quarta-feira, julho 28, 2021

Saab RBS 70NG

Brasil desistiu de mediar acordo com Irã, diz ‘Financial Times’

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

vinheta-clipping-forteO Brasil desistiu de tentar mediar um acordo com o Irã sobre seu programa nuclear, diz um artigo do jornal britânico “Financial Times” publicado nesta segunda-feira.

Segundo o “FT”, o ministro das Relações Exteriores brasileiro, Celso Amorim, disse ao jornal que o Brasil suspendeu a iniciativa de mediação depois que os Estados Unidos rejeitaram a proposta de acordo com o Irã costurada pelo Brasil e pela Turquia.

“Queimamos os nossos dedos ao fazer coisas que todo mundo disse que eram úteis e no fim concluímos que algumas pessoas simplesmente não aceitam um ‘sim’ como resposta”, disse Amorim ao jornal.

O chanceler brasileiro disse ainda ao “FT” que, se houver solicitação, o Brasil poderá voltar à mesa de negociações, mas que o país não assumirá uma “postura pró-ativa” na mediação.

“Um alto oficial do governo americano recebeu bem a notícia de que Brasília não vai mais se colocar à frente das negociações, face à decisão do Brasil e da Turquia de votar contra as sanções das Nações Unidas contra o Irã neste mês”, diz o “FT”, sem citar o nome deste oficial.

O oficial teria dito ainda que o Brasil não pode atuar como mediador porque o fato de ter votado contra as sanções do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) demonstra que o país não é neutro na questão. Ele argumentou ainda que o assunto deveria ser tratado pelos membros permanentes do Conselho.

De acordo como jornal, os comentários feitos por representantes brasileiros e americanos demonstram as “cicatrizes” deixadas nos dois lados pelas diferenças em relação ao Irã.

“Em uma indicação de que Brasil e Estados Unidos estão tentado superar suas dificuldades, Brasília decidiu não seguir adiante com a retaliação contra os subsídios americanos aos produtores de algodão, apesar de ter recebido luz verde da Organização Mundial do Comércio”, afirma o “FT”.

Mas, segundo o “FT”, o Brasil ainda se arrisca a irritar não apenas os Estados Unidos, mas também outros países, ao insistir que vai exportar etanol para o Irã.

A venda do combustível não está proibida segundo as sanções da ONU, mas qualquer suprimento para o setor de energia iraniano seria visto como violação ao espírito da resolução da ONU, afirma o jornal.

FONTE: BBC Brasil, via Folha de São Paulo

NOTA DO FORTE: mais uma vez a reputação do Brasil sai arranhada por outra trapalhada dos (ir)responsáveis pela nossa política externa. Quando é que nossos políticos vão aprender a não meter o nariz onde não são chamados? Quando é que vão aprender que retórica não basta para ter voz no cenário internacional? Sem o respaldo de um poder militar crível, o Brasil jamais será levado a sério pelos principais players internacionais.

- Advertisement -

6 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
V.T.G.
V.T.G.
11 anos atrás

Independente do resultado, eu vejo com bons olhos esse primeiro passo da diplomacia brasileira. É muito mais fácil manter-se da sombra e agir como uma vaca de presépio, o difícil é ter coragem de fazer o que nenhum outro teve. Alguns podem julgar como ato irresponsável, outros como um ato de rebeldia antiamericana. Eu vejo com bons olhos uma iniciativa de se quebrar os velhos paradigmas da diplomacia mundial. O mundo está mudando, há novos fatores que devem ser levados em consideração. Muita inocência brasileira? Não vejo como inocência, mas sim como um “alguém tem que ceder”. Alguém tinha que… Read more »

havam
havam
11 anos atrás

Mesmo sendo negada vale a pena ressaltar que o Brasil teve sucesso onde os grandes falharam.
Conseguiu firmar um acordo que poucos dias antes era considerado impossível. Veja bem que o acordo era o mesmo oferecido pelos americanos, com a diferença de o deposito ser sobre guarda conjunta e em um pais árabe.

Vader
Vader
11 anos atrás

Desistiu tarde. Agora o maior fiasco da diplomacia brasileira em todos os tempos já aconteceu. Agora o país já tomou o verdadeiro “paaaaassa moleque” das grandes potências mundiais, que colocaram a diplomacia da República Bolivariana do Brasil onde ela merece estar: lá na bandeira de escanteio… Enfim, um tapa na cara da diplomacia de “novo-rico” que quer aparecer, de “cachorrinho resmungão e chorão” como bem definiu, s.m.j., o New York Times. Vergonha eterna para a nação, para gáudio da caterva internacionalista vermelhuxa, composta em sua imensa maioria por quinta-colunas e traidores da pátria de marca maior, a soldo de Chavez… Read more »

athalyba
athalyba
11 anos atrás

A matéria trata do desdobramento natural dos acontecimentos, nada para se destacar. Vamos ver quais serão os próximos passos, já que diplomacia não um jogo que se entenda logo após o término da partida. A opinião do ForTe e de certamente a maioria de seus leitores não leva isso em consideração, ou se leva, tende superestimar o caráter geopolítico da maioria dos atores e deificar o caráter ianque. Paciencia. Mas chama atenção a incapacidade de entender que hoje, imagem e percepção são ativos importantes num mundo fortemente relacionado com a comunicação. O fato de “meter o nariz onde não fomos… Read more »

ditongo
ditongo
11 anos atrás

Quais os critérios que se adota para determinar se uma política externa exercitada por uma nação é boa ou má? Tem que saber disso antes de emitir opiniões. A quem interessa dizer que a politica externa brasileira esta aranhada no cenário internacional? Aranhada perante quem? Perante a comunidade internacional? Não. Apesar de potencias terem se oposto ao acordo com o Brasil/Turquia x Irã. A liberdade de expressão ao mínimo foi exercida. Sabemos que o Brasil não dispõe de poder aéreo capaz de meter medo, nem faz uso dele para influenciar ou subjulgar país nenhum. Por isso não pode incentivar os… Read more »

Antonio M
Antonio M
11 anos atrás

Para começar, se o Brasil quer fazer parte do CS para isso precisa pagar um valor muito maior do que paga hoje à ONU e se formos chamadados para intervir, fazer parte de tropas de paz, colisões etc temos que aderir automaticamente e em qualquer parte do mundo, não se pode recusar. Para isso temos de ter tropas, armamentos e equipamentos que possam ser treinado e enviados para essas diversas situações. E a realidade mostra que mal podemos atuar no Haiti e as informações do blog ratificam a situação das armas com seus orçametos apertadíssimos. E de lado é esse… Read more »

Últimas Notícias

Taiwan testará mísseis Patriot III nos EUA

TAIPEI (Taiwan News) - Os militares de Taiwan em breve testarão mísseis Patriot III no White Sands Missile Range...
- Advertisement -
- Advertisement -