segunda-feira, dezembro 6, 2021

Saab RBS 70NG

War, what is it good for?*

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

*Guerra, para que serve isso?

Conflitos dificultam renovação econômica dos EUA.
Iraque e Afeganistão podem ser considerados fiascos.

Bob Herbert, do ‘New York Times’

O cantor Edwin Starr, falecido em 2003, teve uma música de grande sucesso em 1970 chamada “War”, na qual ele perguntava várias vezes: “Guerra, para que serve isso?”

A economia americana está em queda livre, o sistema bancário está num estado de colapso total e americanos por todo o país estão moderando seu padrão de vida. O país, como o conhecemos, está desaparecendo diante dos nossos olhos. Todavia, ainda despejamos bilhões de dólares em guerras no Afeganistão e no Iraque, com missões que ainda não conseguimos definir.

Mesmo com os Estados Unidos planejando reduzir o comprometimento das tropas no Iraque, eles continuam enviando milhares de soldados adicionais para o Afeganistão. O objetivo estratégico dessa escalação, como reconheceu o Secretário de Defesa Robert Gates, não está nem um pouco claro.

Em resposta a uma pergunta no programa televisivo “Meet the Press”, da NBC, Gates disse: “Estamos conversando com os europeus, com nossos aliados; estamos trazendo muitas pessoas para obter diferentes pontos de vista à medida que revisamos nossa estratégia. Frequentemente me perguntam: ‘Bem, Por quanto tempo esses 17 mil soldados adicionais ficarão lá? Mais soldados terão de ir?’ Tudo depende do resultado dessa revisão de estratégia que eu espero que esteja concluída em algumas semanas”.

Fiascos

Nós invadimos o Afeganistão há mais de sete anos. Não derrotamos a al-Qaeda nem o Talibã. Não capturamos nem matamos Osama bin Laden. Nós nem temos uma estratégia de escalação, quanto mais uma estratégia de saída. Uma avaliação honesta da situação, considerando o governo afegão tragicamente corrupto e ineficaz, e liderado pelo infeliz Hamid Karzai, levaria inexoravelmente a termos como “fiasco” ou “atoleiro”.

Em vez de reduzir nossas perdas, aparentemente estamos redobrando nossos esforços.

Quanto ao Iraque, o presidente Barack Obama anunciou que retiradas de tropas substanciais irão ocorrer nos próximos 18 meses e que as operações de combate dos Estados Unidos irão cessar até o final de agosto de 2010. No entanto, ele disse, um grande contingente de soldados americanos, talvez uns 50 mil, ainda permaneceriam no Iraque por um “período de transição”.

Esse é um número alto de soldados, e o custo de mantê-los lá será enorme. Além disso, fiquei surpreso com o seguinte comentário do presidente: “Certamente haverá períodos difíceis e ajustes táticos, porém nossos inimigos não devem ter nenhuma dúvida. Este plano dá ao nosso exército as forças e a flexibilidade necessária para apoiar nossos parceiros no Iraque rumo ao sucesso”.

Preço cruel

Em resumo, ainda estamos comprometidos com esses dois conflitos por um bom tempo, e não existe nada como um plano escrito em pedra para concluí-los. Posso facilmente imaginar um cenário onde o Afeganistão e o Iraque aumentam a pressão e os Estados Unidos, presos num extenso desastre econômico doméstico. Nesta conjuntura, os EUA minam seus frágeis esforços de recuperação da mesma forma como as sociedades se autominaram desde o início dos tempos – com guerras infindáveis.

Já pagamos um preço cruel por essas guerras. Além dos milhares de membros do exército mortos, ou que sofreram ferimentos que os tornam obviamente incapacitados, um estudo elaborado pela RAND Corp. descobriu que 300 mil soldados estão atualmente sofrendo de distúrbios pós-traumáticos ou depressão. Além disso, 320 mil têm maior probabilidade de ter sofrido algum dano cerebral.

A revista “Times” relatou que “pela primeira vez na história, um número enorme e crescente de soldados americanos estão tomando doses diárias de antidepressivos. Os veteranos tomam a medicação para acalmar seus nervos agora tensos devido a períodos repetidos e duradouros de conflito no Iraque e no Afeganistão.”

O suicídio entre soldados aumentou em 2008, pelo quarto ano consecutivo. Grande parte dessas mortes foram atribuídas ao estresse do posicionamento estratégico das tropas. Acredita-se que 128 soldados tiraram suas próprias vidas no ano passado.

De joelhos

Muitos no país podem soltar um grito de revolta porque um banqueiro, ou um executivo da indústria automobilística, voa num avião particular. Porém, vamos enviar milhares de jovens rapazes e moças para excursões repetidas através do inferno do combate – três viagens, quatro ou mais – sem soltar um pio em protesto.

Lyndon Johnson, apesar de uma economia em expansão, perdeu sua proposta de “Great Society” para a Guerra do Vietnã. Ele sabia o que estava arriscando. Mais tarde, ele disse a Doris Kearns Goodwin: “Se eu deixasse a mulher que eu realmente amasse – a Great Society – para me envolver com aquela vagabunda da guerra do outro lado do mundo, então perderia tudo em casa. Todos os meus programas… Todos os meus sonhos…”

Os Estados Unidos estão economicamente de joelhos. Enquanto Obama luta por seus inúmeros programas domésticos e seu sonho de uma recuperação econômica, ele pode se beneficiar de uma olhada para o passado, para uma ligação entre o Vietnã e essas ruínas, ainda em chamas, da presidência de Johnson.

Fonte: G1 Foto: W.J. Pels-U.S. Navy, via U.S Army

Nota do Blog: como trilha sonora sugerida pelo colega Hornet (que também sugeriu a publicação desta matéria para discussão), clique no vídeo abaixo e ouça a música War, citada no texto. Os mais velhos provavelmente vão lembrar de uma versão com Tom Jones. Os mais novos talvez se lembrem de uma cena de filme de Jack Chan (todas fáceis de encontrar no Youtube). Já os que apreciam as imagens e a discussão histórica sobre a Guerra do Vietnã vão gostar mais de relembrar as cenas abaixo.

- Advertisement -

26 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
26 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Illimani
12 anos atrás

Acompanho os seus 3 blogs há algum tempo e não tive ainda a oportunidade de parabenizá-lo pela qualidade do seu trato dos assuntos de Defesa.
Sobre a estratégia de Obama de intensificação de ações no Afeganistão, acredito que tenha havido um balanço um tanto frio de custos-benefícios, em que o desmonte total do Taleban seja objetivo. Mas o articulista está certo: tem grandes chances de ser um atoleiro semelhante ao Vietnã. Eu discuto o assunto em um post no meu blog: http://geopoliticaedefesa.blogspot.com/2009/03/quarta-frota-e-as-novas-prioridades-de.html

Almeida
Almeida
12 anos atrás

Absolutely nothing.

Marine
Marine
12 anos atrás

Impressionante como o “New York Times” ainda e considerado no exterior como um jornal serio, imparcial e respeitavel…Aqui ele ja deixou de ser isso faz tempo… Com relacao a musica, realmente um classico hein Hornet! Hehehehe… Mas ha quem diria que em muitos casos se queres a paz, prepare a guerra ou que vigilancia eterna e o preco da liberdade…. Agora falando serio, nao quero defender guerra mesmo porque sou eu que tenho que lutar em uma, mas muitos dos avancos tecnologicos humanos vieram dos orcamentos de defesa e das corridas para a vitoria nos incontaveis conflitos da humanidade sem… Read more »

LeoPaiva
LeoPaiva
12 anos atrás

Que interessante, li essa reportagem hoje em outro site e pensei em recomendá-la aos editores do blog também, só que o Hornet foi mais rápido no gatilho. Concordo com o Marine, se esse jornal fosse imparcial e respeitável teria publicado essa matéria há tempos. Não sei a data da publicação mas achei um pouco tardia e medrosa a edição desse texto depois que o Bush deixou o poder, por que esse jornalista não publicou isso durante o mandato dele (Bush)? Medo do governo? Ou falta de personalidade e força do jornal? Jornal que se preza tem que criticar os políticos… Read more »

Aluisio
Aluisio
12 anos atrás

Deixa eu ver se entendi: o cara que escreveu o texto acha que os EUA devem se retirar das guerras que eles mesmos provacaram,sem se procupar com as consequencias disso para que o país possa se recuperar da crise econômica?
Malditos economistas hipócritas…

Hornet
Hornet
12 anos atrás

Marine,

pra falar a verdade, até ontem eu não conhecia a música e nem o compositor, fui atrás, procurar conhecer, por causa da citação do artigo e gostei. Sou fã de música música norte-americana, mas sou mais ligado a jazz e blues, como vc sabe.

Mas curti o balanço deste Soul…achei legal!

abração

Hornet
Hornet
12 anos atrás

Marine,

pra falar a verdade, até ontem eu não conhecia a música e nem o compositor, fui atrás, procurar conhecer, por causa da citação do artigo e gostei do som. Sou fã de música música norte-americana, mas sou mais ligado a jazz e blues, como vc sabe.

Mas curti o balanço deste Soul…achei legal! O Nunão me passou umas dicas de Soul music também… Mas ainda assim sou mais um Miles Davis…hehehe

abração

Hornet
Hornet
12 anos atrás

ops…travou aqui a rebimboca da parafuseta e mandei o primeiro post sem ter terminado…Marine, desconsidere a “primeira versão” do comentário…

Hornet
Hornet
12 anos atrás

Sobre o artigo do NYT, acho que o que está pegando mais é o aspecto econômico, é a crise mesmo. No entanto, uma notícia alentadora para a economia dos EUA, que acabei de ler no G1: “O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Ben Bernanke, disse neste domingo (15) que os Estados Unidos escaparam de cair em uma depressão, como a de 1929, e que a recessão “provavelmente” termine no final deste ano. Em uma entrevista ao programa “60 Minutes” (60 Minutos), da emissora de TV “CBS”, Bernanke afirmou que a chave da recuperação “é o… Read more »

Marine
Marine
12 anos atrás

Hornet,

Miles Davis e “supimpa” mesmo! hehehe

Com relacao a crise, eu ainda acho meio precoce afirmar isso que ele disse, mas ja que o cara e “o cara” no assunto quem sou eu pra contradizer a opiniao de um economista com o “resume” dele…

Mas concordo que a crise nao va virar depressao e que nao ira durar anos como alguns afirmam, tem muita gente que apenas quer ver os gringos no chao e deixam as opinioes pessoais influenciar as analises objetivas que deveriam estar fazendo.

Semper Fidelis!

Flamenguista
Flamenguista
12 anos atrás

Prá variar, tenho algumas questões aqui:
Porque a ocupação da Alemanha após a segunda guerra, se deu de forma digamos “tão fácil”?
Não havia resistência de rebeldes? O núcleo do poder saiu das sombras após a queda de Hitler? Haviam mais países envolvidos? Podemos fazer um paralelo entre as guerras de ocupação atuais?

Hornet
Hornet
12 anos atrás

Marine, eu aprendi com a prática que em economia é difícil, quase impossível, prever qualquer coisa. E aprendi também, observando, que a economia é a menos científica das ciências. Se vc segurar uma pedra e depois soltá-la, te garanto que ela cai. Não adianta fazer pensamento positivo pra ela não cair, reza, mandinga etc. Ela cai. A lei da gravidade não se preocupa com “pensamentos positivos ou negativos”…hehehe Já no caso da economia é diferente. A economia é a única das “ciências” que “acorda de mau humor”, que tem “febre”, que “sente efeitos” etc. Já percebeu isso daí? Ao menos… Read more »

Hornet
Hornet
12 anos atrás

Marine,

um off-topic: a foto que o Nunão colocou para ilustrar o post me lembrou de algo. Te lembra algo também?

Não é igual, mas me lembrou…

Bem legal!!

abração

Marine
Marine
12 anos atrás

Hornet,

Perfeito seu comentario sobre a economia globalizada, ja comentei isso aqui tambem que hoje o mundo e como se fosse um grupo de alpinistas em um precipicio, se um escorregar e cair, leva todo mundo junto com ele.

Querer ver qualquer pais de grande porte, em especialmente qualquer uma das 10 maiores economias cair e cortar o proprio pulso pois todos os demais sentirao…

Com relacao a foto me lembrou sim de uma que ja vi….mas acho que a outra e melhor ainda….hehehe

SF!

Dalton
Dalton
12 anos atrás

Flamenguista ! Sua pergunta fez-me recordar uma conversa que tive com um ex-combatente alemao há muitos anos atras. Ele me disse mais ou menos o seguinte: “nós apenas queriamos fugir dos russos no final” O lado ocidental foi dividido em tres setores a principio, controlados por americanos, britanicos e franceses. Ele me contou que o setor americano era o preferido, até porque haviam aquelas rusgas entre alemaes franceses e britanicos, anteriores a primeira guerra mundial tambem, sem falar que as conveniencias, como comida e remedios eram superiores no setor americano. Entao…nao havia porque rebelar-se, pois, o lado ocidental os protegia… Read more »

Marine
Marine
12 anos atrás

Dalton e Flamenguista,

Boa analise mas tambem nao se esquecam que houve uma pequena resistencia de fanaticos nazistas tambem, conhecidos como “Werewolves” (Lobisomens) mas haviam ordens para que se fossem encontrados fossem executados sumariamente.

Alias essa e a unica forma de se acabar com uma insurgencia rapidamente antes que saia de controle. Esses metodos e outros foram utilizados nas “Guerra das Bananas” nos anos 20 e 30 e tambem nas Filipinas no comeco do seculo.

Vejam bem nao estou defendendo o metodo, apenas fazendo uma observacao que hoje seria inaceitavel o emprego de tais metodos.

Sds!

Dalton
Dalton
12 anos atrás

Muito bem lembrado Marine.

Alias se voce assistiu o filme ” O dossie de odessa ” eles mencionam os werewolfs.

Quanto ao filme nao achei grande coisa, mas um de meus atores favoritos o Maximilian Schell estava nele.

abraços

Virtualxi
Virtualxi
12 anos atrás

Espero que os EUA possar adentrar mais e mais profundamente o inferno. E para todo o sempre.

Marine
Marine
12 anos atrás

E cada um que aparece…Chega a ser engracado…Rsrsrsrs

Excel
Excel
12 anos atrás

“Espero que os EUA possar adentrar mais e mais profundamente o inferno. E para todo o sempre.”
Noooosssaaaaa !!! O que foi que os gringos fizeram a este rapaz???? rsrsrsrs …

Marine
Marine
12 anos atrás

Dalton,

Se vi o filme, ja nem me lembro…rsrsrs

Mas existem documentarios sobre o assunto por ai…Vale lembrar tambem que a Alemanha permaneceu ocupada por muitos anos assim como o Japao e ambos os dois claro tem bases americanas ate hoje em seu territorio.

sds!

Hornet
Hornet
12 anos atrás

Marine,

sem dúvida a outra foto é bem melhor…hehehe

abração

Massa
Massa
12 anos atrás

Hoje muita gente critica o modelo capitalista anglo-saxão, olhando a situação atual fica fácil dizer, mas fica aquela pergunta à todos, existe ou existirá outro sistema melhor? Graças ao capitalismo liderado pelos EUA, nos últimos anos o Mundo presenciou um crescimento economico não visto em décadas, houve realmente uma distribuição de renda à nível mundial, pois mais de 200 milhões de pessoas na China sairam da pobreza, países como Índia e Brasil estavam tbém crescendo. Senhores, qual sistema permitiria isso? É lógico que houve erros, todos nós sabemos disso, mas pensem, e se tivesse dado certo? Sei que não é… Read more »

Cinquini
Cinquini
12 anos atrás

Marine, antes de mais nada já irei começar meu post pedindo desculpas se por um acaso eu falar algo que vc nao concorde. Vou começar falando sobre a questão da crise mundial. Nós sabemos que se os EUA entrarem em depressão consequentemente entraremos também, entao eu não torço em nada para que essa crise continue. Um fato simples que podemos observar com essa crise é o câmbio do dolar em relação ao real, que antes da crise era bem menor e esse aumento na diferença do câmbio tras prejuízos enormes para a nossa economia. Sobre os gastos militares dos EUA… Read more »

Cinquini
Cinquini
12 anos atrás

Sobre a foto, de fato tenho uma aqui que ficou bem mais legal!!!
Podiam mandar pros editorers do Blog rsss

Abração

Cinquini

DaGuerra
DaGuerra
12 anos atrás

“How do you tell a Communist? Well, it’s someone who reads Marx and Lenin. … I love the smell of napalm in the morning …

Últimas Notícias

23° Esquadrão de Cavalaria de Selva recebe instrução sobre simulador da Viatura Blindada Guarani

Tucuruí (PA) – Entre os dias 23 e 24 de novembro, o 23° Esquadrão de Cavalaria de Selva (23...
- Advertisement -
- Advertisement -