Home Armas de Fogo Exclusivo: O Fuzil IMBEL IA2

Exclusivo: O Fuzil IMBEL IA2

9361
294

Conseguimos com exclusividade as fotos do novo fuzil IMBEL IA2. Esse fuzil tem a “missão” de substituir o FAL nas unidades do Exército Brasileiro e tudo indica que também irá substituir os fuzis G33 da Força Aérea, além dos FAL e M16 da Marinha e Corpo de Fuzileiros Navais. O fuzil IMBEL IA2 fará uso de polímero no guarda-mão, punho e coronha.

Principais características:

  • Família de fuzil em 2 Calibres: 5,56 e 7,62mm;
  • uso de polímero no guarda-mão, punho e coronha;
  • a luva isolante (em cor avermelhada) entre o cano e o guarda-mão podendo ser vista na imagem de detalhe do cano do 5,56. A luva também está disponível no 7,62;
  • os zarelhos para fixação de bandoleira do 5,56 diferente do 7,62. Neste último, o zarelho é rotativo e preso no cano. No 5,56, é preso junto ao guarda-mão e localizado em ambos os lados do corpo da arma (em forma de borboleta);
  • os trilhos Picatinny para fixação de acessórios diversos;
  • a coronha do 5,56 (foto com detalhe) retrátil e rebatível;
  • nova ergonomia do punho com um ângulo bem diferente do usado no FAL e PARAFAL;

IA2 762

IA2 556

Detalhe da Coronha 5,56

BATE-PAPO ONLINE: Converse com outros leitores sobre o novo fuzil IMBEL no ‘Xat’ do ForTe, clicando aqui.

294
Deixe um comentário

avatar
294 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
121 Comment authors
Mmunhozex5bisMarcelorafaelBitencourt Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Jakson Almeida
Visitante
Jakson Almeida

Ainda parece um reaproveitamento do fal,parafal e do md-97,cade a modularidade, olhem um detalhe simples que a Imbel esqueceu a capacidade de operação ambidresta.

Vader
Visitante
Member
Vader

Pow, mas então na verdade são dois fuzis? Pergunta 1: FERROLHO ROTATIVO? Pergunta 2: LANÇADOR DE GRANADAS? Pergunta 3: REGIME DE TIRO “BURST”? IA2 762: Não gostei. É um FAL melhorado e dá pra se notar que o conjunto-ferrolho é o mesmo. Não mantém a mesma ergonomia do 556, nem alguns avanços como o trilho picatini até a alça de mira (no comprimento todo da arma). Detestei especialmente o conjunto alça/maça igualzinho ao do FAL e os zarelhos rotativos. Pelo menos incorporou uma tampa da caixa da culatra com trilho picatini (coisa dificíííííílima de fazer, aliás). Mas no aguardo de… Read more »

Edilson
Visitante
Edilson

Parabéns aos colegas do Forte pela exclusiva matéria. A Arma é linda especialmente a 556, o fuzil e moderno e atualizado ao contrário do que pensam os críticos de almanaque. Feito em polímero de lata resistência trilhos picatini entre outras propriedades presentes em apenas meia dúzia de fuzis da atualidade. criticar é fácil, basta ser do contra, e não saber nada do que fala, nem tão pouco procurar saber, mas esta posição é confortável, difícil é realmente entender do que fala e falar com propriedade. Para a Imbel e para os colegas do Força terrestre, os meus parabéns, deixa a… Read more »

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

O 762 parece ser uma modernização do FAL. Vamos ver agora a questão de confiabilidade, que é o que interessa. Se o 762 utilizar um mecanismo diferente do FAL já vai ser um avanço.

Invincible
Visitante
Invincible

Bonito o Fuzil,

Que bom que o Brasil está andando sozinho…

le
Visitante
le

Valeu… muito bom,mas ainda podemos melhorar,e quastao de tempo,temos que ter paciencia sds

ezeca
Visitante

Família de fuzil em 2 Calibres: 5,56 e 7,62mm;
bom começo.
mais ta bonito111
o belezaaaa…

ezeca
Visitante

so faltou uma foto dela de perfil com a corronha retraida.

Wellington Góes
Visitante

Cinquini, meus parabéns pelo ‘furo’ de reportagem!!!

Cinquini
Visitante
Cinquini

É, se não fazem reclamam e quando fazem reclamam também. Sobre os carregadores, a versao 556 poderá usar qualquer tipo de carregador 556, até os de plástico transparente, mas vai do cliente comprar ou não. Como isso gera custo, eu acredito que vão continuar operando com os carregadores de metal tradicional mesmo, o que pra mim é mais do que normal. Só queria deixar um recadinho aqui, não esqueçam que quando vocês criticam o fuzil vocês estão criticando também o trabalho de várias pessoas que passam a vida se dedicando ao estudo e trabalho e tenho certeza que o desenvolvimento… Read more »

Francisco AMX
Visitante
Francisco AMX

Bonito!

Não é muito a minha “praia”, mas lembro que a Inglaterra trocou seus FAL com ressalvas… mei que torcendo o nariz, não foi isso?
se sim, um fuzil que seja um aperfeiçoamento do FAL, modernizando-o, mas mantendo a robustez e confiabilidade do sistema de tiro, não seria uma boa?
ainda mais se neste empreendimento tivesse 2 versões do “novo FAL” em calibres 5,56 e 7,62?
penso que sim, mas. como disse, não é minha praia…

Sds!

Vitor
Visitante
Vitor

Nao reinventaram a roda. Melhoram o que tinhamos e utilizaram materiais novos =] Como sempre trabalhamos no Brasil pensando sempre no custo beneficio.

Vader
Visitante
Member
Vader

Galante disse:
11 de agosto de 2010 às 17:32

Ow Galante, foi uma crítica construtiva, no geral eu gostei sim. Tá de parabéns a IMBEL, me surpreendeu, eu realmente achava que daquele mato não saía mais cachorro. A se confirmar boas características operacionais, retiro algumas das coisas que disse de tal “empresa”.

E se se pensar bem, faz bem o EB em manter o PARAFAL, agora melhorado.

Mas fiquei especialmente contente com o IA2 556.

Abs.

Leandro RQ
Visitante
Leandro RQ

Eu gostei!!

Como admirador do FAL, fico feliz em ver uma “evolução” dele. Acho que o IA2 762 pode substituí-lo a altura.

Já sobre o IA2 556 concordo com o Vader: “Bela arma, belo desenho, simples, moderno e funcional”.

Resta saber quais os planos do EB.

Será que o IA2 556 será o “fuzil padrão” da tropa?

Ou vão manter o calibre 7,62 como o “pé de bode” do EB e o 5,56 vai ser utilizado apenas pelas tropas de elite?

Duvidas que só o tempo vai responder…

Parabéns ao Cinquini e ao pessoal do ForTe pela rapidez em conseguir informações.

Vocês mataram a pau!

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Cinquini, é possível o 7,62 suar a coronha desenvolvida para o 5,56?

Sopa
Visitante
Sopa

Concordo com Vader,

IA2 776, é um FAL melhorado, mas o 556 ficou show de bola por fora, vamos aguardar por dentro como será !!

Mas no geral, muito bom mesmo essas novas mudanças no armamento.

sDs,

Latino
Visitante

Bonito fuzil ,,ainda pode sofrer mudanças ou ja é o prototipo definitivo ?

sds

ezeca
Visitante

sera q o topico vai bombaaaa……

Skuda
Visitante
Skuda

PESO, isso é o que MAIS me importa agora….

depois… isso atira molhado? se precisar mergulhar com ele, ele volta a funcionar???

e o PESO? PESO?

Cinquini
Visitante
Cinquini

Clésio Luiz,

Acredito que sim, vou ver com a minha fonte e te respondo com certeza.

Abração

Cinquini

Falken666
Visitante
Falken666

De todo modo, vejo como uma evolução, a confiabilidade do nosso FAL para uma arma mais moderna e eficiente.
A única ressalva é que espero que o peso tenha diminuído bastante, é esperar pra ver.
Parabéns pelo furo pessoal…

Bluejacket
Visitante
Bluejacket

Não acho que o 7,62 é um FAL melhorado, ele dá essa impressão por sua coronha ter um design igual ao do FAL.

victor martins
Visitante

Qual vai ser ussado pelas tropas o 762 ou 556..? oO

agradeço desde já.! ^^

MA
Visitante
MA

Caramba, foram fundo na reportagem investigativa. Bom trabalho!

Parece coisa boa ein. Boa parte em polímero, trilhos picatinny, coronha rebatível. “Ah, mas parece só uma modernização do FAL” E precisa de mais que isso? Está excelente como substituto do veterano nas nossas FFAA, estou satisfeito.

Vader, salvo engano o M203 pode ser instalado diretamente nos trilhos picatinny. E a ação no FAL é muito mais complexa que a por ferrolho rotativo, logo creio que não seria tarefa complexa produzir um fuzil com ação por ferrolho rotativo. O MD-97 já o possui.

Perdoem se falei besteira.

Parabéns pela matéria.

quatzy
Visitante
quatzy

FAL com maqueagem…

Fernando D. Cabral
Visitante
Fernando D. Cabral

O 7,62mm, desde que com um carregador mais “parrudo”, talvez possa fazer as vezes de uma MINIMI; será que o cano aguenta fogo sustentado? Se for possível, penso que teremos uma solução mais econômica, portanto viável para ser implementada para o E.B., considerando que núcleos de excelência… bem… são núcleos de excelência.

Marcelo Souza
Visitante
Marcelo Souza

Parabéns pela matéria!!!!
Acho que o momento atual é de acreditar no nosso potencial produtivo. Torço muito pra que nossas forças armadas adotem o fuzil o mais breve possível.

J. Claro
Visitante
J. Claro

Parabens ao FORTE por nos brindar com tamanha beleza.
Certamente foi um grande acerto, a definição de duas
versões, sendo uma em cal. 5.56 e outra em cal 7.62.
Agora estamos à espera de notícias quanto à sua funcionalidade. Uma coisa eu tenho certeza, ele foi
torturado no campo de provas da Marambaia e se foi aprovado, é porque passou em todos os testes.

Abraço a todos

Colt
Visitante

Se o avião tem belas linhas provavelmente voa bem.
Seguindo essa máxima, esse fuzil deve ser extremamente eficaz como arma da infantaria. O bicho tem cara de que nasceu pra isso!
Muito bacana mesmo!
Sugerindo… fico no aguardo de um teste da arma pelo pessoal do Forte, nada como as impressões de um especialista no assunto para podermos saber do que esse fuzil é capaz!
Aliás … qdo o Rafale chegar, um teste exclusivo do pessoal do Aéreo seria bem vindo. Afinal o Aereo já tem história e tradição para realizar um teste desse tipo.

Leamartine Pinheiro de Souza
Visitante

Na penúltima LAAD, tive a oportunidade de disparar a pistola 380 da Imbel e não gostei do fato do gatilho não ter aquela parada antes do disparo, o seja, o atirador nunca sabe quando acontecerá o disparo, como acontece na pistola Beretta.

Se estes fuzis seguirem o mesmo princípio, os atiradores não terão a oportunidade de aproveitar aquele lapso temporal em que a mira é perfeita, pois, não terão condições de utilizar o disparo durante o referido lapso temporal.

Alguém saberia me informar como funciona o tempo de disparo nos gatilhos destes fuzis ?!!

Galileu
Visitante
Galileu

AEWW

uma imagem boa da criança, valew Forte!

Capricharam no 5.56 o que pra mim será o padrão do EB, mas por “via das dúvidas” mantiveram o 7.62 , assim alegra Gregos e Troianos. O 7.62 é um para-fal com placa do guarda mão diferente e algumas melhorias internas talvez o ferrolho e etc..

Fica claro pra mim, a intenção do EB em investir no 5.56 e manter o 7.62 sem ter tantos CUSTOS.

Aewww to feliz, muito bem feito esse 5.56!!!

Leamartine Pinheiro de Souza
Visitante

Outra informação que não ficou definida, é qual a capacidade dos pentes destes fuzis, alguém saberia informar ?!!

Jakson Almeida
Visitante
Jakson Almeida

Galante, Cinquini: A questão aqui não e se não tem reclamam ou se fazem reclamam. Vamos ao exemplo pratico da Alemanha onde eles pegaram toda experiência anterior e desenvolveram um Fuzil de assalto do zero criando o G-36 que simplesmente foi e é uma referencia de fuzil de assalto ate hoje mesmo diante dos fuzis modulares de 5ª geração, um outro belo exemplo é o KC-390 onde a Embraer havia proposto um projeto tendo como base o EMB-190 depois de ter sido analisado pela FAB que propôs que o desenvolvimento do projeto se iniciasse do zero, a Imbel podia ter… Read more »

Galileu
Visitante
Galileu

Tem alguém aqui que ainda acha que o EB vai adotar o 5.56 como cal. padrão??

Claro que essa adoção será em passos de tartaruga, mas mesmo assim será!

marlos barcelos
Visitante
marlos barcelos

O fal é um fuzil robusto e bastante preciso, muito mais confiável que os m-16. Se conseguirmos melhorá-lo, para torná-lo preciso em tiros de rajada, e mais leve, tenho certeza que será um dos melhores fuzis do mundo. O exército treina tiros de fal, sem uso de lunetas ou algo parecido, para se atingir alvos em 200 metros de distância, e conseguem atingir o alvo, isso sem ser atiradores de elite, soldados comuns, imaginem um fuzil dessa precisão sendo mais lev, robusto e mantendo a precisão com rajadas.

Joker
Visitante
Joker

Minha area não é o forte, fico + pelus aviauns…

Ms tenho que reconhecer que IA2 556 ficou show no design e talvez na funcionalidade, ms por foto num dá pra dizer muita coisa…

Parabenizar o Cinquini, a fonte dele e a todos do projeto, pq pra mim que sou leigo ficou show!!!

CQueiroz
Visitante
CQueiroz

Caros colegas, talvez eu possa informar algo a todos: #1: O Fuzil IA2 7.62 é a arma final do processo já iniciado de reforma e retrofit de todos os FALs do EB, onde o mesmo será a arma distribuida para os soldados em geral onde os mesmos não requeiram algo tão especifico, mas mantendo a mesma robustes e caracteristicas boas do velho e confiavel FAL, mas com menor peso, menor tamanho. #2: IA2 5.56 é uma evolução muito grande do MD97, que foi avaliado em campo e suas deficiencias foram revelados durante o uso com a tropa(Força Nacional, PMs e… Read more »

Galileu
Visitante
Galileu

Fala aew Cinquini,

ficou TOP o 5.56, estava esperando bem menos que isso!

Ramasses
Visitante
Ramasses

Parabens a IMBEL . Belo Fuzil .Realmente impreciona pela capacidade de defesa e ataque desse armamento . Particularmente o “1A2 556” é bem mais cômodo no que diz respeito a coronha retrátio, Eu creio que ficaria bem mais possante na versão 1A2 o calibre “7,62” ,ainda porque Eu já li a respeito que o pessoal de selva prefere calibres mais potentes e se não me engano ditas por um oficial de selva . Só espero que não demore na fabricação em escala ” séries” . Mesmo ainda funcionando os fuzis antigos já estão bem ” velhinhos” . Nossas Tropas precisam… Read more »

OTAVIO
Visitante
OTAVIO

Uma simples observação : Trilho debaixo muito curto

Do mais tá luxo (5,56),já o 7,62 tá muito ”simprão”,pelo que vi superficialmente estão tentando reaproveitar peças do FAL

Ainda prefiro o Magpul 6,8mm

Mas aqui é Brasil néh !

Jakson Almeida
Visitante
Jakson Almeida

Uma duvida a designação é Imbel I(i)A2 ou Imbel 1(um)A2.

tomas
Visitante
tomas

Parabéns pelas fotos e matéria.
Vamos ver se agora vai!

José
Visitante
José

1) Os comentários me parecem equivocados quando falam que o 7,62 é um sucessor do PARAFAL , quando pelo que se ouve ele tem a mecânica totalmente diferente, tal como o ferrolho rotativo.
2) Qual a diferença entre esse fuzil e o SCAR?

DV
Visitante
DV

Brasil!

zmun
Visitante
zmun

Primeiramente, meus parabéns para aqueles que deram esse furo!!! Muito bom mesmo Comentários: A foto do cartaz enganou um pouco. Dava a impressão que fosse algo melhor. Imagino que tenham resolvido os problemas de confiabilidade do MD97 (carregadores que podem cair, segundo um amigo meu policial) e dado uma roupa nova, com trilhos e nova coronha, só. O 762 é um PARAFAL com trilhos. Você pode por um capô de Audi A3 em cima de um chevette. Isso não muda o fato de o carro continuar sendo um chevette. Sou estudande de engenharia química, espero que minha geração seja melhor… Read more »

Cinquini
Visitante
Cinquini

Jakson, to achando que vc trabalha na empresa concorrente da Imbel rsss

joao
Visitante
joao

Marlos: Onde vc viu isso? Soldados do EB atirando a 200m, e ainda sem lunetas? Tenho amigos no CFN (e lá eles atiram a 200m) que contaram que caçadores do EB se orgulhavam de acertar um alvo a 75m.
Sobre os novos fuzis brasileiros, dá pra se perceber a clara tendência em direção aos 556. Resta saber se nossas FA poderão adota-lo como padrão, por questões orçamentárias.

Tito
Visitante
Tito

O IA2 556 ficou show, e o IA2 762 realmente tem cara de um FAL melhorado, o que na minha visão é ótimo.

Parabéns ao Forte pela matéria.