Empresa australiana DefendTex avança em negociações para adquirir a Avibras Indústria Aeroespacial

227

A Avibras Indústria Aeroespacial e a DefendTex comunicam que vêm mantendo tratativas avançadas para viabilizar um potencial investimento que visa a recuperação econômico-financeira da Avibras, de forma a manter suas unidades fabris no Brasil, retomar as operações o mais breve possível e manter o fornecimento previsto nos contratos com o governo brasileiro e demais clientes.

Ambas as companhias estão empenhadas e trabalhando diligentemente para finalizar os termos e condições específicas do investimento e manterão o mercado informado.

Sobre a Avibras

A Avibras é uma empresa brasileira de tecnologia e inovação com capacidade industrial única e reconhecida mundialmente pela excelência e qualidade de seus produtos, sistemas e soluções de engenharia nas áreas de Aeronáutica, Espaço, Eletrônica, Veículos e Defesa. Com mais de 60 anos de atuação, a Avibras consolidou sua posição como uma das empresas líderes mundiais no segmento de Defesa e Aeroespacial.

Sobre a DefendTex

A DefendTex é uma empresa internacional de defesa com sede na Austrália e líder estabelecida em soluções de guerra assimétrica de múltiplos domínios. Fornecendo tecnologias de defesa líderes no mundo, os recursos da DefendTex incluem armas guiadas de precisão, energia, fabricação de foguetes e loitering munitions. A DefendTex tem ampla experiência em pesquisa colaborativa, tendo comercializado tecnologias de defesa revolucionárias.

Assessoria de Imprensa da Avibras

Subscribe
Notify of
guest

227 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Angus
Angus
14 dias atrás

Com essa notícia me pergunto o quanto vale a pena investir na indústria de defesa no Brasil. Anos de investimento em pesquisa e fabricação e chegam a conclusão que sem a venda total ou parcial a Avibras deixará de existir. Sinceramente não sei se é falta de competência na administração da empresa ou falta de uma política de Estado para indústria de defesa. Fato é que todos esforço e gastos investidos no Forte Santa Barbara podem ser perdidos em poucos anos, pois tudo foi pensado tendo o Astros como equipamento, com o suporte da Avibras. Enfim, esse tipo de situação… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Angus
14 dias atrás

Indústria de Defesa só existe quando as FA’s do próprio país compram da empresa nacional. Isso é sabido e é fato a décadas.
Mas vai explicar isso pras FA’s BR…acham que dá pra se criar indústria nacional de Defesa comprando pingado, e pagando caro em ToT’s milagrosos, pra TAMBÉM comprar pingado…

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Willber Rodrigues
14 dias atrás

Avise aos políticos.
Eles que mandam nas forças armadas e no orçamento militar.
Com o orçamento atual não dá para comprar em grande quantidade. Não tem milagre.

Eles (os políticos) também que deveriam criar leis para proteger empresas estrategicas de defesa de aquisições estrangeiras.

Eu não sou muito favorável em relação à empresas estatais, principalmente depois de todos os escândalos de corrupção que tivemos nos últimos 20 anos.
Mas na área da Defesa Nacional eu sou favorável.
O governo federal deveria estatizar a Avibras ou pelo menos entrar como sócio e injetar dinheiro na empresa.

leonidas
leonidas
Reply to  Luís Henrique
14 dias atrás

Colega isso acontecia no regime militar também, nele sequer havia aviação do exercito e da marinha…rs

felipe
felipe
Reply to  leonidas
12 dias atrás

Ainda assim tivemos muito mais compras e avanços tecnologicos e industriais no setor bélico naquele periodo, já fomos o 5º exportador de armas do mundo. O declínio da nossa industria bélica e da nossa capacidade militar é reflexo da própria desindustrialização do Brasil.

Nativo
Nativo
Reply to  Luís Henrique
14 dias atrás

“Com o orçamento atual não dá para comprar em grande quantidade. Não tem milagre”.
O problema é orçamento?
Indonésia, Egito e Paquistão fazem mais gastando menos.
Logo o problema não é o orçamento.

Sensato
Sensato
Reply to  Nativo
14 dias atrás

Lá tem democracia? O mesmo nível de percepção de ameaças? Nós também temos “padrinhos” que injetam bilhões anuais? Se quiser comparar laranjas com bananas, precisa fazer as necessárias ressalvas.

Nativo
Nativo
Reply to  Sensato
14 dias atrás

Qual o padrinho da indonésia, e mesmo 1 bilhão de dólares que o Egito e Paquistão recebem dos EUA , não chegam a metade do que o Brasil gasta.

Tenha competência pra procurar uma passada de pano, meno vergonhosa.

felipe
felipe
Reply to  Sensato
12 dias atrás

Tudo tem limite, você acha normal um país deste tamanho se contentar com 66 caças??? Esta é a meta da FAB…

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Nativo
14 dias atrás

Quando se converte orçamentos militares de vários países para dólares americanos, existem muitas distorções. Em alguns países U$ 1 dólar vale muito mais do que em outros.
No Brasil temos uma herança de Previdência Militar que foi horrorosamente planejada e que consome Metade do nosso orçamento.
Não sobra quase nada para aquisições.
Outros países possuem realidades diferentes.

A Indonésia aumentou seu orçamento de U$ 20 bi para U$ 25 bi. Ou seja, já foi a época que tínhamos um orçamento militar maior que eles.

Last edited 14 dias atrás by Luís Henrique
Canarinho
Canarinho
Reply to  Luís Henrique
14 dias atrás

Perfeito. Mas te pergunto, quanto a legislação já não existe desde 2008 a estratégia nacional de defesa?? Que previa que empresas do setor de defesa nao poderiam ter seu capital adquirido por empresas estrangeiras?

Vitor Botafogo
Vitor Botafogo
Reply to  Luís Henrique
14 dias atrás

Luis concordo plenamente com você.

Porém, sem encomendas, não adianta só injetar… O que deveria ter sido feito era encomendar mais Astros, revitalizar, modernizar, encomendar mais foguetes, desenvolver novas versões. Mas com tudo conta a gota e o sindicato em cima, fica irrecusável não querer vender.

Heinz
Heinz
Reply to  Vitor Botafogo
14 dias atrás

Sindicato no Brasil só serve de cabide de emprego, e pra servir de palanque eleitoral pra esquerda. Aqui na minha cidade sindicato nenhum, nenhum é pelo trabalhador, um bando de vendidos, com camisas vermelhas, mas que adoram o dinheiro de um empresário.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Heinz
13 dias atrás

Quando vi que na Inglaterra tem cerca de 150 sindicatos e no Brasil mais de 16 MIL eu percebi como isso é lucrativo para esses companheiros.

O Brasil é uma piada mesmo.

felipe
felipe
Reply to  Vitor Botafogo
12 dias atrás

O EB ia comprar um grupo novo de ASTROS pra colocar em São Leopoldo, mas não houve $$$$$

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Willber Rodrigues
14 dias atrás

Sim, nao tem como discordar disso. O modo mais facil pra ter ajudado a Avibras seria ter encomendado algumas centenas de unidades do matador tanto na versao lançada da viatura Astros quanto da versao sand off, mesmo que o projeto ainda nao estivesse chegado na versao final, a encomenda em si seria capital suficiente pra empresa ser capaz de terminar o projeto. Os EUA fazem isso, só ver por exemplo as versoes iniciais de vários equipamentos como F22 Block 20, ate os primeiros tomahawks nao tinham guiagem por GPS. Chutando que cada matador custe 2 milhoes de dolares o que… Read more »

Nilo
Nilo
Reply to  Rodolfo
13 dias atrás

Interessante que justamente em momento que a jóia da coroa tá sendo vendida sai esse artigo, blá blá blá:
Defesa: Brasil é ‘vítima de bloqueio de tecnologia’
https://sputniknewsbr.com.br/20240402/defesa-brasil-e-vitima-de-bloqueio-de-tecnologia-por-parte-dos-eua-diz-ministerio-da-ciencia-33869231.html
O Vice Presidente de quem adorava a tal Terceira Via, alguém lembra, o celebro do presidente está sendo influenciado por um Xuxu patriótico (estava a frente das negociações c Avibras).

Last edited 13 dias atrás by Nilo
Rui Mendes
Rui Mendes
Reply to  Nilo
13 dias atrás

Sputnik tem alguma credibilidade??
Aqueles jornalistas, que não podem noticiar nada que seja desfavorável á Rússia, isso é jornalismo.
Aqueles que dizem o que Putin diz, como a autoria do atentado terrorista em Moscovo, atribuído á Ucrânia, EUA e UK, só rir.

Nilo
Nilo
Reply to  Rui Mendes
13 dias atrás

Não acha que se o que vc relata do artigo ser uma fantasia do Sputinik, já teria cabido uma nota de desagravo o secretário-executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Luis Manuel Rebelo Fernandes.
A questão é que em vez de um curto acredito ou desacreditou, o certo seria pontuar, qual sua tese que demonstraria a falácia ou mentiras na fala do Secretário publicada no site.

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Nilo
13 dias atrás

Bloqueio é possível, mas o Brasil nao é o unico caso. Os franceses mesmo decidiram desenvolver a familia de foguetes Ariane contrariamente ao desejo americano. O fato do Irã, que é mais isolado que o Brasil, conseguir lançar satélites mostra que essa história de bloqueio no final mais é uma desculpa, se o país fizer o investimento necessário fica muito difícil bloquear o avanço de um potencial adversário. A AVIBRAS faliu por muitos motivos incluindo falta de investimento do estado e incompetência do seu dono, nao da pra jogar a culpa em bloqueio americano nessa história.

Nilo
Nilo
Reply to  Rodolfo
13 dias atrás

Certamente, neste ponto versa comentários neste assunto, “na incompetência a culpa é dus amaricanus”. Mas tem controvérsias rsrsrsrsr

Last edited 13 dias atrás by Nilo
Nilo
Nilo
Reply to  Rodolfo
12 dias atrás
Carlos Crispim
Carlos Crispim
Reply to  Angus
14 dias atrás

Não é que devamos só comprar de prateleira, como Chile e Japão fazem, e o resto do mundo, as coisas podem ser concomitantes, tem coisa que se deve comprar pronta, por necessidade e urgência, outras não, o que acontece é que o Brasil paga caro por ToT de coisas que NUNCA dão certo, isso já está muito claro há décadas,muita gente fica milionária e o Brasil segue na dependência, pois a empresa fecha as portas logo depois. Para ter desenvolvimento neste setor as Forças Armadas tinham que encomendar em grande quantidade, como os EUA fazem, e não comprar meia-dúzia de… Read more »

Nilo
Nilo
Reply to  Carlos Crispim
14 dias atrás

O lado bom de ser milionário rentista, hoje vc é João Brasil, Amanhã poder ser João EUA, ou João Inglaterra ou….rsrsrs

Gilson
Gilson
Reply to  Carlos Crispim
14 dias atrás

O problema é q persiste uma filosofia bem evidente no país q a do perdão (o cidadão nao pode ter armas – mas os guerrilheiros podem). Logo, armas sao objetos q estimulam as guerras. Devemos perdoar 70 x 7 vezes…..

bruto
bruto
Reply to  Gilson
14 dias atrás

ah esse filosofia nao entendi

NEMOrevoltado
NEMOrevoltado
Reply to  Carlos Crispim
14 dias atrás

Se tem uma coisa que o Japão não faz é comprar de prateleira.

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Carlos Crispim
13 dias atrás

O Japao constroi seus navios, submarinos. Também produz tanques e seus caças e misseis sob licença da Mitsubishi. A primeira excecao sera o F35, onde vao produzir apenas algumas partes e nao foram aceitos no programa como naçao parceira… por isso entraram no programa de 6a com os ingleses e italianos.

Nilo
Nilo
Reply to  Angus
14 dias atrás

Pergunte ao Sr. Simon Jeannot (francês de origem) se vale a pena investir uma vida na indústria bélica brasileira, por sinal acabou de lançar um novo produto, pergunte ao Dono da AKAAER se vale investir uma vida na indústria bélica brasileira, procure e vc terá a empreendimento no setor que se mantém sem produzir chorume, de péssimos empreendedores que se aventuram nesta área para depois colocar a culpa apenas nas Forças Armadas.

Last edited 14 dias atrás by Nilo
JHF
JHF
Reply to  Nilo
14 dias atrás

Acredito seja uma variável importante neste caso. Todos falam como o governo deve fazer A ou B, mas até agora ninguém analisa o negócio pela outra ponta. Projetos lentos, inacabados e administração ineficiente. A empresa deve ser uma bomba para o cansado GovBR que está amamentando nas tetas faz tempo demais. Vai que….. Bom se falar alto e claro deste tipo de dificuldade. Não sei de nada mas, gostei de ventilar está possibilidade como parte importante da situação. No mínimo um ente externo e particular, conhecedor do mercado vai precificar corretamente a empresa e depois disso temos algum movimento diferente… Read more »

Nilo
Nilo
Reply to  JHF
13 dias atrás

Desculpa mas se lê atentamente existe, comentários que abordam ineficiência na gestão do negócio, mas estar certo, e os projetos além de lentos no no desenvolvimento, o que não é exclusividade da Avibras, na verdade uma praga que assola os projetos das Forças Armadas, temos o fato da verticalização das linhas de produtos da empresa, o que é um elogio em termos de soberania, termina exigindo mais recursos, o que para uma empresa que vive em déficit é mais uma porrada, as parcerias com outras empresas estratégias são outro ponto aparentemente frágil, em que não proporcionou vendas ao país de… Read more »

Henrique
Henrique
Reply to  Angus
14 dias atrás

“Com essa notícia me pergunto o quanto vale a pena investir na indústria de defesa no Brasil.”

Ta bem obvio. histórico de legislação de trabalho arcaica, Gov com insegurança jurídica maior que conflito armado, sabota a própria BID não comprando e travando vendas

ta bem claro o sinal

Last edited 14 dias atrás by Henrique
Cassini
Cassini
Reply to  Henrique
13 dias atrás

O que a legislação trabalhista tem a ver com isso???

Vão culpar sindicato por causa de uma empresa que não vende os produtos que tem?

Wilson França
Wilson França
Reply to  Cassini
12 dias atrás

A legislação trabalhista é a mesma para todo mundo e tem um monte de empresa bem sucedida.

Henrique
Henrique
Reply to  Wilson França
12 dias atrás

sim, muito bem sucedida.. é por isso que metade da população ta na informalidade

Henrique
Henrique
Reply to  Cassini
12 dias atrás

vc não sabe que CLT obriga o pagamento de impostos quase que superior ao salario da pessoa?

—-

e sim o sindicato tem culpa por não fazer nada de relevante e só atrapalhar o funcionamento da empresa. se sindicato da avibras se importasse pela empresa não estava pedindo estatização e ja teria se mobilizado pra todo mundo virar PJ ou outro regime que não é CLT, além do mais defenderia que o funcionário recebe salário maior en não auxilio qualquer coisa

DanielJr
DanielJr
Reply to  Angus
14 dias atrás

1- Lembre-se de que quem financiou o boom da Avibrás não foi o Brasil, e sim o Iraque de Saddam. Ele bancou dinheiro adiantado para pesquisa e compra e equipamentos. 2- Vale a pena investir nesse ramo aqui no Brasil tendo a mentalidade de que você precisa abrir uma empresa com um ou alguns produtos que estão no radar de compras do governo. Aí, com o ToT ou algum tipo de associação para que empresas estrangeiras possam ter um “braço nacional”, você vende sua operação toda para algum conglomerado famoso de fora do BR. Aí sim, você terá um bom… Read more »

leonidas
leonidas
Reply to  Angus
14 dias atrás

E depois a gente fala que a compra do Gripem pagando uma fortuna para pseudo transferência de tecnologia é apenas um roubo ao contribuinte, aparece os supertrunfo dizendo que não tem nada que ver, e bla bla bla
Essa nação não precisa de inimigos com a classe politica e sua elite dirigente que tem…

C G
C G
Reply to  leonidas
14 dias atrás

Mas pera lá, so se vc incluir a politica de dentro da caserna né, vamos ser justos pq essa conta não é so de deputado, senador, ministro e presidente, tem muito dinheiro rolando sim, essa compra de prateleira tem dedo fardado nela!

Nativo
Nativo
Reply to  Angus
14 dias atrás

A resposta você já deu meu caro.
A ABSOLUTA falta de uma política de defesa do estado brasileiro.

Mjgborges
Mjgborges
Reply to  Angus
13 dias atrás

O grande problema é que o estado brasileiro não tem a indústria de defesa nacional como prioridade, preferem apostar na lei Rouanet.

decio San
decio San
Reply to  Angus
5 dias atrás

É um crime lesa Pátria, no máximo para o estrangeiro 49% das ações dessa empresa de segurança de defesa da Pátria. um Total absurdo. e deveria ser obrigado que as forças armadas comprassem uma porcentagem da produção.

BraZil
BraZil
14 dias atrás

Sou fã do Tex. Mas é uma vergonha, perder a AVIBRAS, ainda mais pra Austrália…é tipo o atacante do time, que perde a mina pro gandula…

Samuka
Samuka
Reply to  BraZil
14 dias atrás

sério que tu acha que o brasil é o atacante e a australia o gandula?

Henrique
Henrique
Reply to  Samuka
14 dias atrás

O atacante é empresa dos Emirados, o Brasil é o alectório da arquibancada que perdeu pro gandula

Nilo
Nilo
Reply to  Henrique
14 dias atrás

Quem é o atacante a que se refere empresa dos Emirados? Gostaria de saber o nome da empresa e a fonte?

Nilo
Nilo
Reply to  Henrique
14 dias atrás

“O atacante é empresa dos Emirados”
Qual é a empresa dos Emirados que é o atacante?, que saiba o atacante seria Australiano Defend Tex.
Sem enrolação, deveria saber responder.

Last edited 14 dias atrás by Nilo
Henrique
Henrique
Reply to  Nilo
14 dias atrás
Daniel
Daniel
Reply to  Samuka
14 dias atrás

A Austrália é o amigo do gandula, mas parente do dono do time (os EUA). KKKKKK

Marcelo Soares
Marcelo Soares
Reply to  Samuka
14 dias atrás

kkkkk boa

Sergio
Sergio
Reply to  BraZil
14 dias atrás

Austrália gandula? Irmão! Não diga isso! É atacante de primeira classe!

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  BraZil
14 dias atrás

Em termos de investimento em defesa, o Brasil que é gandula. A Australia tem investido em meios modernos tanto que operam tanques, helicópteros de ataque, caças, fragatas mais modernos que os brasileiros e logo uma frota de sub nucleares… que aliás talvez sirvam de plataforma para uma versão mais moderna do matador financiado pelo estado australiano.

Rodrigo
Rodrigo
14 dias atrás

Sei que irão me negativar, mas se não da lucro tem que vender mesmo. Pode por incompetência administrativa, virar estatal não resolve nada. Só mais um cabide emprego. Tomara que venda seja fechada logo.

Samuel Asafe
Samuel Asafe
Reply to  Rodrigo
14 dias atrás

Ia me dar o trabalho de argumentar contigo, mas se você não se dá o trabalho de compreender o mundo em que vive, pq se daria pra entender oq eu escreveria? Passar bem.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Rodrigo
14 dias atrás

A Boeing tá tendo prejuízos bilionários ultimamente.
Vai lá e fala pros EUA que a Boeing deveria ser vendida por não dar lucro, só pra gente vê um negócio, rapidão…

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Willber Rodrigues
14 dias atrás

Se tiver comprador com certeza vendem Boeing…é livre mercado, sei que funça não liga para dinheiro público.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Rodrigo
14 dias atrás

Livre mercado só “funciona” pros outros países, amigão.
Vai lá nos States e tenta fazer essa de “livre mercado” pras empresas de Defesa dele, pra tú ver o que acontece…

Tú ainda acredita mesmo nessa de “livre mercado”?

Akhinos
Akhinos
Reply to  Rodrigo
14 dias atrás

Todo kra que vem com esse papo de “livre mercado” não tem um diploma de economista na parede. É sempre um Zé formado em Administração em alguma budega por ai falando o que não sabe de uma ciência que é milhares de vezes mais complexos que chavões como “hur dur o mercado se auto regula”.

Felipe M.
Felipe M.
Reply to  Akhinos
14 dias atrás

é claro que não cara.
Só pelo papinho de “funça” e não sei o que, você já vê que esse aí é um daqueles “liberais”, que saem repetindo que nem papagaio papo furado que vê na internet. Completamente dissociado da realidade das coisas.

Nilo
Nilo
Reply to  Felipe M.
14 dias atrás

Correto, “liberais” economistas, Postos Ipiranga (falando nisso, por onde anda rsrsr), e os papagaios do pirata que repetem o mantra “hur dur o mercado se auto regula”.

Last edited 14 dias atrás by Nilo
Henrique
Henrique
Reply to  Nilo
14 dias atrás

pois é… estamos vendo as regulações do Estado nos últimos dias… fez a principal estatal perder 30bi do nada em uma única manhã e ta forçando a outra empresa a aceitar um cumpanherios la no Board

Avibras e outro excelente exemplo de como o Estado ta regulando bem

mal posso esperar para tabelamento de preços

Realista
Realista
Reply to  Henrique
14 dias atrás

COMENTÁRIO APAGADO.

OS EDITORES AVISARAM MILHARES DE VEZES E A PACIÊNCIA ACABOU.
LEIAM AS REGRAS DO BLOG:
https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Henrique
Henrique
Reply to  Realista
14 dias atrás

COMENTÁRIO APAGADO.

OS EDITORES AVISARAM MILHARES DE VEZES E A PACIÊNCIA ACABOU.
LEIAM AS REGRAS DO BLOG:
https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Akhinos
14 dias atrás

EDITADO

Akhinos
Akhinos
Reply to  Rodrigo
14 dias atrás

EDITADO

Jose
Jose
Reply to  Akhinos
14 dias atrás

EDITADO

Felipe M.
Felipe M.
Reply to  Rodrigo
14 dias atrás

o estado dos EUA NUNCA permitiriam uma venda da Boeing que retirasse o controle da empresa de solo americano. NUNCA. Seja para qual país for, mesmo para aqueles que mantém a melhor relação possível. Isso nunca aconteceria. Aliás, você já deveria ter se sintonizado no mundo e ter percebido que essa ladainha de “livre mercado”, dos EUA, só serve para os outros. Aliás, época após época se mostram extremamente protecionistas. Que livre mercado é esse? E estão completamente corretos em prezar por suas empresas de ponta. Mas livre mercado isso não é.

Scudafax
Scudafax
Reply to  Rodrigo
14 dias atrás

Este tipo de afirmação sem fundamento dá ojeriza. Prezado, leia o que significa o Foreing Investment Act dos EUA. A Boeing pode quebrar, ser vendida, liquidada, mas NÃO pode ser vendida para o capital estrangeiro. TODO investimento estrangeiro nos EUA é analisado e pode ser bloqueado por Segurança Nacional…

Carlos Crispim
Carlos Crispim
Reply to  Willber Rodrigues
14 dias atrás

A Boeing, ou qq empresa americana, se estiver dando prejuízo, eles vendem rapidinho sim, várias e várias companhias desapareceram, só que lá outras empresas americanas igualmente fortes compram, não tem nada demais.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Carlos Crispim
14 dias atrás

Você só esqueceu de um “pequeno” detalhezinho, bem pequeno mesmo:

Essa outras empresas norte-americanas foram compradas….por outras empresas norte-americanas.
Me fale UMA empresa de Defesa norte-americana vendida pra outro país…

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Willber Rodrigues
14 dias atrás

Mas aí que está pq alguém investiria em defesa no país,.nosso posicionamento do nosso governo é complicado, Embraer tem produtos excelentes., mas tirando kc390 a maioria do lucro era aviação civil. Mas olha Avibras além de Astros que foram desenvolvidos a quantos anos? Qual os produtos novos da Avibras? Pq Avibras não buscou dinheiro para pesquisa, tem fundos do governo para isso. Não adianta chorar governo tem culpa, mas administração a Avibras tem mais culpa ainda. Se a empresa não da lucro, governo não faz pedido constante, empresa não lança produtos novos e inovadores. Não tem jeito virar estatal é… Read more »

Mig25
Mig25
Reply to  Rodrigo
14 dias atrás

EDITADO

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Willber Rodrigues
14 dias atrás

A United Defense, que fabrica o Bradley, foi comprada pela Bae Systems.

Canarinho
Canarinho
Reply to  Rafael Oliveira
14 dias atrás

Ta bom a exceção que confirma a regra. Vamos falar de uma empresa do porte da GE, boeing…tem algum exemplo pratico?

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Canarinho
14 dias atrás

Tem outras. É só pesquisar.
Detalhe: a United era muito maior que a Avibrás.
Detalhe 2: A United era dona da Bofors, sueca. Outro país que aceitou a venda de uma empresa bélica para outro país.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Rafael Oliveira
14 dias atrás

Cara, vamos deixar duas coisas claras aqui: 1- no dia em que os EUA permitirem que um país/empresa estrangeira compre totalmente uma empresa de Defesa deles do porte de uma Boeing, Raytheon, LM ou General Dynamic’s, eu faço cirurgia de mudança de sexo e viro cosplay da Ivete Sangalo. 2- “livre mercado” não existe, e existe “menos ainda” relacionado ao setor de Defesa. Os EUA não chegaram aonde chegaram sendo entreguistas e adotando o “verdadeiro livre mercado” com suas empresas de Defesa. Nem a Alemanha, nem França, nem Inglaterra, nem China, e muito menos a Rússia. Todos os “grandes” tem… Read more »

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Willber Rodrigues
14 dias atrás

Você pediu para citar uma. Eu citei uma que não é pequena. O valor da compra foi de US$ 4 bilhões. Próximo do que a Embraer vale hoje após a enorme valorização dos últimos meses. Sobre a venda da Boeing, LM e etc, primeiro elas precisam ser colocadas a venda pra saber se os EUA vão deixar ou não alguém comprar. Não dá para ter certeza de nada. Os EUA chegaram onde chegaram, dentre outras muitas coisas, porque tem um mercado de capitais enorme e uma cultura de empresas abertas. Você, brasileiro, pode comprar ações dessas gigantes americanas de Defesa.… Read more »

Felipe M.
Felipe M.
Reply to  Carlos Crispim
14 dias atrás

Cite uma Carlos.
Uma empresa de defesa dos EUA vendida com perda de controle acionário para grupo estrangeiro…

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Felipe M.
14 dias atrás

A United Defense, que fabrica o Bradley, foi comprada pela Bae Systems.

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Rafael Oliveira
14 dias atrás

Empresas de defesa britanicas e israelenses tem offices em Washington e tem forte cooperação com o Pentagono. A BAE e a Elbit fazem parte do complexo industrial militar americano, mesmo que oficialmente nao americanas.

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Rodolfo
14 dias atrás

Tanto que a BAE era o primary contractor para o ja extinto programa railgun da US Navy.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Rodolfo
14 dias atrás

É comum uma grande empresa de defesa europeia ter escritórios e fábricas nos EUA. Casos da Airbus, Bae e Leonardo. Reino Unido e Israel são grandes aliados dos EUA, mas não são os EUA. Pediram para citar uma empresa de defesa americana vendida para outra de outro país (pessoas que tinham certeza que isso jamais teria ocorrido, porque os EUA não permitiriam). Citei uma grande. Aí não vale porque Reino Unido e Israel não contam como países estrangeiros. Se eu citar outra empresa comprada pela Leonardo não vai valer porque a empresa é italiana e faz parte do complexo militar… Read more »

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Rafael Oliveira
13 dias atrás

Nao critiquei seu comentario, concordei que venda para uma empresa ocidental pode ocorrer, especialmente se ja cooperam com o Pentagono. Se fosse uma empresa brasileira ou chinesa isso seria impossível.
No caso de blindados, os EUA também tem outra empresa que é a General Dynamics. Alem disso, imagino que a BAE vai manter as linhas de producoes e empregos nos EUA… ja no caso da Avibras penso que a empresa australiana vai querer apenas os projetos.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Rodolfo
13 dias atrás

Ok, havia interpretado errado seu comentário. Chinesa, realmente acho muito difícil eles aprovarem. Mas do Brasil eu não sei dizer. O problema é alguma empresa brasileira ter dinheiro para comprar uma empresa grande americana de Defesa. Aliás, aqui cabe um parênteses. Estão comparando Avibrás com Boeing, LM. Menos, bem menos. A Avibrás é minúscula perto delas. Empresas de Defesa do porte de Avibrás tem às centenas, quiçá milhares, nos EUA. Então se a Embraer quiser comprar uma empresa americana de Defesa menor, como a Sierra Nevada, eu não acho que os EUA vetariam. E eu não tenho nem certeza se… Read more »

Felipe M.
Felipe M.
Reply to  Rafael Oliveira
14 dias atrás

Ok, a priori meu argumento foi rebatido. Só é importante considerar duas questões: 1) A empresa adquirida não só manteve integralmente suas atividades em território dos EUA, as quais foram, inclusive, ampliadas, além de passarem a compor uma nova estrutura maior, em uma nova empresa em território dos EUA de produtos terrestres. 2) A empresa adquirida tinha, à epoca, diversas concorrentes nacionais para os produtos que produzia, sendo que, inclusive, algumas dessas concorrentes tentaram fazer a aquisição da empresa antes da venda ao grupo britânico. Por fim, o grupo britânico já possuía atuação consolidada em território dos EUA. Por analogia,… Read more »

Last edited 14 dias atrás by Felipe M.
Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Felipe M.
13 dias atrás

Felipe, primeiro que estamos presumindo que o grupo australiano irá comprar o controle da Avibrás. Isso ainda não foi confirmado. Se haverá compra parcial ou integral ou algum outro negócio jurídico. Segundo que você está presumindo que a Avibrás será fechada no Brasil. Pode até ser que aconteça, mas não dá para ter certeza, né? Empresas querem ganhar dinheiro. Se a Avibrás der lucro para os australianos, eles não irão fechar a fábrica aqui. Outra coisa, a Avibrás tem uma concorrente, a MacJee. Duvido que se o EB encomendar os foguetes utilizados pelo Astros a MacJee não dê conta de… Read more »

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Rafael Oliveira
13 dias atrás

A avibras esta em recuperação judicial há anos. A carteira de clientes é bem restrita. Fora que injetar recursos na fabrica e ter que lhe dar com o custo Brasil vai provavelmente desestimular a empresa a continuar suas operacoes em SP. Qualquer empresa que assumir provavelmente só quer o acesso aos projetos.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Rodolfo
13 dias atrás

A empresa pode comprar só os projetos. Não precisa comprar a empresa inteira para ficar com eles. Pode fazer um acordo de fabricação sob licença, por exemplo. É mais fácil do que comprar uma empresa endividada e assumir todo o passivo dela.

Li que a Avibrás tem 1200 empregados. Faz sentido pelas vendas de produtos dela? A mim, não faz. Um bom choque de gestão com demissões pode ajudar a sanear a empresa.

Enfim, não sei dizer se ela é viável e qual o valor dela hoje para justificar sua compra ou mesmo a entrada em seu capital social.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Rafael Oliveira
13 dias atrás

Mas aa vibras não que vender projetos quer vender a empresa para ter dinheiro para pagar tudo que deve e deixar os donos ricos…acha que os donos querem o que?
..

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Rodrigo
13 dias atrás

Se ela vender a empresa não precisa pagar tudo que deve. Quem terá que pagar é o comprador.
Também tem que ver quanto ela vale e quanto ela deve. Se o que ela deve for maior, os donos não irão receber nada.
E precisa ver quanto os australianos estão dispostos a pagar.
Enfim, a gente não tem muitas informações para opinar.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
Reply to  Rafael Oliveira
12 dias atrás

Isso mesmo Rafa, normalmente se faz uma auditoria para levantar as informações antes da relação compra/venda, se a empresa compradora chegou a conclusão que existe uma possibilidade de arcar com essas responsabilidades e seguir com a nova gestão a compra é efetivada. E depois? pura especulação daqui para baixo: Estamos falando de uma empresa privada onde não há e nem pode existir nenhum tipo de interferência (sigilo empresarial), pode ser que a nova gestão seja realmente benéfica para todos os envolvidos (trabalhadores, clientes, fornecedores) ou também que houve uma compra indireta onde a concorrência investe capital através de um terceiro,… Read more »

Rui Mendes
Rui Mendes
Reply to  Willber Rodrigues
14 dias atrás

Mas á uma grande diferença, a Boeing está a ter prejuízos, mas por erros de projectos, mas continua a ter muitos clientes, para os seus produtos, além de ser uma gigante aeroespacial.
Mas concordo, que o Brasil devia tentar manter a empresa.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Rui Mendes
14 dias atrás

E mesmo com a sucessiva cadeia de erros da diretoria da Boeing, jamais passou pela cabeça dos EUA deixar a Boeing simplesmente falir e deixar que seus espólios sejam comprados pelo estrangeiro.

Jose
Jose
Reply to  Rui Mendes
14 dias atrás

Rui aí você complica, para eles alhos e bugalhos são a mesma coisa.

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Willber Rodrigues
14 dias atrás

A Boeing deve logo receber ajuda do governo americano pra se manter em pé.

Waldir
Waldir
Reply to  Willber Rodrigues
14 dias atrás

Então mas tem uma grande diferença. Lá os americanos investem e compram de suas empresas. Aqui muito raramente. Então a conta não fecha e as dívidas chegam. Moçada, para quem nunca teve empresa, tenta a sorte e vejam como é. Aí fica fácil entender a Avibras. Acho que se estão com dificuldades e não tem aonde se socorrer, só resta a venda ou falência. Melhor vender então.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Rodrigo
14 dias atrás

Tem que vender, e daí que seu dinheiro foi repassado para vários programas dessa empresa? E daí que ela tem importância estratégica para o interesse público?

Scudafax
Scudafax
Reply to  Rodrigo
14 dias atrás

Por isto o Brasil é do jeito que é, incompetência e ignorância permeiam nossa sociedade. Prezados editores, POR FAVOR, façam uma matéria explicando o Foreing Investment Act dos EUA. Vocês tem a obrigação de informar aos leitores, e com entrevistas de agentes públicos, poderiam informá-los e influenciá-los também.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Scudafax
14 dias atrás

Incompetência em pessoa são os administradores dessa empresa. Os os militares que não compram para manter regalia.

Makarov
Makarov
Reply to  Rodrigo
14 dias atrás

Vai lá nos EUA comprar a Lockheed Martin que você vai ver o livre mercado que vocês tanto defendem…. Livre mercado só existe nas bananolandias, pro Tio Sam vir aquí comprar as empresas a preço de banana!

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Rodrigo
14 dias atrás

Pior que a empresa Australiana ou seja lá outra que for está preocupada apenas em obter seus projetos e provavelmente mudar a produçao de país. A carteira de clientes está quase inexistente e as instalações da empresa em si tem valor quase nulo.
O ideal seria que uma outra empresa nacional assumisse, mas com o fim da Odebrecht defesa duvido que a Embraer assumiria esse rojao.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Rodrigo
13 dias atrás

Que fechem mas o MTC300 e os mísseis novos desenvolvidos tem que para algumadessas, McJee, SIATT, ou AKAER, pois foram desenvolvidos com dinheiro brasileiro

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Carlos Campos
13 dias atrás

Aí tem quer ver o contrato de desenvolvimento se o estado brasileiro tem no contrato isso, sim o estado deve receber dinheiro tb.

Diogo de Araujo
14 dias atrás

E o AVTM- 300 matador que já táva “praticamente pronto” kkkkkk. Calma não fiquem tristes, vai dar tudo certo.

Makarov
Makarov
Reply to  Diogo de Araujo
14 dias atrás

É capaz do MTC-300 aparecer nos futuros submarinos nucleares da Austrália, um presente dos pagadores de impostos Brasileiros para os Austrálianos!

Last edited 14 dias atrás by Makarov
Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Diogo de Araujo
14 dias atrás

Bem, agora vai equipar os Sub Nuc australianos.

Nilo
Nilo
14 dias atrás

João Brasil, não tem o perfil de empreendedorismo do pai, é um especialista de mercado financeiro, tão pouco tem vocação para o ramo da indústria bélica, a exemplos claros que demonstrou interesse em ganhos financeiros e nada em gestão nas negociações de recuperação da empresa, como foi dito pelo CEO da AKAER, que colocou a disposição da Avibras, pois via como importante uma possível parceria com a empresa, simplesmente foi ignorado. Outro que mostrou disposição a CEO da empresa MAC JEE. A empresa e mais do que que Astros está envolvida na produção de foguetes ara lançamento de satélites, se… Read more »

Paulo Sollo
Paulo Sollo
Reply to  Nilo
14 dias atrás

Perfeito. O problema é todo de gestão. Gestão incompetente e postura intransigente. Os exemplos que você citou de possíveis parcerias com a Akaer e a MacJee, empresas nacionais bem sucedidas, administradas por gente do ramo e competentes, seriam uma solução excelente. Mas talvez o ego do proprietário incompetente não quis ver outros administradores brasileiros fazendo aquilo que ele não tem talento para fazer e preferiu buscar estrangeiros. Sou totalmente contra a privatização. Generais iriam assumir o controle e teríamos mais um cabide de empregos repleto de mamatas, superfaturamentos e uma gestão até mais incompetente, como ocorre com a Imbel. Não… Read more »

Paulo Sollo
Paulo Sollo
Reply to  Paulo Sollo
14 dias atrás

Quis dizer, “sou totalmente contra a estatização” e não privatização.
Nem mesmo uma sociedade de economia mista porque com militares na administração seria mais um fracasso devorador de dinheiro público.
Inclusive o EB já anunciou que também vai criar sua estatal, sua versão da Emgepron, para captar mais grana por fora do orçamento.

Canarinho
Canarinho
Reply to  Paulo Sollo
14 dias atrás

Que se busque uma gestão NACIONAL de qualidade, o governo precisa intervir. Isso e conhecimento critico sendo gerido por um pais que compoem o 5 eyes. Logo todo o capital intelectual estaria nas maos deste consorcio de paises.

Jefferson B
Jefferson B
14 dias atrás

Eu não entendo o porquê do pessoal insistir nessa ideia de que se a empresa for vendida para um estrangeiro ela irá “morrer”. Tal ideia não faz o menor sentido empresarial, pode ocorrer exatamente o oposto: injeção de recursos na empresa e aumento das vendas. Por exemplo, a Austrália é base aliada da Ucrânia, fornece armamentos para a Ucrânia desde o início da guerra de invasão e anexação russa. O sistema astros e outros poderão ser vendidos para a Ucrânia via Avibras com seu novo dono australiano, gerando empregos no Brasil e fortalecendo a empresa de defesa. Atualmente somos base… Read more »

Henrique
Henrique
Reply to  Jefferson B
14 dias atrás

“Por exemplo, a Austrália é base aliada da Ucrânia, fornece armamentos para a Ucrânia desde o início da guerra de invasão e anexação russa. O sistema astros e outros poderão ser vendidos para a Ucrânia via Avibras com seu novo dono australiano, gerando empregos no Brasil e fortalecendo a empresa de defesa.” o Astros é propriedade intelectual do EB se não me engano… ainda tem muitos fossil dentro do EB/Governo que vivem mais pra receber salario do que pra ser membro de FA e resolver problemas de FA/BID, se acha que eles vão querer abri mão da vida boa la… Read more »

Last edited 14 dias atrás by Henrique
Nilo
Nilo
Reply to  Henrique
14 dias atrás

Equívoco, equívoco, equívoco seu, se a empresa continuar com CNPJ nacional, com produção no Brasil sua venda de produtos a Ucrânia ainda dependerá do aval do governo.

Henrique
Henrique
Reply to  Nilo
14 dias atrás

sim, é equivoco meu sim.. Brasil ama a BID, sempre compra dela, nunca deixa a avirás na mão…………

n]ão é atoa que avibras é uma empresa estável que todo mundo confia e paga salários em dia, eQuIvOcO 

Last edited 14 dias atrás by Henrique
bruto
bruto
Reply to  Nilo
14 dias atrás

sim , isso mesmo , esqueceram da nossa lei neutralidade

Henrique
Henrique
Reply to  bruto
14 dias atrás

lei de neutralidade que só defende a Russia a todo custo e faz de tudo pra culpar a Ucrânia kkkkkk

a mais nova agora é queimar o braisl com uma possível saída do TPI pra pra fazer o glubglub em ditador kkkkk

Lopes
Lopes
Reply to  Henrique
14 dias atrás

TPI = Tribunal colonial penal

Brasil já era pra ter saído disso faz tempo.. engraçado que os países que realmente são soberanos não fazem parte ..

Henrique
Henrique
Reply to  Lopes
14 dias atrás

“Brasil já era pra ter saído disso faz tempo”

sim, bora denunciar o tratado exatamente agora…kkkk

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Henrique
13 dias atrás

depois da Lua de Mel com o Macron, e a vez da Putin

Nilo
Nilo
Reply to  bruto
14 dias atrás

Certo, permita um esclarecimento, “posicionamento diplomático histórico de não intervenção” dobEstado, não é exclusivo deste governo de neutralidade do Brasil.

Last edited 14 dias atrás by Nilo
Jefferson B
Jefferson B
Reply to  Nilo
14 dias atrás

O Brasil não tem nada de neutro, somos aliados diretos da Rússia.
Inclusive o Lavrov da Rússia disse abertamente que o Brasil seria muito importante nessa “operação especial”, algo nunca desmentido pelo governo brasileiro.

Realista
Realista
Reply to  Jefferson B
14 dias atrás

COMENTÁRIO APAGADO.

OS EDITORES AVISARAM MILHARES DE VEZES E A PACIÊNCIA ACABOU.
LEIAM AS REGRAS DO BLOG:
https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Henrique
Henrique
Reply to  Realista
14 dias atrás

COMENTÁRIO APAGADO.

OS EDITORES AVISARAM MILHARES DE VEZES E A PACIÊNCIA ACABOU.
LEIAM AS REGRAS DO BLOG:
https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Last edited 14 dias atrás by Henrique
Makarov
Makarov
Reply to  Henrique
14 dias atrás

Não seria obrigatoriamente necessário vender para Ucrânia ou qualquer outro país para ajudar a AVIBRAS, era só o própio exército adquirir mais, a quantidade de Astros que temos hoje é ridícula, mas o EB prefere comprar sucatas do deserto da California…..

Last edited 14 dias atrás by Makarov
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
14 dias atrás

“A Avibras Indústria Aeroespacial e a DefendTex comunicam que vêm mantendo tratativas avançadas para viabilizar um potencial investimento que visa a recuperação econômico-financeira da Avibras (…)” Desculpe a ignorância, mas é investimento mesmo, igual o caso do MANSUP, ou venda da empresa mesmo, igual trocentos canais por aí alardeam? Só pra ficar claro. No mais, não sei quem é o “melhor” nessa história: Se a administração da empresa, que não teve capacidade de expandir seu portfólio e fazer produtos atraentes pra exportação, igual a MacJee, Taurus e Embraer; Ou o EB e o GF, que não comprou da empresa, ou… Read more »

Sensato
Sensato
Reply to  Willber Rodrigues
14 dias atrás

Obrigado por trazer esse ponto que eu compartilho. Ando observando pra saber o quanto dessas “noticias” é histeria pra ganhar view ou jogada do dono pra obter um pacote de resgate pelo governo. Se bobear, eles querem um negócio no estilo da Siatt e tá todo mundo fazendo um rebu

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Sensato
14 dias atrás

Talvez a diretoria e as relações públicas da empresa estejam “dourando a pílula”, mas em nenhum momento ela deixa a entender que será vendida, e sim que ela busca parceiros pra investimentos, o que é totalmente diferente. Tempos atrás saiu uma matéria, acho que no Tecno Defesa, aonde entrevistaram o presidente da empresa, em que ele realmente fala que a empresa está passando por um “momento delicado”, mas que eles buscavam parcerias e investimentos, principalmente na região do OM. Em nenhum momento ele falava em vender a empresa. Tem que se verificar se será mesmo vendida, ou se estamos fazendo… Read more »

Waldir
Waldir
Reply to  Willber Rodrigues
13 dias atrás

Entendo no caso que “investir” seria a venda parcial ou total da empresa em troca de dinheiro para a quitação das suas dívidas. Pelo que li são da ordem de mais 650 M de reais. Muita coisa.

Abilio
Abilio
14 dias atrás

Com o país da Saab entrando na Otan, e empresas brasileiras a venda para outros aliados americanos, vejo que estamos cercados novamente pelo controle do Tio Sam. Será que vamos produzir algo com tecnologia para nossas forças ou vamos comprar mísseis e sistemas que falham ao atacar os gigantes. Vide mísseis lançados pela Argentina contra navios britânicos na guerra das Malvinas.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Abilio
14 dias atrás

“…mísseis e sistemas que falham ao atacar os gigantes. Vide mísseis lançados pela Argentina contra navios britânicos na guerra das Malvinas.”

Seis mísseis lançados no total (5 de aviões, um de instalação improvisada em terra), três navios atingidos, dois deles afundados. Resumo da história: os mísseis não falharam.

Underground
Underground
14 dias atrás

Sem pedidos militares, sem venda, sem lucro, sem condições de pagar salários.
Pessoal sonha com estatização da empresa, mas sem não correr alguma coisa, não tiver outros interesses na coisa, não vai.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Underground
14 dias atrás

Nāo precisa de estatizaçāo, basta o Poder Público fazer um bailout.

Nāo tem dinheiro para resgatar uma empresa estratégica mas o fundāo eleitoral aumenta todo ano, fora as bolsa-alguma coisa que inventam.

Jose
Jose
Reply to  Allan Lemos
14 dias atrás

Prioridades Allan, jamais um político nesse país vai abrir mão do dinheiro para compra de voto travestido de assistencialismo, via bolsa isso, via bolsa aquilo, etc… e muito menos tirar do fundo eleitoral, principalmente agora que a prestação de contas desse fundo eleitoral ficou ainda mais favorável a desvios.

Waldir
Waldir
Reply to  Jose
13 dias atrás

Perfeito

Underground
Underground
14 dias atrás

Pessoal todo vai ter de justificar o apoio do governo a venda da companhia. Chamavam isso de “entreguismo “, agora vão chamar de “necessidade”, “mercado “, “realidade”, “ter pé no chão “.

Underground
Underground
14 dias atrás

Eu teria encomendado uns Us$ 30 bi e mandado tudo para a Ucrânia.

Nilo
Nilo
Reply to  Underground
14 dias atrás

Meu caro bom dia, se o Exército tivesse comprado juntamente com apoio do governo injetando lucros, a empresa continuaria sendo gerida pelo aquilo que nesses anos foi demonstrado “o comando de um incompetente gestor industrial e apenas um esperto gestor de mercado financeiro”, ou seja, resolveria de momento, aumentariamos a importância estratégica da empresas e a raíz do problema “o mau gestor a frente do negócio” permaneceria, só que com repercussão negativa ainda maior em um futuro, então se tiver que resolver, Exército e governo, que resolva agora, antes que a minhoca vire Anaconda. tiveram tempo e soluções, tanto por… Read more »

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Nilo
13 dias atrás

Mau gestor ta cheio nas industrias de defesa americana vide Boeing. Um modo de ter resolvido seria ter obrigado a empresa anos atras a passar de privada a publica com uma golden share do governo (como Embraer), aí teria ficado no radar da comissao de valores e remover o CEO seria mais facil.
O problema também é que mesmo com competência administrativa, sem dinheiro do estado não tem industria de defesa.

Nilo
Nilo
Reply to  Rodolfo
13 dias atrás

O que eu estava procurando são dados dificil de encontrar, mas aqui dados de 2018: “João Brasil Carvalho Leite, filho do fundador, o engenheiro João Verdi de Carvalho Leite, morto em acidente, em 2008. Ele tem 94,7% das ações. O restante está pulverizado entre mais de 500 acionistas, como funcionários da própria companhia.” Outro artigo de 2015 – Ministro Nelson Jobim incubiu General-de-Exército De Nardi procurar uma solução para a AVIBRAS: “…….Muito foi conseguido como a liberação de cadastros e créditos para a empresa. Também foi procurada uma solução de maior fôlego como a associação a um grupo nacional ou… Read more »

Lopes
Lopes
Reply to  Underground
14 dias atrás

Bancar guerra dos outros ? A troco do que ?

Henrique
Henrique
Reply to  Lopes
14 dias atrás

a troco de que o Brasil financia a Russia ?

a não ser defender invadir o vizinho com argumentos esdruxulo?

pelo menos na Ucrânia seria pra falar que não pode invadir o coleguinha

___

e não é dos outros, ja ja chega um ai falando “FetiLiZante”

Last edited 14 dias atrás by Henrique
Lopes
Lopes
Reply to  Henrique
14 dias atrás

Brasil financia a Russia desde quando meu filho ?

O Brasil compra diesel da Russia porque é mais barato do que no mercado , isso é financiar ?

“ pelo menos na Ucrânia seria pra falar que não pode invadir o coleguinha

Se não pode porque os EUA e os amiguinhos invadem ? Oque os EUA faz na Síria ? Tem permissão pra estar lá ?

Jefferson B
Jefferson B
Reply to  Lopes
14 dias atrás

Brasil não tem nada de neutro, bem pelo contrário!

Henrique
Henrique
Reply to  Lopes
14 dias atrás

COMENTÁRIO APAGADO.

OS EDITORES AVISARAM MILHARES DE VEZES E A PACIÊNCIA ACABOU.
LEIAM AS REGRAS DO BLOG:
https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Realista
Realista
Reply to  Henrique
14 dias atrás

COMENTÁRIO APAGADO.

OS EDITORES AVISARAM MILHARES DE VEZES E A PACIÊNCIA ACABOU.
LEIAM AS REGRAS DO BLOG:
https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Jefferson B
Jefferson B
Reply to  Realista
14 dias atrás

COMENTÁRIO APAGADO.

OS EDITORES AVISARAM MILHARES DE VEZES E A PACIÊNCIA ACABOU.
LEIAM AS REGRAS DO BLOG:
https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Henrique
Henrique
Reply to  Realista
14 dias atrás

COMENTÁRIO APAGADO.

OS EDITORES AVISARAM MILHARES DE VEZES E A PACIÊNCIA ACABOU.
LEIAM AS REGRAS DO BLOG:
https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Zorann
Zorann
14 dias atrás

Não adianta ter empresas de defesa brasileiras, se as FFAA não compram seus produtos em quantidade suficiente para manter suas atividades.

DanielJr
DanielJr
Reply to  Zorann
14 dias atrás

Ao contrário, as empresas não fabricam produtos de que as FFAA necessitam. Querem que o EB fique comprando um sistema caro como o ASTROS continuamente apenas para deixar a empresa aberta? Porque a empresa não procura outros ramos e produtos para colocar a venda? Dizem que hoje o EB possui cerca de 30 a 60 lançadoras ASTROS. Quantas seriam necessárias para manter a empresa aberta? 100? E quando chegar a 100, a empresa fecharia? Teriam que empilhar baterias de ASTROS em depósitos sem uso até o infinito? Não faz sentido. Isso inclui várias outras empresas que fabricam coisas complexas e… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  DanielJr
14 dias atrás

“Ao contrário, as empresas não fabricam produtos de que as FFAA necessitam”

Ah claro, o que as FA’s necessitam é recauchutar Cascavel de 60 anos nas costas, ao mesmo tempo que o próprio EB tesoura o n° de pedidos do Guaraní e atrasa pagamentos, né?
E nem vou falar daquele ATGM do EB que se arrastou por mais de 30 anos…

DanielJr
DanielJr
Reply to  Willber Rodrigues
14 dias atrás

Pois então. Imagina só se a empresa dependesse unicamente do ATGM para manter suas portas abertas, não duraria 5 anos. A IVECO só suporta esses atrasos de pagamentos e outras enrolações do EB porque é um conglomerado gigante, que possui outras fontes de renda, inclusive em outros tipos de negócios/mercado. Se fosse uma empresa que fabricasse unicamente o Guarani, estava falida também. Vender para as FFAA brasileiras tem que ser um extra, um agregado no portfólio da empresa. Depender unicamente das FFAA do Brasil para fazer com que a empresa se mantenha aberta não vai dar certo. Somente as grandes… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  DanielJr
14 dias atrás

“Vender para as FFAA brasileiras tem que ser um extra, um agregado no portfólio da empresa. Depender unicamente das FFAA do Brasil para fazer com que a empresa se mantenha aberta não vai dar certo.” Mas aí é óbvio, pô. Seu exemplo da Iveco cai como uma luva. A Embraer só é a Embraer, graças a seu setor de aviação civil. Se fosse apenas o setor militar, a Embraer seria uma FAdeA 2.0 Por isso o maior erro disso foi a própria diretoria da Avibrás, que foram incapazes de diversificar seu negócio. A MacJee e a Taurus tá aí pra… Read more »

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Willber Rodrigues
13 dias atrás

A taurus tem como principal cliente o setor civil. A avibras seria uma “raytheon” no Brasil, o principal cliente é o estado. Ela errou pq nao conseguiu desenvolver nada alem do Astros e o desenvolvimento do matador levou muito tempo graças a falta de investimento do estado. Deveriam ter investido no setor de drones militares, os turcos tao fazendo muito dinheiro nesse setor.

Victor F
Victor F
14 dias atrás

Não me espanta nada essa noticia. as Forças Armadas Brasileiras esperam que qualquer empresa de defesa nacional gaste bilhões em pesquisa e desenvolvimento só pra no final eles comprarem 10 mísseis pra tirar foto e acessar. Nenhuma empresa se sustenta assim. não existe retorno financeiro para uma empresa que trabalhe exclusivamente com o setor de Defesa. olhem os casos que deram “certo” Embraer, empresa privada, com forte parte na indústria Civil e com incrível potencial de venda internacional, porque se dependesse da FAB o KC-390 tava em péssima situação Imbel, fabrica munições, o mais básico do básico, além de ter… Read more »

Alexandre
Alexandre
Reply to  Victor F
14 dias atrás

Um exemplo é a Embraer, desde o início ( mesmo sendo estatal ), a exportação de seus produtos era uma meta estratégica e vital para sua existência, nunca depender única e exclusivamente do mercado interno! Para tanto, pesquisa e desenvolvimento de produtos com demanda e aceitação no mercado sempre foi uma prática da empresa! A Avibras fez a aposta errada! Apostou que ela era indispensável !

Luis
Luis
14 dias atrás

Anos e Milhões de investimentos e sabedoria. Essa empresa deveria ser estatizada imediatamente e proibir a venda. Estamos diante de um prejuízo intelectual financeiro com precedentes já no Brasil.

Allan Lemos
Allan Lemos
14 dias atrás

Onde estāo aqueles que acusavam governos anteriores de “entreguismo”?

Gringos chegam aqui e levam os tesouros em troca de bugingangas com a conivência dos governantes e a passividade do povo há mais de 500 anos.

O pior é saber que muitos projetos da empresa tiveram investimentos com dinheiro dos contribuintes. Enfim, mais um ato de auto-saboragem e crime de lesa pátria.

Last edited 14 dias atrás by Allan Lemos
Lopes
Lopes
Reply to  Allan Lemos
14 dias atrás

É só você ver o tanto de coisa que foi entregue no anterior e tirar suas conclusões ..

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Lopes
14 dias atrás

Esqueça gestões anteriores, quero saber se está será cobrada e/ou criticada da mesma forma.

Ou é dois pesos e duas medidas?

Henrique
Henrique
Reply to  Allan Lemos
14 dias atrás

Ou é dois pesos e duas medidas?

é 1 peso 13 medidas

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Henrique
13 dias atrás

na vdd a medida está aberta e quando, quando a medida for atingida, eles vão dobrar a medida

Lopes
Lopes
Reply to  Allan Lemos
14 dias atrás

Se confirmado será cobrado do mesmo jeito eu não tenho politico de estimação.

“ esqueça gestões anteriores “

Mas não foi você mesmo que usou de exemplo a gestão anterior ?

Henrique
Henrique
Reply to  Lopes
14 dias atrás

Se confirmado será cobrado do mesmo jeito .”

kkkkkkk

Santamariense
Santamariense
Reply to  Allan Lemos
14 dias atrás

Se essa venda se confirmar, quero ver a cara daqueles que bradavam contra a venda da Embraer alguns poucos anos atrás…entreguismo, liberais rentistas, governo capacho. Hoje, a Embraer continua aí, não foi vendida. E se a Avibras for vendida agora, com esse governo, o que aqueles críticos dirão? Vão achar uma justificativa?

Nilo
Nilo
Reply to  Santamariense
13 dias atrás

A duas grandes diferenças:
Embraer, era a jóia da coroa, tanto em termos de produtos como de pessoal.
Sua venda foi por interesse da Boeing que despertou, acionou uma campanha sórdida e mentirosa de falta de competitividade da Embraer.
Preciso falar da situação da Avibras, acho que vc já sabe.

Santamariense
Santamariense
Reply to  Nilo
13 dias atrás

E daí??? Vocês, que falaram aos borbotões sobre a venda da Embraer e agora se calam e fazem cara de paisagem. Por que? Porque vocês deixaram de ser a pedra e passaram a ser a vidraça. Quanto a ser estratégica, a Avibras produz a arma mais estratégica do EB e desenvolve outra tão ou mais estratégia ainda. Então, pelo teu raciocínio não interessa o que a empresa produz e sim, a saúde financeira dela.

Nilo
Nilo
Reply to  Santamariense
12 dias atrás

E daí? Rsrsrs
Desde quando vc virou estatizante.?
Agora está com pressa.

FERNANDO
FERNANDO
14 dias atrás

Já era.

Daniel
Daniel
14 dias atrás

É lamentável que o atual governo desperdice tanto dinheiro com bobagens mas não abra uma linha de crédito ou faça novas encomendas para tirar a empresa mais importante do BID do buraco. Entra governo, sai governo e o Brasil continua sem uma política de defesa eficiente.

Nilo
Nilo
Reply to  Daniel
14 dias atrás

Meu caro, aguardemos, talvez, eu disse, talvez estejamos sendo pessimistas demais, achando que o governo e Exército, não tenham cartas na manga para direcionar a proteção aos interesses de salvaguardar sobre o Astros o AV-TM, ou o lançador de satélite. A Engesa é uma lição que está latente neste governo e no Exército, assim como a situação da Ucrânia e sua dependência, americanos e europeus que dependem de insumos chineses.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Nilo
14 dias atrás

Sério que você está contando com o exército? Rsrsrs

O soldo está caindo na conta? Se estiver, pode apostar que nāo estāo nem ai para absolutamente nada.

Nilo
Nilo
Reply to  Allan Lemos
14 dias atrás

Vamos aguardar, é preciso respeitar o fato que a empresa não quis continuar negociando nos termos do governo.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Allan Lemos
13 dias atrás

do governo e do EB eu espero só besteira

Nilo
Nilo
Reply to  Daniel
14 dias atrás
Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Daniel
13 dias atrás

EDITADO

FERNANDO
FERNANDO
14 dias atrás

Eu acho que falta ao Brasil mentalidade de defesa.

BraZil
BraZil
Reply to  FERNANDO
12 dias atrás

Fernando. Bom dia. Eu diria que falta mentalidade…

Luís Henrique
Luís Henrique
14 dias atrás

O Brasil tem pouco mais de 70 lançadores de foguetes.
Existem 43 países no mundo com mais lançadores de foguetes do que nós.

A Rússia tem mais de 3.000 a China também. A Ucrânia tem cerca de 500.
Kkk

Isso porque temos a Avibras uma das poucas empresas do mundo que fabrica um lançador de foguete, um dos melhores do mundo.

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
Reply to  Luís Henrique
14 dias atrás

Não compram propositalmente para falir a empresa e tentarem forçar uma estatização que seria a pior coisa que poderia acontecer, estatal daria mais prejuízo ainda porque viraria um cabide de emprego com um monte de inúteis e políticos dentro da empresa sugando dinheiro.

Rafael
Rafael
Reply to  Luís Henrique
14 dias atrás

E temos a sorte de ter como vizinhos países que não ajudam muito, isso quando não atrapalham.
Dá até raiva pensar que poderíamos estar fabricando Gripens, Guaranis e navios militares para exportação.
Demanda não falta.

Alexandre Galante
Admin
14 dias atrás

Essa notícia deveria ser de 1o. de abril, mas não é.

Jefferson B
Jefferson B
Reply to  Alexandre Galante
14 dias atrás

É um assunto legal para fazer um live no canal. Mostrando alguns pontos, os efeitos de vender.para uma empresa estrangeiras; os pontos de estatizar; as alternativas possíveis etc…

Jefferson B
Jefferson B
Reply to  Alexandre Galante
14 dias atrás

Galante, eu acho que o grande problema de uma empresa de defesa é ter um portfólio pequeno de produtos.
É fundamental ter um leque maior de produtos para equilibrar a balança de uma empresa, até porque certos produtos são sazonais.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Alexandre Galante
13 dias atrás

concordo, deveriam vender a preço simbolico para a AKAER, SIATT ou McJee

Akhinos
Akhinos
14 dias atrás

Parem de apagar o passado. É sábido que o CEO da Avibras era um desastre. O kra fez uma merda atrás da outra. Existem N reportagens na internet que demonstram o descaso e a incompetência abissal da diretoria dessa empresa. Agora vem todo mundo culpar o governo e as FFAA. Eu nem sou membro das FFAA, mas eu acho incrível como hj em dia virou praticamente um esporte da sociedade brasileira ficar vilanizando nossas forças. E esse papo de governo não investe e o escambau é ridiculo, o governo foi uma mãe para a Avibras e as FFAA tbm. Sejam… Read more »

Canarinho
Canarinho
Reply to  Akhinos
14 dias atrás

O que???? Passa-se todo o capital intelectual, de fabricação para os australianos??? Se o problema e gestão, forca-se a diretoria a procurar soluções dentro do Brasil!!! Sua solução não cola. E olhe em ultima instancia, e melhor estatizar a empresa, ela e estratégica demais para ficar nas maos de estrangeiros.

Lucas F
Lucas F
Reply to  Canarinho
12 dias atrás

Não é necessariamente assim, cara. Olha só, a BAE Systems tem vertentes nos EUA/UK e outros países da OTAN, mas ainda que haja lucros da empresa em venda de material com licenças de subsidiárias, ela não pode usar o “know-how” de um projeto sob contrato de um país para outro. A mesma coisa vale para a AEL Sistemas, Omnisys, Helibras e etc. O pessoal qualificado que trabalha ali é brasileiro, assim como o “know-how” do desenvolvimento e operacionalidade do produto. Existem críticas válidas nesse sistema, mas glorificar estatização como a solução para os problemas relacionados a empresa de defesa BR… Read more »

FERNANDO
FERNANDO
14 dias atrás

Eu acho que não é 1/04, eu já tinha ouvido está noticia em outros blogs de defesa.
Acho que é vero.
Infelizmente para o Brasil
Adios EB, vcs não vão conseguir ter defesa de longo alcance.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
14 dias atrás

Pessoal, não dá para comparar Avibrás com Boeing, né?
Uma empresa de capital aberto a outra de capital fechado.
Uma com diversos produtos e outra com praticamente um.
Uma que vale bilhões de dólares a outra milhões.
Uma que fatura bilhões de dólares e a outra poucos milhões.
Uma que está tendo prejuízos por causa de uma aeronave, mas que gera bastante caixa e tem acesso a financiamento a outra mal saiu de uma recuperação judicial e já entrou em outra.

Sensato
Sensato
14 dias atrás

O comunicado que saiu fala de investimento e não compra. Há que se aguardar o andamento mas não de braços cruzados. Escrevam aos parlamentares cobrando providências. Se cada um que escreveu algo aqui fizer isso e divulgar para um punhado de amigos, já teremos mais que hoje.

A empresa não precisa ser estatizada nem vendida. Basta que o governo faça uma boa encomenda e/ou adquira parte do controle acionario mediante a exigência de troca dos executivos da empresa.

Henrique
Henrique
Reply to  Sensato
14 dias atrás

A empresa não precisa ser estatizada nem vendida. Basta que o governo faça uma boa encomenda

de preferência pagar adiantado

Kataguiri Opressor
Kataguiri Opressor
14 dias atrás

EDITADO:

COMENTARIO BLOQUEADO DEVIDO AO USO DE MÚLTIPLOS NOMES DE USUÁRIO.
VOCÊ JÁ FOI AVISADO INÚMERAS VEZES, ACABARÁ SENDO BLOQUEADO!!

Last edited 14 dias atrás by Kataguiri Opressor
Kataguiri Opressor
Kataguiri Opressor
Reply to  Kataguiri Opressor
13 dias atrás

EDITADO:

COMENTARIO BLOQUEADO DEVIDO AO USO DE MÚLTIPLOS NOMES DE USUÁRIO.
VOCÊ JÁ FOI AVISADO INÚMERAS VEZES, ACABARÁ SENDO BLOQUEADO!!

Elintoor_--
Elintoor_--
14 dias atrás

Vale lembrar que o Brasil (O Glorioso) enterrou 1 bilhão na lata do lixo com aquela “parceria espacial” fatídica com a Ucrânia. Pois bem, não reclamem, pois somos nós que saímos de casa, pegamos o carro, gastamos combustível, ficamos engarrafados no trânsito, para chegarmos em frente a urna e cometermos suicídio. Sim, estes são os políticos que nós elegemos…

RIcardo
RIcardo
14 dias atrás

Quando eu penso na CBC e na TAURUS, eu acredito que o problema também é administração de empresa, no caso da AVIBBRAS, o governo via MD já inseriu milhões de reais em projetos e compras. Não sou especialista, mas não é possivel que a AVIBRAS só tenha os mesmos clientes como compradores e não consiga aumentar sua carteira de clientes. A AVIBRAS tem muitos produtos, não somente o ASTROS, pra mim faltou gestão e uma boa área comercial.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  RIcardo
14 dias atrás

A Avibrás tem cerca de 1200 empregados. Tudo isso para produzir muito pouco. Parece as nossas Forças Armadas.

Wilson
Wilson
14 dias atrás

Ótima notícia. Permitirá que nossas forças comprem “de prateleira” sem choro. A vantagem de comprar de prateleira é que, na maioria das vezes, o produto chega e as vezes até funciona.

Scudafax
Scudafax
14 dias atrás

Crime de Lesa Pátria. Se uma empresa estratégica de defesa for vendida assim ao capital estrangeiro, podemos fechar as portas do país por incompetência e ignorância. Significa que o governo não conhece o Foreing Investment Act dos EUA e a população brasileira é ignorante sobre o assunto.

Last edited 14 dias atrás by Scudafax
Scudafax
Scudafax
14 dias atrás

O que o Brasil precisa é de legislação que permita ao governo federal revisar, aprovar ou bloquear QUALQUER investimento de capital estrangeiro no país, IGUAL ao que os EUA fazem com o Foreing Investment Act. Aqui o pessoal acha que existe livre mercado…

Satyricon
Satyricon
14 dias atrás

A sina se repete De qualquer ângulo que vejo tal notícia, não consigo dissocia-la do desempenho da atual seleção olímpica brasileira de futebol. Com o tamanho do futebol brasileiro, não conseguirmos nos classificar para uma olimpíada é, ao meu ver, um atestado de incompetência, pura e simples. E o caso da Avibras vai na mesma linha. É óbvio que o mercado é incerto, que o governo não ajuda, que tudo joga contra, etc. Mas a empresa era imensa, com MILHARES de funcionários (e uma dívida impagável). Essa quantidade de funcionários pressupõe vendas robustas e um backlog confortável. Mas não era… Read more »

Gilson
Gilson
14 dias atrás

Vou tentar ler a maioria dos comentários, mas estou preocupado com está notícia. Porém a minha opinião seria: porque o dono da Avibras, não vende logo essa empresa pelo amor de Deus, e acabe com essa novela.( essa é minha opinião de raiva nesse momento, mas eu não queria realmente que a Avibras, fosse vendida pra estrangeiros ). Ou então porque a Embrear ou a Imbel não poderia comprar a Avibras, ou outras empresas juntas no setor de defesa, compraria a Avibras. Pelo amor de Deus, ministro da defesa, governo federal, tome as decisões, parece que vocês não estão vendo… Read more »

Gilson Elano
Gilson Elano
14 dias atrás

Brasil, um país escroto!

BrunoFN
BrunoFN
14 dias atrás

Ainda meio obscuro essa negociação , mas se confirmar a venda , qualquer um q incluir em projeto futuro , transferencia de tecnologia , tem q ser preso , ou no minimo investigado .modernização aki ? prende . pagamos caro para nada .. e é melhor , muito melhor, comprar o produto pronto de prateleira . ao menos teriamos alguma quantidade , nem q seja para desfile .. Brasil nunca vai ser algo serio .. todos vendo a importancia do HIMARS na Ucrania ..e o Brasil que tem um produto similar . capacidade num produto nacional . simplesmente esta se… Read more »

Gilson
Gilson
Reply to  BrunoFN
14 dias atrás

Muito bom

Nilton L Junior
Nilton L Junior
14 dias atrás

Os neobotliberais vão jurar de pé junto que será bom uma vez que o estado não deve se meter com o mercado.

Henrique
Henrique