Chefe da espionagem russa diz que conversou com chefe da CIA sobre ‘o que fazer com Ucrânia’

27

Sergei Naryshkin, chefe da inteligência estrangeira russa, em Moscou

Em ligação, gestores de inteligência também discutiram o motim do Grupo Wagner, no fim de junho

O chefe da inteligência estrangeira russa, Sergei Naryshkin, disse nesta quarta-feira (12) que ele e seu colega da CIA, William Burns, discutiram “o que fazer com a Ucrânia” em um telefonema no final do mês passado, segundo a agência de notícias russa Tass.

Os jornais “The New York Times” e “The Wall Street Journal” reportaram em 30 de junho que Burns ligou para Naryshkin para assegurar ao Kremlin que os Estados Unidos não tiveram nenhum papel no breve motim do chefe mercenário russo Yevgeny Prigozhin e de seus combatentes do Grupo Wagner uma semana antes.

Naryshkin confirmou que Burns levantou a questão dos “eventos de 24 de junho”, quando os mercenários assumiram o controle de uma cidade do sul da Rússia e avançaram em direção a Moscou antes de chegar a um acordo com o Kremlin para encerrar a revolta.

Mas ele disse que durante a maior parte da ligação, que durou cerca de uma hora, “consideramos e discutimos o que fazer com a Ucrânia”.

A CIA se recusou a comentar as declarações de Naryshkin.

A Ucrânia, que foi invadida pela Rússia em fevereiro de 2022, diz que outros países não devem negociar seu futuro em seu nome, e os Estados Unidos têm apoiado repetidamente esse princípio, descrito como “nada sobre a Ucrânia sem a Ucrânia”.

Burns e Naryshkin mantiveram uma linha de comunicação desde o início da guerra na Ucrânia, em um momento em que outros contatos diretos entre Moscou e Washington são mínimos, com as relações em seu ponto mais baixo desde a crise dos mísseis cubanos de 1962.

FONTE: Reuters, via G1

Subscribe
Notify of
guest

27 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
11 meses atrás

“outros contatos diretos entre Moscou e Washington são mínimos, com as relações em seu ponto mais baixo desde a crise dos mísseis cubanos de 1962”.Parece que os EUA não queriam os mísseis cubanos em 1962.Mísseis adversários perto dos EUA eles não gostam hehehehe.Mas chegar e por os seus perto do país dos outros eles adoram.

Camargoer.
Camargoer.
11 meses atrás

Isso mostra que gente inteligente conversa enquanto os outros vão para a briga.

Mengao
Mengao
Reply to  Camargoer.
11 meses atrás

Não tem como a Ucrânia derrotar a Rússia. A Rússia está mais forte milirtamente e economicamente a cada dia. As perdas ucranianas, confirmadas pelos próprios ucranianos e Ocidente, estão sendo catastróficas. A grande questão é quando houver um cessar-fogo, o exército ucraniano hj é composto basicamente por recrutas sem treinamento adequado e experiência militar, e as melhores unidades ucranianas são grupos para-militares neonazistas, que se opõem a qualquer cessar-fogo e inclusive tem um discurso de limpeza étnica contra a população étnica russa, ou seja, com cessar-fogo, o sul e leste se incorporam a Rússia, e o resto com chances altíssimas… Read more »

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Mengao
11 meses atrás

Fiz um trocadilho. Chamei o pessoal da “inteligência” de “inteligentes” que conseguem conversar, além de uma crítica velada aos dois políticos (Zelensky e Putin) que não conseguem firmar um cessar fogo e iniciar negociações de paz.

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Mengao
11 meses atrás

O John Mershmeier acredita que essa guerra continua por mais dois anos como está, nenhum dos lados cederá e a Rússia eventualmente consolidaria o domínio na Criméia e 8 outros Oblasts (43% do território ucraniano) e então se chegaria a situação de paz fria. Nesse momento, o restante da Ucrânia seria disfuncional e incapaz de aderir tanto a UE quanto a OTAN. A Rússia continuaria a fazer de tudo para desestabilizar a Europa e os europeus e americanos contnuariam a apoiar a Ucrânia disfuncional… e o conflito intercalaria períodos de relativa calma com períodos de intensificação.

Nuno Taboca
Nuno Taboca
Reply to  Rodolfo
11 meses atrás

43%??? E onde vão avançar, pois só detém hoje 17%? Se demoraram 8 meses pra tomar Bahkmut, e isso usando mercenários?
Que mundo vc vive?

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Nuno Taboca
11 meses atrás

Essa opinião não é minha, é de um especialista em realpolitik… o que ele levou em conta sāo as perdas expressivas da Ucrânia, não que a Rússia também não esteja perdendo muita gente, mas entre Ucranianos mortos e a grande quantidade de pessoas que já fugiram do país, em algum momento deverá faltar soldados do lado Ucraniano.

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Nuno Taboca
11 meses atrás

Outro fato histórico que não se pode esquecer é a capacidade dos governantes russos sacrificarem a população russa pra atingir seus objetivos. Essa guerra para o Putin é vital para a sobrevivência do país como potência global… por isso essa guerra vai durar muito ainda… de novo não confunda isso como minha opinião, é o que ele pensa e escreveu em um documento descrevendo o laço histórico de russos, bielorussos e ucranianos logo antes da guerra. Se nós seguirmos o seu raciocínio, um analista em 1941-42 diria que Stalin e a União Soviética estavam com os dias contados, e 3… Read more »

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Rodolfo
11 meses atrás

Sim, os russos conquistaram no século 18, a perderam no 19 e tomaram no 20. Khrushchev repassou à Ucrânia durante a URSS… hoje Sevastopol é vital para o comando sul da marinha russa, sem essa base os russos perdem influência sobre países como Turquia e Georgia e o único porto de águas quentes (o resto está no Ártico e congela no inverno). Por isso invadiram em 2014 depois da revolução política na Ucrânia. A meu ver, perder a Criméia poderia desencadear uma resposta nuclear dentro da doutrina russa, que aceita utilizar armas nucleares em caso de ameaça à integridade territorial,… Read more »

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Rodolfo
11 meses atrás

Quis dizer, referendo de adesão à federação russa.

Magaren
Magaren
11 meses atrás

Só reforça o quanto a russia está perdida e a estrutura interna é frágil.

Simplesmente não sabem de onde veio a porrada que levaram do Wagner group.

O que reforça a tese que a russia só se mantém pelo vasto arsenal soviético, porque se dependesse da organização do exércicito de branca leona já teriam pedido agua faz tempo.

Que fase!

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Magaren
11 meses atrás

Caro. Acho que é o contrário. O chefe da inteligência dos EUA ligou para o russo para dizer que os EUA não tinham nada a ver com o motim, antes que o boato se tornasse uma crise entre os dois países. Desde a crise dos mísseis de Cuba, os setores de inteligência de muitos países criaram meios oficiais de comunicação, o que antes era realizado exclusivamente pelos meios diplomáticos.

Felipe
Felipe
Reply to  Magaren
11 meses atrás

EDITADO

Last edited 11 meses atrás by Guilherme Poggio
Underground
Underground
11 meses atrás

Mas é aí?
Os caras falaram durante uma hora e ele não revelou o destino da Ucrânia?
Talvez Kiev, capital do vasto Império da Ucrânia e província da Rússia.
O chefe da espionagem russa, que é um cidadão que ninguém deveria saber se quer de sua existência, vem a público dizer que estava negociando o destino de outro país. Acho que a coisa vai muito mal na Rússia.

Underground
Underground
Reply to  Underground
11 meses atrás

Acho que é o galo dos russos que está sendo cozido. He, He, He.
Já descobriram onde foi parar o General malvadão? E os iranianos estão reclamando que os russos não entregaram os Sukhois prometidos. Que coisa!!!

Slowz
Slowz
11 meses atrás

Logo logo eles começam a vender a rifa .. 😂

LUIZ
LUIZ
11 meses atrás

Se tão apelando pras bombas crusters é porquê a ofensiva foi um fracasso total. Um acordo tem que ser costurado pra por fim a essa guerra.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  LUIZ
11 meses atrás

Caro Luiz. Pelo que consta, os EUA decidiram enviar bombas “cluster” de 155 mm porque os estoques convencionais deste calibre estão baixos. Ao que parece, não foi uma decisão nem estratégica nem tática, mas apenas logística.

Alecs
Alecs
Reply to  LUIZ
11 meses atrás

Senão daqui. Pouco a OTAN tem que agir em defesa da Rússia, né? É cada um que aparece!

Arthur
Arthur
11 meses atrás

É, estão discutindo o que fazer com a Ucrania, diferentes ideias: a Disney compra a Ucrânia da Black Rock e a transforma num parque temático gigante; os dois países dividem a Ucrânia em Ucrânia Ocidental e Oriental; Putin, Zelensky e Biden transformam o país num imenso resort para o Ocidente, com divisão dos lucros por igual, óbvio (ou eliminam o ucraniano ingrato e resmungão e dividem somente entre os dois); o Ocidente oferece o que restou da Ucrânia ao Brasil, em troca da “nossa” Amazonia… No final, só um resultado: Rússia e EUA deixam de lado essa carcaça e vão… Read more »

Rodolfo
Rodolfo
11 meses atrás

Não, a conversa foi pra evitar uma escalada nuclear. Se as centrais de inteligência não trocarem esse tipo de informação entre si e o lado russo se sentir no escuro, o Putin acuado imaginando que um golpe vai lhe tirar o poder não teria nada a perder e poderia causar uma guerra nuclear. Eles têm 15 mil ogivas termonucleares, e agora ogivas táticas na Bielorrússia.
Os americanos querem a derrota da Rússia na Ucrânia por meios convencionais, como foi no Afeganistão, esse objetivo não mudou.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Rodolfo
11 meses atrás

Olá R. Exatamente.

Fagundes
Fagundes
11 meses atrás

Deveria haver mais conversas assim…imagina se supostamente essa guerra faz o Warger Group na Rússia ou o Batalhão Azov na Ucrânia virarem, cada um, um novo Taliban. Ainda bem que o Brasil está longe disso.

Underground
Underground
11 meses atrás

Ops!
Chefe da CIA conversou antes com Zelensky.

Rick
Rick
11 meses atrás

A Rússia entrou numa roubada. Putin e os seus puxa-sacos principais ainda acham que podem ter uma vitória militar retumbante. Mas isto fica cada vez mais longe. Hoje a principal questão para os russos é: ” como dar um fim a guerra sem parecer uma derrota?”. É um problema político muito difícil. A Rússia hoje está muito dependente do comercio internacional com poucos países, os mais importantes China e India. Nenhum destes dois estão dispostos a fornecer armas a Moscou ou deixar o país falir. A economia russa já é uma economia de guerra, e com claras deficiências estruturais (alguém… Read more »

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Rick
11 meses atrás

Essa guerra está longe de terminar. Eu acho que comparar Afeganistão (tanto a experiência russa como americana), Vietnã a esse conflito não me parece correta, já que o valor estratégico desses países não era vital para russos e americanos. Os russos vêem o conflito na Ucrânia como existencial. Para os americanos é a chance de acabar com a potência russa de uma vez por todas. Como Brezinski (diplomata polonês americano) escreveu, a Rússia sem a Ucrânia é uma potência regional apenas. Os ucranianos dificilmente vão expulsar os russos e quanto mais tempo dura essa guerra, mais difícil para qualquer um… Read more »

mago
mago
11 meses atrás

Anotem aí! Os russos terão em 2024 (já estão sendo treinados e equipados), 3 milhões de combatentes. Tudo muito bem planejado. Primeiro destruirão (Já destruíram) as melhores formações dos ucranianos e praticamente todo o seu equipamento militar, inclusive tudo o que foi e é fornecido pelos eua/otan. A Ucrânia economicamente já é um estado disfuncional. Os pequeninos países europeus da otan já dão sinais de esgotamento em todas as áreas, coisas que os tornam simplesmente incapazes de enfrentarem a RF (na verdade o BRICS) em todos os setores. O cenário está sendo preparado para a destruição total da Ucrânia em… Read more »