terça-feira, agosto 16, 2022

Saab RBS 70NG

Assad perdeu apoio por fracasso no combate à oposição, não pela repressão

Destaques

Alexandre Galante
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Por Gustavo Chacra

O regime de Bashar al Assad, como se fosse uma organização mafiosa, conseguiu manter o poder e a estabilidade por quatro décadas porque uma série de pessoas e grupos eram beneficiados. Os militares, membros do Partido Baath e do círculo empresarial de Aleppo e Damasco eram e, de certa forma, ainda são literalmente o regime.

O brand “Assad” era o equivalente de “Corleone” do Poderoso Chefão. Abaixo dele, vinham os capos, os conselheiros e todo o esquema para manter a Síria controlada por estes grupos por meio de corrupção e da força. Militares, políticos e empresários viviam bem. O restante da população, não se compararmos com padrões europeus ou mesmo da América do Sul. Não têm liberdade e enfrentam um atraso econômico de uma economia estatal. Mas, por outro lado, achavam a alternativa – viver em um caos como o libanês dos anos 1980 ou o iraquiano de agora, pior.

O problema é que, no último mês, os conflitos restritos ao interior chegaram a Damasco e Aleppo. Assad, o Mike Corleone do momento, se mostrou incapaz de manter a ordem. Como na Máfia, se tornou inútil. Começaram as traições, como no atentado que matou sua cúpula de segurança. As deserções no alto escalão, antes raras, se intensificaram.

Primeiro, foi o general Manaf Tlass. Cosmopolita e bem relacionado na Europa, percebeu que ganharia mais pulando fora. Depois teve o embaixador sírio no Iraque. Agora, até o premiê Riyyad Farid Hijab. No Filme Poderoso Chefão, ele seria um daqueles “bananas” que ninguém leva a sério. Assad o colocou no cargo por ser inofensivo e pelos bons serviços prestados nos massacres de opositores.

Agora, estes militares, diplomatas e políticos, que até dois meses atrás adoravam ver o sangue dos rebeldes e dos manifestantes anti-Assad em Homs, Hama, Daara e Idlib, desertam e se livram de perseguições. Outros farão o mesmo. A imunidade é uma estratégia dos EUA e de seus aliados europeus para isolar internamente o regime.

Os americanos, na Síria, conforme deixou claro o secretário da Defesa, Leon Panetta, querem o Exército intacto. Também querem a manutenção da burocracia. Os EUA não pretendem repetir os erros do Iraque, quando desmantelaram todo o Estado. Todos serão bem vindos, desde que não tenham o “brand” Assad associado aos seus nomes.

O líder sírio, por sua vez, insiste em permanecer no poder. Provavelmente, deve apostar na possibilidade de manter o controle da costa mediterrânea, onde sua popularidade é enorme devido à presença de alauítas e cristãos. Afinal, por mais que tenha Damasco nas mãos agora, será muito difícil manter no longo prazo.

Ironicamente, muitos antes simpatizantes do regime não dizem que Assad fracassou por ter reprimido a oposição. Na verdade, segundo eles, fracassou por não ter conseguido, como seu pai, Hafez, o “Vito Corleone”, conseguiu nos anos 1980.

FONTE: O Estado de S. Paulo

- Advertisement -

1 COMMENT

Subscribe
Notify of
guest

1 Comentário
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Drcockroach
Drcockroach
10 anos atrás

Parabens ao Blog por publicar um artigo do Gustavo Chacra.

Considero ele um brilhante jornalista com um excelente discernimento de questoes internacionais; ele eh referencia e sabe sobre o que escreve.

[]s!

Últimas Notícias

O Sistema de Defesa Aérea Israelense ‘Iron Dome’

Por Rodolfo Queiroz Laterza* DESENVOLVIMENTO E CONTEXTO OPERACIONAL Iron Dome é um sistema de mísseis de defesa aérea desenvolvido por duas...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -