quinta-feira, agosto 5, 2021

Saab RBS 70NG

Dilma afirma que não haverá revanchismo contra militares

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

A presidente Dilma Rousseff (PT), na tentativa de acalmar os militares, que reagiram mal à escolha do ex-chanceler Celso Amorim para o Ministério da Defesa, reuniu na última sexta-feira os comandantes das Forças Armadas e disse não haver motivo para preocupações. Dilma pediu aos militares que mantenham a “normalidade institucional”, abriu um canal direto de relacionamento com eles e assegurou que seu governo não permitirá revanchismos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O encontro durou uma hora e ocorreu após a demissão de Nelson Jobim, que estava à frente do Ministério da Defesa desde 2007. A presidente fez questão de reunir o alto comando da tropa, pouco antes de viajar para a Bahia, com o objetivo de desfazer o mal-estar. Embora não tenha tocado no assunto diretamente, os militares entenderam que não haverá revisão da Lei de Anistia, que impede a punição de agentes de Estado que praticaram crimes contra os opositores do governo, como tortura, assassinatos e desaparecimentos forçados, durante a ditadura militar.

A demissão de Jobim

O ministro da Defesa, Nelson Jobim (PMDB), entregou sua carta de demissão à presidente Dilma Rousseff no dia 4 de agosto. Sua situação se tornou insustentável no governo após declarações dadas à revista Piauí em que teria considerado a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, “muito fraquinha” e dito que a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, “sequer conhece Brasília”. Jobim negou ter feito as críticas e disse que as informações seriam “parte de um jogo de intrigas”. Mas, segundo fontes, Dilma já havia decidido demitir o ministro caso ele não abandonasse o cargo por conta própria. Para seu lugar, a presidente escolheu o ex-ministro das Relações Exteriores Celso Amorim.

A situação de Jobim à frente da pasta já vinha se deteriorando por outras declarações à imprensa que geraram mal-estar no governo. Em uma entrevista, ele afirmou ter votado no tucano José Serra, principal adversário de Dilma, nas eleições presidenciais do ano passado. No início de julho, em uma cerimônia em homenagem ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) – de quem ele foi ministro da Justiça entre 1995 e 1997 – no Senado Federal, ele citou o dramaturgo Nelson Rodrigues dizendo que “os idiotas perderam a modéstia”. A fala foi interpretada como uma insatisfação do ministro com sua situação no governo. Mais tarde, contudo, ele disse que se referia a jornalistas.

FONTE: Terra

- Advertisement -

3 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
3 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

Isto deve ser reafirmado, não aos militares que estão cansado de sabe-lo, mas a um certo “povinho” por trás do tal do plano nacional de “direitos humanos”.

Observador
Observador
9 anos atrás

Enquanto o ex-líder, o “todo iluminado”, manda a turma da farda calar a boca e engolir o Amorim com barba e tudo, a presidente chama a cúpula militar para explicar a situação, tranquilizar a tropa e, humildemente, pedir apoio.

A cada dia que passa, fica mais evidente o despreparo do Lula para presidir qualquer coisa e a necessidade doentia de permanecer sob os holofotes.

Daqui a pouco, nem o bando de puxa-sacos do partido dele vai aturá-lo.

Isto mesmo Lula, continue assim.

Firme e forte rumo ao ostracismo.

Antonio M
Antonio M
9 anos atrás

Mas é um tanto óbvio que o nome de Celso Amorin iria despertar esse sentimento. Bastava escolher alguem melhor, simple assim, e agora Dilma corree novamente para comporizar e depois acalmar o PMDB e tantas outras coisas que não são governar para o país.

E lugar de ex-presidente é na “ex-presidência” …..

Últimas Notícias

Assessor de segurança nacional dos EUA viaja ao Brasil

Esta semana, o conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Jake Sullivan, viajará para o Brasil e Argentina, acompanhado...
- Advertisement -
- Advertisement -