Home Direitos Humanos O terrível apartheid israelense

O terrível apartheid israelense

175
4

Os esquerdistas, incluindo os que são judeus, os antissemitas de todos os matizes, como o grupo BDS (Boicote, Desinvestimento & Sanções) e os muçulmanos costumam alardear que o Estado de Israel cultiva o apartheid. Grande parte da população brasileira não tem informações reais sobre o sistema político israelense e acredita piamente nesta mentira. A historiadora Maria Luiza Tucci, Diretora do arquivo Virtual Arqshoah Holocausto e Antissemitismo, do Laboratório de Estudos sobre Etnicidade, Racismo e Discriminação da USP afirma que o antissemitismo ainda é muito forte na população brasileira. A meu ver isto não apenas é verdade como tem se intensificado devido à ininterrupta propaganda antissionista e pró-Palestina e o predomínio da total ignorância sobre a verdadeira situação no Oriente Médio, agravada pelo cego apoio dos governos brasileiros de esquerda desde 1994 a uma suposta ‘causa palestina’.

Bandeiras da ‘Palestina’ tremulam em todas as manifestações de esquerda; Lula visitou o Oriente Médio esnobando Israel; a diplomacia brasileira apoia o Irã e sua pretensão a armamentos nucleares e seu ódio aos judeus que promete um novo Holocausto. O Brasil vota sistematicamente contra Israel nos foros internacionais, inclusive apoiando a Declaração de Durban de que o ‘Sionismo é uma forma de racismo’; e o governo Dilma seguiu os passos de Lula se aliando a Ahmadinejad através de Chávez e Morales. A Venezuela é provavelmente a maior cabeça de ponte islâmica na América do Sul.

Isto já vem de longa data: no governo Figueiredo o Brasil fechou acordos bilionários com o então ditador do Iraque, Saddam Hussein. Cargueiros 747 da Iraqi Airways visitavam semanalmente o aeroporto de Viracopos, então exclusivamente cargueiro, permanecendo longe do terminal em missões obviamente secretas e pelo menos duas vezes decolaram do Centro Tecnológico da Aeronáutica em São José dos Campos, na época comandado pelo brigadeiro Sérgio Xavier Ferola, levando, segundo a Isto É Dinheiro, urânio das minas de Poços de Caldas. Um comércio, mediado pelo embaixador Paulo Tarso Flecha de Lima e comandado pelo brigadeiro Hugo de Oliveira Piva que chegou a 30 bilhões de dólares. Então era Saddam, e não o Irã, que exigia os votos sistemáticos contra Israel para fazer negócios.

Em 2007, o brigadeiro Ferola era presidente do Centro de Estudos Estratégicos Sul-americanos e, segundo Graça Salgueiro, ‘entre 27 e 29 de outubro do ano passado (2006) seu Ferola participou de um encontro fundacional do Bloco Regional de Poder Popular, na Bolívia do cocalero castro-comuno-chavista Evo Morales, cujo título era “Primeiro Encontro de Povos e Estados pela Libertação da Pátria Grande”. Observe-se que não se discutia a soberania dos Estados Nacionais mas de uma só pátria, indivisa, pois o objetivo deste Bloco é o fim dos Estados Nacionais e a criação da “Pátria Grande”. Faz todo sentido! É a Großdeutschland, a РОДИНА (Rodina), a Mãe Pátria de Todas as Rússias, o Grande Califado!

Não haja dúvida também que uma interpretação ‘caolha’ da Bíblia tem colocado muitos cristãos contra os judeus, e vice-versa. Enquanto os dois grupos não se entendem, os inimigos da civilização ocidental, indubitavelmente judaico-cristã, comunistas, fascistas e muçulmanos – estes os mais importantes no momento – vão ceifando vidas dos dois lados em seus selvagens ataques a Israel e aos países ocidentais. O status quo obtido com governos árabes pragmáticos vem sendo sistematicamente destruído por uma “primavera” que já se transformou num inferno americano, o que é bem feito por terem escolhido o atual presidente e ameaça se espalhar para Israel se o último, da Síria, cair, cercando o país de fronteiras inimigas.

Como é o apartheid judeu?
A situação política dentro do Estado de Israel é bem diferente de um apartheid. No Knesset (Parlamento) existem parlamentares árabes que pregam o ódio contra os judeus e defendem a destruição de Israel, pois o sistema jurídico israelense defende intransigentemente a liberdade de expressão num grau de causar inveja aos brasileiros tomados por proibições de toda sorte baseada numa linguagem corrompida pelo ‘politicamente correto’.

Aqui, o Judiciário vergonhosamente apoia esta Newspeak – e mais, utiliza-a sem pejo! Se estamos longe da liberdade que os judeus gozam em sua terra, imaginem os países islâmicos onde impera a intolerância e existe sim apartheid. Num dos países mais afetados pela invasão muçulmana, a Inglaterra, o British Museum exibia em fevereiro deste ano uma mostra a respeito do Hajj, a peregrinação a Meca, com um intenso sabor de propaganda. Na foto 1, na Arábia Saudita, a direção Arafat-Meca (Makkah) é proibida para não muçulmanos. A presença de não muçulmanos em Meca ou Medina é punida com a morte. Imagine-se Roma proibida a não cristãos ou Kyoto a não xintoístas ou o Ganges a não hinduístas!

muslimsonly

Para tentar desmistificar esta questão, se é que isto é possível, já que o sentimento antissionista impera na mídia chapa branca, única fonte de informações da maioria da população, citarei duas reportagens da última edição (#115 – 09/2012) do jornal Visão Judaica, com o qual tenho a honra de colaborar mensalmente. Antes chamo a atenção para o vídeo que publiquei em meu blog sobre a mensagem de Rosh Hashaná das Forças de Defesa de Israel (Tzahal): notem a diversidade de pessoas e sotaques.

Dois exemplos de como se dá a “discriminação” em Israel
1. O atual comandante do Batalhão de Reconhecimento no Deserto das Forças de Defesa (Tzahal), o tenente-coronel Wahid Al-Huzeil (foto 2), negro e muçulmano, é um herói condecorado que atuou decisivamente na frustração do ataque de terroristas no Sinai no último dia 5 de agosto. Anteriormente, em 2008, ainda como sub-comandante do batalhão, foi condecorado pelo Estado Maior por sua atuação bem sucedida na mesma área, no cruzamento do Kibbutz Kerem Shalom.

Al-Huzeil declarou: ‘Ficamos atentos aguardando e identificamos um veículo que acabou explodindo ao cruzar a fronteira. Tentamos capturar o segundo blindado e durante a operação trabalhamos em conjunto com as Forças Armadas e a Força Aérea. Finalmente conseguimos capturar o veículo, eliminando os terroristas e impedimos que atacassem e causassem baixas às nossas forças ou a civis inocentes’. (Leia também o comunicado oficial da Tzahal).

wahid

2. O novo embaixador de Israel em Oslo, Ishmael Khaldi (foto 3) é beduíno e muçulmano, e seu braço direito é um cristão árabe. Foi o primeiro beduíno vice-cônsul e agora como embaixador é o muçulmano mais graduado do Ministério das Relações Exteriores. Nasceu em 1971 em Khawaled, uma aldeia próxima a Haifa tendo vivido até aos 8 anos numa tenda, cuidando de ovelhas. Os laços de sua família com os vizinhos judeus datam da década de 20 quando chegaram os primeiros colonos sionistas. É através desta aliança com Israel que seu povo está transcendendo o isolamento criado por suas tradições nômades.

Hoje é bacharel em Ciências Políticas pela Universidade de Haifa e tem um mestrado em Ciências Políticas e Relações Internacionais pela Universidade de Tel Aviv. Foi policial, militar e analista político para a Tzahal.

khaldi

Khaldi lançou um projeto chamado ‘Caminhando e Aprendendo com os Beduínos da Galiléia’ que levou milhares de jovens judeus a Khawaled para conhecer a história e a cultura beduína.

Árabes cristãos e muçulmanos estão presentes em todos os escalões superiores da administração israelense, e há também nove drusos, incluindo duas mulheres, que exercem suas funções em níveis diplomáticos elevados.

É a isto que chamam de apartheid israelense?

Por Heitor De Paola – Mídia sem Máscara (21/09/2012)

4
Deixe um comentário

avatar
4 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
Luiz PaulograanbarrosivanildotavaresRenato Oliveira Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Renato Oliveira
Visitante
Member
Renato Oliveira

Finalmente um bom artigo sobre Israel. Dá-lhe Trilogia!

ivanildotavares
Visitante
ivanildotavares

Adorei o artigo. Parabéns Shipbuildingbr.

Abraços

graanbarros
Visitante
graanbarros

Caro shipbuildingbr,

Gostaria se possível de uma matéria sobre os judeus que vivem no Irã. Sei que há um pequeno grupo lá e creio que a situação deles não deve ser nada confortável.

Abraços!

Luiz Paulo
Visitante
Luiz Paulo

Infelizmente a maior parte da mídia de massa não informa uma realidade dessa. Quando é pra ‘meter o malho’ em Israel saem ‘quinhentas’ reportagens de uma vez. Quando é pra mostrar alguma qualidade de Israel (sobre o povo judeu na questão palestina) saem 2 linhas ou não sai nada… É mais ou menos assim que acontece com a maioria noticias que envolvem aquela parte do mundo. Pegue o extremismo judeu que é mínimo mas existe, e transforme em máximo, aplicando a toda e qualquer situação em que estejam envolvidos, negando a cultura muito mais tolerante e pacífica do judaismo, mesmo… Read more »