DUSSELDORF, Alemanha — Um primeiro carregamento de novas munições para o tanque antiaéreo Gepard está agora a caminho da Ucrânia. Por acordo, a Rheinmetall AG de Düsseldorf enviou um primeiro lote de munições de defesa aérea de 35 mm como parte do apoio alemão à luta defensiva da Ucrânia. Até o final deste ano, 40 mil cartuchos deverão ser produzidos e fornecidos.

Na Ucrânia, os carregamentos provenientes da Alemanha são aguardados com ansiedade: com os seus canhões gêmeos de 35 mm, o Gepard emergiu como um fator decisivo na luta da nação em apuros para se defender.

O governo alemão disponibilizou 46 destes tanques antiaéreos, com outros seis a seguir. Para a Ucrânia, desempenham um papel essencial na luta pelo controle do seu espaço aéreo, tendo-se revelado altamente eficazes no combate aos drones kamikaze que a Rússia utiliza para atacar cidades ucranianas. Eles estão quase permanentemente em ação, tornando o consumo de munição correspondentemente alto.

A Rheinmetall produz há muito tempo grande parte de sua munição para armas de médio calibre na Suíça; agora, porém, foi criada na Alemanha uma nova capacidade de produção para fornecer os sistemas Gepard, onde foi investido um montante multimilionário em instalações e equipamentos.

Em Fevereiro de 2023, Boris Pistorius, o ministro da defesa alemão, anunciou numa reunião do Grupo de Contacto de Defesa da Ucrânia que a capacidade de produção de munições para o Gepard seria criada na Alemanha, em Rheinmetall. Um contrato para a entrega rápida de um total de 300 mil cartuchos de munição para o tanque antiaéreo já havia sido assinado vários dias antes.

Devido à urgência e elevada relevância política do projeto, a pressão para concluir as novas instalações foi imensa desde o primeiro dia, exigindo um verdadeiro tour de force tecnológico e logístico.

Nas palavras do presidente do conselho executivo da Rheinmetall AG, Armin Papperger: “Cumprimos as nossas promessas. Apenas seis meses após a assinatura do contrato já iniciamos as entregas, conforme combinado. Meus sinceros agradecimentos aos homens e mulheres de Rheinmetall que tanto fizeram para que este projeto fosse um sucesso, mesmo trabalhando nos finais de semana. Nossos subcontratados e fornecedores também merecem elogios, pois nos ajudaram a alcançar o que inicialmente parecia impossível. A pressão para ter sucesso foi enorme – mas também o foi o nosso compromisso em realizar o trabalho. Queremos ajudar o povo da Ucrânia. Cada drone abatido salva vidas!”

O governo alemão não deixou pedra sobre pedra no seu esforço para fornecer munições novas à Ucrânia, inclusive no estrangeiro – embora em vão. Na Alemanha, os estoques de munição caíram para zero, pois os sistemas Gepard foram retirados de serviço cerca de quinze anos antes. Outros países recusaram-se a disponibilizar os stocks existentes de munições, alegando considerações políticas ou restrições constitucionais.

No final, foi um entrelaçamento de conhecimentos especializados dos técnicos e engenheiros da Rheinmetall na Suíça, Alemanha e Itália que tornou possível a criação da nova unidade de produção.

O problema: as ferramentas anteriores para produzir a munição original simplesmente não existiam mais. A solução acabou por ser uma mistura de engenharia reversa e desenvolvimento adaptativo bastante diferente de tudo visto antes: a munição de 35 mm existente no armamento principal de um veículo de combate de infantaria foi modificada para uso no Gepard. Garantir que a unidade de controle de tiro do Gepard pudesse reconhecer a munição com segurança foi um desafio especial.

Apesar do seu excelente desempenho, a eletrônica e a tecnologia de controle de tiro do antigo tanque antiaéreo – desenvolvido na década de 1960 – provou ser uma verdadeira caixa preta. Ao mesmo tempo, a cadeia de abastecimento das novas munições teve de ser alargada, a fim de minimizar, tanto quanto possível, a quota de valor acrescentado suíça.

Como afirma Armin Papperger: “Temos uma força imbatível na Rheinmetall: ou seja, a ampla experiência que advém de ser uma empresa de sistemas. Seja no desenvolvimento de munições, na produção mecânica e no conhecimento de materiais, no desenvolvimento de armamento de defesa aérea, em testes abrangentes de tiro real, no projeto e construção de instalações de produção – em todos os lugares nossos especialistas trabalharam com enorme motivação e grande comprometimento pessoal para concluir o projeto. Eles sabiam quão urgentemente a Ucrânia precisava de munições – e quanto mais cedo, melhor.”

Após vários testes no campo de provas do Grupo em Unterlüss, na Baixa Saxônia, o programa de verificação foi concluído em maio de 2023, quando a munição foi disparada com sucesso por um tanque antiaéreo Gepard.

Entretanto, numa das fábricas do setor civil da Rheinmetall em Neuss, uma linha LAAP foi projetada e posteriormente construída nas instalações do Grupo em Lanciano, Itália, antes de ser transferida para Unterlüss. LAAP significa carregamento, montagem e embalagem, processo no qual os cartuchos são carregados com propelente; as diversas partes da munição são montadas; e posteriormente embalada. A pólvora propulsora vem, aliás, da Nitrochemie, outra integrante do Grupo.

Um total de 40 mil cartuchos serão entregues este ano. A Ucrânia receberá 150 mil cartuchos de dois tipos diferentes de munição. Uma delas é uma munição APDS-T de subcalibre contendo penetradores de metais pesados e, portanto, especialmente adequada para atingir alvos endurecidos.

A Rheinmetall também está fornecendo à Ucrânia munição incendiária convencional de alto explosivo HEI-T, projetada para derrubar alvos típicos de defesa aérea, por exemplo, aeronaves e mísseis guiados.

FONTE: Rheinmetall

Subscribe
Notify of
guest

14 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
9 meses atrás

O EB poderia aproveitar e comprar tambem alguns lotes dessa munição pros nossos Guepard tambem, antes que nossos estoques acabem ( se é que já não acabaram… )

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Willber Rodrigues
9 meses atrás

O risco não é acabarem, é perder a validade.

Fabio Alberto
Fabio Alberto
Reply to  Willber Rodrigues
9 meses atrás

O EB tem mais munição do que a vida útil dos canhões que tem..
Salvo melhor juízo umas 3 a 4x..

Adriano RA
Adriano RA
9 meses atrás

O Brasil negou o envio de munição, certo?

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Adriano RA
9 meses atrás

_________

COMENTÁRIO APAGADO. NÃO USE O SITE PARA PROSELITISMO POLÍTICO. MANTENHA-SE NO TEMA DA MATÉRIA. LEIA AS REGRAS DO BLOG:

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Alecs
Alecs
9 meses atrás

“O governo alemão não deixou pedra sobre pedra no seu esforço para fornecer munições novas à Ucrânia, inclusive no estrangeiro – embora em vão.” Banania amarelou por questões ideológicas.

Joao Henrique
Joao Henrique
Reply to  Alecs
9 meses atrás

Pelo contrário, ceder teria sido amarelar. A posição do Brasil é clara, não se envolver de forma direta no conflito.

E a está seguindo.

Bosco
Bosco
9 meses atrás

Infelizmente esse armamento de 35 mm não é habilitado a utilizar a munição AHEAD. Essa sim é extremamente efetiva contra pequenos drones.

Joao Henrique
Joao Henrique
Reply to  Bosco
9 meses atrás

O que acharia do Sea Snake 30 mm das Almirantes Tamandaré x Drones ?

Uma versão terrestre deste, móvel, parece muito interessante na minha opinião, já que é muito mais leve e menor que o Millenium / C-Ram.

Bosco
Bosco
Reply to  Joao Henrique
9 meses atrás

É um excelente sistema contra drones , João.
Conta com munição “airburst” que otimiza sua capacidade contra pequenos drones.
Uma versão terrestre seria interessante.
Só de curiosidade, o canhão antidrone básico dos americanos (USA e USMC) é o M230LF de 30 mm (30 x 113 mm) , com munição com espoleta de proximidade e outra pré-programada e está sendo desenvolvido um projétil guiado.

Juvenal Souza
Juvenal Souza
9 meses atrás

Pena que o Brasil nao tentou trocar a municao antiga pela tecnologia para fabrica-las….

Joao Henrique
Joao Henrique
Reply to  Juvenal Souza
9 meses atrás

Não valia a pena. EB teve sorte neste caso, adquiriu uma quantidade absurda de munição para os Gepards por um valor irrisório x munição nova.

José Carlos
José Carlos
9 meses atrás

O Governo Brasileiro negou o fornecimento de munição para o guepard, e então o governo alemão embargou uma venda de blindados guarani para as Filipinas, porque a tecnologia de algumas peças é de fabricação alemã, em resposta a negativa de vender munição para a Ucrânia

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
9 meses atrás

Not.