Como a guerra eletrônica dos russos está inviabilizando o uso do sistema Starlink na Ucrânia

66

Unidades lutam por soluções enquanto a Rússia aprende a localizar e bloquear os links vitais do comsat

Operando atrás das linhas inimigas, um soldado lutando pela Ucrânia sabe que os russos irão caçá-lo no segundo em que ele instalar sua antena parabólica portátil Starlink. Ele e sua equipe configuram o dispositivo apenas em situações urgentes em que precisam se comunicar com a sede. Os russos “vão te encontrar”, disse o soldado, que atende pelo indicativo de chamada Boris. “Você precisa fazer isso rápido, então saia daí.”

O soldado, um ex-legionário estrangeiro francês que agora opera como parte de uma unidade de reconhecimento e sabotagem, é apenas um dos muitos soldados da Ucrânia para quem o serviço Starlink é uma faca de dois gumes. Como outros soldados entrevistados para este artigo, Boris pediu para ser referido por seu indicativo de chamada por motivos de segurança.

Por um lado, os soldados ucranianos dizem que o dispositivo é fundamental para suas operações, principalmente por sua capacidade de ajudar a coordenar ataques de artilharia devastadores. Por outro, eles relatam uma variedade de maneiras pelas quais os russos podem localizar, bloquear e degradar os dispositivos, que nunca foram destinados ao uso no campo de batalha.

O resultado final é uma corrida armamentista ao estilo MacGyver, enquanto a Ucrânia corre para inovar e a Rússia se move para superar essas inovações.

No caso de Boris, o equipamento russo de inteligência de sinais provavelmente está identificando os dispositivos ao escanear transmissões suspeitas, disse Todd Humphreys, professor da Universidade do Texas em Austin, que estudou os dispositivos Starlink.

Um operador de drone ucraniano com o indicativo de chamada de “Professor” também relatou um bloqueio prolongado que impediu sua equipe de usar sua unidade Starlink.

O professor disse que o bloqueio começou há dois ou três meses e que sua intensidade variava de um lugar para outro. “Em um lugar está tudo bem e em outro não funciona”, disse o professor.

Às vezes, a interferência continuava o dia todo. “É realmente poderoso”, disse o professor.

Às vezes, se não houver sinal para o Starlink, o operador do drone Professor tenta uma solução inovadora: ele o coloca em um buraco. O sinal então retorna, embora apenas algumas vezes.

Isso deve ajudar a manter o Starlink ativo durante o bloqueio do GPS russo, disse Bryan Clark, membro sênior do Hudson Institute e especialista em guerra eletrônica.

Os Starlinks são particularmente vulneráveis ​​a esse bloqueio. Cada terminal usa uma unidade de GPS para determinar qual satélite de passagem deve fornecer uma conexão com a Internet.

Felizmente para a Ucrânia, os sinais do bloqueador de GPS são de baixa potência. Isso significa que sujeira ou concreto podem bloquear o sinal do jammer. Enquanto um dispositivo Starlink tiver uma barreira entre ele e o sinal de interferência russo, ele pode continuar a funcionar, de acordo com Clark.

Um piloto de drone com o indicativo de chamada de Morgenshtern diz ter visto problemas semelhantes com outros equipamentos que usam GPS. “Acho que eles introduziram algum equipamento mais avançado, ou apenas o número deles aumentou”, disse ele.

Clark acrescentou que a Ucrânia não pode colocar seus drones em um buraco para protegê-los da interferência dos próprios drones Orlan-10 da Rússia, mas pode haver outras maneiras.

Como o Starlink permite que os usuários insiram manualmente suas localizações de GPS, os usuários podem simplesmente colocar um dispositivo receptor de GPS barato fora do alcance de interferência e, em seguida, inserir sua localização em seu terminal Starlink, compensado pela distância até o receptor de GPS.

Um comandante de unidade de drones perto da cidade ucraniana de Bakhmut disse que seus problemas não estavam relacionados ao bloqueio do GPS. Em algum momento de janeiro, disse o comandante, o uplink Starlink foi degradado a ponto de suas unidades frequentemente não conseguirem fazer chamadas de áudio. Em vez disso, o dispositivo só podia enviar e receber mensagens de texto. O terminal Starlink também demorou mais para encontrar satélites.

Clark disse que esses problemas provavelmente se devem a sistemas avançados de interferência que atacam o uplink de informações para um satélite. Os militares russos normalmente mantêm esses sistemas de reserva para defender o próprio território russo. Eles são teoricamente vulneráveis ​​a ataques ucranianos, pois devem ser implantados a dezenas de quilômetros de seu alvo e não são altamente móveis.

O fato de a Rússia poder mover sistemas tão valiosos para Bakhmut se alinha com os relatos de que mais forças profissionais estão se mobilizando para tomar a cidade, que vem tentando ocupar há sete meses e agora cerca parcialmente. Quando visitado por este repórter em Bakhmut em 14 de fevereiro, um soldado drone com o indicativo de chamada Lebed relatou que a Rússia estava enviando mais soldados profissionais para atacar as posições ucranianas.

Em 10 de março, o assessor presidencial ucraniano Mykailo Podoloyak disse ao jornal italiano La Stampa que a Rússia “convergiu para Bakhmut com grande parte de seu pessoal militar treinado”.

Clark disse que o bloqueio de satélites russos também pode ser derrotado com ajustes no software da Starlink. Em março de 2022, os engenheiros da Starlink rapidamente realizaram uma atualização de código em resposta às tentativas de interferência russas, disse um funcionário dos EUA em abril.

Por enquanto, a Ucrânia está presa ao Starlink e seus problemas, disse Clark. Outras empresas de internet via satélite, como a Astranis, carecem de infraestrutura para fornecer cobertura contínua, enquanto os sistemas de telefonia via satélite têm muito pouca largura de banda para as necessidades da Ucrânia, disse ele.

Mas nem tudo são más notícias para a Ucrânia.

Dois oficiais responsáveis ​​pelas operações de drones não relataram problemas com interferência. Da mesma forma, nem o professor nem Morgenshtern disseram que estavam vendo o bloqueio do Starlink.

Não está claro por que o bloqueio teria diminuído para essas unidades.

As forças russas podem estar alternando operações de bloqueio na frente, concentrando-se em áreas de alta prioridade. A Ucrânia também pode estar mirando em unidades russas de guerra eletrônica. A Ucrânia abate regularmente os drones Orlan da Rússia, por exemplo, que podem transportar cargas de guerra eletrônica.

De acordo com a abordagem frequentemente inovadora da Ucrânia para a guerra, alguns operadores de drones estão até revendendo peças acidentadas desses drones Orlan. Em um site de operadores de drones ucranianos, um usuário postou uma imagem da câmera Orlan, colocada à venda.

FONTE: DefenseOne

Subscribe
Notify of
guest

66 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Kommander
Kommander
10 meses atrás

Nessas situações eu só penso no Brasil, nós seríamos derrotados em questão de horas.

Andre
Andre
Reply to  Kommander
10 meses atrás

Por quem? Se a “segunda” maior potência militar do mundo teve tantos problemas logísticos a meros 150km de suas fronteiras, qual grande potência tem capacidade logística de enviar e manter uma força a pelo menos um oceano de distância?

Nativo
Nativo
Reply to  Andre
10 meses atrás

Eu caro acho que nem precisa manter a força invasora sobre , basta atacar a infraestrutura das duas principais metrópoles, que nosso país sem condições de se defender de uma marinha francesa por exemplo, se rende.

Andre
Andre
Reply to  Nativo
10 meses atrás

Com a nossa capital, nossas maiores hidroelétricas, o parque industrial de Manaus, a zonas produtoras de alimentos longes da costa, isso não aconteceria.

Além do mais, quando mísseis de cruzeiro a marinha francesa precisaria para fazer um estrago significativo?

Com os astros, a marinha francesa precisaria ficar a pelo menos 100km da costa.

Eles não seriam capazes de fazer um estrago suficiente para nos rendermos. Poderiam, talvez, fazer um bloqueio de nossos portos, mas dificilmente nossos dois maiores clientes, China e EUA, aceitariam isso.

Márcio Teodoro da Silva
Márcio Teodoro da Silva
Reply to  Andre
10 meses atrás

Mas qual o alcance dos mísseis franceses? Eles teriam que estar perto da costa brasileira para esses ataques. Não somos uma potência militar, mas acredito que temos condições de afundar uma frota em nossa costa. Temos caças modernos (Gripen), submarinos, Fragatas e mísseis.

Eduardo Neves
Eduardo Neves
Reply to  Márcio Teodoro da Silva
10 meses atrás

Quanto aos Gripens, o problema é a quantidade…

Nativo
Nativo
Reply to  Andre
10 meses atrás

Haja ingenuidade em acreditar que só com Manaus é as zonas produtoras de alimentos o país reside a uma guerra com um a potência com aviação de primeira linha, e marinha com navios tipos frêmito.

Nativo
Nativo
Reply to  Nativo
10 meses atrás

Fremm

Andre
Andre
Reply to  Nativo
10 meses atrás

Ingenuidade e achar que os Rafale têm alcance ilimitado.

Inimigo público
Inimigo público
Reply to  Andre
10 meses atrás

O Armée de L’air já atacou alvos a mais de 8.000 km da França, então não tem astros que dê jeito, tampouco infraestrutura vital a salvo de um ataque francês.

Andre
Andre
Reply to  Inimigo público
10 meses atrás

Atacar um alvo é uma coisa, causar destruição a ponto de um país do tamanho do Brasil se render é outra totalmente diferente.

Plinio Carvalho
Plinio Carvalho
Reply to  Andre
10 meses atrás

Me lembro quando a usina de Itaipu deu pau a uns anos atrás, 11 estados ficaram sem energia, imagina se ela fosse destruída numa guerra, 11 estados iam a colapso, acorda amigo, Brasil não esta preparado para um conflito moderno no nível da guerra da Ucrânia e me atrevo a dizer que não esta preparado para nem um conflito de baixa intensidade. Além de todos os problemas conhecidos por todos, ainda tem o viralatismo gigantesco em nosso país, se o Brasil entrasse em guerra com Rússia, China ou Estados Unidos, uma parte da população ia se render, outra (os fanboys)… Read more »

Andre
Andre
Reply to  Plinio Carvalho
10 meses atrás

Vimos a Rússia fazer uma campanha contra a infraestrutura de geração e distribuição de energia da Ucrânia, em pleno inverno ucraniano, e isso não foi suficiente para tirar a Ucrânia da guerra.

Somos muito maiores e estamos muito mais longe que a Ucrânia.

Mario castro
Reply to  Plinio Carvalho
10 meses atrás

Amigo a Rússia a segunda potência mundial, não conseguiu e nem conseguirá invadir e ganhar do Ucrânia! A Ucrânia é um país gigante de 650.000 km2 ou seja, do tamanho de Minas Gerais, nenhum país consegue dominar o Brasil nas imediações e também qualquer país europeu não conseguiria pelo fato das dimensões territoriais do Brasil e dos gastos que teriam. Lembro-me muito bem, da tentativa de domínio do Vietnã por através dos Estados Unidos a guerra de homem surpresas e amados pela Rússia detonou os americanos que saíram com o rabo entre as pernas do Vietnã que todos sabem! Aprenda… Read more »

José de Oliveira
José de Oliveira
Reply to  Mario castro
10 meses atrás

Vou falar uma coisa pra vc, a Rússia só não acabou com a Ucrânia até agora por que não quis, a Rússia não esta guerriando só com a Ucrânia, a Rússia está na guerra com os estados unidos e toda a Europa junto, o problema dessa guerra é político, a Ucrânia está sendo bucha de canhão dos americanos, colocando todo aparato da otan. mesmo assim não consegue nada avançar em nada, a Rússia ainda não destruiu um terço do seu poderio belico ainda, a Rússia tem história de guerra alis nunca perdeu guerras.

Marcelo
Marcelo
Reply to  José de Oliveira
10 meses atrás

Isso é parcialmente verdade e parcialmente falso. Antes dos EUA invadir o Afeganistão, a Rússia o fez e perdeu!

Verluno
Verluno
Reply to  José de Oliveira
8 meses atrás

“A russia nunca perdeu guerras” …você não conhece nem o basico de historia recente mas chegou falando em tom professoral. Os antigos diziam que em boca fechada não entra mosquito

Gerson pontes
Gerson pontes
Reply to  Plinio Carvalho
10 meses atrás

EDITADO
2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas

Pablo
Pablo
Reply to  Andre
10 meses atrás

Talvez eu esteja desatualizado, mas porque a França iria atacar o Brasil?

Andre
Andre
Reply to  Pablo
10 meses atrás

Não existe motivo, alguém sugeriu esse cenário.

Jamito
Jamito
Reply to  Andre
10 meses atrás

O Brasil não aguenta 6 meses de embargo, não precisa derrubar uma bomba aqui e a elite já iria forçar uma troca de governo para atender o que os gringos quisesse. Nosso país ainda é uma colonia

Andre
Andre
Reply to  Jamito
10 meses atrás

Quem ou prq colocariam embargos no Brasil?

Somos um grande fornecedor de matéria prima e nosso maior parceiro comercial é a China.

João Augusto
Reply to  Nativo
10 meses atrás

Havendo unidade ideológica ninguém conquista o Brasil. Não havendo – como não há – não é necessário dar 1 tiro para conquistá-lo.

Plinio Carvalho
Plinio Carvalho
Reply to  João Augusto
10 meses atrás

É impossível em um país com 210 milhões de pessoas haver unidade ideológica, isso é utópico, Brasil é um país diversificado culturalmente e quer a gente queira ou não, essa é a nossa realidade, temos que aprender a trabalhar com ela.

Last edited 10 meses atrás by Plinio Carvalho
Rogério Loureiro Dhiério
Rogério Loureiro Dhiério
Reply to  Nativo
10 meses atrás

Basta mandar o CdG, dois Scorpene, um Barracuda e um Mistral.
Fecha a conta.

Rogério Loureiro Dhiério
Rogério Loureiro Dhiério
Reply to  Rogério Loureiro Dhiério
10 meses atrás

E se achar que tá meio “difiícil” cumprir o prazo da missão de tomada geral do país, estaciona uns RAFALE na Guiana Francesa que o objetivo é conquistado “Má Rápido”.

Andre
Andre
Reply to  Rogério Loureiro Dhiério
10 meses atrás

A partir da Guiana, talvez os franceses conquistassem o Amapá.

João Augusto
Reply to  Andre
10 meses atrás

Lembrando que a Ucrânia tinha 43 milhões de habitantes, ao passo que o Brasil tem mais de 210.

Gilberto
Gilberto
Reply to  João Augusto
10 meses atrás

Se fosse há 2 séculos a vantagem numérica poderia valer alguma coisa, pois mesmo uma milícia armada com foices, machados e garfos poderia ter utilidade. Hoje não. Estamos entrando na era do drone armado e do míssil hipersônico. Agora vence quem tiver maior quantidade e principalmente de armamento.

Inimigo público
Inimigo público
Reply to  João Augusto
10 meses atrás

A Ucrânia tinha milhares de blindados, dezenas de sistemas SAM, milhares de peças de artilharia, radares, mercenários e treinamento da OTAN. O Brasil não tem nada disso.

Andre
Andre
Reply to  Inimigo público
10 meses atrás

A Ucrânia tem a Rússia em sua fronteira terrestre, o Brasil não.

Leela
Leela
Reply to  Andre
10 meses atrás

Ae for EUA ela pode entrar quando quiser pela Colômbia e a França e EUA pela Guiana Francesa. É para isso que Bolsonaro assinou o acordo dos Exercícios CORE na Amazônia desde 2021. E Temer desde de 2017.

Andre
Andre
Reply to  Leela
10 meses atrás

E entrando pela Guiana a França chega onde? Macapá?

Você tem muita opinião mas nenhuma informação sobre o CORE.

Pragmatismo
Pragmatismo
Reply to  Andre
10 meses atrás

Disse tudo. Uai. A primeira potência está com a Ucrânia.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Kommander
10 meses atrás

só se os brasileiros se renderem, o Brasil é muito grande até para os EUA, nem no Iraque eles tiveram controle total.

Rogério Loureiro Dhiério
Rogério Loureiro Dhiério
Reply to  Carlos Campos
10 meses atrás

Eles ficando com a Amazonia que é o que importa, que se dane o resto.

Cido
Cido
Reply to  Carlos Campos
10 meses atrás

Ainda tem iludidos que pensa que uma guerra é travada em trincheiras

Na Ucrânia, a Rússia está treinando suas tropas pra algo maior

Palpiteiro
Palpiteiro
Reply to  Kommander
10 meses atrás

Se derrubar o GPS no Brasil o sistema elétrico cai. Não é preciso atacar nada.

Elintoor-_
Elintoor-_
Reply to  Kommander
10 meses atrás

Um míssil de cruzeiro “bem dado” em Itaipu e pronto, o país já estará de joelhos.
Praticamente metade do continente sem qualquer sinal de energia elétrica.
Tente imaginar a nossa “nova geração” de mimizentos sem conexão com a internet e redes sociais.
Nos renderíamos no mesmo dia…

Andre
Andre
Reply to  Elintoor-_
10 meses atrás

Você acompanhou a campanha russa contra o sistema elétrico ucraniano? Viu o resultado?

DanielJr
DanielJr
Reply to  Andre
10 meses atrás

Acredito que na Ucrânia a campanha russa não deu tão certo pelo número de unidades geradoras/transmissoras serem de uma capacidade mais uniforme e distribuída. Aqui no BR temos a integração da rede elétrica, mas em alguns trechos só existe 1 única linha de fornecimento, roraima sequer está conectada ao sistema. Itaipu é um ótimo alvo, pois produz um volume muito alto de energia. Vamos dizer que os inimigos precisem de 2 ataques com mísseis de cruzeiro para derrubar Itaipu e a maior usina de furnas somente, nem precisa derrubas linhas de transmissão. De que forma a energia teria que ser… Read more »

Daumer
Daumer
Reply to  DanielJr
10 meses atrás

A verdade é que sem Itaipú teremos um caos em vários estados mesmo ativando as termoelétricas. Se apenas tivermos um crescimento na indústria brasileira já será um problema. Nossa infraestrutura não está preparada para um evento caso ocorra em qualquer estado brasileiro.

Andre
Andre
Reply to  DanielJr
10 meses atrás

Em pouquíssimos lugares há apenas uma linda de transmissão, como em Roraima ou na cidade de Florianópolis

Jefferson Ferreira
Jefferson Ferreira
Reply to  Andre
10 meses atrás

Diferente do Brasil a maior parte da energia elétrica da ucrania é nuclear ou fóssil. As usinas nuclares não são alvos da russia e sim as linhas de transmissão que são de fácil reparo, diferente de hidrelétrica que se for atingida para reparar, dependendo dos estragos demoraria anos…

Allan Lemos
Allan Lemos
10 meses atrás

A guerra eletrônica passa quase sempre despercebida e é pouco “glamourizada” pelos filmes e séries, mas juntamente com os drones são o futuro dos conflitos armados.

Last edited 10 meses atrás by Allan Lemos
Guacamole
Guacamole
Reply to  Allan Lemos
10 meses atrás

3 coisas que me parecem vão revolucionar as novas guerras.
Inteligência artificial embarcada, Sensores multiespectrais para soldados (pensa numa mistura de visão noturna, infravermelho, sinal de radio tudo em um único aparelho que combina tudo), drones e guerra cyber-eletronica.

Bueno
Bueno
10 meses atrás

           Um vídeo do Starlink e seu operador tornando inoperantes 
https://www.youtube.com/watch?v=h-4oTEo9lzc

Oliveira Barros
Oliveira Barros
Reply to  Bueno
10 meses atrás

Impressionante.
Impressionante também é que a cena mostra mais um bunker construídk em um buraco qualquer da Ucrânia
A quantidade de fortificações, bunkers, casamata, trincheiras e etc que a OTAN construiu por todo o leste da Ucrânia é gigantesca.
Certamente estavam com péssimas intenções.
Só não contavam com a reação russa

Andre
Andre
Reply to  Oliveira Barros
10 meses atrás

Ou talvez contavam com a ação Rússia e a construção de bunkers foi a reação ucraniana, já que a Rússia invadiu a Ucrânia em 2014, antes da construção dos bunkers.

Ramon
Ramon
10 meses atrás

A guerra moderna está mostrando uma realidade que muitos não imaginavam um tempo atrás equipamentos civis causando danos severos no campo de batalha, drones com poucos KG de explosivos destroem blindados como se fosse nada, eliminam pelotões inteiros em trincheiras em minutos, permitem que unidades se comuniquem dentro do território inimigo com facilidade, e os meios que tentam bloquear esses equipamentos em muitos casos são caros e que mesmo assim não são totalmente eficientes, quero nem imaginar o estrago que esses equipamentos vão fazer quando saírem do espectro da gambiarra e se tornarem equipamentos militares genuínos, prevejo centenas de homens… Read more »

Talisson
Talisson
Reply to  Ramon
10 meses atrás

A letalidade esta se dando exatamente por ser gambiarra e acessivel. Quando receber o “ISO” militar, e chegar a casa do milhão de dólares, será mais do mesmo.

Simas
Simas
10 meses atrás

Sr Musk!
Guerra é para gente grande.

Maurício.
Maurício.
10 meses atrás

Pelo visto, pouco relevante está sendo a Starlink na Ucrânia, mas, como você mesmo disse, segue o baile…rsrsrs.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Maurício.
10 meses atrás

Sim, sim, estão operando bem a contento…

Oliveira Barros
Oliveira Barros
10 meses atrás

Só para lembrar ao Sr. Mesmo que guerra não é brincadeirinha de Tesla, SpaceX e etc.

Oliveira Barros
Oliveira Barros
Reply to  Oliveira Barros
10 meses atrás

Sr. Musk.
Foi o corretor.
Rsrsrs

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Oliveira Barros
10 meses atrás

tá mas o Musk disse que era brincadeira ou agiu de modo a dar entender que é brincadeira

Sequim
Sequim
Reply to  Oliveira Barros
10 meses atrás

Musk é um fanfarrão. Quem quiser acreditar nele, que fique à vontade, mas creio que ninguém que encare a realidade com seriedade dá crédito a ele. Essa história dele de levar um ser humano à Marte em 2029 já virou piada faz tempo.

Lucena
10 meses atrás

Com essas informações, as ações da starlink na bolça de valores …subiu ou caiou ? … para uma empresa de capital aberto … isso é o seu verdadeiro calcanhar de aquiles .
.
Quem vai correr o risco em comprar satélites, mesmo para uso civil, de uma empresa privada que está sendo visada por um estado nacional; como : Russia, China,EUA ..etc ?… que garantias dará aos clientes ?…qual seguradora queira correr o risco ?… como ficará o mercado dos satélites depois disso ?

Jair
Jair
10 meses atrás

Com os generais que o Brasil possui (Mourão, Heleno, entre outros) nenhum país terá coragem de invadir o nosso Brasil…

Marcio
Marcio
Reply to  Jair
10 meses atrás

Temos um verdadeiro exército em nossas favelas, tenta invadir pra ver!

Ricardo Coelho
Ricardo Coelho
10 meses atrás

A guerra é um monstro grande que pisa forte. Mercedes Sosa.

Maurício
Maurício
10 meses atrás

Rio de janeiro, bombardeio da rioxsao Paulo, ponte Niterói, riox Teresópolis e acabou a cidade…passa fome e sede…basta explodir a estação do guandu

Marcos fé
Marcos fé
10 meses atrás

Não sei porque escolheram a França, um pais amigo! Se um dia ocorrer um ataque será de toda comunidade internacional. Caso o Brasil mostre negligencia e incapacidade de cuidar do seu meio ambiente, essa previsão se dará. Basta, ter um desequilíbrio climático no mundo que o Brasil dará adeus a sua soberania. Nós somos um país do planeta terra! Nosso dever é de alimentar o mundo! Não de criar contendas!

Last edited 10 meses atrás by Marcos fé
Avacy
Avacy
10 meses atrás

Prezados amigos, quem não tem conhecimento sobre swgurança e defesa de um país deve somente hovkr e não opinar, todas as áreas existem peritos e estudiosos, na guerra também, e o nosso país disprivem de alguns recursos, mas batalhas em guerras são estratégias militares, o Brasil é bastante complexo, existem vários biomas, e temos conhecimento de nosso jardim e terreno, somente um maluco tentaria adentrar em nossas terras.

Torvam
Torvam
8 meses atrás

A França não precisa guerrear com o Brasil para invadir, já tem as ONGS a favor deles.