Home Direitos Humanos Encontro entre Lula e Jobim para discutir plano de direitos humanos é...

Encontro entre Lula e Jobim para discutir plano de direitos humanos é adiado

89
3

vinheta-clipping-forteO encontro entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro Nelson Jobim (Defesa), no qual poderia ser discutido o polêmico 3º Programa Nacional de Direitos Humanos, lançado pelo governo no final do ano passado, foi adiado pelo segundo dia consecutivo.

A previsão era de que Jobim estivesse com Lula hoje durante uma reunião agendada com o ministro Alfredo Nascimento (Transportes). Segundo a assessoria do ministro da Defesa, a agenda foi cancelada a pedido da Presidência.

Ontem, no primeiro dia de trabalho após um descanso de dez dias, o presidente também não tratou oficialmente do plano com o ministro. O presidente não convidou Jobim nem o ministro Paulo Vannuchi (Direitos Humanos) para a reunião da chamada coordenação política, que reúne os principais ministros e discute os temas centrais do governo.

Interlocutores do presidente dizem que o encontro oficial com Jobim pode ocorrer até o final do dia ou até o fim da semana.

Segundo reportagem publicada hoje pela Folha, após críticas da Igreja Católica, o presidente Lula mandou rever o trecho pró-aborto previsto no decreto, alegando que ele não traduz a posição do governo.

De acordo com a Folha, pela nova redação, o texto deverá fazer uma defesa genérica do aborto, no contexto de saúde pública –para salvar a vida da mãe, por exemplo. Também haverá alterações na parte que trata da violação de direitos humanos na ditadura.

A polêmica sobre o Programa de Direitos Humanos teve início no final do ano passado, quando os comandantes do Exército, general Enzo Martins Peri, e da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, ameaçaram pedir demissão caso Lula não revogue o trecho do programa que cria a Comissão da Verdade para apurar torturas e desaparecimentos durante o regime militar (1964-1985).

Vannuchi, por outro lado, também ameaça entregar o cargo se Lula recuar no teor do programa. Em entrevista à Folha, o ministro disse que é “um fusível removível” no governo e pedirá demissão caso o texto seja alterado para permitir a investigação de militantes da esquerda armada durante a ditadura militar –como exigem Jobim e as Forças Armadas.

Ele condena a tentativa de colocarem no mesmo nível torturadores e torturados. Uns agiram ilegalmente, com respaldo do Estado, os outros já foram julgados, presos, desaparecidos e mortos, comparou o secretário, citando o próprio presidente Lula, que foi julgado e condenado a três anos (pena depois revista) por liderar greves no ABC paulista.

O plano também foi criticado pelo ministro Reinhold Stephanes (Agricultura), pela CNA (Confederação Nacional da Agricultura) e pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

Os militares classificaram o documento como “excessivamente insultuoso, agressivo e revanchista” às Forças Armadas, enquanto Vannuchi defende investigações de torturas cometidas por militares.

Lula está no meio do fogo cruzado entre a área militar e Vannuchi para decidir o que fazer em relação ao programa.

Crise

O foco da crise é o sexto capítulo do Plano de Direitos Humanos, anunciado por Lula no dia 21 e publicado no “Diário Oficial” da União no dia seguinte, com 180 páginas.

O capítulo se chama “Eixo orientador 6: direito à memória e à verdade”. Duas propostas deixaram a área militar particularmente irritada: identificar e tornar públicas as “estruturas” utilizadas para violações de direitos humanos durante a ditadura e criar uma legislação nacional proibindo que ruas, praças, monumentos e estádios tenham nomes de pessoas que praticaram crimes na ditadura.

Na leitura dos militares, isso significa que o governo do PT, formado por muitos personagens que atuaram “do outro lado” no regime militar, está querendo jogar a opinião pública contra as Forças Armadas.

FONTE: Folha Online

3
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
SoldierFelipe Cps Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Felipe Cps
Visitante
Member
Felipe Cps

Parabéns ao ForTe por levantar o tema. Tenho ciência de que este é um Blog de assuntos militares, mas vou pedir vênia para palrar um pouco mais amplamente sobre o tema. Amigos, a parte que toca diretamente às Forças Armadas no Decreto Presidencial é apenas uma pequena parte do descalabro todo. Quantos serão “punidos” se forem revistos os crimes praticados durante a ditadura? O Cel. Ulstra e mais meia dúzia de “agentes da repressão”? Ora, a maioria dos “agentes da repressão” que atuaram no período ou estão mortos ou no “bico do corvo”, bem diferente dos terroristas do período, que… Read more »

Soldier
Visitante
Soldier

Engraçado… Esses caras não têm mais o que fazer? Não passam de um BANDO DE REVANCHISTA E PERDEDORES!!! Esse Vanuchi por acaso esqueceu de Guararapes 1966 (atendado no aeroporto de Recife) em que 17 pessoas (todas civis) foram mortas por um atentado à bomba e mais de 50 ficaram feridas dentre os quais 20 sofreram imputações de seus membros inclusive mulheres, velhos e crianças? Essas vítimas por um acaso receberam indenizações milionárias como estão recebendo os “companheiros” do Cefalópode? O que ele queria? Transformar este país numa grande Cuba e mandar para o “paredon” mais de 100.000 pessoas já que… Read more »

Soldier
Visitante
Soldier

### ONDE SE LÊ imputações por favor leia AMPUTAÇÕES.

Me desculpem. Más essa Caterva me tira do sério…