Home Adestramento Operação Arroio V/VI: Paraquedistas se preparam para o exercício Culminating nos EUA

Operação Arroio V/VI: Paraquedistas se preparam para o exercício Culminating nos EUA

2312
25

Rio de Janeiro (RJ) – De 3 a 8 de agosto de 2020, dando continuidade ao adestramento da Companhia Culminating, a Brigada de Infantaria Pára-quedista (Bda Inf Pqdt) realizou a Operação Arroio V/VI.

Participaram da operação 393 militares integrantes da brigada e do Centro de Adestramento Leste. A atividade foi realizada no Campo de Instrução General Moacir Araújo Lopes (CIGMAL), da Escola de Sargentos das Armas (ESA), em Três Corações (MG).

O exercício buscou simular o emprego da Força-Tarefa 25º BI Pqdt na conquista e manutenção de uma cabeça de ponte aérea, oportunidade em que a Subunidade Culminating foi submetida a diversos problemas militares simulados, envolvendo todas as funções de combate. Coroando a atividade, a tropa realizou um investimento na localidade de São Bento Abade (MG), cumprindo mais um objetivo de adestramento.

A atividade contou com a presença do Chefe do Preparo da Força Terrestre, General de Divisão Marcos de Marcos de Sá Affonso da Costa, acompanhado por uma comitiva do Comando de Operações Terrestres e pelo Comandante da Bda Inf Pqdt, General de Brigada Helder de Freitas Braga.

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

Subscribe
Notify of
guest
25 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Tomcat4,2
3 meses atrás

É isso ai, prontidão e treino a exaustão pra quando o bicho pegar fazer bonito .

Fabio Araujo
Fabio Araujo
3 meses atrás

Ou estão divulgando mais ou aumentou o número de exercícios de nossas forças armadas, espero que tenha aumentado pois significa que estamos com um pouco mais de grana para gastar na formação o que é um bom sinal.

Heinz Guderian
Heinz Guderian
3 meses atrás

Me parece que aos poucos o equipamento individual dos soldados está melhorando, excelente, para frente é que se anda!

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
3 meses atrás

Desculpem a pergunta, mas na 1° foto, é um AT-4 ou um ALAC?

Matheus
Matheus
Reply to  Willber Rodrigues
3 meses atrás

O ALAC é o AT4, só que fabricado no Brasil.

DaGuerra
DaGuerra
3 meses atrás

MOLIVARIVE atuante na área!

Foxtrot
Foxtrot
3 meses atrás

Quase chorei de tanto rir da 3 imagem.
Estamos no Vietnã? Kkkk
Duas observações:
1- Cadê as ALAC e notícias de compras substanciais da mesma?
2- Putz como o EB adora essa abominação desta mochila ante ergonômica e ultrapassada.
Duas coisas que um dia ficarei muito feliz de não ver mais no EB.
Essas mochilas e esse padrão de camuflagem.
Por fim uma duvida, esse OVN é o Lóris ou o nacional Olhar VDNX1 (que já está pronto e entregue ao EB há anos)?

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Foxtrot
3 meses atrás

comment image

Exercíto Brasileiro mais moderno do que nuca kkkkkk.
comment image

Qualquer semelhança será mera coincidência ??

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Foxtrot
3 meses atrás

Uma defensiva com estabelecimento de posições sumariamente organizadas é feito assim aqui e em qualquer outro local.

Abaixo pessoal da 173rd Airborne Brigade do U.S. Army durante exercício na Lituânia.
comment image

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Alfa BR
3 meses atrás

O vídeo dessa operação:

https://www.youtube.com/watch?v=HztYug-oc5c

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Alfa BR
3 meses atrás

Neste caso são Snipers com suas Guilhe Suit e cobertos por vegetação.
Diferente de guerra de trincheiras empregadas no EB até hoje.
Uma coisa e se proteger em um buraco feito por uma bomba ou seja lá o que for.
Outra coisa é empregar eternamente táticas utilizadas na década de 60 e até antes dela.

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Foxtrot
3 meses atrás

Não são “snipers”, são fuzileiros em um abrigo camuflado.

Dá até para ver os sacos de areia formando o “para bala”.

Last edited 3 meses atrás by Alfa BR
Gelson
Gelson
Reply to  Foxtrot
3 meses atrás

Bom dia, um procedimento básico nos exércitos mais experimentados é o de não projetar sombras sobre o terreno ou a posição. Existem redes e telas (o exército sueco usa muito) que evita a formação dessa sombra que aparece na foto citada (3). Esta sombra escura fica muito visível mesmo à muita distância. Não precisa ser um exército exatamente moderno para saber isto. O que me preocupa e não ver uma SAW (Squad Automatic Weapon), ou no caso do EB, a FN Minimi em uso mesmo nas unidades de “elite”. Sabe-se que o apoio de fogo num contato com o inimigo… Read more »

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Gelson
3 meses atrás

Olá Gelson, sobre o atraso do EB isso é indiscutível (seja né doutrina ou equipamento). Por mais que muitos aqui não gostem do que escrevo, isso não desmente as verdades. Quanto a SAW discordo em partes, pois na foto 3 tem uma Minimi com mira óptica ainda por cima (coisa muito raro no EB em qualquer arma). Mas concordo que o EB deveria solicitar a Inbel uma reengenharia na MAG, para desenvolver uma metralhadora 7.62mm nos moldes da MAG porém mais leve. Mudando coisas como o Tripé, caixa da culatra, coronha, cano etc etc. Há anos que se tem conhecimento… Read more »

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Foxtrot
3 meses atrás

Isso já existe. Se chama M240L:
comment image

Só comprar.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Alfa BR
3 meses atrás

Existe lá fora caro Alfa, aqui no Brasil é tecnologia alienígena.
E se pedir ao “elefante branco” denominado Inbel muito provavelmente além de não fazer algo que preste (se conseguir fazer), vai levar séculos para isso .
Infelizmente.
Uma opção seria o EB/CFN/Binfa solicitar esse serviço a Taurus ou Delfire (que muito em breve fabricará uma pistola Turca aqui no Brasil) e obrigar a cooperação com a Inbel.
Já que se não for dessa forma a Inbel (divisão de armas) vai a falência devido sua incapacidade.

Edimur
Edimur
Reply to  Foxtrot
3 meses atrás

Falar mal da Imbel para elogiar um lixo como Tauros tá de brincadeira olha o que essa empresa vendeu para as PMs do Brasil e olha oque ela vende nos EUA !!!

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Foxtrot
3 meses atrás

Sempre bato na tecla que pelo menos metralhadoras dos batalhões de infantaria que integram a Força de Ação Rápida Estratégica do EB (sei ao todo: três na Brigada de Infantaria Paraquedista e três na 12ª Brigada de Infantaria Leve Aeromóvel) deveriam ser equipadas com miras óticas (e se possível, ter disponíveis miras térmicas/intensificadores de imagem para combate noturno) e o tripé substituído por um mais leve.
comment image

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Alfa BR
3 meses atrás

Os americanos usam o tripé modelo M192 (Lightweight Ground Mount)

Pesa 5 kg, menos da metade do peso do nosso.
comment image

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Alfa BR
3 meses atrás

Uma simples mira mecânica ou Red dot com zoom de 4x já seria um imenso avanço para os militares nacionais.
Vale ressaltar que miras mecânicas, Red Dot etc já são fabricados e oferecidos pela indústria nacional há um bom tempo.
Essa medida já melhoraria muito a capacidade combativa dos infantes nacionais , que infelizmente ainda estão na década de 60 em se falando de equipamentos de uso pessoal (miras, coturnos, OVN,s etc etc ).

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Alfa BR
3 meses atrás

Aí nosso amado EB corre para comprar o LMV e busca helicópteros de ataque puro sem armar e equipar melhor o infante.
É um contra senso sem igual.
Mesma coisa faz a MB etc.

Alfa BR
Alfa BR
3 meses atrás

Apoio de Fogo e Armas de Emprego Coletivo dos Batalhões de Infantaria Paraquedista do Exército Brasileiro de acordo com o manual da Companhia de Comando e Apoio – C 7-15 de 2002. No nível subunidade (apoiam as Companhias de Fuzileiros Paraquedistas): Uma Seção Anticarro com três peças do canhão sem-recuo 84mm Carl Gustav no Pelotão de Apoio de cada uma das suas três Companhias de Fuzileiros. Um total de nove peças por batalhão. Uma Seção de Morteiro Leve com duas peças de morteiros leves 60mm no Pelotão de Apoio de cada uma das suas três Companhias de Fuzileiros. Um total… Read more »

Alfa BR
Alfa BR
3 meses atrás

Previsão de quantas aeronaves (C-130 como base) são necessárias para deslocar os três níveis de força possíveis de serem empenhados pela Brigada de Infantaria Paraquedista para a execução de um Assalto Aeroterrestre:

Uma FT valor Companhia;

Uma FT valor Batalhão;

E toda a Brigada de Infantaria Paraquedista.
comment image

FERNANDO A F SOARES
FERNANDO A F SOARES
Reply to  Alfa BR
3 meses atrás

Isso quer dizer que, a grosso modo, todos os KC-390 que a FAB encomendou serão capazes de lançar somente uma FT aeroterrestre ao nível de Cia?

Bille
Bille
Reply to  Alfa BR
3 meses atrás

kkkk 528 C-130, que viagem… Ainda vai vir alguem dizendo que não é isso, o C-130 volta pra base pra pegar mais paraquedistas e lançar todo mundo… aí vamos chutar: cada avião teria que fazer esse trajeto 25x sem cair, reabastecendo com tempo mínimo de solo (vamos colocar 1h pra ser realista entre pouso e decolagem) embarcar todo mundo (sem considerar cargas tipo CC, equipamentos e pallets) e por milagre não dar pane… Vamos lá. A FAB comprou 28 KC-390. um protótipo já foi destruído em ensaio (27 anvs). Considerando 80% disponíveis (21) cada anv deveria fazer 25 lançamentos (525… Read more »