segunda-feira, novembro 28, 2022

Saab RBS 70NG

‘Al Stugna’?

Destaques

Guilherme Poggio
Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

ATGM de origem ucraniana sendo empregado com laptop com caracteres em árabe. Saiba a razão.

Para os ocidentais se o alfabeto cirílico já apresenta dificuldades, imagine então operar um sistema todo feito com caracteres árabes? Esta não parece ser uma dificuldade para alguns operadores de sistemas ATGM (anti-tank guided missile) ucranianos Stugna-P.

O Stugna-P, também conhecido como Skif, é um ATGM desenvolvido pela empresa Luch de Kyiv que produz diversos mísseis, incluindo o Neptune, que supostamente afundou o cruzador Moskva da classe Slava.

O sistema é basicamente composto por um tripé com o míssil e seu lançador, e uma estação de programação e controle (que basicamente é um laptop mais robusto). Embora o míssil possa ser disparado pelo método fire-and-forget (ele segue um feixe de laser até o alvo) a estação de controle possui um joystick para o operador direcionar o míssil se assim desejar.

Diversos são os vídeos nas redes sociais mostrando o Stugna-P em ação. Tem praticamente um vídeo novo de alvo atingido por Stugna-P por dia. Um desses vídeos chamou a atenção porque os caracteres da tela estavam em árabe. Sabe-se que o sistema já foi exportado para países como a Argélia e a Arábia Saudita.

Até o início do ano havia outros países árabes interessados no sistema como Catar e o Iraque. Acredita-se que os equipamentos produzidos para um desses países estava pronto até dias antes do ataque russo em 24 de fevereiro e acabou não sendo entregue pela urgência do combate. Para um operador de Stugna-P com experiência uma simples mudança como essa não deve fazer diferença.

O míssil tem feito muito sucesso e o interesse pelo sistema aumentou. Basta saber se a empresa sobreviverá à guerra para atender ao aumento da demanda.

- Advertisement -

24 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

24 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Victor Filipe
Victor Filipe
5 meses atrás

Sim, os sistemas que seriam enviados para os países de linguá árabe foram requisitados pelo exercito ucraniano para uso na defesa nacional.

Se não me engano eu me recordo de ter lido uma noticia sobre isso afirmando que o acordo de compra foi renegociado ou que o valor da compra foi devolvido, não me recordo exatamente.

OBS: Poggio na matéria, nessa parte aqui “vídeos chamou a atenção porque os caracteres da tela estavam em árabe. Sabe-se que o sistema njá foi exportado para países como”

tem um n que se meteu no meio do Já ai kkkk

Material arquivo
Material arquivo
Reply to  Guilherme Poggio
5 meses atrás

Slava Ukraini, Poggio.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Guilherme Poggio
5 meses atrás

então quer dizer que meus óculos estão funcionando bem hahaha

Rafael Cordeiro
Rafael Cordeiro
Reply to  Guilherme Poggio
5 meses atrás

Mas aí não seria “olhos de águia”? kkk

“Olhos de água” não faz muito sentido!

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Reply to  Rafael Cordeiro
5 meses atrás

Uma velha piada construía-se sobre a confusão entre ‘agúia'(agulha em caipirês falado) de ouro e águia de ouro…

Mafix
Mafix
Reply to  Victor Filipe
5 meses atrás

Li um ucraniano no twitter falando que vão entregar em um ‘futuro’ proximo os sistemas em outro tipo de acordo …

Bosco
Bosco
5 meses atrás

O Stugna tem uma característica singular que é ter um “pedestal” motorizado (servomotorizado) e controlado a distância enquanto mísseis similares têm pedestal movimentado manualmente e com controle local. A vantagem do Stugna é que coloca o operador/atirador longe do lançador no caso dele ser detectado e atrair um contra-ataque. Basicamente o sistema é composto pelo pedestal motorizado, pelo sistema de mira EO, por uma bateria de longa duração , pelo tubo/míssil e pelo controle remoto ligado por um cabo ao lançador (com o joystick). O míssil é guiado por “cavalgadura” laser (laser beam riding) independente de operar no modo “manual”… Read more »

Régis
Régis
Reply to  Bosco
5 meses atrás

Obrigado pela explicação Bosco, eu estava em dúvida sobre a guiagem do míssil. O método do Stugna é semelhante ao utilizado no M.S.S.-1.2?

Bosco
Bosco
Reply to  Régis
5 meses atrás

Sim Régis. Ambos são guiados por “laser beam riding”, com receptores laser na traseira . A diferença é que o Stugna parece ter um sistema de autotracking opcional enquanto o MSS 1.2 o tracking do alvo é manual.

Bosco
Bosco
Reply to  Bosco
5 meses atrás

Régis, Só como curiosidade, os mísseis podem ser classificados em dois grandes grupos, os teleguiados e os autoguiados. Essa classificação tem a ver com a relação do míssil com a sua unidade de lançamento/controle. Um míssil que recebe comandos diretos (via RF ou fio) da unidade durante todo percurso até o alvo é teleguiado. Um míssil que após ser lançado não recebe comandos da unidade é autoguiado. Os mísseis teleguiados estão em franca decadência. Só como exemplo, nas forças armadas americanas os únicos teleguiados são o TOW (fiou ou RF) e o Patriot PAC-2 (RF). Todos os outros mísseis são… Read more »

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Bosco
5 meses atrás

interessante, mas eu classificaria diferente, como por exemplo o SM6 que recebe update do radar do navio, mesmo que ele use seu próprio radar para achar o alvo, o classificaria como teleguiado, já o Javelin e Maverick são sim autoguiados, bom, mas não sou eu que decido nada kkk

Bosco
Bosco
Reply to  Carlos Campos
5 meses atrás

Você não está errado. Você considera teleguiado um míssil dependente de monitoramento constante de sensores externos a ele de modo a poder achar o alvo. Eu considerei a distinção entre teleguiado e autoguiado a dependência ou não de comandos diretos da estação de controle, independente do suporte que esta dê ao míssil ao longo da sua trajetória. Fazendo uma analogia com aquela brincadeira infantil de esconder um objeto numa casa e de uma delas sair para procurá-lo, o “quente e frio” ficaria mais ou menos assim, de acordo com a classificação que eu citei. Teleguiado: uma criança com venda nos… Read more »

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Bosco
5 meses atrás

essa explicação foi de matadora, igual LRASM na cola de um navio kkkkk bem explicado.

Bosco
Bosco
Reply to  Carlos Campos
5 meses atrás

Carlos, Uma outra classificação interessante e que gera polêmica é a relativa ao termo “arma inteligente” muito utilizada na grande mídia (leiga). Em geral eles dão como sendo sinônimo de arma guiada (míssil), o que não é verdade. Há mísseis que não são “inteligentes” e há armas inteligentes que não são guiadas. A rigor uma arma inteligente é que toma decisões baseadas nos seus algoritmos. Por exemplo, uma mina naval que tem uma espoleta inteligente baseada na pressão e na assinatura magnética é uma arma inteligente e não é guiada. Aquelas submunições antitanque como a SADARM e a BONUS são… Read more »

Mafix
Mafix
Reply to  Bosco
5 meses atrás

O sistema Stugna é da era sovietica ou é invenção ucraniana ?

Falando sobre o mesmo vi um video de um atirador ucraniano atirando e ‘mirando’ o missil para cima a tragetoria para pegar na parte superior da torre do tanque russo estilo javelin improvisado …

Bosco
Bosco
Reply to  Mafix
5 meses atrás

Mafix,
O Stugna é muito parecido com o Kornet. Ambos foram desenvolvidos depois do fim da URSS mas devem ter uma base comum desde essa época.
A grande sacada dos ucranianos forem colocar o míssil num pedestal motorizado e o sistema de controle ser operado a distância.
Isso tem vantagens mas também tem desvantagens: custo maior, maior fragilidade, maior complexidade, etc.
Sinceramente não sei se no caso de falha do controle remoto ou dos servomotores do tripé sé é possível reverter para um modo manual/controle local.

Bosco
Bosco
Reply to  Mafix
5 meses atrás

O que dizem poder ser feito com mísseis guiados por laser beam riding quando engajando um veículo de combate que possa ter sensores que captem a energia laser e possa implementar contramedidas é mirar num ponto próximo ao alvo para que o laser do lançador não faça soar o sistema de alerta (LWS) do veículo e quando o míssil está mais perto o operador foca no alvo de verdade e o míssil corrige a trajetória a tempo de atingir o alvo.
Não se se na prática isso é possível de ser implementado.

Last edited 5 meses atrás by Bosco Jr
Theo Gatos
Theo Gatos
5 meses atrás

Um pequeno typo…

“Neptune, que supostamente afundo ou o cruzador Moskva”

Corrigir de “afundo ou” para “afundou” se acharem interessante!

Abs

Mgtow
Mgtow
5 meses atrás

A empresa não sobreviverá
Não em solo ucraniano

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Mgtow
5 meses atrás

Qual o solo que sobreviverá ?

Carlos Campos
Carlos Campos
5 meses atrás

é tipo a gente jogando com tudo em inglês sem saber inglês, depois que fuçávamos tudo, já sabíamos o que era cada coisa kkkkk hoje em dia o pessoal joga tudo em português, bom nesse vídeo a situação é muito parecida.

Últimas Notícias

Imagens de uma guerra: míssil anticarro erra o alvo por pouco

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra um ATGM russo passando sobre um carro de combate ucraniano. A...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -