quinta-feira, outubro 28, 2021

Saab RBS 70NG

Exército investiga pedido de propina de oficiais, diz revista

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

vinheta-clipping-forte1Uma empresa do Paraná afirma que oficiais do Exército pediram propina para referendar a vitória numa licitação. Segundo reportagem da revista “Veja”, a cobrança de dinheiro foi feita ao Grupo Mascarello, fabricante de ônibus.

Os oficiais exigiram dinheiro em troca da assinatura do contrato para a venda de 65 ônibus ao custo de R$ 17,8 milhões para o Batalhão da Guarda Presidencial. A empresa fez chegar o problema ao senador Roberto Requião (PMDB-PR), que falou com ministro Aloizio Mercadante (Educação).

Após isso, a licitação foi referendada sem o pagamento de propina e o Exército abriu uma investigação ainda não concluída, segundo a revista.

À Folha, Requião disse recebeu a acusação no fim do ano passado. Segundo ele, um integrante da diretoria da Mascarello falou com ele sobre o assunto e ele repassou o problema a Mercadante.

A assessoria do ministro, por sua vez, afirmou à reportagem que recebeu a suspeita e a comunicou ao Comando do Exército.

“[Após falar com Requião] o ministro [Mercadante] ligou imediatamente ao Comandante do Exército, general Enzo Martins Peri, relatando o ocorrido”, afirmou.

“Posteriormente, o comandante informou ao ministro que a empresa assinou o contrato sem qualquer dificuldade, dentro das regras da licitação, e que todas as pessoas citadas foram ouvidas. Posteriormente, a presidenta foi comunicada do fato, das providências tomadas e da pronta resposta do comandante do Exército.”

A “Veja” não informa os nomes dos oficiais investigados. A Folha tentou, sem sucesso, ouvir o Exército sobre a suspeita.

A compra dos ônibus para o Batalhão da Guarda Presidencial está inserida num dos projetos do governo do ano passado para aquecer a economia, o chamado PAC Equipamentos.

No total, o governo tinha a intenção de gastar R$ 8,4 bilhões com a compra de equipamentos em vários ministérios.

FONTE: Folha de São Paulo

- Advertisement -

8 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
aldoghisolfi
aldoghisolfi
8 anos atrás

Evidentemente que a empresa não iria apresentar denúncia desse quilate sem as devidas provas comprovadas. Bueno… aí as côsas desandam todas… e a credibilidade vai p’ro saco.

Requena
Requena
8 anos atrás

Se ficar provado alguma falcatrua, todos serão punidos.
Simples assim.

Marcos
Marcos
8 anos atrás

Qual o problema? Todo mundo não faz? E segundo o deus-Sol, urna é Tribunal.

Marcos
Marcos
8 anos atrás

Vamos lá:

Todo esse empresariado ai, todos muitos ingênuos, de repente chegam lá no governo e… pá! Os milicos pedem a grana, a bufunfa, etc e tal. Bom, dai os caras vão reclamar para quem? Para o Requião!!

Marcos
Marcos
8 anos atrás

Vão aproveitar e investigar os helicópteros Super Puma, aquele que cada um custou US$ 60 milhões?

E o tal contrato de submarinos, onde a DCNS EXIGIU que a parte brasileira fosse quem mesmo?

Marcos
Marcos
8 anos atrás

A noticia completa informa que nossa amada Presidenta deu DOZE horas para que o Comandante do Exército resolvesse o caso.

MAD DOG
MAD DOG
8 anos atrás

SUN TZU já escreveu que as atitudes do Comandante Supremo reflete em toda Tropa, seja elas positivas ou negativas.

O PT é o comandante supremo das FAAs, hoje. Logo, ….

Vader
8 anos atrás

É a degenração das instituições finalmente chegando ao Exército. Ora, se todos fazem, porque os militares também não o fariam?

E o PT assim consegue destruir a última instituição mais ou menos impoluta da República.

O plano está assim completo.

Últimas Notícias

Forças Armadas da Ucrânia usam drone turco Bayraktar TB2 em Donbass

As Forças Armadas da Ucrânia usaram drones de ataque de média altitude Bayraktar TB2 em Donbass. Os drones de ataque...
- Advertisement -
- Advertisement -