sexta-feira, dezembro 2, 2022

Saab RBS 70NG

Amorim vê América do Sul hoje como uma região mais madura

Destaques

Alexandre Galante
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

“Embora os processos políticos continuem a evoluir – e nem sempre de forma linear –, a América do Sul é hoje um continente politicamente mais maduro, no qual defesa e democracia se reforçam mutuamente”. Assim, o ministro da Defesa, Celso Amorim, definiu como enxerga, hoje, o momento por que passa a região.

A afirmação foi feita durante aula magna do Curso Avançado de Defesa Sul-americano (CAD-Sul), promovido pela Escola Superior de Guerra (ESG). Com um público que inclui aproximadamente 30 estagiários de países vizinhos, o curso foi inaugurado nesta quarta-feira (29), na Urca, no Rio de Janeiro.

Segundo Amorim, a publicação do Livro Branco de Defesa Nacional, cuja versão preliminar foi entregue no mês passado ao Congresso Nacional brasileiro, é um entre vários exemplos que mostram que há mais transparência e democracia no subcontinente sul-americano.

“Iniciativas como essa, já corriqueiras em nossa região, suscitam o acompanhamento atento e crítico dos assuntos de defesa pela sociedade civil, fator imprescindível para políticas de defesa em sintonia com os interesses nacionais”.

De acordo com o ministro, “essa representatividade é exemplificada, no caso brasileiro, pelo sólido vínculo entre política de defesa e política de desenvolvimento, que orienta nossa Estratégia Nacional de Defesa”.

Curso Avançado

Celso Amorim compareceu ao auditório da ESG para proferir a aula magna inaugural do curso promovido pela ESG. Estagiários da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Equador, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela presenciaram a exposição.

Sob o título “Por uma identidade sul-americana em matéria de defesa”, o ministro iniciou a palestra ressaltando a importância do curso, que foi incluído no plano de ação para 2012 pelo Conselho de Defesa Sul-americano.

De acordo com ele, a capacitação “dá mais um passo significativo – ao lado de iniciativas como a criação do Centro de Estudos Estratégicos de Defesa – rumo à construção de uma identidade sul-americana em matéria de defesa.”

Nas próximas dez semanas – período de duração do curso – os alunos terão o que Amorim definiu como “uma visão dos contornos dessa identidade, pelo estudo da realidade de defesa sul-americana, pelo contato com autoridades da nossa região e pela visita a algumas das principais organizações brasileiras na área de defesa”.

Ao longo de sua exposição, o ministro fez um relato sobre a importância da relação entre os países do continente sul-americano. “Falar em identidade regional em matéria de defesa é falar na grande maturidade de nossos países ao colocarem suas relações nesta área sabidamente sensível sob o signo da paz e da cooperação”, enfatizou.

Ele lembrou do ano 2000, quando se deu em Brasília a primeira cúpula dos chefes de Estado da América do Sul, oportunidade em que “um período surpreendentemente longo de afastamento começou a ser superado”. Amorim explicou que essa desconexão lançava suas raízes no passado colonial de nossas sociedades, tempos em que os “territórios ligados a uma ou outra metrópole mantinham entre si rivalidades exógenas, depois projetadas sobre a vida independente de nossas nações”.

Além dos estagiários, a palestra foi acompanhada pelo comandante do Exército, general Enzo Martins Peri, do chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), general José Carlos De Nardi, do subcomandante da ESG, vice-almirante Nelson Garrone Palma Velloso, e demais autoridades militares.

FONTE: Ministério da Defesa

NOTA DA EDITORA: Você pode ler na íntegra a palestra do ministro Celso Amorim clicando no link: Por uma identidade sul-americana em matéria de defesa

- Advertisement -

3 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

3 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos
Marcos
10 anos atrás

Amadurecimento de mais dá em podridão.

erabreu
erabreu
10 anos atrás

…e blá, blá, blá, blá, blá, blá, blá….

Observador
Observador
10 anos atrás

A afirmação mostra bem como o barbudinho pensa. Para ele, lógico que está melhor: estamos cercados por bolivarianos, ex-terroristas, ex-comunistas e populistas por todos os lados (Uruguai, Argentina, Bolívia, Peru, Equador, o qual graças a Deus, não faz fronteira conosco e, claro, a Venezuela Bolivariana). As exceções são o Chile, a Colômbia e o Paraguai, os quais a nossa diplomacia de centro acadêmico estudantil empurrou para o colo dos americanos. Nos aliamos à escória, que sempre que pode nos sacaneia, e nos passa para trás. E por isto o caminho escolhido nos levará ao atraso, à pobreza e, tomara que… Read more »

Últimas Notícias

As sanções contra a Rússia estão funcionando. Aqui está o porquê

A capacidade do Kremlin de guerrear já está limitada, mas o pior ainda está por vir. Por Agathe Demarais ,...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -