Os obuseiros Light-Gun de 105mm, do Corpo de Fuzileiros Navais do Brasil

Há cerca de 8 anos, no período de 18 a 31 de maio de 2000, o Batalhão de Artilharia de Fuzileiros Navais realizou o exercício AVOPE (Avaliação Operacional), com o objetivo de levantamento de parâmetros operativos dos Obuseiros 105mm Light-Gun L118, então recém incorporados. Na ocasião, a 2ª Bateria de Obuses deslocou-se para o Campo de Instrução de Formosa (CIF), em Goiás, área de adestramento do Exército Brasileiro. Essa região foi selecionada por permitir a realização do tiro no alcance máximo do armamento (17.200m). O CIF ocupa uma área de aproximadamente 60km de comprimento por 30km de largura, tendo como limite vertical a altura de 6.000m, reunindo, assim, todas as condições para a realização de tal avaliação.

A distância de 1251 km percorrida até a área do exercício fez com que os participantes da AVOPE fossem divididos em dois grupos, um realizando o deslocamento por terra e o outro em aeronaves C-130 da FAB até Brasília. Assim, nos períodos dos dias 18 a 20 (ida) e 28 a 31 de maio (regresso), uma unidade de marcha com 47 viaturas, estendendo-se por 4 km, realizou os deslocamentos terrestres. Os demais participantes chegaram e partiram por aeronave nos dias 21 e 29, respectivamente.

No dia seguinte à chegada à Formosa, iniciou-se a avaliação operacional propriamente dita. Foram realizados testes de dispersão para alcance mínimo e máximo, testes de cadência normal e máxima, testes com tiro vertical, regulações, ajustagens e eficácias de todos os tipos (zona 1 e 2, ceifa, salva, rajada), além de iluminação coordenada e entradas rápidas em posição. Ou seja, procurou-se avaliar o desempenho do armamento em quase todas as situações previstas para o seu emprego. De um total de 1.190 tiros disparados, 256 tiros eram de granadas AE (82 tiros com carga super), 814 granadas de exercício e 120 iluminativas. Embora cumprindo um grande número de missões de tiro, não ocorreu qualquer incidente de tiro ou nega.

O Batalhão de Artilharia de Fuzileiros Navais superou com brilhantismo mais este desafio, demonstrando, da forma mais realística possível, ou seja, executando o tiro em condições próximas às de combate, sua capacidade de rapidamente adequar-se para operar um armamento no estado da arte, executando com perfeição e profissionalismo as várias missões de tiro.

Nota do Blog: A aquisição desse armamento de tubo para equipar a nossa Artilharia Anfíbia foi muito importante, trazendo um equipamento mais moderno e de maior alcance que os M-101 usados anteriormente. Permanece ainda a questão, já estudada pelos nossos artilheiros anfíbios, sobre a adoção de foguetes de saturação e de novos canhões de 155mm para substituir os M-114 ainda em uso.

Subscribe
Notify of
guest

19 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marine
Marine
15 anos atrás

Fuzileiro e bom de servico em qualquer lugar do mundo! Rsrsrsrs

Per Mare, Per Terram!
Semper Fidelis!
Ad Sumus!

RL
RL
15 anos atrás

Quantas unidades destes obuseiros foram adquiridos?

RL
RL
15 anos atrás

Uma pergunta de leigo..

Para substituir os atuais M114, não poderiamos contar com o produto da AVIBRÁS – AV-SS 12/36?

Rodrigo
Rodrigo
15 anos atrás

RL, você é acionista da Avibrás? hehehe

RL
RL
15 anos atrás

Amigo Rodrigo. Seria de muito orgulho poder fazer parte dos acionistas dessa empresa de capital 100% nacional. Infelizmente, dadas as imensuraveis imcapacidades administrativas e governamentais desse pais, eu me retenho a participar com meu “rico” e “suadissimo” dinheirinho em ações de empresas, sejam estas nacionais ou não. Olha, eu gostaria muito mesmo, de coração, poder apenas responder sua pergunta com um categórico SIMMMMMMMMMMM…más infelizmente minha resposta você já deve saber. Se não posso participar de forma efetiva em proteção ou defesa das indústrias nacionais, então faço voto de que meu otimismo e minha luta para com os trabalhadores brasileiros no… Read more »

Paulo Costa
Paulo Costa
15 anos atrás

Os Light Gun,são mais leves,importante no transporte,
podem ser reposicionados com rapidez,e com tubo longo,
tem um bom alcance.Os nossos M-101,105mm,podem ser
reformados ,ficam com o tubo mais longo tambem…
Gostaria de saber se o sistema de controle de tiro,
é do CFN,ou o mesmo usado do EB….

Thiago
Thiago
15 anos atrás

O CFN poderia ter alguns ASTROS II ou III

Vassily Zaitsev
Vassily Zaitsev
15 anos atrás

Pena que sejam tão poucos. O modelo L118 Light Gun é uma arma de bom desempenho, mesmo para os dias atuais. E, olha que em 1982, já causava “baixas” no Exército Argentino, quando 17 dessas peças foram tramsportadas pela Royal Navy para o T.O. do Atlântico Sul.

Acho desperdício de dinheiro gastar alguma coisa com uma eventual repotencialização dos M-101 ou M-114. São muito antigos, com pequeno alcance, pesados, e com cadência de fogo muito pequeno. Apóiaria a compra de obuseiros novos. Variedade é o que não falta.

Daniel Camilo
Daniel Camilo
15 anos atrás

Caro RL Foram adquiridas 18 peças, sendo válido ressaltar que o Batalhão de Artilharia de Fuzileiros Navais, no dia 19 de maio deste ano, realizou o teste da munição para o obuseiro L118 Light Gun no Centro de Avaliações do Exército (CAEx), localizado na Restinga da Marambaia. A munição foi fornecida pela empresa espanhola EXPAL, para que a Marinha do Brasil realizasse um teste de sua eficiência balística. A EXPAL, em parceria com a EMGEPRON, está desenvolvendo um programa de capacitação da Fábrica Almirante Jurandyr da Costa Müller de Campos (FAJCMC) para produção de munição 105mm, com alcance estendido. Esta… Read more »

joao
joao
15 anos atrás

Paulo,o sistema de controle de tiro,e o mesmo do EB Se chama “2-EYES”…rsrsrs.

gaitero
gaitero
15 anos atrás

Existe a possibilidade de comprar mais peças?
E quanto ao EB, existe em andamento algo que nos permita comprar ou produzir algo semelhante o melhor para substituir os atuais equipamentos?

Paulo Costa
Paulo Costa
15 anos atrás

Ok,joao,eu vi uma reportagem que o IME estava desenvolvendo
um sistema de controle de tiro computadorizado,e na foto
tinha um oto melara 105mm, do CFN,voce tem noticia deste sistema?

Vassily Zaitsev
Vassily Zaitsev
15 anos atrás

Gaitero,

sempre existe a possibilidade de se comprar mais equipamentos como esse. Só falta o principal: convencer a sociedade da necessidade desses meios.

Paulo Costa,

Oto-Melara??????? 105mm????????? no CFN?????????????????

gaitero
gaitero
15 anos atrás

São 17 no CFN, 22 no eb.

diego
diego
15 anos atrás

servi um ano 32gac e participei 3 campos de artilharia e nén um dos 3 tivemos esses resultados com o mesmo obuseiro L118
nao é medisfazendo do q aprendi más o q vale eo treinamemto.

VICTOR HUGO
VICTOR HUGO
15 anos atrás

MANDEM PARA MIM POR FAVOR, MATERIAIS FALANDO SOBRE O OBUSEIRO M114- 155MM, VULGO DINOSSAURO. ESTOU FAZENDO UMA MONOGRAFIA SOBRE ESTE OBUSEIRO E PRECISO COLHER O MÁXIMO DE INFORMAÇÕES SOBRE ESTE. DESDE JÁ AGRADEÇO A ATENÇÃO. VICTOR HUGO BENHAME SALES CADETE DA ACADEMIA MILITAR DAS AGULHAS NEGRAS.

Bruno
Bruno
13 anos atrás

VICTOR HUGO:
O obuseiro M114A1 tem peso de 5800kg, cano de3,7 metros com ajuste de elevação de -2 a +65 graus, alcance de aproximadamente 14000 metros e é guarnecido por 12 militares: 10 serventes, um chefe-de-peça e um motorista.Atualmente está em uso no Corpo de Fuzileiros Navais, mas está em processo de desativação, devido a falta de peças de manutenção ( o projeto tem 70 anos de idade!)Espero ter ajudado (y)

Uitinã
Uitinã
13 anos atrás

deveria ser adquirido pelo exercito também pra substituir os m-111.

taguázades
taguázades
13 anos atrás

conheci este site hoje, 28/11/2010; é muito interessante.não entendo de armas ; apenas gostaria de perguntar o que todas essas armas significam em termos práticos numa guerra.