sábado, setembro 18, 2021

Saab RBS 70NG

Há 60 anos, Congresso aceitou renúncia e abortou golpe de Jânio Quadros

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Por Ricardo Westin

Há 60 anos, o presidente Jânio Quadros deixou o Brasil atônito. Sem aviso prévio, ele enviou um bilhete ao Congresso Nacional comunicando que havia abandonado a Presidência da República. O governo, que deveria ter durado cinco anos, chegou ao fim pouco antes de completar sete meses. A renúncia ocorreu em 25 de agosto de 1961.

Documentos históricos guardados no Arquivo do Senado mostram que inclusive os senadores e deputados federais da base governista foram surpreendidos pela renúncia. Um desses parlamentares, o senador Lino de Mattos (PSP-SP) quis rasgar o bilhete presidencial, numa tentativa desesperada de impedir que o ato se consumasse. Ele próprio narrou o episódio logo depois:

— Tentei obstar a entrega do documento [ao vice-presidente do Senado], pretendendo tomá-lo das mãos do ministro [da Justiça] Oscar Pedroso Horta, até mesmo meio à valentona. Conhecendo o temperamento do presidente Jânio Quadros, eu lhe dizia que aquele documento deveria ser rasgado, inutilizado. Sua Excelência [o ministro Horta] declarou-nos, no entanto, que se tratava de documento sério, assinado por um homem sério, para produzir efeito sério, que estavam distribuídas à imprensa as respectivas cópias e que, nessas condições, não adiantava qualquer atitude. O presidente já se demitira do posto e não se encontrava mais em Brasília. Não adiantava mais a destruição do documento.

A renúncia, segundo os historiadores, seria o primeiro passo de um autogolpe de Estado. Pelos planos não declarados de Jânio, a renúncia não seria aceita pelo Congresso, pelas Forças Armadas e até pelo povo, que lhe implorariam que reconsiderasse. Ele, então, aproveitaria o clamor geral e, como condição para a volta, exigiria mais poder de mando do que o previsto pela Constituição de 1946. Tendo êxito o autogolpe, Jânio alcançaria o objetivo de se transformar num presidente com superpoderes ou até mesmo num ditador.

Os documentos do Arquivo do Senado também mostram que os parlamentares se recompuseram logo do terremoto provocado pela renúncia. Mesmo estando no calor dos acontecimentos, eles enxergaram as intenções de Jânio Quadros e agiram para abortar o plano golpista. O Congresso Nacional aceitou a renúncia sem nenhum questionamento e, deixando Jânio para trás, começou a discutir as condições para a posse do vice-presidente João Goulart.

Bilhete de renúncia enviado por Jânio ao Congresso (imagem: Arquivo do Senado)

Num discurso logo após a renúncia, o senador Argemiro de Figueiredo (PTB-PB) disse que foi acertada a decisão do Congresso de não cair na armadilha de Jânio Quadros:

— Para fazê-lo voltar [à Presidência da República], seria mister a instituição preliminar de um regime janista, de uma Constituição janista, de leis janistas, de costumes janistas. Garroteiem a voz do povo que reivindica e protesta, calem a palavra do Congresso e fechem os jornais que debatem, orientam, advertem. Aí teríamos um regime governamental compatível com o temperamento do senhor Jânio Quadros. Mas isso seria a renúncia às nossas conquistas liberais. Seria a morte da democracia.

No mesmo pronunciamento, Figueiredo resumiu:

— A renúncia ao governo foi a tática premeditada de um homem que se julgava o único capaz de reorganizar a vida nacional. Renunciou como Bolívar, para voltar mais forte. Nunca pensou que lhe aceitariam a renúncia. Esperou retornar ao governo nos braços do povo e das gloriosas Forças Armadas para dirigir a nação como a queria governar: sozinho, mandando sozinho. A renúncia foi a primeira etapa do processo de uma ditadura que se tinha em vista.

Também atordoado pela renúncia, o ministro das Relações Exteriores, Afonso Arinos, às pressas enviou um telex ao Congresso Nacional advertindo que o ato de Jânio poderia trazer consequências catastróficas para o Brasil e que, por isso, os parlamentares deveriam discutir a fundo a conveniência de aceitar a saída do presidente. Para acelerar a consumação da renúncia, o vice-presidente do Senado, Auro de Moura Andrade (PSD-SP), preferiu engavetar o telex sem apresentá-lo aos colegas:

— Devo declarar ao Senado que não trouxe ao conhecimento da Casa o referido telex enviado pelo ministro das Relações Exteriores porque tive razões para esse comportamento. Não me era ele nominalmente dirigido. Não se dirigia ao Congresso, não se dirigia ao Senado, não se dirigia à Câmara. Não tinha destinatário. Assim sendo, eu não poderia dar-lhe destino. Foi a razão pela qual o guardei ao recebê-lo.

Correio da Manhã RJ 1961 ed. 20.989 páginas 1, 5 e 12
Legenda: Correio da Manhã noticia renuncia de Janio Quadros em 1961
Crédito: Biblioteca Nacional Digital

O presidente Jânio Quadros sabia que as Forças Armadas não tolerariam a posse do vice João Goulart. Jango, como era conhecido, mantinha estreitas relações com os sindicatos trabalhistas, muitos dos quais dirigidos por comunistas. Isso despertava nos militares, mais identificados com a direita, o medo de que o Brasil governado por Jango tomasse o caminho do comunismo.

Quando veio a renúncia, Jango se encontrava na China, numa missão oficial armada por Jânio. O presidente trabalhou para que o vice estivesse justamente num país comunista no momento em que a crise estourasse. As supostas inclinações comunistas do vice se tornariam inquestionáveis.

Conforme a previsão de Jânio Quadros, os militares de fato vetaram a posse de Jango. Diante dessa ilegalidade, o governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, ameaçou pegar em armas para garantir o cumprimento da Constituição. A renúncia, portanto, deixou o Brasil à beira de uma guerra civil.

O senador Alô Guimarães (PSD-RS) subiu à tribuna do Senado e leu o seguinte trecho de um editorial do jornal O Globo:

— O senhor Jânio Quadros renunciou na esperança de provocar derramamento de sangue ou pelo menos para provocar a ameaça de derramamento de sangue. Não renunciaria se depois de cuidadosa meditação não tivesse chegado à conclusão de que o derramamento ou a ameaça de derramamento de sangue teria o efeito por ele visado: a nação, ante o mal maior, aceitaria o mal menor, isto é, a ditadura do senhor Jânio Quadros. A verdade é essa.

Guimarães concluiu o discurso afirmando que o Congresso Nacional seria firme e que, portanto, o ex-presidente deveria esquecer de vez o plano de ser reconduzido com superpoderes ao Palácio do Planalto:

— O que não se pode agora é pretender modificar as instituições para que se cogite do retorno do senhor Jânio Quadros ao poder. Isto até já não é mais constitucional. Seria um ato de rebeldia a que nos oporíamos.

Campanha eleitoral de 1960: Jânio promete varrer a corrupção (foto: Arquivo Nacional)

A guerra civil só não estourou porque os senadores e deputados negociaram com Jango a adoção do parlamentarismo, em substituição ao presidencialismo vigente desde 1889. O presidente passaria a dividir o governo com um primeiro-ministro. Com os poderes presidenciais de Jango limitados, as Forças Armadas aceitaram a posse. Duas semanas depois da renúncia, a crise enfim se encerrou. Mais tarde, por meio de um plebiscito em 1963, os brasileiros decidiriam pela volta do presidencialismo.

Acompanhando o bilhete de renúncia, Jânio Quadros enviou ao Congresso Nacional uma breve carta em que justificou a atitude. Em termos vagos, ele escreveu que tentara combater a corrupção, mas fora “vencido pela reação” e “esmagado” por “forças terríveis”.

Para os observadores da política, a renúncia de Jânio Quadros não chegou a ser de todo surpreendente. Ele havia feito um movimento muito parecido em 1960, quando ainda era candidato. Embora tenha sido eleito presidente com o apoio da UDN, o poderoso partido de direita, Jânio pertencia ao PTN, um partido paulista inexpressivo na política nacional. Insatisfeito com a ascendência da UDN sobre a sua candidatura, ele abandonou a disputa.

Um grupo de militares da Aeronáutica, temerosos de que a renúncia de Jânio impedisse a direita de enfim chegar à Presidência da República, deflagrou a Revolta de Aragarças, uma tentativa fracassada de golpe de Estado. Com a faca no pescoço, a UDN não teve alternativa senão ceder ao candidato. Jânio voltou à corrida presidencial depois de ganhar carta branca para dirigir sozinho a campanha eleitoral.

O senador Victorino Freire (PSD-MA) revelou que Jânio ensaiou a mesma estratégia chantagista ainda nos primeiros meses no Palácio do Planalto:

— Muitas vezes debati com Sua Excelência [Jânio Quadros], com intimidade, problemas nacionais, e uma das forças de reação de que se queixava era justamente o Congresso. Era uma injustiça de Sua Excelência, porque esta Casa deu-lhe todas as medidas de que necessitou, aprovando todos os vetos do governo, com exceção de um que dizia respeito à estabilidade dos funcionários da Novacap [empresa estatal que construiu Brasília]. No dia em que o Congresso rejeitou o veto presidencial, Sua Excelência se preparou renunciar ao governo. Foi impedido por seus auxiliares e sobretudo pelo eminente ministro Pedroso Horta, que submeteu o assunto à Corte Suprema justamente para evitar que se consumasse o gesto do senhor Jânio Quadros.

O clima de golpismo permeou praticamente todo o curto governo de Jânio Quadros. Quando estudantes universitários organizaram uma greve em Recife, depois que o diretor da Faculdade de Direito tentou impedir uma palestra da mãe do revolucionário Ernesto Che Guevara na instituição, o presidente mandou tanques do Exército e até navios da Marinha reprimirem o movimento estudantil. Foi uma demonstração exagerada e gratuita de força bélica.

Em outro momento, sem maiores explicações, transferiu a sede do governo federal provisoriamente de Brasília para São Paulo. Dessa forma, deu a entender que tramavam um golpe contra o governo e que na capital paulista, seu reduto eleitoral, poderia melhor se defender.

Uma das diversas sindicâncias abertas por Jânio para devassar negócios do governo de Juscelino Kubitschek apontou, sem provas, que Jango cometera irregularidades. Ele (que também fora vice de JK) reagiu publicamente à acusação. Com o episódio, o presidente fabricou a ilusão de que o país estava mergulhado numa crise política.

Correio da Manhã mostra que Jânio renunciou à candidatura presidencial em 1960 e depois reconsiderou (imagem: Biblioteca Nacional Digital)

O golpismo pode ser explicado pela aversão de Jânio Quadros à negociação e à divisão do poder. Ele se elegera com o discurso de que não gostava dos partidos e dos políticos e que, com sua “vassourinha”, varreria para sempre a corrupção do Brasil. Apesar de a UDN ter empregado toda o seu peso político para ajudar a elegê-lo, o presidente não recompensou a sigla com o espaço no governo que ela julgava merecer.

O senador Argemiro de Figueiredo analisou:

— O senhor Jânio Quadros, tendo sido eleito por uma onda civil revoltada contra os sistemas anteriores, eleito pelo povo sem distinção de correntes partidárias, eleito com essa formação revolucionária da opinião pública em torno do seu nome, na prática do governo se esqueceu da atuação costumeira da vida da República. A sua renúncia ao governo significou a sobrevivência da República e da democracia.

O mandatário não teve maioria no Senado e na Câmara nem se esforçou para construir um governo de coalizão. Deputados da oposição chegaram a planejar um pedido de impeachment do presidente.

— O caráter personalista de Sua Excelência revelava-se a todo momento e em todas as suas decisões. O seu desprezo pelos parlamentares era de tal ordem que poucos dos senadores que o apoiavam tiveram ensejo de ser recebidos por Sua Excelência e de com ele se entenderem — afirmou o senador Lima Teixeira (PTB-BA).

Jânio tentou minar a autoridade dos governadores criando escritórios do governo federal nos estados — em vez de recorrerem aos governadores, os prefeitos preferiam buscar a ajuda desses escritórios. Os ministros recebiam ordens presidenciais por meio de bilhetinhos, que frequentemente eram vazados para a imprensa — isso podia deixá-los em situação constrangedora e até humilhante.

O senador Victorino Freire contou aos colegas outro episódio revelador da personalidade autoritária de Jânio Quadros:

— Eu disse a Sua Excelência: “Você só quer escrever a lei em papel sem pauta, mas o Congresso tem que escrevê-la em papel pautado. Vetam [seus projetos] a UDN, o PSD, o PTB e todos os partidos porque [no Congresso] não se discute em termos partidários, mas em termos de interesse público”. Respondeu-me ele: “O Congresso não pode rejeitar o [meu] veto porque eu veto sempre certo”.

O senador Argemiro de Figueiredo reforçou o argumento do colega:

— O Congresso, para ele, era a expressão de um poder inútil e até nocivo. A ordem legal do país era um estorvo abominável quando a sua vontade se conflitava com os preceitos constitucionais. Não se domesticava a ninguém, nem mesmo à própria lei. O homem sempre me pareceu, por temperamento e vocação, a figura típica de um ditador civil.

Jânio condecora o comunista Che Guevara: apoio dos sindicatos, crítica das Forças Armadas (foto: Agência Nacional – Arquivo Nacional)

A data da renúncia, 25 de agosto, foi escolhida a dedo por Jânio Quadros. No dia anterior, o suicídio de Getúlio Vargas completara sete anos. Para Jânio, o melhor dos mundos seria a população brasileira, emocionada pelo aniversário do ato extremo de Vargas, associar a renúncia ao suicídio e, tal qual fizera em 24 de agosto de 1954, também sair às ruas em apoio ao presidente e repúdio aos adversários dele.

O senador Jefferson de Aguiar (PSD-ES) apontou uma segunda semelhança entre os dois episódios:

— Estranhei aquela carta que, procurando justificar a renúncia do presidente Jânio Quadros, falava em grupos de pressão, em situação terrível, numa cópia lamentável e pouco hábil da carta-testamento do presidente Getúlio Vargas. Era evidente que aquele pronunciamento escondia um segundo propósito.

Jânio Quadros provavelmente acreditava que os brasileiros se mobilizariam exigindo sua volta à Presidência da República por causa das medidas de cunho moralizante que tomara nos sete meses incompletos de governo, como a proibição das brigas de galo, a obrigação de os funcionários públicos federais vestirem uniforme, o veto aos trajes de banho nos concursos de beleza feminina, a criminalização do lança-perfume e o fim das corridas de cavalo nos dias de semana. Foram medidas de grande apelo entre as famílias conservadoras.

Ele também imaginava que contaria com algum apoio dos setores da sociedade mais à esquerda, como os sindicatos, pelo fato de ter começado a reatar as relações diplomáticas com países comunistas, apoiado a autodeterminação de Cuba e condecorado Ernesto Che Guevara, um dos ministros do governo cubano — tudo isso como parte da chamada Política Externa Independente.

O senador Argemiro de Figueiredo fez uma interpretação desse jogo duplo de adotar posturas conservadoras no ambiente interno, agradando à direita, e medidas arrojadas no cenário internacional, afagando a esquerda. Num discurso proferido semanas antes da renúncia, o parlamentar apresentou sua visão:

— Receio os destinos deste país. Jamais tivemos a nação tão bem preparada psicologicamente para se lançar nos braços dos aventureiros, dos demagogos, dos nacionalistas hipócritas, dos fanáticos vermelhos da esquerda. Tudo agora sob o estímulo premeditado do governo, que libera todas as ideias, todas as inclinações e todas as tendências, anima o capital e valoriza o trabalho, promove até os atritos de classe para compelir transigências de uma em favor das outras. E tudo faz num jogo temerário e satânico, certo de que, na hora exata, conterá os excessos, com as forças decorrentes da autoridade que, sem dúvida, soube fortalecer e consolidar.

Até mesmo o presidente da UDN, deputado Herbert Levy (SP), apesar de ter sustentado a candidatura de Jânio Quadros em 1960, enxergou golpismo na renúncia:

— O ato da renúncia só pode ser explicado por duas hipóteses: ou foi um ato temperamental do senhor Jânio Quadros, ou foi um ato meditado, planejado. Se foi temperamental, estaríamos diante de uma irresponsabilidade, de uma leviandade. Se foi deliberado, se pensava em renunciar, estava obrigado a preparar sua saída, sem a prejudicar o país, sem a ameaça de nos levar ao caos. Como não preparou sua saída, a gravidade é muito maior, pois, neste caso, o senhor Jânio Quadros desejaria convulsionar o país.

O presidente João Goulart e o primeiro-ministro Tancredo Neves: parlamentarismo para evitar guerra civil (foto: Reprodução/FGV)

De acordo com o historiador Felipe Loureiro, especialista nos governos de Jânio e Jango e coordenador do curso de relações internacionais da Universidade de São Paulo (USP), embora não se conheçam todos os detalhes do plano, a intenção do presidente era, sim, dar um autogolpe:

— Jânio Quadros teve uma carreira política meteórica. No curto período de pouco mais de dez anos, ele foi vereador, deputado estadual, prefeito, governador, deputado federal e presidente da República. Ele conseguiu esse feito por força da sua imagem pessoal. Jânio sempre utilizou os partidos políticos de forma pragmática, conforme seus interesses, sem criar vínculos com eles. A eleição presidencial de 1960 não foi vencida pela UDN ou pela direita conservadora, mas pelo janismo. Dada essa força pessoal, Jânio acreditava que podia governar sozinho, sem dividir o poder com os partidos e o Legislativo.

Loureiro explica que o autogolpe falhou, entre outros motivos, porque o presidente não conseguiu manter sua base eleitoral mobilizada durante o governo:

— Jânio não tinha uma estrutura partidária que fosse sólida, tivesse capilaridade nacional e pudesse mobilizar os brasileiros a seu favor no momento da renúncia. Além disso, não havia na época canais alternativos de comunicação, como as redes sociais de hoje, que permitissem ao presidente comunicar-se diretamente com a sua base e mantê-la ativa, radicalizada e, quando necessário, presente nas ruas.

Jânio tampouco conseguiu construir uma ponte sólida com as Forças Armadas, segundo Loureiro, o que foi igualmente decisivo para o fracasso do autogolpe. As suas relações com a caserna sempre foram ambíguas. Ao mesmo tempo em que prestigiou a classe, nomeando militares para presidir as sindicâncias sobre supostos desvios cometidos pelo governo de Juscelino Kubitschek, ele também a humilhou publicamente, como quando acusou o general presidente da Petrobras de levar a estatal à falência — o militar chegou a ser preso após refutar o ataque.

A Política Externa Independente, de aproximação com países comunistas, também deixou as Forças Armadas com um pé atrás.

— Não sei por que Che Guevara foi condecorado — indignou-se o senador Padre Calazans (UDN-SP). — Por que se fez assassino de milhares em Cuba? Por que saqueou terras? Por que tomou propriedades particulares? Por que oprime o povo e engana uma nação? Por que entregou Cuba a Kruschev [líder da União Soviética], para ameaçar todas as nações da América? Ou por que a senhora sua mãe veio fazer baderna no Brasil? Não sei por que foi condecorado. Sei que os três ministros militares não referendaram esse ato.

— Quando Sua Excelência, num gesto infeliz e impensado, concedeu a Grã-Cruz da Ordem do Cruzeiro do Sul a Che Guevara, protestei imediatamente contra semelhante afronta aos sentimentos de nosso povo e aos brios do Exército justamente na semana de Caxias — acrescentou o senador Caiado de Castro (PTB-DF), um militar da reserva.

A imagem mais emblemática do curto governo Jânio (foto: Erno Schneider)

Consumada a renúncia, alguns aliados de Jânio chegaram a defender a ideia de que ele deveria novamente se candidatar à Presidência da República para enfim derrotar as tais “forças terríveis”. O senador Argemiro de Figueiredo riu da ideia:

— Direi apenas que uma nova experiência com o senhor Jânio Quadros na chefia do governo seria o mais deplorável atestado de insanidade mental da nação brasileira.

O efeito mais traumático da renúncia seria sentido três anos depois. Os mesmos militares que em 1961 não quiseram Jango na Presidência da República conseguiriam derrubá-lo em 1964 e instaurar uma ditadura que duraria 21 anos.

No ano seguinte à renúncia, Jânio Quadros se candidatou ao governo de São Paulo, mas por poucos votos não se elegeu. Ele teve depois seus direitos políticos cassados pela ditadura militar e só voltou à vida política em 1986, após vencer nas urnas o adversário Fernando Henrique Cardoso e assumir a prefeitura de São Paulo.

Jânio morreu em 1992, aos 75 anos de idade, sem nunca ter dado uma explicação convincente para a renúncia de 1961.

— Nunca se encontrou nenhuma evidência da existência de “forças terríveis” contra o governo. Ele jamais deu uma justificativa satisfatória simplesmente porque significaria descortinar o seu lado autoritário e antidemocrático. Como personalidade que ainda tinha planos eleitorais, sabia que não poderia fazer isso — explica o historiador Felipe Loureiro.

FONTE: Agência Senado

- Advertisement -

62 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
62 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
naval762
naval762
10 dias atrás

Sinto uma leve sugestão nessa matéria mas o bravateiro não é Jânio e o parlamentarismo já está instituído de forma velada no Brasil. Bora ver no que vai dar …

horatio nelson
horatio nelson
Reply to  naval762
10 dias atrás

é um parlamentarismo regido pelo stf,uma lei no brasil só vale quando o stf diz se é constitucional ou não…hj em dia até decreto tão falando q é incostitucional…vai entender!

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  horatio nelson
9 dias atrás

Ué?
E não tem de ser assim?
Quando um decreto ou uma lei é inconstitucional, cabe ao SFT julgar e considerá-la como tal, retirando do ordenamento jurídico.

Marcos10
Marcos10
Reply to  horatio nelson
9 dias atrás

O Congresso tem mecanismos. Não usa porque não quer.
No mais, o Congresso aprovou lei que impedia decisoes monocráticas, vetado por Bozo.

Bjj
Bjj
Reply to  horatio nelson
9 dias atrás

uma lei no brasil só vale quando o stf diz se é constitucional ou não…hj em dia até decreto tão falando q é incostitucional”

Ué, mas é pra isso, entre outras coisas, que serve a suprema corte. Aliás isso não começou com o Bolsonaro. O STF já derrubou decretos do Lula, Temer e outros muitos presidentes.

Inimigo do Estado
Inimigo do Estado
Reply to  horatio nelson
9 dias atrás

O engraçado destes caras é que quando o STF age em prol do governo eles ficam quietos. A lista de benefícios é bem grande. Tem até decisão para manter integrante do governo calado em CPI.

PACRF
PACRF
Reply to  naval762
9 dias atrás

O “parlamentarismo” está instituído em todas as democracias sólidas, inclusive aquelas nas quais o presidente da república é o chefe de governo. A diferença é que presidentes da república possuem mandato e primeiros-ministros não. Compartilhar o poder com o legislativo ocorre em regimes parlamentaristas, monárquicos ou não, e também em regimes presidencialistas. Aquele regime no qual apenas uma pessoa governava e os “súditos” eram obrigados a obedece-la, chamado de Absolutismo, acabou no século XVIII com a Revolução Francesa (Queda da Bastilha), senão me engano.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  PACRF
9 dias atrás

No Brasil, em que pese o regime ser presidencialista, a palavra final cabe ao Parlamento.
Se assim entender, o Parlamento derruba decreto ou MP do Governo, bem como qualquer veto presidencial a alguma lei por ele aprovada.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  PACRF
9 dias atrás

Percebe-se que os fundamentais ideais iiluministas se perderam em uma baixa escolaridade ou baixa moralidade!

PACRF
PACRF
Reply to  Carlos Gallani
9 dias atrás

Concordo! No entanto, vale lembrar que nas democracias (inclusive no Brasil) os parlamentos, assim como os presidentes da república, no caso dos regimes presidencialistas, são eleitos, gostemos ou não dos resultados.

silvom
silvom
Reply to  naval762
9 dias atrás

Esse parlamentarismo brasileiro funciona com a liberação de verbas ao centrão, o verdadeiro “primeiro ministro” e que evita que algum processo de impeachment seja apresentado no plenário. Nossa rainha da Inglaterra está tentando criar um ambiente para um golpe, mas vai quebrar o queixo de asno

Renato B.
Renato B.
Reply to  naval762
9 dias atrás

Não é parlamentarismo, mas desde os tempos de FHC que um chefe da câmara forte é uma dor de cabeça para o presidente.

FERNANDO
FERNANDO
10 dias atrás

Cara olha a foto do Tancredo.
Me lembro dele nos anos 80.
Putz.
Como estou VELHO!!!

tassios
tassios
10 dias atrás

Interessante que a fonte é da Agencia Senado. De qlqr jeito vale à pena ler.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  tassios
9 dias atrás

Caro Tassios. A Agencia Senado tem excelente material jornalistico.

Renato B.
Renato B.
Reply to  Camargoer.
9 dias atrás

A biblioteca deles é ótima.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Renato B.
9 dias atrás

Olá Renato. É aberta? Estou planejando visitar minha sobrinha em Brasilia… vou aproveitar e fazer um tour geral com a minha fillha.

Renato B.
Renato B.
Reply to  Camargoer.
9 dias atrás

Que eu me lembre sim. Inclusive havia uma rede que permitia saber do acervo de todas as bibliotecas da esplanada. Não sei como está agora, mas várias autarquias tem visitas guiadas e o Banco Central tinha um museu de moedas.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  tassios
9 dias atrás

O material do Senado é espetacular.

Eduardo R.
Eduardo R.
10 dias atrás

Curiosa a escolha editorial, ainda mais pelo momento, mas que tal algum texto sobre o tal do “pesos e contra pesos” que em jantares e encontros privados de meia duzia decidem o futuro do país contra a vontade do povo? Renan Calheiros, Kassab, família Marinho e togados, o poder lhes é ilimitado e sua legitimidade não se dá mais por representatividade eleitoral mas por mero controle estatal, se o jornalismo de Centro Acadêmico diz que deve-se passar o trator e ignorar que há boa parte da população sem paciência pra politicagem das raposas então que assim seja. A palavra “democracia”… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Eduardo R.
9 dias atrás

“Renan Calheiros, Kassab, família Marinho e togados”
Adicionaria tambem, na lista, Rob Jefferson, Collor, e 100% do Centrão, que, curiosamente, viraram os novos “amigos” e aliados da base do atual governo….

Eduardo R.
Eduardo R.
Reply to  Willber Rodrigues
9 dias atrás

Wilber Rodrigues, você está certo.

Segundo o próprio presidente ele sempre foi centrão. O diferente era seu discurso oportunista para ser eleito, não durou 4 meses e seus atos já se mostravam opostos ao que dizia a boca.

PACRF
PACRF
Reply to  Eduardo R.
9 dias atrás

Ao contrário das decisões do Presidente da Câmara dos Deputados e do Procurador Geral da República, o Judiciário possui várias instâncias para acolher recursos contra as decisões individuais de seus juízes, inclusive os do STF, no caso ministros. Nesse sentido, o atual Presidente da República está “blindado” pelo Arthur Lira e pelo Augusto Aras, ou seja, pode “abusar” das palavras e fazer ameaças quando desejar, pode até mesmo exercer ilegalmente a medicina, receitando medicamentos. Afinal, os dois são as únicas pessoas, que de forma monocrática, podem determinar a investigação das ações e das omissões de um presidente da república, de… Read more »

Heinz Guderian
Heinz Guderian
10 dias atrás

O cara condecorou Che Guevara..
Só por ai você tira o tipo de pessoa que ele era.

horatio nelson
horatio nelson
Reply to  Heinz Guderian
10 dias atrás

isso mesmo,e só alguns dias depois do che fuzilar mulheres e crianças no paredon

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Heinz Guderian
9 dias atrás

Caro Heins (88). A estratégia de Janio era fazer um morde assopra. Tivesse ele condecorado Che ou Indiamin Dada por ideologia, talvez fosse compreensível, mas ele fazia movimentos contraditórios para criar uma confusão em torno de suas vontades.

Zeus
10 dias atrás

Prezados! Eis que nem nos seus mais inexplicáveis sonhos, os grandes Ésquilo, Sófocles e Eurípedes poderiam prever que num futuro distante, haveria de surgir um país no qual a tragicomédia seria levada ao ápice de sua interpretação, a ponto de deixar os palcos para se tornar a própria expressão política e social deste país! Atenteis para a declaração do senador Argemiro de Figueiredo: “O congresso para ele, era a expressão de um poder inútil e até nocivo. A ordem legal do país era um estorvo abominável quando a sua vontade se conflitava com os preceitos constitucionais. Não se domesticava a ninguém, nem… Read more »

Last edited 10 dias atrás by Zeus
horatio nelson
horatio nelson
Reply to  Zeus
10 dias atrás

até hj pensava q esquilo era aquele animal q come nozes!

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  horatio nelson
9 dias atrás

Não fique preocupado com isso.
É muito comum entre os minions.
kkkk

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  horatio nelson
9 dias atrás

Olá Horário. Há quem acredite que Platão é um soldado da turma do Recruta Zero.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  horatio nelson
9 dias atrás

Olá Horatio. Acho que só os mais velhos lembram do Quartel Swamp.

platao.jpg
Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Zeus
9 dias atrás

Episódio perfeito para o ‘Vale a pena ver de novo’.

Agressor's
Agressor's
Reply to  Zeus
9 dias atrás

Rapaz, eu tenho certeza de que se o Tiririca se candidatasse nessa próxima eleição presidencial ele ganharia viu. Sério mesmo! Mas ele jamais fará isso, porque sabe que se fazer vai acabar igual ao Eduardo Campos…

Last edited 9 dias atrás by Agressor's
Caio
Caio
10 dias atrás

Mais um cruzamento de estupidez com arrogância, coisa típica da nossa terra e um pelo visto, há muito tempo.

pangloss
pangloss
10 dias atrás

Qualquer notícia que envolva o aventureiro Jânio Quadros vai necessariamente uma desgraça que se abateu sobre o Brasil.
“Après moi, le déluge.”

horatio nelson
horatio nelson
10 dias atrás

só queria deixar claro q em 64 não foi um golpe, foi a contra-revolução q nos livrou do pior,e graças a isso tivemos bons presidentes depois,como o medici,geisel,costa e silva! o milagre brasileiro!

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  horatio nelson
10 dias atrás

Caro Horatio. Uma contra revolução ocorre após uma revolução. No caso de 64, havia um governo constitucional que foi derrubado, inclusive com apoio dos EUA. A derrubada de um governo constitucional é golpe.

ODST
ODST
Reply to  Camargoer.
9 dias atrás

E não havia uma tentativa de revolução com o respaldo da União Soviética e Cuba?

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  ODST
8 dias atrás

Não.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  ODST
8 dias atrás

Havia apenas um plano governamental de distribuir renda através de políticas sociais e distribuição de terras.
Prontamente combatido pelas oligarquias com apoio militar.
O resultado, já sabemos.

ODST
ODST
Reply to  Antoniokings
6 dias atrás

Sim, e o Lula é honesto. kkkkkk

horatio nelson
horatio nelson
Reply to  Camargoer.
9 dias atrás

devido a todo contexto na epoca podemos deduzir q estava havendo uma revolução vermelha a ambito internacional, por aqui só fei freiado, e graças a Deus e a contra-revolução, hj em dia não comemos animais domesticos,como na venezuela por exemplo…o governo não era mais constitucional, como disse ronieri mazilli presidente da camara “o presidente deixou a nação acefala” e depois elegeu de forma democratica o castelo branco

Last edited 9 dias atrás by horatio nelson
EduardoSP
EduardoSP
Reply to  horatio nelson
9 dias atrás

Não comemos animais domésticos, ainda, porque do jeito que a coisa vai, teremos, em breve, nosso Chaves fazendo aqui o que foi feito lá.
E é tudo o que ele quer. Mandar, mandar sem limites.

ODST
ODST
Reply to  EduardoSP
6 dias atrás

Ainda tá nessa de Bolsonaro ditador? Coisa de gente que não saiu da quinta série. Cresça.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  horatio nelson
9 dias atrás

Caro Horatio. Durante a presidência de JK, entre 55 e 60, ocorreram duas revoltas militares contra o governo. Após a renúncia de Janio, Jango assume a presidência e o país se preparava para as próximas eleições. Não havia revolução de qualquer cor. Inclusive, as guerrilhas surgem no país após o golpe de 64. Sobre Mazilli, ele decretou a presidência vaga enquanto Jango ainda estava no Brasil, portanto de forma ilegal e inconstitucional.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  horatio nelson
9 dias atrás

Mais um que ainda acredita na conversa fiada de “ameaça cuminixxxxta” e que vê agentes do KGB até debaixo da cama…
O Brasilistão não viraria uma URSS dos trópicos nem se a ala mais xiita do PCdoB ou PSOL ganhasse pra presidente.
Esse negócio de “contra-golpe” e “ameaça cuminixxxta” é desculpa pra milico BR dar golpe.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Willber Rodrigues
9 dias atrás

Olá Wilber. Por mais que eu compreenda o contexto da guerra fria, eu ainda tenho muita dificuldade para entender a resistência de tanta gente de compreender o golpe de 64 mais de 50 anos depois, até porque praticamente todo mundo que esteve á frente do golpe está morta. Gosto muito de um documentário chamado “O dia que durou 21 anos”.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Camargoer.
9 dias atrás

Esse negócio de “contexto da Guerra Fria” explica, mas não justifica.
É por causa do “contexto da Guerra Fria” e “ameaça cuminixxxta” que os EUA apoiaram ditaduras como a brasileira, argentina, chilena, e ditaduras na África, tudo com a “desulpa” de “combater o cumunixxxxmu”…
Se bem que tem gente aqui que jura que nunca existiu ditadura de direita…

Osmar José Moleta
Reply to  Willber Rodrigues
9 dias atrás

Por motivo dos cumunixxxtas, americanos apoiavam militarismo na América. E no caso o Chutanixxxmo que fizeram com a Dilma os E UA apoiaram alguém? Ou são outros tempos. kkk

Renato B.
Renato B.
Reply to  Willber Rodrigues
9 dias atrás

Eu sempre lembro daquele artigo que saiu por aqui sobre o espião tcheco falando da impossibilidade de golpe comunista no Brasil da época.

ODST
ODST
Reply to  Renato B.
6 dias atrás

Explique então o motivo de José Dirceu e sua turma terem ido para Cuba treinar com os guerrilheiros de lá.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  horatio nelson
9 dias atrás

Foi golpe mesmo!

Agressor's
Agressor's
Reply to  horatio nelson
9 dias atrás

“e graças a isso tivemos bons presidentes depois”

Com certeza, né Horatio! American first… 😀

Bjj
Bjj
Reply to  horatio nelson
9 dias atrás

Eu imagino que você deve ser daqueles que acredita que o STF está surrupiando as liberdades do povo. Acertei?

Marku
Marku
9 dias atrás

Um grande estadista que se preocupou com coisas importantsssimas como briga de galo e maiô das misses.

😂

Zorann
Zorann
9 dias atrás

Eu já fui presidencialista…. até votei a favor dets regime no ultimo plebiscito. Mas hoje, vendo este presidencialismo de faz de conta, quem manda de fato é o congresso. Um congresso que pode facilmente, de acordo com seus interesses, tornar inviável um governo (não estou me referindo a nenhum governo em especial e sim a todos eles). Obrigando o executivo a fazer acordos, muitas vezes prejudiciais ao país, para ter um mínimo de governabilidade = presidencialismo de coalizão através da compra de apoio. Um congresso que toma decisões sem ter a responsabilidade de nada. Se o país piorou, ou melhorou,… Read more »

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Zorann
9 dias atrás

Na referência mundial de presidencialismo, o presidente manda pouco. O Congresso americano pode muito, muito mais do que se imagina por aqui.
E tem de ser assim, pois os congressos são poderes coletivos, que representam o conjunto da população. Ao executivo cabe executar, não definir e decidir.
Lembrando também que os judiciários também são poderes coletivos, nos quais as decisões finais são dadas por um conjunto de juízes.

Delfa bloqueado.
Delfa bloqueado.
9 dias atrás

A renúncia do Bolsonaro seria a ascenção do Mourão não apenas a presidente, mas a candidato em 2022, com muito mais votos do que Bolsonaro teria.

Last edited 9 dias atrás by Delfa bloqueado.
Eduardo R.
Eduardo R.
Reply to  Delfa bloqueado.
9 dias atrás

A foto que o próprio Mourão escolheu para o 7 de setembro: na lapela bandeira do Brasil e China

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Delfa bloqueado.
9 dias atrás

Caro Delfa. De fato, o vice assume quando o titular renuncia. Contudo, desconheço qualquer pesquisa eleitoral que tenha testado o potencial eleitoral de Mourão para 2022. Seu comentário despertou a minha curiosidade. Algumas considerações. Bolsonaro tem algo entre 20~25% de preferencia eleitoral consolidada. Caso ele renuncie, será que estes bolsonaristas votariam em Mourão? Creio que apenas uma parte deles o fariam. Os demais candidatos somam outros 25% (aproximadamente). Será que alguém que votaria em Ciro Gomes votaria em Mourão? Creio que não. Os demais parecem optar por Lula. Será que eles votariam em Mourão? Creio que não. Provavelmente, Mourão teria… Read more »

Braga Tino
Braga Tino
9 dias atrás

KKK…marrom

Tio Velho Comuna
Tio Velho Comuna
9 dias atrás

Eu, nessas poucas décadas que tenho de Brasil, jamais conseguiria imaginar, que um dia, iria imaginar que o falecido Jânio Quadros seria um exemplo de sobriedade, lucidez e sanidade com atual sujeito que ora ocupa a presidência da república

Últimas Notícias

Saab recebe pedidos de Carl-Gustaf M4 e munições

A Saab recebeu pedidos para o rifle sem recuo Carl-Gustaf® M4 com munição incluída. O valor do pedido combinado...
- Advertisement -
- Advertisement -