quarta-feira, setembro 22, 2021

Saab RBS 70NG

A aposentadoria dos fuzis

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

Quatro anos após a 1ª UPP, PMs voltam a usar apenas pistolas, além de armas não letais

 

Diego Barreto

Arma que simboliza, como um estigma, os grandes confrontos entre a polícia e criminosos ao longo dos últimos 30 anos, o fuzil começa gradualmente a sumir das ruas do Rio. Reflexo do processo de pacificação, que completa quatro anos na próxima semana, a substituição do armamento de grosso calibre por armas de choque (não letais) e pistolas, noticiada por Ancelmo Gois em sua coluna no GLOBO, foi confirmada ontem pela Polícia Militar. A iniciativa, que inicialmente está sendo implantada em regiões onde as favelas receberam Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), já retirou do patrulhamento dessas áreas 273 fuzis.

De acordo com a PM, parte das equipes de patrulhamento de Zona Sul, Centro, Tijuca e outras áreas do estado já trabalha com armas não letais e pistolas no lugar de fuzis. Um total de 1.265 tasers (armas de choque) foi entregue aos policiais. Em três favelas pacificadas – Dona Marta (em Botafogo), Jardim Batam (Realengo) e Chapéu Mangueira (Leme) – fuzis também não são mais usados. O processo de troca começou em maio no Dona Marta, a primeira favela pacificada da cidade – a ocupação começou em 19 de novembro de 2008.

Outras cinco áreas com UPPs seguem o mesmo caminho: Ladeira dos Tabajaras e Morro dos Cabritos (Copacabana); Providência (Centro); Morro da Formiga (Tijuca) e Morro do Andaraí. Nessas favelas, apenas equipes de supervisão das UPPs ainda portam fuzis. O objetivo da corporação é, ao longo dos anos, apenas unidades especiais como o Bope e o Batalhão de Choque utilizarem armamento pesado.

O comandante-geral da PM, coronel Erir Ribeiro da Costa Filho, disse que a substituição de armamento de guerra por armas não letais e pistolas significa uma grande mudança na corporação.

– Isso representa uma transformação da cultura que nós, policiais, tínhamos, de que o fuzil resolvia os conflitos. Hoje a pacificação transformou essa questão – disse, acrescentando que alguns fuzis já estão sendo aposentados. – Alguns fuzis estão sendo levados para áreas onde o seu uso ainda é necessário, outros já estão sendo guardados. Ao longo do tempo, isso deve se estender a outras regiões do estado, até que o fuzil seja utilizado somente por unidades especiais. Acredito que dentro de alguns anos vamos aposentar os fuzis das ruas.

Especialistas elogiam a iniciativa

A substituição do armamento de guerra recebeu a aprovação de especialistas em segurança pública. Antropólogo, instrutor de tiro e ex-capitão do Bope, Paulo Storani foi um dos que aplaudiram a iniciativa.

– A velocidade de um projétil de fuzil é alta, assim como a transferência de energia. No corpo humano, os estragos são enormes. A onda de choque provocada pela bala causa a destruição do tecido, que se liquefaz quando atingido. Dependendo do ângulo e da distância, a bala pode se esfacelar ao atingir uma parede, causando ferimentos em várias pessoas próximas. O fuzil é capaz de atingir com precisão um alvo a até 400 metros de distância. Mas o projétil pode percorrer uma distância de até quatro mil metros. Foi desenvolvido para ser usado em guerras convencionais, tendo capacidade de perfurar um capacete de aço e matar o oponente – explicou Storani.

Ele lembrou que o fuzil começou a ser usado na década de 90, em resposta aos arsenais adquiridos pelas facções criminosas:

– No início dos anos 90, os criminosos começaram a utilizar esse tipo de arma. Em 1995, os primeiros fuzis da PM foram emprestados pelas Forças Armadas. Inicialmente, só o Bope usava. O fuzil foi responsável no estado pelo aumento da letalidade nas operações policiais, com mortes de inocentes, policiais e traficantes. A retirada desse armamento do patrulhamento das ruas é muito positiva. É um grande indicador de sensação de segurança maior nessas áreas pacificadas. Criar uma nova cultura sem fuzil vai demorar um tempo. Haverá resistência de policiais que viveram confrontos.

Para o sociólogo Ignácio Cano, professor e coordenador do Laboratório de Análise de Violência da Uerj, sem a presença de traficantes fortemente armados, o uso de fuzis por policiais não se justifica:

– A iniciativa representa a ruptura com um modelo de guerra. Com os espaços recuperados dos criminosos, não se justifica a presença de policiais com armas de alto poder. Tem que se desmontar a associação de táticas de guerra com policiamento. Isso naturalmente deve começar pelas áreas pacificadas. Depois, é preciso que haja expansão para outras regiões.

Presidente da Sociedade Amigos de Copacabana e do Conselho de Segurança Comunitária do bairro, Horácio Magalhães disse que a presença de armamento pesado nas mãos de policiais cria a impressão de confronto iminente, o que não reflete a realidade da região hoje:

– Essa mudança é muito positiva. Se a área está pacificada, é um contrassenso ver o policial portando essas armas.

Opinião semelhante tem a vice-presidente da Associação de Moradores de Vila Isabel:

– Sempre defendemos o policiamento comunitário no bairro, com um maior envolvimento dos policiais com os moradores. Nos países desenvolvidos, o patrulhamento é feito até sem armas. Por isso, considero uma medida boa a retirada dos fuzis.

A medida também pode evitar casos como o do menino João Roberto, de 3 anos, morto em julho de 2008, na Tijuca. PMs atiraram no carro dirigido pela mãe do garoto, ao confundir o veículo com outro ocupado por bandidos. Os disparos foram feitos com fuzil.

FONTE: O Globo, via Resenha do EB

FOTO: AP

- Advertisement -

8 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
rsbacchi
rsbacchi
8 anos atrás

Comentário absurdo!!!

A policia deve estar armada para poder enfrentar os fora da lei!!!

O resto é papo furado.

Bacchi

aldoghisolfi
aldoghisolfi
8 anos atrás

Agora sim… a polícia está a um passo do bodoque…

Marcos
Marcos
8 anos atrás

Algumas sugestões de nome para a tropa de choque da PM do Rio:

– Bambi

– Letal Pink

Bosco Jr
Bosco Jr
8 anos atrás

Há de se pagar um preço por se estar do lado da lei e preferencialmente, da justiça. Fuzil não é arma para polícia. A polícia deve se armar com “inteligência”, superioridade numérica, equipamentos de proteção individual, sistemas de vigilância, comunicação, um sistema judiciário eficaz, leis severas que são cumpridas, uma política de tolerância zero, incentivo à legalidade, etc. Armas letais da polícia comum deveriam ser a pistola e a espingarda 12. Também é aceitável a submetralhadora, preferencialmente no modo “semi”. Grupos táticos especiais sim, altamente treinados e em quantidade reduzida, podem contar com fuzis de assalto (preferencialmente sem o modo… Read more »

Bosco Jr
Bosco Jr
8 anos atrás

Sem falar que a distância média de combates em aglomerados urbanos tipo “favela” não deve ser na grande maioria das vezes muito maior que o alcance útil de uma submetralhadora, tornando-se o fuzil completamente inadequado para armar o grosso da tropa, devido a uma série de fatores.
É mais pesado e comprido do que o necessário, o que dificulta o uso em ruelas apertadas, etc.

Mauricio R.
Mauricio R.
8 anos atrás

Nunca é a bandidagem, armada de fuzís, que mata algum inocente, mas sempre a polícia.
Mto estranho isso…

aldoghisolfi
aldoghisolfi
8 anos atrás

Acho que a polícia precisa vencer e não vai ser usando de falácias que ela vai conseguir isso. Como criaram a situação, a bandidagem vai poder matar o polícia a uma distãncia que o armamento dos tiras não poderá nem mesmo chegar perto. Vai ser tiro-ao-alvo! E, evidente, o alvo será o tira…

erabreu
erabreu
8 anos atrás

Bosco,
Infelizmente a vagabundagem so respeita “poder de fogo”.
Fugiram que nem ratos quando as forcas de segurança usaram blindados de verdade.
Concordo que não deveria ser generalizado o uso do fuzil, mas a sua retirada completa emascula o policial comum.

Quanto ao resto: “A polícia deve se armar com “inteligência”, superioridade numérica, equipamentos de proteção individual, sistemas de vigilância, comunicação, um sistema judiciário eficaz, leis severas que são cumpridas, uma política de tolerância zero, incentivo à legalidade, etc.”, pode esquecer.

Últimas Notícias

Grupo de Artilharia Antiaérea realiza exercício de tiro real

Praia Grande (SP) – O 2º Grupo de Artilharia Antiaérea participou, no período de 13 a 17 de setembro,...
- Advertisement -
- Advertisement -