Home Adestramento Manobra Escolar 2018 na AMAN

Manobra Escolar 2018 na AMAN

4015
14

Resende (RJ) – Teve início, no dia 6 de novembro, as atividades conjuntas da Manobra Escolar 2018 na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), com um painel de ambientação e caracterização do exercício militar.

A manobra escolar reúne 4.300 militares, mais de 500 veículos e 10 aeronaves, no período de 5 a 16 de novembro. Organizada pelo Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx), é uma das mais importantes atividades de combate simulado do Exército Brasileiro. Ela emprega os equipamentos e armamentos mais modernos disponíveis, além de contemplar diversos aspectos da guerra moderna, como o combate a forças irregulares e o enfrentamento em ambiente humanizado. Nesse período, os moradores da cidade de Resende e região presenciam uma grande movimentação de militares, aeronaves e viaturas pelos municípios e também pela Rodovia Presidente Dutra.

Paralelo aos exercícios tipicamente militares, também são realizadas ações cívico-sociais, nas quais o Exército tem a oportunidade de prestar diversos serviços à população, como atendimento médico-odontológico e ambulatorial, além de reforçar a integração da Força Terrestre com as comunidades. Serão visitadas as comunidades de Nossa Senhora do Amparo, em Barra Mansa, nos dias 8 e 9 de novembro; Quatis, nos dias 10 e 11 de novembro; Falcão, em Resende, no dia 11 de novembro; e Porto Real no dia 12 de novembro. Os atendimentos serão realizados das 8 h às 12 h e das 13 h às 17 h, nos postos de saúde de cada comunidade. Para serem atendidos, os interessados devem realizar o agendamento, no posto de saúde mais próximo da sua residência.

Para recepcionar os componentes de diferentes equipes e ambientá-los quanto às atividades operacionais, o Subcomandante da AMAN, Coronel Paulo Roberto Coriolano, fez a abertura da atividade no Teatro Acadêmico. Nela, procedeu-se a um pequeno histórico do exercício: “A manobra escolar da AMAN mudou muito dos anos 1980 para a que estamos realizando hoje. De um evento interno da AMAN, envolvendo os cadetes no treinamento e na execução naqueles anos, chegamos a um exercício que envolve diversos estabelecimentos de ensino vinculados ao DECEx, no qual participam cerca de 4.300 militares. Esse conjunto de atividades é impactado por duas equações: a do tempo e a da segurança, no que diz respeito a seu nível de realismo”, explicou o Subcomandante.

Ele continuou sua explanação ressaltando aspectos garantidores de sucesso para o evento: “a equação do tempo, porque não é possível um planejamento que supere o período da própria manobra e a equação da segurança, porque não é possível praticar ações militares deixando à parte a gestão dos riscos”, destacou o Subcomandante da AMAN. Encerrou a sua fala com um chamamento a todos quanto às suas responsabilidades do princípio ao fim da exercício. “Há três fatores que proporcionam a segurança em operações: o primeiro é o próprio militar que é responsável pela sua integridade física; o segundo é o militar que o acompanha, uma vez que todas as atividades são realizadas com o mínimo de dois militares; e o terceiro é a responsabilidade do planejamento da operação”, concluiu.

A mais alta autoridade presente no painel de abertura foi o Comandante de Aviação do Exército, General de Brigada Carlos Waldyr Aguiar. Além da AMAN, participam da Manobra Escolar 2018 o DECEx; a Diretoria de Educação Superior Militar; o Comando de Operações Terrestres; o Centro de Comunicação Social do Exército; o Centro de Estudo de Pessoal e Forte Duque de Caxias; a Escola de Inteligência Militar do Exército; o 1º Batalhão de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear; o Comando de Aviação do Exército; o 1º Batalhão de Operações Psicológicas; o Centro de Adestramento Leste; o Hospital Militar de Resende; o 6º Grupo de Mísseis e Foguetes; o 6º Batalhão de Inteligência Militar; o 1º Batalhão de Guerra Eletrônica; o Centro de Instrução de Guerra Eletrônica; o Instituto Militar de Engenharia; o Hospital de Campanha; a Escola de Comando e Estado-Maior do Exército; a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais; a Escola de Formação Complementar do Exército; a Escola de Saúde do Exército; a Escola de Aperfeiçoamento de Sargentos; a Escola de Sargentos de Logística; a Escola de Instrução Especializada; a Escola de Sargentos das Armas; o Comando de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército; e o Centro de Instrução de Artilharia, Mísseis e Foguetes.

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

14
Deixe um comentário

avatar
5 Comment threads
9 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
Rinaldo NeryDoug385Jefferson EduardoMikhail BakuninRodrigo Martins Ferreira Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Eduardo Oliveira
Visitante

Manobra padrão. 2015 estive lá, profissionalismo show de bola. Teve até emprego real da Infantaria.

Cangaceiro
Visitante
Cangaceiro

E não é que o Exército tem ótimos fotógrafos! As fotos, 3, 5, 8 e principalmente a 6 estão muito bonitas!!!
Pena que o CCOMSEx não os citem nominalmente.

Pedro Rocha
Visitante
Pedro Rocha

Olá senhores! Treinar e preparar! O melhor investimento na Força é justamente no combatente! Uma pergunta as mestres: Estou vendo foto de um Jaguar com FLIR e outro sem. Pergunto, acho que já li que todos os H-225 do EB serão equipados com o FLIR isso procede?

colombelli
Visitante
colombelli

Positivo, mas uns vieram sem equipagem completa e será instalada em uma segunda fase. Os do EB é todos padronizados. O que me preocupa é aquele problema da transmissão que não se falou mais.

Rodrigo Martins Ferreira
Visitante

O que não tem solução, solucionado está..

Pedro Rocha
Visitante
Pedro Rocha

Mestre Colombelli saudações! Não tenho visto mais noticias acerca do problema de transmissão do H-225, acredito que os procedimentos padronizados pelo fabricante mitigaram em parte esse temor! Um relato que vi do 3/8 da FAB diz que a disponibilidade está ótima! Inclusive o 3/8 tem feito operações embarcadas (alto mar) com a marinha! Fico impressionado com o preconceito com essa aeronave, fabricada e configurada aqui! Bem como sou entusiasta mas leigo respeito as opiniões! Eu tenho muita esperança que o FLIR se torne padrão em todos H-225 militares exceto o VIP!

Mikhail Bakunin
Visitante
Mikhail Bakunin

Não é preconceito Pedro, é pós conceito, pessoas morreram por causa dessa MGB problemática.

Pedro Rocha
Visitante
Pedro Rocha

Mestre Mikhail Bakunin saudações! Também morreram muitos no Blackhawk em virtude da sub motorização quando usado no binômio clima quente e (ou) altitude, tanto que o mesmo foi retrofitado com turbinas mais potentes! Respeito sua opinião mas reafirmo que os H-225 são fabricados aqui e principalmente configurados aqui no Brasil! Como estudante de engenharia sei do grande valor da massa critica de inteligência, algo que realmente é estratégico para o País! Somente para exemplificar será que conseguiríamos integrar qualquer FLIR de prateleira nos nossos UH-60 sem ter que envia-los para os EUA? Aproveito para perguntar aos mestres onde é feito… Read more »

Doug385
Visitante

Amigo, eu como contribuinte me sinto no direito de ter todo o preconceito possível com um equipamento que me custou 50 milhões de dólares a unidade e ainda assim apresenta problemas.

Matheus Parreiras
Visitante
Matheus Parreiras

Ver o EB ainda usando obuseiro da 2º guerra da agonia, fora isso ótimas fotos e ótimo exercício, tropas profissionais sem dúvida.

Mikhail Bakunin
Visitante
Mikhail Bakunin

E o pior, obus sobre rodas! RODAS!!! Acredita nisso? Usar rodas em 2018, uma equipamento com mais de 6 mil anos, é agoniante o quão obsoleto está nosso exército!

Doug385
Visitante

Amigo, todo obuseiro auto-rebocado ainda utiliza… rodas, inclusive o M-777. Ainda não inventaram nada mais eficiente para locomoção em terra.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Era pra flutuar? Esquis? Não entendi.

Jefferson Eduardo
Visitante
Jefferson Eduardo

Belas fotos, eu fico encantado com essas manobras!!