Entrevista com o usuário do Switchblade 300 conduzida para ” Tysk ” por Serhii Haraluzhniy.

— Quais serviços e unidades funcionam com Switchblade 300’s?
Serviço de Segurança da Ucrânia, Forças de Operações Especiais e Direção Principal de Inteligência do Ministério da Defesa da Ucrânia.

— Quanto tempo leva para treinar um operador e o que inclui esse processo?
O treinamento do operador leva 2 semanas. Isso geralmente é muito longo para a maioria das pessoas: na verdade, você pode quase metade desse período. Voar no simulador Switchblade aproveita ao máximo esse período.

— Quão difícil é pilotar o drone? Qual é a proporção de acertos para erros? É mais fácil mirar do que um drone FPV?
É fácil de operar. O drone pode fazer muitas coisas sozinho, ganha altitude, calcula uma trajetória aproximada durante a aproximação, tenta ajustar sua direção de movimento ao vento e, quando chega ao alvo, começa a descer e acelerar — você só precisa ajustá-lo. Se errar o alvo, ele automaticamente faz um segundo círculo, faz uma aproximação automática, durante a qual você pode monitorar o alvo com a câmera lateral. O drone faz um círculo, voa de volta do lado da primeira abordagem e tenta acertar o alvo novamente. Ele pode repetir isso um número significativo de vezes enquanto a bateria durar.

Pelas razões mencionadas acima, é muito mais fácil apontar para um alvo do que um drone FPV. Ele voa em linha reta, é mais estável, não precisa ser corrigido em muitos planos e faz muitas coisas automaticamente.

A porcentagem de acertos bem-sucedidos é bastante alta, eu estimaria em 70-80% se o drone decolasse com sucesso e encontrasse o alvo.

https://www.popsci.com/technology/switchblade-drones-explained/

— Qual é a real capacidade destrutiva do drone? Como o modo de fragmentação é selecionado e do que ele depende?
A capacidade de acerto é um pouco maior do que a da munição automática lançadora de granadas de 40 mm. O alvo é selecionado com base em suas especificidades e você precisa entender para que serve e para onde está voando. Mesmo antes do lançamento, fica claro qual modo escolher. Ele tem várias opções de detonação, em diferentes distâncias do alvo — que determina o feixe de projéteis que atinge o alvo.

— Quão barulhento é o drone? A que distância o inimigo percebe isso?
O drone soa muito como um DJI Mavic. Quando paira acima de você, você pode dizer que algo está claramente voando. Se houvesse um Mavic naquela altitude, você também ouviria. O inimigo percebe mais cedo pela simples razão de que, ao se aproximar do alvo, muda seu modo de operação, mergulha e liga o motor à potência máxima, o que significa que começa a trabalhar mais alto.

— Você conseguiu usar o drone em seu alcance máximo? Você teve que ultrapassar esses limites?
Sim, o drone foi usado em sua capacidade técnica máxima, até além dela — mas foram casos individuais. É possível generalizar e dizer que o drone opera em distâncias maiores? Eu não diria isso. Esses casos pontuais foram eventos bastante extraordinários. Com base na natureza do drone, ele nunca atinge nada fora de seu raio de combate, porque é apenas estúpido e pouco profissional.

— Houve alguma tentativa de atualizar os drones do lado ucraniano?
Não, não houve tentativas de atualizá-lo. Houve uma tentativa de fazê-lo funcionar de forma não convencional: trata-se de sistemas de carregamento e gatilhos, que nem sempre funcionam. Grosso modo, são reclamações sobre a estação de lançamento, não sobre o próprio drone.

— Com que frequência ocorrem falhas e mau funcionamento? Quais são suas causas?
Eles fazem isso de vez em quando, mas é mais um problema de hardware e acontece principalmente na estação de lançamento. É difícil dizer que o drone causou algum problema durante o voo e se comportou de forma anormal. Levando em consideração os meios ativos de guerra radioeletrônica, o drone opera de maneira estável.

— Quando faz sentido escolher o Switchblade 300 em vez de qualquer outro armamento?
Não temos muitas outras munições que possam voar com segurança para uma janela de um prédio a 8 km de distância, e é importante enfatizar que não temos apenas a capacidade de voar para uma janela, mas para ser capaz de voar para um janela com uma chance de 70-80%. Existem certos tipos de alvos cuja localização é determinada por diferentes meios de reconhecimento. Determinar sua localização é muito temporário e situacional, e eles precisam ser atingidos em um único tiro. Se este alvo não for atingido agora, ele se moverá e você nunca mais o encontrará. O valor máximo e a eficácia do Switchblade se manifestam nesses casos, então eles geralmente são usados ​​dessa maneira.

— Quais são os alvos preferenciais do Switchblade 300?
Como decorre logicamente do ponto anterior, esses alvos são mal protegidos, muito valiosos e sua localização é conhecida com antecedência. Encontrar alvos no Switchblade, mesmo que você saiba em que área o alvo deve estar, é muito difícil por vários motivos, o mais importante deles é a má qualidade da câmera e, digamos, a natureza desse drone: O design do UAV é feito com a suposição de que você sabe exatamente para onde ele vai voar. Não é bom como um drone de reconhecimento e não é por isso que tem a capacidade de barrar.

— Como é uma missão típica do Switchblade 300? Quantos drones podem ser usados ​​simultaneamente em uma única missão de combate?
Uma missão típica deste drone é como qualquer outra missão de combate. Isso inclui reconhecimento, reconhecimento de acompanhamento, planejamento com base nas especificações do drone e cenários de falha. Como regra, 2 tiros são disparados em uma missão. Como eu disse, o reconhecimento é muito importante. É crucial entender onde o alvo está localizado.

— O Switchblade 300 é usado contra veículos não blindados?
Sim, eles fazem. Conheço casos assim e parece ter funcionado bem. Mas esses veículos não devem se mover rapidamente, pois o Switchblade tem capacidade de direção limitada.

— Com que frequência o Switchblade 300 é lançado por trás das linhas inimigas?
Conheço casos de uso na linha de frente, na zona cinzenta, mas não sei de casos de uso atrás da linha de contato. Presumo que esta será uma tarefa difícil devido a certas peculiaridades do lançamento do drone e sua orientação no espaço.

— Qual foi o alvo mais significativo que este drone conseguiu atingir? Qual foi o resultado?
Eu provavelmente não deveria entrar em detalhes, mas diz respeito ao estado-maior do inimigo. Tanto quanto sei, foi um sucesso.

— No ano passado, vimos a destruição do posto técnico autônomo de vigilância Grenadier na área da fronteira russa usando o Switchblade 300. Em que outros alvos não infantaria ele é usado?
Esses alvos devem estar desprotegidos, estáticos ou com localização conhecida e devem ter algum valor. Como regra geral, são unidades de vigilância, inteligência eletrônica, estações de guerra eletrônica, vários sistemas de monitoramento aéreo e assim por diante. Este é algum tipo de equipamento caro ou pessoal valioso. Este é o uso ideal do Switchblade.

— Já foi usado para engajar outro drone?
Não, não conheço nenhum desses casos. Novamente, Switchblade precisa saber onde está o alvo. Todo o seu software é projetado em torno disso. O operador pode tentar redirecionar o drone, mas é difícil. A resolução da câmera também é bastante baixa. Se for um pequeno alvo aéreo em constante movimento, é difícil encontrá-lo. Além disso, o próprio UAV voa lentamente e seu tempo no ar é muito limitado. Em resumo, os drones de combate terão muito pouca eficácia provável e um alto custo para tentar.

— Você pode comparar os drones Switchblade 300 e FPV? Quais são as vantagens não óbvias do SB300?
O mais importante é que o Switchblade é um produto acabado. É um dispositivo completo que se comporta de forma mais ou menos previsível. Os drones FPV são sempre um assunto complicado com muitos fatores desconhecidos. As vantagens não óbvias são uma interface muito simples totalmente adaptada para uma pessoa controlar o objeto voador, apontá-lo corretamente e acertar o alvo. Na verdade é mais complicado do que parece, e é por isso que o Switchblade ajuda na correção do vento, trajetória, busca do alvo, e se você perceber que não está acertando o alvo, ele vem para uma segunda volta, acelera a todo vapor, voa para cima , começa a circular o alvo, entra novamente, mira novamente e tenta ajudá-lo a acertá-lo novamente. Possivelmente pode, digamos, fazer tudo quase independentemente. O operador só precisa ajustar seu curso, corrigir um pouco.

De novo, as dificuldades são muitas com isso, porque ajustar a rota em uma determinada velocidade e altitude é uma coisa, e ajustar a rota na fase final é outra bem diferente, com diferentes zooms de câmera e assim por diante. Existem muitos problemas, mas o Switchblade faz tudo o que pode para ajudá-lo. Infelizmente, não existem tais coisas com um drone FPV. Não há zoom, ajuda, estabilização, possibilidade de uma 2ª, 3ª, 4ª, 5ª chance exatamente do mesmo ângulo. Tudo está em suas mãos. Isso aumenta muito os requisitos de qualificação do piloto e limita severamente a escolha das tarefas, pois existem fatores objetivos que impossibilitam que uma pessoa atinja um alvo com confiança na primeira vez.

Com Switchblade, é mais provável que isso aconteça do que não. porque ajustar a rota a uma determinada velocidade e altitude é uma coisa, e ajustar a rota na etapa final é outra, com diferentes zooms de câmera e assim por diante. Existem muitos problemas, mas o Switchblade faz tudo o que pode para ajudá-lo. Infelizmente, não existem tais coisas com um drone FPV. Não há zoom, ajuda, estabilização, possibilidade de uma 2ª, 3ª, 4ª, 5ª chance exatamente do mesmo ângulo. Tudo está em suas mãos. Isso aumenta muito os requisitos de qualificação do piloto e limita severamente a escolha das tarefas, pois existem fatores objetivos que impossibilitam que uma pessoa atinja um alvo com confiança na primeira vez.

— As tarefas e o escopo do uso do Switchblade 300 mudaram com o surgimento de drones FPV baratos?
Não direi que a proliferação de drones FPV afetou especificamente as tarefas do Switchblade. Em vez disso, há muito menos Switchblades, pelo menos pelo que posso ver, e surgiram tarefas para drones FPV. Ou seja, as tarefas não estão desaparecendo, mas os meios para elas agora são escassos. Tivemos que nos adaptar. No lado positivo, essas tarefas ainda são muito específicas e precisas, e os drones FPV são simplesmente vistos como uma alternativa. A escala de uso não mudou.

— O que poderia explicar o aparecimento de vídeos usando o escasso e caro Switchblade 300 contra a infantaria inimiga nas trincheiras?
Acho que isso ocorre porque unidades diferentes têm acesso diferente ao Switchblade. Infelizmente, isso acontece. A distribuição nem sempre é justa, na minha opinião. Certas unidades têm um excesso de alguma coisa, enquanto outras têm que literalmente arranhar e raspar por pelo menos alguns tiros, embora em geral eu classifique as tarefas dessas unidades igualmente em termos de seu valor. Também avalio que o treinamento também está no mesmo nível, mas o acesso à munição é completamente diferente. Algumas pessoas têm um excesso de munição, então eles fazem besteira. É claro que atingir soldados de infantaria comuns nas trincheiras com o Switchblade é um desperdício, estúpido e pouco profissional.

— Encontramos reclamações de que havia muito poucos vídeos publicados com o Switchblade 300 devido às dificuldades de hardware na gravação de imagens. E, no entanto, por que os vídeos dele são realmente raros?
Acho que os vídeos são raros porque há poucos Switchblades. Houve um período em que foram mais usados, depois um período em que foram menos usados, simplesmente porque fisicamente eram menos. Além disso, a qualidade da imagem em si é bastante baixa e não muito impressionante. E ainda há o fato de que a gravação da tela mostra algumas informações e nem todo mundo as desfoca. Em geral, os objetivos para Switchblade são bastante especializados e nem todos devem ser divulgados, nem sempre vale a pena dizer o que foi usado para que o inimigo não use a seu favor e em nosso detrimento.

— Você conhece algum caso de lançamento do Switchblade 300 de um UAV Jump 20?
Apenas rumores. Na verdade, nunca o encontrei e nunca conheci pessoas que o usam.

Referência: O Jump 20 é um drone do tipo aeronave de nível tático com decolagem vertical que pode ser usado para lançar o UAV Switchblade 300. Este drone foi transferido para as Forças Armadas da Ucrânia pelos Estados Unidos como parte de um pacote de ajuda militar em fevereiro de 2023. O fabricante afirma ter as seguintes especificações:
alcance: 185 km
tempo de operação: 14 horas
carga útil: 13,6 kg
comprimento: 2,9 metros
envergadura: 5,7 m
peso: 97,5 kg

— Os parceiros estrangeiros tiraram alguma conclusão com base na experiência ucraniana de operar o Switchblade 300?
Sim, eles tiraram conclusões. Não tenho certeza se é chamado de segunda geração, mas eles fizeram uma série de mudanças e melhorias. Não direi que isso mudou ou expandiu fundamentalmente os recursos do Switchblade, mas eles o atualizaram. Essas inovações facilitam nosso trabalho.

— No geral, como você avaliaria a eficácia do Switchblade 300?
No geral, classifico a eficácia como alta. Switchblade é geralmente agradável de usar. Se você conhece suas capacidades, seus pontos fortes e fracos e entende o que ele pode fazer, provavelmente o fará. Não exija dele algo mais do que aquilo para o qual foi projetado (infelizmente, isso acontece o tempo todo em nosso exército). Temos que explicar, argumentar e informar às pessoas que essa arma é específica e é usada para tarefas específicas. Se for usado profissionalmente, corretamente, com base nas capacidades profissionais, é um ótimo complemento para o seu poder de fogo.

FONTE: @tysknip

Subscribe
Notify of
guest

4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Arthur
Arthur
10 meses atrás

O Switchblade foi eficiente ainda no primeiro semestre do ano passado, depois não se ouviu falar mais. Sua carga era muito pequena, com resultados pífios. Daí, um “usuário” volta a ressucitar o defunto neste artigo. Provavelmente, o representante comercial do fabricante.

Groosp
Groosp
Reply to  Arthur
10 meses atrás

Não exija dele algo mais do que aquilo para o qual foi projetado”

Bento
Bento
10 meses atrás

Respostas bem técnicas, expondo pontos fortes e fracos de um equipamento.

Fernando EMB
Fernando EMB
10 meses atrás

Excelente relato. Respostas muito boas e coerentes e realistas.
Coisa que não vejo vindo do outro lado.