Home Blindados Eurosatory 2018: GDELS revela novas variantes da família de veículos ASCOD 

Eurosatory 2018: GDELS revela novas variantes da família de veículos ASCOD 

3031
16

Novos veículos de combate estão sendo apresentados pela General Dynamics European Land Systems (GDELS) na Eurosatory 2018, que está sendo realizado em Paris, de 11 a 15 de junho

A GDELS apresenta novas variantes da família de veículos de esteiras ASCOD, incluindo ASCOD Medium Battle Tank (MMBT) e ASCOD Infantry Fighting Vehicle (IFV) na Eurosatory 2018. Segundo a empresa, ambos os veículos ASCOD foram desenvolvidos usando o “novo” Common Base Platform Design (CBP) da General Dynamics European Land Systems, com capacidade modular e arquitetura de veículo aberta com três soluções de power pack entre 530, 600 e 800kW, ou trilhos de aço ou elásticos e configurações múltiplas até a tripulação de três mais 8 combatentes.

O Tanque de Batalha Principal Médio (MMBT) é baseado em um chassi modificado da plataforma de veículo multiuso ASCOD. Com um peso bruto do veículo (GVW) de 42 toneladas, é equipado com um moderno sistema HITFACT de 120 mm da Leonardo (que inclui câmeras térmicas IR dia e noite com artilharia automática), armado com uma metralhadora coaxial de 7,62 mm.

O canhão de cano liso de 120mm dispara a munição padrão da OTAN e é acoplado a um sistema de controle de fogo computadorizado, dando ao comandante e ao atirador alças visuais/térmicas estabilizadas incorporando um telêmetro a laser.

O veículo de combate de infantaria (IFV) também é baseado em um chassi modificado da plataforma multiuso ASCOD, mas é equipado com uma torre não tripulada UT30MK2 da Elbit Systems, incluindo um canhão de alimentação dupla de 30mm, MG coaxial de 7,62mm, dois mísseis guiados antitanques (ATGM), um Sistema de Defesa Ativo Hard Kill e um avançado sistema de visão de 360 ​​graus para maior consciência situacional.

O peso bruto do veículo de 35 toneladas aumentou o volume para o compartimento traseiro da tropa.

Subscribe
Notify of
guest
16 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
PauloR
PauloR
2 anos atrás

Gostei desse MMBT. Já que o exercito não pode comprar tanques de primeira linha por causa do peso e $$, eles podem investir em tanques médios e modernos e espalhar por outras regiões do país como nordeste e centro-oste.

Ivan BC
Ivan BC
Reply to  PauloR
2 anos atrás

A questão do peso do blindado eu pensei a mesma coisa, se encaixa na exigência. Quanto a “espalhar MBT pelo território”, não faz o menor sentido ter MBT (mesmo de 42 toneladas) no norte e nordeste. Os MBT devem ficar no centro-sul (MS, GO, SP e Sul). Trata-se de uma questão de geografia do terreno, logistica, potencial de uso dos aparelhos, ou seja, algo técnico e estratégico.
Além disso, na minha opinião esse MBT da matéria deve custar uma fortuna e não parece ser tão robusto quanto um leopardo 2A4 ou Ariete.
Abraço!

Ivan BC
Ivan BC
Reply to  Ivan BC
2 anos atrás

Esqueci: Roraima também necessita de MBT, a localização, o terreno e o potencial uso favorecem.

Gabriel
Gabriel
Reply to  Ivan BC
2 anos atrás

Isso de que o EB não pode usar carros de combate pesados é um mito ridículo.

Cinturão de Orion
Cinturão de Orion
Reply to  Ivan BC
2 anos atrás

Verdade. Complementando apenas que o terreno + precipitação em RR não favorece o emprego Blindados sobre rodas. É um terreno que quando encharca fica com características de “movediço”. Mesmo no chamado “Verão”, se der uma chuvinha no Lavrado os rodados “atolam até o talo”. Só com “esteira” pra serem retirados.

Tomcat3.7
Tomcat3.7
2 anos atrás

Esse MMBT é bem bacana hein e o IFV idem. A torre com o sistema HITFACT de 120 mm é basicamente a mesma que tbm tem com canhão 90 mm a qual poderia ser colocada no Guarani 6×6.

SERGIO LUIS DA SILVA COSTA
SERGIO LUIS DA SILVA COSTA
2 anos atrás

Sou mais um T-90MS de 48 ton. Mais protegido e mais armado

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  SERGIO LUIS DA SILVA COSTA
2 anos atrás

Falta combinar com o EB, que não deseja o CC russo da mesma maneira que não queria o Pantsyr.

Delfim
Delfim
2 anos atrás

Modularidade é muito bom para enxugar custos e facilitar manutenção.
.
O MMBT tem as lagartas melhor protegidas, mais para dentro da couraça. É esteticamente limpo e liso, facilitando aplicação de placas. Bonito.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
2 anos atrás

A família ASCOD foi desenvolvida em conjunto pela Áustria e Espanha para atender a requisitos dos seus respectivos exércitos sendo que as empresas que desenvolveram o sistema ( Steyr-Daimler-Puch e Santa Barbara Sistemas) hoje são divisões da General Dynamics. Recentemente o programa ganhou um grande impulso ao ser escolhido pelo British Army, onde recebeu o nome de AJAX, onde serão adquiridos quase 600 veículos.

Não dá para negar que a versão MMBT é bem interessante.

Wellington Góes
Wellington Góes
2 anos atrás

Essa é uma ideia que o saudoso Bacchi defendia para o EB, uma família de blindados médios, baseados no mesmo chassis.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Wellington Góes
2 anos atrás

Mas acho que ele não excluía um MBT no andar de cima

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  HMS TIRELESS
1 ano atrás

Desenterrando o Topico pra variar:

rsbacchi 15 de janeiro de 2014 at 17:05
Mayuan, sem querer você disse aquilo que eu venho apregoando sempre: o nosso futuro é algo semelhante ao Merkava.

Absolutamente nada a haver com o Osório. Que este descanse em paz!

O EB precisa de um carro de combate com motor a frente, de um peso de cerca de 45-50 toneladas.

Deste veiculo principal, poderão ser derivados: VBTP, auto propulsado e outros.

Bacchi

http://www.forte.jor.br/2014/01/14/comeca-obra-da-fabrica-de-blindados-em-santa-maria/

karl bonfim
karl bonfim
2 anos atrás

Esse carro de combate não seria ideal para o corpo de fuzileiros navais?

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
2 anos atrás

Estes carros mais leves e com arma de 120mm. são os mais promissores do mercado. O que os exercitos procuram é poder de fogo, mobilidade e capacidade de transporte aéreo. Um especialista americano chegou a comentar que um M-41 revitalizado, motor turbo diesel e com eletronica atual seria um sucesso.

paulop
paulop
2 anos atrás

Interessante essas variantes do ASCOD. Seriam úteis tanto ao EB (na versão IFV) quanto ao CFN(com a versão CC Médio, que poderia bem substituir os Sk atuais).