Home Noticiário Internacional Tropas alemãs ficarão baseadas na França

Tropas alemãs ficarão baseadas na França

120
11

tropas_alemaes

Pela primeira vez desde o fim da II Guerra Mundial, tropas alemãs serão posicionadas em território francês, como parte de um projeto de reconciliação militar entre os dois países vizinhos. A estratégia, que deve ser anunciada oficialmente no próximo final de semana, tem forte significação simbólica, uma vez que França e Alemanha trazem um passado repleto de animosidades.

De acordo com a medida, um batalhão de 450 a 800 soldados será posicionado na Alsácia ou na Lorena, perto de Strasbourg. Essas regiões, que hoje pertencem à França, foram disputadas por ambos os países ao longo da história. Foi também na região da Lorena, mais especificamente em Verdun, que aconteceu uma das batalhas mais sangrentas da I Guerra Mundial, justamente entre alemães e franceses.

O posicionamento das tropas alemãs é o mais novo capítulo de um plano de reconciliação criado 20 anos atrás pelos dois países, que já possuem uma brigada binacional com 5000 membros. Nas últimas décadas, seus soldados atuaram em missões conjuntas na Bósnia, Kosovo e Afeganistão.

Tropas franco-germânicas também tem permanecido nas cidades alemãs de Donaueschingen, Muellheim e Immendingen, mas, recentemente, para preencher uma necessidade doméstica, a França anunciou sua retirada. O anúncio oficial da base alemã deverá ser feito no final de semana, quando a chanceler alemã, Ângela Merkel, e o presidente francês, Nicolas Sarkozy, irão se encontrar em Munique.

FONTE: Revista Veja

11
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
LeoPaivaIvanDaGuerraPatriotaNoel Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
João-Curitiba
Visitante
João-Curitiba

Isto equivale a tropas argentinas estacionarem no Chile ou vice-versa.

Marine
Visitante
Marine

Que lindo! E qual o proposito militar disso? Parece um ato de “feel good” forcado nas tropas por politicos…bem vindos a era de political correctness…

Marine
Visitante
Marine

As vezes o pessoal desse batalhao podem segurar as maozinhas juntas e todos cantarem….”Imagine all the people…” rsrsrsrs

Nunão
Visitante
Nunão

É a velha história, uns entregam a baguete, outros entram com a salsicha…

Noel
Visitante
Noel

Deviam chamar os britânicos e italianos e montar um circo.

Patriota
Visitante
Patriota

karamba vcs são crueis rrsrsrsrsrs

DaGuerra
Visitante
DaGuerra

Essa balela vai virar moda e logo teremos algum idiota esquerdista propondo a mesma palhaçada internacionalizadora aqui por estas bandas. Logo teremos em território brasileiro as tranqueiras cucarachas.

João-Curitiba
Visitante
João-Curitiba

DaGuerra

Já foi comentado, muito de leve, de um exército sul-americano. A Aliança de Defesa da América do Sul pode ser o primeiro passo.

DaGuerra
Visitante
DaGuerra

Tem que avisar bem às tropas francesas, do contrário, ao avistarem os hunos, já estarão se entregando imediatamente.

Ivan
Visitante
Ivan

A idéia principal é formar uma força militar europeia.
O problema é que cada país tem seus interesses – sempre ele – comerciais no mercado de armamento e suas doutrinas diferentes na constituição de suas forças armadas.
O infante francês vai armado de FAMAS e o alemão de HK G-33 ou mais moderno. Ambos os fuzis são calibre .223 ou 5,56mm; mas, fora isso, seus carregadores de munição são diferentes e NÃO intercambiáveis.
Imaginem o resto: Leo X LeClerc; Typhoon X Rafale; Boxer X VBC e por aí vai.
Integração vai demorar um “bocado”.

LeoPaiva
Visitante
LeoPaiva

DaGuerra,

Essa foi boa, realmente os soldados franceses têm que ser bem informados sobre essa operação, senão vão pensar que é uma invasão e vão se render rapidinho, não ficaram com uma fama muito boa depois da IIGG, e depois que um boato pega pra criar outra imagem leva tempo…

Mas, isso me parece apenas uma ação política, de pouco valor militar propriamente dito, um mero intercâmbio com objetivo reconciliador entre países com um passado belicoso, fazer operações conjuntas também deve fazer parte desse plano reconciliador. Criar laços de amizade com vizinhos poderosos é sempre bom.