Home Adestramento 17º RC Mec coopera com 20º RCB na instrução do NPOR

17º RC Mec coopera com 20º RCB na instrução do NPOR

3358
62

Amambai (MS) – No período de 29 de outubro à 1° de novembro, o 17º Regimento de Cavalaria Mecanizado (17º RC Mec) recebeu a visita de instrução dos alunos do Núcleo de Preparação de Oficiais da Reserva (NPOR) do 20º Regimento de Cavalaria Blindado (20º RCB) cumprindo um Pedido de Cooperação de Instrução (PCI).

Os alunos visitaram as instalações do Regimento, conheceram a Seção de Instrução de Blindados (S I Bld), a sala de simuladores virtuais de combate e o simulador tático da Viatura Blindada de Transporte de Pessoal Média sobre Rodas Guarani (VBTP-MR 6×6 Guarani). Durante o Exercício no terreno ocuparam uma Zona de Reunião (Z Reu), realizaram reconhecimento de Eixo, Zona e Área e por fim, ocuparam uma Posição de Bloqueio (P Bloq).

DCIM/100MEDIA/DJI_0622.JPG

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

62
Deixe um comentário

avatar
22 Comment threads
40 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
16 Comment authors
CarvalhoAgneloFlávio HenriqueAlexandre zivianicolombell Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
paulop
Visitante
paulop

Ainda acredito que o EB deveria rever a estrutura dos PelCavMec. Claro que os pel tem uma funcionalidade específica, mas me parece que tem muito veículo aí. E ver os exploradores nestes veículos dá medo…

Alex Melo
Visitante
Alex Melo

Acredito que os LMV Linces assumirão essa função, resta saber quando teremos recursos para isso…

Ronaldo de souza gonçalves
Visitante
Ronaldo de souza gonçalves

São veículos muito frágeis para a cavalaria mecanizada, é preferível comprar os hummer velhos através do fms , e quando tiver dindin comprar os hummer novos.È igual aõs helicópteros cobra compre os velhos quando as coisas melhorarem compre os zíper novos ir o pessoal ir se familiarizando com o equipamento.

odilson benzi
Visitante
odilson benzi

Eu já vi os HMMWV de perto, quando estive no Haiti. Eles também não são blindados, seria uma troca ruim, até porque não existe peças de reposição no nosso comércio para as peças do seu motor, como exemplo. Esse é o meu ponto de vista. Cabe salientar que foram oferecidos a preço de banana para o EB, porém, não é o caso comprar.

paulo costa
Visitante
paulo costa

Eu gosto muito do marrua mas ele não oferece proteção nenhuma e foi feita assim para ser mais barato mas espero que o LMV i venha substituir em grande quantidade nofuturo próximo

Lucas Hilarião Padoveze
Visitante

Eu só imagino como esses veículos se sairiam em um tiroteio ou em uma emboscada, precisamos de blindados 4×4, me tirem essa dúvida a alguma empresa nacional que suprirá isso?

Maurício.
Visitante
Maurício.

Lucas, no Rio de Janeiro depois que um soldado levou um tiro no pescoço, os militares fizeram uma gambiarra e tentaram cobrir a carroceria de um Marruá AM21 com vários coletes a prova de bala(uma gambiarra terrível), depois às pressas (mais uma vez) colocaram umas chapas de aço no Marruá AM21, é como eu disse esses dias, depois que acontece uma tragédia é que vão pensar numa solução.
Até o marruá blindado é melhor que essa tranqueira toda aberta aí.

odilson benzi
Visitante
odilson benzi

oa marruá que você viu são da infantaria, e não da cavalaria! a cavalaria utiliza as VTL Rec (a das fotos) e o emprego é buscando ver o inimigo antes de ser visto, justamente como o colombelli explicou.

Maurício.
Visitante
Maurício.

Adilson, não importa se são da infantaria ou da cavalaria, o fato concreto é que ambos veiculos são falhos.
Vou colocar aqui o que o comentarista Carvalho escreveu muito bem.
“O marruá é excelente veículo para recolher leite na Granja, levar saco de adubo, trazer verduras da horta.”
Eu diria que ele é bom também para aprimoramento de doutrina e pra levar os milicos pro treinamento com um “baixo custo”, apenas isso, num cenário que não seja o de treinamento aí já começa a aparecer suas falhas e as gambiarras entram em ação.

odilson benzi
Visitante
odilson benzi

Não fique chateado com a minha observação a seguir, mas baseado em que você me diz que o veículo é falho? qual a sua experiência de emprego dessas viaturas? Gostaria de saber qual a experiência do carvalho tambem…É fácil fazer comentários depreciativos sem ter conhecimento do que está falando…

odilson benzi
Visitante
odilson benzi

Se caíram na emboscada já estão errados, pois deveriam ter visto o inimigo antes de serem vistos….mas digamos que caíram, o pelotão tem mais dois cascavéis, cada um com um canhão 90 mm e duas metralhadoras mag, tem um guarani com REMAX e um Grupo de combate embarcado e tem mais um guarani com um morteiro 81mm…..esse restante do pelotão que fará a TTP de contra emboscada.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Trabalho na Lapa- SP, próximo do 21º D Sup. Volta e meia eu vejo umas viaturas Agrale Marruá circulando na região.
Sobre fazer RECON com esses veículos, seria possível fazer essa função com mini-drones?

Carvalho
Visitante
Carvalho

O drone auxilia, sem dúvida, principalmente para não expor a tropa.
Mas os exploradores também tem a função de ocupar posição e fazer defesa de algum posto tático.
Assim, a substituição pura e simples não é possível.

O marruá é excelente veículo para recolher leite na Granja, levar saco de adubo, trazer verduras da horta.

Mas não esqueçam que o EM tem visão estratégica de longo prazo..resultado de anos de observação…eles sabem que qualquer dia pinta um FMS qualquer da vida por aí

colombelli
Visitante
colombelli

Pessoal tem nas minhas contas aproximadamente 170 pelotões C mec para serem mobiliados, a 6 viatura cada um. Seria 1020. Quanto custa um LMV. A resposta de quando isso vai ocorrer está obvia. não teremos mais de um bilhão pra por nisso. É melhor ter um veiculo blindado? claro. Mas a blindagem não é o principal fator neste tipo de veiculo. A patrulha de exploração avança por lanços em alta velocidade e com cobertura da outra. Na ação retardadora, atira desenfiada e se move o mais rápido possível. O veiculo é uma plataforma para a metralhadora e pode ser usado… Read more »

odilson benzi
Visitante
odilson benzi

Hoje o Pel C Mec possui 5 VTL Rec Marruá, dois cascavéis e dois guaranis (GC e Pç Mrt).

Forte abraço!

colombell
Visitante
colombell

acho burrice por um blindado pro morteiro. Desperdício quando são necessários na infantaria mecanizada e o numero escasseia. Ja comandei o morteiro no pel apoio blindado e era desperdício de um M113. Sempre estávamos à retaguarda. Uma vtr comum com reboque dá conta tranquilo. se fosse uma seção a duas peças talvez fosse de se cogitar.

Alexandre ziviani
Visitante
Alexandre ziviani

Colombelli,o valor do LMV gira torno de 400 mil euros a unidade,enquanto o Humvee custa mais ou menos 250 mil dólares(sem FMS,com FMS deve ser mais barato),alguém poderia me explicar o porquê do EB não ter interesse em um blindado barato de se adquirir e manter como o Humvee?

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

O EB quer produzir aqui além de que serve para manter o fluxo de trabalho na Iveco além que seu motor se encontra no mercado civil e creio eu que o mesmo já é empregado em algum veículo no mercado brasileiro.

colombelli
Visitante
colombelli

400 mil euros dá 1.6 milhão, metade do preço de um Guarani. Uma facada isso.

odilson benzi
Visitante
odilson benzi

Para a cavalaria mecanizada o morteiro tem que ir em uma viatura blindada anfíbia, principalmente por causa das operações de segurança. Como exemplo cito a transposição imediata de curso d`água, o morteiro tem que ser montado na outra margem para fazer fogos de proteção o mais longe possível…..no caso da infantaria não vou opinar, pois não sou infante.

Rodrigo Martins Ferreira
Visitante

Quando eu era viciado no DCS Blackshark um comboio destes era dizimado em instantes..

Collombeli, o que são estes aparelhos da segunda foto e terceiras fotos ?

colombelli
Visitante
colombelli

material de vigilância de área do SISFRON suspeito. Não é material orgânico de combate.

É bom lembra que o deslocamento do comboio está FS ( fora de situação). Normalmente operam muito espalhados. Dai a importância vital das com na cavalaria.

odilson benzi
Visitante
odilson benzi

As fotos mostram os ninóculos termais e o radar de vigilância terrestre, ambos são do sisfron, porém, tem importância em emprego em missões de guerra.

Carvalho
Visitante
Carvalho

Na terceira foto é um binóculo termal

Carvalho
Visitante
Carvalho

Rodrigo,
Na terceira foto é um binóculo termal

Carvalho
Visitante
Carvalho

Em ações ofensivas (cenário mais provável de emprego de um RCMec no país), é uma temeridade lançar exploradores nos marruás. Conheço esta realidade em campo. Mesmo com cobertura, basta uma detonação fortuita para botar fora de ação uma gaiola destas por estilhaços (principal fator de baixas em combate). Em campo aberto a situação também é crítica. Uma passagem em pontilhão na campanha vira uma roleta russa. Não é à toa que hj a principal ferramenta dos exploradores são os binóculos termais. Não por outro motivo o EB deseja adquirir LMVs. Deveria fazê-lo imediatamente, ao menos uma fração de rápido emprego.… Read more »

odilson benzi
Visitante
odilson benzi

Não concordo com as suas observações Carvalho! busque verificar as viaturas de reconhecimento de países que estão constantemente empregados em combate e perceberá que a maior parte não é blindada. Existe um livro muito interessante que se chama “Scouts Out!, o desenvolvimento das unidades de reconhecimento nos exércitos modernos”, é um livro do instituto de estudos de combate do Exército Norte Americano. Esse livro analisa como evoluiu em emprego tático e constituição de pessoal e material as tropas de Rec dos principais exércitos, desde a era à cavalo até os dias atuais. Deem uma lida e entendam um pouco mais… Read more »

Carvalho
Visitante
Carvalho

Odilson, Vou ler com atenção…obrigado pela indicacao. Li as conclusões. Mas acho que com o Uso do marruá temos as seguintes consequências; – diminuição da velocidade de progressão (o veículo não blindado vai exigir mais cautela, até pelo efeito psicológico na guarnição; – potencial aumento no número de baixas; – menor flexibilidad do uso do RCMec. Com o LMV seria possível momtar mais um GC em ações ofensivas; – o uso do marruá praticamente transforma, no caso de contato com o dispositivo inimigo, em observadores sem função tática; – vc argumenta que no contato deve haver desengajamento….então vai deixar o… Read more »

Carvalho
Visitante
Carvalho

Odilson
Ainda sobre o tema:
Fui olhar suas referências sobre os scout platoon do US Army e do Jackal inglês.

Na minha busca só apareceu o Humvee (que é blindado). O Jackal tem proteção contra IED e kits de blindagem…

Ou seja….o marruá tá devendo….

Bardini
Visitante
Bardini

Na minha cabeça, o Jackal sempre foi veículo de emprego pelas forças especiais…

Carvalho
Visitante
Carvalho

E ele veio para substituir um Land Rover blindado que era muito frágil !!!

odilson benzi
Visitante
odilson benzi

DEsculpe, mas o HMMWV não é blindado, tive oportunidade de ver e até passear nele durante minha missão no Haiti. O que os americanos fizeram foi blindar alguns HMMWV (alguns com material feito por empresas outros com gambiarras iguais as nossas, como citaram mais acima). Nem os EUA tem viaturas blindadas para todos os seus exploradores….nós teremos? tenho certeza que não! não adianta querer ser mais realista que o Rei. Tenho 22 anos de cavalaria mecanizada e GARANTO que com o adestramento correto e o foco em ver primeiro, garante a vida do explorador….está comprovado ai no livro que citei.… Read more »

colombelli
Visitante
colombelli

Assino embaixo Odilson. Nada como um elemento de carreira falando. Perfeito. Eu parei de rebater elementos que teimam contra décadas de experiência e diretrizes de um comando profissional e realista porque não vale a pena. A gente tenta dar a visão global, mas não adianta

Carvalho
Visitante
Carvalho

Boa noite Odilson. Deixa eu reproduzir (apenas para embasar meu argumento) parte do artigo “O impacto dos Programas Estratégicos do Exército nas possibilidades da Cavalaria Mecanizada” de autoria do comandante do Centro de Instrução de Blindados General Walter Pires, tenente-coronel Carlos Alexandre Geovanini dos Santos, e do Instrutor Chefe da SI Bld do 17º Regimento de Cavalaria Mecanizado, capitão Marcelo Eduardo Denotti Junior: ” é possível salientar que ao atingir o estado final desejado, as OM Mec estarão dotadas de modernas viaturas blindadas, como Viaturas Blindadas Multitarefa – Light Multirole Vehicle (VBMT – LMV), Viaturas Blindadas de Reconhecimento Média de… Read more »

odilson benzi
Visitante
odilson benzi

Boa tarde Carvalho, sobre o artigo da 4ª Bda e do SISFRON, fui Comandante de Esquadrão do 17º RC Mec, fui Oficial de Operações e fui o 1º Instrutor chefe da SIBld do Regimento, inclusive o capitão trabalhou comigo e revisei o artigo dele antes de ser publicado, à pedido do mesmo. Fui também instrutor do glorioso Centro de Instrução de Blindados, General Walter Pires. O artigo diz que a futura adoção do LMV, dentre vários outros materiais maximizaria as capacidades da Cavalaria Mecanizada e eu NÃO tenho dúvida disso, trabalhei com guarani, binóculo termal, SVMR-T e M (radar de… Read more »

odilson benzi
Visitante
odilson benzi

desculpem os erros de pontuação…esses teclados de celular são aversos a cavalarianos….kkkkkkkkkkk

Carvalho
Visitante
Carvalho

Boa tarde Odilson
Obrigado pela resposta.

Mas tem uma questão que ainda me agrada conjecturar:

Em um engajamento o VTL é destruído e a guarnição morre (creio que isto mesmo para armas leves);
O MLV, contra armas leves, a guarnição não morre e a vtr continua operando;

O que me leva a concluir que, SEM OPTRONICOS, operações OFENSIVAS com o Marruá, mesmo em cenários de baixa intensidade, envolvem alto risco para suas guarnições.

Correto ? Saudações

Não se preocupe com erros de teclado ! Aqui ninguém é Rui Barbosa

colombelli
Visitante
colombelli

Mais uma vez corretíssimas colocações Odilson ( 12h37), e é oque eu tenho dito também reiteradamente. Melhor ter blindagem, com certeza, mas não ter não torna a viatura inútil ou incapaz. Ela a penas perde em um dos quesitos e ganha em outros. Se for pra ser destruída, será de qualquer jeito e a realidade dos EUA tem mostrado isso. O comando avaliou o custo benefício e optou pelo Marruá. Em alguns setores teremos o melhor disponível, em outros não. O importante é que a missão possa ser cumprida, ainda que com mais risco ou sacrifício. Hoje carecemos priorizar o… Read more »

colombelli
Visitante
colombelli

Carvalho, pontilhão é tarefa do GC e inclusive tem um protocolo de como faz o reconhecimento. As Vtr so passam depois de estabelecida vigilância do outro lado. Mas claro, como eu disse é obvio que se puder ter um blindado é melhor. Ali se tem menos proteção que em um veiculo civil. Tem que maximizar a maneabilidade e rezar. É como a infantaria dentro do M-113 ou de um Guarani. Se alguem atacar não será com um fuzil e se vier uma arma ac vira um forno crematório. Felizmente as áreas de emprego permitem largo emprego do deslocamento em campo… Read more »

Maurício.
Visitante
Maurício.

Achei o veículo perfeito para o EB, pequeno, leve, ágil, e inclusive mais bem armado que o marruá, e o melhor deve custar bem menos que os 160 mil do marruá.
comment image

Bardini
Visitante
Bardini

Pergunta…
Esses Cascavéis, nesta função, seriam melhor substituídos por:
– Um blindado equipado com um canhão que use munição 30 x 173mm, contando com capacidade ABM e talvez algum míssil AC e sua metralhadora coaxial?
http://www.ares.ind.br/new/img/banner/ut30-mk2.jpg
– Um blindado equipado com canhão de alta pressão de 105/120mm, capaz de engajar até alvos móveis a grande distância e a noite, contando ainda com duas metralhadoras?
– Um combinado dos dois?
– Nenhum dos dois?

Bardini
Visitante
Bardini

Sobre o Marruá…
.
Nunca será: https://www.youtube.com/watch?v=K0GioaWhTjQ

Agnelo
Visitante
Agnelo

Prezados Emboscada: Contra 01 Marruá? Qual o valor disso? As Marruás atuam em conjunto, não ficando as 4 do GE na mesma Zona de Matar… Ou seja, emboscar decisivamente uma Marruá, levará as outras 3 a flanquear o emboscador, q estará levando fogo de dois cascavéis e um Mrt 81, tendo um GC Mec também o contra-atacando… Ou seja… emboscada suicida. Resta uma emboscada de inquietação, para retardar o avanco do reconhecimento, o q é previsto, dentro das TTP dos Pel CMec. Emboscada dentro de uma Área de Segurança. Mais provável, porém, quando o Brasil terá um área para SEGAR… Read more »

colombelli
Visitante
colombelli

Pra por 06 ou 08 homens dos GE somar com o GC? Convenhamos que em um ataque destes, bastante incomum, é muito pouco provável que este incremento agregue muito, ao passo que serão mais 170 guaranis para adquirir em um programa que ja está periclitando. Tem a substituição do cascavel, a substituição do Urutu e todas as 05 brigadas de infantaria pra mobiliar. O que é prioridade? mobiliar a infantaria e um minimo da cavalaria ou por dois Guarani por pel C Mec, empurrar os cascaveis anos a fio e prejudicar a composição da infantaria? Isso so tem sentido se… Read more »

Agnelo
Visitante
Agnelo

Não, camarada
O GC na Vtr dele e o pess do GE na VBTP do Mrt, já q não é específica, mas uma VBTP normal.

Carvalho
Visitante
Carvalho

Esta concepção de rearranjo de frações sempre foi (pelo menos para mim) um ideal cavalariano.
Tenho um livro de um cmdt de esquadrão de PCMec cubano na guerra de Angola onde ele reorganizava seus dispositivos para cada jornada, de acordo com missão, terreno e oponente.
E sempre, nas palavras dele, como ensinado no sua Escola de Oficiais.

Na FEB, como exemplo, durante a fase da ofensiva no vale do Pó, o Mascarenhas “motorizou” sua infantaria, deixando a Art a pé!!!
Liderança não se aprende em manuais

Saudações

Carvalho
Visitante
Carvalho

Este é o ponto que em me bato. O marruá diminui muito a flexibilidade do PCMec Em uma situação de ataque a um pequeno ponto forte, ou mesmo para desbordar uma posição de inquietação, como dito, as vtr terão que ficar à retaguarda. Um LMV (ou qualquer outra vtr similar) poderia ter função tática no desbordamento, fazendo diversão dos fogos e fixando o dispositivo inimigo. Um LMV, nessa função, é mais rápido e mais ágil do que usar o Guarani. Os IEDs hj deixaram de ser apenas armadilhas de irregulares. Monte uma seção com IEDs, faça fogo leve nos exploradores… Read more »

Agnelo
Visitante
Agnelo

Sem duvida.
Não dá pra usar a Marruá para o Assalto.
Entendo q ela engaja a distância e quem manobra é o GC e a Sec de Carros.
A LMV dará melhor flexibilidade.
As LMV serão para os GE dos Pel CMec e os Pel Exp dos RCC e BIB. Lembrando q varios Esqd CMec acredito q se tornarão Leves, quando suas Bda tiverem a mesma mudança.
Sds

colombelli
Visitante
colombelli

Um LMV pesa muito, muito mais que um Marruá. Não vai ter mais agilidade, ainda mais em campo aberto. IEDs tem boa aplicação em áreas montanhosas ou urbanas onde hoje atuam exemplificativamente os EUA, por conta dos gargalos. Aqui na campanha o que mais tem é lugar em campo aberto pra progredir. Dá pra se usar estrada o mínimo possivel e nos pontos de possivel uso de IEDs e emboscada reconhecer com o GC primeiro. Seja LMV seja Marruá, um ataque a ponto forte é feito pelo GC com apoio que fica a retaguarda sempre. Hoje com AT4, canhões sem… Read more »

Agnelo
Visitante
Agnelo

Não rolará mesmo.

Carvalho
Visitante
Carvalho

IED somente em áreas urbanas e montanhosas???
Combina com os russos e avisa o US Army !!

Quem falou em lançar os LMV (ou Humvee) em ação de ataque a ponto defendido?? Eu não !!
Quem falou em adquirir LMV para todos os PCMec?

Marruá é muito limitado
Aceita que dói menos…

Colombelli
Visitante
Colombelli

Carvalho estuda onde são feitas emboscadas com ieds ou convencionais. Agnelo ja esclareceu. Não se embosca um elemento de reconhecimento. E se isso fosse ser feito, há áreas propicias. Campo aberto não é uma delas. Ou voce quer plantar milhões de ieds em áreas onde a probabilidade é infima?. Se faz isso em gargalos de grande ptobabilidade de passagem e isso se vé em montanhas e área urbana. Pra cobrir campo aberto como tem aqui tu teria que por em toda parte. Me mostre um video de ataque fora de estradas. Não há. E aqui podemos andar boa parte do… Read more »

Colombelli
Visitante
Colombelli

Carvalho estuda onde são feitas emboscadas com ieds ou convencionais. Agnelo ja esclareceu. Não se embosca um elemento de reconhecimento. E se isso fosse ser feito, há áreas propicias. Campo aberto não é uma delas. Ou voce quer plantar milhões de ieds em áreas onde a probabilidade é infima?. Se faz isso em gargalos de grande ptobabilidade de passagem e isso se vé em montanhas e área urbana. Pra cobrir campo aberto como tem aqui tu teria que por em toda parte. Me mostre um video de ataque fora de estradas. Não há. E aqui podemos andar boa parte do… Read more »

Carvalho
Visitante
Carvalho

O entendimento de que IED será usado apenas para emboscada é de alguem que ficou parado no tempo, independente de ter sido suboficial profissional.
No desbordamento ofensivo as vtr, mesmo que por pouco momentos, podem ficar as vistas e sofrer fogo do inimigo.
Se houver algum conflito….combina com o oponente que só poderá combater em Saicã. Se houver algum ambiente distinto, faça um ofício ao Cmdte reclamando de que o cenário não está previsto no manual.

Saudações

colombelli
Visitante
colombelli

Carvalho, voce está perdendo o argumento e a elegância. Não carece né? Prtimeiro, um IED é uma emboscada não presencial, por definição. E voce so irá usa-lo onde sabe que o adversário irá passar com boa probabilidade. Não tem como tu por um IED a cada 10 metros em toda parte. Tá ok? ( Bolsonaro) Fogo inimigo pode ocorrer a todo momento, e armas AC, desde uma granada de bocal, podem por cabo a um LMV. Se voce vai usar a viatura ofensivamente tem um preço de risco a pagar, seja blindada ou não. Quanto a tua falácia sobre o… Read more »

Carvalho
Visitante
Carvalho

Meu caro, Desculpe se perco a elegância, mas não tenho muita paciência com carteiraços. Ao contrário do que vc afirma, tenho experiência em comando de Esqd. CMec e Pel CC. 90 por cento das operações de CMec são de reconhecimento de eixo. Em ação ofensiva. 90 por cento do trabalho é feito pelos Exploradores. Se eles estiverem em vtrs que garantam proteção contra fogo indireto (estilhaço e tiros de inquietação) vc pode empregar com mais flexibilidade o GE. (Cf reconhecido aqui por um oficial do EB, que vc gosta muito de citar) A função de “ver primeiro” está tremendamente evoluída… Read more »

colombelli
Visitante
colombelli

Olha Carvalho, se voce entende o trazer experiência aqui, coisa que eu e outros que somos de fato profissionais com formação de carreira, fizemos, so posso lamentar. Acho que so voce está vendo as coisas sob este prisma. Paciência é pressuposto para debater com respeito e sadiamente, pois nem se está dando carteirada e nem se está falando alguma asneira, seja de um lado seja de outro. Emboscar uma mera unidade de reconhecimento? Fique a vontade para desperdiçar munição. Tu certamente não fez ESA nem AMAN. Sem ofensa viu, mas tem até elementos da ativa e de carreira aqui (… Read more »

Carvalho
Visitante
Carvalho

Meu amigo, a carteirada está ficando mais alta! Antes vc disse que não aceitava minha opinião por ser civil. Agora diz que não tenho ESA nem AMAN… Vou ter que fazer ECEME para poder discutir com vc? Este assunto de Emboscada não foi citado por mim. Vou tentar ser mais claro. Engajar os Exploradores não é emboscada, mas eliminar a principal peça de desbordamento tático do Inimigo,. Se vc deixar passar para atacar a seção de CC, aí sim vc comete suicidio, pois vai se posicionar entre duas frações do PCMec, tendo fogo pela retaguarda e sem condições de retrair.… Read more »

colombelli
Visitante
colombelli

A proposito, os primeiros 04 dos 16 LMV comprados para a intervenção no Rio estão chegando.

colombelli
Visitante
colombelli

Carvalho, não sei se tu é civil ou não. Pelo que tu fala, foi temporário o que se revela no conhecimento pouco profundo que tu revela do funcionamento das outras armas que não a cavalaria. Eu falo por mim, e eu tive formação de carreira, que é de outra profundidade e com ensinamento de funcionamento de todas as armas na ESA. Sem ofensa, mas isso é fato. O temporário aprende da sua e o básico. Obvio que tu não precisa ter ensino formal militar para debater e tampouco tenho pretensão de te convencer ou cercear tua opinião sob suposto argumento… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

“Atacando o reconhecimento tu entrega tua posição, impede que a tua vanguarda descubra coisas do que vem atras e terá baixissimo resultado. Vai matar 03 diabos em uma “gaiola motorizada” ou quem sabe destruir um LMV desperdiçando um missil AC.” . Toda sua argumentação está fundamentado no fato de que você veria o reconhecimento e teria garantias de que não foi e nem seria visto, para ter posição entregue via rádio… . Outro ponto importante que você não considera, é o fato de que os conflitos de hoje são de curta duração e não é só chutar uma moita, que… Read more »

Carvalho
Visitante
Carvalho

Prezado, Se vc pretendo ficar se deslocando entre vanguarda e o grosso da tropa inimiga com um míssil AC, começo a ficar preocupado com o que andam ensinado na ESA. Todos os teus exemplos citados por ti são de guerrilha. Ou vc dDesgarrou da tropa, ou é o Rambo. Em toda a sua argumentação, sem exceção, vc começa tentando me desqualificar, o que é patológico (talvez tenha algum histórico com desajuste em alguma instituição). Por fim (antecipo aqui que não mais lhe responderei) , o único exemplo de emprego de nossas forças armadas nas últimas décadas foi decorrente de invasão… Read more »