segunda-feira, junho 27, 2022

Saab RBS 70NG

A nova ofensiva russa destina-se a projetar poder que não pode sustentar

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

POR FREDERICK W. KAGAN

A luta por Severodonetsk é uma operação de informação russa na forma de uma batalha. Um de seus principais objetivos para Moscou é criar a impressão de que a Rússia recuperou sua força e agora dominará a Ucrânia. Essa impressão é falsa. Os militares russos na Ucrânia são cada vez mais uma força esgotada que não pode alcançar uma vitória decisiva se os ucranianos resistirem.

O presidente russo, Vladimir Putin, está, portanto, tentando transformar sua invasão da Ucrânia em uma brutal disputa de vontades. Ele está apostando seu exército em quebrar a vontade coletiva dos ucranianos de continuar lutando em seu país. O dele provavelmente não vai quebrar. Felizmente, a Ucrânia não precisa disso. Se os ucranianos conseguirem resistir à atual tempestade russa e depois contra-atacar as forças russas exaustas, ainda terão todas as chances de libertar seu povo e todas as suas terras.

Putin acumulou os destroços das forças de combate russas em um amálgama letal em torno das cidades de Severodonetsk e Lysychansk, na região leste de Luhansk, na Ucrânia. Esse amálgama está avançando usando enormes barragens de artilharia para destruir tudo em seu caminho, permitindo que os soldados desmoralizados e assustados da Rússia caminhem nos escombros.

Os defensores ucranianos estão se retirando sabiamente diante dessa barbárie imprudente, mas a um alto preço para seu próprio moral e sua vontade de continuar a luta. Soldados e cidadãos ucranianos estão criticando seu governo por não apoiar as tropas na linha de frente. Os ucranianos estão começando a duvidar de que possam vencer pela primeira vez desde que venceram a Batalha de Kyiv. Atrasos no fornecimento de ajuda ocidental e recusas dos EUA e de outros países em fornecer certos sistemas de armas necessários estão ajudando a alimentar essas dúvidas. E agora as vozes estão se levantando no Ocidente pedindo que a Ucrânia ofereça concessões.

Tudo isso é exatamente o que Putin precisa. Ele não pode derrotar a Ucrânia militarmente enquanto os ucranianos mantiverem a vontade de lutar e o Ocidente a vontade de apoiá-los. Então ele ataca a vontade de ambos, forçando suas próprias tropas na ofensiva mais cruel e brutal desta guerra, na esperança de persuadir a todos de que ele finalmente dominou a massa e o poder da Rússia que Stalin exercia para derrotar Hitler – e, portanto, essa resistência à sua demandas é inútil. Putin também mantém reféns suprimentos críticos de exportação de alimentos e combustível ucranianos, na esperança de impor custos altos o suficiente ao Ocidente para persuadi-lo a abandonar a Ucrânia.

Nem os ucranianos nem seus amigos ao redor do mundo devem ceder a Putin ou se deixar enganar pela atual miragem do sucesso e poder russo que ele está apresentando na Batalha de Severodonetsk. É
uma miragem. O esforço da Rússia em Luhansk é a aposta desesperada de um ditador apostando o que resta do poder de combate ofensivo que ele pode reunir na esperança de quebrar a vontade de seus inimigos de continuar a luta e deixá-lo afirmar que ele tomou todo o Oblast de Luhansk. É uma rima histórica com a determinação de Hitler de tomar Stalingrado em 1942 ou manter Kharkov desafiando o conselho de seu comandante. Não há grandes reservas russas por trás dessa força para levar seus sucessos adiante. Pelo contrário, Putin o criou apenas desnudando outros eixos-chave das forças que eles precisam para se defender contra os contra-ataques ucranianos. Essa ofensiva provavelmente culminará em breve, porque mesmo esse avanço lento e esmagador esgotará as forças que a conduzem. Putin então não poderá lançar outra por algum tempo.

Como podemos saber isso? Sabemos disso em parte porque a mistura de forças russas conduzindo essa ofensiva foi formada pelas ruínas de unidades destruídas nas batalhas de Kyiv, Kharkiv, Mariupol e outros lugares, não de novas unidades ou tropas retiradas da Rússia. Grupos táticos de batalhões russos muito danificados que recuaram de Kyiv e Kharkiv foram rapidamente reformados na Rússia sem permissão para descansar, reequipar ou absorver adequadamente os substitutos e depois foram enviados de volta à luta no leste da Ucrânia. Muitas “unidades” russas são supostamente amálgamas de pedaços e pedaços de outras unidades reunidas ad hoc e depois lançadas na batalha. Os próprios soldados estão exaustos e desmoralizados. A recusa em lutar tornou-se desenfreada no exército russo entre os soldados e os oficiais que os lideram.

Os russos se adaptaram a essa realidade sombria mudando suas táticas para algo que lembra a Primeira Guerra Mundial ou a doutrina da “Batalha Metódica” do Exército Francês em 1940 – barragens de artilharia destroem tudo em um determinado setor do campo de batalha e então as tropas russas rastejam adiante pelas ruínas. Mas mesmo essa abordagem tem seus limites. O suprimento de peças de artilharia da Rússia não é infinito. Eles tiveram que concentrar a artilharia densamente nos setores prioritários, afastando-a de outras áreas. Eles retiraram artilharia (e tanques e outros equipamentos) dos antigos depósitos da era soviética. E eles também começaram a retirar equipamentos dos estoques da Bielorrússia – provavelmente os últimos estoques de equipamentos que Putin pode colocar em suas mãos com segurança.

O fornecimento de tubos de artilharia é uma limitação importante neste tipo de guerra por duas razões. Primeiro, porque os ucranianos tomaram um pedágio na artilharia russa com fogo de contra-bateria hábil e preciso (usando a própria artilharia para destruir a do inimigo). Segundo, porque os tubos da artilharia (e do canhão principal do tanque) têm uma vida útil limitada – eles começam a se tornar notavelmente menos eficazes após disparar um certo número de salvas e precisam ser substituídos. Não há como saber quando esses fatores forçarão os militares russos a reduzir sua dependência da artilharia dessa maneira, mas eventualmente o farão.

Mas os soldados russos provavelmente se esgotarão antes de queimar sua artilharia. Os defensores ucranianos estão causando sérias baixas às tropas russas na frente, apesar das táticas russas adaptadas. Blogueiros militares russos e outros estão transmitindo as queixas das tropas russas de que estão sujeitas a fogos de artilharia ucranianos devastadores, mesmo quando apenas sentados em suas posições defensivas. As tropas russas que atacam onde as forças ucranianas mantêm seu território continuam a sofrer perdas mesmo após as barragens de artilharia, que raramente eliminam toda a resistência.

Milbloggers russos, documentos revelando processos judiciais russos contra soldados e oficiais que desertaram ou recusaram ordens para lutar e relatórios de inteligência sobre tais incidentes pintam um quadro de um exército russo que está exausto, desmoralizado, desmotivado e cada vez mais irritado com seu tratamento.

Soldados ucranianos em algumas partes da frente estão mostrando sinais semelhantes de desmoralização. O incidente bem divulgado de voluntários ucranianos que se recusaram a continuar lutando perto de Severodonetsk no final de maio revelou e alimentou parte da raiva e ressentimento dentro dos militares ucranianos e da sociedade ucraniana sobre as condições muito difíceis que estão enfrentando. Esse incidente levou a manchetes hiperbólicas sugerindo que os soldados ucranianos estão desertando ou “fugindo” em massa – o que não é o caso. Mas os fenômenos de raiva, sentimentos de traição e frustração nas forças armadas ucranianas são reais e perigosos. Eles podem se tornar mais perigosos com o tempo, pois o efeito cumulativo de muitos pequenos sentimentos desse tipo cobra seu preço. Os EUA e o Ocidente devem levar mais em conta o fato de que a entrega oportuna de armas e capacidades às forças armadas da Ucrânia é essencial para ajudar a manter o moral ucraniano e a vontade de continuar lutando durante esse período difícil. Atrasos e meias medidas podem custar tanto o tangível do terreno e as baixas quanto o intangível da esperança e confiança na possibilidade de sucesso.

Os problemas nas forças armadas russas neste momento, no entanto, são muito mais perigosos para o sucesso do empreendimento da Rússia. Os combatentes da Ucrânia estão defendendo sua pátria contra uma invasão brutal. Eles são extremamente improváveis ​​de quebrar ou se recusar a lutar em grande escala, a menos que as coisas se tornem dramaticamente piores para eles. É improvável que seja o caso porque a ajuda ocidental continua a chegar – embora com muitos atrasos, muitas restrições e em uma escala muito pequena. Os militares ucranianos continuam atualizando seus equipamentos e suprimentos atuais e periodicamente ganham novas capacidades. A capacidade da Rússia de gerar novos equipamentos foi seriamente comprometida por falhas russas em se preparar para a guerra, sanções internacionais que privam a Rússia de componentes-chave, especialmente para seus sistemas mais avançados, e corrupção desenfreada e roubo que esvaziaram os militares russos. Putin tem demorado a mobilizar a indústria militar russa e não está claro o quanto ele pode ou com que rapidez tal mobilização gerará efeitos.

Além disso, soldados russos estão travando uma guerra de agressão em uma terra estrangeira. Uma proporção crescente deles são recrutas ou reservistas involuntariamente convocados (isto é, recrutas que completaram seu serviço militar obrigatório e agora foram obrigados a se juntar às forças armadas e lutar). Muito, muito poucos russos estão optando por se alistar voluntariamente para lutar nesta guerra. Uma onda de ataques com coquetéis molotov contra centros militares russos atesta o crescente ressentimento na Rússia. Os oficiais russos têm que persuadir, coagir e compelir esses recrutas e reservistas a lançar ataque após ataque, e fazer com que as pessoas ataquem é quase sempre muito mais difícil do que fazer com que se defendam.

O próprio corpo de oficiais russos também foi dizimado neste conflito. Como os militares russos lutaram para avançar mesmo nas primeiras semanas em torno de Kyiv, oficiais russos de todas as patentes acharam necessário avançar e liderar a partir da frente – onde sofreram muitas baixas em todos os escalões, de tenentes a generais seniores. As perdas de oficiais russos são muito mais devastadoras para a Rússia do que perdas semelhantes seriam para a Ucrânia, mesmo que a Ucrânia estivesse perdendo oficiais na mesma proporção, o que não parece ser o caso. O exército russo está manifestando uma relação de estilo soviético entre líderes e liderados – os soldados e oficiais subalternos relutam em agir, a menos que um oficial superior os faça e lhes diga exatamente o que fazer. Os defensores ucranianos, por outro lado, têm demonstrado consistentemente a capacidade de operar com grupos menores liderados por líderes mais juniores tomando a iniciativa e agindo com muito mais autonomia. Eles não são tão dependentes da presença de oficiais superiores em todos os lugares para fazer qualquer coisa acontecer. E, novamente, o ônus dos líderes em conseguir que os soldados realizem ataques perigosos e caros é geralmente muito maior do que aqueles que têm que liderar as defesas ou realizar operações contraofensivas para libertar seu próprio país em momentos e locais de sua escolha.

Por todas essas razões a atual ofensiva russa quase certamente irá parar em certo ponto, provavelmente antes de garantir o resto do Oblast de Donetsk — o objetivo declarado de Putin nesta fase da guerra. Quando isso acontecer, os militares russos provavelmente terão gasto o último de sua capacidade de manobra ofensiva disponível por enquanto. Não há uma vasta mobilização de tropas russas se preparando para entrar na guerra, nenhuma reserva inexplorada de tropas prontas para o combate a serem enviadas, não há mais áreas do front para atrair novas tropas para outro ataque. Mesmo que Putin ordenasse a mobilização geral amanhã, novas tropas não começariam a chegar à Ucrânia por muitos meses – tais são as realidades de mobilizar e treinar soldados até mesmo para serem bucha de canhão.

Os militares russos certamente não podem sustentar a atual ofensiva por tempo suficiente e longe o suficiente para destruir os militares ucranianos ou tomar outras grandes cidades. Não devemos permitir que as perdas deprimentes de Severodonetsk e provavelmente mais território no leste obscureçam essa realidade.

Severodonetsk não é um terreno decisivo. Tomá-lo não dá aos russos novos caminhos para conduzir novas ofensivas em termos favoráveis. Perdê-lo não desequilibra a capacidade da Ucrânia de defender posições críticas. A Ucrânia pode perder Severodonetsk e ainda vencer esta guerra. Ele pode perder Luhansk e até Donetsk Oblast, e ainda vencer esta guerra, desde que não perca muito de seu poder de combate efetivo ao fazê-lo.

Assim, a Ucrânia ainda terá sua chance de virar a maré desta guerra mais uma vez a seu favor, mesmo após a queda de Severodonetsk, Lysychansk e outras áreas no leste. Se os ucranianos mantiverem sua vontade de lutar e sua confiança justificada em sua capacidade de libertar muito, se não todo o território ocupado, e se o Ocidente mantiver o compromisso que o presidente Joe Biden articulou recentemente em seu artigo de opinião do New York Times para apoiar a Ucrânia nesse objectivo e abster-se de pressionar Kiev a fazer concessões, então há todas as razões para ter esperança.

Os ucranianos têm muitas razões para esperar que possam libertar seu país ocupado e reconstruir seu estado destruído em um bastião de liberdade forte o suficiente para impedir ataques futuros e, em última análise, viver em paz. A esperança dessa perspectiva não compensa ou reduz a dor que eles sofreram e sofrerão. Mas é uma esperança que parece, pelo menos para quem está de fora, valer a pena lutar, especialmente quando as alternativas são tão terríveis.

FONTE: TIME

- Advertisement -

65 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
65 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nicolas_SS
Nicolas_SS
20 dias atrás

O que a URSS está projetando, é uma grande e vergonhosa derrota e por ser uma ditadura, consegue sustentar por muito tempo.

Nicolas_SS
Nicolas_SS
20 dias atrás

Pelo que me lembro, na WW2 a conquista de Staligrado era importante e vital pois era aonde fica a fonte de combustíveis dos soviéticos, tão importante que os Aliados planejaram um ataque caso a URSS mantivesse fornecendo combustivel, porem a URSS foi invada logo depois. Se Hitler escutasse os seus generais, mesmo que desse certo, ficariam sem combustível. Não lembro exatamente, mas lembro de ter lido uma frase atribuída a Hitler no sentido que seus generais eram bons militares, mas faltava conhecimento dos suprimentos. Estavam apenas pensando em conquistas estratégicas do ponto de destruir o inimigo, e não de manter… Read more »

Jacinto
Jacinto
Reply to  Nicolas_SS
20 dias atrás

Antes de a Alemanha invadir a URSS, a URSS era a maior parceira comercial dos nazistas. A invasão da França, a Batalha de Inglaterra foram energizadas (literalmente) pela URSS, que era quem fornecia petróleo e derivados à Alemanha Nazista.

Mafix
Mafix
Reply to  Jacinto
20 dias atrás

E armas e suprimentos como munição etc….
A URSS fabricava até blindados e tanques para Alemanha nazista.

Nicolas_SS
Nicolas_SS
Reply to  Mafix
19 dias atrás

Fabricava blindados para os alemães? Aonde voce leu isso? Duvido muito isso, a qualidade que os alemaes exigiam era de outro mundo para os soviéticos.

Rogério
Rogério
Reply to  Nicolas_SS
19 dias atrás

No inicio do rearmamento da Alemanha na década de 30, a URSS fabricou muitas coisas escondidas para os nazistas.

JORENE
JORENE
Reply to  Mafix
19 dias atrás

De onde vc tirou essa informacão ????? Da SPUTNIK ? rsrsrsrs

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Nicolas_SS
20 dias atrás

Stalingrado, propriamente dito não era tão importante assim, a fonte dos combustíveis ficava mais ao sul no Cáucaso.

O objetivo em Stalingrado era muito mais político, já que não era necessário conquistar a cidade para estabelecer uma linha defensiva para proteger o flanco das tropas que estavam avançando para o sul.

Mas um ponto é valido, os generais alemães, em sua maioria, não tinham uma visão boa sobre a logística.

Nilson
Nilson
Reply to  Wilson Look
19 dias atrás

Corretíssimo, Wilson, o corte da rota Cáucaso – Moscou, levando o petróleo do sul para o centro da Rússia, poderia ser feito em qualquer ponto do Rio Volga, não apenas em Stalingrado. Imagino que se Hitler tivesse apenas cercado e bombardeado Stalingrado, cortando o Volga em algum ponto ao sul, concentrando suas forças no Cáucaso em vez de dispersá-las em Stalingrado, e diminuindo o tamanho da frente que o ataque a Stalingrado alargou, talvez tivesse tido mais sucesso (ou menos insucesso) naquela campanha. Mas o nome da cidade – Cidade Stalin – era considerado por demais politicamente para que Hitler… Read more »

Zé lesqui
Zé lesqui
20 dias atrás

Uma guerra de atrito.

Last edited 20 dias atrás by Zé lesqui
Wellington Jr
Wellington Jr
20 dias atrás

É uma guerra de atrito, a Rússia envia seus soldados para invadir outro país, a Ucrânia envia seus soldados para defender o seu país. Aqui já fica claro o ponto de diferença moral entre ambos os exércitos. Já do ponto de vista estratégico barragens de artilharia são eficientes se o outro lado não tem como reagir, se o outro lado tem meios de localizar e contra atacar as barragens se tornam menos eficientes. Avançar sob apoio da Artilharia seria mais eficiente tanto para correção dos disparos quanto para aumento da letalidade do ataque. Num futuro quando os EUA perderem o… Read more »

Jacinto
Jacinto
Reply to  Wellington Jr
20 dias atrás

A própria 1ª Guerra Mundial mencionada no texto é uma testemunha de como a mudança no sentido da guerra é rápida. Em março de 1918 os alemães estavam fazendo ofensiva nos territórios da França e da Bélgica e ganhando terreno e em novembro assinava o armistício se rendendo…

Nelson Junior
Nelson Junior
Reply to  Wellington Jr
20 dias atrás

A Guerra da Coréia é a prova mais clara que comprova o que você falou… Quando os EUA realmente resolveram entrar “com tudo” naquela guerra, a Coreia já estava 90% tomada pelos comunistas… A artilharia naval, e os bombardeios aéreos rapidamente reverteu a guerra e em poucos meses eles (aliados) já estavam no paralelo 38… E poderiam ter tomado facilmente o resto da Coreia, mas como o país estava devastado, e sua população destroçada, acharam melhor parar por ali e fazer um acordo de cessar fogo (um erro grave na minha opinião)… Porém no caso da Ucrânia, acredito ser um… Read more »

Alberto
Alberto
20 dias atrás

Rússia está vencendo, Ocidente desesperado lançando seus editais na imprensa. No Brasil a eterna subjugação pelos antigos senhores donos do Brasil, europeus e americanos. China agora já é dona do Brasil, Oriente no controle do mundo mais uma vez, Ocidente decadente e aqui fornecendo matérias-primas.

Sagaz
Sagaz
Reply to  Alberto
20 dias atrás

E a Rússia fornece o que? Aliás, a China é “dona” do ocidente dependendo negociar com o ocidente? Bem coerente o senhor e a sua opinião…

Júnior
Júnior
Reply to  Sagaz
19 dias atrás

Eita, não é que a Dilma deixou um discípulo. Sagaz vc é o cara! Mas o importante é que quem ganhar e quem perder, não vai ganhar nem perder.

José Marinho
José Marinho
Reply to  Alberto
20 dias atrás

Meu caro o Brasil ja é um pais independente a 200 anos, acho ate e me corrijam quem souber que foi o unico pais independente do continente americano a ter uma monarquia,
Acusar Portugal de querer controlar esse enorme pais so mostra mesmo a sua ignorancia sobre a historia do seu pais,

pangloss
pangloss
Reply to  Alberto
20 dias atrás

Das duas uma: ou os “antigos senhores donos do Brasil, europeus e americanos” estão subjugando o país, ou “China agora já é dona do Brasil”.
Do jeito que você escreveu, não fez sentido.
Poderia desenvolver melhor o tema?

Americano
Reply to  Alberto
20 dias atrás

Muito hilário seu comentário. ! A China é tão dependente do ocidente quanto o ocidente é dependente da China . Quanto a vc dizer que o ocidente é está decadente me responda qual economia não sofreu os efeitos da Pandemia ? Vamos fazer comentários com os pés no chão e sem fanatismo que é mais construtivo.

Jacinto
Jacinto
20 dias atrás

Esta guerra vai mesmo no mesmo sentido da 1 guerra mundial (1914-1918) com guerra em trincheiras com apoio de artilharia. E aqui é importante rememorar como ela acabou. No início da guerra, em 1914, os alemães invadiram e ocuparam partes da França e da Bélgica e sustentaram as posições até o último ano dela (1918) as vezes ganhando ou perdendo terreno, mas nada grande. A rigor, em março de 1918 os alemães ainda estavam fazendo operações ofensivas e ganhando terreno (operação Michael e Georgette); mas em agosto daquele ano os aliados fizeram um contra ataque (ofensiva dos 100 dias) que… Read more »

pangloss
pangloss
Reply to  Jacinto
20 dias atrás

A guerra acabou quando começou a faltar alemão para morrer nas linhas de frente.
Uma guerra que só serviu para arruinar a Europa.
E a História se repete.
Será que Putin não poderia ficar sossegado, usufruindo da fortuna que acumulou em suas décadas de rapacidade criminosa, na Rússia?
Precisava buscar uma glória falsa, à custa de morte e destruição, em uma campanha acima das possibilidades de seu exército de mentira?

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
20 dias atrás

Ele voltou….

É o rodízio dos nicks ?

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
20 dias atrás

deve ter percebido que usar 89428925 nicks não resolveu

Rogério
Rogério
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
20 dias atrás

Essa geração identitaria pensa que é uma pessoa diferente a cada novo dia!

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Rogério
20 dias atrás

Pior que este ai é coroa.

dfa
dfa
20 dias atrás

Finalmente comenta com o seu Nick original.
Pois é Reis deixa a coisa rolar…
A 3 meses atrás você glorificava a invasão russa e agora olha…
Dos 30% do território que tinham capturado tem agora 20%, retirada humilhante do norte ucraniano,Moskva afundado, credibilidade dos blindados russos arruinada, baixas a acumular, Finlândia e Suécia muito provavelmente na OTAN…
A continuar assim…

Last edited 20 dias atrás by dfa
Mafix
Mafix
Reply to  dfa
20 dias atrás

Logo ele comenta no proprio comentario com outro nick …

Nelson Junior
Nelson Junior
Reply to  dfa
20 dias atrás

E vão perder os 20, ou quase todo os 20, pode esperar

Nelson Junior
Nelson Junior
Reply to  dfa
20 dias atrás

Se pudesse apostar diria que se muito, os Russos vão ficar com a Criméia e uma pequena parte de Dombass que já tinham antes dessa guerra… Os Ucranianos não querem saber de Russos nos seus territórios como deixa bem claro essa matéria

https://news.usni.org/2022/06/01/ukraine-will-make-no-deals-to-cede-territory-to-end-war-with-russia-says-ambassador

Luis
Luis
20 dias atrás

.

a volta.png
Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
20 dias atrás

É o mesmo esgotamento que você teve de criar nicks e voltou ao original.

Arthur
Arthur
20 dias atrás

Esta é a visão do Ocidente e da turma do chapéu de alumínio aqui do blog. Acho interessante como baseiam suas análises em blogueiros russos e não no campo de batalha. Agora não é mais o papo de “munição para 10 dias”, nem “microchips de geladeira ucraniana”, agora é “irão desistir e dormir por um mês”. Se esta força “cansada e desmoralizada” vencer em Severodonetsk, provavelmente será pulverizada pelos 700.000 mil novos recrutas ucranianos. Como se NCOs surgissem da noite para o dia… Mas com o apoio dos quatro (4) HIMARS que o Biden irá enviar, provavelmente os ucranianos chegarão… Read more »

Sagaz
Sagaz
Reply to  Arthur
20 dias atrás

“Visão do ocidente” . E chapéu de alumínio é o “ocidente” que usa!? O senhor que se basear em opinião de quem, sputinik?

Arthur
Arthur
Reply to  Sagaz
20 dias atrás

Não. Dos Willian Waack e Bonner. Excelentes análises militares. Só assisto CNN, Globo e Fox News.

Munhoz
Munhoz
20 dias atrás

Neste artigo devemos levar em conta cerca de 35% do que foi dito, o resto e aumentado , simplificado e generalizado em casos pontuais, ou seja o sujeito pega relatos e informações pontuais e generaliza os fatos !
E isto esta ocorrendo dos 2 lados, porem o lado ocidental esta bem pior !

Victor Filipe
Victor Filipe
20 dias atrás

Geralmente quem gosta de permanecer na ignorância não é muito fã da leitura não.

Daniel
20 dias atrás

Os russos tomaram Mentiroviski( capital das mentiras)??? Me diz uma coisa xings, já convenceu teu irmão que vive nos estados unidos e usa dólar a ir morar no paraíso que é a Rússia?

Gilson Elano
Gilson Elano
Reply to  Daniel
19 dias atrás

Na cara não, pra poder ter velório!

Nilton L Junior
Nilton L Junior
20 dias atrás

Saudação Tovarich As notas dos think thanks atlanticista são todas iguais, tem que justificar o jaba pago pelos mestres, a Rússia isso a Russia aquilo, no primeiro mês era matar o comediante e colocar um governo pro Moscou/neokazar Putim e a economia russa seria estraçalhada, no segundo mês começaram com a conversa do calendário, porque estava demorando bla bla no terceiro as perdas são enormes e as forças Russas não conseguiram tomar kiev e que ocidente tem que enviar mas armas, pelo visto tem algo de muito errado do lado dos ucras que não esta dando certo. Z bate U… Read more »

Luís Carlos
Luís Carlos
Reply to  Nilton L Junior
20 dias atrás

Saudações.
Cada vez mais forte e avançando!

César
Reply to  Luís Carlos
20 dias atrás

O seu outro nome Antonio Kings pelo visto foi expulso daqui e vc resolveu reativar de novo esse outro, perfil do xings?

Nilton L Junior
Nilton L Junior
20 dias atrás

Mesmo papo desde o inicio da operação.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Nilton L Junior
20 dias atrás

Você tb está com o mesmo papo desde o início da invasão tb…

Então nada mudou

Last edited 20 dias atrás by Rodrigo Martins Ferreira
MAB
MAB
Reply to  Nilton L Junior
20 dias atrás

Dia 104 da guerra, digo , operacão especial engana trouxa.

Americano
20 dias atrás

Ele voltou ! Aleluia

Luís Carlos
Luís Carlos
Reply to  Americano
20 dias atrás

Mas, não deixam o sujeito descansar.
kkkkkk

Alecs
Alecs
Reply to  Luís Carlos
18 dias atrás

Você é muito chato! “Legal” é só o original! kkkkkkkkkkkkkkkkkk Antoniokings (Tonho da Lua) é o Meu Malvado Favorito! kkkkkkkkkkkkkkkk

pangloss
pangloss
20 dias atrás

Lê não, paulotd. Pode ser cansativo e frustrante para a sua torcida.

MAB
MAB
20 dias atrás

Eu continuei ! Melhor você ficar no seu “Mundo encantando de bob”.

Atirador 33
Atirador 33
20 dias atrás

Essa guerra de informações é tenso e prejudicial para se saber a real situação, mais o texto me pareceu bem razoável, esgotamento de soldados ucranianos, e pelo lado russo nada novo, “a pátria mãe moendo seus soldados”, esse comportamento só deu certo na IIWW porém as custas da vida de muitos militares por execução amiga, na invasão de 1914, os soldados foram largados 3 anos a sorte o que acendeu o estopim da tomada ao poder pelos bolcheviques. Passado tantos anos a história se repete.

PACRF
PACRF
20 dias atrás

Não perca mais tempo. A melhor fonte de informação para torcida do Putin é a mídia “chapa-branca” da Rússia.

Fábio De Souza
Fábio De Souza
20 dias atrás

Verdade !! Que reportagem sensacionalista .

Fábio De Souza
Fábio De Souza
20 dias atrás

Verdade kkkkkk.

Elisandro
Elisandro
20 dias atrás

Resumo: “A Ucrânia pode até perder, mas mesmo assim ela irá ganhar, porque…Eu quero que ela ganhe!” Fica difícil dar crédito assim. A verdade é que os russos estão mobilizando reservas sim. Lá pela metade deste mês os veremos em campo, ou até mesmo antes.

Jacinto
Jacinto
Reply to  Elisandro
19 dias atrás

A análise do resultado de uma batalha (ou de uma guerra) não é unidimensional: uma batalha (ou uma guerra) pode perfeitamente ser vencida por uma parte no campo militar, mas se provar um derrota estratégica, seja porque o custo da vitória não compensou os danos do conflito, seja porque a vitória plantou elementos que, mas tarde, reverteram-se contra o vencedor. Um exemplo que se costuma dar (embora controvertido e eu pessoalmente discorde) é o Reino Unido, que venceu a 2ª Guerra Mundial – mas para isso, perdeu seu império colonial e economicamente, acabou ficando atrás dos perdedores (Alemanha e Japão)… Read more »

Elisandro
Elisandro
Reply to  Jacinto
19 dias atrás

Mas no contexto ele diz que a Ucrânia pode perder territórios que jamais poderá reconquistar e mesmo assim ser vencedora. Ou que poderá perder a guerra e territórios e mesmo assim ser vencedora… Ele tenta transformar um “perde-perde” em um “ganha-ganha” porque quer que seja assim…

Jacinto
Jacinto
Reply to  Elisandro
19 dias atrás

A Alemanha também perdeu território na 2ª Guerra Mundial: o que hoje se chama de Kaliningrado, até 1946 era uma região alemã centrada em Konisberg. Isso não a impediu de obter, pela política e pela força de sua economia o que não obteve pelas armas na 2ª Guerra: uma esfera de influência que engloba toda a Europa, incluindo a Europa Central e o leste da Europa (com exceção de Bielorússia) que antes eram parte da URSS ou do Pacto de Varsóvia. Perder território não é nenhuma desgraça irreparável.

Elisandro
Elisandro
Reply to  Jacinto
19 dias atrás

Podemos querer qualquer coisa do futuro. Agora, que será assim porque nós queremos é outra história….

Oráculo
Oráculo
19 dias atrás

Texto 100% parcial.
Nem dá pra levar a sério.

Quando o sujeito utiliza termos como “soldados desmoralizados e assustados da Rússia” pode saber que a seriedade e imparcialidade já foram pro saco faz tempo.

No South Front tem análises quase iguais a essa, só que puxando a sardinha pro lado russo.

Ao contrário dos outros 2 textos publicados hoje, muito bons, esse é uma fanfarronice só.

Last edited 19 dias atrás by Oráculo
Emmanuel
Emmanuel
19 dias atrás

A Time tem tanta credibilidade quanto o Tass, a Folha de São Paulo e o Sputinik. Juntos, a 80 km/h, ninguém sabe quem passa mais vergonha. Engraçado é ver a galera vibrando com uma vergonhosa derrota russa que não está acontecendo. E nem vai acontecer. Assim como é engraçado ver a galera vibrando, do outro lado, de uma vitória avassaladora russa que não está acontecendo. E nem vai acontecer. Nem a Ucrânia tem e terá força para expulsar os russos, e, nem a Rússia tem e terá força para dominar totalmente a Ucrânia. Os dois lados da torcida estão errados… Read more »

L G
L G
19 dias atrás

A Rússia aprende nas batalhas e nas guerras eles tem territórios de sobra para aprender. Segunda guerra mundial foi um grande aprendizado para os russos sem falar nas invasão de Napoleão que os russos terminaram em Paris. Vamos aguardar e estudar. Está apenas começando. O tempo das guerras e diferente dos tempos de paz. Vamos estudar e aguardar

Homero
Homero
19 dias atrás

Pelo visto AntonioKings é muito popular por aqui, odiado, mas faz muita falta… XD
Os caras atribuem todos os comentários que destoam de seus conceitos a ele… “Kings, o Fantasma dos Mil Nicks” kkkkkkk

Last edited 19 dias atrás by Homero
Gilson Elano
Gilson Elano
19 dias atrás

Comenta, por gentileza, o desastre material que está sofrendo o exército russo.

Alecs
Alecs
18 dias atrás

Ressuscitou dos mortos Tonho! kkkkkkkkkkkkkkkk Agora sim! Vou comentar com mais gosto! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

“Tropas russas esgotadas?”
Claro que estão. Foram preparadas para um passeio no parque de duas semanas e depois descobriram que era guerra. Tanto que recuaram, pois viram que se continuassem a humilhação seria ainda maior! Os ucranianos também estão exaustos e cada vez mais dependentes.
P.S.: Mate logo o “Luis Carlos”, ele é muito chato! kkkkkkk O Tonho da Lua é muito mais “legal” como comentarista!

Alecs
Alecs
18 dias atrás

Prezados editores,
Poderiam por gentileza liberar meus comentários? o Antoniokings (Tonho da Lua) voltou. Ele é o doidinho mais comediante que o Volodymyr Zelensky. Apesar de suas sandices a triologia fica mais engraçada com ele!

Últimas Notícias

Stoltenberg: Diálogo amplo entre Rússia e OTAN não é mais possível

BRUXELAS, 27 de junho. /TASS/. A Otan e a Rússia devem preservar as linhas de comunicação, mas um amplo...
- Advertisement -
- Advertisement -