quarta-feira, dezembro 1, 2021

Saab RBS 70NG

Exército escolhe consórcio Tepro para o Sisfron

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

O consórcio Tepro, formado por Savis Tecnologia e Sistemas S/A e OrbiSat Indústria e Aerolevantamento S/A, empresas controladas pela Embraer Defesa e Segurança, foi o único escolhido pelo Exército Brasileiro para a próxima fase do processo de seleção do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron), segundo comunicado divulgado nesta sexta-feira pela Embraer. A etapa seguinte será a negociação do contrato. A fase inicial de implementação do Sisfron contemplará o monitoramento da fronteira terrestre na área sob responsabilidade do Comando Militar do Oeste. Na sua totalidade, o Sisfron compreende a vigilância e proteção das fronteiras terrestres do País em uma faixa de 16.886 quilômetros que separa o Brasil de 11 países vizinhos e se estende por dez estados e 27% do território nacional.

FONTE: R7

- Advertisement -

8 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

E o Hardy, disse:

“Eu sei que não vai dar certo… Oh, dia, oh, céus, oh, azar…”

Lyw
Lyw
9 anos atrás

E a já esperada resposta do Mauricio R. Hehehehhe…

Mas com todo respeito à opinião do amigo, eu fiquei feliz em saber da vitória do grupo EMBRAER.

Vamos ver como se dará a negociação do contrato.

marciomacedo
marciomacedo
9 anos atrás

Eu também fiquei satisfeito com a escolha de empresas da Embraer. Estranha é a total objeção do amigo Maurício a tudo que é nacional.

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

Ao invés de diversificarmos a cadeia logística, estamos concentrando-a em uns poucos e nem tão bons fornecedores assim.
E a minha objeção se limita a certas empresas privadas, privilegiadas c/ mta tecnologia pelas ffaa, mas que não se sustentam sem estarem encostadas no Estado brasileiro.

Uitinã
Uitinã
9 anos atrás

Mauricio mas vamos concordar num mundo onde grandes conglomerados de defesa mandam, Leia-se(BAE, MBDA, Boeing) ia ser muito achismo pensar que uma empresa nova como a brasileira ganhar terreno em licitações estrangeiras, então o que restou foram as Forças armadas Brasileiras, não e o ideal eu sei mas se o governo não auxiliar empresas como Avibrás, Embraer com negócios internos muito dificilmente vai conseguir alguma coisa fora do país, não podemos deixar acontecer o que aconteceu com a Engesa e Bernardini, onde perdemos toda uma base de engenharia e projeto que hoje temos que procurar lá fora.

Lyw
Lyw
9 anos atrás

Sem falar que estas grandes empresas que o Uitinã citou recebem ajudas gordíssimas de seus governos, que financiam a venda de seus produtos, compram seus produtos e até dão dinheiro a outros país pra que estes comprem produtos de suas empresas (caso dos EUA). Pra mim não é encosto, é política de apoio à industria local.

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

O Hardy bem que avisou…
Esperteza e malandragem, têm hora e lugar.

(http://www.forte.jor.br/2012/08/29/governo-podera-rever-vitoria-da-embraer/)

trackback
9 anos atrás

[…] ano, negócios bilionários envolvendo compra de helicópteros e submarinos franceses, e decidir, com vitória da Embraer, a primeira etapa, de US$ 1 bilhão, do Sistema Nacional de Monitoramento de Fronteiras (Sinfron), […]

Últimas Notícias

EDEX 2021: GIDS do Paquistão revela o SHAHPAR-II, drone armado de média altitude e longa duração

O conglomerado de defesa do Paquistão, Global Defense and Industrial Solutions (GIDS), revelou uma versão armada de seu drone...
- Advertisement -
- Advertisement -