Três helicópteros UH-60 Black Hawk (Blackhawk) se preparam para pousar próximo à pista do Aeroporto Point Salines durante a Operação URGENT FURY

A Invasão de Granada, também conhecida como Operação Urgent Fury, foi uma intervenção militar dos Estados Unidos realizada em 25 de outubro de 1983, na pequena ilha caribenha de Granada. A operação foi motivada por preocupações geopolíticas e de segurança após um golpe de estado que derrubou o governo esquerdista do Primeiro-Ministro Maurice Bishop. O golpe, liderado por facções militares de extrema-esquerda, resultou na execução de Bishop e no estabelecimento de um regime militar.

Ronald Reagan, então presidente dos Estados Unidos, acusou Bishop de pretender destinar o novo aeroporto a uso militar por Cuba e URSS. O governo norte-americano passou a fomentar uma feroz guerra midiática, gerando um apoio favorável à invasão a Granada e à destituição de Bishop.

A administração Reagan justificou a intervenção alegando a necessidade de proteger cerca de mil cidadãos americanos que estavam na ilha, incluindo estudantes de medicina na Universidade St. George. Havia também temores de que Granada, sob o novo regime, pudesse se alinhar mais estreitamente com a União Soviética e Cuba, intensificando as tensões da Guerra Fria na região.

A invasão contou com a participação de aproximadamente 7.000 soldados americanos, junto com forças de países da Organização dos Estados do Caribe Oriental (OECS). As tropas enfrentaram resistência de cerca de 1.500 soldados granadinos e 700 conselheiros militares cubanos, que estavam ajudando a construir um aeroporto em Point Salines, suspeito de ser usado para fins militares.

A operação teve início com desembarques anfíbios e aéreos, seguidos por combates intensos em várias partes da ilha. Embora a resistência tenha sido significativa em alguns pontos, as forças americanas conseguiram rapidamente assumir o controle. Em poucos dias, os principais objetivos foram alcançados: o regime militar foi derrubado, os cidadãos americanos foram evacuados em segurança e um governo provisório foi estabelecido.

A invasão de Granada foi criticada por alguns aliados dos EUA e por membros da comunidade internacional, que a consideraram uma violação do direito internacional e da soberania de Granada. No entanto, a operação foi amplamente apoiada pelo público americano e pelos países da OECS. O sucesso da invasão também reforçou a imagem de determinação dos Estados Unidos em conter a influência soviética durante a Guerra Fria.

A Operação Urgent Fury marcou um ponto de inflexão na política externa americana, demonstrando a disposição dos EUA de intervir militarmente em conflitos regionais para proteger seus interesses estratégicos e cidadãos. Granada, após a invasão, passou por um período de transição política e, eventualmente, restabeleceu um governo democrático.

Preparativos de uma força de invasão

Dois planos básicos foram desenvolvidos sobre como tomar Granada, com base em informações limitadas, enquanto outras operações de inteligência estavam sendo preparadas às pressas na forma de voos de reconhecimento do SR-71 Blackbird e dos aviões espiões TR-1 (U2), como a CIA havia dito. nenhum ativo na ilha. No final das contas, nenhum dado desses voos de vigilância chegou à força de assalto a tempo do início das hostilidades. O planejamento foi deixado para a Força-Tarefa Conjunta Combinada 120 (CJTF 120) sob o comando do Vice-Almirante Metcalf e ele teve menos de 2 dias para fazer seus planos e iniciá-los. Seu vice foi o major-general Herman Norman Schwarzkopf, que mais tarde ficaria famoso como líder das Forças da Coalizão durante a Guerra do Golfo de 1990-1991.

Joseph Metcalf III e Norman Schwarzkopf

Primeiro dia da invasão

O horário de início da invasão foi definido para as 05:00 de 25 de outubro de 1983. Tropas dos EUA foram implantadas em Granada de helicóptero a partir do Aeroporto Internacional Grantley Adams, em Barbados, antes do amanhecer. Quase simultaneamente, paraquedistas americanos chegaram diretamente por aeronaves de transporte de bases no leste dos Estados Unidos e fuzileiros navais foram transportados para a ilha a partir do USS Guam, localizado perto da costa.

Esta foi a primeira grande operação conduzida pelos militares americanos desde a Guerra do Vietnã. O vice-almirante Joseph Metcalf III, comandante da Segunda Frota, foi o comandante geral das forças americanas, designadas como Força-Tarefa Conjunta 120, que incluía elementos de cada ramo militar e várias unidades de operações especiais. Os combates continuaram por vários dias e o número total de tropas americanas chegou a cerca de 7.000, juntamente com 300 militares da Organização dos Estados Americanos, comandadas pelo Brigadeiro Rudyard Lewis, de Barbados.

Os principais objetivos do primeiro dia eram que o 75º Regimento Ranger capturasse o Aeroporto Internacional Point Salines para que a 82ª Divisão Aerotransportada pudesse desembarcar reforços na ilha; o 2º Batalhão do 8º Regimento de Fuzileiros Navais capturasse o Aeroporto de Pearls; e outras forças resgatassem os estudantes americanos no campus True Blue da Universidade de St. George.

Além disso, várias missões de operações especiais foram realizadas por operativos da Força Delta do Exército e SEALs da Marinha para obter inteligência e garantir indivíduos e equipamentos-chave. Muitas dessas missões foram prejudicadas por inteligência e planejamento inadequados; as tropas americanas usaram mapas turísticos com grades militares sobrepostas.

Rangers do Exército dos EUA saltam de paraquedas em Granada durante a Operação Urgent Fury

A defesa de Granada – O Exército Revolucionário do Povo

As forças invasoras encontraram cerca de 1.500 soldados granadinos do Exército Revolucionário do Povo (PRA) em posições defensivas. As tropas do PRA estavam em sua maioria equipadas com armas leves, principalmente fuzis automáticos no padrão Kalashnikov de origem do bloco soviético, e um menor número de carabinas SKS obsoletas e submetralhadoras PPSh-41. Eles possuíam poucas armas pesadas e nenhum sistema moderno de defesa aérea. O PRA não era considerado uma ameaça militar séria pelos EUA, que estavam mais preocupados com a possibilidade de Cuba enviar uma grande força expedicionária para intervir em favor de seu antigo aliado.

O PRA possuía oito veículos blindados de transporte de pessoal BTR-60PB e dois carros blindados BRDM-2, entregues como ajuda militar da União Soviética em fevereiro de 1981, mas não tinham tanques.

Presença Cubana em Granada

A presença militar cubana em Granada era mais complexa do que inicialmente se pensava. Muitos dos expatriados cubanos presentes na ilha eram reservistas militares. Fidel Castro descreveu as equipes de construção cubanas em Granada como “trabalhadores e soldados ao mesmo tempo”, alegando que essa dualidade era consistente com a tradição de “soldado cidadão” de Cuba.

Na época da invasão, estimava-se que havia 784 cubanos na ilha. Cerca de 630 desses cubanos se identificavam como trabalhadores da construção civil, outros 64 como militares, e 18 como dependentes. O restante era composto por pessoal médico ou professores. O Coronel Pedro Tortoló Comas, o oficial militar cubano de mais alta patente em Granada em 1983, afirmou que distribuiu armas leves e munição aos trabalhadores da construção para defesa própria durante a invasão, o que pode ter confundido ainda mais a distinção entre civis e combatentes. Eles também estavam expressamente proibidos de se render às forças militares dos EUA se fossem abordados.

Os militares cubanos regulares na ilha atuavam como conselheiros do PRA na época. Consultores e instrutores cubanos implantados em missões militares no exterior não estavam confinados a funções não-combativas e de suporte técnico; se as unidades às quais estavam anexados participassem de um combate, esperava-se que lutassem ao lado de seus colegas estrangeiros. Bob Woodward escreveu em “Veil” que os “consultores militares” capturados de países socialistas, incluindo Cuba, eram na verdade diplomatas credenciados e seus dependentes, alegando que nenhum deles participou efetivamente nos combates.

O governo dos EUA afirmou que a maioria dos supostos técnicos civis cubanos em Granada eram, na verdade, militares, incluindo forças especiais e engenheiros de combate. Um resumo da presença cubana em “The Engineer”, a publicação oficial da Escola de Engenheiros do Exército dos EUA, observou que “a resistência dessas forças militares e paramilitares bem armadas desmentia as alegações de que eram simplesmente equipes de construção”.

Estoques de armas fornecidas pelos soviéticos e cubanos encontrados em armazém em Granada. Fonte: Pinterest

Missões de Reconhecimento dos Navy SEALs

Forças de Operações Especiais dos EUA foram enviadas para Granada a partir de 23 de outubro, antes da invasão de 25 de outubro. Navy SEALs do SEAL Team 6 e controladores de combate da Força Aérea foram lançados de helicóptero no mar para realizar uma missão de reconhecimento em Point Salines. O lançamento do helicóptero deu errado; quatro SEALs foram perdidos no mar e seus corpos nunca foram recuperados, levando a maioria a acreditar que eles se afogaram.

Os sobreviventes da missão SEAL e da Força Aérea continuaram a missão, mas seus barcos inundaram enquanto evitavam um barco de patrulha, causando o aborto da missão. Outra missão SEAL em 24 de outubro também foi malsucedida devido ao mau tempo, resultando em pouca inteligência coletada antes da intervenção iminente.

Assalto Aéreo em Point Salines

Uma vista aérea da aproximação ao Aeroporto de Point Salines, tirada durante a Operação Urgent Fury

As companhias Alpha e Bravo do 1º Batalhão do 75º Regimento de Rangers embarcaram em C-130s na base Hunter Army Airfield à meia-noite de 24 de outubro para realizar um pouso aéreo no Aeroporto Internacional Point Salines, pretendendo pousar no aeroporto e então desembarcar. Os Rangers tiveram que mudar abruptamente para um pouso de paraquedas quando souberam durante o voo que a pista estava obstruída.

O lançamento aéreo começou às 05:30 de 25 de outubro, enfrentando resistência moderada de canhões antiaéreos ZU-23 e vários veículos blindados BTR-60, que foram neutralizados pelo fogo de canhões sem recuo M67. Aeronaves AC-130 forneceram suporte para o pouso. Veículos de construção cubanos foram utilizados para ajudar a limpar a pista, com um deles sendo usado como cobertura móvel para os Rangers enquanto se moviam para tomar as alturas ao redor do aeroporto.

Dois BTR-60PB atingidos pelos Rangers
Explosão durante a invasão de Granada

Os Rangers limparam a pista de obstruções por volta das 10:00, e aviões de transporte conseguiram pousar e descarregar reforços adicionais, incluindo jipes M151 e membros da Força de Paz Caribenha designados para guardar o perímetro e detentos. A partir das 14:00, unidades começaram a desembarcar em Point Salines da 82ª Divisão Aerotransportada sob o comando de Edward Trobaugh, incluindo batalhões do 325º Regimento de Infantaria. Às 15:30, três BTR-60s da Companhia Motorizada do Exército de Granada contra-atacaram, mas os americanos os repeliram com canhões sem recuo e um AC-130.

Os Rangers se espalharam e asseguraram a área circundante, negociando a rendição de mais de 100 cubanos em um hangar de aviação. No entanto, uma patrulha de jipe dos Rangers se perdeu ao procurar o campus True Blue e foi emboscada, resultando na morte de quatro soldados. Os Rangers eventualmente garantiram o campus True Blue e seus estudantes, onde encontraram apenas 140 estudantes e foram informados de que mais estavam em outro campus em Grand Anse. Ao todo, os Rangers perderam cinco homens no primeiro dia, mas conseguiram assegurar Point Salines e a área circundante.

Obuses M102 durante a Operação Urgent Fury

Captura do Aeroporto Pearls

Um pelotão de SEALs da Marinha dos EUA do SEAL Team 4, sob o comando do Tenente Mike Walsh, aproximou-se da praia perto do Aeroporto Pearls por volta da meia-noite de 24 de outubro, após evitar barcos de patrulha e superar o clima tempestuoso. Eles descobriram que a praia estava levemente defendida, mas inadequada para um desembarque anfíbio. O 2º Batalhão do 8º Regimento de Fuzileiros Navais desembarcou ao sul do Aeroporto Pearls usando helicópteros CH-46 Sea Knight e CH-53 Sea Stallion às 05:30 de 25 de outubro; eles capturaram o Aeroporto Pearls, encontrando apenas resistência leve, incluindo uma metralhadora DShK que um Marine AH-1 Cobra destruiu.

Um helicóptero AH-1 Cobra disparando seu canhão de 20 mm durante uma missão de apoio à Operação Urgent Fury

Ataque à Rádio Livre de Granada

Helicópteros UH-60 Blackhawk lançaram operadores do SEAL Team 6 na manhã de 25 de outubro na Rádio Livre de Granada com o propósito de usar a estação de rádio para operações psicológicas. Eles capturaram a estação sem oposição e destruíram o transmissor de rádio. No entanto, foram atacados por forças granadinas em carros e um veículo blindado (APC), forçando os SEALs levemente armados a cortar uma cerca e recuar para o oceano enquanto recebiam fogo do APC. Os SEALs então supostamente nadaram até o USS Caron. Relatos mais confiáveis dizem que, em vez de nadar até o Caron, um evento altamente improvável, eles destruíram a estação e lutaram até a água, onde se esconderam das forças inimigas patrulhando. Eles nadaram em direção ao mar aberto e foram resgatados várias horas depois, após serem avistados por um avião de reconhecimento.

Um dos canhões antiaéreos ZU-23-2 de 23 mm rebocados que se revelou tão mortal para os helicópteros dos EUA durante a invasão

Ataques ao Forte Rupert e à Prisão de Richmond Hill

Em 25 de outubro, a Força Delta e a Companhia C do 75º Regimento de Rangers embarcaram em helicópteros UH-60 e MH-6 Little Bird da Força-Tarefa 160 para capturar o Forte Rupert (agora conhecido como Forte George), onde acreditavam que os líderes do Conselho Revolucionário viviam, e a Prisão de Richmond Hill, onde prisioneiros políticos estavam sendo mantidos. O ataque à Prisão de Richmond Hill carecia de inteligência vital, deixando os atacantes sem saber da presença de várias armas antiaéreas e terreno montanhoso íngreme que não permitia pousos de helicópteros.

O fogo antiaéreo feriu passageiros e tripulação e forçou um helicóptero UH-60 a pousar de emergência, causando a aterrissagem de outro helicóptero próximo para proteger os sobreviventes. Um piloto foi morto, e os operadores da Força Delta tiveram que ser socorridos por um helicóptero Sea King da Marinha. O ataque ao Forte Rupert, no entanto, foi bem-sucedido em capturar vários líderes do Governo Revolucionário do Povo.

Soldados de combate dos Estados Unidos durante a invasão na Ilha de Granada em 1983

Missão de resgate do Governador-Geral Scoon

A última grande operação especial foi uma missão para resgatar o Governador-Geral Scoon de sua mansão em Saint George, Granada. A missão partiu tarde, às 05:30 de 25 de outubro, de Barbados, resultando em as forças granadinas já estarem cientes da invasão e guardarem Scoon de perto. A equipe SEAL entrou na mansão sem oposição, mas veículos blindados BTR-60 contra-atacaram e prenderam os SEALs e o governador dentro. Aeronaves AC-130, aviões de ataque A-7 Corsair e helicópteros de ataque AH-1 Cobra foram chamados para apoiar os SEALs cercados, mas eles permaneceram presos pelas próximas 24 horas.

Às 19:00 de 25 de outubro, 250 fuzileiros navais da Companhia G do 2º Batalhão, 8º Regimento de Fuzileiros Navais desembarcaram na Baía de Grand Mal, equipados com veículos de assalto anfíbio e quatro tanques M60 Patton; eles libertaram os SEALs na manhã seguinte, permitindo que o Governador Scoon, sua esposa e nove assessores fossem evacuados em segurança às 10:00 daquele dia. As tripulações dos tanques dos fuzileiros continuaram avançando enfrentando resistência esporádica, destruindo um carro blindado BRDM-2. A Companhia G posteriormente derrotou e sobrepujou os defensores granadinos no Forte Frederick.

Um helicóptero CH-53 Sea Stallion paira acima do solo perto de uma arma antiaérea soviética ZU-23 antes de ser capturada durante a Operação Urgent Fury

Ataques aéreos

Aviões A-7 Corsair da Marinha e helicópteros de ataque AH-1 Cobra dos Fuzileiros Navais realizaram ataques aéreos contra o Forte Rupert e o Forte Frederick. Um ataque aéreo de A-7 no Forte Frederick, visando canhões antiaéreos, atingiu um hospital psiquiátrico nas proximidades, matando 18 civis. Dois helicópteros AH-1T Cobra e um UH-60 Blackhawk foram derrubados em um ataque ao Forte Frederick, resultando em cinco baixas.

A-7E sobre o aeródromo de Port Salines, Granada, 1983

Segundo dia da invasão

O General Trobaugh da 82ª Divisão Aerotransportada tinha dois objetivos no segundo dia: garantir o perímetro ao redor do Aeroporto de Salines e resgatar estudantes americanos em Grand Anse. O Exército teve que atrasar o resgate dos estudantes até que conseguisse contato com as forças dos Fuzileiros Navais, devido à falta de helicópteros não danificados após as perdas do primeiro dia.

Na manhã de 26 de outubro, forças cubanas emboscaram uma patrulha do 2º Batalhão do 325º Regimento de Infantaria perto da vila de Calliste. A patrulha americana sofreu seis feridos e dois mortos. Ataques aéreos da Marinha e um bombardeio de artilharia eventualmente levaram à rendição das forças cubanas às 08:30.

As forças americanas avançaram para a vila de Frequente, onde descobriram um depósito de armas cubano suficiente para equipar seis batalhões. À tarde, os Rangers do 2º Batalhão do 75º Regimento de Rangers montaram helicópteros CH-46 Sea Knight dos Fuzileiros Navais para lançar um assalto aéreo no campus de Grand Anse, onde evacuaram 233 estudantes americanos, mas foram informados de que havia um terceiro campus com americanos em Prickly Bay. Uma equipe de 11 Rangers foi deixada para trás acidentalmente; eles partiram em uma balsa de borracha, sendo resgatados pelo USS Caron às 23:00.

Fotografado alguns dias após o ataque, o CH-46 Sea Knight do HMM-261 na praia de Grand Anse. Ele foi atingido por armas leves, mas foi perdido quando os rotores atingiram uma árvore, tornando-o impossível de voar. Abandonado, a tripulação escapou ilesa em uma balsa salva-vidas.

Terceiro dia da invasão e após

Até 27 de outubro, a resistência organizada estava diminuindo rapidamente, mas as forças americanas ainda não tinham percebido isso. O 2º Batalhão, 8º Fuzileiros Navais continuou avançando ao longo da costa e capturando cidades adicionais, encontrando pouca resistência, embora uma patrulha tenha encontrado um único BTR-60 durante a noite, destruindo-o com um M72 LAW. O 325º Regimento de Infantaria avançou em direção à capital Saint George, capturando Grand Anse e encontrando 200 estudantes americanos que haviam sido perdidos no primeiro dia. Eles continuaram para a cidade de Ruth Howard e Saint George, enfrentando apenas resistência esporádica. Uma equipe de ligação de fogo naval aéreo chamou um ataque aéreo de um A-7 e acidentalmente atingiu o posto de comando da 2ª Brigada, ferindo 17 soldados, um dos quais morreu.

O Exército tinha relatórios de que as forças do PRA estavam se reunindo nos Quartéis de Calivigny, a apenas cinco quilômetros do campo de aviação de Point Salines. Eles organizaram um assalto aéreo pelo 2º Batalhão do 75º Regimento de Rangers, precedido por um bombardeio preparatório de obuses de campo (que na maioria errou o alvo, com as granadas caindo no oceano), A-7s, AC-130s e USS Caron. No entanto, os helicópteros Blackhawk começaram a deixar tropas perto dos quartéis, mas se aproximaram rápido demais. Um deles caiu e os dois atrás colidiram com ele, matando três e ferindo quatro. Os quartéis estavam desertos.

Nos dias seguintes, a resistência terminou completamente e o Exército e os Fuzileiros Navais se espalharam pela ilha, prendendo oficiais do PRA, apreendendo arsenais de armas e providenciando a repatriação de engenheiros cubanos. Em 1º de novembro, duas companhias dos Fuzileiros Navais realizaram um desembarque combinado anfíbio e helicóptero na ilha de Carriacou, 27 km a nordeste de Granada. Os 19 soldados granadinos que defendiam a ilha se renderam sem lutar. Esta foi a última ação militar da campanha.

Um M60A1 pertencente ao USMC serve de cenário para três pessoas detidas – Fonte: Biblioteca Pública de Toronto

Desfecho

Foi confirmado que Scoon havia entrado em contato com a Rainha Elizabeth II antes da invasão; no entanto, o escritório da Rainha negou conhecimento de qualquer pedido de ação militar e afirmou que a Rainha estava “extremamente chateada” com a invasão de um de seus domínios. O único documento assinado pelo Governador-Geral pedindo assistência militar era datado após a invasão, o que alimentou especulações de que os Estados Unidos usaram Scoon como pretexto para sua incursão em Granada.

Fontes oficiais dos EUA afirmam que alguns dos oponentes estavam bem preparados e bem posicionados, oferecendo resistência teimosa, ao ponto de os americanos chamarem dois batalhões de reforço na noite de 26 de outubro. A superioridade naval e aérea total das forças americanas sobrecarregou os defensores. Quase 8.000 soldados, marinheiros, aviadores e fuzileiros navais participaram da Operação Urgent Fury, juntamente com 353 aliados caribenhos das Forças de Paz do Caribe.

As forças americanas sofreram 19 mortos e 116 feridos; as forças cubanas tiveram 25 mortos, 59 feridos e 638 combatentes capturados. As forças granadinas sofreram 45 mortos e 358 feridos; pelo menos 24 civis também morreram, 18 dos quais em um bombardeio acidental de um hospital psiquiátrico granadino. As tropas dos EUA também destruíram uma quantidade significativa de equipamentos militares de Granada, incluindo seis APCs BTR-60 e um carro blindado BRDM-2. Um segundo carro blindado BRDM-2 foi confiscado e enviado para a Base do Corpo de Fuzileiros Navais de Quantico para inspeção.

U.S. Marines em Granada

Legalidade da invasão

O governo dos EUA defendeu sua invasão de Granada como uma ação para proteger cidadãos americanos que viviam na ilha, incluindo estudantes de medicina, e afirmou que foi realizada a pedido do Governador-Geral. O Secretário Adjunto de Estado, Kenneth W. Dam, disse que a ação foi necessária para “resolver” o que o Artigo 28 da Carta da Organização dos Estados Americanos (OEA) se refere como “uma situação que possa ameaçar a paz”. Ele acrescentou que a carta da OEA e a carta da ONU ambas “reconhecem a competência de organismos de segurança regionais em assegurar a paz e a estabilidade regionais”, referindo-se à decisão da Organização dos Estados do Caribe Oriental de aprovar a invasão.

A Carta da ONU proíbe o uso da força pelos estados membros, exceto em casos de autodefesa ou quando especificamente autorizada pelo Conselho de Segurança da ONU. O Conselho de Segurança da ONU não havia autorizado esta invasão.

Da mesma forma, a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou a Resolução 38/7 por uma votação de 108 a 9, com 27 abstenções, que “lamenta profundamente a intervenção armada em Granada, que constitui uma flagrante violação do direito internacional”. Uma resolução similar no Conselho de Segurança das Nações Unidas recebeu amplo apoio, mas foi vetada pelos Estados Unidos.

Reação Internacional

A Assembleia Geral das Nações Unidas adotou a Resolução 38/7 em 2 de novembro de 1983, com uma votação de 108 a 9, que “deplora profundamente a intervenção armada em Granada, que constitui uma flagrante violação do direito internacional e da independência, soberania e integridade territorial desse Estado”. A resolução também lamentou “a morte de civis inocentes” e o “assassinato do Primeiro-Ministro e de outros granadinos proeminentes”, além de pedir “a cessação imediata da intervenção armada” e exigir “que eleições livres sejam organizadas”.

Essa foi a primeira derrubada de um governo comunista por meios armados desde o fim da Segunda Guerra Mundial. A União Soviética afirmou que Granada havia sido alvo de ameaças dos Estados Unidos, que a invasão violava o direito internacional e que nenhuma pequena nação estaria segura se a agressão não fosse rechaçada. Alguns governos afirmaram que a intervenção dos Estados Unidos representava um retorno à era da barbárie e que os Estados Unidos haviam violado vários tratados e convenções dos quais eram signatários. Uma resolução similar foi discutida no Conselho de Segurança das Nações Unidas, mas foi vetada pelos Estados Unidos.

O Presidente Ronald Reagan foi questionado se estava preocupado com a votação desequilibrada de 108 a 9 na Assembleia Geral da ONU. Ele respondeu: “isso não atrapalhou meu café da manhã nem um pouco”.

Granada faz parte da Commonwealth das Nações e a intervenção foi contestada por vários membros da Commonwealth, incluindo o Reino Unido, Trinidad e Tobago e Canadá. A Primeira-Ministra britânica Margaret Thatcher, uma aliada próxima de Reagan em outros assuntos, opôs-se pessoalmente à intervenção. Reagan informou-a de que isso poderia acontecer, mas ela só soube com certeza que a invasão estava prestes a ocorrer três horas antes. Às 12h30 do dia da invasão, Thatcher enviou uma mensagem a Reagan expressando sua preocupação e pedindo que ele reconsiderasse, destacando as implicações para as relações Leste/Oeste e a necessidade de apresentar ao Parlamento britânico a implantação de mísseis Cruise no Reino Unido.

Reagan informou Thatcher antes de qualquer outra pessoa que a invasão começaria em poucas horas, mas ignorou suas queixas. Ela apoiou publicamente a ação. Reagan telefonou para se desculpar pelo mal-entendido, e a relação amigável de longo prazo entre os dois líderes perdurou.

Problemas durante a operação

A invasão revelou problemas no “aparato de informação” americano, que a revista Time descreveu como ainda estando em “alguma desordem” três semanas após a invasão. Por exemplo, o Departamento de Estado afirmou falsamente que uma vala comum com 100 corpos de ilhéus mortos por forças comunistas havia sido descoberta. O Major-General Norman Schwarzkopf, vice-comandante da força de invasão, disse que 160 soldados granadinos e 71 cubanos foram mortos durante a invasão; o Pentágono havia informado um total de 59 mortes entre cubanos e granadinos. O relatório de Ronald H. Cole para o Estado-Maior Conjunto mostrou um número ainda menor.

Outro ponto preocupante foram os problemas que a invasão revelou nas forças militares. Houve uma falta de inteligência sobre Granada, o que exacerbou as dificuldades enfrentadas pela força de invasão rapidamente montada. Por exemplo, eles não sabiam que os estudantes estavam, na verdade, em dois campi diferentes, e houve um atraso de 30 horas para alcançar os estudantes no segundo campus.

Os mapas fornecidos aos soldados em campo (para relatar a localização das unidades e solicitar apoio de artilharia e aeronaves) eram mapas turísticos nos quais as linhas de referência de grade militar foram desenhadas à mão. Esses mapas não mostravam a topografia e não estavam marcados com posições cruciais. As comunicações entre os serviços não eram compatíveis e dificultaram a coordenação das operações. Os mapas dados a alguns membros da força de invasão tinham suas pistas de pouso desenhadas à mão.

Reagan tentou usar a invasão de Granada para acabar com o Síndrome do Vietnã, um termo usado em referência à aversão do público americano a conflitos no exterior resultante da Guerra do Vietnã. Após a invasão, em 13 de dezembro de 1983, Reagan afirmou que “nossos dias de fraqueza acabaram. Nossas forças militares estão de pé novamente e de cabeça erguida.”

Goldwater–Nichols Act

O Departamento de Defesa reconheceu a necessidade de melhorar as comunicações e a coordenação entre os ramos das Forças Armadas dos Estados Unidos. O Congresso investigou muitos dos problemas e aprovou o Goldwater-Nichols Act de 1986. Esta lei reformulou a estrutura de comando das forças armadas, fazendo as mudanças mais abrangentes no Departamento de Defesa desde a sua criação no National Security Act de 1947. Ela aumentou o poder do Chefe do Estado-Maior Conjunto e avançou o conceito de forças conjuntas unificadas organizadas sob um único comando.

Forças navais na Operação Urgent Fury

USS Guam (LPH-9)

VÍDEO: Imagens da invasão de Granada, 1983

FONTE: The Online Tank Museum e Wikipedia

Subscribe
Notify of
guest

34 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Sergio
Sergio
5 dias atrás

Era uma época boa essa…rs

Machões em granada e com extrema e vexaminosa dificuldade, como mostra a excepcional matéria e uns cordeirinhos no oriente médio, após o massacre dos fuzileiros em Beirute.

Rafael Gustavo de Oliveira
Rafael Gustavo de Oliveira
5 dias atrás

excelente matéria, estão de parabéns….foi um evento pouco explorado por hollywood, acho que daria um bom filme.

Franz A. Neeracher
Reply to  Rafael Gustavo de Oliveira
5 dias atrás

Tem um filme com o Clint Eastwood chamado em inglês “Heartbreak Ridge” cuja narrativa acontece nessa intervenção dos EUA em Granada.

Groosp
Groosp
Reply to  Franz A. Neeracher
4 dias atrás

Passava na Globo com o nome “O Senhor da Guerra”.

Franz A. Neeracher
Reply to  Groosp
4 dias atrás

Me lembro de ter visto no cinema, creio que em 1987.

Sergio
Sergio
Reply to  Franz A. Neeracher
3 dias atrás

O destemido Senhor da Guerra.

Tinha uns amigos, tolos, que adoravam a patacoada.

Época de propaganda pesada de Hollywood pra tentar nublar as lembranças vietnamitas…

Franz A. Neeracher
Reply to  Sergio
3 dias atrás

Gosto do Clint Eastwood, mas esse filme achei muito fraco.

Realmente, estilo propaganda.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Franz A. Neeracher
1 dia atrás

O “Clintão” sempre foi republicano..riso. Ele tem excelentes atuações e ótimas direções… mas tem muita porcaria também… aquele filme dele dirigindo um caminhão com uma orangotango é horrível

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Franz A. Neeracher
1 dia atrás

Também tem um filme com John Wayne… péssimo por sinal

Marcelo Soares
Marcelo Soares
5 dias atrás

Parabéns pela excelente matéria! Muito detalhista, com muitas informações sobre essa missão e muitas fotos. Que venham mais matérias dessa maneira, mais uma vez, parabéns!

Dr. Mundico
Dr. Mundico
5 dias atrás

Tenho certeza que muita gente só veio saber da existência de um lugar chamado Granada depois desse fato.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
5 dias atrás

Eu tinha 15 anos mas so sabia dessa invasão pelo fasciculo Aviões de Guerra da nova Cultural. Epoca que o mundo tinha Estadistas dos 2 lados do Atlantico Norte. Hoje…….

RODES
RODES
5 dias atrás

Rangers lead the way!

fjuliano
fjuliano
5 dias atrás

Percebam como vários comentários glamourizam essa invasão, palmas e mais palmas, “aí que filme q isso daria”, “vamos rangers”. – No início o artigo já deixa claro que: “Havia também temores de que Granada, sob o novo regime, pudesse se alinhar mais estreitamente com a União Soviética e Cuba“, é a normalidade na cabeça dessa moçada que nasceu e cresceu doutrinada a crer que esse país tem o monopólio de fazer o que eles próprios criticam dos outros e me refiro a Rússia na atualidade.

Sequim
Sequim
Reply to  fjuliano
4 dias atrás

Exato. Porque Hollywood não faz um filme sobre o fiasco na Baía dos Porcos? Tem um filme recente muito bom chamado “Feito na América” , com o Tom Cruise, que mostra vários escândalos do governo Reagan.

fjuliano
fjuliano
Reply to  Sequim
4 dias atrás

A indústria cinematográfica sempre foi um dos meios de propaganda e domínio cultural dos EUA, o soft power exercido com muito êxito. Mas devo dizer que uma pessoa que busca se informar em várias fontes e tem senso crítico sabe bem que produções cinematográficas, inclusive a maioria dos documentários (vide sobre a Ucrânia recentemente), são sobretudo guiados por direcionamentos ideológicos, não buscam a verdade real e nem se interessam sobre isso o negócio é fazer a cabeça do cidadão médio e conseguem na maioria das vezes infelizmente.

Sergio
Sergio
Reply to  fjuliano
3 dias atrás

Como disse em meu comentário escolhiam nesse período os adversários pra bater.

Como aquele covardao abusador da escola.

Neste mesmo ano os fuzileiros foram massacrados em Beirute. E Reagan ficou pianinho.

Aquele USA da segunda Guerra mundial já não existia mais por essa época.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  fjuliano
1 dia atrás

Olá F. De fato, o cinemão dos EUA faz parte do softpower deles, pelo menos antes deses filmes chatos da Marvel/Comics e das intermináveis sequencias…

mas também tem um cinema independente e bastante crítico ao próprio EUA… alguns até tratados como “coisa de comunista sem patriotismo”

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Sequim
1 dia atrás

Olá Sequim. Também tem um muto bom chamado “O mensageiro”

Rafael Aires
Rafael Aires
Reply to  fjuliano
4 dias atrás

A tal famosa hipocrisia.

Fernando
Fernando
Reply to  fjuliano
4 dias atrás

Pois é… Mas quando a Russia invade a Ucrania, o discurso é diferente, não é?

fjuliano
fjuliano
Reply to  Fernando
4 dias atrás

Claro, esse pessoal não tem nem nunca teve compromisso algum com a coerência. Eles se movem da mesma forma da propaganda ocidental apesar de saber da verdade. E o patético é que mesmo sendo brasileiros se empenham bastante para o bem exclusivo daquela outra sociedade.

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  Fernando
1 dia atrás

Olá Fernando. Pois é. Os EUA são um grande país com enormes contradições. Possui coisas que nos causa admiração e coisas que nos causam nojo. Uma dos maiores erros é desmerecer toda as crítica aos EUA (o tal “ozamericanumalvado” que aparece aqui e ali) ou o contrário, a cada elogio fundamentado aos EUA ser acompanhado de uma adversativo (.. tem isso, mas também tem aquilo) Os EUA atuam como um pais imperialista, interferindo diretamente ou indiretamente em outros países. Isso é um fato. A lista de países que tiveram problemas por causa dos EUA é enorme, incluindo o Brasil. Contudo,… Read more »

Felipe M.
Felipe M.
Reply to  fjuliano
3 dias atrás

Pois é. É o que sempre repito aqui. Pau que dá em Chico, tem que dar em Francisco.
Se você critica a invasão russa a Ucrânia, você tem o dever de criticar as invasões dos EUA contra outros países soberanos.
Mas coerência não faz parte do dicionário da maioria aqui.

MGNVS
MGNVS
Reply to  Felipe M.
2 dias atrás

Essa é uma pergunta que eu estava me fazendo: Cadê os comentaristas críticos da Rússia aqui? Os mesmos comentaristas que falam sobre a Ukrayna ser um país soberano e que a Russia é a invasora, mas que se calam quando os E.U.A. sao os invasores. Enfim, a famosa hipocrisia dos fanboys dos E.U.A. Dois pesos e duas medidas. Esses são os mesmos comentaristas que vão apoiar os E.U.A. caso eles invadam o Brasil. O mesmo acontecendo com os russófilos aqui, eles tbm apoiariam a Rússia caso ela invadisse o Brasil. Dificil ver alguem aqui que queira realmente ver o Brasil… Read more »

Costa
Costa
4 dias atrás

Tudo graças ao Sgt Highway.

migs
migs
4 dias atrás

10 batalhões para derrubar um ditador em 1500 soldados?

Orivaldo
Orivaldo
Reply to  migs
4 dias atrás

Qual o problema ? Vc queria 1500×1500 para dar uma chance ?

MGNVS
MGNVS
4 dias atrás

A pergunta que fica: os EUA podem e a Rússia não pode? Essa pergunta é retórica, não precisa de respostas, já que se vê a hipocrisia dos EUA não so em relação a invasão de Granada como também a invasão do Iraq para procurar armas de destruição em massa que nunca existiram. Ou seja, quando é do interesse estadunidense, tudo pode, mas se o interesse é de outro país, então não pode. Hipocrisia, pura e simples hipocrisia dos EUA. Se a Russia hoje é acusada de invadir um país soberano, no caso a Ukrayna, os EUA são culpados de invadirem… Read more »

Last edited 4 dias atrás by MGNVS
Camargoer.
Camargoer.
Reply to  MGNVS
1 dia atrás

Acho que nenhum dos dois pode.

Por isso defendo o imediato cessar fogo na Ucrãnia.
Em Gaza também.

MGNVS
MGNVS
Reply to  Camargoer.
1 dia atrás

Exato. Nem um dos dois pode.
Nem EUA e nem Russia.
Mas aqui tem sempre os torcedores de um dos lados.
A diferença é que os apoiadores dos EUA, os famosos fanboys, são bem hipocritas quando o vilao da historia são os proprios EUA.

FERNANDO
FERNANDO
4 dias atrás

Sim, eu assisti o filme, foi com aquele ator, o clint Estewoodd, deve ser assim.
Bons tempos os anos 80, tinha bons filmes.

demetrius
demetrius
2 dias atrás

Impossível não lembra de ” O rato que ruge”….

Camargoer.
Camargoer.
Reply to  demetrius
1 dia atrás

Petter Sellers… é sensacional. Tem no Youtube (no orignial). É uma pena que não tenha a versão dublada em português, clássica, da década de 70