Chris Dodd, conselheiro especial do presidente Joe Biden para a América Latina, vê a crescente influência econômica da China na região como uma oportunidade para os EUA fortalecerem suas relações comerciais com a América Latina.

Ele expressou otimismo sobre a aprovação da Americas Act no Congresso dos EUA, uma legislação que expandiria os acordos comerciais existentes e incentivaria a produção nos países da região. Dodd destacou o suporte bipartidário ao projeto, que considera uma das tentativas políticas mais abrangentes dos EUA de aprofundar as relações com o hemisfério Ocidental nas últimas duas décadas.

O interesse renovado em aprofundar laços comerciais com a América Latina surge como uma resposta ao aumento do comércio e investimento da China na região, onde superou os EUA como o maior parceiro comercial. A preocupação com a perda de influência levou políticos americanos a propor o projeto de lei, que também buscaria retomar a visão de uma área de livre-comércio estendendo-se do Alasca à Terra do Fogo, uma ideia originária dos governos de George Bush e Bill Clinton nos anos 90.

A Americas Act também estipula que os países participantes devem aderir a padrões de democracia e estado de direito. O projeto sugere um processo para integração ao USMCA, com Uruguai e Costa Rica como candidatos iniciais. Além disso, Dodd sugere que os incentivos do pacote poderiam ser oferecidos a qualquer país disposto a aceitar as condições, destacando o potencial para promover o crescimento econômico e estabilidade na região, evitando crises migratórias como a venezuelana.

FONTE: Financial Times, via Folha de São Paulo

Subscribe
Notify of
guest

81 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nemo
Nemo
27 dias atrás

Os EUA vão comprar o quê do Brasil? Soja, milho, carne, açúcar, álcool, café, petróleo (talvez um pouco)? É isto que temos para vender e quem compra é China. A escolha dos países para lançamento da iniciativa demonstra que os EUA têm total consciência consciência das enormes dificuldades.

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Nemo
27 dias atrás

Os EUA importa ferro, petroleo mas também manufaturados como veiculos usados em construção (escavadeiras). Fora avioes da Embraer.
Um acordo de livre comercio com os EUA se associado a politicas industriais corretas e tributacao mais moderna seria bom para a industria do Brasil. O Mexico tem se beneficiado do conflito geopolitico com a China e ja passou essa como maior exportador pro mercado americano, graças a localização geografica e ao NAFTA.
Enquanto a dependencia em relação a China aumentar, a indústria brasileira vai ter mais e mais dificuldade de competir.

José Lima
José Lima
Reply to  Rodolfo
27 dias atrás

Essa é uma verdade. O comércio entre Brasil e EUA, embora menor, é bem mais equilibrado do que o comércio Brasil e China.

Nemo
Nemo
Reply to  José Lima
26 dias atrás

A balança comercial com a China é favorável ao Brasil, com os EUA o Brasil tem déficit.

CRISTIANO DE AQUINO CAMPOS
CRISTIANO DE AQUINO CAMPOS
Reply to  José Lima
26 dias atrás

Equilibrado como, se for equilibrado e melhor contínuar com a China que temos superávit na balança comercial a nosso favor.

Franklin
Franklin
Reply to  Rodolfo
27 dias atrás

Acontece que no México, muitas empresas americanas se instalaram para produzirem com mão de obra mais barata, e assim venderem dentro do mercado americano. Com o avanço dos bloqueios americanos às importações da China, muitas empresas chinesas estão se instalando no México, produzindo os mesmos produtos que antes eram “made in China” e vendidos nos EUA, porém agora é “made in México”, para simplesmente driblarem os bloqueios americanos. E mesmo assim é vantajoso para os chineses devido ao frete ser mais barato. Já para o Brasil não será tão fácil, pois não temos a mesma proximidade do México para o… Read more »

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Franklin
27 dias atrás

Eu concordo que nao tem como competir com a geografia mexicana, mas o Brasil tem mais tecnologia e poderia sim se beneficiar de uma aproximação com a economia americana. A Embraer por exemplo é um modelo de sinergia entre ambos os países, turbinas e sensores americanos sao instalados nas aeronaves feitas em SP e exportadas pros EUA, que alias opera mais jatos da Embraer que a China. Um acordo de livre comercio talvez abrisse outras oportunidades. Mas o país também precisaria fazer seu trabalho de casa, investindo em educação e atualizando o setor fiscal brasileiro e diminuindo a carga tributária.… Read more »

comenteiro
comenteiro
Reply to  Franklin
27 dias atrás

Lembro que existiam criticas a algumas empresas mexicanas que eram chamadas de maneira pejorativa de maquiladoras. Elas produziam nos Estados Unidos e “maquiavam” seus produtos no México para aproveitaram as vantagens econômicas.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  comenteiro
27 dias atrás

O rótulo de maquiladoras já não corresponde à realidade da indústria mexicana. Um dos exemplos mais notáveis é a produção de veículos e autopeças.

CRISTIANO DE AQUINO CAMPOS
CRISTIANO DE AQUINO CAMPOS
Reply to  Rodolfo
26 dias atrás

Isso tudo já vendemos e na época do Thrump ele ainda queria parar de comprar com a política da amarica primeiro lembra.

KarlBonfim
KarlBonfim
Reply to  Rodolfo
26 dias atrás

Para Adam Smith o pai da economia moderna, o trabalho de preferência o mais especializado possível é que gera a “Riqueza das Nações”, não os produtos e as matérias primas. Coreia, Singapura, Japão e a China, são prova disso. Há, o Brasil também!

Last edited 26 dias atrás by KarlBonfim
Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Rodolfo
25 dias atrás

Sem uma reforma tributária que diminua impostos e tornem os produtos brasileiros mais atraentes, acordo de livre comércio com qualquer país é suicídio.
Vai acontecer uma reforma assim tão cedo ? Não. Esperem suicídio então.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Nemo
27 dias atrás

eles podem comprar TVs, Celular, moto e etc

Rafael Coimbra
Rafael Coimbra
Reply to  Nemo
27 dias atrás

É óbvio que vão ter que realizar um malabarismo mercadológico para não perder mais influência. Olha o tamanho do rolo que realizaram com a Argentina para que ela não comprasse caças chineses…. Venderam uns F-16 usados.. todo grampeado, com o Reino Unido sabendo até a marca a cueca de cada piloto que senta a bunda no avião… Com o único objetivo de barrar uma ação da china. Em breve eles irão comprar alguma bugiganga brasileira e vender umas velharias p nós, tudo para equilibrar a balança.

AMBAR
AMBAR
Reply to  Rafael Coimbra
16 dias atrás

O maior rolo que os EUA realizaram com a Argentina foi a eleição do Milei. É uma tacada anglo-saxã que pretende suberver a ordem econômica, política e social em toda a américa de baixo a partir da Argentina.

AMBAR
AMBAR
Reply to  Nemo
16 dias atrás

Os EUA podem fazer o decreto que quiserem para “melhorar” as negociações com seus países satélites depois de te-los explorado bastante, porém, não recuperarão o que perderam para a China enquanto não se lembrarem de que devem negociar com honestidade, constância e boa-fé. E como sabemos, caráter não se adquire com decretos: ou o país tem ou o país não tem.

Junior Duraes
Junior Duraes
27 dias atrás

O Brasil tem que saber explorar muito bem esta disputa entre China e EUA, temos que tirar proveito da “generosidade” de ambos o máximo possível.
Nossa diplomacia precisa saber atuar

Comenteiro
Comenteiro
Reply to  Junior Duraes
27 dias atrás

Me lembra a questão do Getúlio Vargas nos anos 1940.

Carlos I
Carlos I
Reply to  Junior Duraes
27 dias atrás

Nossa diplomacia tem tido interesses mais ideológicos que pró país já faz um tempo já nossos políticos que não se ajoelharem por ideologia se venderão a quem pagar mais.

PauloOsk
PauloOsk
Reply to  Carlos I
27 dias atrás

O governo passado tinha boas relações com os dois lados. Foi ate muito bem recebido pelo Putin na Russia.

CRISTIANO DE AQUINO CAMPOS
CRISTIANO DE AQUINO CAMPOS
Reply to  PauloOsk
26 dias atrás

Contundiu com a China né amigo, porquê não época do governo Bolsonaro, os EUA de Thrump era só amor com o Putin.

AMBAR
AMBAR
Reply to  PauloOsk
16 dias atrás

EDITADO:
4 – Não escreva em maiúsculas, o que equivale a gritar com os demais. As maiúsculas são de uso exclusivo dos editores para dar destaque às advertências nos comentários eventualmente editados ou apagados.

Edimur
Edimur
Reply to  Junior Duraes
26 dias atrás

Político no Brasil não tem planos para o País e sim para eles mesmos e seus Partidos !!! Quem criou as maiores empresas Brasileiras que dão lucros até hoje???

José
José
27 dias atrás

“qualquer país que aceitar as condições”…então tá…

Allan Lemos
Allan Lemos
27 dias atrás

Vāo tentar ressucitar a natimorta e famigerada ALCA?

Esse tipo de integraçāo é quase impossível, vide o fracasso do acordo UE-Mercosul.

Países ricos jamais verāo os pobres como iguais.

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  Allan Lemos
27 dias atrás

No caso da ALCA foi mais resistência do Mercosul que americana, principalmente do setor de manufatura. Os EUA tem uma agroindústria mais moderna que a europeia, e o acordo comercial com Mexico foi bom para a economia mexicana. A ausência hoje de acordo de livre comercio com o Brasil esta impedindo que a manufatura que esta saindo da China por questão geopolitica de se instalar no Brasil pois escolhe o Mexico como país preferencial pela geografia e facilidade de exportação pro mercado americano. Em 2023 o Mexico passou a China como maior exportador pro Mercado americano.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Rodolfo
27 dias atrás

Se for pra entrar nisso, temos que abonhar uma parte do mercado do México

CRISTIANO DE AQUINO CAMPOS
CRISTIANO DE AQUINO CAMPOS
Reply to  Rodolfo
26 dias atrás

Graças a Deus então que não rolou pois quem iria sair mais prejudicado era a nossa principal fornte econômica, o agronegócio brasileiro e o aço, aliás que era vítima constantemente de embriago sob Thrump.

Clovis
Clovis
Reply to  Allan Lemos
27 dias atrás

E vice versa, não perdoamos não, passamos o sal em quem cair

Last edited 27 dias atrás by Clovis
Maurício.
Maurício.
27 dias atrás

Nunca deram o devido valor pra região, sempre consideraram a AL uma enorme fazenda, agora querem correr atrás do prejuízo…Rsrsrs.

Fëanor
Fëanor
27 dias atrás

 A Doutrina Monroe e o Big Stick ainda estão vigentes?

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Fëanor
27 dias atrás

Sempre estiveram.
Só não vê quem ainda acha que os EUA são nossos “primos ricos benevolentes”.

Nilo
Nilo
Reply to  Fëanor
27 dias atrás

Todos nós sabemos que a medida que os americanos fossem perdendo influência na Ásia e África para a China, se voltariam para a A. Sul.
O comandante da Marinha, Marcos Sampaio Olsen, disse, nesta segunda-feira (29), que o “entorno estratégico” do Brasil está mais conturbado, o que é motivo de preocupação para a Marinha.
Ele citou não só as ameaças da Venezuela na direção da Guiana, mas também o aumento do número de instalações americanas e chinesas em países vizinhos do Atlântico Sul.

AMBAR
AMBAR
Reply to  Nilo
16 dias atrás

Isso é só o começo. Logo o Milei vai começar a mexer com as Malvinas a pretexto qualquer. Quando acordarmos estaremos rodeados de bases americanas.

Comte. Nogueira
Comte. Nogueira
Reply to  Fëanor
27 dias atrás

Mais fortes do que nunca.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
27 dias atrás

“A Americas Act também estipula que os países participantes devem aderir a padrões de democracia e estado de direito.”

Se eu for dizer o que eu quero que os EUA façam com esses “padrões de democracia e estado de direito”, os editores serão obrigados a “puxar minha orelha”, e não tô afim disso, e não estou com vontade de dar trabalho pra eles…

Mas a última matéria do ForTe, sobre os EUA fazerem de tudo pra que o Tribunal Internacional não investigue Israel, mostra bem o qua to os EUA ligam pra “democracia” e “estado de direito”…

Diego
Diego
Reply to  Willber Rodrigues
23 dias atrás

Não precisa ir até Israel, imagina as atrocidades que acontece em Guantanamo.
Quando leio essas frases dos americanos dou até risada

Iran
Iran
27 dias atrás

Finalmente os americanos entenderam que a crise migratória de latinos que eles tanto tentam conter ocorre justamente porque os EUA prejudica a economia dos países da América Latina, se os EUA permitissem um desenvolvimento desses países e uma elevação do IDH não teria motivo de um mexicano quase morrer numa travessia ilegal pra limpar banheiros na Califórnia. Agora só falta os europeus descobrirem que as ações americanas, israelenses e deles mesmos no Oriente Médio e norte da África como a destruição do Iraque, Líbia, Síria, Afeganistão, Palestina etc, é o que causa o fluxo migratório de muçulmanos que eles tanto… Read more »

DanielJr
DanielJr
Reply to  Iran
27 dias atrás

Concordo em partes com o que você diz. Os EUA influencia em algumas coisas na AL sim, mas muito da pobreza que o continente vive é culpa de si própria, não dos EUA.

A América Latina vive chorando o colonialismo e o terceiromundismo até hoje, não é capaz de virar a página e realmente progredir, contornar a situação. Tudo é culpa de terceiros, nada é culpa dos próprios.

A onde de imigração é o ônus que os EUA precisam controlar dado o fracasso da AL em se desenvolver.

Rodolfo
Rodolfo
Reply to  DanielJr
27 dias atrás

Sim, o atraso do Brasil e da AL se deve a problemas internos como falta de liderança politica e corrupção, nao dos malvados americanos que por sinal se beneficiariam se a AL fosse mais rica pois teriam maior mercado consumidor pras suas empresas como Nike, Apple e tantas outras.
Incrivel como o país investe mal em educação, tem politicas economicas que levam a estagnação economica há decadas e tem gente que consegue distorcer a realidade e culpar agentes externos que tem medo do gigante adormecido.

Iran
Iran
Reply to  Rodolfo
27 dias atrás

As lideranças políticas da AL se são independentes são derrubadas pelo próprios americanos, senão conseguem fazer isso embargam até o país falir, o que os americanos querem em países como o Brasil são Zelenskys e Mileis, não ache que eles deixariam surgir estadistas com visão de longo prazo aqui não, os americanos já cometeram o erro de deixar a China crescer, não cometerão o mesmo erro com o Brasil, por mais que você tenha ironizado o “medo do gigante adormecido” é exatamente esse o caso.

Mercante
Mercante
Reply to  Iran
24 dias atrás

Sempre bom recordar dos documentos vazados pelo Wikileaks entre a embaixada Americana no Brasil e Washington no qual dizia que era uma questão de defesa nacional dos EUA que o Brasil não possua um programa de foguetes sofisticados.

Iran
Iran
Reply to  DanielJr
27 dias atrás

EUA tem políticas de destruição de empresas estratégicas dos países da AL, CIA por décadas era quem criava tráfico de drogas no México e América Central, inclusive já tem documentos do governo americano que vieram a público sobre esses casos, e hát ótimos documentários sobre isso, os americanos fizeram regime change em vários países daqui criando desestabilização e crises políticas na região.

CRISTIANO DE AQUINO CAMPOS
CRISTIANO DE AQUINO CAMPOS
Reply to  Iran
26 dias atrás

Agora falta combinar com os republicanos thrampistas, tanto políticos como eleitores que a América primeiro deve ser deixada selado e seus empregos prometidos irem para a América larina depois que saírem da China, criando concorrência para a sua própria agricultura, por um bom motivo

Carlos Campos
Carlos Campos
27 dias atrás

uma área de livre-comércio estendendo-se do Alasca à Terra do Fogo, é um bom, começo, mas tem um negpocio que falta, o Show me the money, sem o dinheiro não vai rolar

Vitor
Vitor
27 dias atrás

Pois é…a retórica combina com o populismo…Milei o libertária envia a ministra para negociar a liberação do acordo de swap com a China …pois o ocidente se recusa em oferecer linha de crédito para troca comercial com a Argentina.

Nativo
Nativo
27 dias atrás

Agora biden??
Com as eleições as portas , que podem facilmente dá vitória ao Trump e a sua política isolacionista, este projeto já está natimorto.
Seria muito bom o contrário, mas o laranjão dificilmente vai mudar suas atividades.

Bardini
Bardini
27 dias atrás

Os americanos tem uma balança comercial com a China que é deficitária em mais de U$ 350 bilhões de dólares ano… Ou seja: eles “dão” muito dinheiro para a China e esse dinheiro vem sendo usado contra eles. O entendimento é que isto tem de ser reduzido. As iniciativas protecionistas já começaram, como no caso do Inflation Reduction Act e vão se aprofundar com novas iniciativas, como no caso do Americas Act, se implementado. Estamos vendo o fim da globalização… . Em resumo, o Americas Act é uma iniciativa que serve em especial para estimular ($$$) a saída de empresas… Read more »

Comte. Nogueira
Comte. Nogueira
Reply to  Bardini
27 dias atrás

O American First não era um pensamento do Trump e sim, uma política de Estado americana.

Nilo
Nilo
Reply to  Bardini
25 dias atrás

….se instalar com apoio americano em um país da América Latina. Isto, desde que o país em questão atenda alguns pontos, como garantia de segurança jurídica dentro de um sistema democrático, atendimento de normas anticorrupção, normas ambientais de combate as mudanças climáticas e assim por diante….
Norma anti corrupção o México pode ter, mas normais ambientais de combate as mudanças climáticas é questionável como na exploração do xisto até nos EUA.
Me parece que o Americas Act, é só um programa bonito para captar mão de obra barata.

Bardini
Bardini
Reply to  Nilo
25 dias atrás

Tu não sabe da missa a meteda… . Em resumo, a China produz muito e produz sem se importar com questões ambientais. Isto foge por completo do controle de outros países, que são os grandes compradores de manufaturados e que desta forma, causam impacto ao planeta de forma indireta. Ao incentivar a retirada de uma fábrica da China, dentro de um processo de reshoring (EUA) ou nearshoring (América Latina), os americanos passariam a exercer influência sobre as questões relacionadas a tais linhas de produção, por meio de acordos ambientais. . Traduzindo: eles pretendem financiar toda a instalação de uma indústria,… Read more »

Nilo
Nilo
Reply to  Bardini
25 dias atrás

Congratulações. Não tenho discordância quanto ao fato que os Americanos e Europeus ao criarem uma espécie de normatização seja no âmbito econômico, de segurança judicial e meio ambiente cria uma forma de estrangular, controlar as trocas comerciais mas tb exercer controle político, mas isso não se da só em função da China ou Rússia mas de uma política mais ampla que reflete na própria Europa portanto uma das formas de manutenção de sua hegemônica. O que não podemos esquecer que quando falamos de situação crítica no meio ambiente a responsabilidade Americana é inquestionável, são várias os exemplos, seja na questão… Read more »

Last edited 25 dias atrás by Nilo
Mercante
Mercante
Reply to  Bardini
24 dias atrás

Só que aí entra a questão da segurança jurídica. Segurança jurídica, para existir, demanda um regime democrático com estado de direito funcional, com instituições funcionais. Traduzindo: demanda seriedade. “
Traduzindo: mais um grande cavalo de troia para operação de lawfare nesse novo mundo de guerra híbrida.

Boa sorte para a empresa que cair nesse papinho e ter seus bens em dólares congelados pela tal corrupção, que existe até nos EUA, onde é legalizada por meio do lobbies.

AMBAR
AMBAR
Reply to  Bardini
16 dias atrás

Nada que americano faça tem objetivo de beneficiar além deles mesmos.

Reginaldo
Reginaldo
27 dias atrás

Além disso, Dodd sugere que os incentivos do pacote poderiam ser oferecidos a qualquer país disposto a aceitar as condições, (…)

Mas a china está impondo condições semelhantes? Como que eles vão combater os chineses se provavelmente a China se aproveita justamente das condições impostas pelos EUA para negociações? E mais questionamentos ainda… Quais são os “padrões de democracia” segundo eles?

Comte. Nogueira
Comte. Nogueira
27 dias atrás

A Americas Act também estipula que os países participantes devem aderir a padrões de democracia e estado de direito”.
Essa condição geralmente está associada à perda (ou mitigação) de soberania, com a aceitação de “vistorias” de delegação dos EUA aos centros de decisão dos países aderentes.

Jose
Jose
Reply to  Comte. Nogueira
27 dias atrás

Em que difere das ações chinesas, lembra do diplomata chinês, nenhum dos dois oferece algo favorável a nós, e para aqueles que insistem que os negócios com a China são mais vantajosos pergunto fora matéria prima o que vendemos a eles, sequer “frete” nos permitiram fazer.

Jose
Jose
Reply to  Jose
26 dias atrás

E quando me refiro a frete é no sentido literal mesmo, é só procurar sobre o caso dos navios da classe Valemax da Vale que a China proibiu de atracarem em seus portos com as alegações mais absurdas, forçando a Vale a vender os navios a uma empresa chinesa é claro, a qual no dia seguinte já tinha autorização para usar os portos chineses, então não importa quem sejam os parceiros comerciais do Brasil, no fundo todos querem tirar vantagem nossa, agora cabe aos nossos políticos/governantes determinarem o que é ou não interessante para o país, mas enquanto governantes/políticos pensarem… Read more »

IBZ
IBZ
27 dias atrás

Os EUA estão começando a ter dificuldades em financiar seus desproporcional poder militar, quem dira financiar grandes projetos de infraestrutura na AL como a China faz. Sem falar que a muito tempo que nós sabemos que os americanos não são de confiança sempre adotando as maximas: ” faça o que eu digo, não o que eu faço” e “dois pesos e duas medidas”! A AL e o Brasil tem que saber aproveitar ao maximo essa disputa de potências pra tirar o melhor dos dois lados!

Rafael Sousa
Rafael Sousa
27 dias atrás

O Brasil precisa fazer negócios sem se envolver em conflitos e engajamento ideológico….manter uma posição neutra e investir em educação e tecnologia de ponta evitando a dependência das grandes potências.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Rafael Sousa
25 dias atrás

Exato. Toda vez que o Brasil adotou um alinhamento automático com alguma potencia, o país foi prejudicado.

Josué
Josué
27 dias atrás

Sejam bem-vindos chineses ao nosso país. Pelo menos vocês não jogam bombas ou incentiva golpes com os povos de outros países.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Josué
25 dias atrás

Antes de II Guerra, parte substancial do exército era germanófilo. Os generais viam o modelo militar herdado da Prússia como o melhor. Este mesmos generais desprezavam a democracia (até hoje, ao que parece). Nos anos 30, o fascismo parecia ser a resposta capitalista para o movimento comunista que se tornava cada vez mais forte. Ainda que o fascismo nasceu como inimigo do capitalismo, ele também é incompatível com a democracia. A II Guerra foi uma guerra de ideologia, assim como a Guerra Fria. Os EUA foram, sem dúvida, a primeira democracia moderna. O problema é que ao longo de mais… Read more »

Franklin
Franklin
27 dias atrás

Pura estratégia para isolar a China. Não temos nada para oferecer aos EUA que eles não produzam, diferente da China que importa nossas comodities pq eles não produzem, ou seja, eles não tem as mesmas condições geográficas e riquezas naturais que possuímos aqui. Com a China temos superavit todo ano, e eles não impõe nada para nenhum governo ou país, cada um vive do jeito que quiser, não existe interferência da China nos assuntos internos dos países da AL. Já os americanos querem impor suas condições, mantendo sempre governos favoráveis aos seus interesses, como acontece no Oriente Médio e na… Read more »

Bispo
Bispo
27 dias atrás

EUA estão em decadência há décadas … como o colosso que é, obviamente, é uma queda letárgica. Com uma divida pública impagável de U$33 Trilhões…estudos indicam que cresce U$1 Tri a cada 100 dias. O dólar como moeda global sendo substituído por N países , os mais importantes por sinal, em trocas comerciais .. excluindo a Europa(continente em processo de estagnação e dependência contínua). EUA , outrora panteão da democracia e liberdade, hoje apoia países que trucidam seus opositores e/ou financia guerras na qual o único vencedor será sua indústria militar. Os EUA que, prendem , espancam, alunos em suas… Read more »

Last edited 27 dias atrás by Bispo
Carlos
Carlos
Reply to  Bispo
26 dias atrás

—— EDITADO —— não consegue explicar o porquê da maioria dos brasileiros que iriam para os EUA e não para a China, isto se pudessem e deixassem.

Bispo
Bispo
Reply to  Carlos
25 dias atrás

Oras eu vou para os EUA e para o Paraguai..rs…se é que entendeu a ironia.

Não estamos discutindo, fazer compras em Miami ou ver o Mickey.. e sim , geopolítica, influência, futuro … a Ásia chama.

Mig25
Mig25
Reply to  Carlos
25 dias atrás

Seu comentário não tem nada a ver com que o colega falou. A China é muito longe e muito diferente para levas de brasileiros buscando oportunidade migrarem para lá…

Last edited 25 dias atrás by Mig25
Gustavo
Gustavo
27 dias atrás

Realmente acordo com Estados Unidos e um tiro no pe, eles não querem uma nova China no Atlântico Sul, ainda mais Estados Unidos e competidor do nosso agronegócio.

Carlos
Carlos
Reply to  Gustavo
26 dias atrás

competidor do nosso agronegócio” como assim ainda para mais o ex-presidente fez um acordo com Trump no qual aumentava a importação de etanol produzido a partir do milho

carvalho2008
carvalho2008
26 dias atrás

Os EUA demoraram para acordar….

O Brasil deve ingressar e negociar bem….

Felipe M.
Felipe M.
26 dias atrás

“A Americas Act também estipula que os países participantes devem aderir a padrões de democracia e estado de direito.” O que os “assessores especiais” do governo americano não entendem ou fingem não entender, é que esse modelo adotado por eles está cada vez mais exaurido, por dois motivos. O primeiro é que surgiram alternativas para investimento na região. O segundo, é que há uma enorme resistência nas sociedades da região quanto à interferências externas, sejam elas quais forem. O dinheiro americano vem cheio de condições. E boa parte dessas condições abrem brecha para interferência externa. O trecho que destaquei acima… Read more »

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Felipe M.
25 dias atrás

Então… o Estado de Direito é peça fundamental da democracia. Significa que a sociedade é regida por leis, as quais devem ser aplicadas como definidas. O Estado de Direito significa o contrário do Estado de Exceção, no qual as leis são aplicadas ou deixam de ser aplicadas dependendo de quem for a pessoa. O Estado de Direito é uma ideia que existe desde o Código de Hamurabi. Foi a base de diversas sociedades, como a República Romana. Outros sociedades esqueceram este conceito e se tornaram Estados Absolutistas, nos quais a Lei era o rei. A ideia do Estado de Direito… Read more »

Felipe M.
Felipe M.
Reply to  Camargoer.
25 dias atrás

Bom, agradeço pelas orientações, apesar de eu saber qual é a definição de estado de direito ou de democracia. No entanto, em nenhum momento me propus a trazer as definições sobre estado de direito, democracia etc. Além disso, em nenhum momento critiquei o estado de direito ou a democracia. O que critico é o uso desses “conceitos abertos” como ferramenta para impor limitações a quem está se beneficiando de um projeto. Enquadrar como “quebra da cláusula democrática” pode ser desde o relacionamento com um país que julgam não democrático, até a realização de um processo interno, mesmo que esteja previsto… Read more »

Last edited 25 dias atrás by Felipe M.
Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Felipe M.
25 dias atrás

Olá Felipe. Tenho certeza que vocẽ tem uma profunda compreensão, o que torna a discussão muito legal. Como a discussão envolver outras pessoas que estão lendo nossos comentários por isso a necessidade de cuidar de deixar claro os argumentos, mesmo com o risco de parecer professoral ou pedante. Como sou um democrata bem teimoso, gosto de reafirmar isso sempre que posso. Os EUA se habituaram a impor “cláusulas democráticas” como meio de retaliação, o quê sem dúvida tem sido um desastre. Há pouco, Trump ameaçou retaliar os países que deixarem de usar o dólar como moeda, uma ameaça direta aos… Read more »

AMBAR
AMBAR
Reply to  Felipe M.
16 dias atrás

“E aí, como citei, você cria toda uma espécie de política pública baseada na entrada no projeto oferecido e pode ser pressionado com sanção, que pode inviabilizar a política pública, se não adotar a ação que julgam correta (ex: não construir dita ferrovia ou não tocar o impedimento da autoridade que cometeu o crime de responsabilidade ou não se relacionar com país X). Essa é a questão das cláusulas com conceitos abertos. Podem embasar, sob qualquer tipo de pretexto, a imposição de limitações (sanções), ou a simples ameaça de fazê-las, em caso de um interesse X não atendido em prol… Read more »

Pedro
Pedro
25 dias atrás

Precisamos de uma reforma política diminuir o número de deputados três por estado e um federal, sem vereadores, cargo de vice, assessores, diminuir juízes, militares, essa turma toda …. reduzir os impostos… investir em indústria de TI e AI, produzir equipamentos militares, drones, satélites, aviões, carros e trens pilotados por inteligência artificial, proteger nossas florestas, investir em energia limpa e gerar empregos. Deixar de ser colônia!

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Pedro
24 dias atrás

então….. o número de deputados é proporcional á população… o que vocẽ propõe irá distorcer a representação legislativa, pois estados com menor população elegerão o mesmo número que estados com mais população. Isso já acontece no Senado, mas lá são votos majoritários, não proporcionais. Os municípios são a esfera de poder local. Uma das principais funções dos vereadores é fiscalizar o executivo. O que vocẽ propõe é deixar os prefeitos atuarem sem fiscalização e sem oposição política, dando total poder para os grupos políticos locais para administrar o orçamento municipal… Os processos no Brasil demoram porque existem poucos juízes de… Read more »

Manus Ferrum
Manus Ferrum
24 dias atrás

A lawfare que os EUA cometeram contra o Brasil através da Lava Jato não deve ser esquecida!

NBS
NBS
24 dias atrás

Os EUA sempre querem fazer acordos comerciais com condicionantes que limitam as contrapartes. Cabe ao Brasil guiar-se pelos interesses nacionais, os quais não devem estar condicionados aos interesses estrangeiros. No entanto, o histórico de parcerias não ajuda a essa conclusão. Por diversas vezes, há o impedimento de negócios com terceiros e o estabelecimento de ‘parcerias’ não entre iguais, e sim numa espécie de vassalagem. Para isso, já temos a Europa com essa relação subalterna aos objetivos norte-americanos. O maior comprador de produtos brasileiros é a China; é com esse país que o Brasil faz o maior superávit comercial. Devemos aprofundar… Read more »

José Pereira
José Pereira
23 dias atrás

Oportunidade para a Argentina