Home Adestramento 5ª Divisão de Exército adestra pelotões de morteiro pesado 120 mm

5ª Divisão de Exército adestra pelotões de morteiro pesado 120 mm

5665
20

Três Barras (SC) – No período de 16 a 19 de julho, a Artilharia Divisionária da 5ª Divisão de Exército (AD/5) coordenou a execução da Operação Tuiuti, configurada como um exercício de adestramento dos Pelotões de Morteiro Pesado 120 mm das organizações militares de Infantaria e Cavalaria da 5ª Divisão de Exército (5ª DE).

A atividade teve como objetivo certificar o trabalho executado pelas guarnições de morteiro pesado, por meio da padronização de procedimentos e pelo nivelamento de conhecimentos técnicos, aprimorando a eficiência do apoio de fogo necessário à manobra.

No corrente ano, a preparação dos Pelotões de Morteiro Pesado iniciou-se por meio de educação a distância, na qual as guarnições utilizaram uma plataforma de ensino que foi estruturada pelo Comando da AD/5.

Durante a fase de aplicação prática, após a concentração dos meios no Campo de Instrução Marechal Hermes, foram destinados dois dias às instruções de nivelamento, contando com o apoio de militares do 15º Grupo de Artilharia de Campanha Autopropulsado (15º GAC AP) e do 20º Grupo de Artilharia de Campanha Leve (20º GAC L). Nessas jornadas, os Pelotões de Morteiro Pesado foram instruídos sobre central de tiro, observação e condução do tiro, bem como acerca dos procedimentos na linha de fogo. As instruções empregaram os materiais presentes em cada pelotão e utilizaram meios de apoio como o software “Bombarda”, a fim de adestrar a observação e condução do tiro.

No dia 19 de julho, as guarnições de morteiro realizaram os tiros previstos, na presença do General de Divisão Lourival Carvalho Silva, Comandante da 5ª DE; e dos Generais de Brigada Rodrigo Pereira Vergara, Comandante da AD/5, e Roberth Alexandre Eickhoff, Comandante da 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada.

Os oficiais-generais, acompanhados do Subcomandante do 15º GAC AP, do Comandante da Bateria de Comando da AD/5, bem como do Estado-Maior desse Grande Comando de Artilharia, verificaram os trabalhos realizados na central de tiro e na linha de fogo, avaliando os procedimentos adotados juntos às peças de morteiro. Posteriormente, a comitiva deslocou-se até o Posto de Observação, onde verificou a condução do tiro e a eficiência dos impactos nos alvos designados.

A Operação Tuiuti marcou o coroamento das instruções coordenadas pela AD/5, proporcionando o adestramento adequado dos Pelotões de Morteiro Pesado das seguintes organizações militares: 13º e 20º Batalhão de Infantaria Blindado; 30º, 33º e 34º Batalhão de Infantaria Mecanizado; 3º e 5º Regimento de Carros de Combate; e 14º Regimento de Cavalaria Mecanizado.

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

20
Deixe um comentário

avatar
4 Comment threads
16 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
12 Comment authors
Lobo BoboLeo Rezendecarvalho2008Pedro RochaLeandro Costa Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Bosco
Visitante
Bosco

Arma que eu respeito! Barata, rústica, eficiente, simples de operar.
Além do morteiro sou fã do CSR como o Carl Gustav e de lançadores de foguetes múltiplos rebocados como o Type 63:comment image
São todas armas rústicas que custam barato (podem ser adquiridas em grande quantidade) mas aumentam o poder de fogo de maneira contundente.

colombelli
Visitante
colombelli

concordo integralmente. Especialmente oi segundo.

Bosco
Visitante
Bosco

Colombelli,
Uma arma que falta ao EB também , ao meu ver, é um lançador de granadas automático tipo o Mk-19.

Fernando falcom
Visitante
Fernando falcom

Boa não sei por que o exército não usa lança granada como o mk19 só no pelotão de selva que usa os portáteis

Bravox
Visitante
Bravox

Qual é o alcance e precisão desse lançador?

colombelli
Visitante
colombelli

A Avibras se não me engano tinha desenvolvido um para o EB nos anos 80. Gira em torno de 7 a 8 km. Pode se dizer que é pouco menos que uma peça de M-101. Mas ele bate área e não ponto como faz o obuseiro.

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Boa noite Colombelli…
O amigo poderia, por favor, explicar a diferença ?

colombelli
Visitante
colombelli

O obuseito voce pode direcionar o fogo e fazer uma concentração em cima de um ponto, como por exemplo uma posição de metralhadora. As armas que batem ponto como morteiro de alma lisa e lança foguetes voce não terá certeza de atingir o ponto exato, pois há variações. Por isso voce atira em uma área, saturando-a na expectativa de atingir o ponto desejado.

Já vi morteiro acertar no limite do alcance no primeiro tiro, mas é sorte. Não dá pra ter certeza.

Para suporte ataques, normalmente o fogo é sobre área.

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Entendi…
Obrigado pelo esclarecimento

Jorge Augusto
Visitante
Jorge Augusto

Você fala do Skyfire? No site da AVIBRAS tem uma referência sobre o sistema terra-terra de foguetes. Mas não achei nenhuma imagem

Air-to-ground and ground-to-ground 70mm Rocket Systems

“The Air-to-Ground 70mm Rocket System, of latest generation, consists of high energy rocket motors, different warheads and launchers with armament control systems for almost all types of fixed-wing aircrafts or helicopters.

The Ground-to-Ground Rocket System, towed or mounted on light vehicles, is appropriate for special forces or light artillery, capable of firing a ripple of 36 70mm rockets in 12 seconds at ranges up to 12 km.”

Bosco
Visitante
Bosco

Jorge,
É esse: http://www.army-guide.com/eng/product4432.html
Infelizmente o EB não utiliza.
Tem a vantagem de usar foguete padrão dos helicópteros.

Épsilon
Visitante
Épsilon

Não seria o Astros Hawk que usa os foguetes Skyfire, nesse link mostra um pouco da evolução de foguetes no EB, vale uma conferida: http://www.ecsbdefesa.com.br/defesa/fts/FOGEB.pdf

Bosco
Visitante
Bosco

Épsilon e Jorge,
Os americanos fizeram algo parecido na década de 70 ou 80, mas nunca o adquiriram:comment image

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Lembra muito o Nebelwerfer alemão da WWII.

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

Tambem acho este tipo de equipamento extremamente barato e desequilibrante. e ainda acredito que tenha muito a evoluir. Mesmo sendo equipamento para fogo de area como bem colocado pelo Mestre Colombelli, sempre surgem situações para o tiro de ponto ou algum alvo tatico ou estrategico que se posicionou ao alcance. Ja existem granadas de morteiro com 20 km e alcance, uma planadora poderia chegar aos 30 km e isto muda muito no segmento de veiculos 3/4 tonelada. Foguetes tambem, a avibras montou estes pequenos lançadores portateis, são bem praticos e a miniaturização do guiamento laser tambem podera conferir tiros de… Read more »

carvalho2008
Visitante
Pedro Rocha
Visitante
Pedro Rocha

Olá senhores! Mestre Colombelli tenho a impressão (na primeira foto) que o soldado está na frente do morteiro! Esse posicionamento está correto? Não seria perigoso em caso que o projetil falhe e não ganhe distancia? Mestre Bosco eu sou um grande fã do Amos não seria interessante esse sistema nas brigadas blindadas e mecanizadas na plataforma Guarani? Mestres Bosco e Colombelli os sistema de foguetes de 70 mm guiados a laser numa carreta não seria interessante nesses pelotões de morteiros? Falo isso, pois acho que munição inteligente de morteiro deve ser bem mais cara que o foguete guiado a laser… Read more »

colombelli
Visitante
colombelli

Pedro, o 120 com roda o elemento fica na frente, inclusive tem uma plataforma para ele subir e por a granada quando a elevação for muito grande. A granada tem uma altura mínima para gerar impacto suficiente para acionar a espoleta. Se ela sair do tubo e cair bem na frente não explodiria. Por outro lado, se explodir logo adiante, estando ele na frente ou ao lado, morre igual. O M30 e o 120 antigo o cidadão fica do lado. No Mor Pes novo o eixo impede esta posição. Foguete guiado sairia caro demais. Deve sair na faixa de umas… Read more »

Leo Rezende
Visitante
Leo Rezende

Off topic… Essa é a nova padronagem do uniforme do EB?

Lobo Bobo
Visitante
Lobo Bobo

Sim. Esse aí é o uniforme conhecido como “alta solidez”.

A camuflagem dele é mais escura e desbota menos que o antigo.