domingo, julho 25, 2021

Saab RBS 70NG

Bernardini: do Ipiranga para a OTAN

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

Desvendando o passado rescente da indústria bélica brasileira não é difícil concluir que a mesma atingiu um patamar bastante elevado no final da década de 1980. E tudo isso começou com passos não muito grandes. Na área de blindados a Bernardini, uma empresa com longa tradição na fabricação de cofres, fechaduras e móveis para escritório, começou o seu aprendizado modificando veículos do EB da época da II Guerra Mundial. Sua capacitação permitiu que a mesma participasse inclusive de concorrências da OTAN. Isto pode ser conferido na reportagem abaixo, publicada pela revista ISTO É em setembro de 1983 (exatos 25 anos!). Lembranças como estas devem ser resgatadas para que a nova geração tenha conhecimento do que a indústria bélica brasileira foi capaz de fazer, mas não conseguiu dar continuidade.

- Advertisement -

6 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
João-Curitiba
João-Curitiba
12 anos atrás

Principalmente nos EUA o governo subsidia, mesmo que disfarçadamente, sua indústria de defesa. Quando da última crise aérea, o governo daquele país anunciou uma encomenda à Boeing, para que ela não parasse a produção, caso as encomendas das empresas aéreas fossem canceladas. Defesa lá é tratada com toda a seriedade. Existe até mesmo a Universidade de Defesa Nacional. Eles sabem que a sobrevivência do seu país depende disso. E o progresso também. Infelizmente aqui só subsidiamos políticos e empresas a eles ligadas. Não interessa à classe política (nem todos, claro) que o povo prospere, porque daí vão começar a questionar,… Read more »

Roberto
Roberto
12 anos atrás

bons tempos…

RL
RL
12 anos atrás

O que me deixa preocupado com noticias assim, advindas de épocas passadas e não muito distantes, é exatamente esta inconstância por parte de nossas industrias, sejam do setor bélico ou não. Altos e baixos que como bem fala o amigo João de Curitiba, não têem consistência, justamente por falta de apoio governamental. Ao contrário do que acontece em outros paises que possuem uma visão mais ampla e estratégica deste segmento. Hoje, estamos vivendo novamente em meio a noticias que são formidaveis, que nos permitem criar uma grande expectativa quanto ao renascimento de nossas indústrias bélicas. Quem nos garante que daqui… Read more »

Walderson
Walderson
12 anos atrás

João e RL,
PERFEITO os raciocínios.

Sds.

CorsarioDF
CorsarioDF
12 anos atrás

Sintetizaram tudo aí em cima meus amigos, não tenho mais nada a dizer.

Zuavo
Zuavo
12 anos atrás

Lembrei-me dos tanques X1A e X1A1 (Carcará), nunca vi uma reportagem sobre ambos. Sei que foram utilizados em algumas unidades no Sul. O X1A utilizava o chassis do Stuart M3 e o X1A1, o do Sherman M4. Este último teve uma variante o X1A2, com um 90 mm Cockeril (o mesmo do Cascavel).
Por favor, façam uma reportagem sobre esses tanques. Nunca, repito, li uma reportagem citando ambos. Só no início dos anos 80.

Últimas Notícias

1ª Brigada de Infantaria de Selva é certificada como Força de Prontidão

BOA VISTA (RR) – No dia 23 de julho de 2021, a 1ª Brigada de Infantaria de Selva –...
- Advertisement -
- Advertisement -