Home Ciência e Tecnologia Exército participa da 16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia em Brasília

Exército participa da 16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia em Brasília

3921
48
Exército participa da 16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia em Brasília – Foto: Brenda Ortiz/ G1

De 21 a 27 de outubro, em Brasília-DF, acontece a 16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, cujo principal objetivo é aproximar a população, principalmente crianças e adolescentes dos ensinos fundamental e médio, dos temas relacionados à ciência e tecnologia.

O Exército Brasileiro, por intermédio do Departamento de Ciência e Tecnologia (DCT), participa do evento por meio de exposição de material e projetos. Em seu estande, será possível conhecer equipamentos para confecção de cartas cartográficas, veículos blindados, como o Guarani, radares de vigilância como o SABER-M60, material usado para construção de estradas e pontes, além de outras obras realizadas pelo Departamento de Engenharia e Construção do Exército. Também estarão em exibição instrumentos de telecomunicações, mapeamento e desenvolvimento de sistemas informatizados.

Alunos de oito Colégios Militares de todo o Brasil estarão presentes apresentando projetos científicos desenvolvidos por eles, especialmente os voltados ao tema da Semana neste ano: Bioeconomia. Os visitantes poderão, ainda, conhecer as formas de ingresso no Exército e no Colégio Militar de Brasília e esclarecer dúvidas sobre as missões do Exército e sua atuação na defesa da pátria e manutenção da soberania nacional, além de diversas atividades subsidiárias.
Serviço

16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

Data: 21 a 27 de outubro de 2019.
Local: Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade, Brasília-DF.
Horário: de 21 a 26: das 9h às 20h.
dia 27: das 10h às 17h.

O evento é gratuito.

Para saber mais acesse o site oficial: https://snct.mctic.gov.br/

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

Subscribe
Notify of
guest
48 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antunes 1980
Antunes 1980
7 meses atrás

Por que não investir novamente no MBT Osório.
As novas tecnologias encaixariam como uma luva neste ótimo projeto.

comment image

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

E lá vamos nós…

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Alfa BR
7 meses atrás

Tem um episódio de Pica-Pau onde a bruxa pra fazer a vassoura voar fala exatamente a frase de seu comentário.rs

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
Reply to  Tomcat4.0
7 meses atrás

comment image

Pedro
Pedro
Reply to  Alfa BR
7 meses atrás

Sempre aparece as viúvas do Osório… Aja paciência kkkkkkkkkk

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Deixem o Osório descansar em paz, deixem sua alma ir para o Olimpo dos tanques…

Já era, já foi! Olhemos para o futuro ao invés de chorar por algo que poderia ter sido mas não foi…

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Adriano Madureira
7 meses atrás

Simplesmente a melhor do ano;
“Deixem o Osório descansar em paz, deixem sua alma ir para o Olimpo dos tanques…”

gari
gari
Reply to  Adriano Madureira
7 meses atrás

Saudades do que a gente não viveu

Rafael G Oliveira
Rafael G Oliveira
Reply to  gari
7 meses atrás

Kkkkk

Wellington Rossi Kramer
Wellington Rossi Kramer
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Parece o Itamar, quer ressuscitar o Fusca!?

Flanker
Flanker
Reply to  Wellington Rossi Kramer
7 meses atrás

Só que entre o Osório e o Fusca existe uma diferença abissal! Enquanto o Osório, apesar de suas qualidades, nunca foi fabricado, o Fusca, ao contrário, entregou exatamente aquilo para o qual foi idealizado e, com isso, teve mais de 23.000.000 de unidades produzidas e foi o embrião (o primeiro veículo) daquela que se tornou uma das maiores fabricantes de veículos da história…inclusive dando o nome à mesma!

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Faz isso nãoooooooo Antunes, pra que exumar o defunto ??!!!

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Tomcat4.0
7 meses atrás

MBT Osório, uma verdadeira alma penada dos sites de defesa. Um zumbi.
Zumbizório!

Lucas
Lucas
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Eu não sei o que é pior.

Esses caras que querem ressuscitar o Osório.

Ou aqueles “especialistas” de Facebook revoltados com as doações dos M-41 pro Uruguai, pois ainda são úteis por aqui.

Será que não são os mesmos?

Mauricio R.
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Coitado do Tamoyo da Bernardini, ninguém lembra dele…

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Mauricio R.
7 meses atrás

Po, e do Charrua? Meu Deus!!

Mauricio R.
Reply to  Marcelo Andrade
7 meses atrás

Quem gosta do Charrua é o Foxtrot. Veja no tópico da reforma dos M113.

Fábio Bueno Vinholo
Fábio Bueno Vinholo
7 meses atrás

Acho de excepcional importância estes encontros e exposições do exército, mais os eventos de portões abertos da força aérea e a visita nos portos pelo Brasil a navios da marinha. Cria nos jovens o sentimento de comunhão com a pátria e o desperta para a ele a vontade de seguir a carreira militar.

Bardini
Bardini
7 meses atrás

Achei engraçado expor um Cascavel em uma feita de C&T…

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Bardini
7 meses atrás

É um exemplo de sucesso, historicamente. Seria o equivalente a expor um T-27 Tucano.

Gordo
Gordo
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
7 meses atrás

Exatamente isso, um exemplo de sucesso que quando exposto exibe nossas viceras do quanto damos pouco valor para algo nosso. Hoje dependemos da Itália para fazer algo que para Nós deveria ser natural tivesse a Engesa sido conservada e devidamente saneada, lembrando que isso seria possível com bem menos dinheiro do que foi dado a tantas montadoras estrangeiras que vieram para cá.

samuka
samuka
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
7 meses atrás

Mas com o devido respeito, é uma feira de tecnologia Nunão, não um museu..
seria equivalente a expor um 486 em uma feira de C&T…

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  samuka
7 meses atrás

O 486 não tem mais utilidade, não foi desenvolvido aqui nem exportado. O Cascavel ainda tem uso, foi projetado aqui e exportado. A diferença é considerável.

De qualquer forma, não vimos (ao menos os que estou debatendo aqui, pelo que suponho) a exposição pra entender o fato do Cascavel estar lá. Então estamos apenas fazendo suposições do seu valor ou não na exposição

Renato B.
Renato B.
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
7 meses atrás

Um projeto nacional muito legal que estava lá foi um simulador de salto de paraquedas com realidade virtual. Também tinha um maquete do 14-x e um capitão da FAB explicando o seu desenvolvimento. Sim, existem excelentes projetos brasileiros.

Caio
Caio
7 meses atrás

As forças armadas dos EUA foram, e provavelmente ainda são, o maior motor de desenvolvimento científico daquele pais, tanto sobre instituições de ensino públicas e privadas, quanto de empresas particulares, as nossas FA são o quê mesmo para a ciência??? Do país.
Parece que se contentar como fazenda é destino manifesto do Brasil e isso mesmo aos esforços da heroica embrapa; pois se não ouvessem empresários dedicados do agronegócio e terras fartas, nem nisso haveria desenvolvimento.

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Caio
7 meses atrás

Caio,

A verbas que o Pentagono destina ao MIT, e ao Draper Laboratory (somente para citar dois exemplos), chega na casa de centenas de milhoes de dolares, tanto para a pesquisa pura, quanto para a pesquisa aplicada.

Sendo o primeiro (MIT) destinado a pesquisa pura, ainda a nivel teorico.
comment image

No segundo caso, o Draper pesquisa e desenvolve tecnologias avancadas.

https://www.draper.com/business-areas/strategic-systems

Fernando XO
Fernando XO
Reply to  Tadeu Mendes
7 meses atrás

Prezado Tadeu, pode colocar nessa conta a DARPA e a Defense Inovation Unit (DIU)… abraço…

Marcos R.
Marcos R.
Reply to  Caio
7 meses atrás

Você nunca deve ter ouvido falar do Centro tecnológico da Marinha, que desenvolveu o clico atômico completo, do IME cuja tese de um de seus doutorandos causou rebuliço com os EUA por praticamente reproduzir uma ogiva W87, ou do DCTA, de onde se originaram os principais projetos aeroespaciais do país…ô complexo de vira latas!

Caio
Caio
Reply to  Marcos R.
7 meses atrás

Conheco IME desde meus tempos de UERJ com bons garotos sonhando com ciências que só usam em conceito, e acabam indo parar na iniciativa privada pois aqui NUNCA HOUVE POLÍTICA DE GOVERNO PARA A CIÊNCIA ou mesmo de qualquer outro sustentáculo para uma nação produtora de conhecimento, salvos os heróis que conseguem as vezes até com SEU PRÓPRIO DINHEIRO manter pesquisas importantes para o pais. E isso hoje só piora! independente da linha de governo por que a ESQUERDA grita que a educação e a ciência só serve para o mercado capitalismo e a DIREITA berra que ambas,só servem para… Read more »

Mauricio R.
Reply to  Marcos R.
7 meses atrás

O reverso dessa medalha é desapontador. Se o Centro Tecnológico da Marinha é assim tão bão, então pra que compramos a tecnologia da TKMS para as corvetas/fragatas “Tamanduá”, do edital rasgado???? Dos submarinos franceses nem vou tocar no assunto. E o IME e esse blindadinho de série B da Iveco???? Se eles lá são assim tão bão, deveriam prover o EB c/ algo de deixar Eitan, Boxer, Bumerang e Patria AMV/XP ou Super AV, se roendo em seu complexo de vira-latas, mas… Agora imperdoável mesmo foi darem ao blindadinho de série B, o nome da maior obra do imenso Antônio… Read more »

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Mauricio R.
7 meses atrás

Seu pessimismo e descontentamento com tudo nas forças armadas é beeeeem antipatriótico e sem fundamentos viu. Primeiro, o Guarani foi feito segundo requisitos do EB e não segundo os seus, atende ao EB no que ele precisa e propôs (o 8×8 virá quando tiver $$$). Segundo, se vc pode encurtar o tempo de aprendizagem e diminuir o valor a gastar para obter uma capacitação em determinada área(vide Gripen, Scorpene e Tamandaré’s) por que não o fazer ??? Preferia ficarmos 30 anos desenvolvendo capacidade do nada e precisando de meios pra depois começarmos a projetar e 50 anos depois (já com… Read more »

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Tomcat4.0
7 meses atrás

Tomcat, vai perder tempo com esse velho conhecido do blog? Olha os deslikes, figurinha conhecida!

Mauricio R.
Reply to  Marcelo Andrade
7 meses atrás

“Deslikes” são falta de conhecimento e argumento, pra comentar.

Mauricio R.
Reply to  Tomcat4.0
7 meses atrás

Quem sabe faz a hora, não espera acontecer. Sou mais patriota que você, pois não me iludo com os espelhinhos dos ladrões da pau brasil. O Guarani é tão somente os requisitos do EB modelados de acordo com a tecnologia da IVECO, nada mais, nada menos. É um produto do portfólio Iveco, adaptado as necessidades do EB. Tem nada de original lá, é prateleira da IVECO pura e simples. Encurtar o tempo de aprendizagem???? Diminuir o valor a gastar para obter a capacitação em determinada área???? Pra somente fabricar sob licença, sem domínio algum sobre a tecnologia e ficar dependente… Read more »

Cavalo-do-Cão
Cavalo-do-Cão
Reply to  Caio
7 meses atrás

“Caio

As forças armadas dos EUA foram, e provavelmente ainda são, o maior motor de desenvolvimento científico daquele pais, tanto sobre instituições de ensino públicas e privadas, quanto de empresas particulares, as nossas FA são o quê mesmo para a ciência??? Do país.
Parece que se contentar como fazenda é destino manifesto do Brasil ”

Sabem quanto é investido em ciência, tecnologia e indústria no braziu? :

https://www.youtube.com/watch?v=SAlVbjZR958

α Tau
α Tau
Reply to  Caio
7 meses atrás

Olhando tudo que os outros países passaram, nosso país não passou por nada, o povo precisa apanhar para aprender o que é ruim e ter certeza do que não quer mais para o futuro…

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  Caio
7 meses atrás

“as nossas FA são o quê mesmo para a ciência?” Meu amigo nao fosse por ela estaríamos em um patamar ainda pior. Agradeça , por ela a ela conseguimos hoje projetar reatores nucleares , graça a ela nesse país existe ( existiu?) uma das maiores empresas de aviação do mundo, de fazer inveja até a muitos países ocidentais. Quando o Brasil joga, o mundo espera no mínimo ver um espetáculo maravilhoso e sui generis, o problema é que ninguém joga mais pela seleção ou pela camisa, só sobra primeiras damas, todos querem as luzes da celebridade, o ter do que… Read more »

Agra
Agra
Reply to  Caio
7 meses atrás

Você ouviu falar em CNPQ, EMBRAPA, EMBRAER? Tudo contribuição de militares. E não adianta comparar com Estados Unidos, um país que historicamente vive em Conflitos.

Jorene
Jorene
7 meses atrás

Ô tempo bom quando eu era criança e ia visitar a EXPOEX em São Paulo nos anos 70…

Elton
Elton
7 meses atrás

Sabe o que empusiona de verdade ciência e tecnologia :guerra ou a constante ameaça de uma .

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Elton
7 meses atrás

Então se não houver mais guerras a ciência e tecnologia estagnariam?

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Alfa BR
7 meses atrás

Senão houver uma necessidade com certeza…

E esta vem de dois lugares do Governo ou do Mercado.

Como não é um feito chinês não sai aqui..

https://www.uol.com.br/tilt/noticias/redacao/2019/10/23/google-anuncia-supremacia-quantica-entenda-o-que-muda-agora-na-computacao.htm

Mas de imediato, com um processador quântico operacional, todas as criptografias do planeta se tornaram obsoletas.

Elton
Elton
Reply to  Alfa BR
7 meses atrás

Todos os países com alto grau de tecnologia e ciência tem uma coisa em comun na sua história contemporânea e recente.conflitos e tensões militares constantes.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Elton
7 meses atrás

Qual foi a ultima guerra que o Japão se envolveu? E a Alemanha? Suíça?

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Alfa BR
7 meses atrás

Boa pergunta Alfa BR .

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Alfa BR
7 meses atrás

Teoricamente ainda estão em guerra…(a URSS/Rússia não assinou o fim da SGM com o Japão) fora que tem um doi…ditador que viver brincando com fogo….

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Elton
7 meses atrás

“Todos os países com alto grau de tecnologia e ciência tem uma coisa em comun na sua história contemporânea e recente.conflitos e tensões militares constantes.”

Os países africanos e do Oriente Médio também.

Rafael G Oliveira
Rafael G Oliveira
7 meses atrás

Eu sinceramente gostaria de levantar uma questão do profissionalismo nas forças armadas, os métodos de ensino na qualificação dos profissionais são excelentes, não tenha dúvidas….além do baixo orçamento nos projetos, manter esses profissionais nas forças armadas é uma tarefa dificil, acaba perdendo para o ramo privado e todo o conhecimento adquirido se vai….ja parou para pensar quanto custa formar um profissional de ciência e tecnologia? é triste a situação….