quinta-feira, agosto 5, 2021

Saab RBS 70NG

Exército testa RPB na Amazônia

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

Manaus – Desde 8 de outubro, o Centro de Embarcações do Comando Militar da Amazônia está realizando a experimentação operacional da embarcação Riverine Patrol Boat (RPB). A embarcação, de fabricação norte-americana, será avaliada por um período de 6 meses.

A RPB tem blindagem para munição 7,62 mm, capacidade de transportar até 15 combatentes, defesa e ataque embarcado por meio de armamento de bombordo e boreste e rampa móvel de proa, para desembarque em assalto.

A experimentação visa a promover uma análise mais adequada da embarcação, de tal forma a permitir a inclusão desse material de defesa no “Projeto Embarcações”, gerenciado pelo Departamento de Engenharia e Construção do Exército.

FONTE/FOTOS: EB

- Advertisement -

17 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
aldoghisolfi
aldoghisolfi
8 anos atrás

Notícias como esta me preocupam e entristecem. Tempos atrás o Exército experimentou outras lanchas e pensei o mesmo: será que não temos tecnologia e capacidade para fazê-las nós mesmos? Porque, por mais sofisticadas que sejam, não passam de ‘lanchas potentes’ com tecnologia disponível no mercado (civil/militar) e que poderiam ser construídas por algum estaleiro nacional. Ou não?

jonathas
jonathas
Reply to  aldoghisolfi
10 meses atrás

Tem sim, mas é um descaso total com a Defesa As DSG Raptor são tudo produzidas aqui dentro e já são patenteadas pela Marinha do Brasil.

Vader
8 anos atrás

Boa notícia, espero que dê certo. Pelo menos o EB contará com um equipamento “estado da arte”. Aldo: Se fosse para ser construído no Brasil, iriam criar uma concorrência com “dispensa de licitação” que iria ser vencida por alguma empresa francesa, em associação com alguma empreiteira brasileira, que montaria uma empresa para receber a tecnologia, que logo depois seria adquirida pela matriz francesa. Aí a gente pagaria US$ 50 milhões por lancha e aprenderia a fabricar os espelhos retrovisores e a parte de fibra de vidro do casco. E as lanchas ainda viriam cheias de problemas de projeto. 😉 Não… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
8 anos atrás

Mas esse é justamente o maior defeito, desta embarcação, ser americana.
Francesa, colombiana ou bolivariana, sim pode, já americana, não pode não.
Ah, sueca tb não tá.

ReturnOfTheKing
ReturnOfTheKing
8 anos atrás

Prefiro a outra que foi testada na amazonia!

Bosco Jr
Bosco Jr
8 anos atrás

Return,
A outra que foi testada na Amazônia era a CB90, de outra classe, bem maior.
Uma não exclui a outra.
E mesmo a CB90 de origem sueca parece que foi preterida pela colombiana, igualmente em estado da arte, não sei se da classe LPR-40 ou PAF-IV

aldoghisolfi
aldoghisolfi
8 anos atrás

Salve VADER!
É exatamente contra tudo o que dissestes que eu disse que a tecnologia está disponível e que poderíamos nós mesmos construir estas lanchas; entendo assim, porque na realidade, vais concordar comigo, elas não passam d’uns botes metidos a sebo!?, com excelente motorização etc, mas não passam disso aí. Será que não dispomos de tecnologia para nós mesmos construí-las? Sem importar nada? O cambalcho existe, não há dúvidas, mas, putz!… IMPORTAR LANCHAS DE PATRULHA FLUVIAL?!…

aldoghisolfi
aldoghisolfi
8 anos atrás

VADER:
Vê bem as pessoas e as instituições envolvidas; nesse diapasão existe o mesmo drama com uma quantidade de aviões de treinamento básico que está apodrecendo nos pátios dos aeroclubes, a céu aberto. Estamos falando de lanchas para o Exército…

Daglian
Daglian
8 anos atrás

Se alguém estiver interessado em ver estas lanchas em ação porém de maneira mais cinematográfica, recomendo o filme “Act of Valor”, lançado no início do ano.

Espero que venha a ser adquirida pelo EB, na minha opinião uma ótima embarcação, muitíssimo bem armada. E desejaria também ver as CB90 no EB, creio que estaríamos então com embarcações mais do que suficientes para as ações do Exército na Amazônia.

MAD DOG
MAD DOG
8 anos atrás

Com certeza, já possuímos tecnologia suficiente no país para desenvolver uma lancha com esta.
Casco, motorização marinizada, hidrojatos, etc.

Bosco Jr
Bosco Jr
8 anos atrás

Daglian,
Há algum tempo foi noticiado que iríamos adquirir as LPR-40 da Colômbia. São tão boas quanto as suecas.
Ah! Eu vi o filme.

Bosco Jr
Bosco Jr
8 anos atrás

Esses barcos de patrulha fluviais são bem parecidos com outro barco que pode ser visto logo no início daquele outro filme, “Battleship”‘, que são os RHIB de 11 metros.
São parecidos, mas não são iguais.

Daglian
Daglian
8 anos atrás

joseboscojr,

Bom, nesse caso, que sejam as colombianas ou suecas. O importante é o EB adquirir alguma, o que não dá é ficarmos sem elas!

Vou aproveitar e ver o “Battleship”, estou há um tempo para vê-lo e sempre deixo pra depois.

Sds.

aldoghisolfi
aldoghisolfi
8 anos atrás

Dêem uma olhadinha no site abaixo. Lá tem uma lanchona de fazer inveja aos RPB (só falta a camuflagem) que os operadores chamam de ‘bote inflável’. E tem cadeirinhas, gente!

http://www.gazetadopovo.com.br/midia_tmp/370–macuco_safari.jpg

Daglian
Daglian
8 anos atrás

Ah, aproveitando… alguem colega saberia dizer sobre o processo de compra das LPR-40 ou CB90? Como anda, se há algum acordo, data, enfim…

Agradeço antecipadamente.

jonathas
jonathas
10 meses atrás

O Eb na Amazônia já era para estar cheia de DSG 888 Raptor

https://www.youtube.com/watch?v=TghPrvOnJXw&feature=emb_title

Últimas Notícias

Assessor de segurança nacional dos EUA viaja ao Brasil

Esta semana, o conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Jake Sullivan, viajará para o Brasil e Argentina, acompanhado...
- Advertisement -
- Advertisement -