sexta-feira, agosto 19, 2022

Saab RBS 70NG

Munição da Ucrânia se torna questão decisiva na batalha por Donbas

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Análise: à medida que os projéteis da era soviética se esgotam, a Ucrânia apela para artilharia que pode usar projéteis da Otan, mas as entregas são lentas

Para os militares da Ucrânia, a questão da munição para sua artilharia tem sido uma espécie de catch-22.

Na batalha por Donbas no leste – que se tornou em grande parte um duelo de artilharia entre as forças russas e ucranianas – Kyiv dependia fortemente até recentemente da munição da era soviética para a artilharia que compõe grande parte de seu arsenal.

Agora que a munição está acabando desesperadamente, a Ucrânia está apelando para seus aliados para substituir sua artilharia por sistemas que usam munição da Otan, armas que estão chegando lentamente em comparação com as necessidades da Ucrânia.

“Esta é uma guerra de artilharia agora”, disse Vadym Skibitsky, vice-chefe da inteligência militar da Ucrânia, no início deste mês.

“Estamos perdendo em termos de artilharia. Tudo agora depende do que [o Ocidente] nos dá”, acrescentou. “A Ucrânia tem uma peça de artilharia para 10 a 15 peças de artilharia russa. Nossos parceiros ocidentais nos deram cerca de 10% do que eles têm.”

No centro da questão está o fato de que os calibres de projéteis usados ​​pelos EUA e outros países da Otan diferem daqueles usados ​​na artilharia da era soviética e não são intercambiáveis.

Os calibres mais comuns na Otan são de 105 mm e 155 mm. As armas da Ucrânia, que datam da época da Guerra Fria, disparam projéteis de 122-152 mm.

Os estoques de projéteis de 152 mm tendem a ser mantidos por ex-repúblicas soviéticas, cuja capacidade de vender para Kyiv é complicada pelas relações contínuas com Moscou, enquanto vários países africanos e do Oriente Médio também mantêm estoques. Moscou vem realizando uma campanha clandestina para impedir que o ex-Pacto de Varsóvia e outros países que têm munição forneçam munição à Ucrânia.

Apesar dos intensos esforços do Pentágono – e de traficantes de armas particulares – para encontrar projéteis adicionais de 152 mm, parece que agora há poucos disponíveis.

A questão tem sido decisiva em Donbas nas últimas semanas, onde se estima que as forças russas estejam disparando até 60.000 projéteis por dia em comparação com os 5-6.000 da Ucrânia. As tropas de Kyiv têm sido cada vez mais forçadas a conservar munição.

Segundo alguns analistas, a própria Rússia está enfrentando problemas com o fornecimento de munição, embora tenha um estoque muito maior do que a Ucrânia.

E enquanto os aliados da Ucrânia no oeste estão trabalhando para fornecer sistemas compatíveis com os projéteis da Otan, a transformação em massa das forças armadas da Ucrânia em meio a um conflito está ficando para trás das exigências do campo de batalha de Kyiv.

Outra questão na transição para os sistemas da OTAN é o treinamento. Enquanto a Ucrânia está recebendo sistemas como o obus M777 de 155 mm e sistemas de foguetes de lançamento múltiplo de longo alcance, como os Himars fornecidos pelos EUA, as tropas ucranianas precisam ser treinadas para usá-los.

“Temos munições do novo tipo, mas ainda não temos armas [para dispará-las]”, disse recentemente ao Washington Post Mariana Bezugla, vice-chefe do comitê de segurança nacional, defesa e inteligência do parlamento ucraniano, acrescentando que a Ucrânia usou mais dos projéteis da era soviética que foram produzidos globalmente em um dia.

FONTE: The Guardian

- Advertisement -

45 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

45 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Hcosta
Hcosta
1 mês atrás

As conchas?
traduções automáticas…

Last edited 1 mês atrás by Hcosta
M.@.K
M.@.K
Reply to  Hcosta
1 mês atrás

Também fiquei curioso e pesquisando rapidamente achei no Wiki que “concha” se refere também a munições de artilharia de formato cilíndrico oco. Acho que deve ser alguma sinônimo estrangeiro … ta aí uma coisa que eu não sabia.

Henrique
Henrique
Reply to  M.@.K
1 mês atrás

É de “shell”. A tradução correta seria granada de artilharia ou obus, se estiver falando da granada e da carga propelente, tiro completo, o que em inglês é chamado de “round”.

Last edited 1 mês atrás by Henrique
Heinz
Heinz
1 mês atrás

Ai vem uns comentaristas me falarem, que a Rússia está lutando contra a Ucrânia e mais 30 países. Sendo a Rússia superior, em TODAS as classes de armamentos. Artilharia muito superior. Aviação não vou nem comentar. Tanques, a diferença é gritante. Sistemas de comunicação, a Rússia domina. Ou seja, a Rússia está com a faca e o queijo na mão. Enquanto ela repõem rapidamente seus estoques de munição e armamentos pesados, a Ucrânia tem que esperar semanas para isso e muitas vezes chegam a conta gotas. o que me impressiona é os ucranianos ainda continuarem lutando com inúmeros problemas, baixas… Read more »

Slow 🇧🇷
Slow 🇧🇷
Reply to  Heinz
1 mês atrás

Falo quantas vezes for necessário e não é opinião e sim fato, a Ucrânia é bancada por 30 países e todo mundo sabe que ela só continua ali ainda por causa dos países que banca .

Olha o tanto de munição , armas , suprimentos e dinheiro que entrou lá ..

Last edited 1 mês atrás by Slow 🇧🇷
Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Slow 🇧🇷
1 mês atrás

é como se dessem morfina para um lutador todo arregaçado continuar lutando.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Heinz
1 mês atrás

cara tu comentou tanta coisa errada, Aviação Russa é mais fraca, Tanques, o Armata é o melhor do Mundo mas não tem 100 deles, e nenhum MBT sem proteção ativa dura muito, sistema comunicação da OTAN por meio dos satélites de StarLink é sem comparação, o que tá fazendo a Ucrania perder é que ela é fraca e tá resistindo por meio de doações.

Fabio Jeffer
Fabio Jeffer
1 mês atrás

Acho que isso é notícia antiga, pq faz tempo que os disparos russos são na proporção 10/15 pra 1. Outra coisa interessante de se comentar é que os Russos fabricam suas munições, então é improvável que estejam sentindo dificuldades nesse sentido. Lembrando que a artilharia nas forças Russas é um conceito e tem uma história de mais de trezentos anos

Rayan
Rayan
Reply to  Fabio Jeffer
1 mês atrás

A matéria se refere à escassez de munição de calibres 122 e 152 mm dos sistemas de artilharia de origem soviética em relação à Ucrânia. A Rússia tem um estoque gigantesco herdado da ex URSS e capacidade fabril própria.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Fabio Jeffer
1 mês atrás

Dai a importância de fabricar pelo menos a própria munição. Tem gente que prefere tudo de prateleira.

Caio
Caio
Reply to  Fabio Jeffer
1 mês atrás

A Ucrânia também produzia sua própria munição , mas é uma incógnita o que houve com a indústria militar desse país, nesses sete anos de desavenças militares com os russos.

Cidadão das Sombras
Cidadão das Sombras
Reply to  Caio
1 mês atrás

Numa casca de noz, corrupção massiva e sucateamento.

Paulo Brics
Reply to  Fabio Jeffer
1 mês atrás

Qual é a fonte na qual se baseia para afirmar que “faz tempo que os disparos russos são na proporção 10/15 pra 1”?

Todas as notícias recentes vindas de fontes da otan dizem que a proporção é de 50 a 70 para 1, inclusive is próprios ucranianos dizem isto.

Fonte: vozes na tua cabeça de negacionista?

Posta o link aí.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Paulo Brics
1 mês atrás

Concentraram a artilharia numa área. Os números vão depender disso.
E coisa diferente são as munições disparadas e o número de canhões. E se inclui os rockets.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Fabio Jeffer
1 mês atrás

munição não dá em árvore, a Rússia tá sentindo sim o impacto, pq ela não tá lutando contra a Ucrania, tá lutando contra a Ucrânia apoiada pela OTAN.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 mês atrás

Foi uma das perguntas que eu fiz a alguns dias atrás:
A Ucrânia ainda tem capacidade de fabricar sua própria munição “burra” ( munição de armas leves, de obus ou canhão ), ou sua infra-estrutura pra isso foi destruída?
Caso dependa da OTAN pra isso, eles estão conseguindo entregar essa munição rapidamente e na mesma proporção em que é gasta, ou a uma discrepância aí?

Henrique
Henrique
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Ninguém hoje fora a China, EUA e talvez Alemanha tem capacidade industrial pra fazer uma mobilização como da Segunda Guerra mundial. É o que digo: nós aqui no Brasil devemos aproveitar o tempo de paz para formar um estoque grande de munição, se uma guerra estourar vai ser tarde para querer fabricar as coisas que precisamos.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Henrique
1 mês atrás

No nosso caso consegue ser pior, pois você pode contar nos dedos as armas eequipamentos 100% nacionais que temos…

Henrique
Henrique
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Exato. Por isso a importância de estoques. Temos que estocar em grandes quantidades munição e peças sobressalentes de sistemas estrangeiros ou nacionalizar.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Henrique
1 mês atrás

Nessa lista falta a Rússia.

Henrique
Henrique
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
1 mês atrás

A Rússia é praticamente um posto de gasolina gigante, eles quase não tem mais indústria. Estão fazendo essa guerra com estoque da URSS.

Capa Preta
Capa Preta
Reply to  Henrique
1 mês atrás

Munição estocada estraga. O que tem que ter e uma linha de produção regular e contínua, e que possa ser expandida em caso de necessidade .

Last edited 1 mês atrás by Capa Preta
Henrique
Henrique
Reply to  Capa Preta
1 mês atrás

As dos russos são da época da guerra fria e ainda assim estão lhes servindo bem. Munição de arma de fogo é quase imperecível se adequadamente acondicionada, por exemplo. Ter essa capacidade industrial de expandir exige capacidade já instalada, maquinaria e pessoal treinado. Você acha que a Imbel tem isso? Nós deveríamos comprar todos os anos de 20 a 50 mil granadas para formar um bom estoque de guerra. Você acha que os americanos produziram do dia para noite as mais de 200.000 mil granadas que eles doaram aos Ucranianos? Não, eles tiraram dos vastos estoques que eles tem. Pouca… Read more »

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Henrique
1 mês atrás

a Imbel não tem como produzir em larga escala pra enfrentar uma coalizão contra o Brasil, mas CBC é uma das maiores fabricantes de munições do mundo, pelo menos pra pistola e fuzil e não ia faltar, o gargalo é munição de 12mm pra cima.

Mercenário
Mercenário
Reply to  Henrique
1 mês atrás

Henrique,

A Alemanha também não fabrica todas as munições que usa. Basta ver que os Gepard, por exemplo, dependiam de munição fabricada na Suiça.

Henrique
Henrique
Reply to  Mercenário
1 mês atrás

Falo em potencial. Os alemães tem uma indústria grande e sofisticada e numa mobilização teria capacidade de produzir muitas munições e armamentos.

Henrique
Henrique
Reply to  Mercenário
1 mês atrás

A dona dessa fábrica na Suíça é a Rheinmetall, se o governo alemão quiser e pagar, essa fábrica pode ser transferida para Alemanha.

Caio
Caio
Reply to  Henrique
1 mês atrás

Seis “nacionalistas de hoje” que preferem o gasto com outras “prioridades” discordam de você.

Bruno
Bruno
1 mês atrás

Imagina a loucura que está sendo essa troca de armamento no meio de uma guerra…troca de calibres, de armas, de doutrina de uso….

Mas é guerra…usa o que tiver e usa bem, ainda mais nessa situação da Ucrânia.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Bruno
1 mês atrás

Pois é, e aqui alguns reclamavam do Mi-35, blá blá blá manuais diferentes, revisões diferentes, doutrinas diferentes, e tudo isso em tempos de paz, imagina os ucrânianos mudando tudo em plena guerra, mas, é como você mesmo disse, é guerra e eles não tem tempo para ficar de blá blá blá.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

O equipamento nem chega direito, e eles já são obrigados a mandá-los pro campo de batalha. Se brincar, nem dá tempo de ler o manual direito.

Mafix
Mafix
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Eles recebem uma ou mais semanas de treinamento basico para operar os novos equipamentos, li sobre um oficial ucraniano falando que eles estão motivados a aprender operar novos equipamentos fora que estão treinandos novos oficiais para suas forças armadas .

Henrique
Henrique
Reply to  Bruno
1 mês atrás

Eles estão concentrando esses meios ocidentais em certas unidades, então não deve ser tão problemático, mas óbvio que ter um material padronizado é melhor que essa salada.

RPiletti
RPiletti
1 mês atrás

Insustentável… infelizmente o roteiro está escrito. Diferente do inicio da operação especial, agora os russos estão menos incompetentes. Ou o ocidente entra pra valer neste conflito ou os russos chegarão na Polônia até o final do ano.

gordo
gordo
Reply to  RPiletti
1 mês atrás

Não creio que cheguem até a parte ocidental da Ucrânia. Se as perdas Ucranianas forem altas na luta pelo Donbas não é improvável que os Russos tomem todo o litoral e cheguem a fronteira com a Moldávia.

pgusmao
pgusmao
1 mês atrás

A burocracia da OTAN nessa guerra é impressionante, tudo demora meses para ser entregue, a Alemanha é a principal responsável pela demora no repasse de armamento, mas a França não fica atrás, se não fosse a Polônia e outros vizinhos, a situação seria ainda pior. Não adianta entregar 20 tanques ou 6 obuses, a situação requer repasse de material em grande escala, inclusive aviões de combate!!

Henrique
Henrique
Reply to  pgusmao
1 mês atrás

A elite política desses países tem reticências em fornecer armamentos por questões políticas. E além do mais, eles tem exércitos pequenos, então não é como se eles estivessem enormes estoques de armas e munição sobrando para doar.

Last edited 1 mês atrás by Henrique
RPiletti
RPiletti
Reply to  pgusmao
1 mês atrás

Trump não estava errado quando pedia mais investimento por parte dos Euros…

Zorann
Zorann
Reply to  pgusmao
1 mês atrás

Alemanha, França e Itália ainda têm esperança de que uma negociação de paz seja possível. Estes países tem pressionado a Ucrania para um acordo e tentando conversar com Moscou. Há diversas matérias em mídia ocidental, sobre este assunto nas últimas semanas…. Visitas a Kiev etc..

Não querem escalar o conflito.

Esta semana passada na questão de Kaliningrado, está havendo interferência destes países numa tentativa de resolver os problemas de desabastecimento no enclave russo, devido as sanções e a posição da Lituania de não permitir o transito de mercadorias russas através de seu território.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  pgusmao
1 mês atrás

eu como advogado dos Alemães, digo que eles não tinham como obrigação de ajudar em guerra que está destruindo sua economia, os EUA e UK que apoiaram a Ucrania para dar suas armas nucleares para Rússia, que a Russia ia manter a integridade territorial da Ucrania é que deveriam estar fazendo das tripas coração para ajudar a Ucrania.

Zorann
Zorann
1 mês atrás

A fonte é ocidental…. a situação real deve estar ainda pior do que a matéria retrata.

JuggerBR
JuggerBR
1 mês atrás

O foco é a logística, quem faz bem consegue seguir lutando, quem não faz, fica pelo caminho. Creio que os comandos ucranianos e da OTAN devem estar focados em destruir as linhas de suprimentos russos, é o caminho pra ganhar tempo…

Wellington R. Soares
Wellington R. Soares
1 mês atrás

Não entendo essa insatisfação do presidente da Ucrânia, reclamando da ajuda do ocidente.
Tiveram muito tempo para se armar e ficaram confiando que a Rússia nunca iria invadir eles.
Isso serve de lição para nós também. Depois que a água tá no pescoço não tem muito o que fazer.

Mgtow
Mgtow
1 mês atrás

O Donbass ja era.
Não há mais nada que a Ucrânia e seus padrinhos podem fazer.
A fase 3 é a bola da vez. A tomada de Odessa, e do litoral e a ligação com a transnistria já está no radar

Carlos Campos
Carlos Campos
1 mês atrás

A Holanda vai doar mais 6 PzH2000, agora a retomada vai começar, brincadeiras à parte, acredito que a deveriam dar mais munição a Ucrania se realmente querem que ela ainda possa se defender, mas pelo que vejo tá doendo na OTAN, ou a OTAN dá mais munição ou para de fingir apoiar, que é o que eu acho que eles estão fazendo, usando os coitados dos Ucranianos para enfraquecer a Rússia.

Últimas Notícias

Brasil e Coreia do Sul fecham acordo para produção de semicondutores da Samsung no país

O Brasil e a Coreia do Sul estão fechando acordos para a construção de uma fábrica de chips semicondutores...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -