Home Data Comemorativa Relembre como foi a Revolução de 32, que completa 80 anos hoje

Relembre como foi a Revolução de 32, que completa 80 anos hoje

734
5


Por Ricardo Bonalume Neto

São Paulo e Campinas sofrendo bombardeios aéreos; o porto de Santos bloqueado por navios de guerra; cidades dos vales do Paraíba e do Ribeira sofrendo ataques de artilharia e trincheiras repletas de soldados cavadas nas divisas do Estado. Tudo isso, hoje algo impensável, aconteceu faz 80 anos.

A Revolução de 32 não é um mero registro histórico. Foi algo que afetou milhões de pessoas e ainda assombra imaginações e o imaginário.

Na capital, os monumentos e os nomes de ruas e avenidas deixam isso claro. Na região próxima ao parque do Ibirapuera ficam tanto o Monumento às Bandeiras, do escultor Victor Brecheret, como o Obelisco Mausoléu aos Heróis de 32, de Galileo Ugo Emendabili. E aos locais se chega pela avenida 23 de maio, uma das datas importantes do movimento.

Ironicamente, a Fundação Getúlio Vargas fica próxima à avenida batizada com a data do início do levante, a 9 de Julho. Mas São Paulo continua sendo resistente a usar o nome do ditador. Não há o equivalente à importante avenida Presidente Vargas, do Rio, por exemplo.

Vargas foi quem provocou a coisa, afinal, com a derrubada do presidente Washington Luís, em outubro de 1930. Ele até foi bem recebido no Estado a caminho da capital, então o Rio de Janeiro. Mas logo começou a bater de frente com os políticos paulistas, saudosos do poder que tinham na República Velha.

Por exemplo, Vargas nomeou como “interventor” (no lugar do governador) o tenentista pernambucano João Alberto Lins de Barros.

Só em março de 1932 Vargas nomeou um interventor mais ao gosto dos paulistas, um civil e nativo do Estado, o diplomata aposentado Pedro de Toledo. Mas ao mesmo tempo o ditador quis mandar no comando da Força Pública (como era chamada a hoje Polícia Militar).

A Força Pública era um trunfo particularmente importante, pois constituía um verdadeiro exército em menor escala, dotada de armas como metralhadoras.

Os políticos e os militares envolvidos na conspiração contra Vargas foram ineptos. Deflagraram o movimento antes da hora, sem articular ações eficazes com potenciais revoltosos em outros estados, especialmente Minas Gerais e Rio Grande do Sul. São Paulo, com pequeno apoio de Mato Grosso, ficou isolado.

A melhor estratégia seria concentrar forças no Vale do Paraíba e rumar ao centro do poder, o Rio. Em vez de fazer isso, os líderes paulistas preferiram ficar na defesa.
Já a estratégia do ditador foi correta. Isolou São Paulo por terra e por mar, e diplomaticamente.

As principais frentes de combate estavam todas vinculadas a ferrovias e rodovias. É por isso que os famosos trens blindados foram tão importantes no conflito.

Os dois lados tiveram centenas de mortos. Não houve batalhas espetaculares; era mais razoável fugir ou se render do que lutar até a morte em uma guerra “entre irmãos”. Uma batalha podia ter dez mortos, 30 feridos e 400 prisioneiros.

Vargas venceu em 32, mas houve a Constituinte em 34 (que ele já tinha prometido antes da revolta). Os líderes paulistas foram exilados, mas por pouco tempo. Vargas deu um golpe de Estado em 1937, mas o legado de 32 permaneceu e foi importante no debate ideológico subsequente e que vem até hoje.

ESTUDOS

Em 80 anos, muita tinta foi usada para descrever a Revolução de 1932. É possível identificar pelo menos três fases.

Houve uma primeira onda de textos, principalmente de origem paulista (e incluindo livros de memórias), exaltando os ideais democráticos do levante; e em seguida uma leva posterior, de origem marxista, ressaltando a ideia de que tudo não passou de uma briga entre grupos da “classe dominante”, e sempre que foi necessário os “proletários” foram perseguidos.

Novos pesquisadores tentam entender o caráter multifacetado do evento, identificando uma participação popular inédita na história.

O historiador Marco Antonio Villa deixa claro que a “questão democrática” foi “a grande herança política da revolução, uma espécie de tesouro perdido, muito valioso, especialmente em um país marcado por uma tradição conservadora, elitista e antidemocrática”.

Exposição

“SP, 1932: 80 anos do Movimento Constitucionalista”
Quando: 09/07 a 02/10 (Tem início hoje mas depois ocorrerá apenas de terça a sábado)
Local: Arquivo Público do Estado de São Paulo, Rua Voluntários da Pátria, 576 – São Paulo
Entrada Franca.

FONTE: Folha Online

5
Deixe um comentário

avatar
5 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
Edson ParrofabioCrescentiVaderjoubertfreire Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
joubertfreire
Visitante
joubertfreire

A Revolução de 1932 é um Marco na história de São Paulo, 9 de julho é feriado no Estado, sou Paulista e essa data é cultivada nas escolas como magna de 4 herois Martim,Miragaia,Drausio e Camargo.levantamos contra um Caudilho e não tivemos apoio de outros Estados ( a história nos ensinada aqui em São Paulo diz qual é os 2 Estados) os Paulistas tem o maior respeito pelos MATOGROSENSES pois foram os unicos que ficaram conosco nesta Revolução Constitucionalista,mas pena que não deu certo…pois se tivesse dado certo quem sabe poderiamos ser um Pais melhor..

Vader
Membro
Trusted Member

Independente da política da época, sei dizer que minha avó, até hoje viva, se lembra dos bombardeios dos “vermelhinhos” na estrada de ferro Mogiana, aqui em Cps. O pai dela doou as alianças do casal para financiar o movimento. E eu tenho um amigo cujo avô lutou nesses combates, e que tirava sarro dos veteranos da segunda guerra, dizendo que esses caras foram “passear na Itália com os americanos”… 🙂 Para o povo de São Paulo, o levante foi uma resposta única na história brasileira do séc. XX. Para o restante do Brasil, São Paulo queria a “independência”… Essa é… Read more »

fabioCrescenti
Visitante
fabioCrescenti

Concordo com os 2 Amigos acima. Tenho orgulho de ser Paulista!!!!!

joubertfreire, qto aos 2 estados, nem é bom comentar, um tem até seu herói máximo cantado em verso e prosa pois era um traíra…. e fizeram o mesmo com os Bravos Combatentes.. trairagem.

joubertfreire
Visitante
joubertfreire

Valeu fabioCrescenti, isso espressado aqui com certeza é na sua grandissima maioria o sentimento dos PAULISTAS, sabe as vezes me dá nojo de quanto nós da Terra Bandeirante somos prejudicados em relação a outros estados, somos mais de 44% do PIB do Brasil, precisa juntar mais 25 estados para se concretizar o RESTO, tem estado que contribui 0,70% e assim vai, mas tem os mesmos 3 Senadores ,que SP tem no congresso, peso politico nosso é Zero, mas economico é grandioso……mandamos um treminhão de $$$ para Brasilia por segundo e eles nos mandam uma Brasilia Amarela,rss mas veja a coisa… Read more »

Edson Parro
Visitante
Edson Parro

“PRO BRASILIA FIANT EXIMIA”

Terra de Bandeirantes!

Vader 9 de julho de 2012 at 22:13

Meus sinceros parabéns pelas várias explanações sobre 1932.
Perfeitas observações.

Saudações CONSTITUCIONALISTA