícias passaram a ameaçar a estabilidade do governo jordaniano. Yasser Arafat dizia que 20 mil palestinos morreram no confronto. O governo da Jordânia fala em pouco menos de quatro mil.

    Não conferir a cidadania a palestinos e seus descendentes foi a maneira encontrada pelos países árabes para manter o estado de permanente tensão, e essa política constitui um dos fundamentos que impede um acordo de paz. Essa decisão está na raiz da ficção dos mais de seis milhões de “refugiados” palestinos que estariam no exílio. Ora, “refugiados” por quê? Nem os 700 mil árabes que imigraram em 47 e 48, a maioria já morta, nem seus descendentes ganharam cidadania nos países árabes. São considerados um povo no exílio. Todas as vezes em que se tentou discutir com alguma seriedade um acordo de paz, a questão foi posta à mesa: a volta dos “refugiados”.

    Com uma população de pouco mais de 8 milhões de pessoas, Israel jamais permitirá esse retorno. Nesse total, há cerca de 1,8 milhão de árabes, que se identificam como “palestinos”, que somam ainda algo em torno de 4,3 milhões na Faixa de Gaza (perto de 1,7 milhão) e na Cisjordânia (2,6 milhões). Quando se pensa no retorno, fala-se da volta de cerca de 6 milhões de palestinos. Trata-se de uma questão de equilíbrio demográfico que, em ultimo caso, poderia custar a existência do próprio Estado de Israel.

    As guerras e Jerusalém
    O atual status da região deriva de duas outras “catástrofes” para o povo palestino: a Guerra dos Seis Dias, em 1967, e a Guerra do Yom Kippur, em 1973. Nos dois casos, Israel sofreu a agressão. Venceu e conquistou territórios. E isso, claro!, alimentou o radicalismo das vertentes expansionistas do sionismo que nunca acreditaram na decisão da ONU: a criação dos dois Estados. Não são grupos que, por seu turno, invistam minimamente na paz. E agora chegamos à questão de Jerusalém.

    Na chamada “partilha da Palestina”, feita pela ONU, a cidade de Jerusalém deveria permanecer sob gestão de uma força internacional, já que considerada berço sagrado de judeus, muçulmanos e cristãos. Na guerra de 1948, a Jordânia anexou o lado oriental da cidade, e as forças israelenses, o lado ocidental. Em 1967, Israel ocupa também o lado oriental. Em 1980, o país declara a cidade a sua capital indivisível, o que não é reconhecido pela maioria das nações. A ONU considera ilegal a ocupação de Jerusalém Oriental, que os palestinos querem como sua futura capital. Por essa razão, a maioria dos países mantém suas respectivas embaixadas em Telavive.

    Em 1999, o Congresso americano aprovou o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel. Sim, isto mesmo: o Congresso americano houve por bem legislar sobre matéria internacional. E votou que a embaixada americana no país deveria ser transferida para a cidade até 1999, conferindo, no entanto, ao presidente a licença para adiar a decisão a cada seis meses. E assim foi feito ao longo dos anos para evitar apagar o incêndio com gasolina.

    Mas não Donald Trump. Prometeu em campanha que operaria a mudança da embaixada e, bem…, está cumprindo uma promessa. Ao custo que se vê. Despachou para a cidade a filha, Ivanka, e o genro, o tal Jared Kushner, cujos rompantes o fazem parecer um verdadeiro “filho do sogro”. Na cidade, deu a seguinte declaração para apaziguar os ânimos: “Como vimos nos protestos dos últimos dias, os que provocam violência são parte do problema, não da solução”. Bem, considerando que as palavras fazem sentido, então seria preciso resolver o problema da violência eliminando a sua causa: os palestinos.

    O Hamas apela a métodos terroristas? A resposta é “sim”. A população de Gaza foi incitada a se lançar contra as forças israelenses. O grupo irriga a sua luta com o sangue dos miseráveis. O presidente dos EUA deveria atuar para apaziguar os ânimos, não o contrário. Mas Trump parece determinado a promover a guerra na região, não a paz. O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, é seu parceiro em outra ruidosa e perigosa empreitada recente: o governante israelense trouxe à luz documentos duvidosos, alguns comprovadamente velhos, sem validade, atestando que o Irã não estaria cumprindo a sua parte no acordo nuclear celebrado com os EUA, países europeus e a ONU.

    Trump declarou que os EUA se retiravam do acordo e anunciou a volta das sanções. Agora, o país estuda punir as empresas europeias que negociarem com o Irã, um dos financiadores do Hamas. Parece-me que, dado o conjunto da obra, o governo de Israel comete o erro de apostar todas as suas fichas naquele que se coloca como seu único aliado incondicional, ainda que o mais poderoso. Os árabes não conseguiram varrer Israel do mapa. Olhem quantas vidas custou esse esforço delirante. Temo que, do outro lado das fronteiras (e se deve tratar a questão no plural), haja escatologia de mesma natureza, mas oposta: a suposição de que Israel, em algum futuro possível, possa banir os palestinos na região. Também não vai acontecer.

    Esta terça promete mais algumas dezenas de mortes. São líderes estúpidos a fazer coisas estúpidas em nome de fantasias… estúpidas.

    E a estupidez, nesse caso, pode matar.

    • Ele de vez em quando acerta. Também concordo com quase tudo o que ele escreveu neste texto. Quando um texto é baseado em fatos históricos e não em achismos ideológicos e bandeiras que tais o entendimento do passado nos faz compreender o presente e tentar estabelecer cenários futuros. É simples.

  59. Reinaldo Azevedo, se vende por um jantar. Textos patrocinados no é da coisa. Defende que os pobres merecem ficar pobres para o bem do Estado. Um boçal.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here