A indústria de exportação de armas da Rússia – historicamente a segunda mais lucrativa do mundo depois dos Estados Unidos – parece estar entrando em colapso sob o peso de mudanças tecnológicas, isolamento político internacional e sua desastrosa guerra na Ucrânia, de acordo com novos números divulgados pelas principais empresas de armas do mundo.

Dados publicados pelo Instituto Internacional de Pesquisa da Paz de Estocolmo (SIPRI) na segunda-feira mostram que as exportações militares da Rússia caíram 31% nos últimos cinco anos em comparação com os cinco anos anteriores, ameaçando a posição de Moscou como o segundo negociante de armas mais influente do mundo.

A participação da Rússia nas exportações globais de armas caiu de 22 para 16 por cento entre 2013-2017 e 2018-2022, deixando-a muito atrás dos EUA, que respondem por 40 por cento das exportações militares, e apenas ligeiramente à frente da França, que foi a fonte de 11 por cento das exportações de armas nos últimos cinco anos.

Os dados mais recentes do SIPRI confirmam as reportagens da Newsweek do ano passado , indicando uma trajetória sombria para os exportadores militares russos . “É realmente substancial, mas não é realmente surpreendente”, disse Siemon Wezeman, pesquisador sênior do SIPRI, à Newsweek . “E não é apenas por causa do que está acontecendo na Ucrânia em 2022; é algo que você pode ver chegando.”

O Ocidente tem trabalhado para isolar a Rússia desde a invasão e anexação da Crimeia – e o fomento da agitação na região ucraniana de Donbass – desde 2014. O esforço foi intensificado desde que as tropas russas invadiram novamente o território ucraniano em fevereiro de 2022. Liderados por Washington, os adversários de Moscou estão destruindo a base de clientes do Kremlin.

Enquanto isso, as taxas incrivelmente altas de baixas russas e perdas de equipamentos na Ucrânia estão pressionando os produtores de defesa, assim como o desempenho menos do que estelar das principais plataformas de armas russas que parecem incapazes de combater as armas mais avançadas da OTAN usadas pelas tropas ucranianas .

Denis Manturov, vice-primeiro-ministro da indústria e comércio da Rússia, disse à Interfax no mês passado que uma parte “significativa” das armas produzidas no país está sendo direcionada para os campos de batalha ucranianos. “Sua provisão é nossa prioridade absoluta, mas mesmo nessas condições continuamos trabalhando com nossos parceiros de países amigos e cumprindo nossas obrigações”, afirmou.

“Existem diferentes questões com as quais a Rússia tem que lutar”, disse Wezeman. “Um, é claro, é a pressão dos EUA e outros – já em andamento desde 2014 – sobre clientes potenciais e clientes existentes da Rússia, para parar e não comprar material russo e, ao mesmo tempo, oferecer-lhes tecnologia alternativa e armas alternativas.

“Eles fizeram isso fortemente com a Índia, mas também fazem com outros. Eles fizeram isso com a Indonésia, e isso levou a Indonésia a cancelar uma encomenda de aviões de combate russos. Eles fizeram isso com o Egito, onde não é dito tão alto, mas o Egito tinha um pedido de aeronaves de combate da Rússia e isso desapareceu. É bastante óbvio, eu diria, que os EUA os pressionaram.”

O problema é anterior à invasão em grande escala da Ucrânia, embora tenha sido exacerbado pela aposta revanchista do presidente Vladimir Putin .

“Eles ainda teriam esses problemas”, disse Wezeman. “A invasão, é claro, aumenta isso porque é ainda mais pressão dos EUA e de outros estados: ‘Não compre da Rússia. Ou você está conosco ou está contra nós. Se você comprar da Rússia, parece que você está contra nós. E se você estiver conosco, talvez estejamos dispostos a fornecer todos os tipos de tecnologia maravilhosa.'”

“Talvez dois anos atrás isso seria um pouco duvidoso, mas hoje em dia eles estão dispostos a fazer isso”, acrescentou.

A campanha de sanções sem precedentes do Ocidente contra Moscou é mordaz. A economia da Rússia não encolheu no grau esperado no ano passado, mas o déficit orçamentário do Kremlin está aumentando à medida que seus lucros com a exportação de combustíveis fósseis diminuem. Mais de 1.000 empresas estrangeiras fugiram da Rússia, e os controles de exportação estão tornando cada vez mais difícil para os fabricantes locais obter componentes avançados necessários para produtos e armas de alta tecnologia.

Uma fonte com conhecimento das indústrias militares da Rússia – que pediu anonimato por medo de retaliação – disse à Newsweek : “Primeiro, os contratos de exportação foram empurrados para o canto mais distante, já que as necessidades dos militares são a principal prioridade. Segundo, suspeito que haverá atrasos significativos até mesmo o não cumprimento dos acordos existentes, devido à combinação do corte no fornecimento de peças de fabricação estrangeira e à luta para aumentar a produção doméstica.

“Além disso, o mundo inteiro está recebendo uma demonstração da ‘qualidade’ das armas e tecnologia russas em tempo real, o que não tem sido inspirador, para dizer o mínimo”, disseram eles. “O caso em questão é que a Rússia recorreu à compra de drones de combate do Irã, um país que está sob sanções dos EUA há anos. Acho que estamos vendo os estágios iniciais de um processo pelo qual a Rússia sai da lista dos principais exportadores globais de armas. Ele continuará a negociar com os talibãs e um punhado de nações aliadas, talvez por meio de alguns acordos de troca, mas isso é tudo.”

A fonte também destacou a diferença entre os níveis de controle de qualidade dos produtos do setor militar-industrial fornecidos aos militares russos em relação aos destinados à exportação. Este último passa por verificações mínimas, com apenas um controle de qualidade básico de “nível comercial” necessário para certificar as mercadorias para exportação.

“Portanto, o resultado é que muitas vezes as empresas que trabalham com compradores estrangeiros aspiram tudo e qualquer coisa no mercado, incluindo bens de segunda mão, peças enferrujadas ou com defeito, até mesmo falsificações flagrantes. Portanto, isso obviamente afeta a qualidade de tais exportações”, disseram eles. disse.

Moscou está procurando fornecedores enquanto suas forças lutam para ganhar terreno na Ucrânia. Irã, Coreia do Norte e Bielo-Rússia têm sido fontes importantes de equipamentos e munições no ano passado. Nações como Turquia, Emirados Árabes Unidos e países da Ásia Central surgiram como possíveis canais de violação de sanções para tecnologias de uso dual. Mas mesmo esses canais estão se estreitando sob pressão dos aliados ocidentais.

Até agora, a China se absteve de dar apoio militar direto à invasão da Rússia, embora, de acordo com autoridades americanas, ainda não tenha decidido se vai reter totalmente as armas. As empresas estatais chinesas estão supostamente fornecendo tecnologia de uso dual para a Rússia, levando a pedidos para estender as sanções ocidentais a Pequim também.

“Os chineses realmente precisam pensar: ‘O que eu ganho se eu ajudar os russos? E o que eu ganho se eu não ajudar?'”, disse Wezeman.

Rússia deixada para trás

Rússia está enfrentando um dilema de reputação exacerbado pelo desempenho abaixo da média de seus militares na Ucrânia. Os limitados sucessos militares de Moscou vieram de ofensivas em massa e penosas, apoiadas por fogo de artilharia fulminante.

O fracasso inicial do Kremlin em debilitar o governo ucraniano com uma dispendiosa e mal preparada investida contra Kiev mostrou os limites do dispendioso esforço de modernização de Moscou, que durou uma década, e a teimosa podridão da corrupção e da organização da era soviética.

Putin e seus principais aliados tentaram apresentar a Rússia como uma potência tecnologicamente avançada capaz de competir com seus rivais na América do Norte e na Europa, mas os bens reais que ela produz – e sua incapacidade ou falta de vontade de usar suas armas supostamente mais avançadas, como o O tanque T-14 Armata e o caça a jato Su-57 contam uma história diferente.

“Os maiores estados estão procurando armas mais avançadas e cooperação e transferência de tecnologia”, disse Wezeman. “Eles não confiam muito na tecnologia russa.”

“O desenvolvimento da tecnologia russa em alguns campos é bom, também em alguns campos de armas, mas em geral não é tão bom”, acrescentou Wezeman. “E, claro, isso é baseado na economia russa, que é fraca e não é realmente muito avançada em tecnologia. Isso significa muitos pontos de interrogação sobre se os russos serão capazes de entregar algo em 10, 20, 30 anos a partir de agora. que ainda seja uma arma válida e capaz.”

A importância de tais preocupações varia de acordo com o cliente. Embora as exportações de armas de Moscou para a África subsaariana tenham caído 23% no período detalhado, a Rússia ainda ultrapassou a China como o maior fornecedor de armas para a região.

“Se você é um país africano, isso realmente não importa muito. Coisas simples são boas e funcionam”, disse Wezeman. “Mas se você é a Índia, quer transferências de tecnologia e simplesmente não acredita mais nisso.”

De fato, os dados do SIPRI mostram um quadro preocupante do declínio do fascínio da Rússia entre seus clientes mais importantes, com as exportações de armas caindo para oito de seus 10 maiores destinatários entre 2013–2017 e 2018–2022.

A Índia — o maior mercado da Rússia — teve uma queda de 37%. Embora as exportações para a China tenham aumentado 39% e o Egito 44% durante o período, o cenário de longo prazo não é animador.

“A Rússia não fez entregas para o Egito em 2021–22 e o volume de entregas para a China em 2020–22 estava em um nível muito menor do que em 2018–19”, dizia o relatório do SIPRI. “É provável que os volumes de pedidos desses dois estados diminuam nos próximos anos.”

O mercado chinês, disse Wezeman, está “desaparecendo completamente”. Ele explicou: “Os chineses estão basicamente terminando o desenvolvimento tecnológico das últimas coisas de que precisam da Rússia há alguns anos; não há mais nada de que precisem.”

O futuro ‘negro’ da Rússia

A guerra de Moscou contra a Ucrânia apenas aprofundou muitos dos antigos problemas econômicos, políticos e sociais da Rússia. Em vez de intimidar o Ocidente, o último ataque de agressão do Kremlin pode ter desencadeado uma reavaliação europeia histórica da prontidão militar, talvez soando o fim da era pós-Guerra Fria que tanto frustrou o establishment de segurança nacional americano.

O SIPRI constatou que os países europeus da OTAN aumentaram suas importações de armas em 65% nos cinco anos em questão, buscando “fortalecer seus arsenais em resposta a uma percepção de maior ameaça da Rússia”.

As empresas industriais militares de alta tecnologia da Europa estão em boa posição para se beneficiar das demandas da guerra moderna, mesmo que ainda não alcancem a escala desejada.

“Também analisamos o que se sabe estar em ordem nas principais armas e isso parece muito sombrio”, disse Wezeman sobre as perspectivas futuras da Rússia. “A Rússia tem menos aeronaves de combate encomendadas do que, por exemplo, a França ou mesmo a Itália.”

“Se você olhar para cinco anos atrás, a Rússia tinha muito mais de 100 aeronaves de combate encomendadas todos os anos… alguns dos compradores.”

No verão passado, por exemplo, o novo presidente das Filipinas, Ferdinand Marcos Jr., cancelou um acordo para 16 helicópteros Mi-17 de fabricação russa sob pressão dos EUA. Egito, Argélia e Indonésia se esquivaram de possíveis compras do bombardeiro Su-35 da Rússia.

“O baixo volume de entregas pendentes de grandes armas da Rússia indica que suas exportações de armas provavelmente continuarão caindo nos próximos anos”, disse o relatório do SIPRI.

“Aviões de combate e helicópteros de combate estão entre as principais exportações de armas da Rússia desde 1992. Entregou um total de 328 deles em 2018-22, o que representou 40% das exportações de armas russas no período. No entanto, até o final de 2022, tinha entregas pendentes para apenas 84 aeronaves de combate e helicópteros de combate.”

O sonho de Putin de uma ” fortaleza russa” foi construído sobre uma base de força militar temível. A cara humilhação do Kremlin na Ucrânia e a economia sufocada sugerem um futuro muito diferente para o novo império russo de Putin.

“Daqui a alguns anos, a Rússia pode muito bem ser o número três, talvez até o número quatro” nas exportações militares globais, disse Wezeman. “Isso é realmente muito impressionante.”

FONTE: Newsweek

Subscribe
Notify of
guest

67 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabricio Lustosa
Fabricio Lustosa
11 meses atrás

EDITADO COMENTARISTA BANIDO POR INSISTIR EM DESRESPEITAR AS REGRAS SEGUIDAMENTE. 2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas, nem o site ou seus editores; 9 – Comentários que desrespeitem as regras de conduta acima podem ser editados ou apagados sem aviso prévio. Comentaristas que insistirem em desrespeitar as regras poderão ser suspensos, também sem aviso prévio. Eventualmente, para fins didáticos a toda a comunidade de comentaristas e leitores, assim como para ajudar a manter o ambiente saudável à discussão e alertar comentaristas para não insistirem em desrespeitar as regras, avisos dos editores poderão ser escritos nos… Read more »

Last edited 11 meses atrás by Guilherme Poggio
Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Fabricio Lustosa
11 meses atrás

EDITADO

COMENTARISTA BANIDO

2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas, nem o site ou seus editores;

9 – Comentários que desrespeitem as regras de conduta acima podem ser editados ou apagados sem aviso prévio. Comentaristas que insistirem em desrespeitar as regras poderão ser suspensos, também sem aviso prévio. Eventualmente, para fins didáticos a toda a comunidade de comentaristas e leitores, assim como para ajudar a manter o ambiente saudável à discussão e alertar comentaristas para não insistirem em desrespeitar as regras, avisos dos editores poderão ser escritos nos comentários editados ou apagados;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Nei
Nei
Reply to  Fabricio Lustosa
11 meses atrás

Esse cidadão, quando veio comentar pela primeira vez, falou palavrões e até ameaçou.

Vai tarde.

George
George
Reply to  Nei
11 meses atrás

Não queria fugir do tema da reportagem (para não ter o comentário editado), mas que bom que esse cidadão foi banido. Era grosso e mau-educado com todo mundo aqui.

DanielJr
DanielJr
Reply to  Fabricio Lustosa
11 meses atrás

Aproveitando a atenção da moderação neste post. Na notícia da redução do número de guaranis eu escrevi 2 posts fazendo algumas piadas não ofensivas sobre grupos de estudo, sobre a obviedade de nenhum programa terminar etc. Os posts foram sumariamente apagados, parece que nem foram postados (e foram). É permitido fazer piadas com o EB em momentos oportunos? Não quero ser banido daqui. Eu também gosto de fazer piadas com a MB quando eles falam que não teremos submarino nuclear de ataque, o nome que todos os outros têm, que temos submarinos que plantam flores no solo do oceano, para… Read more »

Last edited 11 meses atrás by DanielJr
Rodrigo
Rodrigo
11 meses atrás

Xinga vindo dizendo que no grupo de telegram dele é fake, que as as armas russa são suprasumo e é desespero da mídia atlanticista… 3…2…1

Last edited 11 meses atrás by Rodrigo
Carlos Campos
Carlos Campos
11 meses atrás

Eu acreditava que a Rússia ainda poderia competir nos tanques de guerra, rifles, defesa aérea e de caças com o SU75, mas a guerra na Ucrania ferrou tudo, a China já vinha tomando espaço da Rússia e a guerra acelerou. bora ver se a industria de armas da Rússia morre ou ressurge das cinzas.

Marcos Silva
Marcos Silva
Reply to  Carlos Campos
11 meses atrás

Que morra de uma vez. E que leve junto esse LIXO do Putin.

Gerson Carvalho
Gerson Carvalho
Reply to  Carlos Campos
11 meses atrás

A Rússia é um mal necessário, um contra peso, assim como a China. Imaginem um mundo sem estes dois? somente os EUA coo uma grande potencia militar? Creio que não seria um bom negocio.

Renato B.
Renato B.
Reply to  Gerson Carvalho
11 meses atrás

Bom ponto. Os EUA ainda não digeriram bem essa história de voltar ao mundo multipolar, são escolhas complexas. Um mundo unipolar pode ser estável e previsível, como uma ditadura de partido único, outra opção é a instabilidade e imprevisibilidade do mundo regido por vários atores, cada um competindo, como se fosse um mercado. Para esse segundo caso é preciso alguma regulamentação para reduzir a instabilidade. Ainda mais se considerarmos os desafios futuros, como as mudanças climática, que tem impacto global.

Nelson Daher Junior
Nelson Daher Junior
Reply to  Gerson Carvalho
10 meses atrás

Realmente não seria bom uma única potência, mas ter um equilíbrio é fundamental, sem invadir outro território, pois teremos mais conflitos e nações sem poder de conter invasão serão as que sofreram as consequências e perda de sua soberania em todos os aspectos.

gabriel
gabriel
11 meses atrás

EDITADO

COMENTARISTA BANIDO

2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas, nem o site ou seus editores;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

rfeng
rfeng
11 meses atrás

Adoro estes textos americanos, sem muito fundamento, se o comentário fosse no período da guerra seria mais razoável a argumentação, fala-se em cinco anos então o declínio não é pela guerra da Ucrânia, ou seja, nem consegui ler o texto todo, e obvio que o mercado de armas da Rússia esta sofrendo a concorrência da China que vende mais barato e esta atingindo um estado tecnológico avançado isso e um fator, os aliados americanos estão tirando o mercado dos russos??? O Egito comprou Rafale, já que os americanos só vendem tecnologia degradada, a Indonésia comprou Rafale pelo mesmo motivo (ambos… Read more »

Gautério
Gautério
Reply to  rfeng
11 meses atrás

Rafale é ocidental.
Não precisamos comentar mais nada.

Atirador 33
Atirador 33
Reply to  rfeng
11 meses atrás

Não vejo a publicidade de compras de países junto aos chineses, principal parceiro comercial no ramo militar é o Paquistão, que estão passando apertado com a fragatas compradas de estaleiros chineses e de aviação de combate. A Venezuela comprou algumas viaturas blindadas chinesas e a Argentina se arrasta para negociar uma duzia de aviões de combate chineses. Quanto aos mercados da India e Egito esses sim, foi um baque para a Russia. A India está certa de diversificar seus fornecedores, pois hoje se concretiza a incapacidade russa de manter equipamentos militares no estado da arte, e de questionável capacidade, visto… Read more »

Slowz
Slowz
Reply to  rfeng
11 meses atrás

Verdade, só os russos tem perdas.. estão sem materiais, combustíveis e homens pra ir pra guerra kkk tão falando isso desde o começo da guerra .. só que a realidade é bem diferente

Andre
Andre
11 meses atrás

India e Egito comprando Rafales aos invés de Migs e Sukois e a China apresentando equipamentos novos melhores que os russos.

Somando a incapacidade russa de por em operação o su57 e o t14 e está desenhado a queda das exportações de armamentos russos.

Logo logo até nisso ficarão atrás dos chineses, que também ocuparão esse espaço deixado pelos russos.

Henrique A
Henrique A
Reply to  Andre
11 meses atrás

Eles deveriam se concentrar nos SU-30 e SU-35 e esquecer SU-57, aquilo claramente não está no mesmo patamar de um F-35 e nem eles tem a capacidade industrial e financeira de fabricar em quantidade aceitável. Já o T-14, aquilo é só show, eles também não tem indústria e dinheiro pra bancar aquilo, melhor se concentrar em modernizar os T-72/T-80 e tentar fabricar mais T-90.

Last edited 11 meses atrás by Henrique A
RDX
RDX
Reply to  Henrique A
11 meses atrás

Na verdade, o T90 é a primeira versão do T72 desenvolvida após o fim da URSS.

C G
C G
Reply to  Henrique A
11 meses atrás

Estava claro que era puro marketing, algumas fotos aproximadas do SU-57 mostravam uma qualidade de construção bastante suspeita até para leigos!
Quanto ao Armata não passa de um carro alegórico, restrito a desfiles.

Andre
Andre
Reply to  C G
11 meses atrás

Em 2018 a Índia já havia dito isso ao abandonar essa canoa furada.

Lucas
Lucas
Reply to  C G
11 meses atrás

EDITADO

2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas, nem o site ou seus editores;

6 – Mantenha-se o máximo possível no tema da matéria, para o assunto não se desviar para temas totalmente desconectados do foco da discussão;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

cerberosph
cerberosph
Reply to  Andre
11 meses atrás

Se perde um cliente, Índia, é vso procurar outro por ex o Irã.

Andre
Andre
Reply to  cerberosph
11 meses atrás

Perderam dois grandes clientes e arrumaram um pequenininho. Veja o quanto Índia e Egito já compraram da Rússia e ponha ao lado desses 24 su-35 entregues para pagamento de drones e mísseis.

A6MZero
A6MZero
Reply to  cerberosph
11 meses atrás

Até o momento quem virou cliente foi a Rússia tendo que comprar equipamento iraniano de todos os tipo de munição até drones. de misseis até coletes e equipamento de proteção…

E quando uma nação que alegava ser potencia industrial no ramo bélico tem que se voltar pra uma economia de pequeno porte como o Irã para satisfazer suas necessidades industriais e militares é pq algo está bem errado…

Andre
Andre
Reply to  A6MZero
11 meses atrás

Existe até uma conversa (por enquanto só vi em uma fonte e por isso não da para considerar informação) de que a Russia estaria enviando equipamentos capturados para os iranianos.

E pensar que há 60 anos eram os chineses capturando o Sidewinder e enviando para os russos copiarem…o mundo da voltas

Senhor Mascarado
Senhor Mascarado
Reply to  A6MZero
7 meses atrás

Sintomas de uma falência antiga não tem como comparar o que era a União Soviética com a atual Rússia pós 91 , eles perderam muitas indústrias e parceiros econômicos e aliados os tempos são sombrios para eles , os EUA que se cuidem com a China , fora as futuras novas potências e só uma questão de tempo até outro sempre assumir a posição do anterior , o tempo não perdoa nada nem ninguém.

Pragmatismo
Pragmatismo
11 meses atrás

EDITADO

2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas, nem o site ou seus editores;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Velho Alfredo
Velho Alfredo
11 meses atrás

Uma soma de fatores extremamente complicada.
A própria necessidade russa por seus próprios meios, a diminuição da procura de meios russos, por mudança de postura (como a China, por exemplo), a insatisfação dos resultados etc etc

E ainda há outras questões que surgiram. Por exemplo, não havia Leo 1 no mercado…. mas apareceram vários estocados… Quanto há estocado que pode aparecer, e que pode saciar necessidades por um custo menor ou mais adequado?

Bueno
Bueno
11 meses atrás

A Rússia esta enfrentado uma guerra contra a Europa e EUA, e a primeira delas iniciada contra a indústria militar dês de o apoia a Síria em 2011 intensificando com a tomada da Crimeia 2014 é compreensível que isto ocorreria, certamente os planejadores Russos anteciparam estes problemas e o governo apoiou absorvendo parte da demanda de exportação.   O Irã com menor capacidade Industrial e Tecnologia é classificado por muitos sendo um país que tem se desenvolvido e produzido suas armas, se virando nos 30, não dá para acreditar que a Rússia cairá em uma desgraça industrial a ponto de ser… Read more »

Rick
Rick
11 meses atrás

É um processo que vem acontecendo a muito tempo. A perda da importância das exportações de armas russas. Os indianos saíram do programa PAK FA e os russos somente conseguem botar o projeto CheckMate a frente se tiver um comprados. Além disso parte da industria russa cambalea feio quando o assunto é a logística do pós-venda.

Cassini
Cassini
Reply to  Rick
11 meses atrás

Até hoje essa história do pós-venda. Este assunto é coisa dos anos 90, quando a Rússia pós-soviética teve de rever a produção e as cadeias de suprimentos de suas empresas bélicas.

Ricardo Machado
Reply to  Cassini
9 meses atrás

Desculpa destruir suas ilusões, mas SEMPRE FOI ASSIM, o Ineficiente Apóio-Pós Venda e Famoso, era mais barato e fácil Comprar Novo do que Consertar o Antigo, além do que, a constante necessidade de Renovar o Equipamento mantinha os Regimes-Clientes “no curral”. O próprio Conceito Soviéticos de fabricação era a Consequência disso, por muito tempo, a Evolução através de SUCESSIVOS INCREMENTOS resultou que a Rússia herdou uma quantidade de equipamentos de Lotes Dispares de Capacidade de Combate, e o que não foi para seus “Regimes Afins”, ou foi “Canibalizado” para atender alguma demanda do que não e mais fabricado, ou simplesmente… Read more »

Oliveira
Oliveira
11 meses atrás

É tanto olho gordo que se um terço dessas previsões absurdas ao estilo Nostradamus se realizassem, hoje nem existiria mais um país chamado Rússia. Faz um ano que essa guerra se iniciou, será mesmo que não há mais nenhuma análise séria do conflito? Será que a coisa agora se resume unicamente a panfletagem?

Marcos Silva
Marcos Silva
Reply to  Oliveira
11 meses atrás

O filho da Putin tá tomando um cassete e vc não se conforma mesmo…
A Rússia perdeu a guerra(ooopssss….Operação Especial,KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK….) no momento em que a iniciou!

RSmith
RSmith
Reply to  Marcos Silva
11 meses atrás

Hum…. ta certo que, no início dessa Guerr… ops digo “Operação Militar Especial” a Russia menosprezou a Ucrânia e esta pagando o preço agora…. porém estão dizendo que a Russia esta sem tanques, sem munição, sem dinheiro, sem soldados já faz uns seis messes e a mesma continua na luta… Não estou tomando partido da Russia e nem da Ucrânia… meu pais é o Brasil, eu torço por um Brasil melhor e para que essa guerra, vença quem vencer, acabe logo e sem consequência piores… eu acredito nisso? bem eu ainda acredito que existe Papai Noel, Mula sem cabeça e… Read more »

Marcos Silva
Marcos Silva
Reply to  RSmith
11 meses atrás

Sem equipamentos não sei dizer. Mas falta competência e isso é visto desde o ano passado. A Rússia não tem como vencer a Ucrânia. A única coisa boa,se ë possível dizer isso,é o desgaste que a Rússia está sofrendo,militarmente e economicamente,isso também é inegável. Sobre escolher um lado,eu escolho a Ucrânia. Não é possível que alguém em sã consciência,apoie a Rússia. Os russos não aprenderam as lições da história:grandes potências,em qualquer época,não conseguiram vencer um povo resoluto e obstinado na defesa de sua casa. A Rússia perdeu a guerra,desculpe,operação especial,no dia que a iniciou. O destino do Putin é o… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
11 meses atrás

Essa queda tem mais á ver com a China do que com a OTAN, afinal os clientes Russos são os mesmos que os da China, países não alinhados com a OTAN/Ocidente ou que não tem grana para gastar com armas caras ocidentais. A China leva vantagem em cima da Rússia por ela mesma financiar as compras militares e ainda tem influência econômica.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
11 meses atrás

A índia continua avançando em sua independência tecnológica.
A China então, nem se fala.
Aliás, a própria China está, aos poucos, mas seguramente, pegando o mercado de armas na África, tomando o lugar que era da URSS/Rússia.
A AS, com uma ou outra exceção, nunca foi grande comprador de armas russas, graças ao FMS norte-americano.

Sobraria pra Rússia vender pra quem?

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Willber Rodrigues
11 meses atrás

Vejo esses países que fazem fronteira asiática com a Rússia, terminados com istão´´, caindo na esfera chinesa num futuro a médio e longo prazo…

Felipe
Felipe
11 meses atrás

EDITADO

2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas, nem o site ou seus editores;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Guilherme Lins
Guilherme Lins
11 meses atrás

Venho falando isso faz tempo. Essa história de “pra derrubar a Ucrânia, T-62 modernizado serve” é a coisa mais ridícula do mundo. O Único cliente do SU-57, a Índia, caiu fora justamente atacando o desempenho do caça. Sobre o T-14 armata: ou é propaganda falsa, ou os russos não os têm em número minimamente suficiente. O “caçador de porta-aviões” Moskva foi afundado por mísseis costeiros. A guerra de uma semana, já vai em mais de ano. Tá faltando o que? Se a Rússia envia T-72 “modernizado”, Su-27, mig-29 e velharias do tipo, é porque é isso que ela tem e… Read more »

Pragmatismo
Pragmatismo
11 meses atrás

Eu somente indaguei do porquê da não abertura de post anterior para comentários.
É razão para edição e exclusão?

Pragmatismo
Pragmatismo
Reply to  Pragmatismo
11 meses atrás

Senhor Cladius, não ofendi a quem quer o seja, apenas indaguei do porquê de uma postagem não estar disponível para comentários. Entendeste?

Francisco
Francisco
11 meses atrás

Realmente os números mostram, mas acredito que mais do que a defasagem tecnológica o boicote imposto pelos EUA foi o que mais pesou para a Rússia perder participação no mercado mundial, afinal nem todo mundo pode ter e principalmente manter equipamentos altamente tecnológicos.

Marcelo
Marcelo
11 meses atrás

Um claro exemplo do declínio da indústria militar russa é o programa do caça Su-75 Checkmate, que não consegue avançar como o previsto. Depois de 24 de fevereiro de 2022, data do início da Operação Militar Especial na Ucrânia, a indústria aeronáutica russa passou a sentir o efeito dos embargos econômicos e tecnológicos impostos por americanos, europeus e japoneses. Antes da metade de 2022, o programa Sukhoi Su-75 já sofria atrasos, em todas as áreas, mas os russos ainda acreditavam que o primeiro voo do protótipo ocorreria no final de 2023. Mas, em janeiro, a Sukkoy adiou os testes de… Read more »

DanielJr
DanielJr
Reply to  Marcelo
11 meses atrás

Eu acho que toda essa “nova” geração já era. Vão ficar somente com algum aprendizado e protótipos para expor em Monino. Vão pegar algumas novidades do SU57, do checkmate e jogar na família Su-27/34/35 pra ver o que rola, o mesmo com o armata e T90 (algum tipo de frankstein entre os dois, como modernizar novamente o Leo2A7). O MiG 41 (que eu queria ver voando pq acho essa família MiG muito legal e impressionante em alguns aspectos) serão descartados. Provavelmente façam novos upgrades no Mig31 e aproveitem algo. Vão continuar a investir em TU22M3M ou M4/M5 (que já tinham… Read more »

Emmanuel
Emmanuel
11 meses atrás

O problema de exportação da Rússia se chama China.

Maurício.
Maurício.
11 meses atrás

Essa matéria da Newsweek, por algum estranho motivo me lembrou muito o que uma ex-presidente do Brasil disse uma vez: “Não acho que quem ganhar ou quem perder, nem quem ganhar nem perder, vai ganhar ou perder. Vai todo mundo perder.”

Vitor
Vitor
11 meses atrás

EDITADO

2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas, nem o site ou seus editores;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Satyricon
Satyricon
11 meses atrás

Sem querer desanimar ninguém, mas o ciclo negativo russo está apenas começando. Armamentos militares, principalmente os mais modernos, de tão caros, possuem uma longa expectativa de vida em serviço. Mas isso só é possível com a certeza de manutenção e sobressalentes ao longo dessa vida útil. Isso, hoje, os russos já não conseguem garantir. Portanto, o seu pós-venda, que já era sofrível, passou a ser uma grande incógnita. Qualquer potencial cliente de um dito equipamento de ponta russo deve se fazer essa pergunta. Será que terei sobressalentes no futuro? Ou se manterá o embargo? Poucos gatos pingados (KN, Irãn, Venezuela,… Read more »

Eduardo
Eduardo
11 meses atrás

Não está fácil para o Putin, ele deve estar bem putim da Silva!

Binho
Binho
11 meses atrás

Absurdo como brasileiro lambe saco dos EUA e Europa Ocidental

Lucas
Lucas
11 meses atrás

A Rússia tá usando as coisa velhas na Ucrânia, as armas poderosas estão guardadas para proteção da Rússia , quantas armas ocidentais ja foram destruídas na Ucrânia , é q o ocidente te tá mascarar dizendo qa Ucrânia e os aliados estão fortes , na vdd a otan e os EUA estao perdendo pra Rússia sozinha , na vdd zeleski o palhaço está arrastando este mundo pra destruição nuclear , a Europa vai ser a primeira a sumir do mapa.

Marcos Silva
Marcos Silva
Reply to  Lucas
11 meses atrás

“A Rússia tá usando as coisa velhas na Ucrânia, as armas poderosas estão guardadas para proteção da Rússia…”
Repita isso até vc acreditar.

Ricardo Mausbach
Ricardo Mausbach
Reply to  Lucas
11 meses atrás

Concordo contigo. Infelizmente os americanos tem dois pesos e duas medidas. Na guerra do Iraque, um país falido militarmente depois de 10 anos de guerra contra Irã, eles simplesmente encostaram seus navios e destruíram todo o país antes de invadirem, isso que o Iraque não tinha apoio de ninguém. No Afeganistão ficaram anos e foram embora deixando vários armamentos para trás. Caso a Rússia fizesse o mesmo tipo de guerra, com certeza iriam acusar a Rússia de crimes de guerra, normal os americanos fazerem isso, não olham para o próprio rabo, e com certeza entrariam na guerra, o que tornaria… Read more »

Last edited 11 meses atrás by Ricardo Mausbach
Mario castro
Reply to  Lucas
10 meses atrás

Amigo por favor sem querer ofendê-lo procure saber melhor sobre a economia russa! Acredito que você não esteja bem informado, procure melhor sobre o que está acontecendo, principalmente nos dias de hoje após mais de um ano de guerra a Rússia passa fome meu filho! No início do conflito, a Rússia já apareceu com aquela sucata da União Soviética, com aqueles telhadinhos feito em Serralheria muito vagabunda e já demonstrava a fragilidade e o pouco dinheiro que teriam pois o acidente travou os bilhões que Putin iria usar. Se a rua Se eu tivesse ou poderia o que você tá… Read more »

Lucas
Lucas
11 meses atrás

EDITADO

2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas, nem o site ou seus editores;

6 – Mantenha-se o máximo possível no tema da matéria, para o assunto não se desviar para temas totalmente desconectados do foco da discussão;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Cassini
Cassini
11 meses atrás

As ameaças e chantagens dos EUA sobre países pretendentes de comprar material bélico russo são mais efetivas em atrapalhar as exportações russas do que suposta defasagem tecnológica – a qual não existe, pois a Rússia vinha modernizando seu parque industrial e apresentando projetos novos – ou mesmo a competição por preço com chineses, indianos ou quem quer que seja.

Sancionar países e mercados ao longo do globo simplesmente por eles negociarem com seu rival geopolítico tem se mostrado prejudicial mesmo para quem impõe tais sanções.

Cassini
Cassini
11 meses atrás

Sobre as críticas a respeito da perda de encomendas da indústria bélica russa, pena para os russos não disporem de dezenas de países subalternos, envoltos numa aliança militar, para financiar seus projetos tecnológicos e garantir a produção de seu parque industrial através de centenas ou mesmo milhares de pedidos.

O Pacto de Varsóvia já acabou tem muito tempo.

Oráculo
Oráculo
11 meses atrás

A matéria, 100% pró OTAN, acerta em alguns aspectos e erra feio em outros. O principal motivo da queda de exportações russas não é enfatizado. Que é o fato de que China e India, seus dois maiores clientes, estarem perto de não precisar importar mais nada de ninguém. Só aí metade das vendas foi por água abaixo. Outro fato é que a guerra na Ucrânia está sugando todos os recursos militares russos disponíveis. É impossível manter o ritmo de entregas exigidos pelas FFAA russas e ainda manter entregas para clientes estrangeiros. Por fim acho meio óbvio que a China vai… Read more »

Last edited 11 meses atrás by Oráculo
RSmith
RSmith
11 meses atrás

Pais em Guerra não exporta arma… aumenta sua produção para seu uso na guerra! ops… digo “Operação Militar Especial” :o)

RSmith
RSmith
11 meses atrás

Creio que, caso a Russia e claro o mundo sobreviva essa perenga, que é, a meu ver ate o momento, um ensaio para a “Terceira Guerra Mundial”, a Russia e seus técnicos vão aprender MUITO com essa guerra, com as táticas ocidentais que o exercito Ucraniano esta usando contra eles bem como todo equipamento ocidental eventualmente capturado…

Mirão
11 meses atrás

Fun fact: Se você olhar no histórico desta página há um ano atrás, irás encontrar muitos títulos com “Está” ou “Irá” a respeito da economia russa ou relativos.

Mas esses dois estão demorannnnnndo pra chegar…

Até o Washington Post e CNN estão aos poucos caindo na real mas este aqui em especial está estagnado em sua própria torcida.

Renato B.
Renato B.
11 meses atrás

Convenhamos, a indústria de armas russas tem um cliente prioritário em casa no momento. O grande desgaste vai ser em termos de imagem para os russos, especialmente se fracassarem.

O que acho realmente preocupante é ver como o grupo Wagner está ganhando poder. Yevgeny Prigozhin já está posando de generalíssimo e isso tende a deixar a Rússia ainda mais instável.

Alecs
Alecs
11 meses atrás
Senhor Mascarado
Senhor Mascarado
7 meses atrás

A realidade e que a Rússia e um pequeno brilho do que já foi a Grande URSS essa sim tinha dimensões gigantesca (literalmente kkk) não só do desenvolvimento bélico mas de vários setores o falecimento da Rússia perante em muitas disputas globais se vêem já como um resultado óbvio do sintoma de uma doença antiga do que ocorreu em 1991 já vi vários comentários por parte de vários ex integrantes do pacto de Varsóvia e risível a atual Rússia se comparado ao que foi a União Soviética em diversas proporções, basta ver que os orgulhos da Rússia em maioria foram… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Senhor Mascarado