Home Sistema de Armas Novo Astros para a Indonésia não será do modelo 2020

Novo Astros para a Indonésia não será do modelo 2020

511
29

Roberto Godoy

A versão mais avançada do lançador de foguetes de artilharia Astros-2, vai equipar batalhões especializados do Exército da Indonésia. Há duas semanas, em Jacarta, a Avibrás Aeroespacial, de São José dos Campos (SP), assinou o acordo comercial para fornecer pouco mais de US$ 400 milhões – cerca de R$ 800 milhões – em unidades do sistema de armas.

O contrato é amplo: envolve dois grupos completos do Astros – carretas lançadoras, blindados de comunicações, comando e controle, e viaturas para o radar de coordenação, junto das centrais de meteorologia.

O tamanho exato do pacote está protegido por cláusula de confidencialidade. No entanto, o número é estimado em 40 veículos. O sigilo protege também as especificações do tipo de munição escolhido. O sistema emprega foguetes com alcance entre 9 e 100 quilômetros. Os modelos maiores, SS-60 e SS-80, podem receber ogivas múltiplas, levando até 70 pequenas granadas, dispersadas sobre o alvo.

A versão selecionada pelos indonésios é a Mk-6, a mais avançada do portfólio da Avibrás. Ainda não é a série 2020, definida pelo Exército brasileiro, e que utilizará misseis de cruzeiro para atingir objetivos a 300 quilômetros, além de um foguete guiado com possibilidade variada de configuração. O programa é prioritário no Ministério da Defesa, incluído no PAC-Equipamentos pela presidente Dilma Rousseff. Foram liberados R$ 45,3 milhões para a fase inicial. O custo total é de R$ 1,09 bilhão.

O Astros da Indonésia sairá da fábrica com pesada carga eletrônica. Isso permitirá a futura incorporação da nova munição inteligente que cumpre atualmente as etapas de certificação – é o caso do míssil, por exemplo.

Para o ministro da Defesa, Celso Amorim, “o negócio mostra a importância de o Brasil dedicar-se ao trabalho com novos protagonistas e parceiros”. Para Amorim, “a Indonésia tem grande importância no contexto mundial e já adquiriu aviões Super Tucano da Embraer”. A aviação de Jacarta adquiriu 16 turboélices, no arranjo de ataque leve, vigilância eletrônica e apoio à tropa terrestre.

Concorrência pesada. Para cumprir o contrato, a Avibrás vai instalar um escritório técnico na capital indonésia. É o segundo da empresa na região. O primeiro é o de Kuala Lumpur, na Malásia, país onde o Astros faz parte de um comando estratégico desde 2010. A encomenda do exército malaio bateu em R$ 500 milhões.

“A concorrência na Indonésia foi muito pesada”, diz o presidente da empresa, Sami Hassuani. A negociação começou em 2008 e exigiu “agilidade e prova de capacidade técnica o tempo todo”. O resultado, entretanto, é bastante bom. Sami estima que os documentos finais serão firmados em no máximo 90 dias e as entregas finalizadas em três anos, “mas a convivência com o cliente vai se estender por até 30 anos”.

Esse tempo, no entendimento do mercado de equipamento militar, é o que é dedicado ao aperfeiçoamento tecnológico, encomendas suplementares e sobretudo ao atendimento da abertura de novas parcerias. O impacto da encomenda indonésia será grande no polo industrial de São José dos Campos. Na Avibrás, já se sabe, serão criadas 300 empregos diretos – e 600 outros na cadeia dos fornecedores, quase todos da região do Vale do Paraíba.

A assinatura do protocolo inicial foi no dia 8, em Jacarta, pelo diretor da Agência de Aquisições do Ministério da Defesa indonésio, Ediwan Prabowo, e por Sami Hassuani. Dois dias depois, o presidente do país, Susilo Bambang Yudhoyono, viu uma carreta lançadora do Astros, já pintada com as cores do exército local e armada com quatro foguetes SS-80.

A apresentação, na feira de material de Defesa Indo Defence, implicou uma operação complexa. A fabricante não tinha um veículo de demonstração. Mandou para a Indonésia uma unidade operacional, de série – um carro de guerra, pronto para o combate.

O prazo era curto. Um jato cargueiro Boeing 747 foi fretado pela Avibrás para levar toneladas de material por metade do planeta sem risco. Deu certo.

FONTE: O Estado de São Paulo, via Resenha do EB

Subscribe
Notify of
guest
29 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Daglian
Daglian
7 anos atrás

Mísseis de cruzeiro? Que mísseis?

wwolf22
wwolf22
7 anos atrás

o “Matador”…
eh o missil de 300Km que a Avibras esta testando…

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Daglian, Não leve muito a sério esse tal “míssil de cruzeiro”. Ou ele existe só no imaginário de nossos jornalistas e generais ou está sendo desenvolvido envolto em mais segredo do que o Projeto Manhattan. rsrssss Em sendo a segunda opção seria no mínimo interessante porque hoje os fabricantes de sistemas militares divulgam com grande estardalhaço seus futuros produtos já que, com raríssimas exceções, serão exportados, tendo que enfrentar fortíssima concorrência no mercado internacional. Em sendo a primeira opção, a AVIBRAS estaria sendo extremamente deselegante em não desmentir o dito cujo e dizer que ele não passou de um sonho… Read more »

Daglian
Daglian
7 anos atrás

joseboscojr,

Obrigado pelo esclarecimento. Achei realmente estranho que estivéssemos desenvolvendo um míssil de cruzeiro e que, ao mesmo tempo, não houvesse notícias regulares sobre o mesmo.

Sds.

ci_pin_ha
ci_pin_ha
7 anos atrás

Que o Matador está saindo do papel, penso que seja verdade, em uma exposição da indústria nacional de defesa que ocorreu aqui em Brasília, tive a oportunidade ver em uma das telas do estande da Avibrás o teste do motor do míssil e pelo que me foi dito pelo representante que ali estava.

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Cipin, Creio que o motor testado era o booster de combustível sólido. (??????) Ou era a turbina??? Se for o booster, eu não levo fé, agora, se for a turbina, aí só Deus sabe e pode ser que venhamos mesmo a ter um míssil cruise tupiniquin num futuro distante. Tudo o que se sabe desse míssil é que teria cerca de 700 kg no lançamento, uma ogiva unitária de 200 kg (embora na foto pareça ser uma ogiva de fragmentação com ejeção lateral das submunições), velocidade subsônica, motor a jato para cruzeiro, lançamento por um booster (que não aparece nas… Read more »

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Correção:
…..bem MAIOR que o Delilah israelense….

wwolf22
wwolf22
7 anos atrás

alguem poderia confirmar se essa frase abaixo eh verdadeira ?? ela esta postada em outro site de defesa…

“Com o advento do Acordo de Cooperação Militar Brasil-Rússia, em abril de 2002 (só promulgado em 2005), a Avibras passou a desenvolver em conjunto com o escritório Sukhoi a nova família do sistema ASTROS III.”

Baschera
Baschera
7 anos atrás

wwolf22, Nunca ouvi ou li tal coisa….. qualé a sua “fonte” ?? No mais, sobre o AV-MT 300 “Matador” (apelido dado anos atrás pelo próprio jornalista R. Godoy) cujas siglas significam AV= Avibrás e MT= Míssil Tático….. mas que agora foi renomeado pela Avibrás para “Astros TM” onde TM=Tactical Míssil….. realmente pouco ou nada se sabe sobre ele, conforme o próprio colega Bosco colocou…. também consultei o “Parabelum” (Sr. Paulo Bastos) eminente estudioso sobre o assunto blindados e pessoa que seguidamente escreve matérias em diversos sites e revistas especializadas e a resposta do mesmo foi a mesma do Bosco: “Olá… Read more »

wwolf22
wwolf22
7 anos atrás

Baschera, li essa “materia” no seguinte site,

http://www.defesabr.com/eb.htm#Misseis

tem algumas coisas interessantes a respeito da Familia Astros nesse site… foguete SS 40 G…
agora ateh que ponto sao verdadeiras as informacoes ai eu ja nao sei…

giltiger
giltiger
7 anos atrás

Baixei o áudio da exposição feita pelas forças na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN) da Câmara dia 7 de novembro. Nela o representante do exército General de Brigada Luiz Felipe Linhares Gomes, Chefe do Escritório de Projetos do Exército Brasileiro ao se referir ao projeto Astros 2020 (segundo projeto) ele presta as seguintes informações aos deputados, que o novo sistema será 4 vezes mais preciso que o Astros-2 MK6 e terá um míssil de 300 km de alcance. Cita que o exército JÁ POSSUI a turbina (do nosso míssil) e estão no momento testando o foguete… Read more »

wwolf22
wwolf22
7 anos atrás

giltiger,

excelente informacao…
ja tinha lido tb que a Avibras estava trabalhando num sistema AA em parceria com a Africa do Sul…

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Eu não ponho fé nessas aspirações mirabolantes, textos fantasiosos, cheias de expressões rebuscadas, tipo “Seu sistema digital de navegação terá o que existe de mais moderno no mundo”. Me polpem! Giltiger, O Exocet, diferente do Harpoon, Tomahawk, etc, não usa um booster descartável, sendo lançado por seu próprio motor foguete sólido, que tem empuxo duplo; um maior e de pequena duração, para lançar o míssil, e outro de maior duração e menor potência para o voo de cruzeiro. Para nosso cruise missile Tupiniquin seria necessário o desenvolvimento de um booster próprio. O que é mais interessante é que esse booster… Read more »

giltiger
giltiger
7 anos atrás

Sobre a PRECISÃO dos foguetes no sistema Astros 2020. Bati a informação do Exército na comissão que o Astros 2020 será 4 vezes mais preciso que o Astros 2 MK-6 com o site da Avibrás e descobri o seguinte: Links a partir da página principal da Avibrás: Capacitação/Produtos Programas Militares -Foguetes Guiados Chega até o texto: FOGUETES GUIADOS O Programa de Subvenção Econômica da FINEP “Desenvolvimento” de Sistema Autônomo de Controle de Voo para Posicionamento, Navegação, Controle e Guiamento de Foguetes de Médio Porte (SPNCG)” é um programa de pesquisa e desenvolvimento que tem como objetivo o projeto do sistema… Read more »

giltiger
giltiger
7 anos atrás

Desde que o foguete SS-40 dotado com o SPNCG não custe 4 vezes mais caro que o SS-40 não guiado a conta talvez feche positiva para o Astros 2020…

ernaniborges
ernaniborges
7 anos atrás

Eu não subestimaria a capacidade da AVIBRÁS para desenvolver um “míssil” guiado, assim como os EUA não subestimaram a capacidade do ASTROS II, com mísseis “burros”.
Não podemos esquecer que o ASTROS II foi desenvolvido sem a “fartura” de financiamento público do presente…

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Ernaniborges,
Os EUA não subestimaram nenhuma arma usada pelos iraquianos. E a lista é grande:
http://www.forte.jor.br/2009/01/19/os-equipamentos-do-iraque-na-guerra-do-golfo-de-1991/
E como não poderia ser diferente, antes do avanço por terra, alguns itens do equipamento iraquiano mereceram uma atenção especial, dentre eles o ASTROS.
Nem mais nem menos.
A “atenção especial” surtiu efeito e o avanço por terra se deu sem maiores problemas já que os americanos estabeleceram prontamente a superioridade aérea e tiveram liberdade para neutralizar qualquer alvo em terra que julgassem de valor, independente de ser brasileiro, soviético, chinês, francês ou americano.

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

E ninguém subestima a capacidade da AVIBRAS, só que “trabalhamos” encima das informações que temos acesso.
Claro que dentro do QG do EB, numa sala de segurança máxima, pode ter um envelope lacrado escrito “super secreto” com um DVD e um calhamaço de documentos mostrando o qual avançado está o codinominado míssil Matador, inclusive com gravações de testes, etc, mas infelizmente não temos acesso a esse hipotético envelope e o que sabemos é que o dito cujo está sendo desenvolvido há 20 anos e que até onde se sabe não passa de uma boa ideia.

ci_pin_ha
ci_pin_ha
7 anos atrás

Bosco
No vídeo que vi eles estavam testando uma turbina.
Achei estranho, mas não me lembro de ter perguntado especificamente sobre o Matador.

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Voltando ao ASTROS, não me entra na cabeça que os americanos tenham dado mais atenção, ou como se lê na internet, tenham dado “prioridade” aos cerca de 60 ASTROS que os iraquianos tinham em detrimento dos 200 canhões GHN-45 155mm, ou dos 200 canhões de 155 mm G5, ou dos 300 lançadores de foguetes de 122 mm de origem egípcia, copias do BM-21.
Se eles fizeram isso, me perdoem, mas são uns imbecis, porque morrer de foguetada de ASTROS não é diferente de morrer de canhãozada de 155 mm ou de foguetada de 122 mm. Todos levam igualmente ao Paraíso.

Bosco Jr
Bosco Jr
7 anos atrás

Valeu Cipin.
Tomara mesmo que estejam desenvolvendo o tal míssil, mas eu, depois de mais de 35 anos acompanhando o tema “Defesa”, me dou o direito de só aplaudir quando ver um sendo lançado, voando e atingindo um alvo.
Dizer que tem é fácil. Eles dizem que tem o “Matador”, o FOG-MPM (guiado por fibra ótica), foguetes guiados, etc.
Quero ver existir de verdade, funcionar e entrar em operação, caso contrário, ao meu ver não passa de conversa fiada.
Mas me calo e antecipadamente me desculpo se existirem de fato.
Um abraço.

Baschera
Baschera
7 anos atrás

Senhores,

Fico com o Bosco, pois nós os mais “velhos” realmente estamos vacinados contra este monte de “lero-lero” ….. há vinte anos se ouve do matador… que só nos tem matado de tédio…rssss.

Bosco….

Quer dar risada ??

Agora somos “referência”…..em foguetes….

http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&NR=1&v=4PlqGeD7-EQ

Sds.

trackback
7 anos atrás

[…] Novo Astros para a Indonésia não será do modelo 2020 Compartilhar isto:FacebookTwitterLinkedIn   Se você gostou desse post, compartilhe! […]

Mauricio R.
Mauricio R.
7 anos atrás

Abusaram do lero-lero, mais parece uma tentativa de fazer a Avibrás parecer aquilo que ela não é, uma empresa sólida e competente.

giltiger
giltiger
7 anos atrás

joseboscojr eu passei uma INFORMAÇÃO. O general do escritório de projetos especiais do Exército Brasileiro falou a uma comissão do congresso que o exército tem desenvolvido uma turbina aeronáutica e está testando um booster ou um primeiro estágio de combustivel sólido num projeto de INTEGRAÇÃO DO MINISTÉRIO DA DEFESA para a obtenção do míssil de cruzeiro do sistema Astros 2020. No jargão da nova era das FFAAs um projeto de INTEGRAÇÂO do Ministério da Defesa quer dizer que um projeto específico da força tem uma parte que será fornecida fora daquele comando. Retirada de um OUTRO projeto, pertencente a um… Read more »

Vader
7 anos atrás

“a defesa aérea de mísseis não será atendida por encomenda externa mas por equipamento 100% nacional já para a copa de 2014”

Cuma???????? 100% NACIONAL????? Já para 2014???

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK…

Não não, de novo:

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK…

Agora em inglês:

LOLOLOLOLOLOLOLOLOLOLOLOLOLOLOLOLOL…

🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂 🙂

Porra parceiro, vê se não conta aquela do português agora (guarda pra próxima) porque senão vou fazer nas calças de tanto rir, rsrsrsrsrsrs…

Cara, essa tal “nova era das FFAAs” (sic) pode não ser lá muito produtiva, mas que é engraçada pacas é, hehehehehe…

graanbarros
graanbarros
7 anos atrás

Caros,
Parece que o AV-MT Matador existe mesmo! Pelo menos é o que mostra o site Alide, onde diz que ontem dia 28 de novembro foi assinado com o Exército Brasileiro um contrato para a fabricação de um lote inicial do míssil AV-TM 300.

http://www.alide.com.br/joomla/capa/75-extra/4395-avibras-assina-contrato-para-a-construcao-de-lote-piloto-de-novo-missil-de-cruzeiro-de-projeto-brasileiro-

marcosdurigan
7 anos atrás

RT @blogforte: Novo Astros para a Indonésia não será do modelo 2020: Roberto Godoy A versão mais avançada do lançador de … http://t.c